of 134/134

Caminhos Film Festival

  • View
    236

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Caminhos Film Festival

  • Caminhos do Cinema Portugues

  • COIMBRA 2001

    Caminhosdo

    Cinema Portugues

    VIII Ediao

    COM O ALTO PATROCNIO DESUA EXCELNCIA O PRESIDENTE DA REPBLICA

    DR. JORGE SAMPAIO

  • Caminhos do Cinema Portugues2

  • Editorial3

    Vtor FerreiraPresidente do Centro de Estudos Cinematogrficos /

    AAC

    O Centro de Estudos Cinematogrficos de Coimbra vai realizar de 31 de Maro a 7 deAbril, mais uma edio dos Caminhos do Cinema Portugus, acontecimento que dedicaparticular ateno s criaes cinematogrficas nacionais e tem vindo a granjear um crescenteinteresse entre o pblico e os profissionais do audiovisual. Isto ao ponto de poder ser hojelegitimamente considerado uma das mais significativas realizaes culturais levadas a cabona regio centro do pas

    O Caminho que levam os Caminhos do Cinema Portugus s poder ser o de esteFestival se crescer atraindo e fazendo de cada edio, um espao de reunio e discusso dopanorama cinematogrfico nacional, com o devido partilhar de ideias, de experincias, nofundo de vrias geraes que se dedicam a esta cinematografia to especial.

    Para esta edio integramos na programao uma Mostra de obras oriundas da Comu-nidade de Pases de Lngua Portuguesa. Trata-se de uma vontade de criar espao de divulgao,debate e incentivo para obras de pases que, expressando-se em Portugus, lutam devidamentepela afirmao de um acervo de memrias atravs da imagem das suas sociedades, muitasvezes em circunstncias de vincadas dificuldades de produo.

    Para alm da aposta na Mostra de Cinema Lusfono, preparamos para esta edio umvasto conjunto de Workshops e Cursos, o que ir permitir ao pblico de Coimbra em particular,e ao pblico em geral, uma oportunidade nica de levantar o vu, sob o mundo cinematogrfico,aprendendo com aqueles que melhor o sabem fazer. nesse sentido outra grande aposta daoitava edio do Festival.

    Pois bem os planos esto traados e resta-nos desejar a todos aqueles que nos vistamuma feliz e emocionante estadia na capital do cinema portugus.

  • Caminhos do Cinema Portugues

    4

    O Festival Caminhos do Cinema Portugus, que vai na sua VIII Edio, rene experinciasmuito particulares: a sua organizao move-se no enquadramento universitrio, conta com aparticipao de um pblico que no apenas o acadmico, generalizando-se cidade, funcio-nando mesmo como ponto anual de atraco dos que se interessam pelo cinema e, em particular,pelo o cinema portugus. ainda uma ocasio de encontro de criadores e tcnicos do cinema edo audiovisual.

    Para alm dos prmios que constituem sempre o importante sinal de reconhecimento aos profis-sionais de uma arte, grato salientar tambm que, nesta mostra anual, a produo mais recente em vrias reas do cinema e do audiovisual, sendo este um local privilegiado para as curtasmetragens se darem a conhecer acompanhada de momentos de reflexo que umaretrospectiva, um ciclo particular ou um acto de homenagem sempre representam.

    Nesta VIII edio, o Instituto do Cinema Audiovisual e Multimdia sada vivamente o empenhocom que o Centro de Estudos Cinematogrficos da Associao Acadmica de Coimbra vai, umavez mais, assinalar e percorrer os Caminhos do Cinema Portugus.

    Pedro Berhan da CostaPresidente do Instituto do Cinema Audiovisual e Multimdia

  • Editorial

    5

    H em Coimbra uma fidelidade antiga arte do cinema.Nos ltimos anos o facho dessa causa tem sido transportado pelo Centro de EstudosCinematogrficos da Associao Acadmica de Coimbra volta da realizao do FestivalCaminhos do Cinema Portugus.Sado, por isso, a oitava edio deste projecto que, sendo o nico dedicado produonacional, credor do acolhimento da cidade, que o deve acarinhar e a ele deve aderir paraque cresa e se prestigie.

    Dra. Teresa PortugalVice - Presidente da Cmara Municipal de Coimbra

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Vtor FerreiraSlvia FontesMarco MarceloJernimo PinhoHugo Afonso

    ComissaoOrganizadora

    Juri* ArdenterImagine *

    6

    Agradecimentos

    Dra. Ana Pires (DRCC)Dra. Mariana Pimentel (ICAM)Dra. Maria F. Silva (Reitoria - UC)Dra. Teresa Portugal (CMC)Dr. Luzio Vaz (SASUC)Dr. Fransisco Geraldes (CGD)Dra. Lusa Lopes (TAGV)Alfredo Carvalho MarceloAntnio CraveiroCarlo Rodrigues (Publimodego)Paulo Cambraia (Megatoon)Rosi Burgete (Produes OFF)Fernanda Silva (Ag. da Curta Metragem)Alda Teixeira (AAC)Jos Barros (AAC)Graa Carvalho (AAC)Sonia Teles (AAC)Isabel Martins (Fotocopiadora)Joo Cabral (Queima 2001)Nuno Cardoso (Filatlia)Lauro Matins (CIAAC)Joo Seabra (CIAAC)Vtor Aires (Seco Jornalismo)Rui Justiniano (Seco Jornalismo)Bruno Ferreira (Seco Jornalismo)Mrio de Oliveira Nunes (Prmios)Bruno DiasJoo Vaz SilvaHelder DantasCarolina Simes

    Adelino RochaPaulo GranjaFilipe FerreiraRui HenriquesAdlia PintoJoo AndrJorge NandeCarlos PintoJorge CarvalhoTiago MesquitaEdmundo TavaresMaria Joo Fonseca

    Colaboradores

    Manuel SimesPaulo GranjaBruno DiasAntnio LriasVtor FerreiraMarco Marcelo

  • Apresentaao

    Sua Excelncia o Presidente daRepblicaDoutor Jorge Sampaio

    Ex.mo Sr. Dr. Jos SasportesMinistro da Cultura

    Ex.mo Sr. Prof. Doutor FernandoRebeloMagnfico Reitor da Universidade deCoimbra

    Ex.mo Sr. Dr. Manuel MachadoPresidente da Cmara Municipal deCoimbra

    Ex.mo Sr. Dr. Horcio AndrAntunesGovernador Civil do Distrito de Coimbra

    Ex.ma Sra. Dra. Teresa PortugalVereadora do Pelouro da Cultura daCmara Municipal de Coimbra

    Ex.ma Sra. Prof. Doutora Mria deFtima SilvaPr-Reitora para a Cultura daUniversidade de Coimbra

    Ex.ma Sra. Dra. Ana Pires

    Delegada Regional da Cultura do Centro

    Ex.mo Sr. Dr. Luzio VazAdministrador dos Servios de Aco Socialda Universidade de Coimbra

    Ex.mo Sr. Prof. Doutor AblioHernandezProf. de Histria e Esttica do Cinema naFaculdade de Letras da Universidade deCoimbra

    Ex.mo Sr. Dr. Pedro Behran da CostaPresidente da Direco do ICAM

    Ex.mo Sr. Humberto MartinsPresidente da Associao Acadmica deCoimbra

    Ex.mo Sr. Dr. Fausto CruchinhoProf. de Histria do Cinema Portugus daFaculdade de Letras da Universidade deCoimbra

    Ex.mo Sr. Dr. Joo Benard da CostaDirector da Cinamateca Portuguesa

    Ex.ma Sra. Dra. Mariana PimentelInstituto do Cinema Audiovisual e Multimdia

    Ex.mo Sr. Eng. Andr de Oliveira eSousaPresidente da Federao Portuguesa deCineclubes

    Comissao de Honra7

  • Caminhos do Cinema Portugues

    PATROCNIOSAPOIOS

    DIVULGAO

    ALTO PATROCNIO

    Presidncia da Repblica

    MINISTRIO DA CULTURADelegao Regional da Cultura do Centro

    C. M. de BragaC. M. de Bragana

    C. M. de Castelo BrancoC. M. de Condeixa-a-Nova

    C. M. da CovilhC. M. da Figueira da Foz

    C. M. de LisboaC. M. da Lous

    C. M. de Miranda do CorvoC. M. de Montemor-o-Velho

    C. M. de NelasC. M. de Ovar

    C. M. de PenacovaC. M. de Setbal

    C. M. de Vila do Conde

    8

  • Juri Oficial

    9

  • Caminhos do Cinema Portugues

    ABLIO HERNANDEZ

    Doutorado em Literatura Inglesa pela Univer-sidade de Coimbra com a dissertao: De tacaa Dublin: Ulysses de James Joyce ou a odis-seia da palavra. professor de Literatura Inglesa e de Histriae Esttica do Cinema. Esta disciplina ofere-cida, como opo ou curso livre, aos alunos detodas as licenciaturas da Universidade deCoimbra. director da Sala de Estudos Cinematogrfi-cos da Faculdade de Letras de Coimbra edirector dos Encontros de Cinema da Univer-sidade de Coimbra.Foi Pr-Reitor da Cultura da Universidade deCoimbra entre 1994 e 1998 , e director do Te-atro Acadmico de Gil Vicente entre 1996 e2001.Entre outros publicou:- Da palavra e do silncio: o dilogo imposs-vel em The Sisters, de James Joyce, in Colec-tnea de homenagem ao Prof. Doutor MiguelBaptista Pereira (Faculdade de Letras deCoimbra, 2000).- O cinema, a fico e a histria, in ForumMedia, n 1 (Novembro de 1999), 58-64.- Viaje a la luna, de Federico Garca Lorca: lapulsin de la escritura bajo el deseo del fil-me, in Semiosfera (Madrid), n 8, Primavera1999.- Ulysses, de James Joyce: a matriz habitadade Telemachus in Estudos Ingleses: ensaiossobre lngua, literatura e cultura, coord.Gualter Cunha, Coimbra, Minerva, 1998.- O ensino do cinema e do audiovisual, in

    Lauro Antnio, coord., O ensino, o cinema eo audiovisual, Porto, Porto Editora, 1998.- A letra e a imagem: o ensino da literatura eo cinema, in Discursos: Estudos de Lnguae Cultura Portuguesa, n 11-12 (1996).- James Joyce, as sereias e o segundo flegode Bloolisses em Dublin, in Humanitas(1995).- Cinema e literatura, in EnciclopdiaBiblos, vol. 1. Lisboa, Verbo, 1995.- Narrativas: da letra no filme imagem notexto, in Senso, 1 (1995) .- Luz e sombra no cinema expressionista ale-mo: O Gabinete do Dr. Caligari, inExpressionismus, Coimbra, CEC, 1995.- O cinema: do mudo aos anos de agonia,in Portugal Contemporneo, vol. IV. Lisboa,1992.- Joyce e Homero: Proteu na rota deUlysses, in Biblos, vol. LXVII (1991).- Da narrativa literria narrativa flmica,in Carlos Reis, coord., Leituras dOs Maias.Coimbra, Livraria Minerva, 1990.

    10

  • Juri Oficial

    ANA PIRESPossui a Licenciatura em Geografia daFaculdade de Letras da Universidade deCoimbra, concluda em 1973.Aps breve experincia no ensino, ingressana Comisso de Planeamento da RegioCentro em 1974, onde desenvolve a suacarreira na Funo Pblica at ser nomeada(Fevereiro de 1997), Delegada Regional daCultura do Centro.Durante cerca de vinte e dois anos trabalhana Comisso de Coordenao da RegioCentro, um dos servires mais interessantes,inovadores da Administrao Pblica, o quesignificou a participao em mltiplas evariadas tarefas que se foram diversificando,acompanhando a evoluo da prpriainstituio, num dos perodos mais ricos dahistria recente de Portugal.Como Delegada Regional da Cultura, uma dassuas principais tarefas consiste na definio

    dos financiamentos a disponibilizar aosagentes e iniciativas culturais, conforme asprioridades definidas para cada domnio deinterveno.Desenvolve ainda um intenso trabalho deacompanhamento da vida cultural na Regio,para onde convidada a participar (eparticipa) em festivais (que podem ser demsica, dana, teatro, vdeo, cinema),exposies de artes plsticas, fotografia, at-eliers de formao, para no falar de todo otipo de seminrios, jornadas, colquios econgressos que os agentes culturais ouCmaras Municipais organizam, reflectindoos mais variados domnios, temas epreocupaes culturais.

