Click here to load reader

69479827 Aula de Curativo

  • View
    138

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of 69479827 Aula de Curativo

Anhanguera Educacional

CURATIVOProfessora:Prof.Aurlia M Bertolino Silva.

FERIDAS E SUAS CLASSIFICAESEnfermeira: Aurlia M Bertolino Silva Curso de Enfermagem Anhanguera Educacional

Classificao das Feridas Operatrias Limpas Limpas / Contaminadas Contaminadas Sujas / Infectadas

Feridas OperatriasSe dividem em: INCISIVAS - Quando no h perda de tecido. EXCISIVAS - Quando ocorre a remoo

Feridas Limpas

No h evidncia de infeco Condies asspticas Drenagem de suco fechada - usada

seletivamente

Cicatrizao por primeira inteno Risco de infeco ps-operatria

Feridas Limpas / Contaminadas

No h evidncia de infeco Condies asspticas Risco de infeco ps-operatria 7 - 8%

Feridas Contaminadas

Grande desvio na tcnica estril procedimentos cirrgicos de emergncia Grande derramamento de fluido do trato gastroin-testinal Inflamao no purulenta Leso traumtica exposta Risco de infeco ps-operatria

Feridas Sujas / Infectadas

Presena de ferida traumtica, com reteno de tecidos desativados Fechamento por primeira inteno retardado, com drenagem purulenta conhecida Infeco clnica j existente Risco de infeco ps-operatria 50%

ANATOMIA DA PELE

A PELE COMPOSTA DE 3 CAMADAS:1 - EPIDERME Camada mais externa Composta de 4 estratos de epitlio escamoso (mais externo) Crneo Granuloso Espinhoso (mais espesso) Basal (mais interno) Queratincitos Espessura (varia com a localizao, idade sexo) Perodo de regenerao 4 semanas

A PELE COMPOSTA DE 3 CAMADAS:2 - DERME

Camada intermediria Tb. Conhecida como crio ou pele verdadeir Composta de 2 estratos: Papilar (mais prximo a epiderme) reticular Espessura (varia com a localizao) Compe-se de cls. de tec. Conjuntivo (histicitos, fibroblastos, mastcitos e as fibras colgenas, reticulares e elsticas) Fibras nervosas, plos, glndulas

A PELE COMPOSTA DE 3 CAMADAS:3 - TECIDO ADIPOSO SUBCUTNEO

Compe-se de fibras de tecidos conjuntiv

sustentam o tecido adiposo atravessada por vasos sanguneos mais calibrosos Ocorre o metabolismo dos carboidratos e lipognese uma camada de ligao e isolante do fr

FISIOLOGIA DA CICATRIZAO

1 - FASE INFLAMATRIA Fase tromboctica Fase glanuloctica Fase macrofsica

A - FASE TROMBOCTICA

Agregao plaquetria (trombo) Ativao da cascata de coagulao Cls. mais atuantes so os trombcitos e os eritrcitos Plaquetas aderem ao colgeno Trombcitos liberam mediadores vasoativos fatores quimiotticos + fatores plaquetrios detonada a cascata da coagulao (fibrino fibrina) Trombo + eritrcitos formam uma ponte

B - FASE GRANULOCTICA

Debridamento da ferida Defesa contra infeco Principais cels. so os granulcitos (neutrf

Granulcitos atrados por fatores quimiotti migram atravs da ponte Liberam enzimas proteolticas (colagenase, e hidrolase cida) Decompe tecido necrtico e substncias co por colgeno e proteoglicans

C - FASE MACROFGICA

Hemostasia, vasodilatao dos vasos atrao de cls. de defesa (trombcitos, eritrcitos, neutrfilos e macrfagos), limpeza e proteo, at processo cicatricial

Sinais clnicos: Hiperemia, calor, edem

2 - FASE PROLIFERATIVA(Fibroblstica ou de Glanulao)

Principais funes (angiognese, sn de colgeno e proliferao, contra epitelizao) Macrfagos, fibroblastos, cls. endot e os queratincitos Principal caracterstica a formao um tecido novo, vermelho vivo, de as granuloso (brotos capilares), compos de capilares, colgeno e proteoglican

3 - FASE DE MATURAO (Reparadora ou Remodeladora) a ltima e mais prolongada fase de cicatrizao

Principais funes: Deposio de colgeno na ferida Diminuio da capilarizao Migrao e mitose das clulas basais Equilbrio da produo de colagenase p cls. inflamatrias, cls. endoteliais, fibroblastos e queratincitos

3 - FASE DE MATURAO (Reparadora ou Remodeladora)

Surgem os miofibroblastos, responsveis contrao da ferida A fora tensional da cicatriz determinad determina pela velocidade, qualidade e quantidade total deposio de colgeno Nesta fase a cicatriz torna-se mais plana macia Podem ocorrer defeitos cicatriciais como quelides,

TIPOS DE CICATRIZAOCICATRIZAO PRIMRIA

Mnimo de perda tecidual Resposta inflamatria rpida Reduz incidncia de complicaes Bordos regulares unidos por sutu Cicatriz com menor ndice de defe

TIPOS DE CICATRIZAOCICATRIZAO SECUNDRIA

consequncia de complicaes Grande perda tecidual Perodo cicatricial mais prolongad devido a resposta inflamatria int Maior incidncia de defeitos cicat (cicatriz hipertrfica, quelide)

FATORES ADVERSOS CICATRIZAOFATORES SISTMICOS M nutrio Doenas crnicas Insuficincia do sistema imunolgico M perfuso tecidual Idade avanada Terapia medicamentosa

Subdividem-se em Fatores Sistmicos e Fat

FATORES ADVERSOS CICATRIZAOFATORES LOCAIS Infeco Isquemia Necrose Corpos estranhos / crosta Agentes irritantes Leso muito extensa

AVALIANDO A FERIDAQual a localizao ? H quanto tempo existe Qual o tamanho ?

