Isla Africa

  • View
    1.139

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Isla Africa

Curso:Histria Conteudista: Andrea Barbosa Marzano AULA 3

Disciplina: Histria da frica

A primeira expanso do islamismo na frica META Analisar os diferentes processos de expanso do islamismo no continente africano. OBJETIVOS Ao final desta aula, voc dever ser capaz de: 1. Compreender os diferentes processos de expanso do islamismo no continente africano; 2. Diferenciar islamizao e arabizao; 3. Problematizar as idias de islamizao da frica e de africanizao do Isl. Pr-Requisitos Esta a terceira aula da disciplina de Histria da frica. Para acompanh-la, voc deve ter em mente as diferentes regies do continente, especialmente o norte, a frica Ocidental e a costa oriental. INTRODUO Como vimos na primeira aula desta disciplina, diferentes religies se fazem presentes, hoje, no continente africano, com destaque para o islamismo, as crenas e prticas ditas tradicionais, o catolicismo e outras variadas designaes crists. A vivncia religiosa dos africanos freqentemente caracterizada pela mistura de elementos de diferentes religies, havendo catlicos que recorrem a autoridades religiosas tradicionais, como os quimbandas (curandeiros) de algumas regies de Angola, e da por diante. No que diz respeito ao islamismo, sabe-se que a religio que tem mais

1

adeptos na frica, concentrando-se especialmente no norte, nas savanas ocidentais e na costa oriental. A expanso inicial do islamismo esteve estreitamente relacionada, no norte, ao surgimento de unidades polticas inspiradas no mundo rabe, como emirados e califados. Ao sul do Saara, nas costas ocidental e oriental, o principal vetor do avano da religio muulmana foi, sem dvida, o comrcio. A expanso do islamismo teve importantes conseqncias para a histria do continente. Como vimos na primeira aula, at mesmo as primeiras fontes escritas sobre as sociedades africanas foram produzidas por religiosos e mercadores muulmanos. Por outro lado, se avanarmos no tempo at meados do sculo XX, veremos que as ideologias anti-coloniais no norte da frica sofreram influncia da religio islmica e das conexes com o Oriente Mdio, expressas exemplarmente na ideologia do pan-arabismo, que teve no egpcio Nasser o seu mais aguerrido defensor. BOXE EXPLICATIVO: O PAN-ARABISMO O pan-arabismo ocorreu no norte da frica sob a liderana do Egito, propondo um movimento poltico centrado na identidade rabe como elemento de resistncia perante a cultura ocidental e os colonizadores europeus. Assim, o pan-arabismo baseou-se na construo e na afirmao de uma identidade rabe envolvendo, acima de tudo, o Oriente Mdio e o norte da frica. O surgimento do pan-arabismo, cujo auge ocorreu durante a permanncia de Nasser na presidncia do Egito (1954-1970), foi possvel a partir de um longo processo de recrudescimento da identidade rabe, dos contatos culturais em todo o mundo rabe, sobretudo atravs da difuso do cinema e da msica egpcia dos anos 50, e das influncias ocidentais que, desde o sculo XIX, marcaram a defesa da modernizao das sociedades islmicas atravs de reformas na charia cdigo de leis do islamismo ou da adoo de sistemas legais e instituies nos moldes ocidentais.

2

Fortalecido pela idia de unio dos povos rabes em defesa dos palestinos, no contexto que levaria criao do Estado de Israel (1948), o panarabismo acabou favorecendo a ecloso de projetos nacionalistas independentes, a despeito do surgimento da Repblica rabe Unida, em 1958, envolvendo o Egito e a Sria. Embora tenha seduzido o Iraque em determinado momento, o projeto de unio no encontrou novos adeptos e acabou abandonado em 1961. (fim do boxe explicativo) Se todas essas informaes demonstram a importncia indiscutvel do islamismo ao longo da histria do continente africano, apontam tambm a necessidade de um melhor entendimento do avano do Isl na frica. A compreenso desse processo deve levar em conta que a islamizao da frica foi, ao mesmo tempo, a africanizao do Isl, ou seja, a apropriao da f e de certas instituies islmicas ao longo de sculos por sociedades muito diversificadas, cujos habitantes sequer se definiam como africanos, j que prevaleciam as identidades tnicas ou regionais. Diferentes sociedades africanas entenderam e se apropriaram do islamismo a partir do filtro de suas prprias culturas, tornando impossvel entender o islamismo na frica apenas a partir das leis, doutrinas e prticas cornicas. O processo de africanizao do Isl pode ser melhor entendido se considerarmos a diferena entre arabizao e islamizao. Em vrias partes do norte da frica, a arabizao adoo da lngua e da cultura rabe teria sido mais profunda, sem que isso significasse, evidentemente, a simples transposio das formas sociais e culturais do mundo rabe. Nas costas ocidental e oriental, por sua vez, a expanso do Isl teria ocorrido basicamente em termos religiosos, com a converso f muulmana mas sem a adoo da cultura e da lngua rabe. BOXE: O SURGIMENTO DO ISLAMISMO O Islamismo surgiu na Pennsula Arbica, na atual Arbia Saudita. Seu iniciador e principal difusor teria sido Maom, nascido em Meca no ano de 570. Aos 40 anos, Maom teria iniciado a pregao do monotesmo para os

