Click here to load reader

1a etapa 2008

  • View
    231

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of 1a etapa 2008

  • Instrues ao candidato

    Aps o aviso para incio das provas, voc dever permane-cer no local de realizao das mesmas por, no mnimo,

    noventa minutos.

    1aAlm deste caderno, voc dever ter recebido o carto destinado s respostas das

    questes formuladas na prova; caso no tenha recebido o carto, pea-o ao fiscal.

    Em seguida, verifique se este caderno contm enunciadas setenta e cinco questes.

    Verifique se seu nome e nmero de inscrio conferem com os que aparecem no

    CARTO DE RESPOSTAS; em caso afirmativo, assine-o e leia atentamente as

    instrues para o seu preenchimento; caso contrrio, notifique imediatamente ao

    fiscal.

    Cada questo proposta apresenta cinco alternativas de resposta, sendo apenas uma

    delas a correta. No carto de respostas, atribuir-se- pontuao zero a toda questo

    com mais de uma alternativa assinalada, ainda que dentre elas se encontre a correta.

    No permitido fazer uso de instrumentos auxiliares para o clculo e o desenho,

    portar material que sirva de consulta, nem copiar as alternativas assinaladas no CAR-

    TO DE RESPOSTAS.

    A Tabela Peridica dos Elementos Qumicos est disponvel para consulta na pgi-

    na 48.

    O tempo disponvel para esta prova, incluindo o preenchimento do carto de respos-

    tas, de quatro horas e trinta minutos.

    Reserve os vinte minutos finais para preencher o carto de respostas, usando caneta

    esferogrfica de corpo transparente e de ponta mdia com tinta azul.

    Quando terminar, entregue ao fiscal o CADERNO DE QUESTES e o CARTO DE

    RESPOSTAS, que poder ser invalidado se voc no o assinar.

    O candidato que retirar-se do local de realizao desta prova aps trs horas e

    trinta minutos do incio da mesma poder levar seu Caderno de Questes.

  • 2

  • 3

    Prezado Candidato,

    Neste caderno encontram-se as questes de mltipla escolha que constituem a primeira etapa do Vestibular

    2008 da Universidade Federal Fluminense.

    Mantivemos o critrio, j adotado em vestibulares anteriores, de agrupar as questes a partir de temas e

    no por disciplinas. Este critrio, no entanto, no foi observado nas questes de lngua estrangeira. Desta forma,

    voc dever responder s questes de nmeros 67 a 75, de acordo com a sua opo no ato da inscrio no concurso.

    Caso voc prefira resolver a prova por disciplina, poder orientar-se pela legenda colorida de cada uma,

    como abaixo elencadas.

    Lembre-se de que voc vem preparando-se para este momento e, ento, utilize o tempo disponvel com

    sabedoria. Resolver as questes com tranqilidade o primeiro passo para que o seu objetivo seja alcanado.

    Seja bem-vindo ao Vestibular UFF 2008 e faa uma boa prova.

    A Coordenadoria de Seleo UFF

    DISCIPLINAS QUESTES

    03 - 18 - 21 - 27 - 31 - 35 - 50 - 52- 53

    GEOGRAFIA

    HISTRIA

    LNGUA PORTUGUESA ELITERATURA BRASILEIRA 05 - 10 - 11 - 12 - 15 - 28 - 29 - 41 - 42 - 57 - 58 - 59

    MATEMTICA 01 - 19 - 20 - 25 - 33 - 36 - 46 - 49 - 62

    02 - 13 - 17 - 26 - 34 - 43 - 47 - 54 - 56

    06 - 07 - 08 - 09 - 14 - 22 - 37 - 38 - 55

    23 - 24 - 30 - 39 - 40 - 45 - 48 - 64 - 65

    04 - 16 - 32 - 44 - 51 - 60 - 61 - 63 - 66

    BIOLOGIA

    FSICA

    LNGUA ESPANHOLA 67 - 68 - 69 - 70 - 71 - 72 - 73 - 74 - 75

    LNGUA FRANCESA 67 - 68 - 69 - 70 - 71 - 72 - 73 - 74 - 75

    LNGUA INGLESA 67 - 68 - 69 - 70 - 71 - 72 - 73 - 74 - 75

    QUMICA

  • 4

    Ao longo da histria se reconhecem esforos de indivduos e de todas as sociedades para encontrarexplicaes, formas de lidar e conviver com a realidade natural e sociocultural. Isso deu origem aosmodos de comunicao e s lnguas, s religies e s artes, assim como s cincias e s matemticas,enfim a tudo o que chamamos conhecimento, muitas vezes tambm chamado saber. E indivduos e aespcie como um todo se destacam entre seus pares e atingem seu potencial de criatividade porqueconhecem.

    Todo conhecimento resultado de um longo processo cumulativo de gerao, de organizao intelectual,de organizao social e de difuso, naturalmente no-dicotmicos entre si. Esses estgios so normalmentede estudo nas chamadas teorias da cognio, epistemologia, histria e sociologia, e educao e poltica.O processo de como um todo, extremamente dinmico e jamais finalizado, est obviamente sujeito acondies muito especficas de estmulo e de subordinao ao contexto natural, cultural e social. Assim o ciclo de aquisio individual e social de conhecimento.

    DAMBRSIO, Ubiratan. Educao Matemtica: Da Teoria Prtica, 2 ed. Campinas: Papirus, 1997, p.18.