    11

  • Caminhos do Cinema Portugues

    ANTNIO LOJA NEVES

    Nasceu na Madeira, onde permaneceuinsulano at aos 16 anos. Depois de umaestada em Cabo Verde, veio estudar Medicinapara Lisboa, curso que interrompeu.Envolvido na actividade de agitao polticae cultural, foi dirigente cineclubista, viajoupelo pas apresentando filmes e animando de-bates a partir das suas temticas. Foi um dosfundadores da Federao Portuguesa deCineclubes. Organizou mltiplos cicloscinematogrficos, com particular ateno aocinema documental, ainda este no era moda.Pela mesma razo, participa actualmente naactividade da AporDOC - Associao peloDocumentrio.Realizou Insula, documentrio sobre a Ma-deira, e tem em rodagern O Silncio eAnarquistas, Vermelhos e Viriatos (ambos emtorno da guerra civil espanhola, o primeirosobre um episdio fronteirio, o segundosobre a relao da sociedade portuguesa como conflito, co-realizao com Jos ManuelAlves Pereira).Jornalista, pertence aos quadros dosemanrio Expresso, onde coordena o sec-tor de copy-desk. Participou na criao devrias revistas de cinema e tem colaboraroem livros na mesma rea. Comissrio devrias retrospectivas de cinema, no pas e noestrangeiro. Integrou a equipa do FestivalInternacional de Cinema de Tria eacompanhou Manuel Costa e Silva naorganizao das primeiras dez edies dos

    Encontros Internacionais de Cinema Docu-mental. director de programao dosEncontros Internacionais de Cinema de CaboVerde. membro do Centro de Estudos de EtnologiaPortuguesa da Universidade Nova e profes-sor convidado na Faculdade de Letras deLisboa, onde lecciona Actualidade Portuguesa.

    12

  • Juri Oficial

    DRTE SCHNEI-DERNascida a 1 de Agosto de 1974 em Dresden

    na Alemanha, iniciou em 1993/94 os estu-dos em Cincias da Comunicao, EstudosIngleses e Histria, na Universidade Tcni-ca de Dresden.Em simultneo fez o Seminrio de Teoria ePrtica Cinematogrfica, e Esttica do Videona HfBK, Escola de Belas Artes em Dresden.Entre Novembro de 1993 e Fevereiro de1994 fez um estgio no Estdio DD, Film-u.FernsehProd.en, em Dresden.Entre Maro de 1994 e Setembro de 1994estgiou no Estdio Macheleidt, Film- u.FernsehProd.en, em Dresden.Desde Outubro 1994 at Julho de 2000 foiestudante de Montagem na HFF KonradWolf, em Potsdam-Babelsberg (Universida-de de Cinema e TV de Babelsberg).Em Julho 2000 finalizou o curso de monta-

    gem TV/ Cinema na HFF Konrad Wolf.Entre Maro e Agosto de 1997 fez um Es-tgio de Montagem na Escola Superior deTeatro e Cinema de Lisboa.Desenvolveu entre Maio 1998 e Abril 2000a tese: A importncia da montagem na obrade Fernando Lopes.Em 1999 foi fotgrafa de cena/plateau na ro-dagem do filme A Mulher Polcia do reali-zador Joaquim SapinhoEntre Maio de 1999 e Fevereiro de 2000preparou, produziu e montou o filme Respi-rar (debaixo dgua) de Antnio Ferreira.Desde 1994 tem trabalhado em vrios fil-mes na rea da montagem e anotao.

    13

  • Caminhos do Cinema Portugues

    FERNANDO LOPES

    Nasceu a 28 de Dezembro de 1935, emAlvaizere.Em 1957, consegue ingressar na recm-cri-ada RU. Escriturrio adstrito rea da Infor-mao e do Cinema, passa, por influncia deBaptista Rosa, para a produo. como as-sistente de montagem (nomeadamente deblocos filmados para o Telejornal) que co-mea a sua prtica concreta. ainda Baptista Rosa que o convida paraseu assistente em duas curtas-metragens quedirigiu, Azulejos de Portugal (1958) e A Pai-xo de Cristo na Pintura Antiga Portuguesa(1959).Bolseiro do Fundo de Cinema Nacional vai,em 1959, para Londres, onde cursa realiza-o na London School of Film Technique,tendo sido aluno de Karel Reisz, CliveDonner, Joan Plowright, entre outros.O seu primeiro trabalho como realizador datade 1960, a curta-metragem As Pedras e oTempo, que o primeiro indcio de que algopodia mudar no cinema portugus.At 1963 permanece na RU como realizador.Desde reportagem para o Telejornal atdocumentrios, passando por umaexperincia de fuso do documento com afico, so inmeros os trabalhos queexecuta nesses anos.A publicidade e duas curtas-metragens ocu-pam-no at 1964, ano em que roda o seu pri-meiro filme de fundo, Belarmino.A partir da torna-se um dos mais importantescineastas da gerao do Cinema Novo.Em 1965 estagia em Hollywood, por trs me-

    ses, com uma bolsa Fullbright. Depois da ex-perincia do jornal de actualidade semanalCine-Almanaque produzido por Cunha Telles(com dez nmeros emitidos e ondecolaboraram grande parte dos cineastas da ge-rao de 60), funda a Mdia Filmes (comFernando Matos Silva, Alberto Seixas Santos,Alfredo Tropa e Manuel Costa e Silva), ondehavia de produzir a sua segunda longa-metragem, Uma Abelha na Chuva, 1971.Entretanto, em 1970, so aprovados os estatu-tos do Centro Portugus de Cinema: FernandoLopes foi o primeiro presidente da direco.Volta a trabalhar para a televiso, mas numaproduo externa, Curto-Circuito, ao lado deArtur Agostinho.Em 1973-1974 Fernando Lopes director darevista Cinfilo. Em 1978/79 director de Pro-gramas da RTP 2. Desde ento dirige o depar-tamento de co-produes internacionais daRTP.

    14

  • Juri Oficial

    GARO BORGES

    Nascido em Lisboa a 15 de Julho de 1956 fre-quentou o Curso Superior de Cinema do Con-servatrio Nacional de Lisboa.Produziu, realizou e montou curtas e mdias-metragens entre 1974 e 1979.Foi Director Artstico na curta-metragem Jack(1982).Participou na produo, de longas-metragenscomo A Ilha dos Amores (1976), ManhSubmersa (1978), e na montagem dodocumentrio Arthur Duarte (1979).Em Outubro de 1979 ingressou na RTP.Responsvel pela programao de cinema doCanal 2 entre 1991 e 1992, da RTP Internacio-nal entre 1992 e 1994, e da rubrica CinemaPortugus entre 1994 e 1998.Diploma de Guionismo no curso orientado porJayme Camargo em 1991 e 1992.Monitor de Histria do Cinema no Centro deFormao da RTP.Entre 1994 e 1998, como Chefe de Departa-

    mento da Direco Coordenadora de Infor-mao e Programas, foi responsvel pela pro-duo de fico nacional da RTP, pelas co-produes nacionais e internacionais e pelaautoria de diversos projectos originais, entreoutros, o programa Onda Curta, actualmen-te em exibio na RTP2.Participou no Departamento TV da EBU-UER para a curta-metragem.Crtico de cinema na imprensa, rdio e tele-viso.Membro da FIPRESCI.Participou em diversos Jris de Festivais deCinema, nomeadamente em Cannes,Montpellier, Prix Italia em Bolonha, Saint-Vincent, Trevignano, Bruxelas, Fantasporto,Vila do Conde, Cinanima, Amascultura, Tria,Algarve, Encontros Luso-Brasileiros de San-ta Maria da Feira, Figueira da Foz, assimcomo na Comisso de Seleco dos PrmiosEuropeus de Cinema promovidos pela EFA,Academia Europeia de Cinema, em 1995.Foi membro do Conselho Consultivo doIPACA.Participou em diversos seminrios internaci-onais de cinema e audiovisual, nomeadamenteem Madrid na Universidade Mendes Pelayo,em Genebra no Cinma Tout Ecr de parceriacom o ARTE e no II e III Seminrio de Cinemae Televiso do Mercosul, realizado emFlorianpolis.Coordenador de Produo Audiovisual naEXPO 98.Em 1999, realizou e montou uma primeiraobra documental subsidiada pelo ICAM, odocumentrio Ultramar - Angola 1961-1963.

    15

  • Caminhos do Cinema Portugues

    NELSON ZAGALO

    Nascido a 9 de Junho de 1974, no Luxemburgo,est inscrito no 4 ano da Licenciatura em No-vas Tecnologias da Comunicao da Univer-sidade de Aveiro.Foi atravs do programa Erasmus, estudantena Universidade Pontificia de Salamanca, nasreas de Publicidade (Fotografia e DesenhoGrfico) e Comunicao Audiovisual (Televi-so e Animao 3d), no 1 semestre do ano2000.Fez um Seminrio de Cinema na Escola Su-perior de Teatro e Cinema de Lisboa nas reasde Imagem, Som, Produo e Montagem, comavaliao positiva em Setembro 1997.Frequentou o Curso de Modelao/Animao3D Studio Max leccionado pela UNAVE-As-sociao para a Formao Profissional e Inves-tigao da Universidade de Aveiro em Outu-bro 1999.Integrou o Workshop de Story-Board para Cd-Roms no Festival Avanca 98 em Julho 1998.Fez o Curso de Guionismo Cinematogrficoleccionado pelo Prof. Paulo Filipe Monteiroem 1997, o Curso de Linguagem e Tcnica deVdeo no em 1996, assim como o Curso deRealizao Cinematogrfica em 1998, todospromovidos pelo Centro de Estudos Cinema-togrficos. actualmente editor e animador 3D do depar-tamento de vdeo da empresa Autor -Tecnologias Multimdia S.A.Fez edio e samplagem de imagens video dePedro Sena Nunes para o espectculo de m-sica cnica As Cidades e a Serra. co-criador da primeira pgina de cinema por-tugus na World Wide Web.

    Realizou o vdeo institucional Incuba-te emanimao 3d.Foi responsvel pela montagem do vdeoinstitucional Floresta Suspensa. co-fundador da revista Arte21 (revista de co-municao e arte do Departamento de Comu-nicao e Arte da Universidade de Aveiro).Foi monitor de um Curso de Vdeo no Institu-to Superior Miguel Torga de Coimbra em Mar-o de 1998. o Realizador da curta-metragem Fugir -Perdidos num Mundo de Escravos.Foi fundador e director do jornal Apokalypse(jornal cinematogrfico mensal de mbito uni-versitrio editado pelo CEC/AAC).Foi membro da direco do Centro de EstudosCinematogrficos nos anos 1995/96 e 1996/97

    16

  • Programa Oficial 17

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Domingo 01/04

    Segunda 02/04

    Sabado 31/03

    Tera 03/0418

    15h00 - Anos de Guerra Guin de Jos Barahona- Crescei e Multiplicai-vos de Manuel Mozos- Caixa Negra de Nuno Amorim- Os Devolvidos de Jorge Paixo da Costa- Quatrovezesquatro de Jorge Paixo da Costa- Firipe Beruberu de Francisco Villa-Lobos

    18h00 - Ouvir, Ver Macau de Antnio Escudeiro- Namest de Rui Simes- Ces Raivosos de Paulo Castro

    21h45 - Cerimnia de Abertura- O Passeio de Cristina Hauser- Branca de Neve de Joo Csar Monteiro

    15h00- De Cabea Perdida de Isabel Inglez- Balas & Bolinhos de Lus Ismael- Cinema Portugus Uma HistriaFamiliar de Ricardo Real Nogueira- Liga-me de Andr Delhaye

    18h00- Entretanto de Miguel Gomes- Akasha de Joo Costa Menezes

    21h45- A Drogaria de Elsa Bruxelas- Capites de Abril de Maria deMedeiros

    15h00- Dissidncias de Zz Gamboa- O Guardador de Imagens de Edgar Feldman- Com Quase Nada de Carlos Barroco- Fotoquic de Arlindo Marques

    18h00- Dois Mundos de Graa Castanheira- Joaquim Bravo, vora 1935 etc. etc. Feli-cidades de Jorge de Silva Melo- Madrugadas de Rui Simes- Telefona-me de Frederico Corado

    21h45- Histrias Desencantadas de Vtor Lopes- Baby Boom de Pedro Baptista 20- O Fantasma de Joo Pedro Rodrigues 90

    15h00- Macau Um lugar em Comum de Lus A. Matos- Henrique de Jorge de S- Viagem Expo de Joo Pedro Rodrigues- 25 de Abril Uma Aventura para a Democraciade Edgar Pra- Fragmentos de Sal de Cristina Teixeira

    18h00- Natal 71 de Margarida Cardoso- Senhorinha de Jos Filipe Costa- Separados Ns de Antnio Escudeiro- Cof Cof de Jos Pedro Cavalheiro- Os Dedos de Hilrio Amorim

    21h45- Sem Movimento de Sandro Aguilar- A Raiz do Corao de Paulo Rocha

  • Programa Oficial

    Quarta 04/04

    Quinta 05/04

    Sexta 06/04

    Sabado 07/04

    19

    15h00 - Mostra de Cinema Lusfono

    18h00 - Erros Meus de Jorge Cramez- Palavra e Utopia de Manoel de Oliveira

    21h45 - Contra Ritmo de Joo Figueiras- Peixe Lua de Jos lvaro Morais

    15h00- Mostra de Cinema Lusfono

    18h00- O Ralo de Tiago Guedes eFrederico Serra- Retrato em Fuga de NunoCarinhas- Trnsito Local de Fernando Ro-cha

