774 13015 Aula07 Execucaoorcamentariaefinanceira Tfc Tcu

  • View
    79

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 774 13015 Aula07 Execucaoorcamentariaefinanceira Tfc Tcu

  • ExecuoOramentriaeFinanceiraTcnicoFederaldeControleExternoTCU

    Teoriaeexerccioscomentados

    AULA 07: Lei de Responsabilidade Fiscal (LC n 101/2000): principais tpicos.

    SUMRIO PGINA 1.Apresentao 1 2.Base Constitucional 2 3.Princpios 2 4.Conceitos Bsicos 3 5.Receita 10 5.1. Renncia de Receita 13 6.Despesa 17 6.1.Aumento das despesas em geral 17 6.2.Despesas obrigatrias de carter continuado 18 7. Despesas com pessoal 21 8. Despesas da seguridade social 33 9. Destinao de recursos para o setor privado 34 10. Dvidas e endividamento 36 10.1.Dvida Consolidada e Mobiliria 37 10.2. Operaes de crditos e ARO 45 10.3. Garantias e contragarantias 52 11. Transferncias voluntrias 56 12. Preservao do Patrimnio Pblico 58 13. Instrumentos de transparncia 58 14. Escriturao e consolidao 60 15. Fiscalizao 65 16. Questes comentadas 67 17. Lista das questes apresentadas 78 1. APRESENTAO

    Pessoal, na aula hoje apresentarei os principais tpicos da Lei de

    Responsabilidade Fiscal. Ressalto que nas aulas anteriores vimos os

    tpicos relacionados Execuo Oramentria e Financeira; sobre Restos

    a Pagar; sobre o Relatrio Resumido de Execuo Oramentria e sobre o

    Relatrio de Gesto Fiscal.

    Prof.GiovanniPacelliwww.estrategiaconcursos.com.br1de86

  • ExecuoOramentriaeFinanceiraTcnicoFederaldeControleExternoTCU

    Teoriaeexerccioscomentados

    Prof.GiovanniPacelliwww.estrategiaconcursos.com.br2de86

    2. BASE CONSTITUCIONAL

    A Constituio Federal de 1988 estabelece que lei complementar

    dispor sobre 1:

    I. Finanas pblicas;

    II. Dvida pblica externa e interna, includa a das autarquias,

    fundaes e demais entidades controladas pelo Poder

    Pblico;

    III. Concesso de garantias pelas entidades pblicas;

    IV. Emisso e resgate de ttulos da dvida pblica;

    V. Fiscalizao financeira da administrao pblica direta e

    indireta;

    VI. Operaes de cmbio realizadas por rgos e entidades da

    Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios;

    VII. Compatibilizao das funes das instituies oficiais de

    crdito da Unio, resguardadas as caractersticas e

    condies operacionais plenas das voltadas ao

    desenvolvimento regional.

    Assim, a base constitucional da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF

    (Lei Complementar 101/2000) o inciso I do artigo 163 da CF/1988. O

    objetivo da LRF estabelecer normas de finanas pblicas voltadas para a

    responsabilidade na gesto fiscal.

    Ressalta-se que as disposies da LRF obrigam a Unio, os

    Estados, o Distrito Federal e os Municpios.

    3. PRINCPIOS

    A LRF est fundamentada em 4 princpios: planejamento,

    transparncia, controle e responsabilizao.

    O princpio do planejamento est representado pelas metas

    fiscais; limites para renncia de receita e gerao de despesa (pessoal,

    seguridade social); limites para operaes de crdito (inclusive

    Antecipao de Receita Oramentria) e para concesso de garantias; 1Art.163.

  • ExecuoOramentriaeFinanceiraTcnicoFederaldeControleExternoTCU

    Teoriaeexerccioscomentados

    Prof.GiovanniPacelliwww.estrategiaconcursos.com.br3de86

    obrigatoriedade de publicao do Plano Plurianual, Lei de Diretrizes

    Oramentrias e Lei Oramentria Anual.

    O princpio da transparncia est representado pela divulgao

    ampla via internet, planos, diretrizes, oramentos, do Anexo de Metas

    Fiscais, do Relatrio Resumido de Execuo Oramentria e do Relatrio

    de Gesto Fiscal.

    O princpio do controle est consubstanciado pela ao

    fiscalizadora mais efetiva dos tribunais de contas e estabelecimento de

    prazos para cumprimento dos limites.

    O princpio da responsabilizao est representado pela

    identificao e responsabilizao dos agentes. A legislao prev crimes

    relacionados ao descumprimento de itens previstos na LRF.

    Gostaria de deixar claro que no existe de forma explcita na

    legislao uma quantidade de princpios estabelecidos. Trouxe para vocs

    o que consta na doutrina.

    4. CONCEITOS INICIAIS

    Vamos neste tpico apresentar trs conceitos importantes: empresa

    controlada, empresa estatal dependente e receita corrente lquida.

    A empresa controlada a sociedade cuja maioria do capital social

    com direito a voto (ou seja, 50%+1) pertena, direta ou

    indiretamente, a ente da Federao. Esto representadas pelas

    Sociedades de Economia Mista e Empresas Pblicas2.

