of 130/130
RELATóRIO ANUAL 2011 ANNUAL REPORT 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FINANCIAL STATEMENTS

RELATÓRIO ANUAL 2011 ANNUAL REPORT 2011

  • View
    226

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of RELATÓRIO ANUAL 2011 ANNUAL REPORT 2011

  • RelatRio anual 2011

    annual RepoRt 2011

    DeMonStRaeS FinanCeiRaS

    FinanCial StateMentS

  • torre de tv digital de braslia / df

    sumrio iNDEXapReSentao 04

    1 MenSageM Do pReSiDente 06

    2 viSo De SuStentabiliDaDe 10

    3 a eMpReSa 14

    4 noSSo MeRCaDo 24

    5 geSto e RelaCionaMentoS 32

    6 goveRnana CoRpoRativa 38

    7 DeSeMpenho eConMiCo 46

    8 DeSeMpenho aMbiental 52

    9 DeSeMpenho SoCial 62

    10 aneXoS 86

    intRoDuCtion 100

    1 a MeSSage FRoM the pReSiDent 102

    2 a viSion FoR SuStainabilitY 106

    3 the CoMpanY 110

    4 ouR MaRKet 120

    5 ManageMent anD RelationS 128

    6 CoRpoRate goveRnanCe 134

    7 eConoMiC peRFoRManCe 140

    8 enviRonMental peRFoRManCe 144

    9 SoCial peRFoRManCe 154

    10 anneXeS 176

    Menu pRinCipal

    Main Menu

  • sesc paulista / sp

    AprEsENtAo

    Em 2011, nos dedicamos a buscar solues capazes de fazer da Mendes Jnior uma empresa mais

    robusta e preparada para consolidar e ampliar sua atuao no mercado. As iniciativas adotadas para

    superar desafios, assegurar novos contratos e permitir a realizao de projetos inovadores e com a

    garantia de excelncia em engenharia esto retratadas neste Relatrio Anual, elaborado com base

    nas diretrizes do Global Reporting Initiative (GRI), padro mais utilizado mundialmente.

    Este o quarto ano consecutivo em que a empresa segue a metodologia, o que refora seu compro-

    misso com a transparncia e a credibilidade dos dados apresentados. Mais do que uma prestao de

    contas de seu desempenho nas reas econmica, ambiental e social, o Relatrio considerado pela

    Mendes Jnior uma importante ferramenta de gesto da sustentabilidade.

    O documento, elaborado com participao de um Comit formado por colaboradores de diver-

    sas reas da empresa, mostra os avanos obtidos no desenvolvimento da Organizao. Coube ao

    Comit contribuir na definio do contedo do relatrio, nos seus parmetros, na identificao de

    temas tanto para os pblicos de relacionamento quanto para o setor da construo pesada com

    o intuito de apresentar um material analtico e aderente realidade da Mendes Jnior e do setor

    onde atua.

    Como forma de facilitar o entendimento dos indicadores que sero apresentados, o relatrio de

    2011 trata os dados, considerando as linhas de atuao da empresa. Em razo dessa mudana, em

    alguns indicadores no possvel a comparao com os resultados de 2010.

    Como nos anos anteriores, o Relatrio Anual de 2011 refere-se s operaes em que a Mendes

    Jnior Trading e Engenharia S.A. atua individualmente e em consrcios, sendo que, nesse caso, os

    dados refletem o percentual da empresa em cada projeto.

    O Relatrio Anual de 2011 traz, alm das informaes sobre o desempenho da empresa, uma pro-

    posta visual que tem como referncia a perspectiva de ampliar a atuao da companhia nos diferen-

    tes segmentos de mercado e tambm reforar sua expertise em ofertar solues de engenharia de

    padro mundial aos seus clientes. A tipografia utilizada nos ttulos foi desenvolvida especialmente

    para a Mendes Jnior e remete solidez da marca ao longo de seis dcadas de sua histria. A capa

    foi feita com tecido utilizado na confeco de alguns uniformes da empresa.

    5relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • Cordialmente,

    J. Murillo Valle Mendes

    Presidente

    mENsAgEmDo prEsiDENtE

    O aprimoramento constante de nossos profissio-

    nais e dos projetos de engenharia que desenvol-

    vemos, alm da slida atuao na conduo de

    nossos negcios so os alicerces da Mendes Jnior.

    Com esses atributos, a empresa consolidou uma

    histria de sucesso com atuao nos mercados

    nacional e internacional, sempre oferecendo solu-

    es completas e inovadoras para os mais relevan-

    tes segmentos da construo.

    Em 2011, enfrentamos novos desafios, impostos

    por um mercado em fase de forte reestruturao.

    A exemplo de outros anos, a expertise que acumu-

    lamos e a busca pelo estado da arte em todos os

    empreendimentos com a nossa marca foram de-

    terminantes para nosso desempenho. Trabalhamos

    em projetos de grande importncia para o pas e

    de alta complexidade em engenharia. Entre eles,

    podem ser destacados a Universidade Federal da

    Integrao Latino-Americana (PR), o complexo pe-

    troqumico do COMPERJ (RJ), a Hemobrs (PE) e o

    Sesc Paulista (SP).

    A sustentabilidade outro componente impor-

    tante de nossa atuao, e orienta nossas inicia-

    tivas. Queremos sempre melhorar a qualidade de

    vida das pessoas, superando a expectativa de nos-

    sos clientes e de todos os pblicos com os quais

    nos relacionamos.

    Esses so os fatores que diferenciam a Mendes

    Jnior e asseguram o desenvolvimento dos neg-

    cios, o fortalecimento de nossa identidade e a

    consolidao de nosso papel para o crescimento

    econmico e social do Pas.

    Agradecemos a dedicao e o empenho de nossos

    colaboradores e a confiana de nossos fornecedo-

    res, clientes e acionistas, que contriburam para os

    resultados obtidos em 2011.

    8 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • valoR que DuRa

    Sustentabilidade sinnimo de respeito para a Mendes Jnior. Em sua

    histria, a empresa adotou posturas e prticas para gerenciar o impacto

    de suas atividades sobre o meio ambiente e as comunidades onde atua,

    acompanhando ainda as mudanas e o aperfeioamento na legislao.

    De outro lado, sua gesto visa a promover a continuidade do negcio,

    com retorno justo e adequado para colaboradores e acionistas.

    Trabalhar de forma sustentvel significa tambm otimizar o uso de

    matria-prima, dos recursos naturais e reduzir a gerao de resduos.

    A empresa busca alternativas para o reaproveitamento dos materiais

    descartados ou gerados nas obras, principalmente por meio de iniciati-

    vas que possam contribuir para o aumento de renda das comunidades

    vizinhas. Nesse processo, os colaboradores so ainda orientados para

    diminuir desperdcios e aperfeioar continuamente sua atuao com

    mais eficincia e mais respeito ao meio ambiente e s pessoas.

    Agindo assim, a Mendes Jnior quer, cada vez mais, ser reconhecida

    como uma empresa comprometida com uma gesto que valoriza a

    sustentabilidade e capaz de contribuir para o desenvolvimento e a

    gerao de riqueza para a sociedade.

    viso DE sustENtAbiliDADE

    guadalupe / pi

    12 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • A EmprEsA

    A misso da Mendes Jnior buscar a excelncia em so-

    lues de engenharia. Desde sua fundao, em 1953, isto

    tem sido possvel com uma atuao que combina o rigor

    tcnico, a valorizao e o conhecimento de seu patrimnio

    humano em projetos que contribuem para o bem-estar das

    pessoas e para o desenvolvimento do Pas. Hoje, a empresa

    ocupa posies de destaque nos segmentos de obras em

    Infraestrutura, Negcios Industriais e leo e Gs, com pre-

    sena em 14 estados do Brasil.

    Possui expertise consolidada para executar obras e servios

    de construo rodoviria, ferroviria, metroviria, porturia,

    hidreltrica, termeltrica, petrleo e gs, refinarias, platafor-

    mas martimas, dutos, saneamento urbano, canais de irriga-

    o, minerao, manuteno industrial onshore e offshore,

    aeroportos e linhas de transmisso.

    Em 2011, a Mendes Jnior concentrou esforos na am-

    pliao de sua participao em segmentos cujos mercados

    mostram franca expanso e boas perspectivas para os pr-

    ximos anos. Dois projetos conquistados no perodo ilustram

    essa estratgia: o TEBIG, referente pr-operacionalizao

    do Per do Terminal Maximiano Augusto da Fonseca, em

    Angra dos Reis (RJ) e o projeto Pipe-Rack, para o reuso da

    gua utilizada no Complexo Petroqumico do Rio de Janeiro

    (COMPERJ). Esses contratos, com grau de exigncia elevado,

    representam mais um desafio para a capacidade da empresa

    de propor solues inovadoras em engenharia, orientando-a

    para novas conquistas no mercado.

    engenhaRia De valoR

    No ano passado, o conceito de Engenharia de Valor foi um

    dos vetores da atuao da Mendes Jnior, juntamente com

    sua Misso, Viso e Valores. O principal objetivo promo-

    ver um exame minucioso de cada funo/atividade, criando

    condies e estabelecendo parmetros para melhorar o va-

    lor dos produtos, bens e servios oferecidos pela companhia

    frente aos custos das etapas de implantao, operao e

    manuteno de um projeto. Essa iniciativa resulta ainda em

    ganhos de desempenho, qualidade e funcionalidade dos

    servios prestados aos clientes.

    O conceito tem aplicao desde a concepo, at a aprova-

    o tcnica e econmica de um projeto. Praticado no dia a

    dia, refora o modo como a empresa expressa sua exceln-

    cia em projetos, o respeito ao ser humano, o cumprimento

    de contratos, a perseverana e a tica.

    MiSSo, viSo e valoReS

    Misso

    A Mendes Jnior uma empresa que propicia

    solues de excelncia em negcios de engenharia.

    Viso

    Solues de classe mundial em engenharia.

    Valores

    Excelncia em negcios de engenharia

    Respeito ao ser humano

    Cumprimento dos contratos

    Perseverana

    tica

    eStRutuRa SoCietRia

    A Mendes Jnior Trading e Engenharia S.A.

    uma sociedade annima de capital fechado. Seu

    capital social de R$ 235 milhes representado

    por 205.058.000 aes ordinrias nominativas,

    em diferentes quantidades, distribudas entre

    quatro empresas controladas por pessoas fsicas.

    MenDeS JnioR tRaDing

    e engenhaRia S.a.

    Estrutura Operacional

    Administrao Central: Belo Horizonte

    Sede contbil: So Paulo

    Escritrios: Braslia, So Paulo,

    Rio de Janeiro e Recife

    Instalaes permanentes: Maca (RJ)

    e Juiz de Fora (MG)

    reas de atuao

    Indstrias de construo; montagem

    industrial e eletromecnica; gerenciamento

    de empreendimentos; comrcio; exportaes

    e importaes (setores pblico e privado).

    Segmentos

    Construo rodoviria, ferroviria, metroviria,

    porturia, hidreltrica, termeltrica, petrleo e

    gs, refinarias, plataformas martimas, dutos,

    saneamento urbano, canais de irrigao,

    minerao, manuteno industrial onshore e

    offshore, aeroportos e linhas de transmisso.

    A 84,21% Edificadora S.A.

    B 10,28% Sociedade Mineira de Participaes

    Industriais e Comerciais

    C 5,4% Mendes Jnior Engenharia S.A.

