Click here to load reader

Pesquisa Midia fachada

  • View
    1.131

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Pesquisa desenvolvida como parte da conclusão da curso Design e Arquitetura da Efemeridade, do curso Design e Tecnologia Digital - Para o Desenvolvimento de Produtos e Serviços.

Text of Pesquisa Midia fachada

  • 1. Dez perguntas que quero responder com meu trabalho: 1. Qual o conceito de Mdia Fachada? 2. De que maneira ela pode ser empregada? 3. Qual seu impacto no contexto urbano/arquitetnico da cidade? 4. Quais os tipos de tecnologias/tcnicas empregadas? 5. Como cada uma delas determinante para o resultado esperado? 6. Quais os nveis de interao entre as pessoas, e a mdia? 7. Quais exemplos podem ser citados como referncias em mdia fachadas? 8. Quais as tcnicas empregadas em cada uma delas? 9. Quais as motivaes para o seu desenvolvimento 10. Que mudana esse tipo de linguagem causa na percepo humana da arquitetura?
  • 2. Tema: As Mdias Fachadas, sua relao com o espao urbano e arquitetnico das cidades. Seu Potencial artstico e comercial numa nova maneira de comunicar e interagir com as pessoas. Objetivo: Analisar atravs de uma pesquisa teoria/prtica, os conceitos empregados do desenvolvimento de Mdias Fachadas, bem como as tcnicas utilizadas para a realizao das mesmas e ainda como ela altera a percepo das pessoas com relao ao objeto/edifcio e os nveis de interao que podem surgir deste tipo de comunicao.
  • 3. Tpicos a Serem Desenvolvidos 1.Introduo e problematizao 2.Conceito e Motivao 3.Tecnologias 4.Nveis de Interao 5.Anlise de exemplos 6.Concluso 7.Bibliografia
  • 4. Introduo e Problematizao: O constante refinamento no emprego das tecnologias digitais proporcionou a criao de uma srie de novas possibilidades de narrativas no ambiente urbano. Este trabalho tem por objetivo fazer uma anlise sobre essas novas narrativas, de como elas alteram a percepo do observador sobre o espao urbano, expandindo a realidade deste espao, trazendo caractersticas dinmicas e efmeras para a arquitetura antes esttica. Analisando o contexto a que foram propostos, as diferentes tcnicas empregadas no seu desenvolvimento, determinando assim seus nveis de interao com o espao e o observador. No se pretende questionar aqui a legibilidade funcional das mdias fachadas, nem discutir os mritos da sua utilizao artstica ou comercial e sim entender o seu funcionamento e seu impacto em uma diferente maneira de nos relacionados com a cidade.
  • 5. Conceito e Motivao As Mdias Fachadas propem uma explorao das possibilidades de reconstruo do espao arquitetnico urbano atravs da interao entre observador e objetos que compem o sistema. Focando seus trabalhos justamente na potencializao da experincia sensorial do observador, tornando a relao do homem com a mquina, mais fluida, ou seja, desassociando-a dos paradigmas existentes das relaes de input e output, tornando o corpo, o movimento, a voz, por exemplo, gatilhos para a materializao dos elementos envolvidos. Quanto s motivaes para o emprego deste tipo de linguagem, podemos relacionar a expresso artstica ou a vontade do artista em explorar diferentes possibilidades, como sendo das mais recorrentes utilizaes das mdias fachadas. Como dito anteriormente no entraremos nos mritos das suas utilizaes, mas vale ressaltar que como em outras mdias a sua popularizao, ou seja, o conhecimento desta, pelo grande pblico acontece pelas vias publicitrias, que como nas artes se apropriam dessas novas narrativas para desenvolver novas linguagens que chamem a ateno do pblico para uma determinada campanha ou produto.
  • 6. Tecnologias De acordo com as pesquisas feitas, salvo algumas adaptaes para resultados especficos, a maior parte das Mdias Fachadas j empregadas utilizam-se de dois sistemas: LEDS e Lmpadas: Os sistemas que utilizam a luz ou pontos de luz para a criao de diferentes padres controlados posteriormente por um sistema computacional onde se define as relaes de input e output controlar as aes. Essa luz pode ser produzida com a utilizao de Leds que a sigla em ingls para Light Emitting Diode, um dispositivo semicondutor emissor de luz. Mas como visto em alguns exemplos pode-se utilizar diferentes emissores de luz como lmpadas fluorescentes, controlando seu efeito com a cobertura a ser utilizada o edifcio, como acrlico translcido.
