Click here to load reader

1 VII – TARIFAS. 2 Índice A) INTRODUÇÃO – SISTEMA DE TARIFAS COMPLETO; B) ESTRUTURA TARIFÁRIA; C) ADMINISTRAÇÃO TARIFÁRIA; D) COLETA DAS TARIFAS E DIREITO

  • View
    105

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of 1 VII – TARIFAS. 2 Índice A) INTRODUÇÃO – SISTEMA DE TARIFAS...

  • Slide 1
  • 1 VII TARIFAS
  • Slide 2
  • 2 ndice A) INTRODUO SISTEMA DE TARIFAS COMPLETO; B) ESTRUTURA TARIFRIA; C) ADMINISTRAO TARIFRIA; D) COLETA DAS TARIFAS E DIREITO S VIAGENS; E) NVEL DE CONTROLE DA COLETA DE TARIFAS; F) DADOS DE VALIDAO/CANCELAMENTO NA COLETAS DE TARIFAS; G) BARREIRAS E CANCELAS NA COLETA DAS TARIFAS; H) VENDAS E PAGAMENTOS NA COLETA DE TARIFAS; I) O SISTEMA COMPLETO DE TARIFAS; J) FRMULAS PARA CLCULOS TARIFRIOS; Q) EXEMPLO DE CLCULO TARIFRIO.
  • Slide 3
  • 3 A) INTRODUO - TP -> dependem das Tarifas (+ subsdios em muitos casos). - Valor da tarifa depende da regulamentao e mtodos de clculo so considerados os aspectos Financeiros e Sociais sob os quais o Sistema Tarifrio deve operar. - Custos podem ser totalmente pagos pelos usurios ou adotar suporte financeiro de forma a atender objetivos sociais (principalmente em servios comunitrios). - Critrios Operacionais mximo no. de usurios, mxima Km, mxima rea de cobertura. - Critrios Sociais Minimizar tarifa, tarifas sociais, nveis mximos de Servio. - Estabelecer Sistema de Tarifas (estrutura, regulamentos, pagamento, coleta, controle). 1)Para a definio das tarifas devem ser levados em conta recomendaes fiscais e sociais; cite algumas destas recomendaes.
  • Slide 4
  • 4 4)Quais so os Elementos de um SISTEMA DE TARIFAS COMPLETO? ESTRUTURA TARIFRIA COLETA DAS TARIFAS SISTEMA DE PAGAMENTOS CONTROLE DA OPERAO ESTRATGIA DE CONTROLE REGULAMENTOS TARIFRIOS 2)De que constituda a estrutura tarifria? As diferentes tarifas que so cobradas e os nveis nos quais as mesmas so estabelecidos formam a estrutura tarifria.
  • Slide 5
  • 5 B) ESTRUTURA TARIFRIA As tarifas podem ser diferenciadas quanto ao: 1)Passageiro (adultos, crianas, pessoas de idade, deficientes, militares,...). 2)Viagem (tarifa nica, por zonas, distncia, motivos de viagem...). 3)Servio (local, direto, por via exclusiva, tipo de veculo,...). 4)Hora do dia (pico, fora do pico,...). 5)Dias da semana (fim de semana, frias,...). 6)Validade de passes (semanal, mensal,...). 7)Freqncia de viagens (ex. 10 por semana,...) Observar: Relaes: Tarifa/Custo Nvel de Servio/Tarifa No. de Usurios/Tarifa Nvel de Servio/Nvel de Usurios 3)De que forma podem ser diferenciadas as tarifas? 5)Como determinada a elasticidade da demanda dos passageiros em relao a variao das tarifas? Elasticidades: E = - (D/D) / (P/P) em geral varia de - 0,2 a - 0,4
  • Slide 6
  • 6 ASPECTO SOCIAL PASSAGEIROS IDOSOS NO PAGAM PASSAGEM
  • Slide 7
  • 7 Exemplos das ESTRUTURAS BSICAS DE TARIFAS Tarifas Distncia de Percurso nica Linear Mltipla Escalonada Aumento Global 6)Quais so os tipos de tarifas quando as mesmas so estabelecidas em funo das distncias?
