A Sala de Recursos Multifuncionais e seu papel na inclusão ...· A Sala de Recursos Multifuncionais

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A Sala de Recursos Multifuncionais e seu papel na inclusão ...· A Sala de Recursos Multifuncionais

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

    CENTRO DE FILOSOFIA E CINCIAS HUMANAS

    FACULDADE DE EDUCAO

    LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

    Layla do Carmo Cruz dos Santos

    A Sala de Recursos Multifuncionais e seu papel na incluso de crianas com

    Transtorno do Espectro Autista

    Orientador: Prof. Dra. Mnica Pereira dos Santos

    Rio de Janeiro

    Maro/2017

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

    CENTRO DE FILOSOFIA E CINCIAS HUMANAS

    FACULDADE DE EDUCAO

    LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

    A Sala de Recursos Multifuncionais e seu papel na incluso de crianas com

    Transtorno do Espectro Autista

    Layla do Carmo Cruz dos Santos

    Monografia apresentada Faculdade de Educao

    da UFRJ como requisito parcial para a obteno do

    ttulo de Licenciatura em Pedagogia.

    Orientador: Prof. Dra. Mnica Pereira dos Santos

    Rio de Janeiro

    Maro/2017

  • SANTOS, Layla do Carmo Cruz.

    A Sala de Recursos Multifuncionais e seu papel na incluso de crianas com

    Transtorno do Espectro Autista/ Layla do Carmo Cruz dos Santos; orientador: Mnica

    Pereira dos Santos. Rio de Janeiro, 2017.

    48f.: 4fig.

    Monografia (Licenciatura em Pedagogia) Faculdade de Educao da Universidade

    Federal do Rio de Janeiro, 2017.

    1. Educao Especial; 2. Educao inclusiva; 3. TEA; 4. Sala de Recursos

    Multifuncionais;

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

    CENTRO DE FILOSOFIA E CINCIAS HUMANAS

    FACULDADE DE EDUCAO

    LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

    A Sala de Recursos Multifuncionais e seu papel na incluso de crianas com Transtorno

    do Espectro Autista

    Layla do Carmo Cruz dos Santos

    Monografia apresentada Faculdade de Educao

    da UFRJ como requisito parcial para a obteno do

    ttulo de Licenciatura em Pedagogia.

    BANCA EXAMINADORA

    ___________________________________________

    Orientador: Prof. Dra. Mnica Pereira dos Santos

    ___________________________________________

    Prof. Dra. Celeste Azulay Kelman

    ___________________________________________

    Prof. Dra. Maria Vitoria Campos Mamede Maia

    Rio de Janeiro, maro de 2017.

  • Aos meus pais, meu irmo, meus eternos amigos, meus amores, no cu e na terra.

  • AGRADECIMENTOS

    Gostaria de agradecer primeiramente a Deus, que me acompanha em todos os momentos

    e me ajudou e deu foras para chegar at aqui.

    Agradeo aos meus pais, que foram a base da minha trajetria, que me apoiaram e no

    mediram esforos para que hoje eu tivesse essa vitria. Um agradecimento especial minha

    me e meu irmo, por todas as palavras de incentivo e carinho quando eu mais precisei e por

    terem acreditado em mim quando eu mesma deixei de acreditar. Sem eles, esse sonho no seria

    possvel.

    Em terceiro lugar, agradeo ao meu noivo, Rafael Barros, que mais do que noivo, foi

    um amigo e companheiro, com quem pude contar em todos os momentos de dificuldade e que

    me apoiou quando pensei que no seria mais capaz de concretizar este sonho.

    Agradeo aos meus sogros, minha segunda famlia, pela torcida e incentivo de sempre.

    Agradeo tambm aos amigos Bianca Santos, Thiago Batista, Luciana Barcellos e Maria

    Rosimeyre os quais tive a oportunidade de conhecer nessa caminhada e formao como

    pedagoga e tornaram minha formao muito mais prazerosa.

    Agradeo minha orientadora Prof. Dra. Mnica Pereira dos Santos por me acolher e

    orientar, pacientemente, na realizao deste trabalho de concluso, do qual tenho muito orgulho.

