ENADE 2011

  • Published on
    19-Jul-2015

  • View
    1.977

  • Download
    1

Embed Size (px)

Transcript

<p>SINAESSistema Nacional de Avaliao da Educao Superior</p> <p>19Novembro / 2011</p> <p>EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES</p> <p>2011</p> <p>LETRASLEIA COM ATENO AS INSTRUES ABAIXO.1 - Verifique se, alm deste caderno, voc recebeu o Caderno de Respostas, destinado transcrio das respostas das questes de mltipla escolha (objetivas), das questes discursivas e do questionrio de percepo da prova. 2 - Confira se este caderno contm as questes de mltipla escolha (objetivas) e discursivas de formao geral e do componente especfico da rea, e as questes relativas sua percepo da prova, assim distribudas: Partes Formao Geral/Objetivas Formao Geral/Discursivas Componente Especfico Comum/Objetivas Componente Especfico Comum/Discursivas Componente Especfico Licenciatura/Objetivas Componente Especfico Bacharelado/Objetivas Questionrio de percepo da Prova Nmero das questes 1a8 Discursiva 1 e Discursiva 2 9 a 25 Discursiva 3 a Discursiva 5 26 a 35 36 a 45 1a9 Peso das questes 60% 40% Objetivas 85% 75% Discursivas 15% Peso dos componentes 25%</p> <p>-</p> <p>-</p> <p>3 - Verifique se a prova est completa e se o seu nome est correto no Caderno de Respostas. Caso contrrio, avise imediatamente um dos responsveis pela aplicao da prova. Voc deve assinar o Caderno de Respostas no espao prprio, com caneta esferogrfica de tinta preta. 4 - Observe as instrues expressas no Caderno de Respostas sobre a marcao das respostas s questes de mltipla escolha (apenas uma resposta por questo). 5 - Use caneta esferogrfica de tinta preta tanto para marcar as respostas das questes objetivas quanto para escrever as respostas das questes discursivas. 6 - No use calculadora; no se comunique com os demais estudantes nem troque material com eles; no consulte material bibliogrfico, cadernos ou anotaes de qualquer espcie. 7 - Voc ter quatro horas para responder s questes de mltipla escolha e discursivas e ao questionrio de percepo da prova. 8 - Quando terminar, entregue ao Aplicador ou Fiscal o seu Caderno de Respostas. 9 - Ateno! Voc s poder levar este Caderno de Prova aps decorridas trs horas do incio do Exame.</p> <p>Ministrio da Educao</p> <p>*A1920111*</p> <p>2011EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES</p> <p>FORMAO GERALRetrato de uma princesa desconhecida Para que ela tivesse um pescoo to fino Para que os seus pulsos tivessem um quebrar de caule Para que os seus olhos fossem to frontais e limpos Para que a sua espinha fosse to direita E ela usasse a cabea to erguida Com uma to simples claridade sobre a testa Foram necessrias sucessivas geraes de escravos De corpo dobrado e grossas mos pacientes Servindo sucessivas geraes de prncipes Ainda um pouco toscos e grosseiros vidos cruis e fraudulentos Foi um imenso desperdiar de gente Para que ela fosse aquela perfeio Solitria exilada sem destino</p> <p>QUESTO 1</p> <p>No poema, a autora sugere que A B C D E</p> <p>ANDRESEN, S. M. B. Dual. Lisboa: Caminho, 2004. p. 73.</p> <p>os prncipes e as princesas so naturalmente belos. os prncipes generosos cultivavam a beleza da princesa. a beleza da princesa desperdiada pela miscigenao racial. o trabalho compulsrio de escravos proporcionou privilgios aos prncipes. o exlio e a solido so os responsveis pela manuteno do corpo esbelto da princesa.