  • Slide 8
  • 8 C) ADMINISTRAO TARIFRIA -O Sistema Tarifrio precisa ser prtico quanto a sua implantao. Devem ter adequados:.Desempenho Operacional ser bem aceito pelo pessoal de operao; ser adequado para uso em todos os veculos; p/todas as tarifas; p/situaes de emergncia..Economia e Manuteno considerar todos os custos (capital, estoques, manuteno, disponibilidade pessoal), considerar vida til e econmica dos veculos e equipamentos; efeitos de quebras em congestionamentos e velocidade dos veculos. 7) Cite algumas exigncias quanto ao Sistema Tarifrio, do ponto de vista de sua administrao.
  • Slide 9
  • 9 A tarifa um ponto sensitivo de interao com os usurios devendo ser percebida como justa, honesta, razovel, equitativa e ser fcil de entender..Deve levar em conta caractersticas dos passageiros;.Devem haver inclusive previses para indenizaes por contuses, ou ferimentos que os TP causem aos usurios;.Segurana caixas trancadas; inviolabilidade; classificadores e contadores; registros..Coleta de Dados bilhetes oferecem maiores possibilidades dados importantes por hora do dia; dia; tarifa paga; O/D..Minimizar Fraudes e Roubos com 1 a 5% o projeto de equipamentos e checagem considerado adequado. 8) Por que importante o estudo da Interface entre os passageiros e a coleta de tarifas?
  • Slide 10
  • 10 D) COLETA - Momento de pagamento e da viagem podem ou no coincidir. - Tipos:.Dinheiro..Bilhetes simplificam pagamentos sobretudo em tarifas no inteiras; eliminam barreiras; no. pequeno de viagens permitidas nos bilhetes mltiplos (3;4;5) e validade para evitar que sejam entesourados ou revendidos. -Tipos de bilhetes:.nica viagem c/ ou sem restrio de tempo.Viagens mltiplas (datas registradas em cada viagem).Valor armazenado tinta magntica.Para transferncia restries de dia e hora.Passes peridicos; permitem no. ilimitado de viagens, usado com identificao (foto).Cartes de crdito.Identificao Pessoal 9) Cite algumas formas de bilhetes utilizados nos Transportes Coletivos.
  • Slide 11
  • 11
  • Slide 12
  • 12 BILHETE NICO - SP (2004)
  • Slide 13
  • 13 BILHETES P/ O NIBUS GNV LIMA PER
  • Slide 14
  • 14 Exemplos de TEMPOS DE EMBARQUE POR PASSAGEIROS Segundos 1 2 3 4 nibus c/ 2 funcionrios nibus com 1 funcionrio Sistema Europeu duas filas (tarifa nica) Inglaterra fila nica caixa de tarifas Inglaterra duas filas automtico Inglaterra duas filas Mq. Auxiliar Inglaterra fila nica sistema convencional
  • Slide 15
  • 15 E) NVEL DE CONTROLE DA COLETA DAS TARIFAS -Nvel depende de avaliao econmica..Completo utopia checar cada entrada em tarifa nica. - checar cada entrada e sada em tarifas por zonas ou distncia..Parcial checagem aleatrias nas sadas; checagem s em entradas..Sem Controle checagem aleatria na linha (dentro do veculo) multas = receitas perdidas. -Local interceptao com pessoal e/ou mquinas. - Pr-uso na entrada; em movimento; na sada. -Ps uso c/informaes armazenadas nos bilhetes. -Meios Pessoal p/emergncias mantendo senso de humanidade. Equipamentos inspecionar; imprimir; validar ou cancelar bilhetes barreiras. Prprios Passageiros p/minimizar burlas e ter tarifas menores. Terminais podem ser usados equipamentos mais sofisticados. No veculo motorista, equipamentos, fiscais, cobradores. 11) Cite alguns meios de Controle da Coleta das Tarifas. 10)Quais os Nveis de Controle das Tarifas? Em que Locais o Controle pode ser efetuado?
