Click here to load reader

X:1 TiposGeradosProvaGeradasWPDTCDF14 CBNS01 01 · dos sentidos e avalia os trade-offs entre recompensas abstratas, ... sonhos secretam o futuro. ... é correta a utilização do

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of X:1 TiposGeradosProvaGeradasWPDTCDF14 CBNS01 01 · dos sentidos e avalia os trade-offs entre...

  • ||TCDF14_CBNS01_01N147372|| CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicao: 2014

    De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com

    o cdigo C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o cdigo E, caso julgue o item ERRADO. A ausncia de marcao ou

    a marcao de ambos os campos no sero apenadas, ou seja, no recebero pontuao negativa. Para as devidas marcaes, use a folha de

    respostas, nico documento vlido para a correo das suas provas objetivas.

    CONHECIMENTOS BSICOS

    Empossado na prefeitura carioca, Negro de Lima1arregalou os olhos quando os tcnicos em urbanismoinformaram-lhe que havia oito milhes de ratos na cidade.Perguntou: Como que vocs contaram?4

    A respeito de certos eventos, a mdia tambm chutanmeros astronmicos. Agora, na visita do papa, a informaogeral foi a de que, na praia de Copacabana, havia trs milhes7de peregrinos em uma das cerimnias. Recebi de um leitoruma carta esclarecedora:

    Praia de Copacabana. Comprimento: 4.000 metros.10Largura mdia: 100 metros. A mdia local contagiou a mdiaestrangeira, mantendo, em unssono, que trs milhes de fiisestavam na praia, todinhos ao mesmo tempo! Sem descontar os13obstculos que diminuem a rea total (palco, restaurantes,quiosques etc.), o simples clculo que, se a densidade mdiade cada m2 da rea fosse de trs pessoas por m2, o total de16pessoas poderia chegar a 1,2 milho.

    Segundo o clculo de um pesquisador consultado,havia, nesse dia, 560.000 pessoas, margem de 30.000 para mais19ou para menos.

    Em 1964, quando lancei na Cinelndia um livro comas crnicas que escrevia no Correio da Manh contra o22regime militar, o jornal informou que havia 3.000 pessoas napraa. Os jornais que apoiavam a ditadura garantiram que shavia 18 gatos-pingados.25

    Carlos Heitor Cony. Folha de S.Paulo, 4/8/2013 (com adaptaes).

    Julgue os itens a seguir, relativos a aspectos gramaticais e ideiasdesenvolvidas no texto acima.

    1 As informaes fornecidas no texto so suficientes para seinferir que, no Brasil, a maioria da mdia impressa apoiou ogolpe militar de 1964.

    2 Uma forma correta de reescrita do trecho iniciado pelaconjuno temporal quando (R.2) a seguinte: ao serinformado pelos tcnicos em urbanismo que existia oitomilhes de ratos na cidade do Rio de Janeiro.

    3 Suprimindo-se a expresso de realce, utilizando-se ainterrogao indireta e atendendo-se s exigncias gramaticais,o ltimo perodo do primeiro pargrafo poderia ser assimreescrito: Perguntou-lhes como os haviam contado.

    4 No segundo pargrafo do texto, o autor explicita seu descrditoem relao informao de que havia 8 milhes de ratos noRio de Janeiro.

    5 Sem que se contrariem o sentido original e a correogramatical do texto, estaria correta a seguinte substituio dotrecho Sem descontar (...) 1,2 milho (R.13-17):Considerando, sem obstculos, que cada m2 da rea livre foraocupado por trs pessoas, verifica-se que o total de pessoas foi,no mximo, de 1,2 milho.

    Na trajetria de cada indivduo, a faculdade de antever1

    o futuro e o autocontrole necessrio para agir no tempo

    dependem de um equipamento cerebral e mental que se

    constitui nas etapas formativas do ciclo de vida. 4

    A disposio de usar essa faculdade, entretanto, varia

    de forma significativa entre os indivduos. A formao de

    preferncias temporais em distintos campos da vida prtica 7

    sade, educao, carreira profissional, finanas, relaes

    afetivas, previdncia, prticas religiosas um assunto de

    extraordinria complexidade e que dever continuar desafiando10

    a engenhosidade humana por muito tempo ainda.

