humanos, democracia e liberdades ...· Direitos humanos, democracia e liberdades: prescrições presentes

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of humanos, democracia e liberdades ...· Direitos humanos, democracia e liberdades: prescrições...

Colombia Internacional

ISSN: 0121-5612

colombiainternacional@uniandes.edu.co

Universidad de Los Andes

Colombia

de Rezende, Maria Jos

Direitos humanos, democracia e liberdades: prescries presentes no Relatrio do

Desenvolvimento Humano de 2000

Colombia Internacional, nm. 88, septiembre-diciembre, 2016, pp. 185-209

Universidad de Los Andes

Bogot, Colombia

Disponvel em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=81247545009

Como citar este artigo

Nmero completo

Mais artigos

Home da revista no Redalyc

Sistema de Informao Cientfica

Rede de Revistas Cientficas da Amrica Latina, Caribe , Espanha e Portugal

Projeto acadmico sem fins lucrativos desenvolvido no mbito da iniciativa Acesso Aberto

http://www.redalyc.org/revista.oa?id=812http://www.redalyc.org/revista.oa?id=812http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=81247545009http://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=81247545009http://www.redalyc.org/fasciculo.oa?id=812&numero=47545http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=81247545009http://www.redalyc.org/revista.oa?id=812http://www.redalyc.org

185

Direitos humanos, democracia e liberdades: prescries presentes no Relatrio do Desenvolvimento Humano de 2000

Maria Jos de RezendeUniversidade Estadual de Londrina (Brasil)

DOI: http://dx.doi.org/10.7440/colombiaint88.2016.08RECIBIDO: 3 de otubro de 2015APROVADO: 26 de janeiro de 2016REVISADO: 10 de fevereiro de 2016

RESUMO: Os Relatrios do Desenvolvimento Humano (RDHs), encomendados desde 1990 pelas Naes Unidas, tm trazido muitas referncias correlao existente entre desenvolvimento humano e direitos humanos. Desde o incio, suas edies tm posto a Declarao Universal de direitos humanos de 1948, como parmetro para prescrever aes de combate pobreza, aos autoritarismos e s excluses de diversas naturezas. No mbito deste texto, ser demonstrado, por meio de uma anlise hermenutica, como o RDH de 2000, nico relatrio dedicado exclusivamente temtica dos direitos humanos, constri uma agenda de prescries que visam amalgamar direitos humanos, desenvolvimento, democracia, liberdades e combate pobreza.

PALAVRAS-CHAVE: desenvolvimento humano direitos humanos democracia pobreza (esaurus) liberdades (palavras-chave autor)

Uma parte deste texto foi apresentada e registrada nas memrias do I Congresso Latino-Americano de Teoria Social ocorrido entre 19 e 21 de agosto de 2015 em Buenos Aires sob a organizao do IIGG - Faculdade de Cincias Sociais da Universidade de Buenos Aires (Argentina). O presente artigo parte dos resultados de pesquisa vinculados ao projeto intitulado O combate s desigualdades nas suas muitas dimenses: as propostas dos Relatrios do Desenvolvimento Humano (RDHs) das Naes Unidas (ONU) entre 1990 e 2010. Projeto desenvolvido como parte das atividades de pesquisa desenvolvidas na Universidade Estadual de Londrina (Brasil).

186

Colomb. int. 88 ISSN 0121-5612 e-ISSN 1900-6004 Septiembre-diciembre 2016 PP. 185-209 DOI: http://dx.doi.org/10.7440/colombiaint88.2016.08

Human Rights, Democracy and Liberties: Prescriptions Present in the Human Development Report for the Year 2000

ABSTRACT: e Human Development Reports (HDR) commissioned by the United Nations since 1990 have made many references to the relation between human development and human rights. From the beginning, their pronouncements have used theUniversal Declaration of Human Rights of 1948 as a parameter for prescribing actions that combat poverty, authoritarianism and dierent types of exclusions. By means of a hermeneutic analysis, this text shows how the HDR for the year 2000, dedicated exclusively to the topic of human rights, constructed a set of prescriptions that seek to amalgamate human rights, development, democracy, liberties, and the struggle against poverty all together in a single agenda.

KEYWORDS: human development human rights democracy poverty (esaurus) liberties (authors keywords)

Derechos humanos, democracia y libertades: prescripciones presentes en el Informe sobre Desarrollo Humano del ao 2000

RESUMEN: Los Informes de Desarrollo Humano (IDH), encargados por las Naciones Unidas desde 1990, han hecho muchas referencias a la relacin entre desarrollo humano y derechos humanos. Desde el principio, sus disposiciones han usado la Declaracin Universal de los Derechos Humanos de 1948 como un parmetro para prescribir acciones que combatan la pobreza, el autoritarismo y las exclusiones de diferente naturaleza. Por medio de un anlisis hermenutico, este texto muestra cmo el Informe del ao 2000, dedicado exclusivamente al tema de los derechos humanos, construy un conjunto de prescripciones que buscan amalgamar en una sola agenda los derechos humanos, el desarrollo, la democracia, las libertades y la lucha contra la pobreza.