    D 0,11% Mendes Jnior Empreendimentos,

    Montagens e Servios

    A

    B

    C

    D

    16 17mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • mENDEs JNior Em NmEros

    dados 2011 2010

    Nmero de projetos em andamento 28 31

    Investimentos (R$ mil) 50.363 47.341

    Patrimnio lquido (R$ mil) 409.733 389.419

    Ativo (R$ mil) 681.142 648.002

    Lucro lquido (R$ mil) 20.314 52.212

    Benefcios pagos aos colaboradores (R$) 90.458.999,46 82.189.438,78

    Recursos em investimento sociocultural pblico externo (R$) 565.973,49 956.303,56

    Total de horas de treinamento no ano 540.516** 2.928.154

    Investimentos diretos em meio ambiente (R$) 9.193.430,84 6.184.110,60

    nmero de empregados

    2011 6.799*

    * Em 2011, a empresa alterou a forma de relatar os dados de movimentao de pessoas, passando a considerar a mdia de colaboradores nos projetos durante o ano. A mudana reflete a realidade do setor, cujo efetivo varia ao longo do perodo de acordo com o perfil e estgio dos projetos. Por essa razo, no possvel fazer anlises comparativas com os nmeros de colaboradores apresentados nos relatrios anteriores.

    ** 2011 foi um ano de desmobilizaes de muitos projetos, fato que levou a uma reduo significativa na carga horria de treinamento.

    repar / pr

    18 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • 19902010

    CRiSe, inovao e ConSoliDao Da geSto

    Construo do metr de Santiago, Chile.

    Construo da Hidreltrica de

    Tianshengqiao-1(TSQ 1), China.

    Concluso da Ponte Estaiada Octavio

    Frias de Oliveira (SP).

    Construo do gasoduto de Fortaleza (CE).

    Obras da Hidreltrica de Manso (MT).

    Construo do mineroduto de Collahuasi, Chile.

    Infraestrutura de saneamento de La

    Florida, em Santiago, Chile.

    Construo da ponte de Llcolen, em Arauco, Chile.

    Construo da nova sede do Governo do

    Estado de Minas Gerais, projetada por Oscar

    Niemeyer, em Belo Horizonte (MG).

    Intensificao das obras no segmento de leo e gs.

    Implantao da planta industrial da

    Hemobrs I, em Goiana (PE).

    Concluso do trecho Sul do Rodoanel Mrio Covas,

    do Sesc Belenzinho, Sesc Pinheiros, da expanso

    da Linha Verde do Metr, em So Paulo (SP).

    Expanso da refinaria de Paulnia

    (Replan), em Paulnia (SP).

    Construo das Penitencirias Capela

    do Alto, em So Paulo (SP).

    Construo do Sesc 24 de Maio, em So Paulo (SP).

    Porto de Macei (AL).

    Expanso da refinaria Alberto Pasqualini

    (Refap), em Canoas (RS).

    Arena Pantanal, em Cuiab (MT).

    Torre de TV Digital, em Braslia (DF).

    Gasoduto Cacimbas Catu (ES/BA).

    Duplicao da BR-101, em Pernambuco.

    Projeto de irrigao dos Plats de Guadalupe (PI).

    2011

    novoS hoRizonteS e DeSaFioS*

    Obras de infraestrutura e mobilidade urbana

    visando o mundial de futebol de 2014, como o

    Ramal da Copa e o TRO Leste-Oeste, em Recife (PE).

    Obras da transposio das guas

    do Rio So Francisco (lote 8).

    Novos contratos no segmento de leo e Gs,

    como o TEBIG e o COMPERJ, no Rio de Janeiro.

    Obras industriais: segunda etapa da unidade da

    Hemobrs, em Goiana (PE) e o novo Galpo de

    pintura da Fiat, na sua fbrica em Betim (MG).

    Primeira etapa do Campus da Universidade Federal

    da Integrao Latino-Americana (Unila), em Foz

    do Iguau (PR), projetada por Oscar Niemeyer.

    Contratos na rea habitacional, includos no

    Programa de Acelerao do Crescimento (PAC).

    *A relao completa dos contratos de 2011 est na pgina 29 deste Relatrio.

    19741989

    DCaDaS De ConSoliDao Da MaRCa

    MenDeS JnioR no MeRCaDo inteRnaCional

    e De DiveRSiFiCao Do eSCopo De atuao

    Construo da rodovia da Esperana,

    na Mauritnia, Noroeste da frica.

    Construo da ferrovia Bagdadh-Akashat;

    rodovia Expressway; projeto Sifo (estao de

    bombeamento de gua do rio Eufrates), no Iraque.

    Construo do Aeroporto Internacional

    de Nma, Mauritnia, frica.

    Construo da Usina Hidreltrica

    de Itaipu (divisa Brasil/Paraguai).

    Construo do Aeroporto Internacional

    Tancredo Neves (MG).

    Incio da construo, para a Petrobras, das

    plataformas PUB-3 (BA), Pampo (RJ/ES) e da

    primeira plataforma de concreto construda nas

    Amricas, lanada ao mar em Ubarana (RN).

    Construo do Sambdromo (RJ).

    Construo do Memorial da Amrica Latina

    e incio das obras do metr de So Paulo (SP).

    Fundao da Siderrgica Mendes Jnior,

    em Juiz de Fora (MG).

    19531973

    DCaDaS Da ConFiana

    e pRiMeiRoS gRanDeS DeSaFioS

    Entrada no mercado de obras de grande porte,

    com a construo da Usina Hidreltrica de Furnas.

    Construo das Usinas Hidreltricas de:

    Boa Esperana (divisa do MA com o PI),

    Cachoeira Dourada (divisa de MG com GO),

    Rio Casca (MT), Volta Grande (MG), Moxot

    (AL) e Marimbondo (divisa de SP com MG).

    Incio da atuao internacional, com

    o projeto da Hidreltrica de Santa

    Isabel, em Cochabamba, Bolvia.

    Construo da Ponte Rio-Niteri (RJ).

    Construo da Rodovia Transamaznica

    e de 344 quilmetros da Belm-Braslia.

    19531994

    A Mendes Jnior possua uma marca com a qual

    ficou conhecida em todo o mundo, mas que,

    depois de 40 anos, precisava ser atualizada.

    mArcA NEgcios

    1994

    A Richard Danne & Associates, Inc., empresa

    americana de design e comunicao, desenvolveu

    a marca da Mendes Jnior, que passou a ter

    como smbolo a representao de um diamante,

    simbolizando qualidade, fora, estrutura e preciso.

    2009

    A Greco Design realiza ajustes na relao entre

    smbolo e logotipo, com base na seo urea.

    linha Do teMpo linha Do teMpo

    SuM

    Ri

    o

  • arena pantanal / mt

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • Nosso mErcADo

    CenRio eConMiCo

    O ano de 2011 foi marcado pela cautela nos negcios, j que o mercado, de modo geral,

    se preocupou principalmente com a manuteno dos nveis de atividade. A expectativa

    empresarial era de que, superado o perodo de risco decorrente da crise financeira que

    eclodiu em 2008, o setor apresentasse melhores perspectivas, tendo em vista o cenrio de

    obras para a Copa do Mundo de 2014 e Olimpadas de 2016 no Brasil, e a necessidade

    urgente de investimentos em infraestrutura.

    No entanto, embora o Brasil tenha passado a ocupar o 6- lugar mundial no critrio

    Produto Interno Bruto (PIB), a taxa de crescimento foi de apenas 2,7%, frente a 7,5%

    apurados em 2010. No setor de construo pesada, as expectativas de crescimento tam-

    bm no se concretizaram, reflexo de um ano ps-eleitoral, que trouxe retrao e reorga-

    nizao ao setor. Ainda assim, o segmento de construo apresentou incremento superior

    taxa do PIB, registrando avano de 3,6%, de acordo com dados do Instituto Brasileiro

    de Geografia e Estatstica (IBGE).

    Para 2012, as perspectivas so otimistas, com previso de expanso. As projees esto

    baseadas nos investimentos previstos no Programa de Acelerao do Crescimento (PAC 2),

    entre 2011 e 2014, de R$ 955 bilhes; na necessidade de ampliar/melhorar os servios de

    infraestrutura no Pas (saneamento bsico e rodovias); na realizao da Copa do Mundo

    de 2014 e das Olimpadas de 2016 no Brasil e no desenvolvimento da segunda etapa do

    Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV-2), j em curso, e que contempla investimen-

    tos de R$ 125,7 bilhes.

    Levantamento da Confederao Nacional da Indstria (CNI) indica ainda que, no ano

    passado, cerca de R$ 50 bilhes deixaram de ser usados no setor de infraestrutura pelo

    Governo Federal. Esse valor dever ser realocado para 2012, o que refora as expectativas

    positivas para as empresas que atuam no setor.

    atuao DiveRSiFiCaDa

    Presente em 14 estados do Brasil, com 14

    projetos conquistados em 2011, a Mendes Jnior

    desenvolve trs linhas de atuao Infraestrutura,

    Negcios Industriais e leo e Gs. Na estrutura

    organizacional da empresa, elas esto ligadas a

    quatro reas de negcios Centro-Sul, Centro-

    Norte, Negcios Industriais e leo e Gs.

    Infraestrutura: Projetos de construo de

    estradas, vias expressas, pontes, viadutos,

    terminais intermodais, ferrovias, aeroportos,

    hidreltricas, portos, metrs e saneamento

    (captao, tratamento, distribuio de gua e

    tratamento de efluentes sanitrios ou industriais).

    Negcios industriais: Desenvolve projetos de

    construo e montagem industrial nos segmentos

    de siderurgia, minerao, termeltricas e complexos

    industriais inteligentes. Contempla, ainda, a

    prestao de servios de construo e manuteno

    para plataformas de extrao e processamento

    de petrleo, em indstrias siderrgicas e

    unidades industriais de petrleo e gs.

    leo e Gs: Rene solues de engenharia em

    projetos integrados para construo e expanso

    de refinarias, terminais e unidades de processos

    petroqumicos e dutos. Nos ltimos anos,

    tem sido o segmento responsvel pela maior

    parcela da receita operacional da empresa.

    hiStRiCo De atuao Da MenDeS JnioR no MunDo

    muNDo

    eStaDoS De atuao Da MenDeS JnioR

    Atuao da Mendes Jnior

    Projetos em execuo

    brAsil

    26 27mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • proJEtos

    pRoJetoS DeSenvolviDoS pela MenDeS JnioR ao longo De 2011

    pRoJetoS ConquiStaDoS eM 2011

    projeto cidade / uf

    Usina ArcelorMittal Juiz de Fora / MG

    BR 101 Lote 08 PE* Palmares / PE

    Regap* Ibirit / MG

    Replan Paulinia / SP

    Barra do Riacho Aracruz / ES

    Guadalupe 2- Etapa Guadalupe / PI

    Repar Araucria / PR

    Sesc 24 de Maio So Paulo / SP

    Torre de TV Digital Braslia / DF

    CPTM Linha 7 Rubi So Paulo / SP

    CPTM Consrcio Linha 10 So Paulo / SP

    BR 101 Lote 01 AL Alagoas

    Arena Pantanal Cuiab / MT

    Hemobrs I* Goiana / PE

    Boulevard Arrudas IV* Belo Horizonte / MG

    BR 101 Lote nico PE Palmares / PE

    Penitencirias Capela do Alto Sorocaba / SP

    CPTM Estao Suzano Suzano / SP

    BR 429 RO Rondnia

    Valec Fiol Guanambi / BA

    projeto descrio

    Porto das DunasAmpliao e implantao de Sistemas de Abastecimento de gua e Esgoto Sanitrio de Porto das Dunas,

    em Fortaleza, Cear.