    No sempre renovado embate entre a impulsividade da

    cigarra lmbica e o clculo prudente da formiga pr-frontal, o13

    resultado no est dado de antemo. Enquanto uma se agarra

    ao momento fugaz e deixa que o amanh cuide de si (no

    caminho da oficina, h um bar em cada esquina), a outra16

    procura uma posio neutra em relao ao que est ao alcance

    dos sentidos e avalia os trade-offs entre recompensas abstratas,

    inclusive aquelas que se espera obter e desfrutar em prazos19

    mais longos (como a manuteno do emprego, o salrio no fim

    do ms e o sucesso profissional).

    Eduardo Giannetti. O valor do amanh: ensaio sobre a natureza dos

    juros. So Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 51-3 (com adaptaes).

    Com base nas ideias e nos aspectos lingusticos do texto acima,

    julgue os itens subsequentes.

    6 Mantendo-se a informao original e a correo gramatical do

    texto, a ltima orao do segundo pargrafo (R.10-11) poderia

    ser substituda pela seguinte estrutura: e de contnuo desafio

    engenhosidade humana por muito tempo ainda.

    7 No terceiro pargrafo, na referncia fbula da cigarra e da

    formiga, o autor do texto esclarece o sentido, no texto, da

    expresso preferncias temporais (R.7).

    8 Sem prejuzo das relaes semntico-sintticas entre as

    oraes, as duas primeiras oraes do ltimo perodo do texto,

    Enquanto uma (...) cuide de si (R.14-15), poderiam ser assim

    estruturadas: medida que a primeira prioriza o momento

    efmero, em detrimento do futuro.

    9 Sem que se contrariem a informao expressa no primeiro

    perodo do texto e a prescrio gramatical, a forma verbal

    dependem (R.3) poderia estar flexionada na 3.a pessoa do

    singular, concordando com o ncleo nominal faculdade (R.1),

    como comprova, no processo de coeso textual, o emprego da

    expresso essa faculdade (R.5) no segundo pargrafo.

    1

  • ||TCDF14_CBNS01_01N147372|| CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicao: 2014

    Existem trs formas bsicas por meio das quais1podemos preencher o vcuo interrogante do porvir. A previsolida com o provvel e responde pergunta: o que ser? Adelimitao do campo do possvel lida com o exequvel e4responde pergunta: o que pode ser? E a expresso da vontadelida com o desejvel e responde pergunta: o que sonhamosser?7

    As relaes entre esses modos de conceber o futurono so triviais. De um lado, est a lgica: o desejvel precisarespeitar a disciplina do provvel e do possvel. Mas, do outro10lado, est o sonho. Se o sonho desprovido de lgica frvolo,a lgica desprovida de sonho deserta. Quando a criao donovo est em jogo, resignar-se ao provvel e ao exequvel 13condenar-se ao passado e repetio. No universo das relaeshumanas, o futuro responde fora e ousadia do nossoquerer. A capacidade de sonho fecunda o real, reembaralha as16cartas do provvel e subverte as fronteiras do possvel. Ossonhos secretam o futuro.

    Eduardo Giannetti. O valor do amanh: ensaio sobre a natureza dos

    juros. So Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 277 (com adaptaes).

    Com relao aos aspectos sintticos e semnticos do texto acima,julgue os itens subsequentes.

    10 Depreende-se a seguinte relao entre os conceitos abordadosno texto: os sonhos, porque secretam o futuro (R.18), noprojetam o exequvel no processo de criao do novo(R.12-13).

    11 Dado que, na expresso o vcuo interrogante do porvir (R.2),os termos interrogante e do porvir especificam o mesmoncleo nominal, o sentido da expresso seria mantido caso aposio desses elementos fosse a seguinte: o vcuo do porvirinterrogante.

    12 Com base na relao de condicionalidade expressa no perodoiniciado pelo conector Se (R.11), deduz-se que todo sonhofrvolo desprovido de lgica e toda lgica deserta desprovida de sonho, e que, portanto, aparente aincompatibilidade entre os requisitos da lgica e os do sonho.

    A eficcia da comunicao oficial depende basicamente douso de linguagem simples e direta, chegando ao assunto que sedeseja expor sem passar, por exemplo, pelos atalhos das frmulasde refinada cortesia usuais no sculo passado. Ontem o estilo tendiaao rebuscamento, aos rodeios ou aos circunlquios; hoje, a vidamoderna obriga a uma redao mais objetiva e concisa.

