INSPEÇÃO DE SEGURANÇA OU INSPEÇÃO DE RISCO

  • Published on
    13-Aug-2015

  • View
    77

  • Download
    6

Embed Size (px)

Transcript

<p>INSPEO DE SEGURANA OU INSPEO DE RISCOEnviado por: Viviann Maciel da Silva Alves | 0 comentrios Arquivado no curso de Engenharia Florestal na UFACDownload</p> <p>denunciar Creative Commons Inspeo de risco Prof: Viviann Alves CAPTULO I</p> <p>INTRODUO</p> <p>A inspeo de risco a parte do controle de riscos que consiste em efetuar vistorias nas reas e meios de trabalho, com o objetivo de descobrir e corrigir situaes que comprometam a segurana dos trabalhadores. Como sabemos, o acidente a consequncia de diversos fatores que, combinados, favorecem a ocorrncia do mesmo. Assim, a inspeo de risco ou de segurana uma vistoria tcnica feita nos locais de trabalho, reas externas e instalaes, observando os riscos existentes no ambiente, exemplo: falta de protetores em mquinas, protetores danificados, funcionando mal ou mal usados, desordem, desarrumao, disposio de materiais de maneira perigosa, uso de equipamentos de forma insegura, falta ou uso inadequado de equipamentos de proteo individual (EPI), falta ou uso inadequado de equipamentos de proteo coletiva (EPC), etc. Outro fator importante a ser observado numa inspeo o estado de conservao de materiais como: mquinas, mangueiras, cabos, ferramentas, escadas, EPIs etc., que devido a seu uso</p> <p>frequente leva a desgastes naturais que deterioram gradualmente, e esta pode ser descoberta antes de causar danos pessoais, materiais e at ao meio ambiente. Quando detectamos estes problemas com antecedencia, as informaes so repassadas aos responsveis para manuteno evitando assim acidentes e doenas no ambiente de trabalho. Portanto, a inspeo um instrumento fundamental para se obter um retrato qualitativo do ambiente laboral, onde a partir dai podemos elaborar medidas preventivas e corretivas. muito importante localizar situaes que possam provocar acidentes e tomar as medidas prevencionistas necessrias. Por isso, o Profissional da Segurana do Trabalho e / ou o membro da CIPA (Comisso Interna de Preveno de Acidentes) deve percorrer todo o ambiente para identificar fatores que podero ser causa de acidentes. Feito isto, o responsvel deve tomar as devidas providncias. A maioria dos acidentes uma combinao de condies inseguras do ambiente e atos inseguros dos trabalhadores, por exemplo: se os trabalhadores no fizerem absolutamente nada num local que oferea risco, eles no sero feridos. Por outro lado, se um trabalhador fosse executar uma tarefa sem qualquer ferramenta ou material de segurana, a probabilidade de ocorrer um acidente seria grande. Logo, todo acidente envolve aes e condies fsicas. Assim, o gerenciamento da segurana dever enfocar as condies inseguras do ambiente e o comportamento do trabalhador que ir executar as aes. As aes dos trabalhadores so influenciadas pelos prprios trabalhadores, por seus supervisores imediatos, e por toda a alta gerncia. Todos exercem um papel na manuteno da segurana. Para um empreendimento ser seguro, cada uma das partes deve estar comprometida para prover um ambiente de trabalho que conduza a um bom desempenho de segurana. Por este motivo todos devem participar das inspees de risco, seja executando as inspees, analisando seus resultados ou promovendo as aes corretivas e preventivas para sanar os problemas encontrados. As inspees so uma grande fonte de informaes que ajudam na determinao de medidas de segurana que previnem os acidentes do trabalho. Quando bem executadas e envolvendo a todos, as inspees possibilitam a determinao de meios preventivos antes da ocorrncia de acidentes; permite fixar nos trabalhadores a importancia de se ter segurana no trabalho, encorajando-os a agirem como inspetores de segurana; permite consolidar a relao entre trabalhador e empresa, uma vez em que eles observam o interesse da empresa pela segurana do trabalho; despertam a confiana na administrao e alcana a colaborao de todos para a preveno de acidentes. A inspeo de risco tem como objetivo fazer um levantamento das irregularidades existentes nos postos de trabalho e propor aes para resolver os problemas que comprometem a segurana e sade do trabalhador.