of 54/54
Sessão Esclarecimentos “Nova regulamentação do Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (Decreto-Lei nº 118/2013)” Francisco Passos Direção Auditoria Edifícios ADENE Organização: Caldas da Rainha, 29 de Maio de 2014

Sessão Esclarecimentos - oestecim.pt · Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Habitação (REH) Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Comércio

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Sessão Esclarecimentos - oestecim.pt · Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de...

Sesso Esclarecimentos

Nova regulamentao do Sistema Nacional de Certificao Energtica de Edifcios (Decreto-Lei n 118/2013)

Francisco Passos Direo Auditoria Edifcios ADENE

Organizao:

Caldas da Rainha, 29 de Maio de 2014

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Enquadramento legal

mbito de aplicao do DL 118/2013 de 20 Agosto

Principais requisitos regulamentares

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Consumo de energia n a Europa

O setor dos edifcios responsvel por cerca de 40%

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Consumo de energia em Portugal

Quase um tero da energia consumida nos edifcios

Fonte: DGEG. Balano energtico de 2011

Agricultura 3%

Industria 32%

Transportes 36%

Residencial 17%

Servios 12%

Energia Final Agricultura

2%

Industria 33%

Transportes 1%

Residencial 28%

Servios 35%

Energia Elctrica

Edifcios

29% da energia final

Edifcios

62% da energia eltrica

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE

Evoluo legislativa em Portugal

1990

Decreto-Lei 40/90 Regulamento das Caractersticas

de Comportamento Trmico dos

Edifcios (RCCTE)

1998

Decreto-Lei 118/98 Regulamento dos Sistemas

Energticos de Climatizao

em Edifcios (RSECE)

2006

Decreto-Lei 78/2006 Sistema Nacional de

Certificao Energtica e da

Qualidade do Ar Interior dos

Edifcios (SCE)

Decreto-Lei 79/2006 Regulamento dos Sistemas

Energticos de Climatizao

em Edifcios (RSECE)

Decreto-Lei 80/2006 Regulamento das

Caractersticas de

Comportamento Trmico dos

Edifcios (RCCTE)

2002

Diretiva 2002/91/CE Desempenho Energtico

dos Edifcios EPBD

2010

Diretiva 2010/31/UE Desempenho Energtico

dos Edifcios EPBD (reviso)

2013

Decreto-Lei 118/2013 Sistema de Certificao

Energtica dos Edifcios (SCE),

Regulamento de Desempenho

Energtico dos Edifcios

de Habitao (REH)

Regulamento de Desempenho

Energtico dos Edifcios de

Comrcio e Servios (RECS)

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE - Enquadramento legal

Convergncia num documento integrador

2006

Decreto-Lei 78/2006 Sistema Nacional de

Certificao Energtica e da

Qualidade do Ar Interior dos

Edifcios (SCE)

Decreto-Lei 79/2006 Regulamento dos Sistemas

Energticos de Climatizao

em Edifcios (RSECE)

Decreto-Lei 80/2006 Regulamento das

Caractersticas de

Comportamento Trmico dos

Edifcios (RCCTE)

2013

Decreto-Lei 118/2013 Sistema de Certificao

Energtica dos Edifcios

(SCE)

Regulamento de

Desempenho Energtico dos

Edifcios

de Habitao (REH)

Regulamento de

Desempenho

Energtico dos Edifcios de

Comrcio e Servios (RECS)

1. Separao clara dos mbitos:

REH(Habitao) + RECS (Comrcio e Servios)

2. Nova organizao / estrutura:

Eixos actuao vs Fases do edifcio

3. Edifcio/parmetros de referncia:

Definio de limites e requisitos

4. Auditorias energticas peridicas ECS :

1000 m2 ou 500 m2(tipologias especificas)

> 500 m2 e > 250 m2 a partir de 2015

(edifcios pblicos, ocupados por EP e visitados frequentemente pelo publico)

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE - Nova legislao do SCE 2013

Diplomas publicados

Decreto-Lei 118/2013 SCE / REH / RECS

Lei 58/2013 Tcnicos do SCE (requisitos e exerccio da atividade)

349-A/2013 SCE Funcionamento do SCE

349-B/2013 REH Requisitos de conceo e metodologias

349-C/2013 Licenciamento Procedimentos licenciamento e folhas de clculo

349-D/2013 RECS Requisitos de conceo e metodologia

353-A/2013 Ventilao e Qualidade Ar Interior Requisitos e metodologias

66/2014 SCE Formao dos tcnicos SCE e elegibilidade das ent. formadoras

15793-C/2013 Layout CE

15793-D/2013 Fatores converso (Fpu)

15793-E/2013 Regras simplificao

15793-F/2013 Dados climticos

15793-G/2013 Receo instalaes PM

15793-H/2013 Energia renovvel

15793-I/2013 Necessidades REH

15793-J/2013 Classif. energtica

15793-K/2013 Param. Trmicos

15793-L/2013 Viabilidade econm.

