Click here to load reader

CENTRO DE CONHECIMENTO LOGÍSTICO - aplog.pt Col Log... · e restantes processos logísticos (ex. avaliação de Trade-Offs) • Papel das infra-estruturas tecnológicas de apoio

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of CENTRO DE CONHECIMENTO LOGÍSTICO - aplog.pt Col Log... · e restantes processos logísticos (ex....

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 1

    APLOG CENTRO DE CONHECIMENTO LOGSTICO ACTIVIDADE: COLGIOS

    LOGSTICOS

    AVALIAO DE INVESTIMENTOS LOGSTICOS vs OUTSOURCING

    5 de Maro 2009

    Vitor Carvalho

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 2

    TPICOS PRINCIPAIS

    Viso Geral da Cadeia de Abastecimento e de cada um dos seus principais processos

    Abordagem transversal e abrangente quando se pensa a gesto do armazm/CD e restantes processos logsticos (ex. avaliao de Trade-Offs)

    Papel das infra-estruturas tecnolgicas de apoio gesto e as alternativas disponveis (Equipamentos, Sistemas)

    Contribuio para a definio da estratgia da organizao, tendo em mente o impacto da gesto das operaes na rendibilidade do negcio.

    Construir a estrutura de um oramento anual para a Logstica de forma comparvel com alternativas de Outsourcing;

    Razes para investir em infra-estruturas logsticas ou pensar em Outsourcing Competncias para elaborar, avaliar e liderar projectos de investimentos e propor

    alternativas Competncias para lanar concursos pblicos para alternativas em Outsourcing ,

    fazer avaliaes e decidir qual a melhor opo. O desafio das solues mistas / In-House Outsourcing Aspectos fundamentais da Teoria Geral do Outsourcing Definir e implementar um sistema de gesto e controlo completo quer para soluo

    interna quer para Outsourcing;

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 3

    FORNECIM. DE

    MATERIAIS

    CONVERSO DE

    MATERIAIS

    ARMAZENAMENTO E FLUXOS DO PRODUTO ACABADO CONSUMO

    Fornecedor 4

    Fornecedor 3

    Fornecedor 2

    Fornecedor 1

    Fornecedor n

    PlataformaRegional

    ArmazmCentral

    Consolidao

    Distribuidor (1, 2, ...n)

    CentroDistribuio

    Manufactura 1

    Manufactura n

    Loja 1

    Loja 2

    Loja 3

    Loja n

    Vtor Carvalho

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 4

    FORNECIM. DE

    MATERIAIS

    CONVERSO DE

    MATERIAIS

    ARMAZENAMENTO E FLUXOS DO PRODUTO ACABADO CONSUMO

    Fornecedor 4

    Fornecedor 3

    Fornecedor 2

    Fornecedor 1

    Fornecedor n

    PlataformaRegional

    ArmazmCentral

    Consolidao

    Distribuidor (1, 2, ...n)

    CentroDistribuio

    Manufactura 1

    Manufactura n

    Loja 1

    Loja 2

    Loja 3

    Loja nFLUXO INFORMACIONAL EM REDE(MULTI-DIRECCIONAL) Vtor Carvalho

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 5

    Brand DevelopmentBrand Development

    SuppliersSuppliers

    CustomerDevelopmentCustomer

    Development

    Consumers

    &

    Customers

    ProcessingProcessing

    Consumers&

    Customers

    Consumers&

    Customers

    PackingPacking

    CustomerService

    Management

    CustomerService

    Management

    DistributionManagementDistributionManagement

    SupplyPlanningSupply

    PlanningDemandPlanning

    DemandPlanning

    Plan

    Source Make Deliver

    SupplierManagement

    SupplierManagement

    InboundLogisticsInboundLogistics

    BUSINESS PROCESSES MODELBUSINESS PROCESSES MODEL

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 6

    DEFINIO DOS 4 MACRO PROCESSOS DA SCM

    Planeamento: Avaliar disponibilidades de recursos Planear nveis de stocks dos diversos tipos