PALABRAS CLAVE: desarrollo humano derechos humanos democracia pobreza libertades (esaurus)

187

Introduo

No h dvida de que h um acoplamento de trs noes no interior de todos os Relatrios do Desenvolvimento Humano (RDHs), documentos encomendados, editados e encampados, todos os anos ao longo de duas dcadas e meia, pelo Programa das Naes Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Quais so, en-to, elas? E quais os seus papis no processo de ordenamento dos diagnsticos e prescries feitos com o objetivo de difundir as agendas que objetivam alcanar o desenvolvimento humano.1 Este medido, essencialmente, por melhorias de acesso, principalmente dos segmentos mais pobres, renda, educao, sade, moradia, gua potvel e saneamento.

As trs noes norteadoras dos relatrios so: desenvolvimento humano, segurana humana e direitos humanos. A narrativa acerca daquela segunda, que permeia todos os documentos, est associada, impreterivelmente, aos direitos, uma vez que se pretende um afastamento daquelas noes em que a segurana tida como sinnimo de controles militares, belicosos e policiais de conitos e vio-lncias de modo geral. Nota-se, ainda, uma tentativa de distanciamento daquelas perspectivas que situam a segurana no mbito somente da defesa territorial e da eliminao de toda e qualquer ameaa que, supostamente, paira sobre pases e pessoas. Os argumentos em prol da segurana humana pautam-se pela busca de um mundo onde os indivduos, de modo geral, tenham acesso alimentao, escolas, medicamentos, vacinas, gua potvel, esgotamento sanitrio, moradias salubres e uma vida sem ameaas e riscos de morte iminente. Ter a vida pautada por estes bens materiais e imateriais signicaria a garantia de que os direitos humanos estariam em pleno funcionamento.2

Qual , ento, o objeto deste estudo? As narrativas presentes no RDH de 2000 e seus enlaamentos com os argumentos em prol do desenvolvimento e da segurana humanos que visam dar substancialidade gerao e sustentao de um conjunto de agendas pblicas, postas em prtica por uma multiplicidade de agentes e conguraes (estados, partidos, sindicatos, movimentos sociais, organizaes no-governamentais e outras associaes e instituies diversas).3

1 A noo de desenvolvimento humano, veiculada nos RDHs, est inspirada em Amartya Sen (1981, 1999, 2001, 2008 e 2010).

2 Los derechos humanos expresan la idea audaz de que todos estn facultados para reclamar medidas sociales que los protejan de los peores abusos y privaciones, y que garanticen la liber-tad para vivir una vida digna (RDH 2000, 9).

3 Formam conguraes tanto os pequenos agrupamentos humanos quanto aqueles que agre-gam, por razes diversas, milhes de pessoas (Elias 1999 e 1999a). H sempre que haver relaes de interdependncia para que uma gurao exista (Elias 2001). Os Organismos internacionais (ONU, BM, FMI, OMC, OIT, OCDE, OEA, entre outros), formam vrias

188

Colomb. int. 88 ISSN 0121-5612 e-ISSN 1900-6004 Septiembre-diciembre 2016 PP. 185-209 DOI: http://dx.doi.org/10.7440/colombiaint88.2016.08

O estudo sociolgico das narrativas pode ser feito a partir de diver-sas perspectivas cientcas (histrico-sociolgicas, estrutural-funcionalistas, funcionalistas, interacionistas, entre outras). No caso especco deste estudo, interessa compreender o contexto social e histrico em que a narrativa do desenvolvimento humano construda de maneira indissocivel das narrativas dos direitos humanos e da segurana humana, entendida como aquela que est enraizada na vida das pessoas (RDH 2006, 11) e no somente na proteo de fronteiras e territrios.

Ainda que essa anlise no se enquadre dentro de uma teoria sistmica e/ou da ao, considera-se que a proposta de Fritz Schtze (2014) de construo de um percurso procedimental para a anlise sociolgica das narrativas de grande ajuda para a anlise documental. Mesmo que no se pretenda enquadrar a anlise dos RDHs inteiramente a sua proposta, no h dvida que os caminhos indica-dos por ele facilitam os estudos sociolgicos das narrativas, as quais so tomadas como suposies plausveis (Schtze 2014, 11), dotadas de histria, motivaes, interesses e construdas, de modo planejado e estratgico, em contextos intera-cionais especcos (Schtze 2014).

E o que se deve mapear, segundo ele, por meio da investigao das narrativas? A competncia comunicacional, a competncia estratgico-interacional, a competncia de explicao motivacional e explanao e a competncia de avaliao e justicao (Schtze 2014, 44). Este estudo leva em conta, em alguma medida e no na totalidade, alguns traos desses elementos, mas deve-se esclarecer que esta no uma anlise que segue esse modelo clssico dos estudos das narrativas. Enquanto Schtze e inmeros outros especialistas nesses estudos do um peso maior ao que dito (de forma oral e/ou escrita), esta investigao busca dar uma nfase mais expressiva ao contexto scio-histrico no qual a narrativa do desenvolvimento humano foi construda. Neste caso, os jogos