Po

rtari

as

Desp

ach

os

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Tcnicos

Municpios

Proprietrios

Promotores

Ordens Prof.

Mediadores Imobilirios

Notrios ASAE

Gesto

Superviso

Registo Central Envolvimento de diversos agentes

Emisso eletrnica em plataforma

informtica assegura recolha centralizada;

Produo de Certificado Energtico digital

em PDF.

SCE - Enquadramento legal

Organizao e funcionamento

Colaborador da ADENE + outras entidades

Portal Extranet / Intranet

Perito Qualificado

CE

em PDF

Informao

centralizada

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE - Enquadramento legal

Profissionais reconhecidos para exercer atividade de certificao

Corpo de tcnico qualificados

Inscritos nas Ordens Profissionais

Atuao disseminada em todo o territrio

nacional;

Recolha in-situ da informao para

avaliao do desempenho energtico.

Lei 58/2013

PQ RCCTE

PQ RSECE-Energia

PQ RESECE-QAI

PQ I

Habitaes(REH)

PESsC (RECS)

PQ II (RECS)

GES

PEScC

PESsC

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

O Sistema de Certificao Energtica dos edifcios

Aspetos chave do SCE nacional

Produo estatstica (certificados emitidos)

Quantificao do potencial de melhoria

90%

10%

Avaliao dos nveis de desempenho

do patrimnio

0,7%

4,7%

21,0%

12,9%

34,4%

14,2%

7,7%

2,1%

2,4%

A+

A

B

B-

C

D

E

F

G

AQS 29%

Climatizao 15%

Envolventes Opacas

19%

Energias Renovveis

20%

Vos Envidraados

12%

Ventilao 5%

Ano 2013 Ano 2011

112.409

Ano 2010

160.208

Ano 2009

77.294

Ano 2012

83.693

189.613

CE

CE/DCR

DCR

Habitao

Servios

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Enquadramento legal

mbito de aplicao do DL118/2013 de 20 Agosto

Principais requisitos regulamentares

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Artigo 3 - ponto 1

Edifcios Novos Pedido de Licena ou autorizao/construo

Edifcios sujeitos a Grande Interveno Pedido de Licena ou autorizao/construo

Artigo 3 - ponto 3

Edifcios de Comrcio e Servios rea til superior a 1000m2 ou 500m2

Edifcios Pblicos Propriedade pblica, ocupados por uma entidade

pblica e frequentemente visitados e rea til

superior a 500 m2

Artigo 3 - ponto 4

Todos os edifcios Sempre que entrem em processo de venda,

ou locao (arrendamento)

SCE mbito de Aplicao Positivo

Decreto-Lei 118/2013 de 20 de agosto

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE Quando verificvel?

Existncia do certificado energtico verificada em todos os processos

Controlo prvio de

operaes urbansticas

Celebrao de contratos

de compra/venda/locao

(usualmente pelos

Servios Camarrios)

(consignao no nmero do

certificado nos contratos)

Fiscalizao das

atividades econmicas

(pelas autoridades

administrativas competentes)

Dever de comunicao Entidade Gestora quando no seja

evidenciada a existncia de certificado energtico

Artigo 5 - ponto 2 a) Artigo 5 - ponto 2 b) Artigo 5 - ponto 2 c)

Artigo 5 - ponto 3

O pr-certificado e o certificado SCE so considerados certificaes tcnicas para efeitos do disposto no n 7 do artigo 13 do RJUE (sendo obrigatrias na instruo de operaes urbansticas);

Artigo 5 - ponto 1

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE Objeto de Certificao

Certificao energtica por frao

REH - Edifcios de habitao

1 Certificado Energtico (CE) por frao

1 CE por frao prevista vir a existir aps constituio em PH

1 CE para a totalidade do edifcio Apenas possvel se todas as fraes estiverem certificadas.

Mecanismo voluntrio - Relevante nos casos de promoo

do edifcio como um todo, se o proprietrio assim entender.

