Contabilidade Dva e Dlpa Imprimir

Embed Size (px)

DESCRIPTION

trabalho de contabilidade do curso de engenharia

Text of Contabilidade Dva e Dlpa Imprimir

1 - DEMONSTRAO DO VALOR ADICIONADO DVA

1.1 INTRODUO

O cenrio mundial contemporneo vem sendo caracterizado por significativas mudanas nas reas social, poltica e econmica, com reflexos diretos no ambiente empresarial, atravs da imposio de novos padres de competitividade e uma necessidade de alteraes nos processos de trabalho e nas prticas de gesto. Neste contexto, a informao contbil tradicional no responde totalmente s demandas novas dos usurios com interesses diferentes daqueles contemplados nos relatrios contbeis clssicos. A Demonstrao do Valor Adicionado parte integrante deste novo grupo de relatrios desenvolvidos pela contabilidade para assistir melhor essas necessidades emergentes, visando, principalmente, a evidenciar o papel social das empresas, apresentando claramente a riqueza gerada, para que toda a sociedade conhea sua funo positiva na criao de valor para a comunidade. A utilidade do DVA como fonte de informao para o processo de anlise econmica, financeira e social das entidades. Entretanto, vem crescendo o interesse para a explicao econmica e financeira a partir das informaes contidas nessa demonstrao contbil, tanto por parte dos contadores como dos analistas financeiros e economistas. Outra importante contribuio da DVA est associada sua utilizao para clculo do Produto Interno Bruto (PIB) de um pas

1-2 CONCEITOS

O conceito de DVA a demonstrao contbil que divulga a gerao de valor produzido pela prpria empresa, mediante suas prprias atividades, e a retribuio aos componentes econmicos que formaram esse valor adicionado. Ao eliminar todos aqueles elementos que vm fixados do exterior (compras e aquisies realizadas), permite valorar com preciso a gesto interna da empresa, definida fundamentalmente em trs aspectos: os equipamentos, a mo-de-obra e os recursos financeiros prprios e de terceiros utilizados.

1-2-1 Conceito Econmico

Dentro da viso econmica, o valor adicionado (ou valor agregado) utilizado para a avaliao do chamado Produto Nacional, que a medida, em unidades monetrias, do fluxo total de bens e servios finais produzidos pelo sistema econmico em determinado perodo. Uma das preocupaes dos estatsticos na apurao do Produto Nacional evitar que um produto ou servio seja includo mais de uma vez no mesmo clculo, j que alguns produtos so utilizados como insumos na produo de outros, ou seja, a chamada contagem mltipla ou dupla contagem. Sob este aspecto, no se pode incluir no clculo do Produto Nacional, por exemplo, o preo total de um automvel, e depois incluir, tambm, o valor dos pneus, peas, ao, ou quaisquer outros componentes que o fabricante adquiriu para a montagem do mesmo. Para evitar tal problema, so computados no clculo do Produto Nacional apenas os produtos e servios de consumo final, e no os consumos intermedirios realizados durante as diversas etapas do processo produtivo. Entende-se por consumos intermedirios os bens e servios utilizados na produo de outros bens e servios, e que, ou se incorporam ao produto durante o processo produtivo (a matria-prima, por exemplo), ou desaparecem com ele (energia eltrica, por exemplo); e, por produtos e servios de consumo final, aqueles que so produzidos e/ou comprados, mas no so revendidos ou consumidos durante o perodo corrente. A medio do valor do Produto Nacional, sem duplicaes, obtida, tambm, considerando-se em cada uma das etapas produtivas aquil o que foi acrescido ao valor dos bens de consumo intermedirio utilizados, ou seja, somente a riqueza realmente criada pela entidade econmica, que o valor adicionado. E dessa forma que o problema da dupla contagem no clculo do Produto Nacional contornado, pelos estatsticos, utilizando-se do conceito de valor adicionado. Entendendo-se que o desenvolvimento econmico de um pas est diretamente relacionado com a sua capacidade de gerar riqueza, o conceito de valor adicionado pode ser visto como essa medida da criao de valor, atendendo ao propsito de demonstrar, quantitativamente, o esforo produtivo de uma nao, servindo, inclusive, para avaliar seu desenvolvimento econmico, comparativamente ao de outras.

Alm disso, o valor adicionado, entendido como o valor que cada segmento da atividade econmica produtiva agrega produo, representa uma das variveis que melhor expressa o comportamento do sistema como um todo, sendo possvel, por meio dele, dimensionar, em termos de valor, com quanto cada setor econmico contribui para formar o conjunto de riquezas geradas por uma nao. Ou seja, serve aos propsitos de medida de desempenho global do pas, e ainda para avaliar o desempenho de cada setor ou etapa produtiva e a sua participao no todo. Observa-se, ento, que o conceito de valor adicionado, dentro da abordagem econmica, utilizado para mensurar as atividades econmicas de um pas, avaliando o Produto Nacional, ou seja, viso macroeconmica, quando se considera o ambiente analisado. E, com relao ao seu clculo, considera-se a produo corrente de todo o sistema econmico num perodo.