    Boulevard Arrudas VExecuo dos servios e obras de implantao do projeto de revitalizao do ribeiro Arrudas, na rea

    central de Belo Horizonte, Minas Gerais.

    Transposio do Rio So FranciscoObras civis no Lote 8 eixo norte da primeira etapa de implantao do projeto de integrao do rio

    So Francisco com as bacias hidrogrficas do Nordeste Setentrional, em diversos municpios de Pernambuco.

    Ramal Cidade da CopaObras e servios de engenharia para implantao do projeto que visa melhoria da malha viria da Regio

    Metropolitana do Recife, em Pernambuco.

    TRO Leste-OesteObras e servios de engenharia para a implantao do Corredor de Transporte Pblico de Passageiros

    Leste-Oeste, localizado na Regio Metropolitana do Recife, em Pernambuco.

    Metr Linha 5 LilsObra e acabamento do trecho entre a Estao gua Espraiada e o Poo Bandeirantes, nomeada Linha 5

    Lils (Lote 4), em So Paulo (SP).

    UnilaPrimeira etapa do Campus da Universidade Federal da Integrao Latino-Americana Unila, localizada

    em Foz do Iguau, Paran.

    Sesc PaulistaReforma e execuo da operao e manuteno da futura Unidade do Sesc Avenida Paulista, no centro

    da cidade de So Paulo.

    Hemobrs IIImplantao da planta industrial da primeira fbrica de hemoderivados do Brasil. A obra localizada

    s margens da BR 101, na cidade de Goiana, em Pernambuco.

    Fiat Galpo de pinturaServios tcnicos de elaborao de projetos e execuo das obras civis de construo e edificao do novo

    galpo de pintura, em Betim, Minas Gerais.

    TEBIG / RJPr-operacionalizao necessria reforma e ampliao das instalaes (Revamp) da plataforma de

    operaes do per do Terminal Martimo Maximiano Augusto da Fonseca, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro.

    COMPERJ

    Pr-operacionalizao para as adequaes necessrias ao Pipe-Rack do Complexo Petroqumico do

    Rio de Janeiro (COMPERJ), responsvel pelo reuso de gua da Petrobras e da Companhia Estadual de guas

    e Esgotos do Rio de Janeiro Cedae.

    COHAB Caneleira Urbanizao e construo de 680 unidades habitacionais no bairro da Caneleira, em Santos, So Paulo.

    Vila CAICConstruo de 700 apartamentos, centro de referncia de assistncia social, quadras poliesportivas,

    reas verdes e obras de infraestrutura do CAIC/Vila Esperana, em Cubato, So Paulo.

    *Projetos encerrados em 2011.

    28 29mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • rElAcioNAmENto com cliENtEs

    Respeito, confiana e transparncia norteiam o relacionamento entre

    a Mendes Jnior e seus clientes. Com o objetivo de melhorar con-

    tinuamente seu desempenho, trs vezes por ano a empresa realiza

    pesquisas de satisfao junto a esse pblico. Ao preencher um formu-

    lrio, com pontuao de 1 a 10, os clientes avaliam a performance da

    Mendes Jnior nos quesitos atendimento, qualificao e competn-

    cia dos profissionais, qualidade de produtos e servios, atuao em

    sade e segurana, preveno da poluio e preservao ambiental,

    responsabilidade social e imagem, entre outros. Em 2011, a empresa

    alcanou o ndice mdio de 8,6 nas pesquisas realizadas, acima da

    meta de 8 pontos, proposta pela organizao.

    tebig / rj

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • gEsto E rElAcioNAmENtos

    SiSteMa De geSto integRaDa (Sgi)

    Desde sua fundao, a Mendes Jnior reconhecida pela

    qualidade de sua engenharia e por sua postura de respeito

    s questes socioambientais, de sade e segurana de seus

    colaboradores e tambm de responsabilidade social.

    O Sistema de Gesto Integrada (SGI) rene os conceitos e di-

    retrizes relacionados a essas reas, sempre alinhados com as

    premissas e valores da empresa, e se constitui em importante

    componente para a gerao de resultados efetivos. Conta

    com uma poltica de Qualidade, Meio Ambiente, Sade e

    Segurana Ocupacional e Responsabilidade Social (QMSR)

    que orienta todos os projetos desde a fase de desenvolvi-

    mento de negcios e elaborao das propostas at a etapa

    de execuo (construo, montagem, manuteno e geren-

    ciamento de obras e servios, associados engenharia civil,

    eltrica e mecnica).

    Os planos de gesto de cada obra so elaborados de acordo

    com suas particularidades e complementados por instrues

    de trabalho especficas, a fim de assegurar o atendimento aos

    requisitos legais, do cliente e da empresa.

    Em 2011, foi investido R$ 1,9 milho para manuteno e

    consolidao do SGI. Para 2012, os principais desafios so

    os de manter o foco de atuao do sistema de QMSR, como

    suporte tcnico e facilitador do desenvolvimento de novos

    negcios, e privilegiar a eficcia da ao empresarial como

    base da gerao de resultados. Da mesma forma, neces-

    srio reforar o diferencial competitivo por meio de capa-

    cidade tcnica e experincia em projetos de construo de

    engenharia da companhia para alcanar as metas em rela-

    o qualidade, meio ambiente, segurana, sade e respon-

    sabilidade social.

    A Mendes Jnior certificada nas normas referentes

    Qualidade (ISO 9001), Gesto Ambiental (ISO 14001), Sade

    e Segurana do Trabalho (OHSAS 18001) e Responsabilidade

    Social (SA 8000), que atestam a posio de vanguarda da

    empresa no setor de construo pesada e representam um

    importante diferencial para o desenvolvimento de seus con-

    tratos. Possui ainda certificao do Programa Brasileiro da

    Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H SIAC), que

    abrange o escopo de execuo de obras de edificaes, sane-

    amento bsico, virias e obras de arte especiais.

    obJetivoS Da poltiCa De qMSR

    Atendimento ao cliente e s partes interessadas.

    Competncia de seus profissionais.

    Qualidade dos produtos e servios.

    Preveno da poluio e desempenho ambiental.

    Preveno de riscos segurana e sade ocupacional.

    Responsabilidade social da empresa.

    Crescimento constante da produtividade econmica.

    repar / pr

    34 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • plANEJAmENto EstrAtgico

    obJEtivos EstrAtgicos 2010 2014

    O compromisso da empresa com a melhoria e o crescimento contnuos, e com a diversi-

    ficao de seus negcios, visando tambm ao mercado internacional, so as premissas

    que orientam o planejamento estratgico da Mendes Jnior. Sua execuo sustentada

    por uma equipe capacitada e comprometida com resultados que garantam uma slida

    estrutura patrimonial e financeira.

    Elaborado para um ciclo de cinco anos, o planejamento revisto anualmente. A partir da

    estratgia traada, so definidos objetivos e metas de curto, mdio e longo prazos, que

    permitem o cumprimento das diretrizes estratgicas da empresa.

    Ao mesmo tempo, as metas so monitoradas em Avaliaes Gerenciais Mensais, o que

    permite, se necessrio, fazer contnuos ajustes para a obteno dos resultados desejados.

    O objetivo fazer com que a empresa seja cada vez mais reconhecida como uma refe-

    rncia por sua atuao diferenciada e competitiva. Em paralelo, a organizao deve ser

    identificada como uma companhia socioambientalmente responsvel e capaz de gerar

    valor para seus pblicos de relacionamento.

    geSto eMpReSaRial logiX 10

    Em 2011, a Mendes Jnior realizou a atualizao do seu Sistema de Gesto Empresarial,

    o Enterprise Resourcing Planning Sistemas de Gesto Empresarial (ERP TOTVS LOGIX),

    promovendo sua evoluo tecnolgica, com vistas a assegurar maior produtividade e

    eficincia aos processos administrativos da empresa.

    Alm de resultar em melhorias, a nova verso compatvel com o Windows, mais prtica

    e fcil de utilizar. Todos os usurios do software receberam treinamento para trabalhar

    com o novo sistema.

    Obter crescimento contnuo.

    Ampliar a presena em segmentos de mercados mais relevantes.

    Ter contratos internacionais.

    Operar continuamente com lucratividade e slida estrutura patrimonial e financeira.

    Ser referncia, como diferencial competitivo, em solues

    de engenharia e qualidade de gesto empresarial.

    Dispor de patrimnio humano capacitado e compromissado, adequado

    aos desafios determinados pela estratgia empresarial.

    Ser reconhecida pelo mercado e pela sociedade como empresa tica,

    socioambientalmente responsvel com agregao de valor.

    rElAcioNAmENto com pArtEs iNtErEssADAs

    A Mendes Jnior procura desenvolver e manter relacionamentos abertos,

    baseados no dilogo, com todos os pblicos com os quais se relaciona.

    Para tanto, utiliza procedimentos e ferramentas de comunicao, visando

    consulta e participao das partes interessadas dos projetos. O dilogo

    estabelecido via contatos pessoais, caixas para coleta de sugestes, veculos de

    comunicao e Internet (pelo Fale Conosco do site www.mendesjunior.com.br).

    ongs, associaes e entidades

    clientes imprensa

    fornecedores

    parceiros de negcios

    comunidade acadmica e

    cientfica

    colaboradores

    governo

    comunidades

    mendes jnior

    36 37mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • pRo

    Jeto

    S

    govErNANA corporAtivA

    EstruturA orgANizAcioNAl

    ConDuta De eXCelnCia

    A administrao da Mendes Jnior compete ao Conselho de Admi-

    nistrao e Diretoria. O Conselho de Administrao responsvel

    por fixar a orientao geral dos negcios da companhia. Entre suas

    atribuies est a aprovao de planos e decises estratgicas.

    composto por trs membros, sendo que o seu presidente tambm

    ocupa o cargo de presidente da empresa. As reunies ocorrem ordi-

    nariamente a cada dois meses e o processo decisrio ampara-se no

    conceito de sustentabilidade, que tambm inspira a cultura organi-

    zacional da Mendes Jnior, abarcando os cinco campos de resulta-

    dos: Econmico-Financeiro, Mercado & Imagem, Patrimnio Humano,

    QMSR e Tecnologia de Processos.

    A representao da Mendes Jnior compete Diretoria Executiva,

    que liderada pelo presidente e formada por quatro vice-presidentes

    (Assuntos Corporativos, Mercado, Engenharia e Desenvolvimento Fi-

    nanceiro). Ligados tambm ao presidente esto a Diretoria de Recursos

    Humanos, as Diretorias de reas de Negcios, a Administrao e, em

    2011, foi criada a assessoria de Novos Negcios, cuja atuao est fo-

    cada em concesses e Parcerias Pblico-Privadas (PPPs), entre outros.

    eMpR

    eSa

    Re

    aS

    De

    neg

    Ci

    oS

    ReCuRSoS huManoS novoS negCioS

    aDMiniStRao

    Rea De negCioS

    CentRo-noRte

    Rea De negCioS

    inDuStRiaiS

    aSSuntoS

    CoRpoRativoSMeRCaDo engenhaRia

    DeSenvolviMento

    FinanCeiRo

    pReSiDnCia

    Rea De negCioS

    CentRo-Sul

    Rea De negCioS

    leo e gS

    pRoJetoS pRoJetoS pRoJetoS pRoJetoS

    40 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • repar / pr

    SuM

    Ri

    o

  • cDigo DE ticA

    gEsto DE riscos

    A Mendes Jnior tem um Cdigo de tica, documento que orienta a conduta de seus

    colaboradores e estabelece os princpios para o desempenho de suas funes e o rela-

    cionamento com os pblicos da empresa. Todos os colaboradores tm conhecimento de

    seu contedo e so signatrios do documento, includo na cartilha de Responsabilidade

    Social e em procedimento do Sistema de Gesto Integrada (SGI). Suas premissas esto

    alinhadas aos valores da organizao e reforam seu modelo de gesto.