    Considere-se, entretanto, que no h uma forma especficade linguagem administrativa, mas, sim, qualidades comuns aqualquer bom texto, seja ele oficial ou literrio, aplicveis redaooficial: clareza, coeso, conciso, correo gramatical. Alm disso,merecem destaque algumas caractersticas peculiares identificveisna forma oficial de redigir: formalidade, uniformidade eimpessoalidade.

    Manual de Redao Oficial do TCDF. Braslia:

    DIPLAN, 2003. p. 11. (com adaptaes)

    Considerando as informaes veiculadas no texto acima e oselementos fundamentais das prticas de redao oficial, julgue ositens de 13 a 15, conforme o Manual de redao oficial do TCDF.

    13 O trecho a seguir est em desacordo com o requisito dacorreo gramatical necessrio s comunicaes oficiais:Mesmo antes dessas exigncias serem expostas, o rgomanifestou-se contrrio sua regulamentao.

    14 De acordo com as exigncias de formalidade, uniformidade eimpessoalidade dos atos oficiais, correta a utilizao do fechoAtenciosamente em documentos destinados a autoridadessuperiores ao responsvel pelo ato.

    15 Est correta, conforme a padronizao oficial das formas detratamento, a sequncia a seguir:Cargo Conselheiro(a);Forma de tratamento Excelncia;Vocativo Senhor(a) + cargo.

    Jos, Lus e Mrio so funcionrios pblicos nas funesde auditor, analista e tcnico, no necessariamente nessa ordem.Sabe-se que Jos no analista, que o tcnico ser o primeiro dostrs a se aposentar e que o analista se aposentar antes de Mrio.Todo ano os trs tiram um ms de frias e, no ano passado, nomesmo ms que Jos saiu de frias, ou Lus ou Mrio tambm saiu.

    Com base nessas informaes, julgue os itens que se seguem.

    16 Mrio analista, Jos tcnico e Lus, auditor.

    17 Considerando-se as proposies A: Jos tirou frias emjaneiro de 2013; B: Lus tirou frias em janeiro de 2013; eC: Mrio tirou frias em janeiro de 2013, correto afirmarque a proposio (Av~C)B no uma tautologia, isto ,dependendo de A, B ou C serem verdadeiras ou falsas, elapode ser verdadeira ou falsa.

    18 Se os trs servidores trabalharem at o momento daaposentadoria e se aposentarem nos tempos previstos, entoJos ou Mrio ainda estaro trabalhando quando Luscompletar o tempo necessrio para se aposentar.

    RASCUNHO

    2

  • ||TCDF14_CBNS01_01N147372|| CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicao: 2014

    Em uma empresa, as frias de cada um dos 50 empregadospodem ser marcadas na forma de trinta dias ininterruptos, ou ostrinta dias podem ser fracionados em dois perodos de quinze diasininterruptos ou, ainda, em trs perodos de dez dias ininterruptos.Em 2013, depois de marcadas as frias de todos os 50 empregados,constatou-se que 23, 20 e 28 deles marcaram os trinta dias de friasou parte deles para os meses de janeiro, fevereiro e junho,respectivamente. Constatou-se, tambm, que, nesse ano, nenhumempregado marcou frias para algum ms diferente dosmencionados.

    Tendo como referncia as informaes acima, julgue os itens quese seguem.

    19 Se apenas 6 empregados fracionaram as frias em 3 perodosde 10 dias, ento mais de 10 empregados fracionaram as friasem 2 perodos de 15 dias.

    20 Considere que, em 2013, nenhum empregado que trabalha naempresa h mais de 10 anos tenha marcado frias para o msde junho, e que, no ms de maio, a empresa tenha escolhido,aleatoriamente, 2 de seus empregados para participar de umcurso de formao. Nesse caso, a probabilidade de esses 2empregados escolhidos trabalharem na empresa h mais de 10anos inferior a 0,2.

    21 Suponha que, em 2013, mais de 5/6 dos empregados que nomarcaram frias para fevereiro eram do sexo feminino e maisde 2/3 dos que no marcaram frias para janeiro eram do sexomasculino. Nessa situao, correto afirmar que, em 2013,havia na empresa no mximo 12 mulheres a mais que homens.