1-2-2 Conceito contbil

De acordo com as premissas contbeis, a a purao do valor adicionado requer a mensurao das transaes econmicas ocorridas de ntro dos limites de uma empresa, viso microeconmica; e, no seu clculo, considera o valor total das vendas de uma empresa num perodo, e no toda a produo. Para efeitos desse trabalho, interessa o valor adicionado pelas empresas, sob a viso contbil. O valor adicionado contbil a diferena entre o valor das vendas e o valor das compras de bens, mercadorias e servios intermedirios representa o valor adicionado pela empresa para a sociedade. Para exercer sua atividade toda empresa deve procurar no mercado bens e servios. Ela utiliza os equipamentos, seus capitais, o trabalho de seus assalariados para realizar outros bens e servios, que por seu lado sero vendidos. A empresa se coloca pois entre dois mercados e agrega valor pela operao de transformao, via simples distribuio que ela opera. O valor adicionado permite, portanto, sociedade , avaliar, principalmente por meio da anlise de sua distribuio, se essa operao de transformao realizada pela empresa, e que cria riqueza, est devolvendo a ela pelo menos o equivalente aos recursos que lhe foram tirados, servindo, inclusive, como forma de incentivo ao comportamento de outras empresas O valor adicionado vem sendo considerado pelos analistas um dos critrios que melhor indicam a medida da eficcia da gesto empresarial, superior quele do lucro (ou cashflow

lquido), valor misto, integrado que por aquela parte que vai para os associados (lucro distribudo) e a outra retida na empresa (lucros em reserva e dotao de exerccio), tudo isso dentro da concepo de que a misso moderna na empresa representa um papel econmico e social. O resultado da receita de vendas, deduzido dos custos dos recursos adquiridos de terceiros e consumidos durante o processo produtivo, corresponde riqueza gerada pela empresa. Ou seja, o quanto a empresa adicionou aos insumos/servios adquiridos de terceiros, e que podem ser constitudos por matria-prima, mercadorias para revenda, servios, energia eltric a, dentre outros, para chegar ao seu produto/servio final. Esse resultado chamado de valor adicionado bruto. Durante seu processo produtivo, a empresa tambm utiliza mquinas, equipamentos, instalaes, e outros ativos fixos, consumindo parcialmente seu potencial de uso. Esse fenmeno refletido contabilmente pela depreciao, amortizao e exausto. Como, para a gerao da riqueza, foi necessrio o consumo, mesmo que parcial, desses ativos, esse valor deve ser deduzido do valor adicionado bruto,Refletindo, efetivamente, o quanto a empresa gerou para a economia local, o que denominado de valor adicionado lquido. Entretanto, existem, ainda, aqueles valores que a empresa recebe de terceiros e que no representam sacrifcios operacionais. Em algum momento no passado a empresa realizou algum investimento que est sendo recompensado agora, como o caso das receitas financeiras, dos ganhos com participaes acionrias, do aluguel de imveis para renda, etc. Esses valores recebem o nome de receitas recebidas em transferncia e, somados ao valor adicionado lquido, vo demonstrar o total dos recursos gerados. Os segmentos beneficirios desses recursos so os empregados, que recebem salrios e outros benefcios como contraprestao sua fora de trabalho cedida empresa; os acionistas, que recebem lucros em troca do capital que deixaram sua disposio; os financiadores externos, que recebem o pagamento de suas dvidas; o Estado, que recebe os tributos para que possa equilibrar a desigualdade social; os investidores, que aportam recursos e so remunerados com juros; ou ainda, a prpria empresa, quando os lucros ficam retidos para aplicaes futuras. Na viso contbil, o valor adicionado aos produtos s reconhecido no momento em que estes so vendidos, ignorando o fato de que a passagem do tempo e a conjuntura econmica, alm de outros fatores, alteram continuamente a riqueza da empresa.

Independente da abordagem utilizada, econmica ou contbil, o valor adicionado pode ser calculado de duas maneiras: pelo mtodo subtrativo e pelo mtodo aditivo. O mtodo subtrativo expressa o valor adicionado aos produtos e servios adquiridos de outras empresas por meio de suas prprias atividades produtivas, conforme demonstrado:

VA = S EOnde, VA = valor adicionado S = sadas E = entradas Como toda riqueza alocada, o valor adicionado tambm pode ser calculado pelo mtodo aditivo, que representa o somatrio das partes distribudas da riqueza gerada, representando, em princpio, a remunerao dos fatores de produo que participaram da criao da riqueza:

VA = RE + RG + RCP + NAPOnde, VA = valor adicionado RE = remunerao dos empregados RG = remunerao do governo RCP = remunerao do capital dos provedores NAP = lucros no apropriados (retidos)

Esses dois mtodos permitem avaliar o contedo caracterstico do conceito de valor adicionado, que aborda tanto o desempenho quanto o social. O