</p> <p>QUESTO 2 Excluso digital um conceito que diz respeito s extensas camadas sociais que ficaram margem do fenmeno da sociedade da informao e da extenso das redes digitais. O problema da excluso digital se apresenta como um dos maiores desafios dos dias de hoje, com implicaes diretas e indiretas sobre os mais variados aspectos da sociedade contempornea. Nessa nova sociedade, o conhecimento essencial para aumentar a produtividade e a competio global. fundamental para a inveno, para a inovao e para a gerao de riqueza. As tecnologias de informao e comunicao (TICs) proveem uma fundao para a construo e aplicao do conhecimento nos setores pblicos e privados. nesse contexto que se aplica o termo excluso digital, referente falta de acesso s vantagens e aos benefcios trazidos por essas novas tecnologias, por motivos sociais, econmicos, polticos ou culturais. Considerando as ideias do texto acima, avalie as afirmaes a seguir. I. Um mapeamento da excluso digital no Brasil permite aos gestores de polticas pblicas escolherem o pblicoalvo de possveis aes de incluso digital. II. O uso das TICs pode cumprir um papel social, ao prover informaes queles que tiveram esse direito negado ou negligenciado e, portanto, permitir maiores graus de mobilidade social e econmica. III. O direito informao diferencia-se dos direitos sociais, uma vez que esses esto focados nas relaes entre os indivduos e, aqueles, na relao entre o indivduo e o conhecimento. IV. O maior problema de acesso digital no Brasil est na deficitria tecnologia existente em territrio nacional, muito aqum da disponvel na maior parte dos pases do primeiro mundo. correto apenas o que se afirma em A B C D E I e II. II e IV. III e IV. I, II e III. I, III e IV.2 LETRAS</p> <p>*A1920112*</p> <p>2011EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES</p> <p>QUESTO 3 A cibercultura pode ser vista como herdeira legtima (embora distante) do projeto progressista dos filsofos do sculo XVII. De fato, ela valoriza a participao das pessoas em comunidades de debate e argumentao. Na linha reta das morais da igualdade, ela incentiva uma forma de reciprocidade essencial nas relaes humanas. Desenvolveu-se a partir de uma prtica assdua de trocas de informaes e conhecimentos, coisa que os filsofos do Iluminismo viam como principal motor do progresso. (...) A cibercultura no seria ps-moderna, mas estaria inserida perfeitamente na continuidade dos ideais revolucionrios e republicanos de liberdade, igualdade e fraternidade. A diferena apenas que, na cibercultura, esses valores se encarnam em dispositivos tcnicos concretos. Na era das mdias eletrnicas, a igualdade se concretiza na possibilidade de cada um transmitir a todos; a liberdade toma forma nos softwares de codificao e no acesso a mltiplas comunidades virtuais, atravessando fronteiras, enquanto a fraternidade, finalmente, se traduz em interconexo mundial.LEVY, P. Revoluo virtual. Folha de S. Paulo. Caderno Mais, 16 ago. 1998, p.3 (adaptado).</p> <p>QUESTO 4 Com o advento da Repblica, a discusso sobre a questo educacional torna-se pauta significativa nas esferas dos Poderes Executivo e Legislativo, tanto no mbito Federal quanto no Estadual. J na Primeira Repblica, a expanso da demanda social se propaga com o movimento da escolanovista; no perodo getulista, encontram-se as reformas de Francisco Campos e Gustavo Capanema; no momento de crtica e balano do ps-1946, ocorre a promulgao da primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional, em 1961. somente com a Constituio de 1988, no entanto, que os brasileiros tm assegurada a educao de forma universal, como um direito de todos, tendo em vista o pleno desenvolvimento da pessoa no que se refere a sua preparao para o exerccio da cidadania e sua qualificao para o trabalho. O artigo 208 do texto constitucional prev como dever do Estado a oferta da educao tanto a crianas como queles que no tiveram acesso ao ensino em idade prpria escolarizao cabida. Nesse contexto, avalie as seguintes asseres e a relao proposta entre elas. A relao entre educao e cidadania se estabelece na busca da universalizao da educao como uma das condies necessrias para a consolidao da democracia no Brasil. PORQUE Por meio da atuao de seus representantes nos Poderes Executivos e Legislativo, no decorrer do sculo XX, passou a ser