    21h45 - Um Dia na Vida de lvaroZinga - No quarto da Vanda de PedroCosta

    15h00- Mostra de Cinema Lusfono

    18h00- Anjo Negro de Carlos Braga- Noites de Cludia Tomaz

    21h45- Alferes de Jlio Alves- Clandestino de Abi Feij- Tarde Demais de Jos Nascimento

    15h00 - Mostra de Cinema Lusfono

    18h00 - Mostra de Cinema Lusfono

    21h45 - Cerimnia de Encerramento- Exibio dos Filmes Vencedores

  • Caminhos do Cinema Portugues

    A Escola de Msica Banda Boa Unio Msica Velha constituda maioritariamente porjovens com idades compreendidas entre os oito e os dezasseis anos, que se agrupam numaglomerado de msico que formam a referida banda.Esta segundo reza a histria foi fundada a oito de Junho de 1865. No princpio muitos problemassurgiram. De 1883 at aos nossos dias a vida da Filarmnica Boa Unio foi um caminharperene e gigantesco na procura de um ideal: e esse ideal foi procurado sempre na considerao daarte, no culto da amizade e no insatisfeito desejo de vencer. S desta forma, alis, foi possvelescapar-se morte lenta a que o destino condena as instituies do gnero. Nem tudo foramrosas, mas sentiram-se as dores profundas dos espinhos cravando-se na carne; Nem tudo o que sefez perdura, mas o saldo final um alegre saldo de vitria.Nos ltimos quarenta e cinco anos a Escola de Msica desta banda tem encantado a regiocentro, fazendo vrios espectculos a pedido das mais variadas entidades.Esta banda foi agraciada em 1969 com a Gran Cruz da Ordem da Benemerncia pelo entoPresidente da Repblica, assim como, com a Medalha de Prata da Cmara Municipal de Manteigasem 1981.Como referncia especial a Banda Boa Unio Msica Velha mantm uma Escola de Msicaem regime de permanncia, actualmente frequentada por mais de trita alunos aprendizes.Finalmente a Banda uma das associaes dinamizadoras da criao da Federao das BandasFilarmnicas do Distrito da Guarda.

    CE

    RIM

    N

    IA D

    E A

    BE

    RT

    UR

    A

    20

  • Retrospectiva

    21

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Esta foi a primeira edio, da ento mostra de Cinema Portugus, que mais tarde irevoluir e tornar-se no Festival, que anualmente projecta a produo cinematogrficanacional.O programa desta edio contou com obras de realizadores consagrados como ManuelCosta e Silva, Paulo Rocha, Joo Mrio Grilo, Joo Csar Monteiro, Lus FilipeRocha e o incontornvel Manoel de Oliveira.

    22

  • O Passado

    Durante uma semana estiveram em exibio em Coimbra, integrados na ento mostraque j se chamava Caminhos do Cinema Portugus, uma pequena parte do cinemaque por c se tinha feito desde 1975. Desta mostra fizeram parte realizadores jconsagrados, caso de Manoel de Oliveira e novos realizadores, data, como LusVidal Lopes e Vtor Gonalves, passando pelo cinema independente e pessoal deSaguenail e , ainda, Antnio Pedro de Vasconcelos, Jos de S Caetano e FernandoLopes.

    23

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Em 1990 realizou-se a terceira edio dos Caminhos do Cinema Portugus. Esta ediocentrou-se sobre trs temticas particulares:- O Documento, com a projeco de filmes como Trs-os-Montes de Antnio Reis eMargarida Cordeiro; Belarmino de Fernando Lopes e A Fuga de Lus Filipe Rocha.- O Texto, com filmes como Amor de Perdio de Manoel de Oliveira; ConversaAcabada de Joo Botelho e Crnica dos Bons Malandros de Fernando Lopes.- O Imaginrio, em que foram projectados filmes como Verdes Anos de Paulo Rochae Um Adeus Portugus de Joo Botelho e Leonor Pinho, entre muitos outros.

    24

  • O Passado

    Reconhecido pela primeira vez como um evento de manifesto interesse cultural,os Caminhos do Cinema Portugus afirmar-se-iam como o nico Festival de CinemaPortugus em 1997. A quarta edio deu destaque a toda a produo at a data, semprecom o intuito de dar a conhecer obras pouco divulgadas e at inditas junto do grandepblico. Nesta edio foram apresentados mais de cinquenta filmes e foram levados acabo trs seminrios: um sobre Projeccionismo, outro de Guionismo e, ainda, um sobreVdeo.Novidade nesta edio, foi a atribuio pela primeira vez do prmio Ardenter Imag-ine. Este prmio que visa reconhecer o trabalho feito em prol do Cinema Portugusfoi ento entregue a Antnio Escudeiro Director de Fotografia de um incontvelnmero de filmes portugueses.

    25

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Em 1998, a quinta edio dos Caminhos do Cinema Portugus caracterizou-se pela suaafirmao como verdadeiro Festival de Cinema. Nesta edio foram atribudos pela primeiravez prmios com a constituio de um Jri Oficial e com a oscultao do pblico.Neste ano o jri distinguiu: O que te quero de Jeanne Waltz - Melhor Curta Metragem do Jri Le Bassin de J. W. de Joo Csar Monteiro - Melhor Longa Metragem do JriO pblico destinguiu: Menos nove de Rita Nunes - Melhor Curta Metragem do Pblico Elas de Luis Galvo Telles - Melhor Longa Metragem do PblicoO Prmio Ardenter Imagine desta edio foi entregue a Pedro Bandeira Freire, proprietriodos Cinemas Quarteto.Nesta edio, foi organizado um colquio subordinado ao tema Que Produo para os FilmesPortugueses? com Nelson Pereira dos Santos, Carlos da Silva, Rosi Burguette, Jos Mazeda,Antnia Seabra e Jos Fonseca e Costa e ainda um outro , moderado pelo Dr. Antnio PedroPita, com o ttulo A Influncia da Crtica no Pblico Portugus, com Miguel Gomes e LaraMarques Pereira.

    26

  • O Passado

    A consagrao do Festival marcou a sexta edio. Conseguiu-se uma maior projecoe a cidade de Coimbra rendeu-se ao cinema nacional.Nesta edio o Jri Oficial distinguiu como:Melhor Curta Metragem O que foi de Ivo Ferreira; Melhor Longa Metragem Longe daVista de Joo Mrio Grilo; Melhor Documentrio O Homem da Bicicleta de Ivo Ferreira eAntnio Pedro; Melhor Curta Metragem de Animao A noite cheirava mal de Paulo dAlva.O pblico consagrou como:Melhor Curta Metragem A noite cheirava mal de Paulo dAlva; Melhor Longa Metragem A Sombra dos Abutres de Leonel Vieira; O Prmio de Imprensa atribudo pelo Jornal ACabra - Jornal da Seco de Jornalismo da Associao Acadmica de Coimbra, foi atribudoa Quando Troveja de Manuel Mozos.O Prmio Ardenter Imagine foi atribudo a Rosi Burgete das Produes Off.Nesta edio foram organizados trs colquios subordinados aos temas: - As mulheres quefazem cinema em Portugal; - Como vai a nossa distribuio? e ainda Como se Produzem osNovos Talentos.

    27

  • Caminhos do Cinema Portugues

    No ano transacto o Festival consolidou-se como o nico evento cinematogrfico exclusivamentededicado ao cinema nacional. Esta edio do Festival contou pela primeira vez com obras emVdeo a concurso.Na stima edio o Jri consagrou:- A Suspeita de Jos Miguel Ribeiro - Melhor Animao em Pelicula; - Cinemaamor de JacintoLucas Pires - Melhor Curta Metragem em Pelcula; - Mal de Alberto Seixas Santos - MelhorLonga Metragem em Pelcula; - Sintonia Imcompleta de Mrio Jorge Neves - Melhor Animaoem Vdeo; - Ultramar de Joo Garo Borges - Melhor Documentrio em Vdeo; - Xeque-Matede Pedro Baptista - Melhor Curta Metragem em VdeoPor sua vez o pblico consagrou:- A Suspeita de Jos Miguel Ribeiro - Melhor Animao em Pelcula; - Entre Ns de MargaridaCardoso - Melhor Curta Metragem em Pelcula; - Jaime de Antnio Pedro Vasconcelos - MelhorLonga Metragem em Pelcula; - Sintonia Incompleta de Mrio Jorge Neves - Melhor Animaoem Vdeo; - Outros Bairros de Ins Gonalves, Kiluange Liberdade e Vasco Pimentel - MelhorDocumentrio em Vdeo; - Xeque-Mate de Pedro Baptista - Melhor Curta Metragem em Vdeo.Foram realizados nesta edio um colquio sobre Documentrio, um outro sobre Produo e,ainda, um sobre Animao.

    28

  • Categoria

    de

    Pelicula

    29

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Em 1663, o Padre Antnio Vieira chamado a Coimbra para comparecer diante do Tribunaldo Santo Ofcio, a terrvel Inquisio. As intrigas da corte e uma desgraa passageira enfra-queceram a sua posio de clebre pregador jesuta e amigo ntimo do falecido rei D. JooIV. Perante os juizes, o Padre Antnio Vieira rev o seu passado: a juventude no Brasil e osanos de noviciado na Bahia, a sua ligao causa dos ndios e os seus primeiros sucessos noplpito. Impedido de falar pela Inquisio, o pregador refugia-se em Roma, onde a sua reputao exito so to grandes que o Papa concorda em no o retirar da sua jurisdio. A rainhaCristina da Sucia, que vive em Roma desde a abdicao do trono, prende-o na corte einsiste em torn-lo seu confessor. Mas as saudades do seu pas so mais fortes e Vieira regressa a Portugal. S que a frieza doacolhimento do novo rei, D. Pedro, fazem-no partir de novo para o Brasil onde passa osltimos anos da sua vida.

    PA

    LA

    VR

    A E

    UT

    OP

    IA -

    MA

    NO

    EL D

    E O

    LIV

    EIR

    A

    30

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Manoel de OliveiraARGUMENTO - Manoel de OliveiraFOTOGRAFIA - Renato Berta A.F.C.SOM - Henri MaikoffMONTAGEM - Valrie LoiseleuxGNERO - BiogrficoINTRPRETES - Lima Duarte, Lus Miguel Cintra, Ricardo Trepa, Leonor Silveira, MichelPiccoli, Miguel Guilherme, Canto e Castro, Diogo Dria e Joo Bnard da CostaDURAO - 130FORMATO - 35mm, Cor, 1:1:66SOM - Dobly DigitalPRODUTOR - Paulo BrancoPRODUO - Madragoa FilmesCO-PRODUO - Madragoa Filmes (Portugal), RTP (Portugal), Gemini Filmes (Frana),Plateau Produes (Brasil), Wanda Films (Espanha)

    Manoel de Oliveira 1908

    FILMOGRAFIA SELECTIVAAniki-Bob (1942)Acto da Primavera (1963)O Passado e o Presente (1971)Benilde ou a Virgem Me (1975)Amor de Perdio (1978)Francisca (1981)O Meu Caso (1986)Os Canibais (1988)Non ou a V Glria de Mandar (1990)

    A Divina Comdia (1991)O Dia do Desespero (1992)Vale Abrao (1993)A Caixa (1994)O Convento (1995)Party (1996)Viagem ao Princpio doMundo (1997)Inquietude (1998)A Carta (1999)

    31

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Em Portugal, na noite de 24 para 25 de Abril de 1974, ouve-se pela rdio uma canoproibida: Grndola Vila Morena.Pode tratar-se de uma mera desobedincia de um jornalista rebelde. , na realidade osinal programado do desencadeamento de um golpe de Estado militar que ir mudar aface do Pas e o destino de territrios gigantescos em frica.