    RASCUNHO

    Com relao aos conceitos, tipos e formas de controles daadministrao pblica, julgue os itens a seguir.

    22 Na esfera federal, o controle administrativo identificado coma superviso ministerial, que, no caso da administraoindireta, caracteriza a tutela. A sua autonomia, estabelecida nasprprias leis instituidoras, deve ser assegurada, sem prejuzo dafiscalizao na aplicao da receita pblica e da ateno coma eficincia e a eficcia no desempenho da administrao.

    23 As decises dos tribunais de contas em matria de suacompetncia constitucional no podem ser justificadas peloJudicirio, dada sua condio de rgo autnomo, auxiliar doPoder Legislativo.

    24 A fiscalizao contbil e financeira dos rgos e entidadesque compem a estrutura do DF exercida pela CmaraLegislativa (CLDF), mediante controle externo, com o auxliodo TCDF, e pelo sistema de controle interno dos PoderesLegislativo e Executivo.

    25 O controle pode ser classificado, quanto ao momento do seuexerccio, em prvio, simultneo ou a posteriori. A exignciade laudos de impacto ambiental, por exemplo, constitui umaforma de controle simultneo.

    26 O controle legislativo tanto poltico quanto financeiro. Ocontrole financeiro, no mbito parlamentar, exercido pormeio de suas casas e respectivas comisses. H comissespermanentes e temporrias, entre as quais as CPIs. No caso doDF, cabe precipuamente Comisso de Economia, Oramentoe Finanas da Cmara Legislativa (CLDF) fiscalizar aexecuo oramentria e financeira.

    No que se refere Lei de Improbidade Administrativa e aostribunais de contas, julgue o prximo item.

    27 Constitui ato de improbidade administrativa a aquisio deimvel por valor notoriamente superior ao de mercado porauditor de controle externo do TCDF.

    Com base na Lei Orgnica do TCDF (LODF), no RegimentoInterno e no Cdigo de tica do Auditor de Controle Externo doTCDF, julgue os itens subsequentes.

    28 Com a finalidade de assegurar a devida iseno no julgamento,o Ministrio Pblico pode recorrer de deciso do TCDF emprocesso de tomada de contas, interpondo pedido de reviso,com efeito suspensivo, que ser distribudo a outro relator.

    29 Segundo o Regimento Interno do TCDF, o auditor ter asgarantias, os vencimentos e os impedimentos do conselheiro,e, quando o substituir, ter as mesmas garantias, vencimentose impedimentos de desembargador do TJDFT.

    30 O auditor do TCDF, ao ser designado para fiscalizardeterminada entidade do DF, deve se declarar impedido se oresponsvel pela auditoria dessa entidade tiver sido seu scioem negcio privado que mantiveram antes do ingresso deambos no setor pblico.

    31 Considere que, em determinado processo de prestao decontas, o TCDF tenha adotado em deciso terminativa, otrancamento das contas, cujo julgamento de mrito se tornouinvivel em razo de sinistro que inutilizou a documentaoda entidade auditada, e a baixa da responsabilidade doadministrador aps 5 anos de publicao da referida decisoterminativa, sem fatos novos. Nesse caso, a deciso do TCDFfoi adequada.

    3

  • ||TCDF14_CBNS01_01N147372|| CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicao: 2014

    Considerando o que dispe a LODF a respeito de competncias,

    julgue os prximos itens.

    32 de competncia privativa da CLDF a fiscalizao e o

    controle dos atos da administrao direta e indireta do Poder

    Executivo do DF.

    33 Conforme previso na LODF, objetivo prioritrio do DF

    assegurar a plena cidadania.

    34 O DF possui a competncia privativa de adquirir bens por

    interesse social, necessidade ou utilidade pblica, at mesmo

    mediante desapropriao, observada a legislao em vigor.

    A respeito do oramento e da ordem econmica do DF, julgue os

    itens que se seguem.

    35 No DF, a prestao dos servios pblicos atribuio do poder

    pblico, com a observncia da legislao, de forma direta ou

    sob o regime de concesso ou permisso que deve sempre

    ocorrer por meio de licitao.

    36 Os projetos de lei distrital alusivos a matrias de receita e

    despesa pblicas sero, em todos os seus aspectos setoriais,

    organizados e ajustados pelo TCDF.