garantido no Brasil o direito de acesso educao, inclusive aos jovens e adultos que j estavam fora da idade escolar. A respeito dessas asseres, assinale a opo correta. A As duas so proposies verdadeiras, e a segunda uma justificativa correta da primeira. B As duas so proposies verdadeiras, mas a segunda no uma justificativa correta da primeira. C A primeira uma proposio verdadeira, e a segunda, falsa. D A primeira uma proposio falsa, e a segunda, verdadeira. E Tanto a primeira quanto a segunda asseres so proposies falsas.3 LETRAS</p> <p>O desenvolvimento de redes de relacionamento por meio de computadores e a expanso da Internet abriram novas perspectivas para a cultura, a comunicao e a educao. De acordo com as ideias do texto acima, a cibercultura A representa uma modalidade de cultura ps-moderna de liberdade de comunicao e ao. B constituiu negao dos valores progressistas</p> <p>defendidos pelos filsofos do Iluminismo. C banalizou a cincia ao disseminar o conhecimento nas redes sociais. D valorizou o isolamento dos indivduos pela produo de softwares de codificao. E incorpora valores do Iluminismo ao favorecer o compartilhamento de informaes e conhecimentos.</p> <p>*A1920113*</p> <p>2011EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES</p> <p>QUESTO 5</p> <p>Desmatamento na Amaznia Legal. Disponvel em: . Acesso em: 20 ago. 2011.</p> <p>O ritmo de desmatamento na Amaznia Legal diminuiu no ms de junho de 2011, segundo levantamento feito pela organizao ambiental brasileira Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amaznia). O relatrio elaborado pela ONG, a partir de imagens de satlite, apontou desmatamento de 99 km no bioma em junho de 2011, uma reduo de 42% no comparativo com junho de 2010. No acumulado entre agosto de 2010 e junho de 2011, o desmatamento foi de 1 534 km, aumento de 15% em relao a agosto de 2009 e junho de 2010. O estado de Mato Grosso foi responsvel por derrubar 38% desse total e lder no ranking do desmatamento, seguido do Par (25%) e de Rondnia (21%).Disponvel em: . Acesso em: 20 ago. 2011(com adaptaes).</p> <p>De acordo com as informaes do mapa e do texto, A B C D E foram desmatados 1 534 km na Amaznia Legal nos ltimos dois anos. no houve aumento do desmatamento no ltimo ano na Amaznia Legal. trs estados brasileiros responderam por 84% do desmatamento na Amaznia Legal entre agosto de 2010 e junho de 2011. o estado do Amap apresenta alta taxa de desmatamento em comparao aos demais estados da Amaznia Legal. o desmatamento na Amaznia Legal, em junho de 2010, foi de 140 km2, comparando-se o ndice de junho de 2011 ao ndice de junho de 2010.4 LETRAS</p> <p>*A1920114*</p> <p>2011EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES</p> <p>QUESTO 6 A educao o Xis da questoDesempregoAqui se v que a taxa de desemprego menor para quem fica mais tempo na escola</p> <p>QUESTO 7 A definio de desenvolvimento usualmenteSalrioAqui se v que os salrios aumentam conforme os anos de estudo (em reais)</p> <p>sustentvel</p> <p>mais</p> <p>utilizada</p> <p> a que procura atender s</p> <p>necessidades atuais sem comprometer a capacidade das geraes futuras. O mundo assiste a um questionamento crescente de paradigmas estabelecidos na economia e tambm na cultura poltica. A crise ambiental no planeta, quando traduzida na mudana climtica, uma ameaa real ao pleno desenvolvimento das potencialidades dos pases. O Brasil est em uma posio privilegiada para enfrentar</p> <p>13,05%</p> <p>At 10 anos de estudo</p> <p>18 500Salrio de quem tem doutorado ou MBA</p> <p>7,91%12 a 14 anos de estudo</p> <p>8 600Salrio de quem tem curso superior e fala uma lngua estrangeira</p> <p>3,83%15 a 17 anos de estudo</p> <p>os enormes desafios que se acumulam. Abriga elementos fundamentais para o desenvolvimento: parte significativa da biodiversidade e da gua doce existentes no planeta; grande extenso