    CA

    PIT

    E

    S D

    E A

    BR

    IL -

    MA

    RIA

    DE M

    ED

    EIR

    OS

    32

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADORA - Maria de MedeirosARGUMENTO - Maria de Medeiros, Eve DeboiseFOTOGRAFIA - Michel Abamowicz A.F.C.SOM - Jrme ThiaultMONTAGEM - Jacques WittaGNERO - FicoINTERPRETES - Stefano Accorsi, Joaquim de Almeida, Maria de Medeiros e Frdric PierrotDURAO - 126FORMATO - 35mm, Cor, 1:1:85SOM - Dobly Digital, SRD, DTSPRODUTOR - Jacques BidouPRODUO - Mutante FilmesCO-PRODUO - JBA Production (Frana), Filmart (Espanha), Alia Film (Italia), RTP (Portu-gal); France 2 Cinma, Arte France Cinma, FMB Films

    Maria de Medeiros1965

    Frequentou o Conservatoire National dArt Dramatique (Frana)

    FILMOGRAFIA A Morte do Prncipe (1991)

    33

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Numa madrugada do vero de 1999, a quinze dias da data do casamento, Joo descobre que,afinal, j no quer casar. Os preparativos da festa esto em curso, os convites foram mandados e,ainda por cima, Joo desconfia que est grvida.Perante o inesperado desta situao, Joo faz o que costuma fazer quando precisa de pensar: bebe.De resto, Joo disciplinada, boa aluna e pessoa de bom trato. E habituada a tomar conta de siprpria. A me morreu h cinco anos, e os irmos j no vivem na herdade: o mais velho, Afonso,porque, esse sim, casou e pai de filhos, e o do meio, Jos Maria, menos dado a casamentos,porque foi viver para Crdova por incompatibilidades com o pai. O pai o dr. Joo Jos, veterin-rio com ambies polticas que no dispe tambm de muito tempo para Joo. Mas, pior que tudoisto, o tio Nini, o tio-av solteiro e inconveniente que a ensinou a duvidar de preconceitos, est amorrer.Ora, quando Joo bebe, os acontecimentos precipitam-se, nem sempre da melhor maneira. E elafaz o que costuma fazer quando as coisas correm mal: pede ajuda a Gabriel. Gabriel o rapaz quebrincava com os irmos, o afilhado pobre do dr. Joo Jos que tem dificuldade em dizer no. P

    EIX

    E L

    UA

    - J

    OS

    LV

    AR

    O M

    OR

    AIS

    34

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADORA - Jos lvaro MoraisARGUMENTO - Jos lvaro Morais, Jeanne WaltzFOTOGRAFIA - Edgar MouraSOM - Philippe MorelMONTAGEM - Jackie BastideGNERO - DramaINTERPRETES - Beatriz Batarda, Marcello Urgeghe, Pedro Hestnes, Lus Miguel Cintra, DinizNeto Jorge, Isabel Ruth, Jos Meireles, Ricardo Aibo e Fernando HeitorDURAO - 120FORMATO - 35mm, Cor, 1:1:66SOM - Dobly DigitalPRODUTOR - Paulo BrancoPRODUO - Madragoa FilmesCO-PRODUO - Madragoa Filmes (Portugal), RTP (Portugal), Gemini Films (Frana)

    Jos lvaro Morais1945

    FILMOGRAFIACantigamente (1975)Ma Femme Chamada Bicho (1976)O Bobo (1987)

    35

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Noites situa-se nos dias de hoje, na banalidade e na brutalidade do quotidiano. Noites faz de umahistria simples, um documentrio seco e cru sobre a vida de um casal toxicodependente que vivede pequenos truques e esquemas para ganhar a vida.O crculo repetitivo, os personagens nada tm; resta-lhes o corpo, as roupas que trazem, asaces necessrias, a luta pela sobrevivncia. um filme minado pelo desespero de vidas semsada. Filmam-se rostos e corpos e estes no podem mentir.O filme passa-se no dia-a-dia, nas ruas, nos autocarros, nos subterrneos do metro, no Casal Ven-toso, nos hospitais, na casa abandonada... nico tecto e ponto de referncia dos protagonistas;nessa casa subsiste a ternura e a amizade e a vaga esperana de que o dia seguinte possa sermelhor...Joo vive da prostituio; um homem, com os olhos vazios e o corpo rodo pelas drogas e pelavida. O pouco que tinha deixou-o para trs para andar por a. Teresa j o acompanha h mais detrs anos. Sem sonhos nem ambies, cedo deixou a casa dos pais. Agora est doente. Teresa eJoo acompanham-se neste processo repetitivo e cansado. Em casa ou na rua os objectivos sopoucos e muitos claros.

    NO

    ITE

    S -

    CL

    U

    DIA

    TO

    MA

    Z36

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADORA - Cludia TomazARGUMENTO - Cludia TomazFOTOGRAFIA - Joo RibeiroSOM - Nuno CarvalhoMONTAGEM - Cludia TomazGNERO - FicoINTERPRETES - Joo Perreira, Cludia Tomaz, Ana Bustorff, Isabel Ruth e Joo dvilaDURAO - 73FORMATO - 35mm, Cor, 1:1:37SOM - Dobly DigitalPRODUTOR - Paulo BrancoPRODUO - Madragoa Filmes

    Cludia Tomaz1974

    Licenciada em Cincias da Comunicao pela Universidade Nova deLisboaFez estudos de Audiovisual na Universidade Michel Montaigne, Bordus

    FILMOGRAFIAMemria (1995)Olhos Claros (1996)Sem Ttulo (1997)Desvio (1998)

    37

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Madrugada no Tejo.Um pequeno barco de pesca naufragado.Quatro homens h longas horas encharcados at aos ossos, sem saberem se algum os vir salvar.Com Lisboa ao longe, mas ningum vista, e em risco de vida, eles no tm outra sada senotentar chegar margem por si prprios (mesmo sabendo que as suas hipteses so muito poucas).E ao longo de 24 horas, por bancos de areia e lodo, arrastando-se pela gua e a nado, num dia deInverno gelado e negro, eles vo lutar pela vida num esforo sobre-humano, entre o desespero ea exausto.Chegar a ajuda tarde demais?

    TA

    RD

    E D

    EM

    AIS

    - J

    OS

    NA

    SCIM

    EN

    TO

    38

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADORA - Jos NascimentoARGUMENTO - Jos Nascimento, Joo CanijoFOTOGRAFIA - Mrio CastanheiraMSICA - Nuno RebeloSOM - Joaquim PintoGNERO - FicoINTERPRETES - Vtor Norte, Adriano Luz, Nuno Melo, Carlos Santos, Ana Moreira, FranciscoNascimento, Rita Blanco e Jos Antnio AranhaDURAO - 97FORMATO - 35mm, Cor, 1:1:16SOM - Dobly StereoPRODUTOR - Paulo BrancoPRODUO - Madragoa FilmesCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Jos Nascimento1947

    Foi scio fundador da Cinequipa e professor de Montagem na EscolaSuperior de Cinema do Conservatrio Nacional

    FILMOGRAFIA SELECTIVAAquilino e Mestre Z (1975)Pela Razo Que Tem (1976)Terra de Po, Terra de Luta (1977)Viagem ao Baixo Alentejo (1978)Reprter X (1987)Mar Vista (1989)A Lua Deitada (1998)

    39

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    (...) So personagens que atravessaram a loucura e por isso que permanecem de uma superficialida-de to dilacerante, to totalmente inumana, imperturbvel (...) - Walter BenjaminNeste dramolote, Walser est ainda mergulhado nos conflitos da infncia. Nota-se aqui quando opai inexistente. sempre com a me, ou a madrasta, que a herona se deve confrontar.Se Branca de Neve deseja morrer ou regressar ao pas dos seus anes, porque no est convencida daboa-f da rainha. A sua madrasta no quis envenen-la? Quando Branca de Neve, salva pelo prncipe,voltou vida, a rainha, graas aos seus beijos, no incitou, acto contnuo, o caador a apunhal-la?E eis o prncipe e a jovem, to pura quanto o seu nome indica, - o qual evoca para ns a morte deWalser na neve - aterrorizados por uma cena bestial entre a rainha e o caador. O homem est deitadosobre a mulher e as suas atitudes parecem aos dois inocentes uma brutalidade espantosa.O amor ser isto? Uma luta encarniada?Beijos envenenados, amor e crime intimamente imbricados, absolutamente imprescindvel corrigiro conto de Grimm. A me, madrasta, no pode ser to malvada, seria insuportvel. Mas Branca deNeve deve aprender que amor e dio no esto nunca muito afastados. Ela compreende. Julgava-se -como Robert - ferida, expulsa, perseguida, odiada. Era apenas tonta e agora tudo acaba em bem.Branca de Neve escolheu ser feliz.

    BR

    AN

    CA

    DE N

    EV

    E -

    JO

    O

    C

    SAR M

    ON

    TE

    IRO

    40

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Joo Csar MonteiroARGUMENTO - Joo Csar Monteiro; Baseado em A Branca de Neve de Robert WaslerFOTOGRAFIA - Mrio BarrosoSOM - Joaquim PintoMONTAGEM - Carla BogalheiroGNERO - DramaVOZES - Diogo Dria, Ana Brando, Maria do Carmo, Reginaldo da Cruz e Lus MiguelCintraDURAO - 75FORMATO - 1:1:37SOM - Dobly SRPRODUTOR - Paulo BrancoPRODUO - Madragoa FilmesCO-PRODUO - Gemini Filmes (Frana)

    Joo Csar Monteiro1939

    FILMOGRAFIA SELECTIVAQuem Espera por Sapatos deDefundo Morre Descalo (1970)Fragmentos de um Filme-Esmola (1972)Que Farei Eu com esta Espada (1975)Veredas (1977)Os Dois Soldados (1978)O Amor das Trs Roms (1978)A Me (1978)Silvestre (1981) Flor do Mar (1986)

    Recordaes da Casa Amarela(1989)O ltimo Mergulho - Esboo deFilme (1992)A Comdia de Deus (1995)Passeio com Johnny Guitar (1995)Le Bassin de John Wayne (1997)As Bodas de Deus (1999)

    41

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Numa noite de Natal, um co ladra e esgravata uma porta fechada. Do outro lado, num quarto,vive um fantasma. Dois homens numa cama. Uns olhos e uma boca por trs de uma mscara deborracha negra.

    O F

    AN

    TA

    SMA

    - J

    O

    O P

    ED

    RO

    RO

    DR

    IGU

    ES

    42

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Joo Pedro RodriguesARGUMENTO - Joo Pedro Rodrigues, Jos NevesFOTOGRAFIA - Rui PoasSOM - Mafalda RomaMONTAGEM - Paulo RebeloGNERO - FantsticoINTRPRETES - Ricardo Meneses, Beatriz Torcato, Andr Barbosa e Eurico VieiraDURAO - 90FORMATO - 35mm; Cor; 1:1:66SOM - Dobly SRPRODUTOR - Amndio CoroadoPRODUO - Rosa FilmesCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Joo Pedro Rodrigues1966

    Curso da Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa

    FILMOGRAFIAO Pastor (1988)Parabns! (1997)Esta a Minha Casa (1998)

    43

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    NO

    QU

    AR

    TO

    DA V

    AN

    DA

    - P

    ED

    RO

    CO

    STA

    A vida s me tem dado desprezos. Morar em casas fantasmas que outras pessoas deixaram.Estive em casas que nem uma bruxa queria l morar. Mas tambm estive em casas que valiam apena. Todas as casas que ocupei eram casas clandestinas. Foram casas que as pessoas abandonaram,mas se estivesse l uma pessoa de bem... eles at no mandavam abaixo. E olha foi assim casaatrs de casa. J paguei mais pelas coisas que no fiz que pelas coisas que fiz.

    44

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Pedro CostaSOM - Philippe Morel, Mathieu ImbertMONTAGEM SOM - Waldir XavierMONTAGEM - Dominique Auveay, Patrcia SaramagoMISTURA - Stephan KonkenGNERO - DocumentrioINTRPRETES - Vanda Duarte, Zita Duarte, Lena Duarte, Antnio Moreno, Paulo Nunes, PauloGonalves, Pedro Lanban, Fernando Paixo e Miguel Gomes MirandaDURAO - 160FORMATO - 35mm, Cor, 1:13:33SOM - Dobly SrPRODUTOR - Francisco Villa-Lobos, Karl Baumgardner, Andres Pfaeffli;PRODUO - Contracosta Produes Lda.CO-PRODUO - Pandora Film GMBH, ZDF (Alemanha), RAI 3 (Itlia), RTP (Portugal)

    Pedro Costa1959

    FILMOGRAFIACartas Jlia (1988-89)O Sangue (1990)Casa de Lava (1994)Ossos (1987)

    45

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    AK

    ASH

    A -

    JO

    O

    ME

    NE

    ZE

    S

    De acordo com a tradio hindu, o universo divide-se em movimento e espao. Este espaochama-se akasha e compreende dimenses infinitas: no apenas fsicas (o espao da nossapercepo sensorial tridimensional), mas tambem espirituais. Aqui no h limites e tudo possvel. em akasha que a histria se desenrola. O filme um poema sobre a morte, o medo de morrer e o de perder o que se ama.

    46

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Joo Costa MenezesARGUMENTO - Joo Costa MenezesFOTOGRAFIA - Antnio Costa, Joo Costa MenezesSOM - Joo Costa MenezesMSICA - Determinados Comportamentos, Ricardo Passos & Joo Guedes, Pedro Abrunhos,Bliss,MONTAGEM - Pedro Caiano, Sasha DjurkovicGNERO - FantsticoINTRPRETES - Irene Jouin, Joo Menezes, Carlos Antnio Amselle, Maria Cerqueira Gomes,Abel Pinto, Joo S, Ricardo Vinhas, Rita Costa Lobo, Barbara Carvalhosa, Patrcia Melanie,Ins Gonalves, Joana Moura e Rosa RodriguesDURAO - 96FORMATO - 35mm, CorSOM - MonoPRODUTOR - Joo Costa MenezesPRODUO - Zero Filmes

    Nascido no Porto, estreou-se na realizao com a curta-metragemZero, premiada no Festival Internacional de Huesca, Espanha, comum prmio especial pela originalidade.Estudou cinema em Londres nos Panico Studios e frequentou osworkshops Raindance. Tem trabalhado em Londres como actor.Akasha a sua primeira longa-metragem.