    (PA/MP/ME/WIP) Avaliar Trade-Offs e definir prioridades

    Abastecimento: Obter, receber e guardar materiais e produto

    acabado comprado Fazer contratos e suportar pagamentos Fazer pesquisa de novos fornecedores Avaliar os fornecedores

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 7

    DEFINIO DOS 4 MACRO PROCESSOS DA SCM Fabricao / Montagem:

    Requisitar e receber materiais Transform-los em produto acabado Embalar e entregar para distribuio o produto, nas melhores

    condies de Qualidade e Certificao

    Distribuio: Executar os processos necessrios satisfao de encomendas Executar os processos de recepo, armazenagem, preparao

    de encomendas, despacho e controlo Preparar pedidos conforme acordado com os clientes Garantir rastreabilidade de produtos Gerir os processos de transporte, incluindo Logstica Inversa Criar e manter bases de dados dos clientes, de produtos e de

    preos

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 8

    IMPLEMENTAO DA GESTO DA CADEIA DE ABASTECIMENTOS

    Alguns factores crticos de sucesso na implementao da Gesto Integrada da Cadeia de Abastecimento: Liderana, suporte da Direco e compromisso para a

    mudana; Um claro entendimento e acordo quanto ao grau de

    mudana necessria; Acordo quanto Viso da Gesto da Cadeia de

    Abastecimento e quanto aos processos chave; Compromisso quanto aos recursos necessrios e ao

    empowerment para atingir os objectivos.

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 9

    VISO APTIDES INCENTIVOS RECURSOS PLANO DEACO+ + + + =MUDANA

    REAL

    APTIDES INCENTIVOS RECURSOS PLANO DEACO+ + + = CONFUSO

    VISO INCENTIVOS RECURSOS PLANO DEACO+ + + = ANSIEDADE

    VISO APTIDES RECURSOS PLANO DEACO+ + + =MUDANAGRADUAL

    VISO APTIDES INCENTIVOS PLANO DEACO+ + + = FRUSTAO

    VISO APTIDES INCENTIVOS RECURSOS+ + + = FALSASPARTIDAS

    PROCESSO DE GESTO DE MUDANA

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 10

    A NECESSIDADE DE BALANCEAR CUSTOS DE INVENTRIOS COM OUTRAS VARIVEIS

    Variveis que se inter - influenciam: Nvel de servio N de armazns/CDs e sua localizao Modo e frequncia de transportes Modelos de produo ( ex. Sequncia fixa, volume

    varivel vs Volume fixo , sequncia varivel) Lotes mnimos de produo Flexibilidade e polivalncia dos recursos humanos Qualidade da informao sobre o que produzir Pull vs Pushvs Make to Demand ;JIT ;

    CRP/VMI

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 11

    Produto

    Preo Promoo

    Lugar/Nvel de Servio ao Cliente

    Custos de Inventrio

    Custos de Transportes

    Custos Lote de Produo

    Custos de Armazenagem

    Custos de Processamento de Encomendas e de

    Informao

    COMPROMISSOS DE CUSTOS ENTRE MARKETING E LOGSTICA

    Mar

    ketin

    gLo

    gst

    ica

    Fonte: The Development of an Inventory Cost Methodology, D.Lambert ,1976

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 12

    PROBLEMAS MAIS FREQUENTES NA REDE GLOBAL ABASTECIMENTO

    Stocks elevados

    Rupturas de stocks Prob.Comunic.

    Falta Mat.Prod.

    Muitas Emergncias

    Excessivos DesviosPrev.Vendas

    EncomendasPendentes

    Custos de Produono optimizados

    Baixos NveisServio Clientes

    BaixaFlexibilidade

    Falta deSincroniz.

    Sub-Optim.Transportes

    ReclamaesClientes

    BaixaFiabilidade Distribuio

    Complexa

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 13

    Servio

    Custos logsticos

    Custos de produo

    ANLISE DE COMPROMISSOS TRADE-OFFS

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 14

    FAZ SENTIDO A MUDANA SEM UMA CULTURA DE INOVAO?