</p> <p>CAPTULO II</p> <p>ANLISE PRELIMINAR DE RISCO</p> <p>A Anlise Preliminar de Riscos (APR) teve seu desenvolvimento inicial na rea militar e um recurso a ser utilizado pela segurana do trabalho visando de forma a facilitar a detectar a totalidade dos riscos que envolvem as vrias operaes na rea fabril, detalhar as mesmas a um nvel que possam ser identificados os menores problemas, encontrar a forma mais eficiente de fazer o trabalho, normatizar os mtodos, materiais, ferramentas, instalaes e mquinas. A (APR) um estudo, durante a fase de elaborao, desenvolvimento de um projeto ou sistema de produo. Uma avaliao de riscos um exame sistemtico de todos os aspectos de trabalho, com o objetivo de apurar ao que poder causar danos, se ou no possvel eliminar os perigos, em caso negativo, que medidas preventivas poderam ser tomadas para controle. Ela usada portanto para uma anlise inicial, tendo importncia na conhecimento de sistemas novos de alta inovao tecnolgica e/ou pouco conhecidos, ou seja, quando a experincia em riscos na sua operao deficiente. Apesar das caractersticas de anlise inicial, til utilizar a APR como uma ferramenta de reviso geral de segurana em sistemas j operacionais, revelando aspectos que s vezes passariam despercebidos. Na NR10 - que trata dos servios no Sistema eltrico previsto a aplicao da APR, quando da execuo destes servios. Para profissionais especializados na rea de inspeo de equipamentos em unidades industriais fcil entender a importncia do seu trabalho, pois, quando no h ocorrncia de acidentes durante um bom perodo de tempo porque se est colhendo os frutos do trabalho bem feito da inspeo. Entretanto, um outro aspecto a ser observado que este trabalho pode gerar interferncias na produo e custos para a manuteno, e por isso deve ser amplamente discutido em todos os setores e seus benefcios amplamente divulgados. APR tem uma maior importncia no que se refere determinao de medidas de controle e preveno de riscos, permitindo revises de projeto em tempo hbil, com maior segurana,</p> <p>alm de definir responsabilidades no que se refere ao controle de riscos. Para isso deve-se fazer:</p> <p>As revises dos problemas conhecidos, nos permite a determinao de riscos que podero estar presentes num sistema de operao que est em desenvolvimento, tomando como base a experincias conhecidas. Deve-se fazer a reviso da misso a que se destina a APR, atentar para os objetivos, exigncias de desempenho, principais funes e procedimentos, ambientes onde se daro as operaes, etc. Enfim, estabelecer os limites de atuao e delimitar abrangencia dessa misso, o que e quem so os atores envolvidos e como ser desenvolvida. Determinar os riscos principais, identificando os riscos com potencialidade para causar leses diretas e imediatas, perda de funo (valor), danos equipamentos e perda de materiais. Identificao dos riscos iniciais e quais fatores contribuem para sua ocorrncia, para cada risco principal detectado, os riscos iniciais e contribuintes associados. Reviso dos meios de eliminao ou controle de riscos, criando um levantamento para dos meios passveis de eliminao e controle de riscos, a fim de estabelecer as melhores opes, desde que compatveis com as exigncias do sistema. Realisar pesquisas de mtodos que sejam mais eficientes para a limitao dos danos gerados caso ocorra perda de controle sobre os riscos. Indicao de quem ser responsvel pela execuo das aes corretivas e/ou preventivas, designando tambm para setor unidade as atividades a desenvolver. A APR tem grande utilidade, porm, h a necessidede de que haja a verificao contnua desses fatores de risco, devendo ser complementada por tcnicas mais detalhadas e apuradas. Lembrando que a APR umaforma de se identificar possiveis riscos em um empreendiemnto antes do incio de sua operao.