    Joo Menezes

    47

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Manel um assassino. J esteve preso por homicdio qualificado e aprendeu muito sobre comoeliminar problemas. No gosta nada de matar mas f-lo muito bem. Todos lhe reconhecem talentoe ele prprio no o consegue negar.O senhor Rodrigues, homem poderoso e seu patro, serve-se da sua humildade e dependncia eencomenda-lhe servicinhos especiais que os seus negcios exigem.A vida , no entanto, dura e, um dia, o Joozinho, filho do senhor Rodrigues, abusando da autori-dade que o pai exerce sobre Manel, pede-lhe que mate um indivduo para lhe ficar com algumdinheiro. Manel cumpre, contrariado, motivado pela provvel mais valia financeira que da adviessemas, principalmente, pela convenincia de eliminar uma testemunha eventualmente incmoda queentretanto detectara. Manel no gosta de testemunhas dos seus servicinhos, s atrapalham.As coisas correram mal, o dinheiro no estava l e, pior do que isso, o homem que abateu estava aoservio do pai de Joozinho, o seu prprio patro. Equvoco perigoso. Algum meteu gua e sManel parece ter-se apercebido.O que calha bem, pois que o senhor Rodrigues vem pedir-lhe, a ele mesmo, que recupere o dinheiroque ficou extraviada e vingue a morte do seu homem.

    TR

    N

    SIT

    O L

    OC

    AL -

    FE

    RN

    AN

    DO

    RO

    CH

    A

    48

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Fernando RochaARGUMENTO - Jos Pinto CarneiroFOTOGRAFIA - Jorge SantosMSICA - Fernando RochaMONTAGEM - Fernando RochaGNERO - FicoINTRPRETES - Maestro Antnio Victorino DAlmeida, Paulo Gonzo, Rui Reininho, PedroLima, Paulo de Carvalho, Oscar Branco, Rui Aires, Paulo Matos, Maria dAires, Mrio Moutinho,Jlio Cardoso, Jorge Mota, Tony Lima, Carla Maciel e Rui RimDURAO - 90FORMATO - 35mm, CorSOM - Doubly SRPRODUTOR - Fernando RochaPRODUO - Numrica Produes Multimdia, Lda

    Fernando Rocha1958

    Frequentou o Curso de Pintura e Escultura e Design na Escola Superi-or de Belas Artes do Porto, assim como o Curso de Filosofia da Facul-dade de Letras do Porto

    FILMOGRAFIAUm dia na Vida de um Artista Plstico (1980)Revolta (1982)The Battle of Victory (1989) (Video Clip)Power Tower (1993) (Video Clip)Blindness (1996)

    49

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    A R

    AIZ

    DO

    CO

    RA

    O -

    PA

    UL

    O

    RO

    CH

    A

    Candidato a presidente da cmara, Torcato dos Santos, conhecido por Cato, persegue comameaas e promessas desvairadas a tmida Slvia, que se lhe recusa. A bela Slvia um travesti umpouco mstico, desesperadamente procura de um amor que no deste mundo.Pelo Santo Antnio sai-lhe na rifa um polcia perseguidor de travestis, Vicente Corvo.Protectora de Slvia, a misteriosa Isabel, a Pga, uma beleza outonal queimada pela vida. Donada centenria Photo Franaise, vive de pequenas chantagens, atravs de vdeos comprometedores,estranhas fotografias, rumores. Noivas assassinadas sem razo.As eleies aproximam-se.Cato sente-se trado, d ordens polcia. Corvo, o ingnuo, ter de penetrar nos segredos daladra Isabel e recuperar as provas. A Pga no resiste virtude do Corvo. Slvia morre de cimese de desejos. Tem vises e quer dar-se a Corvo, mas estremece com medo que ele descubra averdade... Cato, enciumado, arrisca a carreira. Ameaa e humilha-se diante da Isabel. Cada vezmais apaixonado, Corvo desconfia da verdade de Slvia. Confessa-se bela mstica mas continua,de noite, as caadas s Noivas. Slvia, sem saber como escolher, toma uma deciso desesperada esangrenta. Pede ajuda s Noivas, e na noite de Santo Antnio...

    50

  • Bio-filmografia

    Longas Metragens

    Ficha Tcnica

    Paulo Rocha1935

    REALIZADOR - Paulo RochaARGUMENTO - Paulo Rocha, Jeanne Waltz, Regina GuimaresFOTOGRAFIA - Elso RoqueMSICA - Jos Mrio BrancoMONTAGEM - Edgar FeldmanGNERO - DramaINTRPRETES - Lus Miguel Cintra, Joana Brcia, Isabel Ruth e Merville PoupaudDURAO - 115FORMATO - 35mm, CorSOM - Doubly SRPRODUTOR - Paulo Rocha, Grard VaugoisPRODUO - Suma FilmesCO-PRODUO - Les Filmes de LAtalante

    FILMOGRAFIA SELECTIVAVerdes Anos (1963)Mudar de Vida (1966)A Pousada das Chagas (1970)A Ilha dos Amores (1982)O Desejo ou as Montanhas da Lua (1986)Rio do Ouro (1998)

    51

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Ela punk...Ela uma maria-rapaz...E agora quer ter um beb...O problema que ela tambm quer que o pai seja o Presidente.Rita vai raptar o Presidente com a ajuda de dois punks a quem ela no contou sequer metade dahistria. Ela est habituada a conseguir tudo o que quer seja a bem ou a mal mas desta vez meteu-se num sarilho maior do que imaginara.Baby Boom uma comdia politicamente incorrecta sobre o chamamento da maternidade.Com inspirao no universo punk, esta curta-metragem encontra tambm as suas influncias nosanti-heris da banda desenhada e no cinema de srie B.

    BA

    BY

    BO

    OM

    - P

    ED

    RO

    BA

    PT

    IST

    A

    52

  • Bio-filmografia

    Curtas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Pedro BaptistaARGUMENTO - Pedro BaptistaFOTOGRAFIA - Humberto FonsecaSOM - Elsa FerreiraMSICA - The Sonics, Sex Pistols, LardMONTAGEM - Pedro BaptistaGNERO - FicoINTRPRETES - Isabel Abreu, Quimb, Mrio Jorge e Alexandre SousaDURAO - 20FORMATO - 16 mm, CorSOM - Magntico/pticoPRODUTOR - Susana Figueiredo MarquesPRODUO - Susana Marques

    Pedro Baptista1974

    FILMOGRAFIAXeque-Mate (1999)Noites em que tudo corre mal (1998)Tic-Tac (1997)Requiem para Teresa (1997)

    53

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    AL

    FE

    RE

    S -

    JL

    IO A

    LVE

    S

    Nambirre, frica, Guerra ...Um estalido metlico, seco, ntido, deflagrou no ar.Bem a meio da picada, o Alferes gritou: Pisei uma mina! Caralho! Pisei uma mina!

    54

  • Bio-filmografia

    Curtas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Jlio AlvesARGUMENTO - Jlio Alves, Vanda de SousaFOTOGRAFIA - Carlos AssisSOM - Jos Barahona, Victor MingatesMSICA - Manuel FariaMONTAGEM - Manuel Mozos, Paulo HenriquesGNERO - FicoINTRPRETES - Jos Airosa, Rogrio Samora, Joo Grosso e Joo DidletDURAO - 16SOM - Dolby SRFORMATO - 35 mm, Cor, 1:85PRODUTOR - Srgio HenriguesPRODUO - Tangerina Azul

    Jlio Alves1971

    FILMOGRAFIAA Fachada (1995)O Despertador (1996)

    55

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Uma mulher confrontada com a sua prpria imagem precipita-se numa fuga que a leva de regressoao objecto inevitvel do medo original.

    Fuga - s. f. (do latim fuga), Forma de composio musical baseada no princpio da imitao insistenteem todas as partes, dando-nos a impresso de que estas vo realmente fugindo umas das outras,perseguindo-se e procurando-se.

    Retratar - v. tr. Fazer o retrato de // pintar o retrato // tirar a fotografia de ...

    RE

    TR

    AT

    O E

    M F

    UG

    A -

    NU

    NO

    CA

    RIN

    HA

    S

    56

  • Bio-filmografia

    Curtas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Nuno CarinhasARGUMENTO - Nuno CarinhasFOTOGRAFIA - Carlos AssisMSICA - Carlos ZngaroMONTAGEM - Pedro RibeiroGNERO - FicoINTRPRETES - Maria do Carmo TavaresDURAO - 7FORMATO - 35mm, Preto e Branco, 1:1:85SOM - Dolby SRPRODUTORA - Rosi BurgetePRODUO - Produes Off

    Nuno Carinhas

    Artista Plstico, Encenador, Figurinista e Cengrafo. O Teatro e aDana so as reas em que desenvolve a sua actividade profissional

    FILMOGRAFIAEsta a sua primeira obra

    57

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Me e filho saem de casa. Mo dadas ou agarradas?Atravessam ruas, vo ao jardim e regressam a casa.O discurso pertence me, ininterrupto. Alis a me s voz, porque do corpo apenas se vem as mos e pernas.Oito minutos de como, mais do que porqu.

    O P

    ASS

    EIO

    - C

    RIS

    TIN

    A H

    AU

    SER

    58

  • Bio-filmografia

    Curtas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Cristina HauserARGUMENTO - Cristina HauserFOTOGRAFIA - Carlos AssisSOM - Edrice SaeedMONTAGEM - Pedro RibeiroGNERO - FicoINTRPRETES - Sofia S da Bandeira e Simo MarizDURAO - 830FORMATO - 35mm, Cor, 1:1:85SOM - Dolby SRPRODUTORA - Rosi BurgetePRODUO - Produes Off

    Cristina Hauser1956

    Licenciada em Histria pela Faculdade de Letras de Lisboa em 1980.Chega ao cinema pela mo de Manoel de Oliveira, interpretando opapel de Teresa no filme Amor de Perdio no ano de 1977

    FILMOGRAFIAA Mulher do Filsofo (1982)Junqueira (1983)Confidncias (1987)Longe (1988)

    59

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    Um cargueiro velho e ferrugento entra no porto na manh de 24 de Dezembro. A bordo traz umpassageiro clandestino que, com a cumplicidade de dois marinheiros, tenta, durante a noite, entrara salto no Pas. A viagem de acesso liberdade, pela amarra fora, longa e penosa.Imagens catastrficas enchem-lhe a cabea e perturbam-no. No auge do desespero, salvo por umagente da autoridade que comovido com a sua situao, o deixa ir.Atrapalhado, sai correndo s cegas, pensando que o polcia o quer matar pelas costas... ouvindoainda o grito do polcia distncia: Merry Christmas!!

    CL

    AN

    DE

    STIN

    O -

    AB

    I FE

    IJ

    60

  • Bio-filmografia

    Curtas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Abi FeijARGUMENTO - Baseado em Viajante Clandestino de Jos Rodrigues Miguis - adaptado porAbi Feij e Diana AndringaFOTOGRAFIA - Abi FeijMSICA - TentgalSOM - TentgalMONTAGEM - Saguenail e Regina GuimaresGNERO - AnimaoANIMAO - Abi Feij, Regina PessoaDURAO - 10FORMATO - 35 mmPRODUTOR - Abi Feij, David FreitasPRODUO - Filmgrafo

    FILMOGRAFIAOh que calma (1985)A Noite Saiu Rua (1987)Os Salteadores (1992-93) Fado Lusitano (1994-95)

    Abi Feij1956

    61

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    SEM

    MO

    VIM

    EN

    TO

    - S

    AN

    DR

    O A

    GU

    ILA

    R

    As regras so extremamente simples:um centro comercial, um carro e quatro passageiros.O ltimo a deixar o carro fica com ele. Dentro, os mesmos corpos retorcidos, o mesmo tipo deconsentimento na solido. Fora da estrada.

    62

  • Bio-filmografia

    Curtas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Sandro AguilarARGUMENTO - Sandro AguilarFOTOGRAFIA - Paulo AresSOM - Lus BotelhoMONTAGEM - Sandro AguilarGNERO - FicoINTRPRETES - Isabel Abreu, Antnio Pedroso, Dinarte Branco e Ricardo GrossDURAO - 17FORMATO - 35 mm, CorPRODUTOR - Joo FigueirasPRODUO - O Som e a Fria

    Sandro Aguilar1974

    Curso de Cinema pela Escola Superior de Teatro e Cin-ema - Departamento de Montagem

    FILMOGRAFIAEstou Perto (1998)Cadver Esquisito (1996)O Brao do Gigante (1996)

    63

  • Sinopse

    Caminhos do Cinema Portugues

    EN

    TR

    ET

    AN

    TO

    - M

    IGU

    EL G

    OM

    ES

    Pais e professores ausentaram-se.Rui, Nuno e Rita formam um trio amoroso. Atravessam trs espaos e tempos para poderem ficara ss: futebol, piscina, praia.A impotncia resulta da falta de conscincia para estruturar os sentimentos e de uma linguagemque permita comunic-los.S se pode conjecturar: Rui ama Rita, Nuno ou o Jogo, ou estar dependente de Rui?Rita, passiva dona do jogo, amar algum?S sabemos que fecha os olhos para se refugiar nas nuvens.