Definio de Frao A unidade mnima de um edifcio, com sada prpria para

uma parte de uso comum ou para a via pblica,

independentemente da constituio de propriedade

horizontal;

Artigo 6 - ponto 1

Artigo 6 - ponto 2

Artigo 6 - ponto 3

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

RECS - Edifcios de comrcio e servios

Critrio de deciso

Frao + Sistema de Climatizao (SC)

Artigo 6 - ponto 4

Fraes servidas por SC centralizados

dispensadas

Fraes sem sistemas ou com SC

individuais tem certificado individual

Exemplo Edifcio comercial (13 fraes 8 certificados)

Certificado 1 Frao n. 1

Certificado 2 Frao n. 2 a 7

Certificado 3 Frao n. 8

Certificado 8 Frao n. 13

Sistema de climatizao centralizado

Sistema de climatizao individual

Exemplo:

n Frao

SCE Objeto de Certificao

Certificao energtica por frao

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

No mbito do REH

1. Titular do direito de propriedade.

Adicionalmente e no mbito do RECS

Pode ser titular de outro direito de gozo sobre um edifcio ou

frao, desde que:

2. Detenha tambm o controlo dos sistemas de

climatizao e respetivos consumos

3. Seja o credor contratual do fornecimento de energia,

exceto nas ocasies de nova venda, dao em cumprimento ou

locao pelo titular do direito de propriedade;

A responsabilidade de emisso do CE do proprietrio

Definio de Proprietrio

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE - Proprietrio

Obrigaes

Artigo 14

Obter o pr-certificado (PCE)

Obter o certificado SCE e nos termos do RECS a sua renovao

No caso de Grandes Edifcios de Servios (GES) Dispor de Tcnico de Instalao e Manuteno para os sistemas tcnicos;

Assegurar o cumprimento do Plano de Manuteno (quando aplicvel);

Submeter ao SCE, por via de um Perito Qualificado, eventual Plano de

Racionalizao Energtica;

Facultar ao PQ, a consulta dos elementos necessrios certificao

Na venda e locao de edifcios Indicar classe energtica nos anncios publicados;

Entregar o certificado nos atos de celebrao de contrato-promessa e contrato

Afixar o certificado energtico em local visvel e destaque

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Publicitao da classe energtica

Novas exigncias nos anncios dos imveis

Incluso da classe energtica nos anncios Todos os edifcios em processo de venda ou locao

Numero do certificado - Profissionais podem aceder

BD do SCE e obter informao validada Webservice fornece informao diversa

Manual de normas grficas para publicitao De implementao facultativa pretende contribuir para a

uniformizao da informao prestada ao consumidor

Proprietrios e promotores solidrios na obrigao A obrigao de publicitao reca tanto no proprietrio como na

entidade que promove a venda

Artigo 14 - ponto 1 - f)

Artigo 14 - ponto 2

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Afixao do Certificado Energtico

Novas exigncias

Edifcios de Comrcio e Servios,

Novos e sujeitos a Grande Interveno rea til superior a 500m2 **

Edifcios de Comrcio e Servios e os Edifcios

Pblicos

Edifcios sujeitos a auditorias peridicas rea til superior a 500m2 **

Restantes edifcios de Comrcio e Servios Sempre que entrem em processo de venda, ou locao

(arrendamento) e com rea til superior a 500m2 **

** 250 m2 a partir de 1 de julho 2015.

Artigo 8 - ponto 1 - a)

Artigo 8 - ponto 1 - b)

Artigo 8 - ponto 1 - c)

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Habitao

Pequeno Edifcio

Comrcio e Servios (PES)

Grande Edifcio

Comrcio e Servios (GES)

3 tipos 2 modelos Validade

PCE (*) 10 anos

CE 10 anos

Artigo 15

(*) Caduca com a licena

ou autorizao de construo

PES 10 anos

GES 6 anos

Aspetos particulares de RECS:

Em tosco 1 ano (A)

Sem PM 1 ano (B)

Com PRE 6 anos (B)

Devolutos 1 ano (A)

Definies:

PM Plano de Manuteno

PRE Plano de Racionalizao Energtica

(A) Prorrogvel mediante solicitao ADENE

(B) No prorrogvel

SCE Modelos e validades dos documentos

Tipos e validade dos pr-certificados (PCE) e certificados SCE (CE)

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Enquadramento legal

mbito de aplicao do DL118/2013 de 20 Agosto

Principais requisitos regulamentares

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Comportamento

Trmico Eficincia

Sistemas Princpios gerais

Novos

Grandes

intervenes

Existentes

Req

uis

ito

s

esp

ecf

ico

s

Regulamento de desempenho Energtico dos edifcios de Habitao (REH)

