Museu Carlos Ritter - Introdu§£o a Comunica§£o

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Introdução a Comunicação

Text of Museu Carlos Ritter - Introdu§£o a Comunica§£o

  • Museu de Cincias Naturais Carlos Ritter - UFPel

  • Rua Baro de Santa Tecla, 576, Centro, Pelotas Rio Grande do Sul

    Imagens: https://: maps.google.com.br

  • A pesquisa breve anlise do cenrio de estratgias, de elementos e formas em que trabalhado o vis

    comunicativo do Museu Histrico Natural Carlos Ritter, atravs de sua exposio, tida aquicomo uma mdia e produto museolgico de interface direta da instituio com a sociedade.

    por modelo comunicativo ela propicia o fato museal (relao de fundo comunicacional)identificado por Waldisa Russio Camargo Guarnieri, como existente na relao entre homem sujeito que conhece, objeto parte de uma realidade da qual o homem tambm participae cenrio ambiente institucionalizado: o museu.

    Campos de ao da museologia

    As atividades de carter comunicativo nos museus envolvem diretamente a exposio,educao e ao sociocultural (BRUNO, 1996).

    Observao foi feita atravs de um roteiro de visitao e demais informaes foram colhidasno momento da visita (setembro de 2014) com o tcnico responsvel pelo museu.

    comunicao

    preservaopesquisa

  • O museu Coleo de espcimes biolgicos do Pesquisador Carlos

    Ritter (1851 1926) e do Prof. Ceslau Maria Biezanko(1895-1985)

    Material doado para a Escola de Agronomia

    Museu montado fora da Escola de Agronomia em 1988

    O museu no possui sede prpria o que inviabilizainvestimentos.

    A recepo na entrada do museu compartilha o mesmoespao das exposies, sendo possvel perceber a ausnciade ttulos, divises de temas e tambm orientaosinalizada para visitao.

  • Entrad

    a

    reas de acolhimento, recepo e auditrio

    Exposies reas de salvaguarda e administrativa

    Acolhimento

    rea de reunies

    Auditrio

    Recepo

    Coleo Mastozoolgica e Herpetolgica

    Coleo Entomolgica

    Coleo Ornitolgica

    Coleo Osteolgica

    Depsitos

    Copa

    Mosaicos Entomolgicos

    Espao para exposies temporrias

  • Recepo

    Exposio e mezanino (fundo)Exposio, deposito, auditrio, laboratrio e copa (fundo)

  • Entrecruzamento com a teoria hipodrmica O principal produto do museu para a realizao de estudos de

    comunicao, so a partir da recepo das mdias que compe umaexposio.

    A exposio est dividida pela classificao cientifica e o nico elementode informao so as etiquetas que tambm oferecem dadoscatalogrficos.

    Em anlise a exposio do Museu Carlos Ritter, poderemos relaciona-la aomodelo hipodrmico, que nortearam as teorias e metodologias nasprimeiras dcadas do sculo XX, pois ainda permanece, nesta instituio, aadoo do visitante como um recipiente vazio no qual podem serinseridas informaes, (ALMEIDA & LOPES, 2003) considerando oreceptor como uma massa completamente homognea, desconsiderandoqualquer particularidade social, poltica, religiosa ou histrica. (...) todosos indivduos so pensados como equivalentes e presume-se que recebamas mensagens da mesma forma. (PORTO, s.d.)

  • Referncias LMEIDA, A. M., & LOPES, M. M. (jul/dez de 2003). Modelos de Comunicao aplicados a estudo de pblico de museus. Cincias

    Humanas, IX(12), 137-145.

    BRUNO, M. C. (1996). Museologia: Algumas Ideias para sua organizao disciplinar. Cadernos de Sociomuseologia, 9-33.

    DESVALLES, A., & MAIRESSE, F. (Eds.). (2013). Conceitos-chave da museologia. (B. B. SOARES, & M. X. CURY, Trads.) So Paulo: Pinacoteca do Estado, ICOM Brasil, 2013.

    DUARTE CNDIDO, M. M. (Julho de 2007). A funo social dos museus. (U. F. Sergipe, Ed.) Canind Revista do Museu de Arqueologia de Xing, IX, 169-187.

    FAUSTINO DA COSTA, A. R., MORAIS DE SOUSA, C., & MAZOCCO, F. J. ( jul./dez de 2010). Modelos de comunicao pblica da cincia: agenda para um debate terico-prtico. Conexo Comunicao e Cultura, IX(18).

    GASPAR, A. (1993). Museus e Centros de Cincias Conceituao e proposta de um Referencial Terico. Tese de Doutorado, Universidade de So Paulo, Faculdade de Educao, So Paulo.

    Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica. (s.d.). Rio Grande do Sul Pelotas. Acesso em 28 de Novembro de 2015, disponvel em Site do IBGE: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=431440

    LOUREIRO, J. M. (jan./abr de 2003). Museu de cincia, divulgao cientfica e hegemonia. Ciencia da Informao, XXXII(1), 88-95.

    Museu de Cincias Naturais Carlos Hitter. (s.d.). Histrico. Acesso em 28 de Novembro de 2015, disponvel em Site do MHNCR: http://www2.ufpel.edu.br/ib/mhncr/historico.htm

    POMIAN, K. (1984). Colees. In: Enciclopdia Einaudi, (Vols. I - Histria/Memria). Porto: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

    Portal de Noticias Terra. (17 de Novembro de 2010). Ipea: 70% da populao nunca foi a museu ou centro cultural. Acesso em 14 deNovembro de 2015, disponvel em http://noticias.terra.com.br/brasil/ipea-70-da-populacao-nunca-foi-a-museu-ou-centro-cultural,2a6c4bc92690b310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

    PORTO, G. (s.d.). Teoria Hipodrmica. Acesso em 30 de Novembro de 2015, disponvel em InfoEscola: http://www.infoescola.com/comunicacao/teoria-hipodermica/

    POSSAS, H. C. (2005). Classificar e ordenar: os gabinetes de curiosidades e a histria natural. Em B. G. FIGUEIREDO, & D. (. VIDAL, Museus do Gabinete de Curiosidades Museologia Moderna. Belo Horizonte: Argumentum.

    SEPLVEDA, L., & RANGEL, M. F. (2005). Colees que foram Museus, Museus sem Colees, afinal que relaes possveis? Em M. GRANATO, & C. P. SANTOS, Museus Instituio de Pesquisa. Rio de Janeiro: MAST.

    Wikipdia. (26 de Julho de 2014). Verbete: Museu de Historia Natural Carlos Riter. Acesso em 28 de Novembro de 2015, disponvel em Wikipdia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Museu_de_Hist%C3%B3ria_Natural_Carlos_Ritter