Click here to load reader

Filosofia mitologia

  • View
    476

  • Download
    6

Embed Size (px)

Text of Filosofia mitologia

  • Prof: Cleiton Costa Denez

  • Ordem e Desordem:

    Formao do Senso Comum;Organizaes ;Tradies;Culturas;

  • Narrativa alegrica; fbula , lenda, representao exagerada de fatos ou personagens reais pela imaginao popular , pessoa ou fato assim representado . (AURLIO, Dicionrio) .

    Pode-se definir mito como o pensamento antes da nascimento da filosofia , uma tentativa de revelar a verdade sob a forma de um relato.

    As narrativas misturavam sabedoria e procedimentos prticos do trabalho e da vida, da religio e as crenas mais antigas.

  • Tentavam responder as questes fundamentais:

    Origem de todas as coisas;Condio do homem;Vida e morte;

    A origem de todas as coisas proveniente das relaes sexuais entre os deuses, gerando tudo que existia.

    A origem de tudo est esta nas lutas e alianas entre foras que regem o Universo.

  • No princpio era o Caos matria eterna, informe, rudimentar, mas dotada de energia prolfica; depois veio Gia (Terra), Trtaro (habitao profunda) e Eros (o Amor), a fora do desejo. O Caos deu origem ao rebo (Escurido profunda) e a Nix (noite). Nix Gerou ter e Hemera (Dia). De Gia nasceram rano (Cu), Montes e Pontos (Mar).

  • Gaia gerou Urano e se uniu a ele gerando os:Tits: Oceano, Ceos, Crio, Hiperin, Jpeto , Atlas e Cronos.Titnidas: Tia, Ria, Mnemsina, Febe e Ttis.

  • Urano reinou soberano;Por solicitao de Geia, Cronos mutila seu pai Urano, contando-lhe os testculos. Do Sangue de Urano que caiu sobre Geia nasceram, "no decurso dos anos", as Ernias, os Gigantes e as Ninfas dos Freixos, chamadas Mlias ou Melades; da parte que caiu no mar e formou uma espuma, onde nasceu Afrodite.

  • Cronos se uniu a Ria;Ria gerou vrios filhos;Pelo temor de ser destronado;Cronos engoliu a todos;Exceto Zeus que Ria manteve escondido;Zeus cresceu, libertou seus irmo e destronou Cronos

  • Zeus reinou soberano;O Deus dos deuses.Zeus casado com HeraO pai de uma quantidade enorme de deuses e mortais excepcionais.

  • Um dos Tits. Tomou frente na batalhas de Cronos e dos Tits contra Zeus. Como castigo, foi obrigado a carregar o mundo, nas costas. Para sempre.

  • A divindade do amor romntico, do desejo sexual e da beleza fsica.Afrodite Nasceu da espuma do mar aps Cronos castrar seu pai Urano e jogar seus genitais amputados no mar.Ela casada com Hefestos, mas teve seis filhos com Ares, dois com Poseidon e pelo menos um com um mortal.

  • Apolo, o deus da msica, da luz e da cura, surge como um belo jovem imberbe carregando uma lira dourada e um arco de prata.Foi Apolo quem ensinou a arte da cura aos homens. Ele pode ser terrvel quando est irritado, disparando flechas que levam doena e morte suas vtimas. Ele bastante vaidoso em relao a sua habilidade musical.

  • O deus da Guerra.Surge como um homem grande com olhos ardentes e enfurecidos e uma expresso ameaadora permanentemente estampada em seu rosto.Ciumento, inconstante e se ofende com facilidade;Filho de Zeus e Hera, Odiado por ambos

  • Deusa da prudncia e das cidades.Patrona do Artesanato;Guerreira, mas apenas na defesa das coisas que acredita serem dignas de proteo, como cidades, vilas e campos cultivados. Ela se ope aos impulsos destrutivos de seu irmo, Ares, sempre

  • Deusa da Agricultura.Seu humor influencia a vida e a fertilidade dos campos. Ela surge como uma mulher maternal, vestida com robes nas cores da vegetao: Ela uma das seis filhas dos Tits Cronos e Ria.

  • Deus da Morte e da Riqueza.Enquanto seus irmos Zeus e Poseidon governam respectivamente o cu e o mar, Hades o regente do submundo e tambm tem certo controle sobre a terra.Hades um dos seis filhos de Cronos e Ria e uma das nove divindades Olmpicas principais.

  • Hefestos, o deus dos ferreiros, do fogo e dos ofcios;Entre os belos deuses Olmpicos, ele o nico feio. Hefestos muito honrado entre os deuses como o armoreiro e ferreiro do Olimpo. Afirmam que os vulces abrigam as suas forjas.

  • Deusa dos jogos Olmpicos;Ela a patrona do casamento, mas tambm das esposas ciumentas.

  • Hstia normalmente no se envolve nas discusses, na poltica e nos casos dos demais deuses Olmpicos. Em vez disso, contenta-se com sua posio como uma divindade domstica, cultuada com sacrifcios simples, por pessoas humildes, em pequenos altares nas casas.

  • O deus do mar, Os marinheiros e os habitantes do litoral devem assegurar-se de no irritar esta divindade temperamental. Poseidon j arrasou cidades costeiras que o desagradaram com maremotos e terremotos.

  • Deus do vinho e das festas desenfreadas e protetor do teatro.