</p> <p>CAPTULO III</p> <p>ELEMENTOS IMPORTANTES UTILIZADOS NA INSPEO</p> <p>As inspees possuem grande importancia na preveno de perdas, devendo ser feita em todas as reas do ambiente de trabalho. Por isso, uma inspeo para ser bem aproveitada precisa ser planejada, e o primeiro passo definir o que se pretende com a inspeo e como faz-la, para isso precisamos saber:</p> <p>1 - O que ser inspecionado: pode ser todo o ambiente de trabalho ou apenas algum setor especfico como o escritrio, linha de produo, almoxarifado, etc.</p> <p>2 - Quem ser o responsvel: o tcnico, o engenheiro, um membro da CIPA.</p> <p>3 - O intervalo de tempo entre uma inspeo e outra: de quanto em quanto tempo ela dever ser feita, semanalmente, mensalmente, bimestralmente...</p> <p>4 - Informaes sobre historico de antecedentes do local analisado: procurar saber se j houve acidentes, quantos, a quanto tempo, qual sua gravidade, em que setores, porque?</p> <p>5 - Formulrio para registro dos dados coletados: tudo que for observado, deve ser registrado, pois, servir para elaborao de medidas preentivas e / ou corretivas. ( ver modelo de formulrio no anexo).</p> <p>PONTOS IMPORTANTES UTILIZADOS NA INSPEO</p> <p>Alm desses elementos, necessrio que o profissional estabelea alguns pontos como prioridades durante a averiguao do ambiente, em razo das informaes disponveis acerca do local a ser inspecionado, pois, estas tambm sero usadas como indiadores de necessidades a serem observadas. So eles:</p> <p>1 - Acidentes recorrntes no mesmo local e pela mesma causa; quantos acidentes e em que intervalo de tempo, e se eles ocorreram devido s condies ou atos inseguros.</p> <p>2 - Em casos onde j houve acidente importante observar se as correes foram feitas e quais foram estas: verificar se j foram tomadas as me didas corretivas e preventivas, quais foram, seforam empregadas corrtamente.</p> <p>3 - Ocorrncia de leses graves: tipo de leso, gravidade, e at mesmo obtos.</p> <p>4 - Necessidade de desenvolver normas de segurana e treinamento com funcionrios na empresa: verficar se h algum programa de treinamento, qual esse programa, de que forma tem sido aplicado, se est sendo eficiente.</p> <p>CAPTULO IV</p> <p>TIPOS DE INSPEO</p> <p>Ainda hoje verifica-se na maioria das empresas brasileiras, especialmente as empresas do setor industrial, ainda um certo descaso para com as condies de trabalho e,</p> <p>consequentemente, com a qualidade de vida dos seus colaboradores. Poucas firmas como algumas empresas multinacionais, e em algumas grandes empresas nacionais, a sade e segurana do trabalho est sendo utilizada como ferramenta para melhorar a eficincia e as condies de trabalho dos funcionrios. Uma prova disso que em todo o mundo, milhes de trabalhadores se acidentam, adoecem e milhares morrem no exerccio do trabalho a cada ano. Segundo estimativas da Organizao Internacional do Trabalho (OIT), ocorrem anualmente cerca de 270 milhes de acidentes de trabalho no mundo, alm de aproximadamente 160 milhes de casos de doenas ocupacionais. Do total de trabalhadores mortos, 22 mil so crianas, vtimas do trabalho infantil. Ainda segundo estimativas da OIT, todos os dias morrem cinco mil trabalhadores devido a acidentes ou doenas ocupacionais. Segundo o boletim anual Sistema de Referncia em Anlise e Preveno de Acidentes de Trabalho (SIRENA) que resultado de um convnio entre o Ministrio do Trabalho e Emprego (MTE) e o Ministrio da Previdncia, em 