Disciplina de “Orçamento Público” do Curso de ...· Disciplina de “Orçamento Público”

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Disciplina de “Orçamento Público” do Curso de ...· Disciplina de “Orçamento Público”

  • Disciplina de Oramento Pblico do Curso de Tecnologia em Gesto Pblica do Instituto Federal de Braslia

    1 Semestre de 2017.

    Professor Paulo Eduardo Nunes de Moura Rocha

  • GERAO DA DESPESA

    Art. 15. Sero consideradas no autorizadas, irregulares e lesivas ao patrimnio pblico a gerao de despesa ou assuno de obrigao que no atendam o disposto nos arts. 16 e 17.

    Art. 16. A criao, expanso ou aperfeioamento de ao governamental que acarrete aumento da despesa ser acompanhado de:

    I - estimativa do impacto oramentrio-financeiro no exerccio em que deva entrar em vigor e nos dois subseqentes;

    II - declarao do ordenador da despesa de que o aumento tem adequao oramentria e financeira com a lei oramentria anual e compatibilidade com o plano plurianual e com a lei de diretrizes oramentrias.

    2

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

  • GERAO DA DESPESA

    Art. 16.

    1 Para os fins desta Lei Complementar, considera-se:

    I - adequada com a lei oramentria anual, a despesa objeto de dotao especfica e suficiente, ou que esteja abrangida por crdito genrico, de forma que somadas todas as despesas da mesma espcie, realizadas e a realizar, previstas no programa de trabalho, no sejam ultrapassados os limites estabelecidos para o exerccio;

    II - compatvel com o plano plurianual e a lei de diretrizes oramentrias, a despesa que se conforme com as diretrizes, objetivos, prioridades e metas previstos nesses instrumentos e no infrinja qualquer de suas disposies.

    3

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

  • GERAO DA DESPESA

    Art. 16.

    2 A estimativa de que trata o inciso I do caput ser acompanhada das premissas e metodologia de clculo utilizadas.

    3 Ressalva-se do disposto neste artigo a despesa considerada irrelevante, nos termos em que dispuser a lei de diretrizes oramentrias.

    4 As normas do caput constituem condio prvia para:

    I - empenho e licitao de servios, fornecimento de bens ou execuo de obras;

    II - desapropriao de imveis urbanos a que se refere o 3o do art. 182 da Constituio.

    4

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

  • DA DESPESA OBRIGATRIA DE CARTER CONTINUADO

    Art. 17. Considera-se obrigatria de carter continuado a despesa corrente derivada de lei, medida provisria ou ato administrativo normativo que fixem para o ente a obrigao legal de sua execuo por um perodo superior a dois exerccios.

    1 Os atos que criarem ou aumentarem despesa de que trata o caput devero ser instrudos com a estimativa prevista no inciso I do art. 16 e demonstrar a origem dos recursos para seu custeio.

    2 Para efeito do atendimento do 1, o ato ser acompanhado de comprovao de que a despesa criada ou aumentada no afetar as metas de resultados fiscais previstas no anexo referido no 1 do art. 4, devendo seus efeitos financeiros, nos perodos seguintes, ser compensados pelo aumento permanente de receita ou pela reduo permanente de despesa.

    3 Para efeito do 2, considera-se aumento permanente de receita o proveniente da elevao de alquotas, ampliao da base de clculo, majorao ou criao de tributo ou contribuio.

    5

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

  • DA DESPESA OBRIGATRIA DE CARTER CONTINUADO

    Art. 17.

    4 A comprovao referida no 2, apresentada pelo proponente, conter as premissas e metodologia de clculo utilizadas, sem prejuzo do exame de compatibilidade da despesa com as demais normas do plano plurianual e da lei de diretrizes oramentrias.

    5 A despesa de que trata este artigo no ser executada antes da implementao das medidas referidas no 2, as quais integraro o instrumento que a criar ou aumentar.

    6 O disposto no 1o no se aplica s despesas destinadas ao servio da dvida nem ao reajustamento de remunerao de pessoal de que trata o inciso X do art. 37 da Constituio.

    7 Considera-se aumento de despesa a prorrogao daquela criada por prazo determinado.

    6

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

  • Despesa: Institucional Econmica (natureza da despesa) Funcional (funo e subfuno) Programtica (programa, ao e subttulo) Esfera, Identificador de Resultado Primrio

    Receita: Econmica (Categoria da Despesa GND) Fontes Idoc, Iduso

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    7

  • As leis oramentrias no so meras disposies com nmeros, metas, cdigos, mas sim, a traduo de orientaes e opes de polticas que podem favorecer a grupos ou ao conjunto da populao.

    Sua leitura, atravs do conhecimento das classificaes oramentrias, permite entender o seu significado poltico.

    O art. 8 da lei 4.320/64 estabeleceu que os itens da discriminao da receita e despesa sero identificados por nmeros de cdigo decimal

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    8

  • 1. determinar a fixao de responsabilidades;

    2. possibilitar a anlise dos efeitos econmicose sociais das aes governamentais.