    O Cdigo de tica estabelece, entre outros pontos, que os colaboradores devem manter

    atitudes e comportamentos que reflitam sua integridade pessoal e profissional, sem co-

    locar em risco a segurana financeira e patrimonial da empresa. So orientados a avaliar

    com cuidado situaes que possam caracterizar conflitos entre seus interesses e os da

    organizao, bem como selecionar e contratar fornecedores sempre com base em crit-

    rios tcnicos, profissionais e ticos e atuar de modo a respeitar e preservar a imagem da

    Mendes Jnior em todo e qualquer contato externo, tanto no exerccio de suas funes,

    quanto nas relaes sociais.

    De acordo com o documento, cabe aos colaboradores reconhecer as falhas e erros come-

    tidos no ambiente de trabalho e comunicar de imediato ao seu superior hierrquico. De

    outro lado, eles tm autonomia para questionar as orientaes contrrias aos princpios

    e valores da empresa e apresentar crticas construtivas e sugestes visando a aprimorar

    a qualidade do trabalho. Caso constatem alguma inconsistncia com as diretrizes e de-

    terminaes da companhia, os colaboradores so orientados a formalizar denncias pelo

    site da empresa, no campo do Fale Conosco, (www.mendesjunior.com.br) ou por meio

    de seus gestores diretos.

    A gesto de riscos dos negcios da Mendes Jnior est

    atrelada, entre outros fatores, capacidade de anlise de

    cenrios e de antecipao a situaes crticas, o que per-

    mite agir de forma proativa e com o objetivo de minimizar

    possveis problemas.

    A empresa trabalha com o Sistema de Inteligncia de Mer-

    cado, que assegura maior confiabilidade s suas aes desen-

    volvidas com o objetivo de ampliar a carteira de clientes e de

    segmentos para sua atuao. As decises de prospeco tam-

    bm levam em considerao a adequao do empreendimen-

    to ao foco estratgico da companhia, o valor financeiro do

    projeto, a capacidade tcnica e financeira da Mendes Jnior,

    possveis parceiros e concorrentes, entre outras variveis.

    Outra ferramenta utilizada o Sistema de Seletividade e

    Priorizao de Negcios (SPN), que tem a funo de apoiar

    a validao das oportunidades de negcio, constituindo-se

    em um diferencial para a gesto de mercado. Por meio des-

    se sistema, os profissionais tm condies de fazer anlises

    mais minuciosas das oportunidades de cada projeto, consi-

    derando desde as certificaes dos parceiros envolvidos at

    a longevidade de atuao do cliente, por exemplo.

    A Gesto de Riscos se completa com o Sistema de Segurana

    da Informao, outro importante aliado nesse processo. A

    empresa empreende aes voltadas para preservar a segu-

    rana, a integridade e a confidencialidade das informaes

    que tramitam em sua rede corporativa. Um dos principais

    desafios da rea, em 2012, a utilizao de recursos da

    Web 2.0.

    SeguRana Da inFoRMao

    A empresa possui uma estratgia eficaz de segurana da

    informao, o que permite tratar os desafios de proteo

    de suas informaes mesmo em novos ambientes ou pla-

    taformas. O uso dos dispositivos mveis e as mdias sociais

    trazem riscos e oportunidades, razo pela qual necessrio

    promover a utilizao segura dessas ferramentas.

    Uma das metas para os prximos anos disponibilizar, de

    forma confivel e adequada, a utilizao de Smartphones e

    Tablets para os colaboradores, de modo a garantir, ao mesmo

    tempo, agilidade e confiabilidade s atividades corporativas.

    Alm disso, necessrio estabelecer novas regras conside-

    rando, inclusive, a consumerizao (utilizao de dispositivos

    particulares no ambiente corporativo).

    Em 2011, a empresa passou a usar redes sociais em seu

    processo de recrutamento e seleo, possibilitando, com se-

    gurana, agregar valor estratgico para a organizao.

    44 45mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • DEsEmpENHo EcoNmico

    Apesar de um ano instvel para o mercado de construo pesada, que

    no apresentou o desempenho esperado e mostrou uma tendncia de

    retrao, e da deciso da empresa de ainda assim manter sua estrutura

    administrativa das reas comerciais, de produo e apoio, a Mendes

    Jnior conseguiu apurar resultados positivos em rentabilidade. O lucro

    lquido, no entanto, ficou abaixo do resultado apresentado em 2010.

    A empresa encerrou o ano com um crescimento do backlog em mais

    de 70% em relao ao saldo verificado no incio de 2011, valor este

    que suporta as perspectivas de crescimento para 2012.

    A instabilidade que atingiu o setor ao longo do ano, associada manu-

    teno da estrutura administrativa das reas comerciais, de produo

    e apoio, no impediram a Mendes Jnior de encerrar o exerccio com

    rentabilidade positiva.

    As perspectivas se justificam diante de movimentos e iniciativas como

    a do Governo Federal, que deve implementar um novo formato de li-

    citao pblica com foco no mais em projetos bsicos ou iniciais, mas

    em projetos executivos, com escopo financeiro de engenharia e de

    gesto de riscos mais bem definido. Alm disso, as obras para a Copa

    do Mundo de 2014 devem impulsionar o mercado, considerando a ne-

    cessidade de acelerao das construes a partir de 2012. Boas opor-

    tunidades tambm se apresentam no mercado de leo e Gs, rea de

    negcio em que a empresa se destacou em 2011 e que constitui outra

    grande aposta de crescimento no Pas.

    ebitda (r$ milhes)

    2011 2010

    65,05 85,69

    liquidez corrente (%)

    2011 2010

    2,40% 2,36%

    liquidez geral (%)

    2011 2010

    2,14% 2,11%

    patrimnio lquido (r$ mil)

    2011 2010

    409.733 389.419

    endividamento (%)

    2011 2010

    39,8% 39,9%

    distribuio operacional da receita (%)

    2011 2010

    Petrleo 70% 61%

    Infraestrutura 20% 31%

    Indstria / Manuteno 2% 1%

    Obras Civis 8% 7%

    48 49mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • DEmoNstrAo DE vAlor ADicioNADoCoMo a MenDeS JnioR DiStRibui a Riqueza que geRa

    2011

    2010

    A 49% Colaboradores

    A 54% Colaboradores

    D 3% Lucros retidos

    D 7% Lucros retidos

    C 23% Juros e aluguis

    C 18% Juros e aluguis

    B 25% Governo (impostos,

    taxas e contribuies)

    B 21% Governo (impostos,

    taxas e contribuies)

    sesc 24 de maio / sp

    A

    A

    B

    B

    C

    C

    D

    D

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • gEsto AmbiENtAl E promoo ciDAD JuNtAs NA rEpAr

    cAsE DEsEmpENHo AmbiENtAl

    A Mendes Jnior possui um conjunto de diretrizes que orien-

    ta a gesto dos impactos ambientais de suas atividades.

    Ainda na fase de concorrncia e oramento, a empresa faz o

    levantamento e avaliao dos requisitos legais e do cliente re-

    lativos rea ambiental. Conquistado o negcio, as fases de

    planejamento e mobilizao dos projetos de construo so

    utilizadas para o desenvolvimento de estudos que objetivam

    reduzir o consumo de materiais e estabelecer a gesto inteli-

    gente de resduos slidos, efluentes e emisses atmosfricas.

    Em paralelo, a Mendes Jnior prioriza a gesto dos proces-

    sos de licenciamento, visando a aprimorar o controle das

    condicionantes ambientais, como tambm todo o impacto

    de suas atividades no processo de construo (superviso,

    monitoramento, controle e auditorias internas, entre outros).

    A empresa investe na educao e conscientizao ambiental

    dos colaboradores prprios e de empresas parceiras, com-

    partilhando a importncia estratgia do tema e reforando

    o papel de cada um nesse processo. Essas aes contribuem

    diretamente para o alcance de resultados que possam ser

    considerados em novas propostas de projetos.

    Como fruto desse trabalho, a empresa manteve em 2011

    a certificao ISO 14001 e tambm deu continuidade ao

    processo de busca pelo certificado Leadership in Energy and

    Environmental Design (LEED). O certificado voltado para a

    construo de edificaes sustentveis.

    Os projetos de construo do estdio Arena Pantanal (Copa

    de 2014), em Cuiab (MT), e do edifcio do Sesc, na Av.

    Paulista, na cidade de So Paulo devem receber este certifi-

    cado ao final da obra. Para isso, ser necessria a aprovao

    de vasta documentao tcnica que comprove o cumpri-

    mento dos requisitos da Norma LEED-2009, evidenciando o

    uso racional de energia e da gua, uso eficiente de materiais

    e recursos naturais e a reduo dos impactos ambientais que

    efetivamente ocorreram durante o processo de construo.

    novoS paRMetRoS

    Em 2011, a empresa alterou a forma de relatar os dados de consumo, passando

    a medir o desempenho por linha de atuao. Por essa razo, em alguns indicadores

    ainda no possvel fazer anlises comparativas com os nmeros apresentados

    nos relatrios anteriores. A expectativa de que isso ser vivel a partir de 2012,

    o que facilitar a definio de planos de melhorias por rea de negcio.

    Como empresa lder do consrcio Interpar, a Mendes Jnior vem trabalhando

    desde 2008 na ampliao das instalaes da Refinaria Presidente Getlio

    Vargas (Repar), da Petrobras, na Regio Metropolitana de Curitiba (PR).

    No entorno da Repar, no municpio de Araucria, o consrcio Interpar apoia, desde

    2011 o Projeto Estopa, uma iniciativa desenvolvida em parceria com a Secretaria

    Municipal de Assistncia Social. O projeto est voltado para a promoo e valorizao

    social de mulheres, residentes especialmente nos bairros Califrnia e So Sebastio.

    Seu objetivo criar uma nova fonte de renda para as 30 famlias beneficiadas,

    contribuindo para o resgate da dignidade profissional, fortalecimento da autoestima

    e melhoria da qualidade de vida dessas pessoas. O trabalho envolve a produo de

    estopas a partir da reciclagem de tecidos fornecidos pelo consrcio. A produo

    adquirida por empresas da regio para uso na limpeza de componentes industriais.

    O consrcio Interpar contribuiu, tambm, com maquinrio, mobilirio, transporte

    para workshops de treinamento e doou uniformes para os integrantes do

    projeto. Em 2012, apoiar financeiramente a realizao de curso de capacitao

    em gesto para as lideranas do projeto, que ser ministrado pelo Sebrae.

