Click here to load reader

Educação Ambiental - Aparecida Alves Teixeira

  • View
    820

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Educação Ambiental - Aparecida Alves Teixeira

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PS-GRADUAO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

CONSCIENTIZAO AMBIENTAL POPULAO DE REAS DE MANANCIAIS E PRXIMAS S REPRESAS DE SO BERNARDO DO CAMPO - SP

Por: Aparecida Alves Teixeira

Orientador Prof. Dr. Celso Snchez

So Bernardo do Campo, 2008

2

UNIVERSIDADE CNDIDO MENDES PS-GRADUAO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

CONSCIENTIZAO AMBIENTAL POPULAO DE REAS DE MANANCIAIS E PRXIMAS S REPRESAS DE SO BERNARDO DO CAMPO - SP

Apresentao de monografia Universidade Candido Mendes como condio prvia para a obteno do grau de especialista em Educao Ambiental Por: Aparecida Alves Teixeira

3

AGRADECIMENTOS

Ao Prof. Celso, que, com pacincia e dedicao, conseguiu conciliar esses temas to atuais, fosse aos sendo elaborado entrevistados pea com pela fundamental para que esse trabalho acadmico qualidade,

oportunidade concedida, Prefeitura de So Bernardo do Campo, que me forneceu material de excelente qualidade, e a todos que de alguma forma contriburam para a realizao desse trabalho.

4

"Quando se viaja em direo a um objetivo, muito importante prestar ateno no caminho. O caminho que sempre nos ensina a melhor maneira de chegar, e nos enriquece, enquanto o estamos cruzando.

Paulo Coelho de O Dirio de um Mago.

5

DEDICATRIA

Aos meus familiares, pelo incentivo, e em especial meu esposo e filha, pelas horas de silncio que precisei, e minha cunhada sugestes, Sueli, que alm das com tambm contribuiu

alegria e satisfao neste trabalho.

6

RESUMOEsta publicao, sem a pretenso de esgotar o assunto, procura apresentar os movimentos relacionados retomada mundial da conscincia crtica em relao ao compromisso tico com o meio ambiente, dentro do conceito de pensar global e agir local. Apresenta tambm um histrico da evoluo da poluio ambiental e as implicaes dos fatores biticos e abiticos na degradao ambiental. Atravs de interpretaes da lei 6938/81, do compilamento de dados histricos e estatsticos e de tabelas, ser apresentada uma cronologia da legislao ambiental no pas e tambm sero elencados os principais rgos governamentais na rea do direito ambiental. Como questo central do trabalho, ser possvel observar como a prefeitura de So Bernardo do Campo vem trabalhando para conscientizar as populaes das reas de mananciais notadamente as mais prximas represa Billings; buscando mostrar utilizao da educao como ferramenta eficaz para a reduo da poluio ambiental, como e por quem realizada a conscientizao da populao, sobre as corretas formas de ocupao e utilizao do solo, onde sero destacados os projetos em prtica e os resultados positivos para as comunidades locais, que cresceram desordenadamente. Sero abordados tambm de forma acessria, os impactos do Rodoanel Mrio Covas na regio, e a opinio de autoridades locais sobre a educao ambiental e progresso na cidade e o compromisso com as geraes futuras. Palavras Chave EDUCAO AMBIENTAL - BILLINGS MANANCIAIS SISNAMA SNUC

7

METODOLOGIAEsta uma pesquisa tipo Exploratria ou Bibliogrfica e foi realizada atravs da identificao, localizao e compilao de dados escritos em livros, e sites nacionais sobre o assunto, bem como consulta Constituio Federal, e a Legislao vigente sobre o assunto. (SEVERINO, 2000, p.279). Apesar de ser um tema bastante estudado, existem poucas publicaes que tratam especificamente da educao ambiental nas reas prximas Represa Billings, e como o trabalho poder ser divulgado para essas populaes procurou-se para um perfeito entendimento do texto utilizar uma linguagem mais usual neste trabalho. Destaca-se tambm o material oferecido pela Prefeitura de So Bernardo do Campo, e pelo movimento Viva Billings, de tima qualidade, com riqueza de detalhes e bastante atual. Finalizando o trabalho procurou-se ouvir de pessoas ligadas Secretaria do Meio Ambiente, do Partido Verde de So Bernardo do Campo, de lderes locais e presidentes de Associaes de Bairros, suas opinies, estrias e relatos que vem completar esse trabalho.

