PROVA PERICIAL

Embed Size (px)

DESCRIPTION

PROVA PERICIAL. CONCEITO DE PERÍCIA. A prova pericial é o meio de suprir a carência de conhecimentos técnicos de que se ressente o juiz para apuração dos fatos litigiosos (HUMBERTO THEODORO JÚNIOR). - PowerPoint PPT Presentation

Text of PROVA PERICIAL

  • PROVA PERICIAL

  • CONCEITO DE PERCIAA prova pericial o meio de suprir a carncia de conhecimentos tcnicos de que se ressente o juiz para apurao dos fatos litigiosos (HUMBERTO THEODORO JNIOR). o meio pelo qual no processo pessoas entendidas e sob compromisso verificam fatos interessantes causa, transmitindo ao juiz o respectivo parecer (MOACYR AMARAL SANTOS).A percia o meio que possui o juiz de ter acesso a conhecimentos tcnicos relevantes relativos a pessoas ou coisas, cujos esclarecimentos sobre fatos a eles relativos importam para a soluo da demanda

  • PERITO (arts. 145/148)DEVERES DO PERITO(I) aceitar o encargo (146 e 339);(II) respeitar os prazos fixados pelo juiz para a realizao da percia (146, 424, II, pargrafo nico e 433);(III) comparecer audincia, desde que intimado com cinco dias de antecedncia (435, pargrafo nico, 453, pargrafo 3);(IV) dever de lealdade (art. 147 e art. 342 do CP, crime de falsa percia) DIREITOS DO PERITO(I) escusar-se do encargo por motivo legtimo (146);(II) pedir prorrogao de prazos (432);(III) recorrer, requisitar e ter acesso s fontes de informao (429, 434);(IV) indenizao pelas despesas relativas percia e honorrios (art. 33)

  • ASSISTENTE TCNICOExerce as mesmas funes do perito, no assumindo compromisso formal e no se aplicando a ele as suspeies e impedimento, pois indicado pela parte (art. 421, 1, I, e art. 422 parte final).Assim como o perito o assistente dever ter capacidade tcnica, aptido, idoneidade e conhecimentos suficientes para exercer a funo com relao ao tipo de percia, podendo ser substitudo por deficincia tcnica (art. 424, I).Quanto aos direitos e deveres do assistente tcnico, em linhas gerais aplicam-se os mesmos deveres e direitos, com as redues e especificidades acima apresentadasPossibilidade de solicitao de documentos, ouvida de testemunhas, etc. (art. 429)

  • ESPCIES DE PERCIA EXAME = a inspeo por meio de perito sobre pessoas, coisas mveis ou animais para a verificao de fatos que interessam causa.VISTORIA = a inspeo sobre bens imveis, com os mesmos objetivos do exame.AVALIAO = a estimativa do valor, em moeda corrente, de coisas, direitos e obrigaes segundo os conhecimentos tcnicos do avaliador.ARBITRAMENTO (espcie de avaliao, que para alguns possui autonomia) quando se verifica o valor, quantidade ou qualidade do objeto do litgio, servio, direito ou obrigao.

  • CLASSIFICAO DAS PERCIAS (MOACYR AMARAL SANTOS)CONFORME SE FAAM NO PROCESSO(I) judicial (realiza-se no processo)(II) extrajudicial (realiza-se fora do processo, quando em verdade no ter valor de percia).

    SEGUNDO SEJAM OU NO EXIGIDAS PELA LEI OU PELA ESPECIAL NATUREZA DO FATO PROBANDO(I) necessria (exigida pela lei ou pela especial natureza da causa)(II) facultativa (no exigida pela lei ou especial natureza da causa).

  • CLASSIFICAO DAS PERCIAS (MOACYR AMARAL SANTOS)SEGUNDO SEJAM DETERMINADAS DE OFCIO OU POR PROVOCAO DA PARTE(I) oficial (determinada pelo juiz ex officio)(II) requerida (determinada pelo juiz a requerimento da parte)

    CONFORME TENHAM LUGAR NO CURSO DO PROCESSO OU SEJAM PREPARATRIAS(I) de presente (realizada no curso do processo)(II) de futuro (realizada como medida cautelar preparatria ou por vistoria ad perpetuam rei memoriam).

  • OBJETO DA PERCIA So os fatos da causa que escapam ao conhecimento ordinrio, porque dependem de conhecimento tcnico ou cientfico (art. 145), podendo materialmente recair sobre pessoas, coisas ou documentos e que no possam ser provados por meios ordinrios.

  • ADMISSIBILIDADE DA PERCIA Assim como qualquer prova (art. 130 do CPC), quando a percia for desnecessria o juiz deve indeferi-laI - a prova do fato no depender do conhecimento especial de tcnico (art. 420, pargrafo nico, inciso I);II - for desnecessria em vista de outras provas produzidas (art. 420, pargrafo nico, inciso II);III - a verificao for impraticvel (art. 420, pargrafo nico, inciso III);IV - quando as partes, na inicial e na contestao, apresentarem sobre as questes de fato pareceres tcnicos ou documentos elucidativos que considerar suficientes (art. 427).