Requisitos exigidos ao nvel de 2 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de habitao

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Requisitos ao nvel de 2 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de habitao

Requisitos energticos:

Limitao de necessidades para aquecimento;

Limitao de necessidades para arrefecimento;

Requisitos de qualidade:

Qualidade trmica da envolvente opaca Minimizao de ocorrncia de patologias

Fatores solares de envidraados Minimizao de sobreaquecimento dos espaos;

Requisitos de ventilao:

Numero de renovaes mnimas do ar interior

[caudal mnimo de 0,4 renovao por hora]

Edifcios

Novos

Comportamento

Trmico

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Requisitos ao nvel de 2 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de habitao

Requisitos sobre sistemas tcnicos:

Requisitos gerais Projeto, Conceo, Controlo, Manuteno

Requisitos de eficincia

Sistemas solares trmicos

Instalao obrigatria Critrios de dimensionamento revistos coletor padro;

Possibilidade de substituio por outros sistemas Admitindo uma produo equivalente para AQS;

Requisitos energticos:

Limitao das necessidades de energia primria

Edifcios

Novos

Eficincia

Sistemas

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Requisitos ao nvel de 2 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de habitao

Requisitos energticos diferenciados em funo da poca construtiva

Grandes

intervenes

Comportamento

Trmico

Ano de construo Aquecimento Arrefecimento

Anterior a 1960 Sem limite Sem limite

Entre 1960 e 1990 at + 25% QUE O LIMITE NOVOS

at + 25% QUE O LIMITE NOVOS

Posterior a 1990 at + 15% QUE O LIMITE NOVOS

at + 15% QUE O LIMITE NOVOS

Requisitos de qualidade - Apenas aplicveis aos elementos a intervencionar (envolvente opaca e envidraados)

Requisitos de ventilao - Nmero de renovaes mnimas do ar interior

Dispensa de requisitos - Mediante justificao e sem que haja

agravamento do desempenho energtico do edifcio

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Requisitos ao nvel de 2 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de habitao

Requisitos sobre sistemas tcnicos:

Iguais aos aplicveis aos edifcios novos

Sistemas solares trmicos

Instalao obrigatria - quando sistemas de produo

e de distribuio de AQS sejam parte da interveno

Possibilidade de substituio por outros sistemas Admitindo uma produo equivalente para AQS;

Requisitos energticos:

Limite das necessidades de energia primria

flexibilizados em 50% (face aos edifcios novos)

Grandes

intervenes Eficincia

Sistemas

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Princpios gerais Eficincia

Sistemas

Novos

Grandes

intervenes

Existentes

Req

uis

ito

s

esp

ecf

ico

s

Regulamento de desempenho Energtico dos edifcios de Comrcio e

Servios (RECS)

Qualidade

Ar Interior

Instalao

Conduo Manuteno

1) Por via do cumprimento de caudais mnimos de ar novo

2) Limiares de proteo para as concentraes de poluentes do ar interior

1)

1)

2)

Comportamento

Trmico

SCE Requisitos exigidos ao nvel de 4 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de comrcio de servios

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Generalidade dos requisitos semelhantes aos aplicveis aos edifcios

de habitao (REH)

Requisitos de qualidade:

Qualidade trmica da envolvente opaca

Fatores solares de envidraados

Requisitos sobre sistemas tcnicos:

Requisitos gerais

Requisitos de eficincia

Edifcios

Novos

Comportamento Trmico

Grandes

intervenes

Eficincia Sistemas

SCE Requisitos exigidos ao nvel de 4 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de comrcio de servios

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Valores mnimos de caudal de ar novo determinados para

cada espao do edifcio;

Ventilao dos espaos com recurso a meios naturais, a

meios mecnicos ou a uma combinao dos dois;

Qualidade Ar

Interior

Edifcios

Novos

Valores mnimos de caudal de ar novo de acordo com o

estabelecido para edifcios novos;

No caso de incompatibilidades, possibilidade de reduo

em 30%;

Grandes intervenes

Todos os

edifcios

Sujeitos ao cumprimento dos limiares de proteo e

condies de referncia dos poluentes a definir em Portaria, a

garantir por parte do proprietrios;

SCE Requisitos exigidos ao nvel de 4 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de comrcio de servios

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Instalao

Conduo

Manuteno

Instalao de sistemas de climatizao - feita por

equipa que integre um Tcnico de Instalao e

Manuteno (TIM).