    INOVAR EM PROCESSOS, PRODUTOS, SOLUES

    FAZER UMA AVALIAO DAS NECESSIDADES DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURAS LOGSTICAS E SUA COMPARAO COM ALTERNATIVAS DE OUTSOURCING IMPLICA OU DEVE IMPLICAR A PROCURA DE SOLUES INOVADORAS

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 15

    Loading

    Reception of

    GoodsUnloading

    Inventory

    Put Away

    Conference

    Outbound

    Picking

    Printe of LabelsSSCC

    Delivery Split

    Realocations

    Replanishment

    Flows inside warehouseFlows inside warehouse

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 16

    RECEPRECEPOO

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 17

    MOVIMENTOS INTERNOSMOVIMENTOS INTERNOS

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 18

    PICKING E DESPACHOPICKING E DESPACHO

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 19

    Technology Overview

    ReaderTags(EPC)

    Antenna

    Integrationsoftware

    ERP, WMS, database, or other systems

    Internet

    Passive Tag Implementation at Pallet and Case Level

    Passive Tags, read by passing through/near antenna, transfer unique number (EPC) to reader which then identifies item by looking up on web or previously downloaded database. With unique EPC code for each SKU, allows case to be tracked and linked to order & invoice

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 20

    Planeamento

    Gesto Stocks, por produto, por cliente e por localizao

    Previso da procura

    Planeamento Estratgico

    Base de dados Servio ao Cliente

    Status de encomenda

    Disponib. Stocks

    Status de Distrib.

    Dados externos

    - Encom. clientes

    - Entregas de fornec.

    Dados internos

    - Produo

    - Inventrio

    Funo de Controlo

    Nvel Servio Clientes

    Performance fornecedores

    Coordenao

    Calendarizao da produo

    Planeam. Requisitos Materiais

    Planeam. Marketing e Vendas

    INTEGRAO OPERACIONAL E INFORMACIONAL

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 21

    Pressupostos de custosPressupostos de volume

    Planeamento dos recursos

    Oramento Anual

    Anlise

    Previso de fluxos

    Operao e Reporte Programao diria

    PLANEAMENTO E GESTO DAS ACTIVIDADES DO ARMAZM/CD

    Recursos disponveis

    Recursos disponveis

    Padres de produo

    Expedies agendadas

    Nveis de picking

    Previso de fluxos

    Desempenho operacional

    Desempenho de custos

    Utilizao

    Produtividade

    Alteraes e ajustes

    Decises

    Recepes agendadas

    Nveis de inventrio

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 22

    A CONTRIBUIO PARA A CADEIA DE VALOR

    DRIVERS DACRIAO DEVALOR

    CONTRIBUIODA CADEIA DEABASTECIMENTO

    Crescimento Nveis de satisfao docliente* Excelncia Operacional

    CRIAO DE VALOR

    Margens Racionalizao de custos Parcerias com clientes efornecedores

    Custos Fixos *Organizao simples* Processos geis

    Capital Gesto eficiente do capital,fixo e circulante

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 23

    O IMPACTO FINANCEIRO DA GESTO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO

    MEDIR PARA GERIR

    S SE MELHORA O QUE SE MEDE

    O QUE NO SE PODE MEDIR NO TEM INTERESSE

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 24

    IMPACTO DA CADEIA LOGSTICA NA RENDIBILIDADE DO NEGCIO

    Proveitos Custos

    Custo Merc. vendidas

    Administrativos MateriaisArmazenagemDistribuio

    Outros custos

    Capital fixo Capital circulante

    Devedores Inventrio Credores

    Cash Flow

    Rcio de Rendibilidade

    Resultado lquido Capital empregue

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 25

    IMPACTO DE ESTRUTURAS LEVES E DE BAIXO CAPITAL FIXO

    0

    200

    400

    600

    800

    1000

    1200

    1400

    1600

    Jan Mar Mai Jul Set Nov

    Lucro VariavelAcum.Custos Fixos 1

    Custos Fixos 2

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 26

    Evoluo percentual de Investimentos sobreVendas e de Cash-Flows sobre Investimentos

