Click here to load reader

Acordo Coletivo e Aditivos

  • View
    239

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Sindicato dos Bancários Ribeirão Preto

Text of Acordo Coletivo e Aditivos

  • CONVENO COLETIVADE TRABALHO

    FENABAN 2015 2016

  • Conveno Coletiva dos Bancrios 2015/2016 - FENABAN

    2

    SALRIOS

    CLUSULA 1 - REAJUSTE SALARIALReajuste de 10% (dez por cento), a partir de 1 de setembro de 2015, sobre a remunerao fixa mensal praticada no ms de agosto/2015, em cada banco, sendo compensveis todas as antecipa-es concedidas no perodo de setembro/2014 a agosto/2015, exceto os aumentos reais e os de-correntes de promoo, transferncia, equiparao salarial e trmino de aprendizagem. Este percentual abrange o perodo de 1.09.2014 a 31.08.2015.Pargrafo Primeiro Para efeito de aplicao dos reajustes previstos nesta clusula, considera-se remunerao fixa mensal o somatrio do salrio base e verbas fi-xas mensais de natureza salarial, excludo o valor do ATS Adicional por Tempo de Servio, que tratado, especificamente, na clusula sexta desta Conveno.Pargrafo SegundoNa hiptese de empregado admitido aps 1.09.2014, ou em se tratando de banco consti-tudo e em funcionamento depois desta data, o reajuste ser calculado de forma proporcional em relao data de admisso, com preservao da hierarquia salarial e respeitados os paradigmas quando existentes.Pargrafo TerceiroNo sero consideradas as verbas que tiverem regras prprias nesta Conveno, para efeito de aplicao dos reajustes previstos nesta clusula.

    CLUSULA 2 - SALRIO DE INGRESSODurante a vigncia desta Conveno, para a jornada de 6 (seis) horas, nenhum bancrio poder ser ad-mitido com salrio inferior aos seguintes valores:a) Pessoal de Portaria, Contnuos e Serventes:R$ 1.257,64 (um mil, duzentos e cinquenta e sete reais e sessenta e quatro centavos)b) Pessoal de Escritrio:R$ 1.802,48 (um mil, oitocentos e dois reais e quarenta e oito centavos)c) Tesoureiros, Caixas e outros empregados de Tesouraria, que efetuam pagamentos ou recebi-mentos:R$ 1.802,48 (um mil, oitocentos e dois reais e quarenta e oito centavos)Pargrafo PrimeiroNa contratao de estagirio sem vnculo empre-gatcio, como admitido em Lei, ser observado o salrio de ingresso estabelecido nesta clusula, na proporo das horas de sua jornada de trabalho.Pargrafo SegundoQuando o salrio resultante da aplicao do reajus-te previsto na clusula primeira for de valor inferior ao salrio de ingresso aqui estabelecido, prevale-cer, como novo salrio, a partir de 1 de setembro de 2015, o valor mnimo previsto nesta clusula.

    CLUSULA 3 SALRIO APS 90 DIAS DA ADMISSOOs empregados que tenham ou venham a comple-tar 90 (noventa) dias de banco, no podero per-ceber remunerao inferior aos seguintes valores:a) Pessoal de Portaria, Contnuos e Serventes:R$ 1.377,62 (um mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos)b) Pessoal de Escritrio:R$ 1.976,10 (um mil, novecentos e setenta e seis reais e dez centavos)c) Tesoureiros, Caixas e outros empregados de Tesouraria, que efetuam pagamentos ou recebi-mentos:R$ 1.976,10 (um mil, novecentos e setenta e seis reais e dez centavos)Pargrafo PrimeiroOs Tesoureiros, Caixas e outros empregados de Tesouraria percebero mensalmente a remune-rao total mnima de R$ 2.669,45 (dois mil, seiscentos e sessenta e nove reais e quarenta e cinco centavos), nesta compreendidos o Salrio de Ingresso, a Gratificao de Caixa, previstos nesta Conveno, e Outras Verbas de Caixa, pagas a ttulo de ajuda de custo ou abonos de qualquer natureza, no cumulativas com as pr--existentes.Pargrafo SegundoO valor do item Outras Verbas de Caixa, referido no pargrafo anterior, ser de R$ 222,60 (duzentos e vinte e dois reais e sessenta centavos). Pargrafo Terceiro Os empregados que completarem 90 (noventa) dias de banco at o dia 15 (quinze) de cada ms, recebero o novo salrio, previsto no caput desta clusula, a partir do dia 1 deste mesmo ms. Os que completarem 90 (noventa) dias aps o dia 15 (quinze) do ms, faro jus ao novo salrio a partir do dia primeiro do ms seguinte.Pargrafo QuartoAs regras desta clusula aplicam-se igualmente aos estagirios sem vnculo empregatcio.

    CLUSULA 4 ADIANTAMENTO DE 13 SALRIOAos admitidos at 31 de dezembro de 2015, os bancos pagaro, at o dia 30 de maio de 2016, metade do salrio do ms, a ttulo de adiantamento da Gratificao de Natal, relativa ao ano de 2016, salvo se o empregado j o tiver recebido por oca-sio do gozo de frias.Pargrafo PrimeiroO adiantamento da Gratificao de Natal previs-to no 2, do artigo 2, da Lei n 4.749, de 12 de agosto de 1965 e no artigo 4, do Decreto n 57.155, de 3 de novembro de 1965, na forma es-tabelecida no caput desta clusula, aplica-se, tam-bm, ao empregado que requerer o gozo de frias para o ms de janeiro de 2016.

  • Conveno Coletiva dos Bancrios 2015/2016 - FENABAN

    3

    Pargrafo SegundoAos empregados afastados por doena ou aci-dente de trabalho que estejam recebendo a complementao salarial prevista na clusula 28 desta Conveno Coletiva de Trabalho, ser tambm concedido o adiantamento da gratifica-o de Natal de que trata o caput desta Clusu-la, na importncia correspondente metade da complementao devida.