  • Deus mensageiro, protetor dos rebanhos, cavalos e do comrcio. Conta com altssima sabedoria.

  • Filho de um Tit, mantinha gosto pelas artes plsticas, recebeu a misso de Zeus de fazer uma nova criatura.

  • Prometeu subiu aos cus e roubou o fogo e deu a humanidade despertando a ira de Zeus.No mesmo dia ordenou que aprisionassem Prometeu a um rochedo no Cucaso.Ordenou ainda que soltassem sobre a regio um terrvel abutre, cuja degradante funo seria a de devorar incansavelmente o fgado de Prometeu.

  • Zeus ordenou que Hefestos criasse uma criatura para ser companheira do homem.Juntamente com Atena assim fizeram uma linda criatura que recebeu o nome de Pandora.Zeus adorou a criao;E deu um caixa que deveria ser levada de presente a humanidade.

  • A ordem de Zeus de caixa nunca deveria ser aberta;Pandora foi enviada para Epimeteu;Pandora no resistiu e abriu a caixa;Pandora teve o desgosto de ver personificados todos os vcios que viriam a acometer no futuro a alma humana.

  • A inveja, a gula, Avareza, a Arrogncia, a Crueldade, o Egosmo, todos os vcios e defeitos humanos danavam um acirada infernal sobre a sua cabea, at que, arremessando-se caixa, conseguiu finalmente fech-la. Quando tudo j tinha sado da caixa, Pandora avistou um lindo rosto?Era a Esperana.

  • O soberano Consulta o Orculo. O Orculo afirma que seu primognito ir desposar a prpria me e assassinar seu pai, o Rei Laio . Ento , Laio manda que elimine o menino , mas a pessoa encarregada no cumpre a ordem e envia o menino para um reino distante onde ele se torna um grande guerreiro e heri, numa de suas andanas ele encontra um homem arrogante e o mata; chegando ao Reino de Jocasta, dipo se apaixona desposa a esposa deste homem. Anos mais tarde, dipo descobre que ele prprio o personagem da profecia. E num gesto de desespero, arranca os prprios olhos e sai vagar pelo mundo afora .

  • Mitos ???Uma explicao da realidade;Existe razo nos mitos?A racionalidade no seria um mito moderno disfarado?Na antiguidade os mitos estavam a servio da aristocracia, para controlar o povo, e hoje?Os mitos e a imaginao;A idia mtica de progresso :Alimenta nosso imaginrio;

  • A filosofia pode ser entendida como o surgimento de uma nova ordem de pensamento, complementar ao mito.A Filosofia racionalizou o mito, deixando as figuras alegricas para trs. A Jnia foi o bero dos primeiros filsofos em Mileto ;A maior parte destes filsofos pensavam que todas as coisas era de ordem material;

  • A primeira filosofia era naturalista , ou seja, buscava um explicao exclusivamente natural para todas as coisas.

  • Qual a origem do mundo ???O arch o princpio de tudo , aquilo que permanece em continua transformao.

  • Tales de Mileto:O princpio a gua, as sementes, os alimentos, as pessoas. Ora , aquilo do qual todas as coisas so geradas o princpio de tudo!!!Tudo gua!!!

  • Anaximandro de Mileto:

    O arch no esta em um elementos natural e sim no peiron, termo que indica o ilimitado e o infinito.O princpio do contrrio, cada coisa no Universo resultado de uma oposio entre foras antagnicas.

  • O infinito o princpio

    Uma outra natureza infinita da qual provm todas as coisas.

  • Anaxmenes de Mileto:A substncia que serve de substrato para o infinito o ar.O ar o principio da vida .Todos os elementos derivam do ar por transformao.

  • Famlia aristocrtica;Desprezo pelas massas e pela democracia;Um s homem vale dez mil, se for o melhor

    =

  • Conforme tradio as 60 anos escolheu um forma estranhar de matar-se:Devorado por ces, na praa pblica de Efeso.Personalidade obscura.

  • Pnta rhei (tudo flui) O princpio esta na transformao da matria: tudo vem e tudo vai, infinitamente, e nesse movimento reside a natureza das coisas.

  • A Guerra o pai de todas as coisas :Um vive a morte do outro, como o outro morre a vida do primeiro.No existiria sade sem doena, saciedade sem fome, entre os opostos h uma guerra constante mas tambm uma secreta harmonia.

  • Todos tem o lgos (pensamento, lgica, inteligncia...), em alguns est adormecido e limita-se ao pensamento imediato em outros utilizado de modo consciente e penetram profundamente na verdade.

  • Tudo se transforma:Nada e estvel e definitivo na natureza .No nos banhamos duas vezes no mesmo cada coisa esta submetida ao tempo e a transformao, mesmo o que parece parado na realidade mutvel

  • O Sol novo a cada diaA vida uma criana que brinca, que movimenta as peas de tabuleiro.

  • O princpio o fogo (ou o dinheiro)Tudo se origina no fogo e no fogo tudo se transforma, o fogo uma metfora de Herclito para o dinheiro pela sua capacidade de transformar uma coisa em outra .

  • Fundou uma seita mstica;Acreditava na reencarnao das almas;Faz parte da histria da filosofia pelo seu amor ao sabedoria o termo filosofia provavelmente foi inventado por ele.

  • Fundamento de todas as coisas est nos nmeros.O nmero no um ente abstrato, coincide com a matria e possui