Manuteno dos edifcios atravs de um TIM

que garanta a correta manuteno do edifcio e dos

seus sistemas tcnicos, supervisione as atividades

realizadas nesse mbito e assegure a gesto e

atualizao de toda a informao tcnica relevante.

Plano de manuteno - sistemas tcnicos (>250kW)

(*) Em funo do limiar de 25kW de potncia nominal de climatizao

Edifcios

Novos (*)

Grandes (*) intervenes

Todos os

edifcios (*)

SCE Requisitos exigidos ao nvel de 4 eixos de atuao

Decreto-Lei 118/2013 - Edifcios de comrcio de servios

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Determinao do indicador de eficincia energtica

Desempenho energtico - Condies reais vs referncia

Edifcio real Edifcio de referncia

vs

Envolvente Valores de referncia para as componentes do edifcio;

Sistema Tcnicos Referncia por tipo de ST / Forma de energia / EP;

Energia renovvel Contributo inexistente nas condies de referncia;

Restantes condies de referncia - Ausncia de solues de eficincia

energtica (recuperao de calor, caudais variveis, etc)

EP-Energia primria

Novo modelo de avaliao do desempenho energtico

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE Novo Layout

O novo Certificado Energtico - 1 Certificado 2 targets

Informao simplificada

Incorporao de referenciais

Indicadores qualitativos

Medidas de melhoria

Recomendaes

Definies

Informao detalhada

Resumos de indicadores

Verificao de requisitos

Melhor agregao da informao

Medidas de melhoria

Previso de consumos

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE Novo Layout

O novo Certificado Energtico - Uma pea de comunicao

Identificao do

certificado e validade

Clara identificao

do edifcio

Maior expresso da

etiqueta energtica

Classes de desempenho

de A+ a F

Introduo de referenciais

Consumo nominal de

energia de referncia e

do edifcio por uso

Quantidade de energia

renovvel por uso

Nvel de eficincia

para cada uso

+ eficiente / - eficiente Contributo de energia

renovvel no edifcio

Emisses de CO2

estimadas

Pgina 1

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE Novo Layout

O novo Certificado Energtico - Uma pea de comunicao

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

35

SCE

SESSO DE

PERGUNTAS & RESPOSTAS

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE - Enquadramento legal

Regime Transitrio (DL 118/2013)

Artigo 53 - Regime transitrio

2 No caso de edifcios cujo projeto de arquitetura d entrada na entidade

licenciadora antes da entrada em vigor do presente diploma:

a) dispensada, por solicitao do interessado, a aplicao das normas

previstas no presente diploma em sede de REH e de RECS para edifcios

novos ou sujeitos a grande interveno, sem prejuzo da obrigao de

incluso no processo de licenciamento de demostrao do cumprimento

dos requisitos aplicveis, decorrentes da legislao vigente data do

respetivo licenciamento, ou do cumprimento dos requisitos ser atestado

por termo de responsabilidade subscrito por tcnico autor de projeto

legalmente habilitado;

b) Para efeitos do SCE, e no que respeita exclusivamente determinao

da classe energtica do edifcio, o mesmo no se encontra limitado s

classes exigidas para edifcios novos ou sujeitos a grandes intervenes.

Como concluir um processo que teve inicio antes da

entrada em vigor do DL 118/2013?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

O processo de controlo prvio tem inicio antes de 4 de Julho de 2006:

Arquitetura aprovada antes de 4 de Julho de 2006;

Especialidade entregue, de acordo com a legislao em vigor (DL 40/90 ou 118/98)

Sem Declarao de Conformidade regulamentar (DCR). SCE no aplicvel

A partir de

Julho 2006 At 1 Dez

de 2013

A partir de 1

Dez de 2013

Anterior a

Julho de 2006

TR Autor de projeto

TR Diretor de obra

Certificado Energtico

Fase

Licena de edificao Fase

Autorizao de utilizao

TR - Termo de responsabilidade

(DL 40/90 ou 118/98)

(tipo existente qualquer classe energtica)

(No considerado)

A definir pelo Municpio (entidade licenciadora)

SCE - Enquadramento legal

Como concluir um processo que teve inicio antes da entrada em vigor do DL 118/2013?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

SCE - Enquadramento legal

Como concluir um processo que teve inicio antes da entrada em vigor do DL 118/2013?

