A Chernobyl brasileira

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

O advogado encontra um vídeo caseiro, onde um dos ex-funcionários da mineradora, conta a história de miséria e doença que existe naquele lugar. A Plumbum, última empresa proprietária da fábrica, já não existe desde 1993, contudo deixou uma montanha de escória, contendo chumbo e cádmio a céu aberto. Esses metais contaminaram o solo das propriedades vizinhas e as água do Rio Subaé, rio esse, que abastece a cidade de Santo Amaro. Ele resolve ajudar o pobre homem que está à beira da morte, assim como ele, pois naquela mesma manhã, descobre que está com uma doença terrível, câncer.

Text of A Chernobyl brasileira

  • A Chernobyl brasileira

    Cristiane G. SantAna

    A Chernobyl

    brasileira E-mail: sinfoniadeletras@gmail.com Blog: http://cristianegsantana.blogspot.com.br www.clubedeautores.com.br/book/127135--A_Chernobyl_brasileira

    2012

  • Cristiane G. SantAna

    2

    Sumrio

    AGRADECIMENTOS

    PRLOGO

    A DESCOBERTA DO MINRIO

    A POSSE DAS TERRAS

    SANTO AMARO DA PURIFICAO

    ESPINHOS

    NOS DIAS ATUAIS

    QUE PAS ESSE?

    A RESPOSTA

    TUDO TEM UM PROPSITO

    A CHERNOBYL BRASILEIRA

    A VIAGEM

    A CONTAMINAO DO RIO SUBA

    DOENA E MISRIA

    PRIMEIRO LAUDO

    O LITORAL

    A AUDINCIA

    A PRIMEIRA SENTENA

    O TRATAMENTO

    LUZ NO FIM DO TNEL

    O CASAMENTO

    A DESPEDIDA DE UM AMIGO

    O ADEUS

  • A Chernobyl brasileira

    Agradecimentos

    Primeiramente gostaria de agradecer a Deus que tornou tudo isso possvel, pois sem ele e sua aprovao, nada acontece!

    A pessoa que me inspirou a escrever sobre toda essa catstrofe ambiental, pois sempre falou muito a respeito de tudo o que aconteceu e sofreu naquele lugar, Sr. Juarez SantAna. Sogro, pai e av maravilhoso, atencioso com as pessoas e suas dores, lder comunitrio, um dos bravos guerreiros brasileiro, que por ser honesto, integro e incorruptvel, acabou pagando um alto preo.

    Ao ex-prefeito Eurpedes Bonfim, pois atravs de seu livro Nem tudo est perdido, tive a oportunidade de conhecer um pouco da sua histria.

    Ao meu esposo e a minha filha, que me ajudaram dando-me incentivo para que eu conseguisse escrever.

    A minha me Dona Nildete, que sempre foi um instrumento nas mos de Deus para me ajudar e socorrer nos momentos mais difceis.

    Minha amiga Gen de So Caetano do Sul, pelo incentivo e fora para continuar escrevendo.

    A Miriam que me ajudou a fazer uma breve reviso do texto, pois escrever um livro nunca foi uma misso solitria.

    As pessoas de Santo Amaro da Purificao - Bahia, que Deus os abenoe. Que esse livro, possa mostrar a situao em que vivem. Que o mundo volte seus olhos para esse lugar, que a justia seja feita. E as autoridades se mobilizem para fazer o que deveriam ter feito h muitos anos.

  • Cristiane G. SantAna

    4

    Prlogo

    A vida repleta de recordaes. Algumas nos fazem sorrir, enquanto outras nos fazem chorar. Mas essas

    recordaes nos fazem pensar e refletir sobre tudo o que

    aconteceu, pois com cada uma delas sempre podemos

    aprender alguma coisa.

    Hoje, a paisagem a minha volta acabou trazendo-me

    muitas recordaes, que provocaram um saudosismo que

    chegava a ser doloroso. Naquele momento, minha memria

    era como se fosse um filme, onde buscava constantemente os

    momentos inesquecveis que vivi ao lado de um homem, que

    marcou para sempre a minha existncia.

    Sempre me recordo com saudade do dia em que nos

    casamos, pois apesar desse homem j estar doente, naquele

    dia a doena o havia abandonado completamente, parecia

    curado. Ele estava corado, saudvel, havia recuperado seu

    peso e seus olhos tinham a cor acinzentada e cheia de vida de

    sempre.

    Olhando para essa fotografia, vejo que ela conseguiu

    captar a essncia daquele momento, pois ainda posso sentir o

    cheiro de orvalho daquela manh, ouvir o som das pessoas

    conversando e tudo misturado a um suave fundo musical.

    Ainda me recordo do sorriso de nossos amigos e

    parentes. Todos sabiam de nossa histria e que o nosso amor,

    teria seus dias contados, embora pense que a maioria

  • A Chernobyl brasileira

    estivesse esperando por um milagre, assim como eu.

    Nosso casamento aconteceu exatamente como sempre

    havia sonhado, ao lado do homem certo e com todas as

    pessoas que eram importantes para ns.

    Essa foto sempre me trs sentimentos antagnicos,

    tristeza e alegria. Tristeza, por aquele momento ter ficado no

    passado e alegria por ter existido. Qualquer pessoa ao olhar

    essa fotografia, ver que o amor e a felicidade esto

    estampados no rosto de quem s compem.

    Como podem perceber, no consigo parar de buscar o

    passado, pois nele encontrei a verdadeira felicidade. J se

    passaram mais de vinte anos e ainda posso dizer que, amo

    esse homem com a mesma intensidade daquela poca. Jamais

    consegui me interessar por algum durante todos esses anos.