    No que se refere a direitos e garantias fundamentais, julgue os itens

    subsecutivos.

    37 No entendimento do STF, a garantia do devido processo legal

    no torna obrigatria a defesa tcnica por advogado no mbito

    dos processos administrativos disciplinares que envolvam

    servidores pblicos.

    38 O TCDF, no exerccio do controle externo, no pode

    determinar a suspenso de benefcios garantidos por deciso

    judicial transitada em julgado, ainda que o direito reconhecido

    pelo judicirio esteja em desconformidade com jurisprudncia

    dominante do STF.

    39 O TCDF possui competncia constitucional para determinar

    diretamente a quebra dos sigilos bancrio e fiscal, desde que

    tal medida esteja relacionada ao controle externo.

    Acerca do controle de constitucionalidade das leis, julgue os itens

    a seguir.

    40 O procurador-geral do Ministrio Pblico junto ao TCDF

    possui legitimidade para ingressar com ao direta de

    inconstitucionalidade no STF.

    41 De acordo com entendimento sumulado do STF, os tribunais

    de contas, no exerccio de suas atribuies, podem deixar de

    aplicar uma lei inconstitucional. Nesse caso, a deciso do

    tribunal de contas ter eficcia vinculante e efeito erga omnes.

    Em relao competncia legislativa estabelecida na Constituio

    Federal de 1988 (CF), julgue o item abaixo.

    42 A edio de normas gerais sobre licitaes e contratos

    administrativos, em todas as modalidades, competncia

    privativa da Unio.

    Julgue os itens seguintes, relativos aos tribunais de contas.

    43 Caso constate ilegalidade na execuo de contrato

    administrativo, o tribunal de contas dever assinar prazo para

    a adoo das providncias necessrias ao cumprimento da lei,

    podendo sustar, se no atendido, a execuo do referido

    contrato.

    44 As competncias constitucionais dos tribunais de contas

    incluem a apreciao da legalidade dos atos de admisso de

    pessoal, para fins de registro, e as nomeaes para cargos de

    provimento em comisso.

    45 Conforme entendimento do STF, possvel a criao de

    procuradoria especial no mbito de tribunal de contas, com

    competncia para represent-lo judicialmente nos casos em que

    este necessite praticar, em juzo e em nome prprio, atos

    processuais na defesa de sua autonomia e independncia em

    face dos demais poderes e para exercer a atividade de

    consultoria e assessoramento jurdico aos rgos do tribunal.

    No que diz respeito s normas constitucionais aplicveis s finanas

    pblicas, julgue o prximo item.

    46 vedada a realizao de transferncia voluntria de recursos

    da Unio para o DF com o objetivo de efetuar o pagamento de

    despesas com pessoal ativo.

    Considerando a legislao a respeito do acesso informao de

    interesse particular, de interesse coletivo ou geral, julgue os

    seguintes itens.

    47 Independentemente de requerimentos, os rgos e entidades do

    DF devem promover a divulgao de informaes nas quais

    constem, entre outros aspectos, os resultados de inspees e

    auditorias, prestaes de contas e tomadas de contas especiais

    realizadas pelos rgos de controle interno e externo, incluindo

    as prestaes de contas relativas a exerccios anteriores.

    48 Esto sujeitas s disposies da legislao federal e distrital

    que rege o tema entidades que, no tendo fins lucrativos,

    recebem, para a realizao de aes de interesse pblico,

    recursos pblicos diretamente do oramento ou mediante

    subvenes sociais, contrato de gesto, termo de parceria,

    convnios, acordos, ajustes ou outros instrumentos congneres.

    4

  • ||TCDF14_CBNS01_01N147372|| CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicao: 2014

    Acerca do processo administrativo, julgue o prximo item,

    conforme disposies da Lei n. 9.784/1999.

    49 Um rgo administrativo somente em carter excepcional e

    temporrio poder avocar a competncia de outros rgos,

    ainda que estes no lhe sejam hierarquicamente subordinados.

    Com relao aos cargos pblicos e responsabilidade do servidor,

    conforme disposto na Lei Complementar Distrital (LC/DF)

    n. 840/2011, julgue os itens que se seguem.