8

SUMRIORESUMO ........................................................................................................... 6 METODOLOGIA ................................................................................................. 7 INTRODUO .................................................................................................. 10 CAPTULO I - ECOLOGIA, POLUIO E EDUCAO AMBIENTAL 1.1 - A EVOLUO DO PENSAMENTO ECOLGICO ........................... 12 1.2 - CONCEITOS DE POLUIO ........................................................... 14 1.3 - A EDUCAO AMBIENTAL E A LEGISLAO BRASILEIRA ........ 17 1.3.1 - EDUCAO AMBIENTAL FORMAL .................................... 20 1.3.2 - EDUCAO AMBIENTAL NO FORMAL ........................... 20 1.3.3 - EDUCAO AMBIENTAL INFORMAL ................................ 21 CAPTULO II - DIREITO AMBIENTAL E LEGISLAO 2.1 - HISTRICO DA LEGISLAO AMBIENTAL NO BRASIL ............. 22 2.2 - RGOS DO DIREITO AMBIENTAL ............................................. 24 2.3 - O PAPEL DOS MUNICPIOS NO SISNAMA .................................. 25 CAPTULO III - A POLTICA AMBIENTAL EM SO BERNARDO DO CAMPO 3.1 - BILLINGS - UM MANANCIAL DE ESPECULAES 3.1.1 - A IMPORTNCIA ESTRATGICA DA BILLINGS................... 29 3.1.2 - O LUCRO COM EXPLORAO IMOBILIRIA IRREGULAR 30 3.1.3 - A EXPLORAO EM SO BERNARDO DO CAMPO ........... 32 3.2 - A CONSCIENTIZAO DAS POPULAES DE MANANCIAL...... 34 3.3 - CASOS DE SUCESSO 3.3.1 FLORESTA SOCIAL URBANA ............................................... 39 3.3.2 CIDADE SAUDVEL................................................................ 41 3.3.3 PROGRAMA BAIRRO ECOLGICO ....................................... 42

9 3.3.3.1 JARDIM SENHOR DO BONFIM (S B CAMPO SP) ... 43 3.3.3.2 JARDIM PINHEIROS (S B CAMPO SP) .................... 44 CAPTULO IV CONCLUSO .......................................................................................... 46 REFERENCIAL BIBLIOGRFICO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ................................................................ 48 SITES CONSULTADOS........................................................................... 50 BIBLIOGRAFIA CITADA ........................................................................... 52 ANEXOS ANEXO I A CARTA DE BELGRADO ..................................................... 53 ENTREVISTAS 1 Vera Retondo Secretaria do Meio Ambiente de SBCampo ............... 59 2 Luis de Deus Tavares Jd Senhor do Bonfim ...................................... 62 3 Jos de Oliveira Silva Jd dos Pinheiros (Pinheirinho) ....................... 68

10

INTRODUOQuando na dcada de 50, a Volkswagem instalou sua primeira fbrica no Brasil, escolheu a cidade de So Bernardo do Campo beneficiada pela sua localizao estratgica entre a capital, So Paulo e o porto de Santos, e ao lado da ento novssima Via Anchieta (SP150), decretou tambm o incio de um crescimento vertiginoso da Cidade bem como de sua populao, atrada pela boa oferta de empregos que trouxe para regio, no s na montadora de veculos, mas toda a cadeia produtiva que a acompanhou. Quase 30 anos depois, So Bernardo do Campo voltaria a ser o centro do noticirio nacional quando um sindicalista lidera movimentos grevistas que abalam os alicerces da ditadura militar, e o Brasil acompanha o nascimento do partido dos trabalhadores (PT) e conhece ento Luis Incio da Silva que anos depois incorporaria o apelido LULA a seu nome, e se tornaria presidente do pas. Esse crescimento populacional e econmico da regio do ABC, onde So Bernardo est localizada, se deu de forma extremamente desordenada, pois a cidade est repleta de reas prximas represas e de mata nativa da Serra do Mar, e at bem pouco tempo, no se tinham registros dessa preocupao ambiental, o que tornou essas reas campo frtil para proliferao de piratas urbanos, que faturaram alto desenvolvendo loteamentos clandestinos nas reas de mananciais, sem qualquer preocupao em como resolver os problemas futuros de transporte, saneamento, escolas e assistncia mdica para essas populaes. Hoje em dia, no d mais para pensar em remover essa populao, que, segundo dados do instituto Billings Viva, j ultrapassa as quinze mil pessoas, de forma que a nica soluo, ou a melhor delas, a conscientizao e a educao da populao que vive nessas reas sobre a degradao que o

11 meio ambiente vem sofrendo nos ltimos anos e o que cada um pode fazer para preserv-lo garantindo assim qualidade de vida saudvel tanto para sua comunidade quanto para as geraes futuras. Nesse ponto, encontramos na Prefeitura Municipal, bons exemplos de projetos de educao ambiental, que sero mostrados neste trabalho, tais como a Floresta Social Urbana, a Cidade Saudvel e o Programa Bairro Ecolgico, que so amplamente divulgados com a ajuda dos lderes locais, agindo em seus bairros e em suas associaes para coordenar aes voltadas para educao ambiental, com aspectos positivos para a sociedade. So Bernardo do Campo sabe de sua importncia no territrio nacional e, apesar de ter de enfrentar esse srio problema do desordenado crescimento demogrfico, quer ser e vem sendo uma cidade exemplo para os demais municpios do Brasil.

12

CAPTULO I - ECOLOGIA, POLUIO E EDUCAO AMBIENTAL.PENSAR GLOBAL! ... AGIR LOCAL! 1.1 - A EVOLUO DO PENSAMENTO ECOLGICO Comeamos nosso estudo com a idia de que a cincia comprova o que os filsofos gregos j diziam h muitos sculos: O Planeta Terra nos fornece, seja pela alimentao ou pela respirao, todas as clulas do nosso corpo, ou seja, somos formados pelo ambiente, de forma que ao dizer que precisamos cuidar do planeta, estamos, por extenso, cuidando de ns mesmos. Esse crculo de sobrevivncia em que nos inclumos junto com todos os seres do planeta chamamos Ecossistema. At um determinado ponto da histria, o ecossistema no se apresentou de maneira to crtica como agora, porm com a intensi