Est em qual fase da cicatrizao ? Tem exsudato ? infectada ou colonizad Qual o agente infectan Tem odor ? Como est a pele ao redor ? Necessita debridamento ? Que curativo usar ? De que tipo ?

AVALIANDO A FERIDACARACTERSTICAS DO TECIDO DE GRANULAOTECIDO DE GRANULAO SADIO :

Vermelho vivo Brilhante No sangra facilmente ou muito pouc

AVALIANDO A FERIDACARACTERSTICAS DO TECIDO DE GRANULAOTECIDO DE GRANULAO DOENTE : Vermelho escuro Sem brilho ou ressecado Sangra com abundncia

AVALIANDO A FERIDADIFICULDADES NA IDENTIFICAO DE FERIDAS INFECTADAS

Os sintomas de inflamao da fase ini podem ser confundidos com sintomas de infe Doentes imunossupressos podem no apresentar sintomas clssicos de inflamao ou s de infeco Uma ferida que no cicatriza pode ser

AVALIANDO A FERIDADIFICULDADES NA IDENTIFICAO DE FERIDAS INFECTADAS

Algumas infeces so silenciosas, sintomatologia atpica M interpretao ou desprezo de resu

microbiolgicos Desvalorizar ou super-valorizar prese ou ausncia de alguns sinais como exsudato purulento

AVALIAO DO ESTADO DA FERIDA Mensurao Extenso do tecido envolvido Presena de espao morto Localizao anatmica Tipo de tecido no leito da ferida Cor da ferida Exsudato Borda da ferida Infeco

1) MENSURAOBIDIMENSIONAL Medida Linear (comprimento e largura) Decalque (acetato) Fotografia

PLANIMETRIA

Manual Computadorizada Medida Linear (comp X largura X profundidade) Molde (volume) Curativos de espuma

TRIDIMENSIONAL

2) EXTENSO DO TECIDO ENVOLVIDO

Porque e para que ?

Estruturas envolvidas Estadiamento

3) ESPAOS MORTOS

Deslocamento Sinus Fstulas

4) LOCALIZAO ANATMICA

Documentao Potencial de contaminao

5) TIPO DE TECIDO NO LEITO DA FERIDA

Tecidos viveis: Granulao e epitelizao Tecidos inviveis: Fibrina desvitalizada, tecidos necrticos

(red yellow bla 6) COR DO TECIDO

Granulao: Rosa, vermelho plido, vermelho v Fibrina: Amarelo, marrom Necrose: Cinza, marrom, negra

7) EXSUDATOVolume Odor Cor Consistncia

Pode ser: seroso, serosanguinolento, sanguin e purulento

8) BORDASEpitelizao Necrose Isquemia Macerada Irregular Infeco Colonizao Contaminao

9) INFECO: 105 UFC/grama tecid

Sinais clnicos de infeco: dor, calor, hiperemia, mudana na cor do exsuda

CULTURA : Swab Aspirao Bipsia

CURATIVO IDEAL

Professora: Enf. Aurlia M Bertolino Silva.

Curativo Ideal As implicaes na rea de Enfermagem.

Mantm Alta Umidade

Nada de curativos secos em fer

abertas. No h necessidade d secar

feridas abertas, somente a pele

Remove o Excesso de Exsudao

O curativo deve ter um pouco d

absorvncia. Pode ser necess

fornecer um segundo chumao

Isolador Trmico

As feridas no devem ser limpas

loes frias. Os curativos no de

permanecer removidos por long permite que a ferida seque).

perodos de tempo (isso tambm

Impermevel a Bactrias

As faixas devem ser aplicadas como com

moldura de quadro. Se ocorrer uma

empapao, deve-se utilizar um chu ch

absorvente no topo ou trocar o cur

Isento de Partculas e Txicos Contaminadores de Feridas

No se deve usar l de algodo o

qualquer gaze desfiada. Os chum chu

absorventes no devem ser cort pois iro desfiar.

Retirado sem TraumaNada de curativos secos em feridas abertas. esfreg-las.

prefervel irrig-la

Permite a Troca de Gases

No h implicaes comprovad na rea de enfermagem.

MTODO AUTOLTICO

Coberturas utilizadas para autlise

Tipos de Curativo Composio: Carboximetilcelulose +

A - HIDROGEL

Propilenoglicol + gua (70 90%) Ao: Debridamento autoltico / remover cr e tecidos desvitalizados em feridas abertas BForma de apresentao: Amorfo e placa - HIDROCOLIDE Composio: Carboximetilcelulose + g pectina Forma de apresentao: Amorfo e placa Ao: hidroflico, absorve o exsudato da f formando um gel viscoso e coloidal que ir m

MTODO ENZIMTICO

Coberturas Utilizadas

Tipos de Curativo

C - PAPANA

Composio: Enzima proteoltica. So encon

nas folhas, caules e frutos da planta Carica Pap Forma de apresentao: P, gel e pasta Atuao: Desbridante (enzimtico) no traum anti-inflamatria / bactericida / estimula a for das cicatrizes; pH timo de 3-12; atua apenas e tecidos lesados, devido a anti-protease plasmtica (alfa anti-tripsina) Observaes: Diluies: 10% para necrose; para exsudato purulento e 2% para uso em tecido d

Tipos de Curativo

D - COLAGENASE

Composio: Enzima proteoltica Forma de apresentao: Pomada Ao: Age

Search related