    Muitas pessoas no compreenderiam o que sinto,

    tambm no seria fcil explic-las, s sei dizer que, tem

    pessoas que passam por nossas vidas e deixam marcas, boas

    lembranas e at podemos sentir seu perfume no ar... Alm

    de uma imensa gratido em nossos coraes, por terem feito

    parte de nossa histria.

    Acredito que todos j tivemos esse tipo de sentimento

    em algum momento de nossas vidas.

    Mas ainda existem pessoas que causam tristeza, dor,

    desapontamento e destruio. Essas com certeza sero

    lembradas com revolta, desprezo e ressentimento. So

    pessoas que no nos trazem saudades, pelo contrrio,

  • Cristiane G. SantAna

    6

    gostaramos de nunca t-las conhecido. Sentimo-nos assim,

    por todos os que tiveram culpa, direta ou indiretamente, pela

    catstrofe ocorrida em Santo Amaro da Purificao, estado da

    Bahia.

    As pessoas que causaram toda aquela catstrofe, penso

    que vivem com a marca da culpa, pois mesmo que seus

    valores e tica fossem diferentes, sua conscincia os

    condenaria, pois me recuso a acreditar que o ser humano

    possa sentir-se vitorioso, sabendo ser culpado pelo

    sofrimento e morte de tantas pessoas.

    s vezes pensamos que tudo o que fizemos no

    passado, ser esquecido com novos acontecimentos e assim

    acabamos no dando a devida importncia ao rastro que

    fazemos durante nossa caminhada. Todos ns deixamos

    rastros, no h os que no deixam. No se engane quanto a

    isso.

    Todos deixamos nossas impresses no mundo, por

    menores que sejam e as pessoas sempre sero lembradas

    pelos sentimentos que despertam em ns.

    E voc, que tipo de impresso deixar nesse mundo?

    Meu nome Alexia e para que vocs entendam o que

    estou dizendo, vou contar a histria desde o incio.

  • A Chernobyl brasileira

    A descoberta do Minrio

    Em 1953 Padre Macrio em suas andanas pelo povoado de Boquira, notou em seu caminho algumas pedras

    brilhantes. Isso o deixou intrigado por semanas.

    Essas pedras no podem ser comuns, pois se parecem

    demais com Chumbo. Se meu pensamento estiver certo, serei

    um homem muito rico, pois essa rea cheia dessas pedras e

    com certeza, deve haver muito mais delas no subsolo. Mas

    como ter certeza de que realmente Chumbo? S h uma

    pessoa nessa cidade capaz de me ajudar, pensou enquanto

    caminhava por aquelas terras.

    Dirigiu-se farmcia do Sr. Antenor, pois era

    considerado um dos homens mais inteligentes e cultos da

    regio naquela poca.

    Chegando farmcia encontrou Antenor, homem de

    meia idade e bem sucedido na vida. Ele falava ao telefone e

    quando notou sua presena, fez um gesto para que ele o

    aguardasse. Logo em seguida, desligou o telefone, voltou-se

    para o padre e apertou sua mo com firmeza.

    - Bom dia, padre. Em que posso ajud-lo? indagou o

    farmacutico.

    - Bom dia, Antenor cumprimentou. - Encontrei uma

    pedra diferente no meio do caminho. Ela se parece com

    Chumbo, mas no tenho certeza. Voc saberia me dizer se

    realmente o minrio? perguntou ansioso.

  • Cristiane G. SantAna

    8

    - Voc est com a pedra, Padre?

    - Sim. disse pegando a pedra e entregando ao

    farmacutico.

    Aps analis-la com calma, o farmacutico decidiu no

    opinar a respeito, pois no tinha nenhum conhecimento a

    respeito daquele assunto.

    - No sei identific-la, mas conheo um laboratrio no

    Rio de Janeiro que poder fazer a identificao - informou

    Antenor.

    - No tenho outra sada, poderia me dar o endereo

    do tal laboratrio?

    - O endereo est em minha casa. Faa o seguinte,

    aparea aqui tarde e lhe entrego endereo disse

    devolvendo-lhe a pedra.

    O Padre concordou e saiu da farmcia, satisfeito.

    Atravs do laboratrio, finalmente teria condies de

    confirmar ou no suas suspeitas. tarde voltaria novamente

    farmcia.

    Naquele dia, no conseguiu concentrar-se em

    absolutamente nada do que fazia, pois seus pensamentos

    estavam voltados descoberta feita naquela manh. Se

    estivesse certo, sua vida mudaria da gua para o vinho, pois

    deixaria de ser um simples padre, para tornar-se um homem

    poderoso e influente.

    Sentiu seu corpo cansado, mas sua mente no parava

    de pensar nas possibilidades que teria, caso sua suspeita fosse

  • A Chernobyl brasileira

    confirmada.

    Decidiu fazer uma boa faxina na parquia, pois assim

    o tempo passaria mais rpido. Ao concluir a limpeza, fez a

    homilia que seria realizada naquela noite, mas no foi fcil,

    pois no estava conseguindo focar sua ateno em

    absolutamente nada, que no fosse aquelas benditas pedras.

    Quando a fome apertou, decidiu procurar por alguma

    coisa na velha geladeira. Tirou a faixa de pano que segurava a

    porta e abriu. Notou que em seu interior, havia uma panela

    com sobras de comida feita na noite anterior. Na geladeira,

    no havia nada que pudesse usar como mistura. Decidiu

    comer um po adormecido que estava em seu armrio.

    Aps se a