Eletromagnetismo - 2 Fase

  • View
    6

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

dd

Text of Eletromagnetismo - 2 Fase

  • Eletromagnetismowww.grupoexatas.com.br

    grupoexatas.wordpress.com

    Exerccios Dissertativos

    1. (2000)

    Uma partcula, de massa m e com carga eletricaQ, cai verticalmente com velocidade constante v0.Nessas condicoes, a forca de resistencia do ar podeser considerada como Rar = kv, sendo k umaconstante e v a velocidade. A partcula pene-tra, entao, em uma regiao onde atua um campomagnetico uniforme e constante B, perpendicularao plano do papel e, nele entrando, conforme afigura. A velocidade da partcula e, entao, alte-rada, adquirindo, apos certo intervalo de tempo,um novo valor vL, constante. (Lembre-se de quea intensidade da forca magnetica |FM | = |q||v||B|,em unidades SI, para v perpendicular a B).

    a) Expresse o valor da constante k em funcao de m, g e v0.

    b) Esquematize os vetores das forcas (Peso, Rar e FM ) que agem sobre a partcula, em presencado campo B, na situacao em que a velocidade passa a ser a velocidade vL. Represente, por umalinha tracejada, direcao e sentido de vL.

    c) Expresse o valor da velocidade vL da partcula, na regiao onde atua o campo B, em funcao de m,g, k, B e Q.

    2. (2001)

    Um proton de massaM ' 1, 6 1027 kg , comcarga eletrica Q = 1, 6 1019C, e lancado emA, com velocidade V0, em uma regiao onde atuaum campo magnetico uniforme B, na direcao x.A velocidade V0, que forma um angulo com oeixo x, tem componentes V0x = 4, 0 106m/s eV0y = 3, 0 106m/s. O proton descreve um movi-mento em forma de helice, voltando a cruzar o eixox, em P, com a mesma velocidade inicial, a umadistancia L0 = 12m do ponto A. Desconsiderandoa acao do campo gravitacional e utilizando pi = 3,determine:

    (a) O intervalo de tempo t, em s, que o proton leva para ir de A a P.

    (b) O raio R, em m, do cilindro que contem a trajetoria em helice do proton.

    (c) A intensidade do campo magnetico B, em tesla, que provoca esse movimento.

    Uma partcula com carga Q, que se move em um campo B, com velocidade V, fica sujeita a uma forca de intensidade F = Q Vn B,normal ao plano formado por B e Vn, sendo Vn a componente da velocidade V normal a B.

    Professor:Leonardo Carvalho FUVEST contato:spexatas@gmail.com

  • Eletromagnetismowww.grupoexatas.com.br

    grupoexatas.wordpress.com

    3. (2002)

    Um espectrometro de massa foi utilizado para se-parar os ons I1 e I2, de mesma carga eletrica emassas diferentes, a partir do movimento dessesons em um campo magnetico de intensidade B,constante e uniforme. Os ons partem de umafonte, com velocidade inicial nula, sao aceleradospor uma diferenca de potencial V0 e penetram,pelo ponto P, em uma camara, no vacuo, onde atuaapenas o campo B (perpendicular ao plano do pa-pel), como na figura. Dentro da camara, os onsI1 sao detectados no ponto P1, a uma distanciaD1 = 20cm do ponto P, como indicado na figura.Sendo a razao m2/m1 entre as massas dos ons I2e I1, igual a 1,44, determine:

    (a) A razao entre as velocidades V1/V2 com que os ons I1 e I2 penetram na camara, no ponto A.

    (b) A distancia D2, entre o ponto P e o ponto P2, onde os ons I2 sao detectados.(Nas condicoes dadas, os efeitos gravitacionais podem ser desprezados).

    Uma partcula com carga Q, que se move em um campo B, com velocidade V, fica sujeita a uma forca de intensidadeF = QVnB, normal ao plano formado por B e Vn, sendo Vn a componente da velocidade V normal a B.

    4. (2003) O ma representado na figura, com largura L = 0,20 m, cria, entre seus polos, P1 e P2, umcampo de inducao magnetica B, horizontal, de intensidade constante e igual a 1,5T. Entre os polosdo ma, ha um fio condutor f, com massa m = 6, 0 103kg, retilneo e horizontal, em uma direcaoperpendicular a` do campo B. As extremidades do fio, fora da regiao do ma, estao apoiadas e podemse mover ao longo de guias condutores, verticais, ligados a um gerador de corrente G.

    A partir de um certo instante, o fio f passa a serpercorrido por uma corrente eletrica constante I= 50A. Nessas condicoes, o fio sofre a acao deuma forca F0, na direcao vertical, que o acelerapara cima. O fio percorre uma distancia verticald = 0,12 m, entre os polos do ma e, a seguir, sedesconecta dos guias, prosseguindo em movimentolivre para cima, ate atingir uma altura maxima H.

    Determine

    (a) o valor da forca eletromagnetica F0, em newtons, que age sobre o fio.

    (b) o trabalho total , em joules, realizado pela forca F0.

    (c) a maxima altura H, em metros, que o fio alcanca, medida a partir de sua posicao inicial.

    NOTE/ADOTE1) Um fio condutor retilneo, de comprimento C, percorrido por uma corrente eletrica I, totalmente inserido em umcampo de inducao magnetica de modulo B, perpendicular a` direcao do fio, fica sujeito a uma forca F, de moduloigual a BIC, perpendicular a` direcao de B e a` direcao do fio.2) Aceleracao da gravidade g = 10m.s2

    3) Podem ser desprezados os efeitos de borda do campo B, o atrito entre o fio e os guias e a resistencia do ar.