    CLUSULA 5 - SALRIO DO SUBSTITUTODurante a vigncia desta Conveno, ao emprega-do admitido para a funo de outro dispensado, ser garantido salrio igual ao do empregado de menor salrio na funo, sem considerar vantagens pessoais.

    ADICIONAIS SALARIAISCLUSULA 6

    ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIOO adicional por tempo de servio, no valor de R$ 26,93 (vinte e seis reais e noventa e trs centa-vos), respeitadas as condies mais vantajosas, ser concedido na vigncia da presente conveno, nas seguintes condies:a) O empregado admitido at 22.11.2000, inclusi-ve, que no tenha exercido a opo por indenizao do adicional por tempo de servio, consoante Clu-sula Stima da Conveno Coletiva de Trabalho 2000/2001, faz jus ao adicional por tempo de ser-vio, no valor ora estabelecido, por ano completo de servio ou que vier a completar-se, na vigncia da Conveno Coletiva de Trabalho 2015/2016, ao mesmo empregador.b) O empregado admitido at 22.11.2000, inclusi-ve, que no tenha exercido a opo por indenizao do adicional por tempo de servio, consoante Clu-sula Stima da Conveno Coletiva de Trabalho 2000/2001, poder manifestar por escrito, junto ao banco, a opo por receber indenizao em valor nico de R$ 1.100,00 (um mil e cem reais) para no ter agregados novos adicionais a partir da data da opo, observando-se todos os critrios estabe-lecidos na Clusula Stima da Conveno Coletiva de Trabalho 2000/2001.c) O empregado que tenha exercido a opo por indenizao do adicional por tempo de servio, consoante Clusula Stima da Conveno Coletiva de Trabalho 2000/2001, continuar percebendo os adicionais adquiridos at a data da opo, no valor ora estabelecido.Pargrafo PrimeiroAs condies previstas nas alneas a, b e c, no se aplicam aos bancos que foram excludos do Ple-biscito realizado nos dias 06, 07 e 08 do ms de dezembro do ano 2000.Pargrafo SegundoAos empregados admitidos a partir de 23.11.2000, inclusive, nos bancos submetidos ao cumprimento

    do que dispe a Clusula Stima desta Conveno Coletiva de Trabalho, no ser concedido o Adicio-nal por Tempo de Servio. Pargrafo TerceiroO Adicional previsto nesta Clusula dever ser sempre considerado e pago destacadamente do salrio mensal.

    CLUSULA 7 - OPO POR INDENIZAO DO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIOO empregado admitido at 22.11.2000 poder optar, junto ao banco, por uma das disposies abaixo:a) receber indenizao em valor nico de R$ 1.100,00 (um mil e cem reais) para no ter agregados novos adicionais a partir da data da opo, ou b) continuar mantendo o direito a novos adicio-nais em suas datas de aniversrio de tempo de servio, prestado ao mesmo empregador, nas condies da Clusula Sexta letra a desta Con-veno.Pargrafo PrimeiroA opo mencionada acima dever ser formalizada por escrito.Pargrafo SegundoOptando o empregado pelo recebimento da inde-nizao, o pagamento pelo banco ser procedido observando-se as seguintes condies:a) Quando a opo for feita junto ao banco at o dia 10 (dez), o crdito ser efetuado at a data da folha de pagamento do ms;b) Quando a opo for feita junto ao banco aps o dia 10 (dez), o crdito ser efetuado at a data da folha de pagamento do ms seguinte.Pargrafo TerceiroNo haver supresso ou extino dos Adicionais por Tempo de Servio adquiridos at a data da op-o prevista na letra a do caput desta Clusula.Pargrafo QuartoO Adicional por Tempo de Servio, previsto nas Clusulas Sexta e Stima, ter seu valor reajusta-do na data base da categoria, pelo mesmo ndice de correo dos salrios constante de Conveno Coletiva de Trabalho e dever ser sempre conside-rado e pago destacadamente. Pargrafo QuintoA presente Clusula no se aplica aos Bancos que foram excludos do Plebiscito, cabendo-lhes a apli-cao do caput e do 3 da Clusula Sexta. O cum-primento, ou no, desta Clusula, aos empregados do BANPAR, ser definida por tratativas entre o Banco e o Sindicato Profissional da sua sede social.Pargrafo SextoA incluso desta clusula na Conveno Coletiva de Trabalho foi aprovada atravs de Plebiscito Nacio-nal realizado nos dias 6, 7 e 8.12.2000, consoante termos do 7 da Clusula Stima da Conveno Coletiva de Trabalho 2000/2001.

  • Conveno Coletiva dos Bancrios 2015/2016 - FENABAN

    4

    CLUSULA 8 - ADICIONAL DE HORAS EXTRASAs horas extraordinrias sero pagas com o adi-cional de 50% (cinquenta por cento).Pargrafo PrimeiroQuando prestadas durante toda a semana anterior, os bancos pagaro, tambm, o valor correspon-dente ao repouso semanal remunerado, inclusive sbados e feriados.Pargrafo SegundoO clculo do valor da hora extra ser feito toman-do-se por base o somatrio de todas as verbas salariais fixas, entre outras, ordenado, adicional por tempo de servio, gratificao de caixa e gra-tificao de compensador.CLUSULA 9 - ADICIONAL NOTURNOA jornada de trabalho em perodo noturno, assim de-finido o prestado entre as vinte e duas horas e seis horas, ser remunerada com acrscimo de 35% (trinta e cinco por cento) sobre o valor da hora diur-na, ressalvadas as situaes mais vantajosas.CLUS