    50 O servidor pblico responder civilmente se vier a cometer ato

    omissivo ou comissivo, doloso ou culposo, que resulte em

    prejuzo ao errio. No caso de ato que gere prejuzo a terceiro,

    a responsabilidade civil do servidor s se configura se ficar

    demonstrado que ele agiu com dolo.

    51 Os cargos para provimento em carter efetivo somente podem

    ser criados por lei. No caso de cargos a serem providos em

    comisso, faculta-se ao chefe do Poder Executivo a sua criao

    mediante decreto.

    No que se refere ao Regime Diferenciado de Contrataes Pblicas

    (RDC), institudo pela Lei federal n. 12.462/2011, e ao Sistema de

    Registro de Preos (SRP), julgue os itens subsecutivos.

    52 A Subsecretaria de Licitao e Compras, da Secretaria de

    Estado de Planejamento e Oramento, o rgo gerenciador

    do SRP no mbito do DF e suas atribuies incluem realizar

    pesquisa de mercado para identificar o valor estimado da

    licitao, realizar o processo licitatrio em si e gerenciar a ata

    de registro decorrente do SRP.

    53 O RDC aplicvel exclusivamente s licitaes e contratos

    que envolvem os Jogos Olmpicos de 2016, a Copa do Mundo

    FIFA 2014, as aes integrantes do PAC e as obras e servios

    de engenharia no mbito do SUS.

    Acerca da convalidao e atributos dos atos administrativos e da

    responsabilidade civil do Estado, julgue os itens subsequentes.

    54 A presuno de legitimidade atributo de todos os atos da

    administrao, inclusive os de direito privado, dada a

    prerrogativa inerente aos atos praticados pelos agentes

    integrantes da estrutura do Estado.

    55 De acordo com o sistema da responsabilidade civil objetiva

    adotado no Brasil, a administrao pblica pode, a seu juzo

    discricionrio, decidir se intenta ou no ao regressiva contra

    o agente causador do dano, ainda que este tenha agido com

    culpa ou dolo.

    56 A convalidao supre o vcio existente na competncia ou na

    forma de um ato administrativo, com efeitos retroativos ao

    momento em que este foi originariamente praticado.

    No que se refere ao Regime Geral de Previdncia Social (RGPS),

    julgue os itens seguintes.

    57 Para o empregado domstico, considera-se salrio de

    contribuio a remunerao registrada na Carteira de Trabalho

    e Previdncia Social, observadas as disposies normativas

    pertinentes.

    58 No considerado salrio de contribuio o

    salrio-maternidade.

    59 segurado obrigatrio da Previdncia Social, como

    empregado, o membro de instituto de vida consagrada.

    No tocante ao Regime Prprio de Previdncia Social (RPPS) do

    DF, julgue os itens a seguir.

    60 No integram o RPPS do DF os servidores ocupantes,

    exclusivamente, de cargos em comisso.

    61 As alquotas de contribuio dos servidores ativos do DF para

    os respectivos regimes prprios de previdncia social no sero

    inferiores s dos servidores titulares de cargos efetivos da

    Unio.

    Com relao origem e evoluo legislativa da Seguridade Social

    no Brasil, julgue o item abaixo.

    62 O seguro-desemprego veio previsto pela primeira vez na

    CF/1988.

    A respeito de prescrio, decadncia e negcio jurdico, julgue os

    seguintes itens.

    63 Embora a renncia da prescrio seja admitida pelo Cdigo

    Civil brasileiro, esse ato abdicativo somente poder operar

    aps a consumao da prescrio e desde que no acarrete

    prejuzo para terceiros.

    64 A lei civil permite que as partes contratantes estipulem prazos

    decadenciais, todavia, no pode o juiz reconhec-los de ofcio,

    isto , sem a provocao dos interessados.

    65 O negcio jurdico anulvel no suscetvel de confirmao

    pelas partes nem convalesce pelo decurso do tempo.

    5

  • ||TCDF14_CBNS01_01N147372|| CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicao: 2014

    Com relao a contratos, unio estvel e improbidade

    administrativa, julgue os itens subsequentes.

    66 A relao afetiva no eventual, pblica, contnua e duradoura

    e estabelecida com o objetivo de constituio de famlia, entre

    pessoas j casadas, no configura unio estvel, ainda que cada

    uma delas esteja separada de fato de seu respectivo cnjuge.