    64

  • Bio-filmografia

    Curtas Metragens

    Ficha Tcnica

    REALIZADOR - Miguel GomesARGUMENTO - Miguel GomesFOTOGRAFIA - Rui PoasMSICA - Kinks, Lhasa, Doris DaySOM - Pedro CaldasMONTAGEM - Sandro AguilarGNERO - FicoINTRPRETES - Mariana Ricardo, Nuno Oliveira, Andr Delphim, Joana de S e Gonalo FlixDURAO - 25FORMATO - 35 mm, Cor, 1:1:66PRODUTORES - Sandro Aguilar, Joo FigueirasPRODUO - O Som e a Fria

    Miguel Gomes1972

    FilmografiaInventrio de Natal (2000)

    65

  • Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    Caminhos do Cinema Portugues

    O R

    AL

    O -

    TIA

    GO

    GU

    ED

    ES

    E F

    RE

    DE

    RIC

    O

    SER

    RA

    REALIZADORES - Tiago Guedes, Frederico SerraARGUMENTO - Tiago Guedes, Frederico GuedesFOTOGRAFIA - Vitor EstevoMSICA - Jorge C.SOM - Edrice Saeed, Carlos Alberto LopesMONTAGEM - Pedro RibeiroGNERO - FicoINTRPRETES - Philippe Leroux, Snia Costa,Fernando Ferreira, Miguel Borges, Vera Alves, JoaquimNicolauDURAO - 1645FORMATO - 35 mm, CorPRODUTORES - Alexandra Dias, Ricardo EstevoPRODUO - Krypton

    Um filme onde aesperana no morre...

    FIMOGRAFIA11:00 a.m. (1998)

    Tiago Guedes1971

    Frederico Serra1964

    66

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Curtas Metragens

    Entre personagens e histriasde televiso, o ltimo olhar donosso heri, antes deadormecer vai para os velhoslivros na estante e as suastradicionais histriasencantadas.

    REALIZADORES - Vtor LopesFOTOGRAFIA - Vtor EstevoMSICA - Neo Felgar, FActsSOM - Carlos SilvaMONTAGEM - Carlos SilvaGNERO - FicoDURAO - 8FORMATO - 35 mm, CorPRODUTOR - Antnio Costa ValentePRODUO - Cineclube de Avanca

    Vitor Lopes1963

    Trabalha nos Estdios de Animao doCineClube de Avanca.

    FILMOGRAFIAO massacre dosInocentes (1996)Avanca 2000 (2000)

    HIST

    R

    IAS D

    ESE

    NC

    AN

    TA

    DA

    S - VT

    OR L

    OP

    ES

    67

  • Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    Caminhos do Cinema Portugues

    ER

    RO

    S M

    EU

    S -

    JOR

    GE C

    RA

    ME

    Z

    REALIZADOR - Jorge CramezARGUMENTO - Jorge CramezFOTOGRAFIA - Mrio MasiniSOM - Pedro MeloMONTAGEM - Pedro MarquesGNERO - FicoINTRPRETES - Lus Miguel Cintra, Isabel RuthDURAO - 1453FORMATO - 35 mm, CorPRODUTOR - Ana CostaPRODUO - Cinemate ProduesCO-PRODUO - RTP (Portugal)Jorge Cramez

    1963

    Curso de Comunicao Social pelaUniversidade Nova de Lisboa

    FILMOGRAFIADesvio (1996)Para Matar o Tempo(1996)

    Cames, na velhice, um homemdoente, sifiltico, praticamenteincapaz de tomar conta de sprprio.Constantemente atormentadopelos credores, por gente que lheencomenda trabalhos, de que nemsempre gosta mas que tem deaceitar, por subsistncia,perseguido pela desconcertanteme, pela doena, pelarecordao das venturas edeboches do passado, suporta ecala. Mas quando se encontrasozinho, no silncio da noite, huma voz sobrenatural que fala dedentro dele e ditaimperiosamente.

    68

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Curtas Metragens

    A D

    RO

    GA

    RIA - E

    LSA B

    RU

    XE

    LA

    S

    REALIZADOR - Elsa BruxelasARGUMENTO - Elsa BruxelasFOTOGRAFIA - Neny GlockSOM - Mafalda RomaMUSICA - Joo LucasMONTAGEM - Joo Cutileiro NunesGNERO - FicoINTRPRETES - Antnio Silva, Joo Meireles,Ceclia Guimares, Fernando Crespo e Joo DriaDURAO - 24FORMATO - 35 mm, CorPRODUTOR - Alexandre BarradasPRODUO - D & D Audiovisuais Elsa Bruxelas

    1959

    A drogaria uma loja antiga,desorganizada, atulhada deobjectos e materiais. O negcio,embora no seja crescente,assenta na disponibilidade deum velho empregado, o SenhorAntnio.Mas tudo est a mudar e adrogaria no excepo. O filhodo proprietrio passa a tomarconta do negcio e vairemodelar a loja.Entra um empregado novo, e avelha tralha, pendurada portudo quanto stio, passa paradentro dos novos armrios querevestem todo o espao. OSenhor Antnio perde asreferncias de tudo o que foi asua vida.

    FILMOGRAFIAO Homem do Comboio

    69

  • Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    Caminhos do Cinema Portugues

    CO

    NT

    RA

    RIT

    MO

    - J

    O

    O F

    IGU

    EIR

    AS

    REALIZADORES - Joo FigueirasARGUMENTO - Joo FigueirasFOTOGRAFIA - Rui PoasSOM - Pedro CaldasMONTAGEM - Sandro AguilarGNERO - FicoINTRPRETES - Leonor Kreil, Vitor Gonalves,Cludia Andrade, Bruno Bravo e Antnio SimoDURAO - 12FORMATO - 35 mm, CorPRODUTORES - Joo Figueiras, Sandro AguilarPRODUO - O Som e a FriaCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Joo Figueiras1969

    Leonor e Pedro mudaram decasa.As arrumaes avanamlentamente ao ritmodescontrado de cada um deles.

    Curso de Cinema na Escola Superior de Teatroe Cinema - Departamento de Montagem

    70

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Curtas Metragens

    UM

    DIA N

    A VID

    A - LV

    AR

    O GA

    RC

    IA

    Z

    IG

    A

    REALIZADORES - lvaro Garcia ZigaARGUMENTO - lvaro Garcia ZigaFOTOGRAFIA - Lisa HagstrandSOM - Jos GonalvesMONTAGEM - lvaro Garcia ZigaGNERO - FicoINTERPRETES - Ana Zanatti, Luis Rego, Leopoldvon Vershuer e Francisco NascimentoDURAO - 12FORMATO - 35 mm, CorPRODUTORES - Maria Joo Mayer, Franois dArtemarePRODUO - Filmes do Tejo

    Um espirro desencadeia um di-logo o mais banal possvelsantinho, - obrigado, - de nada;ao mesmo tempo, as aces so,por sua vez, de uma banalidadeperfeitamente banal. Um casalprepara-se para sair, sai, cruza-se com um tipo, o tipo volta paracasa tudo. O nico senodesta histria que o casal, o tipoe o outro tipo, enfim, dir-se-iaque toda esta gente mora no mes-mo espao, e que os dilogos merda, esqueci-me do po; -no grave, vamo-nosdesenrascar sem po continuamindependentemente dosinterlocutores, televiso e pombocorreio includos.

    Nascido em 1958. investigador associado unidade 1426 doCentre National de Recherche Scientifique, noInstituto de Esttica e Cincia da Arte (Uni-versidade de Paris I Panthon Sorbonne)

    FILMOGRAFIAPalcio de Santos (1999)

    71

  • Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    Caminhos do Cinema Portugues

    REALIZADOR - Carlos BragaARGUMENTO - Carlos BragaFOTOGRAFIA - Paulo AresSOM - Pedro Melo, Vasco PimentelMONTAGEM - Sandro AguilarGNERO - FicoINTRPRETES - Ricardo Aibo, Sofia Marquese Jos PintoDURAO - 17FORMATO - 35 mm, Cor, 1:1:85PRODUTOR - Raquel Freire, Carlos BragaPRODUO - Terra FilmesCarlos Braga

    1971

    Porto. Noite. Chove. Um rionegro. Um rapaz regressa suacidade natal. Bate porta dosseus pais. Murmura o nome dame, mas o pai quem vemabrir. O pai que o escorraou.Que pode acontecer? O quequer que acontea, o rioespera. A chuva volta. E anoite, sempre.

    Curso da Escola Superior de Teatro e Cinema

    FILMOGRAFIACama (1997)Sinais (1997-99)

    AN

    JO N

    EG

    RO

    - C

    AR

    LO

    S B

    RA

    GA

    72

  • Categoria

    de

    Video

    73

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    REALIZADOR - Lus Miguel IsmaelARGUMENTO - Lus Miguel IsmaelFOTOGRAFIA - Slvio RochaSOM - Jos BarbosaINTRPRETES - Jorge Neto, Lus Miguel Ismael,Joo Pires, Iolanda Gonalves, Miguel Ambrsio,J.M.Barbosa e Joo PontesGNERO - FicoDURAO - 62FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - J. D. DuartePRODUO - Associao de Artes Cinematogrficasde Valongo

    BA

    LA

    S &

    BO

    LIN

    HO

    S -

    LU

    S I

    SMA

    EL

    Lus M. Ismael1971

    FILMOGRAFIAAbandonado (1989)

    O Tone voltou e est com umasideias! A histria de quatropouco inteligentes criminosos portuguesa.Tone, a mente brilhante docrime, sai da priso e chama osseus antigos companheiros.Desta vez que vai ser!... vaihaver dinheiro como merdaa jorrar...E porque o Tone demais!...os seus companheiros de"armas" seguem-no.Balas & Bolinhosprovavelmente o melhor filmeportugus... a seguir a todos osoutros.

    74

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    25 DE A

    BR

    IL -UM

    A AV

    EN

    TU

    RA PA

    RA A D

    EM

    OC

    RA

    CIA - E

    DG

    AR

    P

    RA

    REALIZADOR - Edgar PraSUPER 8 - Luiz de CarvalhoMUSIKA - Gue, Artur CyanettoARKYVOS - RTP, Exrcito PortugusPESKYSA - Ana Domingue, Manuel RodriguesGNERO - DocumantrioDURAO - 16FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Edgar PraPRODUO - Akademya Lusoh-GalaktikaEDIO - Centro de Documentao 25 de Abril

    Edgar Pra1960

    Curso na Escola Superior de Cinema doConservatrio de Lisboa

    FILMOGRAFIAMatadouro (1991)A Cidade de Cassiano (1991)SWK4 (1993)Manual de Evaso (1994)O Mundo Desbotado (1995)Os Tneis da Realidade (1996)A Konspirao dos MilTmpanos (1996)Portugal Ilimitado (1998)

    Filme sobre o 25 de Abril, feitoa partir de material de arkyvo,com especial destaque paramaterial indito em filmeSuper 8 de Luiz de Carvalho.Filme includo no projecto pe-daggico de Boaventura SousaSantos.

    75

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    Afonso um vagabundo de ses-senta anos, invariavelmente b-bado e sujo, um homemhabituado solido que tem pornica companheira uma Ginaque lhe proporciona os breves epoucos momentos de prazer.Afonso procura todos os dias acompanhia de Helena, umavelha vendedora de milho paraos pombos, com o pretexto des-ta lhe contar o episdio da noiteanterior da telenovela.Os breves encontros dirios bas-tam para alimentarem em Afon-so uma secreta paixo porHelena.Uma paixo...

    REALIZADOR - Arlindo HortaARGUMENTO - Arlindo HortaFOTOGRAFIA - Leonardo Ribeiro SimesSOM - Armanda CarvalhoMONTAGEM - Helena AlvesGNERO - FicoDURAO - 20FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Paulo de SousaPRODUO - Continental FilmesCO-PRODUO - RTP (Portugal)F

    OT

    OC

    UIC

    - A

    RL

    IND

    O H

    OR

    TA

    Nasceu em 1972Curso de Cinema da Escola Superior deTeatro e Cinema - Montagem

    76

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    REALIZADOR - Francisco Villa-LobosARGUMENTO - Francisco Villa-LobosFOTOGRAFIA - Leonardo Ribeiro SimesMSICA - Emanuel Lima, Francisco Villa-LobosSOM - Karen BoswallMONTAGEM - Rui BranquinhoGNERO - FicoDURAO - 18FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Joo MontalvernePRODUO - Era Uma Vez Produo de Filmes

    Moambique 1970.A barbearia de Firipe Beruberuficava debaixo da grandervore, no bazar do Maquinino.Firipe distribua boa disposioe propagandeava o seu serviopelos clientes exibindo umpostal colorido de SidneyPoitier a quem jurava tercortado o cabelo ali naquelemesmo lugar. Dizia: Quandolhe tesourei o cabelo nem sabiaa importncia que Sidney ti-nha.A histria espalhou-se pela ci-dade at que um dia FiripeBeruberu recebeu a visita dedois estranhos.