    55relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • investimentos e gastos em proteo ambiental (r$) por linha de atuao

    negcios de

    infraestrutura

    negcios

    industriais

    negcios de

    leo e gstotal

    Destinao final de resduos 1.017.108,06 18.214,10 1.745.186,84 2.780.509,00

    Anlise de efluentes 5.170,07 1.500,00 69.301,00 75.971,07

    Resduos de fossas spticas 40.052,00 4.300,00 1.140.514,33 1.184.866,33

    Educao e treinamento* 33.452,16 0,00 9.811,22 43.263,38

    Produtos e servios necessrios gesto ambiental 20.940,94 21.419,05 0,00 42.359,99

    Infraestrutura e equipamentos para coleta e

    armazenamento temporrio de resduos66.196,50 3.000,00 1.605.965,48 1.675.161,98

    Instalaes para coleta e tratamento de efluentes (caixa

    separadora de gua e leo, fossa sptica, ETE, etc.)112.871,73 0,00 0,00 112.871,73

    Pessoal para atividades gerais de gesto ambiental,

    pesquisa e desenvolvimento.89.116,91 22.149,24 2.821.978,80 2.933.244,95

    Outros gastos e investimentos em proteo ambiental 127.896,77 0,00 217.285,64 345.182,41

    total 1.512.805,14 70.582,39 7.610.043,31 9.193.430,84

    iNvEstimENtos AmbiENtAisOs investimentos em proteo ambiental aumentaram

    aproximadamente 47%, passando de R$ 6,1 milhes em 2010

    para R$ 9,1 milhes em 2011. Desse total, perto de R$ 7,5 milhes

    foram direcionados para projetos da rea de leo e Gs.

    Fonte: Dados fornecidos pelos Projetos.

    * Os dados de Educao e treinamento ambiental no abrangem os custos mais significativos de tais atividades, representados pela mo de obra especializada. Cabe salientar que cada Projeto utiliza seus tcnicos da rea de Meio Ambiente para realizar as atividades de educao e treinamento, o que reduz significativamente os custos das mesmas.

    ConSuMo De MateRiaiS e MatRiaS-pRiMaS

    Mesmo com o incremento da atuao da empresa em projetos de leo e Gs, segmento que normalmen-

    te demanda o maior uso de estruturas nos processos construtivos, o consumo de materiais se manteve

    estvel em 2011. J o consumo de matrias-primas foi maior em 2011, chegando a 226,7 mil toneladas

    no ano, quase 50% a mais do que o registrado em 2010. O aumento deve-se, basicamente, ao perfil dos

    projetos, que demandaram volumes maiores de insumos como areia e cimento.

    consumo de materiais por linha de atuao em 2011 (t)

    negcios de infraestrutura negcios industriais negcios de leo e gs

    Tubo 3.660,00 12,00 6.494,00

    Tela soldada 2,44 0 7,22

    Chapa 3.726,58 8,66 666,00

    Cantoneira 338,00 0,10 81,00

    Viga 172,03 0 52,77

    Barra chata 39,00 0,10 4.072,22

    Barra redonda 7.209,10 0 1.091,07

    Perfil 1.566,07 0,20 511,31

    Prego 18,11 0 12,59

    Arame 19,57 0 119,40

    Cordoalha 50,95 0 0,04

    total 16.801,85 21,06 13.107,62

    consumo de matrias-primas por linha de atuao (t)

    negcios de infraestrutura negcios industriais negcios de leo e gs

    Areia 25.928,00 90,00 33.320,00

    Brita 85.865,00 2.792,00 37.637,00

    Cimento 31.475,00 0 9.217,00

    Cal 383,00 0 0

    total 143.651,00 2.882,00 80.174,00

    56 57mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • consumo de gua por linha de atuao em 2011 (m3)

    escritrios negcios de infraestrutura negcios industriais negcios de leo e gs

    7.766,00 77.610,37 1.605,20 706.712,96

    total 793.694,53

    gua*

    A Mendes Jnior possui controles rigorosos que reforam seu compromisso com a preservao dos recur-

    sos hdricos, tanto em quantidade quanto em qualidade. O uso da gua feito de maneira responsvel

    e sempre com as outorgas necessrias. Em 2011, a forte presena no setor de leo e Gs acarretou au-

    mento significativo do consumo de gua da empresa. Somente os projetos dessa linha de atuao foram

    responsveis por quase 90% do consumo total.

    eneRgia*

    Em 2011, a Mendes Jnior teve uma reduo de 23% no consumo de energia eltrica em relao a 2010.

    A diferena do consumo pode ser explicada pelo perfil da carteira de clientes, que varia de um ano para

    outro e tambm pelo cronograma da obra.

    consumo de energia eltrica por linha de atuao (gj)

    2011 2010

    Escritrios 2.510,61 2.509,49

    Infraestrutura 3.554,92 4.335,67

    Negcios Industriais 668,40 8.589,00

    leo e Gs 12.674,60 9.104,99

    total 19.408,54 24.539,15

    * Os consumos de gua e energia apurados so aqueles provenientes de concessionrias, no correspondendo ao total realmente consumido pela Mendes Jnior no ano. A energia eltrica complementar pode ser obtida por meio de geradores a diesel e a gua via poos artesianos.

    geSto De ReSDuoS

    Todos os projetos de construo da empresa possuem reas

    reservadas para o armazenamento de resduos, coletados

    seletivamente e destinados de maneira adequada. O gerenciamento

    dos resduos (perigosos e no perigosos) feito por empresas

    especializadas, devidamente licenciadas, contratadas nas unidades

    da Mendes Jnior para essa finalidade. Em 2011, foi registrado

    aumento significativo na gerao total de resduos (perigosos

    e no perigosos), provocado pelos materiais excedentes de

    escavao, principalmente nos projetos de leo e Gs.

    A empresa trabalha para reduzir a gerao de resduos e estende

    esse compromisso aos colaboradores, que recebem treinamentos

    destinados a aumentar a conscientizao sobre o uso adequado de

    materiais. Algumas aes desenvolvidas so exemplos de atitudes

    conscientes que demonstram os esforos nesse sentido: na Repar,

    em Araucria (PR), uniformes usados dos colaboradores do consrcio

    Interpar so transformados em estopa para uso industrial (case

    na pgina 54). Em Belo Horizonte, a sobra de papis do Escritrio

    Central destinada Associao dos Catadores de Papelo e

    Material Reaproveitvel (Asmare), colaborando para a gerao

    de renda de centenas de famlias. Entre plstico e papel, foram

    doados, em 2011, 4,3 mil quilos de materiais para a Asmare.

    repar / pr

    59relatrio anual 2011 mendes jnior58 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • resduos gerados em 2011 por linha de atuao (t)

    ReSDuoS no peRigoSoS

    Disposio negcios de infraestrutura negcios industriais negcios de leo e gs total

    Papel / Papelo Reciclagem 44,74 2,32 84,93 131,98

    Plstico Reciclagem 34,04 4,60 102,47 141,12

    Metal Reciclagem 824,93 0,63 224,68 1.050,24

    Madeira Reciclagem 696,44 3,06 5.353,44 6.052,94

    Vidro Reciclagem 0,13 0,35 0,29 0,78

    Orgnico Reciclagem 20,79 0,58 136,24 157,69

    Entulho de demolio Aterro Industrial Classe II / Britagem 36.486,09 7,50 11.472,56 47.966,15

    Lixo Comum Aterro Sanitrio 378,36 3,26 484,80 866,41

    Material excedente de escavao Aterro Industrial Classe II 75.484,67 6,60 73.315,53 148.806,80

    Disco de corte/ponta de eletrodo Aterro Industrial Classe II 0,01 0,00 15,00 15,01

    Outros Aterro Industrial Classe II 300,14 0,00 64,27 364,41

    total 114.270,34 28,90 91.254,28 205.553,53

    ReSDuoS peRigoSoS

    Disposio negcios de infraestrutura negcios industriais negcios de leo e gs total

    Resduo contaminado / no reciclvel Aterro Industrial Classe I 7,07 1,39 178,14 186,60

    Efluente sanitrio ETE / Fossa Sptica 816,29 253,04 30.454,80 31.524,13

    leo lubrificante e hidrulicos usados Refino 988,41 1,53 0,00 989,94

    Telhas de amianto Aterro Industrial Classe I 3,86 0,00 0,00 3,86

    EPIs contaminados Aterro Industrial Classe I 2,94 2,46 11,00 16,40

    Resduos gerados nos servios de sade Autoclave / Incinerao / Aterro Industrial Classe I 0,13 0,00 0,35 0,47

    Lmpadas fluorescentes Descontaminao / Reciclagem 0,40 0,00 0,69 1,10

    Cartuchos e toners vazios de impressoras Descontaminao / Reciclagem 0,00 0,02 0,00 0,02

    Pneus Reutilizao para outra finalidade 2,10 0,00 0,08 2,18

    Outros 18,35 0,00 8,66 27,01

    total 1.839,57 258,44 30.653,71 32.751,72

    total geral (no perigosos e perigosos) 116.109,91 287,35 121.907,99 238.305,25

    Fonte: Dados fornecidos pelos Projetos.

    60 61mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • EgrEssos DE trAbAlHo EscrAvo coNquistAm DigNiDADE

    O consrcio formado pela Mendes Jnior e pela Santa Brbara Engenharia, responsvel

    pela obra Arena Pantanal, em Cuiab (MT), est mudando de forma significativa a vida

    de 25 pessoas. Elas chegaram ao projeto em situao de vulnerabilidade, provenientes de

    outros trabalhos considerados escravocratas em fazendas do interior do Mato Grosso.

    Alm de recuperarem a dignidade pela conquista de um trabalho legal e justo, esses trabalhadores

    foram incentivados a buscar educao bsica e profissional. Durante seis meses, entre agosto e

    dezembro de 2011, frequentaram as salas de aula, em paralelo ao trabalho no canteiro de obras.

    Nesse ambiente, tiveram contato com o conceito de empreendedorismo, participaram de oficinas

    de leitura e assistiram a palestras dadas por colegas sobre meio ambiente, segurana e qualidade.

    Premiaes foram criadas de acordo com a frequncia e o desempenho de cada um, como forma

    de incentivar a participao. Mais do que proporcionar a aprendizagem de conceitos e temas

    especficos, a iniciativa contribuiu para o desenvolvimento de autoestima de cada colaborador

    e ainda permitiu a construo de relaes interpessoais com mais qualidade e confiana.