    0

    5

    10

    15

    20

    25

    30

    35

    40

    1980 1985 1990 1995 2000 2003 2006 2008 2009

    INV/VLVCF/INVLinhas 3

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 27

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 28

    CAUSAS QUE LEVAM AS EMPRESAS A REPENSAR A SUA ESTRATGIA QUANTO A

    INFRAESTRUTURAS DE SUPORTE AO NEGCIO,EX. ARMAZNS

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 29

    CAUSAS QUE LEVAM AS EMPRESAS A REPENSAR A SUA ESTRATGIA QUANTO A INFRAESTRUTURAS DE SUPORTE

    AO NEGCIO,EX. ARMAZNS e CDs

    BEST PRACTICEDA EMPRESAINDICADORES

    No se aplicaPossvelUso alternativo dos actuais armazns

    3%5%Crescimento previsto de vendas

    2030Cobertura de stocks, em dias

    80%50%% das vendas em clientes centraliz.

    6%10%Custos Armaz. e Distrib. %Vendas

    75150Ns pessoal de arm. e CDs

    24N Centros distribuio

    15N armazns MP/ME

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 30

    CAUSAS QUE LEVAM AS EMPRESAS A REPENSAR A SUA ESTRATGIA QUANTO A INFRAESTRUTURAS DE SUPORTE

    AO NEGCIO,EX. ARMAZNS e CDsBEST PRACTICEDA EMPRESAINDICADORES

    95%40%- Order Fill (%)

    99%90%- Case Fill (%)

    96%80%- Line Fill (%)

    1.01.25- DCT-Dist.Cycle Time (d)

    0.250.75- TP da encomenda (dias)

    0.250.5- TT da encomenda (dias)

    1.52.5- Order Cycle Time (dias)

    Servio ao Cliente

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 31

    MUDAR , PRECISO

    SE FOR ESTA A OPO

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 32

    Identificao do Projecto

    Pr-Viabilidade

    Formulao do Projecto

    Viabilidade

    Avaliao e Deciso

    Dossier do Projecto de Inv.

    Negociao do Financiamento

    Implementao

    Estudo de mercado

    Rede de Distribuio

    Re-elaborao do Projecto

    Tecnologia / Capacidades

    Localizao / Lay-out

    Plano de Investimentos

    Plano de Explorao

    Plano de Financiamento

    Fluxograma das fases de desenvolvimento do Projecto

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 33

    ESTUDOS DE LOCALIZAO

    Objectivo: determinar o local ou locais onde se torna vivel e de menor custo global implantar a unidade logstica.

    As foras locacionais: disponibilidade e custo de factores custos de transporte ( de factores e produtos) ,ie,

    posio face aos mercados rpido ao menor custo. Tomar o resultado de uma matriz de kms*volumes de cada local potencial a cada ponto de destino

    factores de condicionamento (clima, rede de comunicaes, regime fiscal, etc.)

    Em suma pode-se construir a seguinte matriz:

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 34

    ESCOLHA DE LOCALIZAO DE INVESTIMENTOS

    Pond. Rating Pontos Rating Pontos Rating Pontos Rating Pontos16 Custo do terreno 15 240 12 192 14 224 16 25620 Custo de mo-de-obra 15 300 16 320 20 400 14 28015 Custos de construo 15 225 14 210 13 195 14 21016 Proximidade das fontes de abastecimento 15 240 12 192 13 208 14 22420 Proximidade dos mercados 15 300 14 280 16 320 17 34010 Risco de falhano na rede de transportes 6 60 8 80 7 70 8 8010 Posicionamento para consolidao cargas 8 80 7 70 3 30 6 6010 Custos mo-de-obra qualificada 8 80 6 60 10 100 7 7010 Custos de energia e combustveis 8 80 8 80 10 100 9 9010 Assistncia a equipamentos e TI s (tempo e valor) 5 50 5 50 10 100 8 8010 Interfaces c/ sistema cliente e fornecedores 8 80 8 80 8 80 7 7015 Abundncia de mo-de-obra para picos activid. 6 90 12 180 8 120 12 18010 Requisitos de Segurana de instalaes 5 50 8 80 10 100 6 6010 Incentivos ao investimento local 10 100 10 100 7 70 6 6015 Nvel de impostos e de benefcios fiscais 14 210 12 180 7 105 10 150197 TOTAL 2185 2154 2222 2210