3

povos rabes, divididos em diferentes sociedades que cultuavam vrios deuses. Perseguido, o profeta teria partido para a cidade de Medina no ano de 622, tido como o marco inicial do calendrio muulmano. Em Medina, Maom teria sido reconhecido como lder religioso,

estabelecendo a paz e unificando diferentes povos rabes, alm de implantar o monotesmo. Ao retornar a Meca, Maom teria conseguido implantar a religio muulmana, que de l passaria a se expandir pela pennsula Arbica. O islamismo possui dois livros sagrados: o Alcoro, que contm as revelaes feitas a Maom pelo Anjo Gabriel, e a Suna, que rene dizeres e feitos do profeta. Aps a morte de Maom, ocorrida em 632, o islamismo continuaria se difundindo, sobretudo no Oriente Mdio e nos continentes africano e asitico. (fim do boxe) A expanso muulmana no norte da frica (a partir do sculo VII) Os muulmanos chegaram ao Egito no sculo VII, vindos da Pennsula Arbica, iniciando um processo de conquista territorial. O Egito era, ento, a provncia mais importante do Imprio Bizantino, cuja capital era Constantinopla, na atual Turquia. Alm de lutarem contra os exrcitos bizantinos, os rabes enfrentaram a resistncia dos povos berberes do norte da frica e a presena de judeus e cristos, j que estes ltimos chegaram ao Egito, vindos de Jerusalm, no primeiro sculo da era crist. Entre os sculos VIII e X, os rabes avanaram pelas atuais Lbia, Tunsia, Arglia e Marrocos, empreendendo conquistas territoriais e divulgando a lngua e a cultura rabe, alm da religio islmica. Por volta do sculo VIII, o exrcito muulmano j contava com um grande contingente de berberes arabizados.

4

BOXE: O ISLAMISMO COMO RELIGIO UNIVERSAL Para alguns autores, o islamismo se tornou uma religio universal, capaz de incorporar um grande contingente de populaes no rabes, na primeira metade do sculo VIII, quando o rabe se tornou uma lngua culta, vertida para a escrita. O islamismo foi muito marcado, no seu incio, pela absoro de no-rabes, gregos e persas conquistados e escravizados, que com o tempo se transformaram em portadores dessa nova cultura e religio. Assim, muitos dos responsveis pela sua codificao escrita e seus sistemas de leis no eram rabes de origem, o que acabou por dotar os textos islmicos de um considervel cosmopolitismo, incorporando outras experincias sociais, polticas e religiosas. (fim do boxe) Em toda a frica, s no norte a islamizao envolveu conquista territorial, gerando o surgimento de califados e a independncia sucessiva de vrias regies que antes faziam parte do Imprio Bizantino. A regio foi marcada por um processo tanto de islamizao quanto de arabizao, ainda que, em algumas partes dos atuais Marrocos e Arglia, populaes berberes tenham mantido suas lnguas e culturas em contraposio ao rabe. Com o passar do tempo, poderes rabes locais, dotados de grandes exrcitos de escravos (primeiro berberes e, depois, oriundos da frica Subsaariana), se tornaram independentes dos poderes sediados no Oriente Mdio. O controle das rotas de comrcio de ouro teria contribudo decisivamente para esse processo. Entre os sculos X e XIV, vrias dinastias se sucederam no norte da frica, algumas delas dando origem a imprios que unificaram vastas regies. Voltemos, no entanto, ao perodo inicial do islamismo na regio (sculo VII ao sculo X). Segundo alguns autores, os rabes no obrigavam os povos conquistados converso. Em geral, ofereciam cargos administrativos e proteo para, tempos depois, apresentarem a converso como requisito para a ocupao de novos cargos e a iseno de impostos. Assim, naquele

5

contexto de conquista territorial, a converso ao islamismo e o domnio da lngua rabe passaram a ser elementos importantes para a obteno de status e de novas alternativas de vida. A conquista e a converso no tiveram como base apenas a violncia. A difuso do islamismo no norte ocorreu, em geral, das guarnies para os soldados escravos, dos governantes para os funcionrios, dos senhores para os serviais, dos pastores para os agricultores. Por isso, por vezes o processo foi descrito como de simples imposio da f islmica. No entanto, a converso cotidiana foi marcada por prticas religiosas coletivas e simples, como sentar no cho para a orao conjunta e se submeter s mesmas prticas de higiene. A expanso do islamismo no Reino da Nbia e no Darfur (a partir do sculo VII) A leste do deserto do Saara, j no deserto da Nbia, tambm houve um processo de islamizao e arabizao. Por volta do sculo VII, existia na regio o Reino da Nbia, que possua uma pesada mquina administrativa e tinha o cristianismo como religio de Estado. Aps ser islamizado, do decorrer do sculo VII, o Egito invadiu a Nbia e passou a cobrar tributos anuais em escravos. No final do sculo X, exigiu a converso do reino" ao Isl. As hostilidades foram grandes entre os sculos XII e XIV, com vrios momentos de enfrentamento mili