    A empresa estatal dependente (EED) empresa controlada

    que receba do ente controlador recursos financeiros para pagamento de

    despesas com pessoal ou de custeio em geral ou de capital, excludos,

    no ltimo caso, aqueles provenientes de aumento de participao

    acionria3. Esto representadas aqui, por exemplo, pelas Sociedades de

    Economia Mista e Empresas Pblicas que recebam recursos do Tesouro

    2IncisoIIdoart.2daLRF.3IncisoIIIdoart.2daLRF.

  • ExecuoOramentriaeFinanceiraTcnicoFederaldeControleExternoTCU

    Teoriaeexerccioscomentados

    Nacional para cobrir despesas com pessoal. A Figura 1 ilustra atualmente

    as empresas estatais dependentes do Governo Federal.

    Figura 1: Todas as EED da Administrao Pblica Federal

    Fonte: DEST (2012)

    Vamos a nossa primeira questo.

    Julgue o item seguinte em conformidade com o que dispe a Lei de

    Responsabilidade Fiscal (LRF).

    1. (Cespe/IPEA/2008/Tcnico em Oramento) Para efeitos da LRF, uma

    sociedade cuja maioria do capital social com direito a voto pertena,

    direta ou indiretamente, a um municpio, enquadra-se no conceito de

    empresa controlada.

    COMENTRIO QUESTO

    CERTO, conforme consta na LRF.

    Prof.GiovanniPacelliwww.estrategiaconcursos.com.br4de86

  • ExecuoOramentriaeFinanceiraTcnicoFederaldeControleExternoTCU

    Teoriaeexerccioscomentados

    Prof.GiovanniPacelliwww.estrategiaconcursos.com.br5de86

    Na sequncia vamos tratar da Receita Corrente Lquida. Quando

    ensino isso em sala de aula, peo que meus alunos pensem inicialmente

    na receita corrente lquida como um nmero, um montante, o que

    verdade.

    Esse montante servir de base de clculo para aplicao dos

    percentuais dos diversos limites que veremos ao longo da aula.

    A receita corrente lquida o somatrio das receitas

    tributrias, de contribuies, patrimoniais, industriais,

    agropecurias, de servios, transferncias correntes e outras

    receitas tambm correntes4, deduzidos os seguintes itens que constam

    no Quadro 1.

    Quadro 1: Receita Corrente Lquida Unio Estados Municpios

    Somatrio das Receitas Correntes da

    Unio

    (-) os valores transferidos aos Estados e

    Municpios por determinao

    constitucional ou legal [Exemplos: Fundo

    de Participao dos Estados; Fundo de

    Participao dos Municpios; 29% da CIDE

    Combustvel que destinado aos Estados;

    50% do Imposto Territorial Rural]

    (-) as contribuies mencionadas na

    alnea a do inciso I5 e no inciso II6 do art.

    195, e no art. 2397 da Constituio

    Somatrio das Receitas

    Correntes do Estado

    (-) as parcelas entregues

    aos Municpios por

    determinao

    constitucional [Exemplos:

    50% do IPVA pertence

    aos Municpios].

    Somatrio das

    Receitas

    Correntes do

    Municpio

    (-) a contribuio dos servidores para o custeio do seu sistema de previdncia e

    assistncia social e as receitas provenientes da compensao financeira citada no 9

    do art. 201 da Constituio 8.

    4Ouseja,soastodasasreceitascorrentes.5 Contribuiosocialdoempregador,daempresaedaentidadeaelaequiparadanaformadalei,incidentessobreafolhadesalriosedemaisrendimentosdotrabalhopagosoucreditados,aqualquerttulo,pessoafsicaquelhepresteservio,mesmosemvnculoempregatciocontribuiesprevidenciriaspatronais.6Contribuiosocialdotrabalhadoredosdemaisseguradosdaprevidnciasocial,noincidindocontribuiosobre aposentadoria e penso concedidas pelo regime geral de previdncia social contribuiesprevidenciriasdossegurados.7 Contribuies para Programa de Integrao Social e Programa de Formao do Patrimnio do ServidorPblico.

  • ExecuoOramentriaeFinanceiraTcnicoFederaldeControleExternoTCU

    Teoriaeexerccioscomentados

    Prof.GiovanniPacelliwww.estrategiaconcursos.com.br6de86

    Por fim, lembro que esse valor que ser apurado somando-se as

    receitas arrecadadas no ms em referncia e nos onze anteriores,

    excludas as duplicidades utilizado para calcular os seguintes limites:

    -Despesa de pessoal;

    -Dvida Consolidada;

    -Dvida Mobiliria;

    -Operao de crdito;

    -Garantias;

    -Antecipao de Receitas Oramentrias.

    Assim, trata-se de um montante anual. Vamos fazer mais uma

    questo.

    Por fim, o Quadro 2 discrimina detalhadamente as dedues a

    serem consideradas na Receita Corrente Lquida Unio.

    Quadro 2: Dedues* a serem consideradas da RCL na Unio

    1 Valores transferidos aos Estados e Municpios por determinao

    constitucional ou legal

    2 Contribuies sociais para a seguridade social do trabalhador e dos

    demais segurados da previdncia social

    3

    Contribuies sociais para a seguridade social do empregador, da

    empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei,

    incidentes sobre a folha de salrios e demais rendimentos do

    trabalho pagos ou creditados, a qualquer ttulo, pessoa fsica

    que lhe preste servio, mesmo sem vnculo empregatcio

    4 A contribuio dos se