of 9 /9
Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected] PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98 AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes a. EMPREGO DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS O composto é uma forma de adubação muito empregada na agricultura orgânica. Consiste na mistura de restos vegetais, estercos e outros materiais orgânicos amontoados, umificados e revirados, para promover fermentação aeróbia até que a matéria orgânica esteja totalmente decomposta. O emprego de adubos orgânicos compostados deve ser estimulado, devido os melhores resultados do que a aplicação de materiais orgânicos comuns. Pelo processo de compostagem a decomposição do material é controlada e uniforme, é inviabilizada a germinação de sementes de ervas daninhas e diminui a ação de alguns patógenos, como fusarium e rizoctonia, muitas vezes presentes no material vegetal crú. Além destes efeitos, são eliminados durante o processo de fermentação, resíduos de herbicidas, antibióticos, muitas vezes presentes nesses materiais, assim como vermes e outros agentes patogénicos, que podem causar doenças nos consumidores. Outra opção, para plantas mais exigentes em nutrição, é a produção de compostos ricos em nitrogênio, fósforo e potássio, como o Bokashi e Boaydo, Este processo foi formulado para obter adubos orgânicos em substituição aos fertilizantes químicos tradicionais, sem os fatores indesejáveis destes. O bokashi pode ser obtido por fermentação aeróbica e anaeróbia, sendo preparado em até 10 dias. O húmus de minhoca pode ser considerado um tipo de adubo orgânico de elevado valor nutricional para as plantas. Ele é resultado do processo de transformação do composto bio-estabilizado em húmus orgânico. Os compostos obtidos de resíduos industriais ou lixos urbanos devem ser empregados com restrição, pois podem conter agentes patogênicos ou metais pesados. O chorume, que compreende a mistura de esterco e urina, quando fermentado de forma aeróbia, torna-se um adubo orgânico para emprego via foliar ou solo. Aplicar via foliar o,5 a 1% cada 15 dias. b. COMO CALCULAR UM COMPOSTO ORGÂNICO 1. Levar em consideração a relação C/N de cada material. Um composto de volumoso pode ser preparado de 30/1 até 90/1, considerando que quanto maior a relação C/N, mais tempo vai demorar para ficar pronto. Desta forma, um esterco bovina tem a relação C/N= 30/1 e uma palha de milho C/N= 112. NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O que é a compostagem Como produzir compostos orgânicose biofertilizantes com resíduos Preparo do Bokashi Como aplicar os compostos orgânicos

AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantescursos.infobibos.com/cursosonline/Aulas/Agrorganica/Aula10/Aula 10... · adicionado Yakult ou iogurte. Passos para o

Embed Size (px)

Text of AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e...

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    AULA 10 : Produo de Compostos Orgnicos e Biofertilizantes

    a. EMPREGO DOS COMPOSTOS ORGNICOS

    O composto uma forma de adubao muito empregada na agricultura orgnica. Consiste na mistura de restos vegetais, estercos e outros materiais orgnicos amontoados, umificados e revirados, para promover fermentao aerbia at que a matria orgnica esteja totalmente decomposta.

    O emprego de adubos orgnicos compostados deve ser estimulado, devido os melhores resultados do que a aplicao de materiais orgnicos comuns. Pelo processo de compostagem a decomposio do material controlada e uniforme, inviabilizada a germinao de sementes de ervas daninhas e diminui a ao de alguns patgenos, como fusarium e rizoctonia, muitas vezes presentes no material vegetal cr. Alm destes efeitos, so eliminados durante o processo de fermentao, resduos de herbicidas, antibiticos, muitas vezes presentes nesses materiais, assim como vermes e outros agentes patognicos, que podem causar doenas nos consumidores.

    Outra opo, para plantas mais exigentes em nutrio, a produo de compostos ricos em nitrognio, fsforo e potssio, como o Bokashi e Boaydo, Este processo foi formulado para obter adubos orgnicos em substituio aos fertilizantes qumicos tradicionais, sem os fatores indesejveis destes. O bokashi pode ser obtido por fermentao aerbica e anaerbia, sendo preparado em at 10 dias.