    FIR

    IPE B

    ER

    UB

    ER

    U - F. VIL

    LA-L

    OB

    OS

    Nasaceu em 1966Curso de Cinema da Escola Superior deTeatro e Cinema - ProduoFILMOGRAFIAOuquela (1995)

    77

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    REALIZADOR - Manuel MozosARGUMENTO - Leonor Tenreiro, Manuel MozosFOTOGRAFIA - Tiago Beja da CostaSOM - Jos BarahonaMONTAGEM - Manuel MozosMSICA - Fernando TordoGNERO - FicoINTRPRETES - Fernando Lus, Carla ChambelDURAO - 12FORMATO - Betacam SPPRODUTOR - Pedro fePRODUO - Acetato ProduesCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Dois irmos querem casar-se. Inicia-se um drama, focado na figura do pa-dre, a quem este casal pede a cele-brao do seu matrimnio. Casimiroe Leonarda vem como natural e ne-cessria a confirmao do seu amor.Sempre partilharam tudo. Foramsempre fiis um ao outro.Jorge - o padre - recusa-se a seguir avontade dos noivos, denunciando ocarcter incestuoso da sua relao,que Deus, em ltima instncia, con-dena. Ser ele, contudo, o primeiro apuni-los pela sua opo.Atravs dos olhos desta personagem,vemos a angstia de dois jovens embusca da felicidade. Atravs da indig-nao destes irmos, vemos a dvidadum homem que abraou uma f.

    CR

    ESC

    EI E

    MU

    LTIP

    LIC

    AI-

    VO

    S -

    MA

    NU

    EL M

    OZ

    OS

    Manuel Mozos1959

    FILMOGRAFIA SELECTIVAUm Passo, Outro Passo e Depois ... (1989)

    Lisboa no Cinema(1994)Cinema Portugus? (1996)Os Tristes Anos 1945 -1960 - Histria do CinemaPortugus (1998)Quando Troveja (1999)

    78

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    REALIZADOR - Jorge Paixo da CostaARGUMENTO - Jorge P. da Costa, Mrio BotequilhaFOTOGRAFIA - Lus BranquinhoSOM - Victor RibeiroMONTAGEM - Filipe R. do ValeMSICA - Carlos Costa, Rui Pereira JorgeGNERO - FicoINTRPRETES - Alexandra Lencastre, Pedro feDURAO - 20FORMATO - Betacam SPPRODUTOR - Pedro fePRODUO - Acetato Produes

    A nica certeza que podemos ter navida que, quando estivermos no ba-nho, o telefone vai tocar. Quatrovezes-quatro. O triunfo da forma comeacom uma mulher a tomar banho e umtelefone a tocar. A partir do momentoem que esta mulher atende o telefonedesencadeia-se uma histria que se irrepetir, no uma, no duas, no trs,mas quatro vezes.H filmes que conseguem tocar um oudois gneros mas raramente aparecemfilmes que toquem vrios gneros aomesmo tempo. Quatrovezes- quatro.O triunfo da forma um melodramaque passa da comdia ao terror, e fi-nalmente transfigura-se como filmnoir. Todo ele um gnero ou talvezno...

    QU

    AT

    RO

    VE

    ZE

    SQU

    AT

    RO - J

    OR

    GE P

    AIX

    O D

    A CO

    STA

    Jorge P. da Costa1954

    FILMOGRAFIA SELECTIVATransportes Pblicos (1980)Os Melhores Anos (1990)Adeus Princesa (1991)Pipo (1992)Polcias (1996)Frias de Vero (1998)No s Homem Nem sNada (1999)

    79

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    REALIZADOR - Ricardo Real NogueiraINVESTIGAO - Jos de Matos-CruzFOTOGRAFIA - Leonel fe, Pedro feNARRADOR - Joo PerrySOM - Filipe GonalvesMONTAGEM - Eduardo MelinoGNERO - DocumentrioDURAO - 57FORMATO - Betacam SPPRODUTOR - Pedro fePRODUO - Acetato ProduesCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    H pouco mais de cem anos, umfloricultor portuense, fotgrafoamador, Aurlio da Paz dos Reisera fascinado pela ltima mara-vilha do Sculo XIX: as imagensanimadas, que os irmosLumire tinham revelado poucosmeses antes, em Paris. Aquicomea a Histria do CinemaPortugus.S a partir de 1918 se poder fa-lar de uma indstria de cinemacom a Invicta Filmes. Assimcomo mais tarde com oaparecimento da Televiso, o lan-amento dos filmes histricos eo sonoro faz com que estaindustria floresca. Mas as basestinham sido lanadas...

    CIN

    EM

    A P

    OR

    TU

    GU

    S

    - U

    MA

    HIS

    T

    RIA

    FA

    MIL

    IAR

    - R

    ICA

    RD

    O N

    OG

    UE

    IRA

    Ricardo R. Nogueira1954

    FILMOGRAFIAOs Sete Instrumentos (1987)

    Amparo de Me (1988)Herman Total (1996)O Povo das Ilhas (1998)

    80

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    REALIZADOR - Jos BarahonaARGUMENTO - Pedro fe, Jos BarahonaFOTOGRAFIA - Vasco RiobomSOM - Vtor RibeiroMONTAGEM - Jos Barahona, Joo Paulo MoelasGNERO - DocumentrioDURAO - 57FORMATO - Betacam SPPRODUTOR -Pedro fePRODUO - Acetato ProduesCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    O PAIGC, que havia sido fun-dado em Setembro de 1956 semobjectivos belicistas, vem a al-terar trs anos mais tarde a suaestratgia, aps o massacre deLidjiguiti, passando a adoptar aluta armada como nica resposta fora das armas.A 23 de Janeiro de 1963 desencadeada oficialmente aguerrilha no Sul do pas, nosem Amlcar Cabral ter dirigidoao Governo Portugus propos-tas de negociao, propostas queno tiveram qualquer resposta.Comea aqui a Guerra Colonialna Guin.

    AN

    OS D

    E GU

    ER

    RA - G

    UIN

    - JO

    S

    BA

    RA

    HO

    NA

    Jos Barahona1969

    FILMOGRAFIA SELECTIVATierra Rosa (1995)In Life as in Death (1996)O Livro e a Viagem semLimites (1997)... E assim nasceu a ilhade Timor (1998)Por Cima de Pedra eVento Fica Quem Moraem Marvo (1998)

    81

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    (Descobertas) um dia um homemlanou ao mar um povo.(Amor) um dia um homem mos-trou aos homens que os mitostambm so homens.(Tempestade) um dia os homensvoltaram e roubaram o rosto deum mito.(Imortalidade) um dia um homemsofreu como os homens.Henrique um conto portugus,baseado na vida do prncipe dasdescobertas e no seu rosto, quehoje ningum conhece, so epi-sdios da vida do infante comonunca o vimos antes.

    REALIZADOR - Jorge SARGUMENTO - Jorge SFOTOGRAFIA - Pedro Clrigo, Rui CapitoSOM - Samuel RebeloANIMAO 3 D - Luis Cunha, Miguel CarvalhoMONTAGEM - Pedro ClrigoINTERPRETES - Jos Mendes, Isabel Castro,Fernanda Borsatti, Jos WallensteinGNERO - FicoDURAO - 16FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTORA - Sandra SilvaPRODUO - ArteFilme

    Nasceu em 1968Curso de Imagens de Sntese; Seminrio de Argu-mento do programa Media Desk-Lisboa-2000; Do-cente da disciplina de video experimental na Etic

    FILMOGRAFIA SELECTIVALHomme Fatal (1989)Prima Ballerina (1991)Silences (1992)Requiem (1994)Duas Tribos (1995)Subitamente no VeroPassado (1998)Sorridi Dove (1999)

    HE

    NR

    IQU

    E -

    JO

    RG

    E S

    82

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    MA

    CA

    U -UM

    LU

    GA

    R EM

    CO

    UM

    UM

    - LU

    S ALV

    ES D

    E

    MA

    TO

    S

    REALIZADOR - Lus Alves de MatosARGUMENTO - Lus Alves de MatosFOTOGRAFIA - Joo RibeiroSOM - Antnio Cmara ManoelMONTAGEM - Lus Alves de Matos, PedroDuarte, Nuno ColaoGNERO - DocumentrioDURAO - 52FORMATO - Betacam SPPRODUTORES - Antnio Cmara Manoe, LusAlves de Matos, Paulo SilveiraPRODUO - Nome EiraCO-PRODUO - RTP, Fundao Oriente

    Em 20 de Dezembro de 1999,Macau passou definitivamentepara a soberania da RepblicaPopular Chinesa.Tal acontecimento ir provocarum sismo social em que haverfamlias que emigraro efamlias que se reintegraro nasnovas leis ditadas pelo GovernoChins. O nosso projectopretende dar a ver trs famlias,uma macaense, uma portuguesae outra chinesa, no seu confrontocom esta nova realidade.

    Nasceu em 1962

    FIMOGRAFIAAlice in Lisbon (1995)Mrio Eli -Um Pintorem Fuga (1996)A Fazer o Mal (1999)

    83

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    REALIZADOR - Margarida CardosoFOTOGRAFIA - Lisa HagstrandSOM - Pedro Figueiredo, Jos BarahonaMONTAGEM - Pedro Ribeiro, Anne BrotonsGNERO - DocumentrioDURAO - 52FORMATO - Betacam SP, CorSOM - StreoPRODUTORES - Maria J. Mayer, Franois ArtemarePRODUO - Filmes do Tejo Audiovisuais, Lda.CO-PRODUO - Esther Hoffenberg (Lapsus), HuguesLe Paige (RTBF Bruxelas)

    Natal 71 o nome de um discooferecido aos militares em guer-ra no ultramar portugus nessemesmo ano. Cancioneiro doNiassa o nome que foi dado auma cassete audio, gravada clan-destinamente por militares aolongo dos anos de guerra, emMoambique. Era o tempo emque Portugal era um grande im-prio colonial e para que assimcontinuasse, o meu pai e grandeparte da sua gerao combateunessa guerra, que durou trezeanos. Olho para trs e tento ver.Em casa do meu pai encontrei al-gumas fotografias, a cassete e odisco.

    Fez o curso de Imagem e ComunicaoAudiovisual na Escola Antnio Arroio

    FILMOGRAFIADois Drages (1997)A Terra Vista das Nu-vens (1998)Entre Ns (1999)

    NA

    TA

    L 7

    1 -

    MA

    RG

    AR

    IDA C

    AR

    DO

    SO

    Margarida Cardoso1963

    84

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    REALIZADOR - Graa CastanheiraCMARA - Joo Ribeiro, Lisa HagstrandSOM - Pedro FigueiredoMONTAGEM - Pedro RibeiroGNERO - DocumentrioDURAO - 52FORMATO - Betacam SP, CorSOM - StreoPRODUTORES - Maria J. Mayer, Franois ArtemarePRODUO - Filmes do Tejo Audiovisuais, Lda.

    DO

    IS MU

    ND

    OS - G

    RA

    A

    CA

    STA

    NH

    EIR

    A

    Curso de Design e Comunicao VisualCurso de Cinema pela Escola Superior de Ci-nema e Teatro

    FILMOGRAFIASeul (1990)Cu Aberto (1998)Eu Tenho um Sonho(1999)

    Graa Castanheira1962

    Rita uma jovem missionria quetrabalha em Moambique. membro de uma ONG de inspi-rao Crist, Leigos para o De-senvolvimento. Coordena umprojecto de escolas primriasbilingues em Niassa, a maisremota provncia deMoambique. Dois Mundosacompanha os esforos de Rita natentativa de compreender a cul-tura e a religio locais. Atravs docontacto de Rita com o povo lo-cal, atravs do seu trabalho,apercebemo-nos do tipo de vidade uma jovem missionria emfrica, com as suas dificuldadese conquistas.

    85

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    REALIZADOR - Jos Pedro Cavalheiro - ZepeARGUMENTO - Jos Pedro Cavalheiro - ZepeANIMAO - Cristiano Salgado, Daniel Limae Ana EstevesSOM - Paulo CuradoMONTAGEM - Carlota FliegGNERO - AnimaoDURAO - 830FORMATO - Betacam SPPRODUTOR - Jos Pedro Cavalheiro - ZepePRODUO - Animais, LdaCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Num fundo branco e vazio, qua-tro honestos cidados roam-see arrulham toute vitesse, des-cobrindo a verdadeira dimensodo seu quintal.