  • Slide 16
  • 16 F) DADOS OBTIDOS DAS TARIFAS -Obtidos na validao do bilhete para passageiros e fiscais verificarem a validade do bilhete p/a viagem e para prover dados p/ajustes no clculo tarifrio e do dimensionamento da oferta de veculos. -Tipo de dados: linha, direo, dia, hora, O/D, tipo de servio. -Processamento na entrada, em movimento, na sada. Tecnologia usada impresso deve ser simples e confivel longa durao. -Perfurao leitura com foto clula -Condutor tico cores distintas pode ter fraudes -Magntico tinta a base de xido magntico -Microprocessadores controlam pela leitura de cdigos -Microcomputadores on-line com mquinas emissoras e de leitura/impresso nos bilhetes. 12) A Validao ou cancelamento das tarifas pode ser feita em que pontos da viagem? 13) Quais as tecnologias para processamento dos bilhetes tarifrios?
  • Slide 17
  • 17 G) BARREIRAS E CANCELAS -Usadas p/coleta das tarifas ->restritas aos terminais. - nos veculos podem trazer problemas de Segurana e Congestionamentos de Passageiros. -Catracas prever aberturas adjacentes p/emergncias. -Cancelas automticas acionadas pelos bilhetes. 14) Que outros mecanismos so utilizados alm das catracas, no interior dos veculos para o Controle das Tarifas?
  • Slide 18
  • 18 H) VENDAS - Pessoas venda de passes. - Mquinas descrever claramente a forma de uso. - Estabelecimentos Comerciais bancas de jornal, bancos, padarias. -Pagamento cheques, cartes, vale transporte. 15) Quais os processos de Venda de Passagens?
  • Slide 19
  • 19 I)SISTEMA COMPLETO -Sistema de transportes se possvel menor controle. -Efeitos sobre a operao espao requerido, velocidade mdia. -Obteno de dados estatsticos. -Flexibilidade p/acomodar mudanas nos regulamentos e estrutura. 16) Cite alguns efeitos das Tarifas sobre a Operao dos Coletivos.
  • Slide 20
  • 20 J) FRMULAS - ELEMENTOS DE CLCULO Clculos Simples CT = CFT + CVxKm = R CT =Custo mensal total CFT = Custo Fixo Total mensal CV = Custo Varivel por quilmetro Km = Quilometragem percorrida mensalmente (por todos veculos) R = Receita total mensal R = T.PE T = tarifa PE = Nmero de passageiros mensais equivalentes (Obs. Clculos vlidos sem subsdios globais, s tarifas diferentes conforme o usurio) T = (CFT + CVxKm)/ PE /Km T = (CFT/Km + CV)/IPK Km = FOxPMM FO = Frota em operao PMM = Percurso mdio mensal T = [CFT/(FOxPMM) + CV]/IPK T = (CFV/PMM + CV)/IPK CFV = Custo fixo mensal por veculo CFV/PMM = Custo fixo por km T= (CF+CV)/IPK - Para obter custos fixos e variveis conhecer preos e gastos com diversos itens (podem ser usados parmetros de gastos definidos por rgos pblicos GEIPOT; ANTT; URBS) - Clculo pode ser feito por linha, empresa ou por rea de operao. - rgo local deve pesquisar p/determinar custos e coeficientes de gastos e IPK
  • Slide 21
  • 21 Empresas e poder pblico devem procurar reduzir custos: -Racionalizar pessoal -Reduzir consumo combustvel (pavimentao; melhorias operacionais; motoristas treinados; renovao da frota, etc.) -Controle de pneus; peas; acessrios; coleta de informaes, etc...
  • Slide 22
  • 22 RENOVAO DA FROTA UM DOS ITENS QUE REDUZ CUSTOS
  • Slide 23
  • 23 Q) EXEMPLO DA CLCULO TARIFRIO Segundo GEIPOT (Instrues Prticas de Clculo das Tarifas de nibus Urbanos -1983 e 1994)
  • Slide 24