O processo de controlo prvio tem inicio entre Julho/06 e Dezembro/13

Arquitetura aprovada aps 4 de Julho de 2006;

Especialidade entregue, de acordo com a legislao em vigor (DL 79/2006 ou 80/2006)

Com ou sem Declarao de Conformidade Regulamentar (antes ou depois do SCE)

A partir de

Julho 2006

6 meses

antes de Dez

de 2013

1Dez de

2013

Anterior a

Julho de 2006

TR Autor de projeto

TR Diretor de obra

Certificado Energtico

Fase

Licena de edificao

Fase

Autorizao de utilizao

TR - Termo de responsabilidade Necessrio para efeito de emisso de certificado energtico

(DL 79/2006 ou 80/2006)

(tipo existente qualquer classe energtica)

Projeto de especialidade

Com ou sem DCR (DL 79/2006 ou 80/2006)

A definir pelo Municpio (entidade licenciadora)

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

O processo de controlo prvio tem incio 6 meses antes de Dezembro/13

Arquitetura aprovada 6 meses antes de 1 de Dezembro 2013;

Hiptese A Entrega de especialidades antes de 1 de Dezembro 2013

Hiptese B Entrega de especialidades aps 1 de Dezembro 2013

A partir de

Julho 2006

6 meses

antes de Dez

de 2013

Dez de

2013

Anterior a

Julho de 2006

Fase - Licena de edificao

Hiptese A

Projeto de especialidade

Com DCR (DL 79/2006 ou 80/2006)

Hiptese B1

Pedido de dispensa

Projeto de especialidade

Sem DCR ou PCE (DL 79/2006 ou 80/2006)

Hiptese B2

Projeto de especialidade

Com PCE (DL 118/2013) (da aplicao do DL118/2013)

A definir pelo Municpio (entidade licenciadora)

Figura DCR revogada

Figura PCE s para DL 118/2013

SCE - Enquadramento legal

Como concluir um processo que teve inicio antes da entrada em vigor do DL 118/2013?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

O processo de controlo prvio tem incio 6 meses antes de Dezembro/13

Arquitetura aprovada 6 meses antes de 1 de Dezembro 2013;

Hiptese A Entrega de especialidades antes de 1 de Dezembro 2013

Hiptese B Entrega de especialidades aps 1 de Dezembro 2013

A partir de

Julho 2006

6 meses

antes de Dez

de 2013

Dez de

2013

Anterior a

Julho de 2006

Fase - Autorizao de utilizao

Necessrio para efeito de emisso de certificado energtico

Hiptese A Hiptese B1 Hiptese B2

A definir pelo Municpio (entidade licenciadora)

TR Autor de projeto

TR Diretor de obra

Certificado Energtico

(DL 79/2006 ou 80/2006)

(tipo existente qualquer classe energtica)

TR Autor de projeto/Obra

TR Diretor de obra

Certificado Energtico

(DL 79/2006 ou 80/2006)

(tipo existente qualquer classe energtica)

TR Diretor de obra

Certificado Energtico (Mnimo: novo B-, Grande interv. C)

(Portaria 349-C/2013)

Ficha n. 2 (Portaria 349-C/2013)

SCE - Enquadramento legal

Como concluir um processo que teve inicio antes da entrada em vigor do DL 118/2013?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

O processo de controlo prvio aps 1 de Dezembro/13

Arquitetura entregue aps de 1 de Dezembro 2013;

A partir de

Julho 2006

6 meses

antes de Dez

de 2013

Dez de

2013

Anterior a

Julho de 2006

TR Autor de projeto

Projeto de especialidade

Com PCE (Mnimo: novo B-, Grande interv. C)

TR Diretor de obra

Certificado Energtico (Mnimo: novo B-, Grande interv. C)

(Portaria 349-C/2013)

Ficha n. 2 (Portaria 349-C/2013)

Fase

Autorizao de utilizao

Fase

Licena de edificao

(Portaria 349-C/2013)

(Portaria 349-C/2013)

SCE - Enquadramento legal

Como concluir um processo que teve inicio antes da entrada em vigor do DL 118/2013?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Esto excludos do REH:

Artigo 23 - mbito de aplicao

3 Excluem-se do mbito do REH os seguintes edifcios e situaes

particulares:

a) Edifcios no destinados a habitao;

b) Monumentos e edifcios individualmente classificados ou em vias de

classificao (DL 115/2011 e 265/2012), e aqueles a que seja reconhecido

especial valor arquitetnico ou histrico pela entidade licenciadora ou outra

entidade competente;

c) Os edifcios integrados em conjuntos ou stios classificados ou em vias de

classificao, ou situados dentro de zonas de proteo (DL 115/2006 e

265/2012), quando seja atestado pela entidade licenciadora, ou por outra

entidade competente, nas situaes em que o cumprimento dos requisitos

mnimos suscetvel de alterar de forma inaceitvel o seu carater ou aspeto.