    5

    10

    Direes do ConhecimentoDirees do ConhecimentoDirees do ConhecimentoDirees do ConhecimentoDirees do Conhecimento

    01

    Texto I

    Sempre que se ouve alguma referncia a embates - reais ou imaginrios - entrecincia e religio, o nome de Galileu (1564-1642) invariavelmente invocado. Noentanto, J. A. Connor apresenta em seu texto A Bruxa de Kepler um pensadorque, segundo o autor, teria sido realmente fiel a seus princpios intelectuais, moraise religiosos, muito mais que Galileu: Johannes Kepler (1571-1630). Vivendo emuma parte da Europa dilacerada pelas guerras de religio, sofrendo perseguiespor causa da sua f luterana, Kepler ainda assim revolucionou a compreenso quetemos do mundo.

    Adaptado do texto Sombra de Galileu, de T. Haddad, Scientific American, Ano 4 - n.46 / maro de 2006

    Um dos grandes legados de Kepler para a cincia foi a sua terceira lei: o quadrado do perodo derevoluo de cada planeta proporcional ao cubo do raio mdio da respectiva rbita. Isto , sendo T operodo de revoluo do planeta e r a medida do raio mdio de sua rbita, esta lei nos permite escreverque: T2 = K r3, onde a constante de proporcionalidade K positiva.

    Considerando ( ) ( )x = log T e y = log r , pode-se afirmar que:

    (B)2x

    y =3logK

    (C)2

    3x

    y =K

    (D)2x

    y =3K

    (E)2x K

    y =3

    2x Ky =

    3

    (A)

    2x logKy =

    3

  • 5

    Coleptilos de pice livres

    luz

    Coleptilos de pice encobertospor papel opaco

    luzSituao 1 Situao 2

    papel opaco

    Coleptilos de pice livres

    luzluz

    Coleptilos de pice encobertospor papel opaco

    luzluzSituao 1 Situao 2

    papel opaco

    Os alquimistas foram muito importantes para a qumica, a cincia da transformao. Tentando encontrara pedra filosofal, que teria o poder de transformar qualquer metal em ouro, e o elixir da longa vida, quetornaria o ser humano imortal, criaram um grande nmero de aparelhos de laboratrio e desenvolveramprocessos importantes para a produo de metais, de papiros, de sabes e de muitas substncias, comoo cido ntrico, o cido sulfrico, o hidrxido de sdio e o hidrxido de potssio.

    Sobre essas substncias, cidos e bases, pode-se afirmar que:

    03

    (A) as frmulas do cido ntrico e do cido sulfrico so HONO3 e H

    2SO

    4, respectivamente;

    (B) a reao entre cido ntrico e o cido sulfrico conduz produo de apenas um sal;

    (C) o hidrxido de sdio no reage com o cido ntrico, pois se trata de uma base forte;

    (D) na reao entre cido sulfrico e o hidrxido de sdio podem ser formados dois sais;

    (E) a reao entre o cido ntrico e o hidrxido de potssio pode conduzir formao de dois sais: o Cu(NO3)

    2

    e o Na2NO3.

    A consolidao da industrializao como caracterstica do mundo moderno no foi tarefa fcil.Foram os pensadores do sculo XVIII e do sculo XIX que forneceram os principais argumentos paralegitimar a combinao entre indstria e modernizao.

    Uma das alternativas abaixo associa, corretamente, um pensador ao sistema de idias.Assinale-a.

    04

    (A) Marqus de Pombal/Positivismo

    (B) Thomas Jefferson/Socialismo Utpico

    (C) Voltaire/Evolucionismo

    02 Apesar de ser conhecido pela teoria da evoluo, Darwin tambm trabalhou com plantas. Em 1880,ele realizou alguns experimentos e observou, ao cultivar alpiste em solo adequado ao seu crescimento,um movimento do pice dos coleptilos.

    A anlise da figura permite dizer que Darwin observou um movimento orientado:

    (A) pelo tipo de solo utilizado (geotropismo), mediado pelo hormnio auxina;(B) pela presena da luz (fototropismo), mediado pelo hormnio auxina;(C) pela ausncia de luz (fototropismo), mediado pelo hormnio giberelina;(D) pelo tipo de solo utilizado (geotropismo), mediado pelo hormnio giberelina;(E) pela presena da luz (fototropismo), mediado pelo hormnio cinetina.

    (D) Adam Smith/Liberalismo

    (E) Descartes/Existencialismo

  • 6

    05 Todo conhecimento resultado de um longo processo cumulativo de gerao, de organizaointelectual, de organizao social e de difuso, naturalmente no-dicotmicos entre si. (linhas 7-8) DAmbrosio, 1997, p. 18.

    Identifique o comentrio adequado situao de comunicao para a produo de sentido dotexto.

    (A)

    (B)

    Seguimos nosso caminho por este mar de longoAt a oitava da PscoaTopamos avesE houvemos vista de terraos selvagensMostraram-lhes uma galinhaQuase haviam medo delaE no queriam pr a moE depois a tomaram como espantadosprimeiro chDepois de danarem Oswald de Andrade

    (C)

    O poeta Oswald de Andrade, nesse fragmento, ao descrever

    o primeiro contato dos portugueses com a terra brasileira,

    destaca, pelo recurso da citao formal e direta, bem como

    da repetio do gnero textual, as

Search related