    O hmus de minhoca pode ser considerado um tipo de adubo orgnico de elevado valor nutricional para as plantas. Ele resultado do processo de transformao do composto bio-estabilizado em hmus orgnico. Os compostos obtidos de resduos industriais ou lixos urbanos devem ser empregados com restrio, pois podem conter agentes patognicos ou metais pesados. O chorume, que compreende a mistura de esterco e urina, quando fermentado de forma aerbia, torna-se um adubo orgnico para emprego via foliar ou solo. Aplicar via foliar o,5 a 1% cada 15 dias.

    b. COMO CALCULAR UM COMPOSTO ORGNICO

    1. Levar em considerao a relao C/N de cada material. Um composto de volumoso pode ser preparado de 30/1 at 90/1, considerando que quanto maior a relao C/N, mais tempo vai demorar para ficar pronto. Desta forma, um esterco bovina tem a relao C/N= 30/1 e uma palha de milho C/N= 112.

    NESTA LIO SER ESTUDADO

    O que a compostagem Como produzir compostos orgnicose biofertilizantes

    com resduos Preparo do Bokashi Como aplicar os compostos orgnicos

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    Uma mistura de 1.000 kg de cada material, o calculo deve ser feita da seguinte forma: 30 + 112 = 142 - que dividido por 2 materiais, produz uma massa com a relao C/N= 71 . Nestas condies, com C/N= 71 , dever levar em torno de 60 a 70 dias para ocorrer sua bio-estabilizao.

    2. Se colocarmos a) maior quantidade de esterco (2.000 kg), vamos reduzir o tempo de preparo ou b) misturando maior quantidade de palha de milho (2.000 kg), vou aumentar o perodo de preparo, ou sejam:

    No caso a) 30 + 30 + 112 = 172 , que dividido por 3 = 57 . Com uma relao menor (C/N= 57), o tempo de formao do composto ser menor, abaixo de 60 dias.

    No caso b) 30+ 112 + 112 = 254 que dividido por 3= 85. Com uma relao maior C/N= 85, certamente demorar de 90 a 100 dias.

    ATENO: Nestes perodos calculados, obteremos um composto orgnico de volumosos, que um adubo bio-estabilizado (material grosseiro, que no esquenta mais), se no entanto, quisermos obter um humus, isto um adubo humificado, devemos deixar o material por mais 30 a 40 dias nas condies adequadas de umidade, de preferncia com minhocas, obtendo depois um material de textura fina, como uma borra de caf, rico em nutrientes, que o humus.

    c. CARACTERISTICAS FUNDAMENTAIS NA COMPOSTAGEM

    UMIDADE DO COMPOSTO:Para saber se a umidade est o ideal, dever ser apertado um punhado de composto na mo, se no escorrer gua, mas sentir umidade, tem de 50 a 55%. Se soltar um pouco de gua, ela ter 60 e 70%. A umidade estar em torno de 60% quando apertada a mistura na mo, comea escorrer gua entre os dedos. Neutraliza-se o excesso de umidade, misturando pilha casca de arroz ou palha de arroz picada. Para a produo do Bokashi (compostagem), o primeiro passo ter uma umidade ideal (50%) e ir molhando aos poucos o material. Depois de tudo uniformemente misturado, coloca-se um pouco na palma da mo, que deve ser fechada com fora e a umidade do composta no deve escorrer entre os dedos e nem deve estar seco a ponto de no formar um torro. O ideal do composto quando formado o torro, apertando com a mo, facilmente esfarelado

    TEMPERATURA: Na produo dos compostos a temperatura igual ou acima de 70C , so crticas para os microorganismos teis, passando esta temperatura eles so eliminados. Deve-se evitar que a temperatura do composto ultrapasse a 70c, se isto ocorrer, esparrama-se a mistura, deixando-a assim at o dia seguinte, quando deve ser ajuntada novamente. Recomenda-se medir a temperatura constantemente. O ideal utilizar um termmetro de cabo comprido. Caso no tiver, finca-se uma barra de ferro no monte de composto. Para saber a temperatura, segura-se a ponta que estava fincada no composto, caso esteja to quente que no possa ser segurada, a temperatura do composto deve ser reduzida, esparramando-a.No caso do Bokashi, a temperatura no deve ultrapassar 50C. Esta temperatura ele atinge depois de misturado, num prazo de 20 a 24 horas, quando ento deve ser revolvido. Toda vez que atingir 50 , o Bokashi deve ser revolvido. Nestas condies, estar pronto de 7 a 10 dias.