2010, 846 pessoas morreram vtimas de acidente de trabalho no Brasil, e constatou-se 1.944 acidentes ocorridos no ano passado. Ao todo, 2.252 trabalhadores se acidentaram em horrio de servio no pas. A maior porcentagem dos acidentes aconteceu no setor da indstria de transformao (36%), seguida pela construo civil (30%) e comrcio (10%). De acordo com o boletim, 95,2% dos trabalhadores acidentados possuam carteira assinada. A faixa etria da maioria atingida est entre 21 e 50 anos (81,5%) e do maior nmero de acidentes fatais tambm (78,8%). Os ndices tambm apontaram que 9,9% do total de acidentados era do sexo feminino, o equivalente a 224 trabalhadoras, sendo que, 2,8% delas morreram, o que representa 24 trabalhadoras. De acordo com dados da assessoria do Ministrio da Previdncia Social - Cobertura Previdenciria Estimada (Copes), em janeiro deste ano 510 mil trabalhadores passaram pela percia no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Neste sentido, a inspeo no local de trabalho um dos procedimentos mais importantes em relao Segurana e Medicina do Trabalho, por ser uma ferramenta importante para identificao e elaborao de mtodos de correo e preveno de riscos. Por isto ideal que os profissionais adotem procedimentos de inspeo para eliminar riscos de baixo, mdio e grande porte, oferecendo aos ambientes laborais e aos colaboradores da empresa qualidade e segurana. Aps a inspeo impressindvel que fique claro cada risco existente, quais as pessoas que podero ser afectadas num possvel acidente. Assim, ser mais fcil identificar a melhor forma prevenir esse, isto no significa elaborar uma lista com os nomes das pessoas, mas identificar grupos, como: pessoas que trabalham no almoxarifado, no armazm, escritrio, segurana, linha de produo, ou transeuntes, os profissonais de limpeza, os contratantes, etc. Deve ser prestada especial ateno s questes de gnero e a grupos de trabalhadores que podem correr riscos acrescidos ou ter requisitos especficos, como trabalhadores idosos, com algum tipo de deficncia. Em cada caso, importante identificar a forma que esses danos</p> <p>podero assumir, ou seja, o tipo de leso ou problema de sade que pode ocorrer, essa observaes facilitam a elaborao de programas de preveno. De rotina: uma atividade que ocorre no dia-a-dia, diriamente so observados a presena ou no de riscos no ambientee fica sobre responsabilidade do pessoal de manuteno, dos membros da CIPA e de chefias imediatas. Exemplo de pontos a serem observados: 1. .Remoo de proteo em mquinas; 2. .Falta de organizao no setor; 3. .Falta de Uniformizao; 4. .Ordem, organizao e limpeza; 5. .Uso inadequado de equipamentos de segurana; 6. .Disposio insegura ou inadequada de materiais; 7. .Atos inseguros ou condies inseguras, etc. importante que a pessoa responsvel por esta atividade utilize um frmulrio prprio, e dirigido a cada setor inspecionado, e que os mesmos no fiquem esquecidos em suas gavetas pois so fonte de informaes para elaborao de medidas preventivas de segurana. Peridica: efetuadas em intervalos regulares (semanais, mensais, bimestrais ou trimestrais), e programada com antecedencia objetiva apontar riscos previstos como: desgastes, fadigas, esforo e exposio a certas intemperies a que so submetidos mquinas, ferramentas (essas inspees so indicadas pelo fabricante), instalaes, podem incluir a inspeo de toda a fbrica, de um departamento, uma seo, certos tipos de operaes, determinados equipamentos e aspectos relativos a higiene, sendo indicado a elaborao de um relatrio final. Pode-se utilizar como mtodo de inspeo o sinal da cruz (em cima, em baixo, direita, esquerda), destacando que sempre ser importante a participao dos principais envolvidos (produo, superviso, manuteno, lderes, membros da cipa, convidados imparciais que so pessoas que no esto acos...</p>