Click here to load reader

Cuidados no Tratamento Cirúrgico da Colecistite Aguda · PDF file 2018. 3. 29. · Textbook of laparoscopic urology. New York: Informa Healthcare USA, Inc., 2006:983-986. Cirurgia

  • View
    3

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Cuidados no Tratamento Cirúrgico da Colecistite Aguda · PDF file 2018. 3....

  • Cuidados no Tratamento Cirúrgico da Colecistite Aguda

    Serviço de Cirurgia Hepatobiliopancreática e Transplantes Hospital Nossa Senhora das Graças

    Dr. Eduardo José B. Ramos [email protected]

  • Colelitíase Sintomática

    70% terá episódios recorrentes

    6-8% ao ano necessitará de cirurgia

    67% se mantem assintomático

  • Colecistite Aguda Colecistite Aguda

    –  Doença inflamatória da vesícula biliar

    –  Corresponde de 3 a 10 % de todos os pacientes com

    dor abdominal aguda

    50 anos = 20,9 %

  • Etiologia

    90 a 95 %: Colecistolitíase –  5 a 15 % da população –  1 a 3 % evoluem com infecção biliar aguda –  Custo de 5,8 bilhões dólares / ano EUA

    5 a 10%: Acalculosa

  • Fisiopatologia Obstrução do Ducto Cístico

    Aumento da pressão intra-

    vesicular

    Obstrução/ Duração

    CÓLICA BILIAR COLECISTITE AGUDA

  • Complicações

    Perfuração / Empiema / Peritonite biliar Abscesso Perivesicular Fístula Biliar (intestino / colédoco) Íleo-biliar Vesícula em Porcelana

  • Prognóstico

    Mortalidade: 0 a 10 % – Maior em idosos

    Recorrência – Após tratamento conservador = 2,5 a 22 %

  • Diagnóstico

    Ecografia – Litíase / Conteúdo espesso / ar – Sinal de Murphy – Parede espessa (>4mm) – Edema perivesicular – Excluir cirrose, ascite ou ICC

    TAC E RNM

  • Ecografia

  • Diagnóstico Diferencial Coledocolitíase Apendicite

    Pielonefrite Hematoma reto abdominal

    Gastrite / Úlcera Péptica Colangite

    Pancreatite Colite

    Oclusão Intestinal IAM

    Hepatite Pneumonia

    Tumor Hepático / Cólon

  • Colecistite Aguda

    Internação Hidratação Iniciar antibiótico endovenoso – Qual tipo?

    Quinolonas orais (Ciprofloxacina, Levofloxacina) Cefalosporina 1ª (Cefazolina) Penicilina + inib. B lact (Ampi / Sulbactam) Piperacilina/Tazobactam) Cefalosporina 2ª geração (Mefoxin) Cefalosporina 3ª + Metronidazol

  • Quando Realizar Colecistectomia?

    Precocemente, após a admissão

  • Convencional ou Laparoscópica?

    q < mortalidade q < internação q < tempo operatório q < custo q  Mais Seguro q  Recuperação

    Vantagens Contra-Indicações

    q Neoplasia q Hipertesão Porta q Pancreatite q Fístula Biliar q Sindrome Mirizzi q Gestação 3° trim? q Paciente

  • SAGES Guidelines for Laparoscopic Surgery During Pregnancy

  • Mudanças nas Recommendaçoes

    1997 2010 Monitorização  Fetal Intraoperatória Pré  e  Pós

    Trimestre 2 1,  2,  3   Pneumoperitônio 8-­‐12  mmHg 10-­‐15  mmHg

    Aberto  (Hasson) Fechado  (Verres)

    Acesso  Abdominal Aberto  (Hasson)

  • Pneumoperitônio

    8 12 16 20 26 32 36

    40

  • Questões na Gestante? Posso fazer por laparoscopia? –  Melhor fase para fazer a cirurgia? –  Convencional ou Laparoscópica? –  Monitoração do feto intra-operatório?

    Se Laparoscópico: –  Como fazer o pneumoperitônio? –  Colocação de trocáteres? –  Qual o nível do pneumoperitônio? –  Posição do paciente? –  Pedido de consulta ao obstetra? –  Colangiografia e CPRE?

  • Ø Complicações maiores 2.6% l  Sangramento (0.11 – 1.97) l  Abscesso (0.14 – 0.3) l  Físula biliar (0.3-0.9) l  Lesão biliar(0.26 – 0.6) l  Lesão intestinal(0.14 – 0.35) l  Embolia gasosa (0.001%)

    Complicações de Colecistectomia

  • Não deve ser usado profilaticamente, mas considerado se há sinais de trabalho de parto

    prematuro, juntamente com orientação de obstetras (Level I, Grade A).

    $94.8 million awarded to mother of 8 year-old boy. Failure to use tocolytics.

    Tocolíticos

  • Deve ser feito no pré e no pós operatório (Level III, Grade B).

    Monitorização Fetal

  • Pode ser feita de forma segura em qualquer trimestre da gravidez. (Level II, Grade B).

    Laparoscopia

    Aborto? Prematuro? Efeitos tradios?

  • A dose nas primeiras 25 semanas não pode passar de 5-10 rads (Level III, Grade B).

    Exames Radiológicos

    * Risco de Exposição e Idade Fetal

    10 semana - Mortalidade

    10-17 semanas – Teratogênese

    > 20 semanas – Câncer hematológico

    * Dose de Radiação < 5 rads – risco fetal mínimo

  • Dose Fetal em Exames

    Chest radiograph

  • Cirurgia Hepatobilio Pancreática Cirurgião Hepatologista Patologista Radiologista Radiologista Intervencionista Nutricionista Endoscopia avançada Hemodinâmica

    Fisioterapeuta Assistente social Residentes

  • TRABALHO EM EQUIPE