    CONDIES DE PREPARO - Durante o processo de compostagem o material deve estar abrigado da chuva, pois a umidade deve estar sempre de 50 a

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    55%. Se for preciso cobri-lo deve deixar expostas as laterais do monte para ventilao. Ao fazer um monte, procure deixar os lados verticais, para evitar a reteno de guas das chuvas.

    No caso do Bokashi, a mistura deve ser amontoada e coberta com sacos de estopa ou lona de algodo, para iniciar a fermentao. A altura do monte no deve estar de 0,8 a 1,0 metro, no entanto largura pode ser maior.

    O ideal utilizar piso cimentado para facilitar o revolvimento do material e evitar a infiltrao dos nutrientes no solo.Aps a mistura, o material pode ser colocado dentro de saco de adubo e amarrado a boca, deixando ocorrer a fermentao dentro da embalagem.

    DECOMPOSIO DA MATRIA ORGNICA

    A matria orgnica a ser empregada na adubao deve estar bio-estabilizada ou humificada, para que no ocorra fermentao no solo. A m decomposio provoca acidificao do terreno, pela retirada de oxignio, e isto causa danos germinao das sementes e desenvolvimento das razes (enfraquecimento) das plantas crescidas. O gs metano e amnia, formados no processo de fermentao, enfraquecero as razes e causaro a m formao dos brotos.

    COMO PREPARAR UM INOCULANTE Um dos inoculantes mais utilizandos na compostagem o EM-4. Esse

    produto um preparado de microrganismos especialmente para acelerar o processo de compostagem. EM 4, trata-se de uma mistura de microorganismos eficazes, que foi originalmente importado do Japo pela Fundao Mokiti Okada,

    Para preparar um inoculante, primeiro lugar temos que cozinhar uma poro de arroz cateto bem mole (papa), utilizando gua no clorada. Depois consiga um gomo inteiro de bambu e rache-o ao meio, formando duas canoas. Encha as duas canoas de bambu com o arroz cozido e una novamente as duas e amarrando-as.

    Para proceder a inoculao dos microrganismos poderemos colocar o bambu com o arroz enterrado na superfcie do solo na mata (na serrapilheira) ou ento ao redor de um bambuzeiro.

    Ao procurar um bambuzeiro. localizar uma planta que apresentar fungo branco que se forma nas folhas de bambu. Em seguida enterrar o gomo de bambu com o arroz cozido papa revestido com a folha que contm o fungo branco.

    O tempo que deve permanecer enterrado o tempo para o fungo tomar conta do arroz do bambu. Geralmente a inoculao ocorre no prazo de uma semana. Depois adicionar o arroz do bambu em aproximadamente 10 litros de gua e ativar o mesmo com melao de cana..A utilizao de melao de cana comum para sua inoculao pois, uma vez inoculado h reproduo dos microorganismos e o melao funciona como substrato para esta reproduo. Para melhor sua qualidade pode ser adicionado Yakult ou iogurte.

    Passos para o preparo do inoculante: a. Cozinha-se 700 gramas de arroz sem leo e sem sal. b. Enterra-se ou gomo de bambu ou outro vasilhame contendo o arroz

    cozido na superfcie de uma mata ou ambiente bem preservado e espere de quatro a sete dias.

    3.Desenterrar o gomo de bambu aps verificar que houve a inoculao em todo arroz e separar os mofos (fungos). Aqueles de cores claras so aproveitados e se tiver de cores escuras, devero ser jogados fora. Os microrganismos de colorao negra no so aproveitados.

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    4. Os mofos (fungos) de cores claras e vivas devem ser misturados com 9 litros de gua + 1 litro de melado/melao ou 1 kg de rapadura. Tampar e aguardar por mais sete dias e utilizar na compostagem. d. SEQUNCIA DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM

    O composto orgnico deve ser preparado com o emprego de 3 a 5 partes de materiais de elevada relao C/N (bagao de cana, palhas, restos de culturas, casca de arroz, capins, etc), para uma parte de material de baixa relao C/N (estercos, plantas leguminosas, entre outros).Pode ser enriquecido com calcrio, p de rocha, farinha de ossos, cinzas, terra virgem, etc.