    Professor:Leonardo Carvalho FUVEST contato:spexatas@gmail.com

  • Eletromagnetismowww.grupoexatas.com.br

    grupoexatas.wordpress.com

    5. (2004)

    Com auxilio de uma pequena bussola e de umabobina, e possvel construir um instrumento paramedir correntes eletricas. Para isso, a bobina e po-sicionada de tal forma que seu eixo coincida coma direcao Leste-Oeste da bussola, sendo esta colo-cada em uma regiao em que o campo magnetico Bda bobina pode ser considerado uniforme e dirigidopara Leste. Assim, quando a corrente que percorrea bobina e igual a zero, a agulha da bussola apontapara o Norte. A medida em que, ao passar pelabobina, a corrente I varia, a agulha da bussola semove, apontando em diferentes direcoes, identifi-cadas por , angulo que a agulha faz com a direcaoNorte. Os terminais A e B sao inseridos convenien-temente no circuito onde se quer medir a corrente.Uma medida inicial de calibracao indica que, para0 = 45

    o, a corrente I0 = 2A.

    NOTE E ADOTE:- A componente horizontal do campo magneticoda Terra, BT 0, 2 gauss.- O campo magnetico B produzido por esta bobina, quandopercorrida por uma corrente I, e dado por B = kI, em quek e uma constante de proporcionalidade.- A constante k = 0N , em que 0 e uma constante e N,o numero de espiras por unidade de comprimento da bobina.

    Para essa montagem:

    (a) Determine a constante k de proporcionalidade entre B e I, expressa em gauss por ampe`re.

    (b) Estime o valor da corrente I1, em amperes, quando a agulha indicar a direcao 1, representada nafolha de respostas. Utilize, para isso, uma construcao grafica.

    (c) Indique, no esquema apresentado na folha de respostas, a nova direcao 2 que a bussola apontaria,para essa mesma corrente I1, caso a bobina passasse a ter seu numero N de espiras duplicado,sem alterar seu comprimento.

    6. (2005) Uma espira condutora ideal, com 1,5 m por 5,0 m, e deslocada com velocidade constante, detal forma que um de seus lados atravessa uma regiao onde existe um campo magnetico B, uniforme,criado por um grande eletroma. Esse lado da espira leva 0,5 s para atravessar a regiao do campo.

    Na espira esta inserida uma resistencia R comas caractersticas descritas. Em consequencia domovimento da espira, durante esse intervalo detempo, observa-se uma variacao de temperatura,em R, de 40oC. Essa medida de temperatura pode,entao, ser utilizada como uma forma indireta paraestimar o valor do campo magnetico B. Assim de-termine

    a) a energia E, em joules, dissipada no resistorsob a forma de calor.

    b) a corrente I, em ampe`res, que percorre o resis-tor durante o aquecimento.

    c) o valor do campo magnetico B, em teslas.

    CARACTERISTICAS DO RESISTOR R:Massa = 1,5 gResistencia = 0,40 Calor especfico = 0,33 cal/g

    NOTE E ADOTE:1 cal 4 JF = I B L e a forca F que age sobre um fio de comprimento L, percorrido por uma corrente I, em um campo magnetico B.fem = /t, ou seja, o modulo da forca eletromotriz induzida e igual a` variacao de fluxo magnetico por unidade de tempo. = B S, onde B e a intensidade do campo atraves de uma superfcie de area S, perpendicular ao campo.

    Professor:Leonardo Carvalho FUVEST contato:spexatas@gmail.com

  • Eletromagnetismowww.grupoexatas.com.br

    grupoexatas.wordpress.com

    7. (2006) Um procedimento para estimar o campo magnetico de um ma baseia-se no movimento deuma grande espira condutora E atraves desse campo. A espira retangular E e abandonada a` acaoda gravidade entre os polos do ma de modo que, enquanto a espira cai, um de seus lados horizontais(apenas um) corta perpendicularmente as linhas de campo.

    A corrente eletrica induzida na espira gera umaforca eletromagnetica que se opoe a seu movimentode queda, de tal forma que a espira termina atin-gindo uma velocidade V constante. Essa veloci-dade e mantida enquanto esse lado da espira esti-ver passando entre os polos do ma. A figura re-presenta a configuracao usada para medir o campomagnetico, uniforme e horizontal, criado entre ospolos do ma. As caractersticas da espira e do maestao apresentadas na tabela. Para a situacao emque um dos lados da espira alcanca a velocidadeconstante V = 0,40 m/s entre os polos do ma,determine:

    a) A intensidade da forca eletromagnetica F, em N, que age sobre a espira, de massa M, opondo-sea` gravidade no seu movimento de queda a velocidade constante.

    b) O trabalho realizado pela forca de gravidade por unidade de tempo (potencia), que e igual a`potencia P dissipada na espira, em watts.

    c) A intensidade da corrente eletrica i, em amperes, que percorre a espira, de resistencia R.

    d) O campo magnetico B, em tesla, existente entre os polos do ma.

    Espira:Massa M 0, 016kg

    Resistencia R 0, 10Dimensoes do ima

    Largura a: 0, 20mAltura b: 0, 15m

    NOTE E ADOTEP = FV ; P = i2R ; F = Bi`(Desconsidere o campo magnetico da Terra).

    Professor:Leonardo Carvalho FUVEST contato:spexatas@gmai