  • PROCEDIMENTO DA PROVA PERICIAL

    PROPOSIO DA PERCIA

    ADMISSO

  • ATOS PREPARATRIOSNomeao do perito (art. 434, 1 parte).Abres-se prazo de 5 dias para que as partes indiquem assistentes tcnicos e formulem os quesitos (art. 331, I e 421, 1).Impugnao pela parte adversa e indeferimento dos quesitos impertinentes pelo juiz que poder formular os que entender necessrios (art. 426).Julgamento da escusa (arts. 146 e 423) ou da impugnao (recusa) por suspeio ou impedimento (art. 138, III, e 423). Havendo aceitao da escusa ou da recusa nomeia-se outro perito (art. 423)(Continua)

  • ATOS PREPARATRIOSSubstituio do perito que no possuir os conhecimentos tcnicos ou que no cumprir, imotivadamente, o encargo que lhe foi submetido dentro do prazo fixado (art. 424).Apresentao de quesitos suplementares, ainda no decorrer da percia (art. 425). Fixao de prazo para entrega do laudo (art. 433).Caso a percia necessite ser realizada por carta poder a nomeao do perito e a indicao de assistente tcnico vir a ser feita no juzo ao qual foi requerida a percia (art. 428).

  • PRODUO DA PERCIAElaborao do laudo no prazo indicado pelo magistrado (art. 421 e art. 433). Poder haver dilao a pedido do perito, por uma vez (art. 432) no prazo que o juiz lhe conceder.Para cumprir o seu dever e bem realizar a percia o perito poder requisitar os elementos necessrios, ouvir testemunhas e adotar as diligncias necessrias para o fiel cumprimento do seu encargo (art. 429 e 434).Apresentado o laudo as partes tero vista em cartrio, pelo prazo comum de dez dias, a contar da intimao da apresentao do laudo, para que seus assistentes tcnicos apresentem, no mesmo prazo de dez dias, os seus pareceres tcnicos. (Continua)

  • PRODUO DA PERCIA

    Havendo necessidade de esclarecimentos complementares por parte do perito, a parte requerer que ele seja intimado, com cinco dias de antecedncia, a comparecer na audincia, para responder as perguntas elaboradas sobre a forma de quesitos quando do requerimento de comparecimento do perito (art. 435).A no-apresentao do parecer do assistente tcnico no empecilho realizao da audincia, salvo se no houver a intimao da juntada do laudo pericial. Mas se a falta for do laudo do perito do juzo, a audincia ter que ser suspensa, caso em que o juiz nomear substituto para o tcnico, podendo impor ao remisso a penalidade prevista no art. 424, pargrafo nico.

  • SIMPLIFICAES DA PROVA PERICIALPERCIA ORAL = que tem cabimento em causas que envolvem questes mais singelas, quando ao juiz permitido dispensar o laudo e convocar o perito e os assistentes para se pronunciarem na audincia a respeito das coisas que houverem informalmente examinado ou avaliado (art. 421, 2)

  • APRECIAO DO LAUDO O laudo pericial o relato das impresses captadas pelo tcnico, em torno do fato litigioso, por meio dos conhecimentos especiais de quem o examinouComo as demais provas, a pericial se sujeita a livre apreciao do juiz (arts. 131 e 436), no vinculando a aceitao do seu resultado.Quando carecer de fundamentao lgica, se, por exemplo, o perito subtrair ao conhecimento do juiz e dos interessados os motivos em que se baseou para emitir a sua opinio, nenhum valor poder ser atribudo ao seu laudoQuando outros elementos de prova do processo conduzirem formao da convico diversa daquela apontada pelo perito, posto que percia no prova hierarquicamente superior s demais provas, e na tcnica do Cdigo o juiz no se vincula opinio do perito, mas apenas sua prpria convico.

  • SEGUNDA PERCIA O juiz poder determinar, de ofcio ou a requerimento da parte, a realizao de segunda percia, quando a matria no lhe parecer suficientemente esclarecida.A segunda percia ter por objeto os mesmos fatos sobre que recaiu a primeira e destina-se a corrigir eventual omisso ou inexatido dos resultados a que esta conduziu. (art. 437 e 438).A segunda percia rege-se pelas disposies estabelecidas para a primeira e no a substitui, cabendo ao juiz apreciar livremente o valor de uma e outra (art. 439 e seu pargrafo nico). Poder o juiz utilizar elementos de convico de ambos os trabalhos periciais.No poder funcionar o mesmo perito, embora possam funcionar os mesmo assistentes tcnicos.A segunda percia no se confunda com eventual necessidade de se fazer nova percia no processo sobre outros fatos.

  • ESPECIFICIDADES NO PROCEDIMENTO SUMRIOOs QUESITOS e a indicao do assistente tcnicos deve vir na inicial ou na contestao (art. 276 e 278 do CPC), sob pena de indeferimentoSer ADMITIDA no despacho que determinar a citao, quando requerida na inicial; ou na audincia de conciliao, quando requerida na contestao

  • ESPECIFICIDADES NO PROCEDIMENTO DOS JUIZADOS ESPECIAISINQUIRAO DE TCNICOS NOS JUIZADOS ESPECIAIS = a Lei n. 9.099/95, Lei dos Juizados Especiais (LJE) estabelece que quando a prova do fato exigir, o juiz poder inquirir tcnicos de sua confiana, permitida s partes a apresentao de parecer tcnico (art. 35) O sistema dos juizados especiais no probe a percia (art. 32 todos os meios de prova moralmente legtimos, ainda que no especificados em lei, so hbeis para provar a veracidade dos fatos alegados pelas partes)Avaliao do cabimento pelo magistrado no caso concreto

  • INSPEO JUDICIAL

  • CONCEITO DE INSPEO JUDICIALMediante a vistoria o juiz recolhe as observaes diretas dos prprios sentidos sobre as coisas que constituem objeto da lide, ou atinentes a ela (GIUSEPPE CHIVENDA).A inspeo judicial constitui meio de prova uma vez que serve para fornecer ao juiz elementos destinados reconstruo mental de fatos da causa. Com a inspeo judicial exerce o juiz sua percepo sobre tais fatos ou sobre fatos diferentes que sirvam, por deduo, para aquela reconstruo (ANTNIO CARLOS DE ARAJO CINTRA).