    Jos P. Cavalheiro1956

    FILMOGRAFIAElmer (1993)Ginjas (1994)Diva (1995/6)

    CO

    F C

    OF -

    JO

    S P

    ED

    RO

    CA

    VA

    LH

    EIR

    O

    86

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    REALIZADORES - Joo Pedro RodriguesARGUMENTO - Joo Pedro RodriguesFOTOGRAFIA - Joo Pedro RodriguesSOM - Pedro CaldasMONTAGEM - Joo P. Rodrigues, Paulo RebeloGNERO - DocumentrioDURAO - 54FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Amndio CoroadoPRODUO - Rosa FilmesCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Curso da Escola Superior de Teatro eCinema de Lisboa

    FILMOGRAFIAO Pastor (1988)Parabns! (1997)Esta a MinhaCasa (1998)

    Em 1997, seguimos o dia-a-diada famlia Fundo, emigrantesem Frana, durante a viagem defrias de Vero at Trs-os-Montes.Foi nessa altura que o Sr. Josdo Fundo falou da Expo 98:Para o ano vamos a Lisboa.Vive em paris h 25 anos, masa familia nunca veio a Lisboa.Lisboa como Paris?Fizeram-nos esta pergunta. EmAgosto de 1998, vieram Expo.Quis filmar a resposta deles.

    Joo PedroRodrigues

    1966

    VIA

    GE

    M E

    XP

    O - JO

    O P

    ED

    RO R

    OD

    RIG

    UE

    S

    87

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    REALIZADOR - Nuno AmorimARGUMENTO - Nuno AmorimANIMAO - Armando Coelho, Carlos Silva,Nuno Beato e Jeff MartinotMSICA - Paulo Curado, Carlos ZingaroSOM - Paulo CuradoMONTAGEM - Nuno Amorim, Carlota FliegGNERO - AnimaoDURAO - 13FORMATO - Betacam SPPRODUTOR - Nuno AmorimPRODUO - Animais, LdaCO-PRODUO - RTP (Portugal)Nuno Amorim

    1952

    Licenciado em Arquitectura pela Escola Su-perior de Belas Artes de Lisboa

    FILMOGRAFIAPassarinhos (1982)Imajenes Del Peru(1982)O Quadradinho Verme-lho e o Cubo Mau(1982)Menos Nove (1998)

    A Caixa Negra uma viagemda escurido para a luz, dosilncio para o som, da solidopara a amizade.Ana tem 6 anos e passa os diasfechada com os seus brinquedose uma estranha caixa que a hip-notiza com imagens e sons.Um dia Ana quebra este encan-tamento...

    A C

    AIX

    A N

    EG

    RA -

    NU

    NO

    AM

    OR

    IM

    88

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    REALIZADOR - Isabel AboimARGUMENTO - Isabel AboimANIMAO - Nuno Beato, Teresa Almeida, Rui PereiraMSICA - Paulo Curado, MadredeusSOM - Paulo CuradoMONTAGEM - Isabel Aboim, Fernando Galrito,Nuno AmorimGNERO - AnimaoDURAO - 18FORMATO - Betacam SPPRODUTOR - Carlota Flieg, Carmo GelpiPRODUO - Animais, LdaCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Horcio perdeu a cabea! Umdia acordou e no a tinha maisem cima dos ombros. Esta ahistria da busca daquilo quenunca se perdeu.

    Isabel Aboim1971

    Frequentou o curso Plstica do Espectculo eo Curso de Cinema na rea de Imagem na Es-cola Superior deTeatro e Cinema

    FILMOGRAFIAArmrio (1987)Existo (1989)Ecce Canis (1990)

    DE C

    AB

    E

    A PE

    RD

    IDA - ISA

    BE

    L AB

    OIM

    89

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    REALIZADOR - Cristina TeixeiraARGUMENTO - Cristina TeixeiraANIMAO - Cristina Teixeira, Isabel Alves eGuilherme VicenteMSICA - Paulo CuradoSOM - Paulo CuradoMONTAGEM - Nuno AmorimGNERO - AnimaoDURAO - 7FORMATO - Betacam SPPRODUTORES - Nuno Amorim, Carmo GelpiPRODUO - Animais, LdaCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Este um filme de animao emareia, nascido da poesia de AlBerto.Num percurso solitrio de pro-cura da identidade e (de)encontro com o Outro, o EternoViajante de Al Berto descobre,no confronto com os elementosprimordiais, a capacidade decriar e de dialogar com o mundo.

    Cristina Teixeira1967

    Licenciada em Artes Plsticas - Pintura, pelaFaculdade de Belas Artes da Universidade

    Clssica de Lisboa

    FILMOGRAFIAX Experience (1998)

    FR

    AG

    ME

    NT

    OS

    DE S

    AL -

    CR

    IST

    INA

    TE

    IXE

    IRA

    90

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    NA

    MA

    ST - R

    UI

    SIM

    E

    S

    REALIZADOR - Rui SimesARGUMENTO - Rui SimesMSICA - Bill LaswellSOM - Alexandre SoaresMONTAGEM - Lus SobralGNERO - DocumentrioDURAO - 15FORMATO - Betacam SPPRODUTOR - Jacinta BarrosPRODUO - Real Fico

    Rui Simes1944

    Namast a saudao hinducujo significado poderemostraduzir pela expressoperante ti me inclino.Todos os dias milhares deperegrinos banham-se nasguas do rio Ganges junto aBnares, a cidade sagrada queos fiis procuram na fase ter-minal da vida - porque para elesa morrer garante a eternidade.

    FILMOGRAFIADeus, Ptria,Autoridade (1976)Bom Povo Portugus(1980)

    91

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    MA

    DR

    UG

    AD

    AS

    - R

    UI S

    IM

    ES

    Rui Simes1944

    REALIZADOR - Rui SimesARGUMENTO - Rui SimesBANDA SONORA - Gabriel GomesIMAGEM - Gonalo Covacich, Laurent Simes,Jacinta Barros e Rui SimesMONTAGEM - Francisco CostaGENRICO - Lus M. BernardoGNERO - DocumentrioDURAO - 25FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Jacinta BarrosPRODUO - Real Fico

    Na noite de 24 de Abril de 1999decorreu no Terreiro do paoem Lisboa o espetculoMadrugada, uma criao doTeatro o Bando, iniciativa daCmara Municipal de Lsboa,para comemorar o 25Aniversrio da Revoluo dosCravos.Acompanhmos a preparao,os ensaios e o espetculoresultando este documentrio.

    FILMOGRAFIADeus, Ptria,Autoridade (1976)Bom Povo Portugus(1980)

    92

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    CO

    M Q

    UA

    SE NA

    DA - C

    AR

    LO

    S

    BA

    RR

    OC

    O

    REALIZADOR - Carlos BarrocoFOTOGRAFIA - Lisa HagstrandMONTAGEM -Fernando Carrilho, MargaridaCardosoGNERO - DocumentrioDURAO - 60FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Nadia BaggioliPRODUO - Novo SculoCO-PRODUO - RTP (Portugal), Videoteca Mu-nicipal de Lisboa

    Carlos Barroco1946

    FilmografiaFotocpia (1989)A Cor dos Tropicos(1990)O Imaginrio na ArtePopular em Portugal(1991)Pop Arte - Made inPortugal (1996)

    Artista Plstico

    Nas ilhas do arquiplago deCabo Verde as crianasfabricam os seus prpriosbrinquedos com material quasesempre recuperado e reciclado. atravs dos seus quotidianos,dos seus brinquedos, das suashistrias e fantasias, doconhecimento dos seusuniversos ldicos que vamosvisitar uma sociedade quesobrevive e preserva a suaidentidade com quase nada.

    93

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    SEPA

    RA

    DO

    S N

    S

    - AN

    T

    NIO

    ESC

    UD

    EIR

    O

    Antnio Escudeiro1933

    REALIZADOR - Antnio EscudeiroFOTOGRAFIA - Antnio EscudeiroSOM - Quintino BastosMONTAGEM VIDEO - Pedro RibeiroMONTAGEM SOM - Branko NeskovGNERO - DocumentrioDURAO - 50FORMATO - Betacam SP, Cor, StereoPRODUTOR - Jos Manuel LopesPRODUO - Filmes da RuaCO-PRODUO - RTP (Portugal), ICAM

    FIMOGARFIA SELECTIVACovilh (1970)Lisboa, Jardim da Europa (1973)

    850 Quilometros dePraias (1974)Eleies 75 (1975)Guin -Bissau (1977)Ilha do Corvo (1977)Tria, Portugal (1980)Goa (1980)Travessia - Viagem Memria do Tempo(1983)

    De acordo com as estatsticas,habitam a casa de Sade doTelhal 454 homens. Idades,estados civis e diagnsticosdistintos.Cada um, um caso. sempre aapartir desta evidncia que serpossvel penetrar naqueleuniverso, cujas fronteiras entreo normal e o anormal se cruzamconstantemente em conflitos deresultados nunca previsveis.Para aquele universo no hrespostas, ou antes, cadamomento simultaneamentepergunta e resposta. A regra ano-regra.

    94

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    SE

    NH

    OR

    INH

    A - JO

    S FIL

    IPE

    CO

    STA

    REALIZADOR - Jos Filpe CostaIMAGEM - Jos Filipe CostaSOM - Lus CarapetoMONTAGEM - Pedro DuarteCOM - Margarida Senhorinha, Alcide Pardelha,Aida Miranda e Carmina GonalvesGNERO - DocumentrioDURAO - 38FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Jos Filipe CostaPRODUO - Lx Filmes

    Jos Filipe Costa1970

    Margarida Senhorinha, 69 anos,no sabe ler nem escrever, masgrava versos, cantigas e obalano dos seus aniversriosnum pequeno gravador.Quarenta anos passados numavivenda com jardim, no meiodos prdios de um Cacm cadavez mais urbanizado. A sua casaest em risco de ruir, talvez paradar lugar a um outro prdio deapartamentos.Memria viva de uma sociedaderural portuguesa em confrontocom o mundo urbano de Cacm,Margarida senhorinha pergunta:E agora para onde vou?

    Mestrado em Cinema pela Universidade Novade Lisboa

    95

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse

    Bio-filmografia

    OU

    VIR

    VE

    R M

    AC

    AU

    - A

    NT

    N

    IO E

    SCU

    DE

    IRO

    REALIZADOR - Antnio EscudeiroASSISTENTE REALIZAO - Mariana EscudeiroARGUMENTO - Lusa Costa GomesMONTAGEM - Edgar FeldmanGNERO - DocumentrioDURAO - 50FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Jos Manuel LopesPRODUO - Filmes da RuaPS-PRODUO - Suma FilmesCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    Antnio Escudeiro1933

    FIMOGARFIA SELECTIVACovilh (1970)Lisboa, Jardim da Europa (1973)

    850 Quilometros dePraias (1974)Eleies 75 (1975)Guin -Bissau (1977)Ilha do Corvo(1977)Tria, Portugal (1980)Goa (1980)Travessia - Viagem Memria do Tempo(1983)

    Esta proposta quer narrar, atra-vs da histria de Macau, cida-de de cruzamentos de etnias di-versas, no encontro de culturasque ali aconteceu e vem acon-tecendo h mais de quatro s-culos, o percurso dessa cidadeque adquiriu uma dimensomtica.A narrao visual faz-se atra-vs da arquitectura, dos smbo-los, das tenses criadas, das pes-soas que ali viveram, vivem evo continuar a viver.Para concluir que Macau existiue continuar a existir como par-te do imaginrio dos que a ha-bitam.

    96

  • Bio-filmografiaFicha Tcnica

    Sinopse

    Categoria Video

    REALIZADOR - Jorge Silva MeloDOCUMENTALISTA - Teresa MirandaIMAGEM - Rui Poas, Miguel CeitilMONTAGEM - Vtor AlvesGNERO - DocumentrioDURAO - 58FORMATO - Betacam SP, CorPRODUTOR - Manuel Joo AguasPRODUO - Artistas UnidosCO-PRODUO - RTP (Portugal)

    JO

    AQ

    UIM

    BR

    AV

    O, V

    OR

    A 1935 ET

    C ET

    C FE

    LIC

    IDA

    DE

    S - JO

    RG

    E S. ME

    LO

    A Vida e Obra de JoaquimBravo (1935 - 1990), um dosmais significativos artistasportugueses do sculo.Eu Vivo as 24 horas do dia,todos os minutos da minhavida so transformados nisso.S penso em Pintura...Joaquim Bravo

    FILMOGRAFIA SELECTIVAPassagem ou a meio Caminho (1980)Ningum duas vezes (1984)Agosto (1988)Coitado do Jorge (1993)

    97

  • Caminhos do Cinema Portugues

    Ficha Tcnica

    Sinopse