    RANKING 3 4 1 2

    Varivel / Dimenso

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 35

    ESTRUTURA DO DOSSIER DE AVALIAO DO PROJECTO

    Executive Summary Caracterizao da Empresa

    Resumo histrico da evoluo dos negcios Actividades Organizao Anlise SWOT

    Apresentao detalhada do Projecto Caracterizao: Tipo de projecto, Produtos/Servios

    envolvidos, Localizao e alternativas estudadas Identificao da estratgia subjacente ao lanamento

    do Projecto Plano do Projecto:

    Plano de Investimento (tecnologias a adoptar e sua caracterizao)

    Plano de Explorao

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 36

    ESTRUTURA DO DOSSIER DE AVALIAO DO PROJECTO

    Plano do Projecto: Plano de Investimento (tecnologias a adoptar e sua caracterizao) Plano de Explorao:

    Demonstrao de resultados dos exerccios previsionais Estudo de mercado Quadros de pessoal Estrutura de custos

    Plano de Financiamento: Mapa de origem e aplicao de fundos previsional Regimes de emprstimo (montantes, prazos, modalidades de

    juros) Indicadores de rendibilidade do Projecto:

    VAL TIR Pay Back Anlise de Sensibilidade

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 37

    DIAGRAMA DE UM ESTUDO DE RENDIBILIDADE

    Estudo de mercado

    Estudo tcnico

    Estudo do enquadramento legal e institucional

    Determinao das alternativas tcnicas:

    -localizao

    -dimenso

    -processo

    Determinao da rendibilidade:

    -custos previsionais de explorao

    -cash flow

    -medidas de rendibilidade

    Plano de investimentos

    Plano de explorao

    Plano de financiamento

    Estudos tcnico-econmicos Estudos economico-financeiros

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 38

    CRITRIOS DE AVALIAO DE PROJECTOS BASEADOS NO CASH-FLOW

    PERODO DE RECUPERAO (PAYBACK);

    VALOR LQUIDO ACTUAL (VLA);

    TAXA INTERNA DE RENTABILIDADE (TIR)

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 39

    Servio

    CustosRendibilidade

    FEITO O ESTUDO DE VIABILIDADE DO INVESTIMENTO, FICA A QUESTO: O QUE

    MELHOR: INVESTIR OU RECORRER A SOLUO DE OUTSOURCING?

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 40

    ALTERNATIVAS

    IN-HOUSE OUTSOURCING ? ie

    Outsourcing em instalaes prprias ou arrendadas

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 41

    CONSULTA PBLICA PARA PRESTAO DE SERVIOS DE LOGSTICA

    Critrios de seleco dos principais concorrentes: Quem est no mercado 10 mais importantes Quem quer entrar no mercado e importante no

    exterior Quem j trabalha para empresas semelhantes,

    algures A quem entregar o Caderno de Encargos, sob

    compromisso de responder

  • VITOR CARVALHO- Maro 2009 42

    TPICOS A INCLUIR NA CONSULTA PBLICA PARA PRESTAO DE SERVIOS DE LOGSTICA

    mbito do Projecto Actividades envolvidas Compromisso de entregar proposta, sob pena de no se fornecer informao Ficheiros de dados com fluxos caracterizadores da operao Especificaes sobre:

    Nveis de Servio (inclui definies) Bnus e penalidades Sistemas informticos a utilizar Normas sobre procedimentos e controlos Matriz de Tarifas por cada operao Idem Transportes Partilha de operaes com outras empresas Localizao, infra-estruturas e caractersticas da operao Durao do contrato Standards de desempenho operacional

    Notas sobre o processo de tomada de deciso (leilo ao contrrio, 2 finalistas)