    A pilha de compostagem, deve ser montada colocando-se no fundo uma camada de 15 a 20 cm de material rico em C/N e em seguida 5 a 7 cm de estercos ou material rico em N. As camadas so molhadas, sem excesso. Em seguindas so alternadas estas camadas, terminando com a camada de capim. A largura da base da pilha de 3 a 4 metros, altura de 1,50 m e comprimento 5 a 20 m. O material revirado cada 10 a 20 dias, comeando quando a temperatura interna da pilha, medida com um termmetro atingir 70C. Revirar o material por 5 a 6 vezes durante o processo, que leva de 60 a 90 dias para ser completado. O composto estar pronto, quando a temperatura interna elevada cair para a temperatura ambiente, que leva de 60 a 90 dias.

    No vero, a pilha do composto pode ser bem alta, atingindo at 1,5 m de altura. Deve ser coberta com uma camada de restos vegetais (palha) para que a gua da chuva no incida diretamente sobre o composto, carregando os resduos. O processo leva, em mdia, 45 dias, devendo revirar a pilha a cada 15 dias, sem misturar a palha que cobre o monte.

    Altura: 1,5 m

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    No inverno, o monte deve ser menor, com 30-40 cm. Aps 40-45 dias, tem se o fim do processo de fermentao.

    Altura: 30-40 cm

    ETAPAS: Montagem da Pilha: Para montar a pilha, disponha em camadas alternadas

    3 partes de rico em carbono, sendo 1/3 de material seco (palhadas, capins, folhas, etc) e 2/3 verdes (adubos verdes, restos vegetais, etc), e 1 parte de material rico em nitrognio, como estercos, de bovinos, sunos ou de galinha.

    Umedecimento do material: Molhar a pilha com gua suficiente para

    umidecer sem encharcar, utilizando um regador de crivos finos ou mangueira. A largura na base do monte deve ter de 3 a 4 metros, a altura de 1,2 a 1,5 metros e o comprimento at 20 metros.

    Cobrir e Revolver: Cobrir o monte com palha ou outro material fibroso.

    Revolva quando a temperatura chegar a 70 graus, dentro de 15 dias . Na hora de revolver, confira a porcentagem de umidade, que dever ficar entre 60% e 70%.

    Acompanhamento da temperatura e umidade: Se tiver aparecido um p

    branco (fungos e actinomicetes) , a umidade est baixa e o composto dever ser molhado. Acompanhe a temperatura nos quinze dias seguintes: toda vez que chegar aos 70 graus, o composto dever ser revolvido e , se preciso, molhado novamente durante esta operao.

    Decomposio final: O tempo de decomposio at a bioestabilizao

    entorno de 50 a 60 dias com o material original com C/N = 30; cerca de 3 4 meses com C/N = 60 e acima de 4 meses para C/N= 90.

    CUIDADOS NA COMPOSTAGEM ESCOLHA DO LOCAL: No vero a pilha de compostagem dever de preferncia estar na sombra, embaixo de rvores ou coberta com lonas ou capim seco. O excesso de insolao reduz a umidade do material. No inverno, poder ficar no sol. PREPARAR O FUNDO DA PILHA: O terreno deve ter leve inclinao e a drenagem adequada e controlada para evitar a contaminao dos mananciais pelo chorume. MISTURA DE MATERIAIS: Utilizar materiais verdes, como gramas e restos orgnicos, com materiais secos , como capins e palhas secas. Os restos de comida devem estar bem picados para acelerar o processo de compostagem. AREJAMENTO: Revirar a pilha de compostagem, quando o material estiver compactado, ou com baixo teor de umidade (fazendo a irrigao), ou quando estiver com temperatura muito baixa ou elevada. UMIDADE: Deve estar to mido como uma esponja acabada de espremer. Se a pilha persistir em ficar mida, remova sua cobertura em dias de sol. Revire a pilha de 3 em 3 dias. TEMPERATURA: Se a pilha no aquecer e tiver menos de 0,5 metro de altura, continue a adicionar materiais. Ainda no est pronta para virar. Se a pilha estiver mida e com um cheiro adocicado, tem falta de nitrognio. Misture mais materiais verdes. INSETOS: Se houver muitos insetos volta da pilha, cubra com material seco

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    (palhas). Se houver formigas, a pilha est muito seca, regue-a. Para evitar moscas, distribuir uma camada fina de terra sobre o material aplicado e melhorar as condies de ventilao. PENEIRA GROSSA: Use uma peneira com orifcios de 0,5 a 2,5 cm de dimetro para peneirar o composto e separar resduos no totalmente compostados.