    3. facilitar a formulao de programas;

    4. proporcionar contribuio efetiva para oacompanhamento da execuo dooramento;

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    9

  • Programao Qualitativa

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    10

  • rgo: 52000 - Ministrio da Defesa

    Unidade: 52111 - Comando da Aeronutica

    R$ 1,00

    Recursos de Todas as Fontes

    Quadro dos Crditos Oramentrios

    Programtica Programa/Ao/Produto/Localizao Funcional Esf GND RP Mod IU Fte Valor

    0621 Adestramento e Operaes Militares da 184.900.000

    Aeronutica

    0621 2868 Manuteno e Suprimento de Combustveis 05 151 F 184.900.000

    e Lubrificantes

    - Combustvel/Lubrificante adquirido (litro)

    285.220.340

    0621 2868 0001 Manuteno e Suprimento de Combustveis 184.900.000

    e Lubrificantes

    - Combustvel/Lubrificante adquirido (litro) 3-ODC 2 90 0 100 164.900.000

    285.220.340 3-ODC 2 90 0 985 20.000.000

    11

  • Programao Quantitativa FINANCEIRA

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    12

  • FSICA

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    13

  • Estrutura da Programao Oramentria

  • Estrutura da Programao Oramentria

  • Estrutura da Programao Oramentria

    16

  • IFB

    17

  • PROGRAMAO QUALITATIVA

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

  • Prof. Paulo Eduardo Rocha

    19

  • PROGRAMAO QUALITATIVA

  • QUEM RESPONSVEL POR FAZER ?

    Tem como finalidade principal evidenciar as unidades administrativas responsveis pela execuo da despesa.

    Poder: Legislativo, Executivo e Judicirio

    rgo: Grupamento de Unidades Oramentrias

    Unidade Oramentria: Diviso administrativa

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    21

  • Unidade Oramentria (OU):

    1. agrupamento de servios subordinados aomesmo rgo ou repartio a que seroconsignadas dotaes prprias;

    2. responsabilidade pelo planejamento eexecuo de certos projetos e atividades;

    3. possui competncia para autorizardespesas e/ou empenho (criar obrigaesde pagamentos).

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    22

  • Poderrgo

    Poder: 0 - Legislativo

    1 Judicirio

    2 Executivo

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    23

  • Exemplo

    24

  • 25

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

  • rgo: 52000 - Ministrio da Defesa

    Unidade: 52111 - Comando da Aeronutica

    R$ 1,00

    Recursos de Todas as Fontes

    Quadro dos Crditos Oramentrios

    Programtica Programa/Ao/Produto/Localizao Funcional Esf GND RP Mod IU Fte Valor

    0621 Adestramento e Operaes Militares da 184.900.000

    Aeronutica

    0621 2868 Manuteno e Suprimento de Combustveis 05 151 F 184.900.000

    e Lubrificantes

    - Combustvel/Lubrificante adquirido (litro)

    285.220.340

    0621 2868 0001 Manuteno e Suprimento de Combustveis 184.900.000

    e Lubrificantes

    - Combustvel/Lubrificante adquirido (litro) 3-ODC 2 90 0 100 164.900.000

    285.220.340 3-ODC 2 90 0 985 20.000.000

    26

  • PROGRAMAO QUALITATIVA

    Prof. Paulo Eduardo Rocha Campus Braslia Eixo de Gesto e Negcios

  • EM QUE REAS DE DESPESA A AO GOVERNAMENTAL SER REALIZADA ?

    A classificao funcional tem por objetivo evidenciar os grandes agregados do programa de trabalho do governo.

    Sua finalidade principal fornecer as bases para a apresentao de dados e estatsticas sobre os gastos pblicos nos principais segmentos em que atuam as organizaes do Estado (Giacomoni, 2008: 95).

    Para Burkhead, a classificao funcional pode ser chamada classificao para os cidados, uma vez que proporciona informaes gerais sobre as operaes do Governo, que podem ser apresentadas numa espcie de oramento resumido

    Ela foi criada na verso atual no fim dos anos 90, pela Portaria MP n 42/99, a partir de diversas modificaes estabelecidas na anterior classificao funcional-programtica (Portaria MP n 09/74).

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    28

  • A classificao funcional representada por cinco dgitos,

    sendo os dois primeiros relativos s funes e os trs ltimos s subfunes.

    Na base de dados do SIOP, existem dois campos correspondentes classificao funcional:

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    29

  • Funo: pode ser traduzida como o maior nvel de agregao das diversas reas de atuao do setor pblico. Reflete a competncia institucional do rgo, como por exemplo, cultura, educao, sade, defesa, que guarda relao com os respectivos Ministrios.

    H situaes em que o rgo pode ter mais de uma funo tpica, considerando-se que suas competncias institucionais podem envolver mais de uma rea de despesa. Nesses casos, deve ser selecionada, entre as competncias institucionais, aquela que est mais relacionada com a ao.

    atpica em relao ao objeto do gasto.

    Prof. Paulo Eduardo Rocha

    30