    A Superintendncia Regional do Trabalho (SRT), o Servio Social da Indstria (Sesi) e o

    Servio Nacional de Aprendizado Industrial (Senai), todos de Mato Grosso, foram parceiros

    do projeto, denominado Programa de Ao Integrada. Com um investimento de

    R$ 1.072,19 por trabalhador envolvido, o consrcio Santa Brbara / Mendes Jnior ganhou

    o reconhecimento da Organizao Internacional do Trabalho (OIT) pela iniciativa em favor

    da erradicao do trabalho escravo. O projeto alcanou repercusso nacional e internacional.

    cAsE arena pantanal / mt

    SuM

    Ri

    o

  • DEsEmpENHo sociAl

    sesc 24 de maio / sp

    SuM

    Ri

    o

  • peRFil DoS ColaboRaDoReS

    Em 2011, a empresa alterou a forma de relatar os dados de movimentao de pessoas,

    passando a considerar a mdia de colaboradores nos projetos durante o ano. A mudana

    reflete a realidade do setor, cujo efetivo varia ao longo do perodo de acordo com o

    perfil e estgio dos projetos. Por essa razo, em alguns indicadores no possvel fazer

    anlises comparativas com os nmeros apresentados nos relatrios anteriores.

    pblico iNtErNo

    por gnero

    2011

    Masculino 6.388

    Feminino 411

    total 6.799

    por regio

    2011

    Regio Sul 1.749

    Regio Sudeste 4.689

    Regio Centro Oeste 42

    Regio Nordeste 316

    Regio Norte 3

    total 6.799

    por faixa etria

    2011

    At 25 anos 1.548

    De 26 a 30 anos 1.276

    De 31 a 40 anos 1.860

    De 41 a 50 anos 1.209

    Acima de 51 anos 906

    total 6.799

    por tipo de emprego

    2011

    Administrativo 896

    Aprendiz 68

    Especialista 476

    Estagirio 48

    Executivo 9

    Management 1.088

    Operacional 4.214

    total 6.799

    por tipo de contrato

    2011

    Meio horrio 54

    Estagirios 48

    taxa de rotatividade por regio (%)

    2011

    Regio Sul 14,06

    Regio Sudeste 72,72

    Regio Centro Oeste 1,765

    Regio Nordeste 11,43

    Regio Norte 0

    taxa de rotatividade por faixa etria (%)

    2011

    At 25 anos 89,79

    De 26 a 30 anos 88,17

    De 31 a 40 anos 86,08

    De 41 a 50 anos 80,15

    Acima de 51 anos 64,02

    taxa de rotatividade por gnero (%)

    2011

    Masculino 86,05

    Feminino 40,87

    RotativiDaDe

    evoluo Do nMeRo De ColaboRaDoReS eM 2011

    A reduo do nmero de empregados decorrente da concluso de obras ao longo de 2011. 0

    JAN 11 FEV 11 MAR 11 ABR 11 MAI 11 JUN 11 JUL 11 AGO 11 SET 11 OUT 11 NOV 11 DEz 11

    2.000

    4.000

    6.000

    8.000

    10.000

    68 69mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • geSto De peSSoaS

    Pelas prprias caractersticas de suas atividades, a Mendes Jnior trabalha com um grande contingente de

    mo de obra. E tem conscincia de que fundamental contar com uma equipe especializada e que seja

    diferenciada em relao ao mercado, para que possa oferecer a seus clientes as melhores solues em

    engenharia. O principal desafio da gesto de Recursos Humanos atuar para a captao e qualificao

    de profissionais que possam compor uma equipe forte e comprometida com os valores e com a susten-

    tabilidade do negcio.

    A competitividade depende ainda de um quadro de profissionais que possa conjugar experincia com

    alta performance, caractersticas hoje muito requisitadas em um mercado de grande concorrncia e que

    apresenta significativo dficit de profissionais que tenham suas competncias ajustadas s novas realida-

    des do negcio.

    Sempre que possvel, a empresa d prioridade s movimentaes internas, desde que os candidatos

    apresentem as competncias desejadas para o cargo oferecido. Com objetivo de conhecer melhor as

    habilidades dos colaboradores, a Mendes Jnior desenvolveu um projeto de mapeamento do patrimnio

    humano, com atualizao do cadastro de competncias, aspiraes e trajetria profissional; a maximiza-

    o das possibilidades de aproveitamento interno e a consolidao do assessment (avaliao), base para

    a proposio de aes de desenvolvimentos pessoais e institucionais. Nas contrataes externas, a mo

    de obra das localidades onde se desenvolvem os projetos tem preferncia, mas precisa tambm atender

    aos requisitos necessrios.

    Em 2011, a Diretoria de Recursos Humanos consolidou sua participao no nvel estratgico da empresa

    e avanou na estruturao das suas atividades. Deu sequncia ao redesenho dos processos, definio

    do modelo de gesto de pessoas e de indicadores, confirmando a importncia dos chamados subsiste-

    mas de RH: Remunerao e Benefcios, Relaes do Trabalho, Folha e Relaes Sindicais, Treinamento e

    Desenvolvimento, Anlise de Performance, Processo de Sucesso.

    O principal desafio em 2012 ser interligar esses subsistemas aos trs nveis de atuao Empresa,

    Negcio e Projeto. Avanos importantes j foram conseguidos em 2011, como a possibilidade de con-

    sulta online dos indicadores de gesto de pessoas, a composio digital dos relatrios gerenciais e o uso

    da Internet pela rea de Recrutamento e Seleo. Neste caso, a empresa passou a realizar entrevistas

    distncia e utilizou redes sociais como ferramenta informativa para o acompanhamento dos candidatos.

    O processo melhorou a qualidade dos resultados e reduziu custos.

    evoluo dos treinamentos por categoria funcional

    Categoria funcional Carga horria 2011* Carga horria 2010

    Quadro Fixo 17.650 horas 27.491 horas

    Quadro Rotativo 474.581 horas 2.515.399 horas

    Prestador de Servio 48.285 horas 385.264 horas

    total 540.516 horas 2.928.154 horas

    evoluo dos investimentos em treinamento (r$)

    2011 2010

    Investimentos em Treinamentos na Sede 1.111.124,00 950.000,00

    Investimentos em Treinamentos nos Projetos 263.590,61 450.000,00

    total 1.374.714,61 1.400.000,00

    * Como o ano de 2011 foi um perodo de desmobilizaes de obras, houve reduo significativa na carga horria de treinamento. Em 2010, ao contrrio, houve mobilizao de vrias obras, pico de pessoal em outras e, consequentemente, esse movimento foi refletido no indicador. No entanto, o investimento em treinamento e desenvolvimento se manteve estvel, na ordem de R$ 1,37 milho.

    tReinaMento e DeSenvolviMento

    A rea de Treinamento e Desenvolvimento promove diversos programas para todos os

    colaboradores, que visam construo e difuso do conceito de Inteligncia Coletiva, segundo

    o qual essencial compartilhar as competncias, para alcanar melhor aprendizado e preparao

    dos profissionais. A empresa se organiza para que os profissionais com menos experincia

    aprendam com aqueles que tm mais vivncia e que, nesse intercmbio, um novo e mais

    consolidado conhecimento seja construdo, criando um valor importante para a companhia.

    70 71mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • ramal cidade da copa / pe

    SuM

    Ri

    o

  • bioSeR

    Centro de Treinamento que tem a Mendes Jnior como patrocinadora e

    voltado para qualificao de mo de obra, em parceria com o Sesi, Senai,

    entre outras entidades. Em 2011, foram capacitados mais de 2.000 alunos,

    muitos deles aproveitados pela empresa e por outras companhias.

    pRogRaMa atituDe SeguRa CuiDe-Se

    Realiza treinamentos com o objetivo de conscientizar todos os colaboradores

    sobre sua responsabilidade na preveno de acidentes. Os primeiros resultados

    do Programa j apontam uma significativa queda nos indicadores de frequncia

    e gravidade de acidentes de trabalho.

    pRogRaMa De iDioMaS

    Foco no atendimento competncia empresarial requerida para a atuao

    fora do Pas, por meio do alinhamento das necessidades de comunicao

    internacional s capacitaes individuais.

    tReinaMentoS Webaula

    Promove treinamentos distncia, o que favorece a disseminao do

    conhecimento e a consolidao da filosofia empresarial, com uso de

    Internet. Alguns exemplos so os cursos de SGI (Sistema de Gesto

    Integrada), Excel, Word, Power Point, MS Project, Autocad, entre outros.

    pRogRaMa De liDeRana

    Diagnstico minucioso das reas de negcio e de seu grupo de

    liderana e converso das maiores demandas em aes de

    desenvolvimento focadas no atendimento estratgia empresarial.

    pRogRaMa JovenS pRoFiSSionaiS

    Objetiva ao desenvolvimento dos jovens profissionais da Mendes Jnior,

    com a coordenao e acompanhamento de colegas mais experientes.

    Dessa forma, duas geraes compartilham conhecimento com foco na

    inovao e na reteno de talentos.

    DEstAquEs Em 2011

    A Mendes Jnior valoriza seus profissionais e pratica

    salrios compatveis com os do mercado da constru-

    o pesada. Em 2011, antecipando-se s decises sin-

    dicais, garantiu ndice de reajuste salarial a seus tra-

    balhadores meio ponto percentual acima da inflao

    do perodo.

    Alm disso, manteve ampla gama de benefcios para

    seus colaboradores e dependentes, com itens que su-

    peram o que est acordado na conveno trabalhista,

    como o caso do Plano de Sade, Previdncia Privada

    e do valor do Seguro de Vida. Os colaboradores tm

    ainda direito ao vale alimentao ou vale refeio e

    tambm cesta bsica. Em 2011, o valor dos benef-

    cios cresceu, devido ao aumento significativo do efeti-

    vo de trs grandes obras (Replan, Terminal Aquavirio

    de Barra do Riacho e Repar).

    O Programa de Participao nos Lucros e/ou Resul-

    tados alcana todos os colaboradores da empresa e,

    em 2011, distribuiu R$ 8,3 milhes.

    rEmuNErAo E bENEfcios

    valores destinados a benefcios (r$)

    benefcio 2011 2010

    Sade 19.492.482,63 18.527.018,79

    Plano Sade1 17.572.447,46 16.324.145,87

    Plano Odontolgico2 1.920.035,17 2.202.872,92

    alimentao 40.766.839,35 36.550.496,45

    Refeitrio 16.284.165,78 17.391.372,53

    Vale Refeio 10.925.299,79 10.579.448,66

    Vale Alimentao 10.197.786,87 6.659.840,20

    Cesta Bsica3 3.359.586,91 1.919.835,06

    Seguro de vida em grupo4 2.325.806,47 2.680.491,88

    transporte colaboradores 19.564.537,42 17.000.306,12

    Prprio 18.040.410,84 13.693.396,89

    Vale transporte5 1.524.126,58 3.306.909,24

    plR 8.309.333,58 7.431.125,54

    total geral 90.458.999,46 82.189.438,78

    % participao MJte 52,81% 55,69%

    1 Seguro-sade extensivo a todos os colaboradores do quadro fixo, ou seja, admitidos e administrados pela Administrao Central (independentemente do local de trabalho) e colaboradores do quadro rotativo que atuam em projetos em que esse benefcio exigido pelo cliente.

    2 Para colaboradores do quadro rotativo em projetos em que esse benefcio exigido pelo cliente.3 Fornecida conforme exigncia da conveno coletiva de trabalho de cada regio onde a empresa tem projetos.4 Aplice nica para todos os colaboradores da empresa (independentemente de serem administrados pela sede ou pelo projeto).

    5 Para todos os colaboradores da empresa.

    75relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • RepReSentao DoS eMpRegaDoS

    Colaboradores de todos os projetos e tambm da Administrao Central so representados por seus

    colegas em comits encarregados de manter o dilogo com a alta direo da empresa em assuntos rela-

    cionados norma SA 8000 (Sade, Segurana e Condies de trabalho). Os representantes so eleitos

    pelos prprios colaboradores e podem enviar suas solicitaes com uso das ferramentas de comunicao

    j consolidadas na companhia, tais como e-mail e caixa de sugestes.

    Como resposta a uma das sugestes apresentadas pelos colaboradores, em 2011 teve incio o processo de

    implantao dos novos modelos de uniformes de trabalho, com alguns modelos fabricados com tecidos

    feitos a partir de garrafas pet recicladas, o que refora a preocupao com a sustentabilidade.

    RelaeS Do tRabalho

    Estabelecer relaes de confiana com colaboradores e entidades sindicais faz parte das premissas de

    relacionamento da Mendes Jnior com esses pblicos. Em 2011, foram registradas duas paralisaes nas

    obras, contabilizando cinco dias nos projetos Terminal Aquavirio de Barra do Riacho (ES) e Hemobrs (PE).

    Em ambos os casos, a empresa se posicionou de forma aberta e proativa, reforando a opo pelo dilogo

    como ferramenta de soluo de conflitos.