  • RESUMO

    O presente trabalho tem como intuito analisar as polticas pblicas relacionadas

    educao especial na perspectiva da educao inclusiva e verificar como esta incluso est

    ocorrendo no cotidiano escolar. Com foco nos alunos com Transtorno do Espectro Autista

    (TEA), que representam um grande desafio para as escolas, para a elaborao deste trabalho foi

    necessrio realizar um levantamento e estudo das leis que garantem Atendimento Educacional

    Especializado a alunos com TEA e realizar observaes em campo em uma sala de recursos

    multifuncionais, que o ambiente em que este atendimento pedaggico especializado se

    consolida. Esta pesquisa tem por objetivo investigar de que forma a sala de recursos

    multifuncionais auxilia no processo de incluso dos alunos, traando um paralelo entre

    legislao (leis que regulamentam o AEE) e prtica (como que est sendo realizado o AEE na

    rotina diria), partindo de minhas observaes e limitando-me neste trabalho apenas aos alunos

    que possuem o Transtorno do Espectro Autista, pblico que vem aumentando na rede pblica

    municipal do Rio de Janeiro e que maioria entre os alunos pblico alvo do AEE na escola

    pesquisada.

    desta forma que se almeja compreender como o Atendimento Educacional Especializado

    pode ser importante na educao inclusiva e perceber se este, da forma atualmente posta, pode

    garantir um suporte satisfatrio aprendizagem de alunos com Transtorno do Espectro Autista.

    Com o resultado deste trabalho foi possvel verificar que h garantias de direitos ao acesso e

    aprendizagem nas legislaes, mas ainda so necessrios outros subsdios para que as leis

    possam ser cumpridas na prtica escolar.

    PALAVRAS-CHAVE: 1. Educao Especial; 2. Educao inclusiva; 3. TEA ; 4.Sala de

    Recursos Multifuncionais;

  • SUMRIO

    INTRODUO .................................................................................................................... 09

    CAPTULO 1: As Polticas Pblicas e Trajetria Histrica da Educao Especial Inclusiva e

    da Sala de Recursos Multifuncionais ....................................................................................... 12

    CAPTULO 2: Transtorno do Espectro Autista (TEA) e Escolarizao ................................ 22

    2.1 Caractersticas do TEA e Desafios para Incluso ..................................................................22

    2.2 Possibilidades e Estratgias para Escolarizao de Alunos com TEA ..................................27

    CAPTULO 3: Estudo de Caso: Atendimento de uma criana com TEA em uma Sala de

    Recursos Multifuncionais ......................................................................................................... 30

    3.1 Metodologia ...........................................................................................................................30

    3.2 Contextualizando a Escola ........................................................................................ 32

    3.3 O Estudo de Caso O Acesso Sala de Recursos Multifuncionais e as observaes

    em campo .................................................................................................................................. 33

    CONSIDERAES FINAIS .................................................................................................42

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS ................................................................................ 45

    APNDICE FOTOS DA SALA DE RECURSOS MULTIFUINCIONAIS

    OBSERVADA .........................................................................................................................47

  • 9

    INTRODUO

    O contexto da educao especial na perspectiva de uma educao inclusiva, inicia uma

    trajetria de mudanas, a partir da entrada do aluno da educao especial no terreno j to

    permeado por conflitos e dificuldades que a sala de aula regular, principalmente, a da escola

    pblica.

    Com a entrada desse pblico escolar, comeam a surgir estudos sobre as formas de

    realizar a incluso nas escolas, no apenas formas de carter estrutural, mas tambm de carter

    acolhedor e que garantam o direito de todos educao e ao conhecimento. Desde a

    Constituio de 1988, em seu Art. 5 afirmado que Todos so iguais perante a lei, sem

    distino de qualquer natureza..., porm, isso nem sempre funcionou no que diz respeito ao

    acesso escola pelas pessoas com deficincias ou com qualquer tipo de necessidade

    educacional especial, tendo em vista que inicialmente a Educao Especial se constituiu a partir

    de um modelo mdico .A educao escolar no era considerada prioritria, ou mesmo possvel,

    principalmente para aqueles com deficincias cognitivas, mltiplas ou distrbios emocionais

    severos. O trabalho educacional era voltado para a autonomia nas atividades de vida diria

    (AVD). (GLAT, 2007, p. 19).

    O interesse e justificativa da realizao deste trabalho surgiram a partir das inquietaes

    que me acompanharam e observaes feitas durante o perodo de aproximadamente um ano em

    que venho atuando no apoio e mediao das crianas com deficincia includas em uma escola

    pblica municipal do Rio de Janeiro. Entende-se aqui como mediador, uma espcie de

    facilitador da aprendizagem dos alunos com deficincia. No h ainda uma lei que regulamente

    a profisso do mediador, mas a partir da Lei Brasileira da Incluso (Lei 13146 de 2015), Art.

    28, fica determinado que de responsabilidade do poder pblico fornecer para o pblico alvo

    da educao especial profissionais de apoio escolar.

    O cargo no qual atuo o de Agente de Apoio Educao Especial, que tem como uma

    de suas atribuies especficas apoiar o processo de incluso de aluno com deficincia (Lei

    Ordinria Municipal N5623/2013). Porm, a convocao dos primeiros aprovados s foi

    realizada no incio de 2016, primeiro ano letivo aps a aprovao da Lei Brasileira da Incluso.

    Antes d