    67 O herdeiro de deputado distrital que tenha, no exerccio

    do mandato, ocasionado leso ao patrimnio pblico e

    enriquecido ilicitamente est sujeito s cominaes da Lei de

    Improbidade Administrativa, mas somente at o limite do valor

    da herana recebida.

    68 Conforme o Cdigo Civil brasileiro, expressamente proibido

    que herana de pessoa viva seja objeto de contrato.

    Julgue o item seguinte, acerca dos princpios constitucionais do

    processo civil.

    69 Ao possibilitar s partes o livre e irrestrito acesso justia, a

    CF no prev a obrigatoriedade de observncia do princpio do

    contraditrio para a hiptese de processo administrativo.

    A respeito dos atos judiciais, julgue o item abaixo.

    70 Despachos constituem atos do juiz, sem contedo decisrio,

    que somente podem ser praticados no processo quando houver

    provocao de uma das partes.

    Acerca do processo civil e do controle dos atos judiciais, julgue o

    prximo item.

    71 No que se refere ao princpio da separao dos poderes,

    o controle prvio do ato administrativo exclusivo da

    administrao, cabendo ao Poder Judicirio apreciar leso ou

    ameaa de leso somente aps a efetiva entrada em vigor do

    ato.

    A respeito do mandado de segurana, da ao popular e da ao

    civil pblica, julgue os itens de 72 a 74.

    72 Na hiptese de mandado de segurana impetrado contra ato

    praticado no exerccio de competncia delegada, a autoridade

    a ser indicada como coatora ser aquela que recebeu a

    delegao.

    73 O menor, com dezesseis anos de idade, desde que tenha ttulo

    de eleitor e esteja em pleno gozo de seus direitos polticos,

    parte legtima para propor ao popular, ainda que sem

    assistncia.

    74 Na ao civil pblica proposta pelo Ministrio Pblico para

    fins de controle de ato administrativo, o poder pblico s

    poder atuar como litisconsorte no polo ativo da lide, no

    podendo ser litisconsorte passivo em razo de lhe ser vedado

    atuar em desacordo com o interesse que se pretende defender

    com a ao.

    Julgue os itens a seguir, acerca de crimes contra a administrao

    pblica e contra a f pblica.

    75 Considere que determinado servidor pblico, prevalecendo-se

    de seu cargo, tenha falsificado o teor de um testamento

    particular. Nesse caso, o servidor praticou o delito de

    falsificao de documento particular, que no se equipara a

    documento pblico, e est sujeito ao aumento da pena prevista

    na lei penal.

    76 Considere que Pedro tenha oferecido e pagado quantia a

    determinado servidor pblico para que este praticasse ato de

    ofcio contrrio ao seu dever funcional. Nesse caso,

    evidencia-se a prtica do delito de corrupo passiva por parte

    de Pedro.

    77 Considere que um delegado de polcia tenha exigido vantagem

    indevida, correspondente a determinado montante em dinheiro,

    para a liberao de dois indivduos presos em flagrante. Nesse

    caso, o referido delegado praticou o delito de concusso.

    Com base na Lei de Improbidade Administrativa, bem como nos

    crimes previstos na Lei de Licitaes e nos crimes contra as

    finanas pblicas, julgue os itens que se seguem.

    78 Considere que Jos tenha representado contra um servidor

    pblico por ato de improbidade mesmo sabendo ser ele

    inocente. Nesse caso, alm da sano penal, Jos estar sujeito

    a indenizar o referido servidor pelos danos materiais, morais

    ou imagem que houver provocado.

    79 Considere que determinado agente poltico tenha contratado

    advogado sem a realizao de licitao, por confiar plenamente

    no trabalho do causdico. Nesse caso, a contratao configura

    crime de dispensa ou inexigibilidade de licitao fora das

    hipteses previstas em lei, para o qual prescindvel a

    comprovao do dolo especfico, ou seja, a inteno de causar

    dano ao errio, e a efetiva ocorrncia de prejuzo aos cofres

    pblicos.

    80 O agente que autorizar a inscrio, em restos a pagar, de

    despesa que no tenha sido previamente empenhada ou que

    exceda o limite estabelecido em lei pratica crime contra as

    finanas pblicas, e, no, mera infrao administrativa.

    6