    A Mendes Jnior respeita as entidades sindicais, representantes de seus colaboradores, e assegura o cum-

    primento dos acordos e/ou convenes coletivas de trabalho, conforme sua regio/base de atuao. Esses

    preceitos, bem como outras diretrizes e orientaes, integram a Poltica de Relaes Sindicais da empresa.

    mendesprev sociedade previdenciria

    plano De ContRibuio DeFiniDa De beneFCioS (pCDb)

    Contribuies Recebidas 2011 (R$) Contribuies Recebidas 2010 (R$)

    Normal Patrocinadora 506.779,92 285.388,62

    Patrocinadora Custeio Administrativo 490.622,57 486.180,00

    Normal dos Participantes 1.091.894,06 636.947,58

    Extraordinria dos Participantes 140.395,20 175.450,00

    Recursos Portados 12.215,74 39.859,35

    Contribuies Autopatrocinados 55.624,21 0,00

    total 2.297.531,70 1.623.825,55

    plano MiSto De beneFCioS

    Normal Patrocinadora 1.745.301,69 912.113,89

    Normal dos Participantes 915.187,43 1.748.371,21

    Contribuies Autopatrocinados 81.441,09 21.583,12

    Optantes BPD 11.251,78 8.835,30

    total 2.753.181,99 2.690.903,52

    benefcios pagos

    benefcios pagos 2011 (R$) benefcios pagos 2010(R$)

    Aposentadoria Normal 1.493.339,94 977.032,04

    Aposentadoria Antecipada 2.401.905,92 1.751.091,63

    Aposentadoria por Invalidez 21.899,44 20.025,23

    total 3.917.145,30 2.748.148,90

    pReviDnCia pRivaDa

    H 21 anos, os colaboradores da Mendes Jnior contam com

    um plano de previdncia privada, administrado pela Mendes-

    prev Sociedade Previdenciria. A adeso voluntria e garan-

    te, alm da suplementao de aposentadoria, benefcios de

    aposentadoria por invalidez, e penso por morte para os de-

    pendentes. Em caso de perda do vnculo empregatcio, o cola-

    borador pode optar pelos Institutos de Benefcio Proporcional

    Diferido, Portabilidade, Resgate e Autopatrocnio.

    Atualmente, a Mendes Jnior patrocina dois Planos: o Plano

    Misto de Benefcios e o Plano de Contribuio Definida. Em

    dezembro de 2011, o Plano Misto de Benefcios contava

    com 194 participantes ativos, trs autopatrocinados e, ainda,

    55 aposentados (sete deles por aposentadoria por invalidez;

    12 por aposentadoria normal; e 36 por aposentadoria an-

    tecipada). O Plano de Contribuio Definida, iniciado em

    maro de 2010, contava em 2011 com 264 participantes

    ativos e 10 autopatrocinados.

    Em 2011, o total de contribuies recebidas foi aproxi-

    madamente 30% maior que em 2010, passando de

    R$1.623.825,35 para R$2.297.531,70, evidenciando aumen-

    to da adeso e dos aportes, tanto da patrocinadora quanto

    dos participantes.

    Os planos so mantidos pela Mendes Jnior Trading e

    Engenharia S.A., que, alm de patrocinadora, tambm

    responsvel pelo custeio administrativo.

    76 77mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • CoMuniCao

    A comunicao com os colaboradores, comunidades e demais partes interessadas prio-

    ridade para a Mendes Jnior e faz parte de sua estratgia. A empresa utiliza ferramentas

    que possam assegurar transparncia sobre suas atividades e os processos dela decorren-

    tes. Em 2011, a Mendes Jnior consolidou o Comit de Comunicao criado um ano

    antes, com o intuito de facilitar o dilogo e o fluxo de informaes dentro e fora da

    companhia. O Comit rene colaboradores de vrias reas, o que tambm confere maior

    representatividade e abrangncia s iniciativas propostas.

    As ferramentas de comunicao foram ampliadas no ano passado, com a implantao de

    trs novos veculos destinados aos pblicos interno e externo: o jornal mural Ponto da

    Notcia, projeto ainda em sua primeira fase, em que destinado Administrao Central,

    escritrios do Distrito Federal, So Paulo, Rio de Janeiro, Recife e aos projetos Porto das

    Dunas, Usina ArcelorMittal em Juiz de Fora e Sesc Paulista; jornal impresso corporativo

    Mendes e Voc, voltado para o pblico interno; e encarte impresso dos projetos Fique por

    Dentro, para os pblicos interno e externo na Usina ArcelorMittal em Juiz de Fora (MG).

    Em razo dos bons resultados e da receptividade que os veculos alcanaram, estas ferra-

    mentas de comunicao sero adotadas em outros projetos da Mendes Jnior, buscando

    reforar cada vez mais a comunicao da empresa. E sero mantidas nas unidades j

    envolvidas neste processo.indicadores de sade e segurana no trabalho

    (considerando o fator multiplicador de 1.000.000)*

    indicadores 2011 2010

    Total de horas trabalhadas 21.029.164,14 25.017.469

    Taxa de frequncia acidentes sem afastamento 4,05 3,86

    Taxa de frequncia acidentes com afastamento 1,14 1,57

    Taxa de gravidade 15 170

    * Os dados apresentados consideram os percentuais de participao da empresa quando atua em Consrcios.TL: foram considerados como leses os acidentes com afastamento e sem afastamento, de colaboradores da Mendes Jnior / Consrcio e de empresas subcontratadas.TDO: tem como denominador a referncia de horas trabalhadas (no considera subcontratadas).TDP: foram considerados todos os dias perdidos devido a acidentes tpicos ocorridos com colaboradores da Mendes Jnior / Consrcio e empresas subcontratadas.TA: refere-se ao absentesmo de causa mdica maior ou igual a um dia, por qualquer motivo (acidente, doena comum etc.), tem como denominador a referncia de dias trabalhados (no considera subcontratadas).Total de Horas Trabalhadas: foram consideradas as horas trabalhadas da Mendes Jnior / Consrcios e empresas subcontratadas.

    A Mendes Jnior diminuiu tambm o nmero de ocorrncia de acidentes e afastamentos

    previdencirios, gerando um FAP (Fator Acidentrio Previdencirio) menor. Esse resultado

    significa um ambiente de trabalho mais saudvel e seguro, alm de uma reduo mensal

    de custos, uma vez que a taxa incide diretamente sobre a folha de pagamento da empresa.

    2011 2010

    FAP 0,8860 0,8869

    SAT 2,65% 2,66%

    SaDe e SeguRana

    Garantir a integridade dos colaboradores e proporcionar um ambiente de trabalho saudvel e seguro

    um compromisso da Mendes Jnior. Esse compromisso pode ser comprovado pela evoluo da taxa de

    frequncia de acidentes com afastamento que caiu de 1,57, em 2010, para 1,14, em 2011, representando

    uma reduo de 27,4% no nmero de ocorrncias. O ndice atende meta proposta pela empresa.

    Em 2011, a companhia consolidou a gesto de Segurana e Sade Ocupacional por meio do software

    SOC, que assegura a padronizao das aes relacionadas ao Sistema de Sade e Segurana Ocupacional

    e gerencia a sade dos profissionais desde sua admisso na empresa. O uso do SOC possibilita uma viso

    global sobre os temas relacionados rea e permite o acompanhamento dos riscos de cada projeto e a

    quantificao e qualificao de ocorrncias, favorecendo uma atuao pontual e especfica.

    Tambm no ano passado, a Mendes Jnior concentrou esforos na manuteno dos programas j exis-

    tentes e ampliou o programa de Check-up Peridico, visando melhorias na sade e qualidade de vida

    dos empregados.

    evoluo Do DeSeMpenho De SeguRana

    indicadores de sade e segurana no trabalho

    (considerando o fator multiplicador de 200.000)*

    indicadores 2011 2010

    Taxa de leses (TL) 1,04 1,09

    Taxa de Doenas Ocupacionais (TDO) 0,00 0,00

    Total de Dias Perdidos (TDP) 2,43 9,44

    Total de Absentesmo (TA) 2,11 1,81

    Total de bitos no perodo 0 0

    78 79mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • dia v 2011

    SuM

    Ri

    o

  • FoRneCeDoReS

    Uma das primeiras aes realizadas pela Mendes Jnior, antes do incio de um novo projeto, a composi-

    o dos suprimentos necessrios para desenvolv-lo. Nesse sentido, so realizadas negociaes com cerca

    de quatro mil possveis fornecedores por ms, trabalho que se converte em um valor de aproximadamente

    R$ 45 milhes em contratos de compras. Em 2011, a Mendes Jnior realizou transaes comerciais com

    5.337 empresas de sua carteira de 72.650 fornecedores de materiais e servios, nmero similar ao prati-

    cado em 2010.

    Todos os contratos firmados pela Mendes Jnior esto em conformidade com a legislao trabalhista e

    com as determinaes de responsabilidade social da norma SA 8000.

    A perspectiva para 2012 consolidar a avaliao de desempenho de fornecedores e prestadores de servi-

    o. Realizada periodicamente, a avaliao observa questes como cumprimento de prazos, atendimento

    aos requisitos de QMSR e qualidade de mo de obra, produto ou servio. Com esse trabalho, possvel

    assegurar garantia de qualidade nas escolhas e solues apresentadas, o que interfere diretamente no

    resultado de um projeto executado pela empresa.

    CoMuniDaDe

    Em 2011, a Mendes Jnior deu um importante passo para estruturar e conferir dimenso ainda mais

    estratgica sua atuao de responsabilidade social, com a criao da rea de Responsabilidade Social

    Corporativa. Ligada diretamente Diretoria de Recursos Humanos, a rea define iniciativas a partir de trs

    pilares, voltados promoo da qualidade de vida no trabalho, incluso social e atuao social nas

    comunidades em que a empresa atua.

    Alm de evitar a pulverizao de esforos e assegurar um planejamento de aes ainda mais alinhado aos

    princpios da Mendes Jnior, o trabalho da nova rea facilita o monitoramento das aes executadas, o

    que abre espao para eventuais correes, contribuindo tambm para orientar decises futuras.

    Um dos desafios para os prximos anos realizar aes que deixem um legado nas comunidades mesmo

    depois do trmino das obras. Tambm so objetivos trabalhar no alinhamento estratgico da atividade

    ao negcio da Mendes Jnior; na criao de maior identidade dos pblicos com a marca; no avano do

    relacionamento com a comunidade; na sistematizao do registro das aes e, ainda, na reviso do papel

    do voluntariado na empresa.

    pblico EXtErNo progrAmAs trAbAlHADos pElA mENDEs JNior pArA os pblicos iNtErNo E EXtErNo

    pRogRaMa De qualiDaDe

    De viDa no tRabalho

    Tem como objetivo promover o bem-estar dos colaborado-

    res, com aes que estimulem um estilo de vida saudvel,

    assegurando o equilbrio entre as necessidades individuais e

    os propsitos organizacionais. Ser implantado na empresa

    a partir de 2012.

    pRogRaMa De inCluSo SoCial

    Busca proporcionar um ambiente de trabalho acessvel s

    pessoas que possuem necessidades diferenciadas, adotando

    aes que combatem a excluso e promovem a convivncia.

    pRogRaMa SoliDaRiaMenDeS

    A iniciativa objetiva construir em conjunto, empresa e co-

    munidade, uma atuao socialmente responsvel, visando

    contribuio para o desenvolvimento local, por meio da

    realizao de aes sociais e de voluntariado empresarial.

    voluntaRiaDo

    Em 2011, o programa Solidariamendes conseguiu mais visi-

    bilidade e legitimidade junto aos colaboradores da empresa,

    meta estabelecida no ano anterior.