    FASES PARA A PRODUO DO COMPOSTO ORGNICO Construindo o monte de composto passo a passo:

    Passo 1 : SELECIONAR O MATERIAL E O LOCAL

    Separe e prepare os materiais vegetais e animais a serem utilizados e escolha um local meia sombra para a montagem do composto.

    Passo 2: AMONTOA

    Material usado Como fazer Observaes

    Restos vegetais ricos em carbono e materiais de origem animal ricos em nitrognio.

    Fazer uma camada com cerca de 30cm do material vegetal, em seguida uma camada de +- 5cm de restos animais, continuando a amontoa, sempre alternando as 2 camadas at uma altura de 1,8-2,0 metros.

    Quanto menor for o tamanho do material vegetal, menor ser o tempo de decomposio. Entre as camadas podero ser adicionados inoculantes na proporo de 1% da matria seca, para acelerao do processo de decomposio ou fermentao.

    Passo 3: UMEDECIMENTO DO MONTE

    Material usado Como fazer Observaes

    gua.

    Molhar o monte, aps cada camada, mantendo a

    umidade em torno de 60%.

    Pode-se verificar a quantidade de gua apertando um pouco do material com a mo, se verter s um pouco de gua, est bom.

    Passo 4: COBERTURA DO MONTE

    Material usado Como fazer Observaes

    Palha seca ou capim.

    Cobrir o monte formado e umedecido para proteo contra o excesso de sol e a

    chuva.

    O material deve ser protegido de ventos fortes e chuvas, porm o emprego de

    plsticos que vedam a aerao prejudicial.

    Passo 5: AERAO

    Material usado Como fazer Observaes

    P.

    Revolver o monte, semanalmente, para favorecer uma boa

    fermentao aerbica, durante os primeiros 20

    dias.

    Podem ser colocados feixes de bambu passando pelo interior do monte para

    aumentar a aerao.

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    Passo 6: AVALIAR A TEMPERATURA DE FERMENTAO

    Material usado Como fazer Observaes

    Barra de ferro.

    Introduzir a barra de ferro no meio do monte. Para avaliar a temperatura,

    retirar a barra e segurar a uma altura de 2 palmos

    para baixo da superfcie do composto.

    Se o calor for excessivo e no der para continuar segurando, a temperatura poder estar entre 60 e 70 C, o que normal para o incio da fermentao, devendo ser atingida durante os primeiros 20 dias aps amontoa

    Fonte: Compostagem- Folder Cati/SAA-SP-2001

    CONHEA O TEOR DE NUTRIENTES DOS RESDUOS ORGNICOS

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    CONHEA O TEOR DE NUTRIENTES DOS RESDUOS ORGNICOS

    IMPORTANTE: BALANCEAMENTO DOS MATERIAIS NA COMPOSTAGEM: Numa compostagem colocar 70% de material rico em carbono + 30% de

    material rico em nitrognio

  • Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Email:[email protected]

    PROIBIDA A REPRODUO TOTAL OU PARCIAL LEI 9.610/98

    A IMPORTNCIA DA RELAO CARBONO E NITROGNIO: A relao C/N ideal 30/1. No caso de esta razo ser muito superior a 30:1

    o crescimento dos microrganismos atrasado pela falta de nitrognio e conseqentemente a degradao dos compostos torna-se mais demorada. Se, pelo contrrio, a razo C/N for muito baixa, o excesso de nitrognio acelera o processo de decomposio, mas faz com que o oxignio seja gasto muito rapidamente, podendo levar criao de zonas anaerbias no sistema.

    O excesso do nitrognio libertado na forma de amnia, o que para alm dos maus odores que provoca, corresponde a uma perda de nitrognio, com a conseqente produo de um composto mais pobre neste nutriente e por isso, menos valioso em termos comerciais. comum misturar diferentes resduos de forma a obter uma relao carbono/ nitrognio adequada.

    Uma relao inicial C/N demasiado alto poder ser corrigida juntando mistura, materiais tais como estrume de galinha, resduos de carnes e de peixes. Uma relao inicial C/N demasiado baixo poder ser corrigida juntando mistura materiais tais como palha, papel, serradura ou aparas de madeira. A adio dos materiais verdes deve ser aproximadamente 1: 1, assim se obtm o 30:1 de carbono/ nitrognio.