SCE - Enquadramento legal

Que edifcios esto excludos do mbito do REH?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Esto excludos do RECS:

Artigo 33 - mbito de aplicao

3 Excluem-se do mbito do RECS os seguintes edifcios e situaes

particulares:

a) Edifcios destinados a habitao;

b) Instalaes industriais, agrcolas ou pecurias (licenciado para estes usos);

c) Edifcios utilizados como local de culto ou para atividades religiosas

(licenciados para estes usos);

d) Edifcios ou fraes, destinados a armazns, estacionamentos, oficinas e

similares (licenciado para estes usos);

e) Monumentos e edifcios individualmente classificados .

f) Os edifcios integrados em conjuntos ou stios classificados .

SCE - Enquadramento legal

Que edifcios esto excludos do mbito do RECS?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Esto excludos do SCE:

Artigo 4 - mbito de aplicao negativo

3 Excluem-se do mbito do SCE os seguintes edifcios e situaes

particulares:

a) Instalaes industriais, agrcolas ou pecurias. Nota ADENE/DGEG: sempre que o licenciamento se enquadre nestes usos;

b) Edifcios utilizados como local de culto ou para atividades religiosas. Nota ADENE/DGEG: Para os edifcios em que a prtica de culto a atividade principal. Se o local de

culto se inserir num edifcio que desenvolve outras atividades, essas atividades podero estar

sujeitas ao SCE;

c) Edifcios ou fraes, exclusivamente destinados a armazns,

estacionamentos, oficinas ou similares.

SCE - Enquadramento legal

Nota ADENE/DGEG: Consideram-se igualmente excludas as

zonas administrativas de apoio s atividades referidas nas alneas

a), b) e c) , desde que faam parte integrante do edifcio.

Que edifcios esto excludos do mbito do SCE?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Esto excludos do SCE:

Artigo 4 - mbito de aplicao negativo

3 Excluem-se do mbito do SCE os seguintes edifcios e situaes

particulares:

d) Os edifcios unifamiliares com rea til de pavimento igual ou inferior a 50 m2.

Esto igualmente dispensados da verificao dos requisitos REH,

nos termos do ponto 6 art 26 e 27.

Definio de rea interior til da pavimento: o somatrio das reas medidas em

planta pelo permetro interior, de todos os espaos interiores teis pertencentes ao

edifcio ou frao em estudo no mbito do REH.

SCE - Enquadramento legal

Que edifcios esto excludos do mbito do SCE?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Esto excludos do SCE:

Artigo 4 - mbito de aplicao negativo

3 Excluem-se do mbito do SCE os seguintes edifcios e situaes

particulares:

f) Edifcios em runas

Definio Edifcio em runas: edifcio existente com tal degradao da sua

envolvente que, para efeito do presente diploma, fica prejudicada, total ou parcialmente ,

a sua utilizao para os fins a que se destina, como comprovado por declarao da

cmara municipal respetiva ou pelo perito qualificado, cumprindo a este proceder ao

respetivo registo no SCE.

SCE - Enquadramento legal

Para discusso:

Que tipo de declarao so emitidas pelos Municpios e em que

circunstncias?

Que edifcios esto excludos do mbito do SCE?

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Alnea gg) artigo 2 DL118/2013

Grande Interveno: a interveno em edifcios que no resulte na

edificao de novos corpos e em que se verifique:

a) O custo da obra relacionada com a envolvente ou com os sistemas tcnicos,

preexistentes, seja superior a 25% do valor da totalidade do edifcio, com excluso

do valor do terreno onde est implantado, ou;

b) Tratando-se de uma ampliao, o custo da parte ampliada exceder em 25% do valor

do edifcio existente.

Interveno: Para efeito de determinao do valor do edifcio, a rea a considerar nos

clculos a rea total de construo (ou da totalidade das fraes);

Ampliao: Para efeito de determinao do valor do edifcio, a rea a considerar nos

clculos a rea total de construo (ou da totalidade das fraes) ou rea interior til

para efeito de edifcios no mbito do RECS;

Preo por m2: Definido na Portaria n 353/2013, 4 de dezembro. (CB zona III) - 634,41

SCE - Enquadramento legal

Grande Interveno no DL 118/2013

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Relao entre o SCE e a Grande Interveno:

Se a interveno ou ampliao se configurar como uma Grande

Interveno:

O edifcio/frao fica sujeito ao SCE, sendo necessrio emitir um PCE em fase

de licena de edificao e um CE em fase de autorizao de utilizao, para a

totalidade do edifcio/frao, quer a interveno seja total ou parcial, ficando o

edifcio sujeito aos requisitos do REH ou do RECS;

Se a interveno ou ampliao no se configurar como Grande

Interveno:

O edifcio/frao no fica sujeito ao SCE, REH E RECS (pese embora seja

recomendvel que tenham estes em considerao).