de terras cultivveis; diversidade tnica e cultural e rica variedade de reservas naturais. O campo do desenvolvimento sustentvel pode ser conceitualmente dividido em trs componentes: sustentabilidade ambiental, sustentabilidade econmica e sustentabilidade sociopoltica. Nesse contexto, o desenvolvimento sustentvel pressupe A a preservao do equilbrio global e do valor das reservas de capital natural, o que no poltico de uma sociedade. B a redefinio de critrios e instrumentos de avaliao de custo-benefcio que reflitam os efeitos socioeconmicos e os valores reais do consumo e da preservao. C o reconhecimento de que, apesar de os recursos naturais serem ilimitados, deve ser traado um novo modelo de desenvolvimento econmico para a humanidade. D a reduo do consumo das reservas naturais com a consequente estagnao do desenvolvimento econmico e tecnolgico. E a distribuio homognea das reservas naturais entre as naes e as regies em nvel global e regional.5 LETRAS</p> <p>2,66%Mais de 17 anos de estudo</p> <p>1 800Salrio de quem conclui o ensino mdio</p> <p>Fontes: Manager Assessoria em Recursos Humanos e IBGE</p> <p>Disponvel em: . Acesso em: 24 ago. 2011.</p> <p>A expresso o Xis da questo usada no ttulo do infogrfico diz respeito A quantidade de anos de estudos necessrios para garantir um emprego estvel com salrio digno. B s oportunidades de melhoria salarial que surgem medida que aumenta o nvel de escolaridade dos indivduos. C influncia que o ensino de lngua estrangeira nas escolas tem exercido na vida profissional dos indivduos. D aos questionamentos que so feitos acerca da quantidade mnima de anos de estudo que os indivduos precisam para ter boa educao. E reduo da taxa de desemprego em razo da poltica atual de controle da evaso escolar e de aprovao automtica de ano de acordo com a idade. REA LIVRE</p> <p>justifica a</p> <p>desacelerao do desenvolvimento econmico e</p> <p>*A1920115*</p> <p>2011EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES</p> <p>QUESTO 8 Em reportagem, Owen Jones, autor do livro Chavs: a difamao da classe trabalhadora, publicado no Reino Unido, comenta as recentes manifestaes de rua em Londres e em outras principais cidades inglesas. Jones prefere chamar ateno para as camadas sociais mais desfavorecidas do pas, que desde o incio dos distrbios, ficaram conhecidas no mundo todo pelo apelido chavs, usado pelos britnicos para escarnecer dos hbitos de consumo da classe trabalhadora. Jones denuncia um sistemtico abandono governamental dessa parcela da populao: Os polticos insistem em culpar os indivduos pela desigualdade, diz. (...) voc no vai ver algum assumir ser um chav, pois se trata de um insulto criado como forma de generalizar o comportamento das classes mais baixas. Meu medo no o preconceito e, sim, a cortina de fumaa que ele oferece. Os distrbios esto servindo como o argumento ideal para que se faa valer a ideologia de que os problemas sociais so resultados de defeitos individuais, no de falhas maiores. Trata-se de uma filosofia que tomou conta da sociedade britnica com a chegada de Margaret Thatcher ao poder, em 1979, e que basicamente funciona assim: voc culpado pela falta de oportunidades. (...) Os polticos insistem em culpar os indivduos pela desigualdade.Suplemento Prosa &amp; Verso, O Globo, Rio de Janeiro, 20 ago. 2011, p. 6 (adaptado).</p> <p>Considerando as ideias do texto, avalie as afirmaes a seguir. I. Chavs um apelido que exalta hbitos de consumo de parcela da populao britnica.</p> <p>II. Os distrbios ocorridos na Inglaterra serviram para atribuir deslizes de comportamento individual como causas de problemas sociais. III. Indivduos da classe trabalhadora britnica so responsabilizados pela falta de oportunidades decorrente da ausncia de polticas pblicas. IV. As manifestaes de rua na Inglaterra reivindicavam formas de incluso nos padres de consumo...</p>