    No ano passado, foi alcanada a marca de 10 anos de aes

    em programas de voluntariado, com destaque para o Dia V,

    idealizado pela Federao das Indstrias do Estado de Minas

    Gerais (Fiemg) e realizado em agosto. Alm disso, o grupo

    de trabalho inovou ao mudar o foco do projeto Inverno

    Solidrio que consistia na doao de agasalhos e coberto-

    res, entre outros para Doao de Calor Humano, quan-

    do so realizadas aes de aproximao e interao dos

    colaboradores com as comunidades onde a empresa atua.

    Outras aes foram desenvolvidas internamente para am-

    pliar a atuao do trabalho voluntrio. A resposta veio

    prontamente: 599 colaboradores se envolveram em proje-

    tos nessa rea, nmero 41% maior do que o registrado em

    2010. Desde 2007, o nmero de empregados participantes

    de aes de voluntariado mais do que triplicou, enquanto as

    aes desenvolvidas quadruplicaram.

    evoluo da participao no dia v

    2011 2010

    Aes realizadas 25 20

    Nmero de voluntrios 599 425

    Unidades participantes 23 21

    82 83mendes jnior relatrio anual 2011 relatrio anual 2011 mendes jnior

    SuM

    Ri

    o

  • dia v 2011

    total De aeS X nMeRo De uniDaDeS

    34

    156

    35

    108

    100

    50

    0

    150

    200

    20102011

    Em 2011, a Mendes Jnior passou a integrar o

    Grupo de Trabalho sobre Desenvolvimento Local

    Inclusivo do Conselho de Sustentabilidade e

    Responsabilidade Social (Consures) da Federao

    das Indstrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

    Entre outras atividades, o grupo elaborou diretrizes

    para o desenvolvimento local inclusivo no Estado.

    Alm da Mendes Jnior, participam empresas

    como Anglogold Ashanti, Cenibra, Correios,

    Gerdau Aominas, Samarco, V & M do Brasil.

    iMpoSto SoliDRio

    A Mendes Jnior manteve o foco da sua atuao

    social em projetos relacionados promoo da

    cultura e incluso/reabilitao por meio da prtica

    de esportes, fazendo uso de leis de incentivo e da

    destinao de recursos ao Fundo da Infncia e da

    Adolescncia (FIA). O valor aplicado situou-se nos

    mesmos patamares das inverses realizadas em 2010.

    projeto objetivovalor destinado

    (r$ mil)

    mecanismo de

    incentivo

    Incluso Esportiva Associao

    Mineira de Reabilitao (AMR)

    Realizar aes de reabilitao e incluso social

    para portadores de necessidades especiais, e sua

    incluso por meio de aes esportivas, reformas,

    cirurgias reparadoras, aquisio de cadeiras de roda

    e equipamentos esportivos. Voltado para crianas e

    adolescentes at 17 anos.

    100 FIA

    Incluso Olhares e Possibilidades

    Publicar livro inspirado no cotidiano de crianas

    e adolescentes com deficincia fsica, para construir

    uma nova imagem e respeito prprio.

    193 Lei Rouanet

    Clube do FilmeRealizar circuito de sesses de cinema para alunos

    de escolas pblicas de Belo Horizonte.206 Lei Rouanet

    Formao e Desenvolvimento

    de Atletas por meio da Integrao

    das Cincias do Esporte

    Promover treinamento, aprimoramento, desenvolvimento

    tcnico e humano de cerca de mil atletas.100 Lei de Incentivo ao Esporte

    Unidades

    Aes

    84 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • SuM

    Ri

    o

  • ANEXos

    pArticipAo Em EvENtos

    rEspoNsvEis pElAs iNformAEs

    DiRetoRia De ReCuRSoS huManoS

    Lvia Sousa SantAna Diretora de Recursos Humanos

    Alexandre Maia Esper Coordenador de Desenvolvimento Humano

    lvaro Luiz Moreira Gerente de Relaes do Trabalho

    Ana Maria de Souza Analista de Treinamento e Desenvolvimento

    Bethnia da Silva Passos de Aquino Analista de Comunicao

    Isabella Lopes de Carvalho Analista de Comunicao

    Karla Ornelas Quaresma Amorim Analista de Treinamento e Desenvolvimento

    Marcelo Rodrigues Campos Coordenador de Remunerao, Oramentos e Controles de RH

    Marco Paulo Bahia Diniz Analista de Comunicao

    Maria Bernadete B. Maia Coordenadora de Responsabilidade Social Corporativa

    Mariana Alves de Brito MagalhesCoordenadora de Comunicao

    Mirielle de Oliveira Felipe Lage Carneiro Assistente de Oramentos e Controles de RH

    Vera Lcia Mota Resende Supervisora de Administrao de Pessoal

    MenDeSpRev

    Antnio Edson Borges Tcnico de Seguridade e Benefcio

    Marley Janaina de Castro Gerente Jurdica

    CaSeS

    Arena PantanalEgressos do Trabalho Escravo: Simone Ponce Coordenadora de Comunicao e Resp. Social da Arena Pantanal (MT) Consrcio Santa Brbara Mendes Jnior

    Repar Projeto Estopa: Cludio Bueno Guerra Coordenador de QMSR e Mirian Krulikowski rea de Comunicao (Consrcio Interpar)

    viCe-pReSiDnCia De

    DeSenvolviMento FinanCeiRo

    Alexandre Magno de Pinho FreitasCoordenador Contbil

    Cludio Bueno Guerra Coordenador de QMSR

    Davidson Henrique Arajo Analista de Negcios e Sistemas e Representante dos Empregados (SA 8000)

    Emmerson de Oliveira Coordenador de Tecnologia da Informao

    Fausto Jiran Flecha Gerente de Administrao

    Flvio Campos de Paiva Vieira Analista de Processos

    Gustavo Nicolai Coordenador de Medicina Ocupacional

    Joo Mrio Freire Murta Coordenador de QMSR

    Jos Loureno de Oliveira Coordenador de Apoio Administrativo

    Jussara Marquezini Frana SpataraAdvogada

    Laura Juliana Costa PimentelAnalista de Negcios e Sistemas

    Mrio Lcio Souza Avelar Coordenador de QMSR

    Maurcio VelosoAdvogado

    Miguel Francisco Gregrio Analista Contbil

    Paulo Mrcio de Carvalho Gerente de QMSR e Representante da Direo (SA 8000)

    Rafael de Oliveira Perptuo Gerente Jurdico

    Roger Patrick Groenner Gerente de Controladoria

    Vitor Peixoto Analista de Segurana da Informao

    pReSiDnCia

    Murillo Valle MendesPresidente

    ngelo Alves Mendes Vice-Presidente de Assuntos Corporativos

    Srgio Cunha Mendes Vice-Presidente de Mercado

    Delson de Miranda TolentinoVice-Presidente de Desenvolvimento Financeiro

    Victrio Duque Semionato Vice-Presidente de Engenharia

    viCe-pReSiDnCia

    De engenhaRia

    Alex Vagner de Souza Analista de Suprimentos

    rica Brettas Della Savia Engenheira de Documentao

    Fabricio Gomes Jabbur Engenheiro de Equipamentos

    Luciano da Silva Flori Gerente de Suprimentos

    Thiago Abijaudi Borges Engenheiro de Desenvolvimento de Propostas

    bRaSil oFFShoRe

    Data: 14 a 17 de junho de 2011

    Local: Centro de Exposies Roberto Marinho Maca / RJ

    MeRCaDo eM ConeXo

    Data: 23 e 24 de agosto de 2011

    Local: Escola de Engenharia da UFMG Belo Horizonte / MG

    6- Fipen FRuM inDuStRial

    De pRoDutiviDaDe eneRgtiCa e negCioS

    Data: 18 a 20 de outubro de 2011

    Local: Hotel Actuall Contagem / MG

    8- SeMinRio abeRto De ReSponSabiliDaDe SoCial

    e eMpReSaRial eM MinaS geRaiS v enContRo inteRnaCional

    Data: 19 a 21 de outubro de 2011

    Local: Hotel Ouro Minas Belo Horizonte / MG

    XXviii SeMinRio naCional De gRanDeS baRRagenS 2011

    Data: 25 a 28 de outubro de 2011

    Local: Centro de Convenes do Hotel Windsor Rio de Janeiro / RJ

    89relatrio anual 2011 mendes jnior88 mendes jnior relatrio anual 2011

    SuM

    Ri

    o

  • a

    Aes Ordinrias Nominativas Conferem direito a voto, ou a seu

    portador, em assemblias de acionistas e ainda garantem a participao nos

    lucros de uma empresa. O proprietrio destas aes possui responsabilida-

    des e obrigaes equivalentes ao nmero de aes adquiridas. As Ordinrias

    Nominativas so identificadas pela sigla ON, aps o nome da empresa.

    Assessment Programa de liderana que realiza um diagnstico minucioso

    de uma rea e promove a converso das maiores demandas em cursos de qua-

    lificao focados na estratgia do negcio da empresa.

    Autopatrocnio Possibilidade oferecida ao participante de manter a con-

    tribuio ao plano e assumir a contribuio do patrocinador, em caso de perda

    parcial ou total da contribuio do seu patrocinador. Desse modo, o participante

    ter garantido o benefcio futuro, nos nveis anteriormente pactuados.

    b

    Backlog Valor de receita ainda a receber.

    Bureau Veritas Organizao responsvel pela emisso e manuteno

    das certificaes.

    C

    CAT Comunicado de Acidente de Trabalho.

    CBIC Cmara Brasileira da Indstria da Construo.

    CNI Confederao Nacional da Indstria.

    D

    Desenvolvimento Sustentvel Conceito estabelecido pela Orga-

    nizao das Naes Unidas (ONU) que tem sua definio expressa pelo pensa-

    mento de que o desenvolvimento deve atender as necessidades das geraes

    atuais, sem comprometer a possibilidade de satisfao das necessidades das

    geraes futuras.

    e

    EBITDA Sigla em ingls para Earnings Before Interests, Taxes, Depreciation

    and Amortization. Em portugus, significa lucro antes de juros, imposto de ren-

    da, amortizao e depreciao.

    F

    FAP Fator Acidentrio Previdencirio. Taxa determinada pela Constituio

    Federal e paga pelas empresas ao Governo. Os recursos recolhidos destinam-se

    cobertura de eventos advindos dos riscos do ambiente de trabalho, acidentes

    e doenas do trabalho, assim como as aposentadorias especiais.

    Faturamento Bruto Valor total das vendas de uma empresa em um

    determinado perodo.

    g

    Global Reporting Initiative (GRI) Acordo internacional, criado

    com uma viso de longo prazo, cuja misso elaborar e difundir o Guia para

    Elaborao de Relatrios de Sustentabilidade, aplicveis global e voluntaria-

    mente pelas organizaes que desejam informar sobre os aspectos econmicos,

    ambientais e sociais das suas atividades, dos seus produtos e servios.

    Governana Corporativa Sistema pelo qual as sociedades so diri-

    gidas e monitoradas, envolvendo a tomada de decises e os relacionamentos

    entre acionistas / cotistas, Conselho de Administrao, Diretoria, auditoria inde-

    pendente e Conselho Fiscal.

    i

    ISO 14001 Norma que estabelece as diretrizes e requisitos para o desenvol-

    vimento de um Sistema de Gesto Ambiental numa organizao.

    ISO 9001 Norma que estabelece as diretrizes e requisitos para o desenvolvi-

    mento de um Sistema de Gesto da Qualidade numa organizao.

    l

    LEED Certificao, cuja sigla vem de Leadership in Energy and Environmental

    Designer. voltada