  • 7. Projeo em Vdeo: Os sistemas que utilizam projeo em vdeo, em que se preparam conjuntos de imagens e sons que interagem com a superfcie do edifcio, relacionando-se com a proposta e contexto existentes. O tipo de projeo, a qualidade da imagem e o tipo de efeito pretendido, tem relao direta com o espao que servir de pano de fundo a interveno. A ainda mdias fachadas que mesclam elementos de luz com a mdulos mveis, em que se cria uma fachada com deslocamento fsico alm de luminosos. Como visto os tipos de projees ou efeitos propostos nas mdias fachadas podem surgir de diferentes maneiras, ou seja, por projees de filmes pr-determinados que tenham somente a funo de expandir a realidade do edifcio, ou movimentos e efeitos que so criados a partir da interao do pblico, presente no local, com o sistema, bem como dispositivos que possibilitem a participao no somente dos presentes no local da projeo, como de diferentes observadores em vrias locais do mundo atravs de um sistema online que possibilite a manipulao do sistema, para a definio de novos parmetros a servirem com imput no sistema.
  • 8. Nveis de Interao Como discutido anteriormente as interaes com o sistema podem surgir de diferentes processos e proporcionar diferentes resultados ao trabalho. Entende-se por interao a relao do usurio com o sistema em que o imput e output se desenvolvem de maneira mais complexa e a resposta do sistema tambm evolui. Cito aqui dois processo relacionados interao com o usurio ou observador: Sistema Autnomo: Processo independente caracterizado por uma interao simples. Sistema Reativo: Processo mais interativo, disposto sobre um conjunto mais complexo de regras hierrquicas de comando. Para se obter o mximo da interao usurio e sistema, deve-se haver a conversao, ou seja, o sistema se torna independente, onde ele se auto programa de acordo com a percepo do comportamento do usurio e o objetivo do sistema se altera com relao ao primeiro objetivo colocado. Os dois usurio e sistema processam e evoluem, e ambos saem modificados desta conversao.
  • 9. Anlise de Exemplos Mdia Fachadas com sistemas de Projeo em Vdeo: Sydney Opera House Sydney, Austrlia Esta instalao sobre o Sydney Opera House foi projetada para o Luminous parte do Vivid Sydney Festival e SmartLight Sydney. Pinturas selecionadas a partir de um conjunto significativo de trabalhos artsticos foram projetadas, sem repetir, para sobre o Opera House por 21 dias, utilizando tecnologias de projeo de vdeo.
  • 10. Anlise de Exemplos Mdia Fachadas com sistemas de Projeo em Vdeo: 555 KUBIK Facade Projection Hamburdo - Alemanh Este um projeto da UrbanScreem (empresa alem especializada em mdias fachadas) que ao desenvolver essa instalao com as projees de vdeo sobre a fachada do Museu de Arte de Hamburdo, props a ruptura visual da arquitetura rgida e esttica do prdio.
  • 11. Anlise de Exemplos Mdia Fachadas com Sistemas de Projeo por Luz: Greenpix Pequim, China Uma parede de mdia de energia zero que apresenta o maior monitor de LED colorido de todo o mundo e tem o primeiro sistema fotovoltaico que j foi integrado em um muro de vidro. Coleta energia solar diariamente, utilizando-a para iluminar a tela ao escurecer. constituda por mais de 2.000 luzes LED, resultando em uma tela de mdia dinmica.
  • 12. Anlise de Exemplos Mdia Fachadas com Sistemas de Projeo por Luz: Kunsthaus Art Museum Graz, Austria Uma matriz de 930 lmpadas fluorescentes, integradas na fachada de acrlico oriental do Kunsthaus Art Museum em Graz, na ustria. Cada lmpada individual e infinitamente ajustvel. A luminosidade pode variar entre 0% e 100%. Animaes, grficos e alfabetos podem ser exibidos em uma velocidade de 20 quadros por segundo atravs de um sistema de controle digital.
  • 13. Concluso A partir da anlise feita dos exemplos e do estudo da utilizao das mdias fachadas, pode-se perceber que essa nova linguagem, apropria-se de diferentes tcnicas, mas a cerne da criao ou da motivao est em propor a ruptura do convencional, da esttica slida dos edifcios, mudando a dinmica urbana no nvel da cidade. Tendo nessas novas tcnicas somente o meio para se alcanar esse objetivo maior.
  • 14. Bibliografia: Livros, Artigos e Sites ANSHUMAN, Sachin; KUMAR, Bimal. Architecture and HCI: a review of trends towards an integrative approach to designing responsive space. International Journal of IT in Architecture, Engineering and Construction. Vol.2. Issue 4. December 2004. STRALEN, Mateus de Sousa Van. Instalao 2048. Arquitetura relacional Um experimento de projeo e interface tangvel. Julho 2008.