SCE - Enquadramento legal

Grande Interveno no DL 118/2013

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Ampliao que d origem a um novo Corpo

Se a ampliao de um novo corpo se configurar como uma Grande

Interveno:

O corpo ampliado deve cumprir com os requisitos da envolvente (artigo 28 ou

artigo 42 do DL 118/2013), e o edifcio na sua globalidade fica sujeito ao SCE,

sendo necessrio emitir um PCE em fase de licena de edificao e um CE em

fase de autorizao de utilizao, ficando o mesmo sujeito aos requisitos do

REH ou do RESC;

Se a ampliao de um novo corpo no se configurar como Grande

Interveno:

O edifcio/frao no fica sujeito ao SCE, REH e RECS (pese embora seja

recomendvel que tenham estes em considerao).

SCE - Enquadramento legal

Grande Interveno no DL 118/2013

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

50

Constitui uma OBRIGAO, que os processos de certificao energtica realizados

pelos tcnicos SCE (PQ1 e PQ 2)

Lei n 58/2013, 20 de agosto

Artigo 6. Deveres profissionais

2 - Constitui dever profissional dos tcnicos do SCE o exerccio das suas funes em

condies que garantam a sua total independncia e a ausncia de conflitos de interesses,

nomeadamente no exercendo a sua atividade relativamente a edifcio de que seja

proprietrio ou arrendatrio ou para o qual tenha subscrito ou preveja vir a subscrever projeto

de arquitetura ou de especialidade, termo de responsabilidade na qualidade de diretor de obra

ou de diretor de fiscalizao ou que, no obstante no subscreva qualquer termo de

responsabilidade, integre ou preveja integrar a equipa de direo de obra ou de direo de

fiscalizao de obra.

Iseno nos atos de certificao SCE - Enquadramento legal

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Artigo 15 - Concluda a obra o PCE converte-se em CE mediante a apresentao

de termo de responsabilidade do autor do projeto e do diretor tcnico atestando

que a obra foi realizada de acordo com o projeto (PCE)

SCE - Enquadramento legal

Pr-certificado converte-se em certificado SCE

Atravs do

portal SCE

PQ converte e atualiza a

informao do PCE para o CE :

a) Termos de responsabilidade do

autor de projeto e diretor tcnico

b) Catlogos, certificados, entre outros

elementos que melhor caracterizem

os componentes e sistemas tcnicos

instalados;

c) Resultados de eventuais relatrios ou

ensaios realizados;

d) Restante informao recolhida de

suporte ao processo de certificao

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Os PQ acedem a esta plataforma atravs de credencias, garantindo a

segurana do procedimento.

Os documento emitidos pelos PQ na plataforma do SCE, so

disponibilizados em formato PDF, assinados digitalmente pela ADENE e

com protees de segurana.

SCE - Enquadramento legal

Assinatura Digital

A estes documentos no possvel

adicionar outras assinaturas digitais,

devendo o PDF ser aceite com a

assinatura da ADENE.

De momento o PDF disponibilizado no

se encontra abrangido pela norma PDF/A

(em adaptao).

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

Prximos passos

A ADENE encontra-se a desenvolver ferramentas que permitam aos Municpios

desempenhar um papel mais ativo no mbito do SCE.

Destacam-se as seguintes funcionalidades a desenvolver:

Consulta de processos de certificao energtica e edifcios;

Consulta de legislao e restante documentao de apoio certificao

energtica de edifcios;

Canal dedicado para troca de informao ou questes com a ADENE e

relacionada com os processos de certificao energtica de edifcios;

Dados estatsticos de diversa natureza relacionados com a energia e os

edifcios, para o Municpio e Distrito onde este se encontra localizado.

Outros. (a discutir)

SCE - Enquadramento legal

A

de

ne

A

ge

ncia

pa

ra a

En

erg

ia. R

ep

rod

u

o P

roib

ida

, se

m a

uto

riza

o e

xp

ressa

. | ww

w.a

de

ne

.pt

54

Contatos

Obrigado pela ateno dispensada.

Centro Servio a clientes (tel.214 722 800)

[email protected]

www.adene.pt

http://www.adene.pt/