of 30 /30
FACULDADE DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA AGR 99003 - ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO MAURÍCIO MOLLINETTI COPAT 00147403 VINHOS SALTON S/A INDÚSTRIA E COMÉRCIO PORTO ALEGRE, NOVEMBRO DE 2010

Relatório de estágio curricular obrigatório supervisionado

Embed Size (px)

Text of Relatório de estágio curricular obrigatório supervisionado

  • FACULDADE DE AGRONOMIA

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA

    AGR 99003 - ESTGIO CURRICULAR OBRIGATRIO SUPERVISIONADO

    MAURCIO MOLLINETTI COPAT

    00147403

    VINHOS SALTON S/A INDSTRIA E COMRCIO

    PORTO ALEGRE, NOVEMBRO DE 2010

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

    FACULDADE DE AGRONOMIA

    AGR 99003 ESTGIO CURRICULAR OBRIGATRIO SUPERVISIONADO

    Maurcio Mollinetti Copat

    RELATRIO DE ESTGIO CURRICULAR

    OBRIGATRIO SUPERVISIONADO

    Orientador do Estgio: Engenheiro Agrnomo Agliberto Bianchi

    Tutor do Estgio: Professor Paulo Vitor Dutra de Souza

    COMISSO DE ESTGIOS:

    Prof.(a): Lcia Brando Franke Depto. De Plantas Forrageiras e

    Agrometeorologia (Coordenadora)

    Prof.: Paulo Henrique de Oliveira Depto. de Plantas de Lavoura

    Prof.(a): Mari Bernardes Depto. de Zootecnia

    Prof.: Lair Ferreira Depto. de Horticultura e Silvicultura

    Prof.: Elemar Antonino Cassol - Depto. de Solos

    Prof.: Josu SantAna Depto. de Fitossanidade

    Prof.: Fbio de Lima Beck Ncleo de Apoio Pedaggico

    PORTO ALEGRE, novembro de 2010.

  • APRESENTAO

    Este relatrio consiste na descrio das informaes referentes realizao do

    estgio supervisionado da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio

    Grande do Sul, realizado na Vinhos salton S/A Industria e Comrcio, localizada no

    distrito de Tuiuty, em Bento Gonalves. Tendo a orientao do Engenheiro Agrnomo

    Agliberto Bianchi.

    A instituio escolhida se caracteriza por estar entre as maiores vincolas do

    Brasil e apresentar tradio em vinhos, sucos e espumantes, nos seus 100 anos de

    fundao. Nos ltimos anos a Vinhos Salton investiu muito na qualidade de seus

    produtos, assim como na busca de tecnologias inovadoras tanto na parte agrcola quanto

    na parte enolgica. Esse fato foi de fundamental importncia na escolha do local do

    estgio.

    Este trabalho resultado do acompanhamento feito junto aos fornecedores de

    uva, vivenciando a realidade enfrentada e o trabalho em uma grande vincola da regio,

    com nfase na safra de 2010.

    I

  • SUMRIO

    ITEM PGINA

    1- INTRODUO........................................................................................................ 1

    2- Descrio do meio fsico do municpio de Bento Gonalves.............................. 2

    2.1 - Clima..................................................................................................................... 3

    2.2 Solos e Relevo......................................................................................................3

    2.3 Aspectos scio-econmicos...............................................................................4

    3 Caracterizao da instituio da realizao do estagio....................................5

    4 Reviso Bibliogrfica...........................................................................................7

    5 - Atividades Realizadas.........................................................................................10

    5.1 - Visitas tcnicas aos fornecedores de uvas e avaliao da qualidade....................10

    5.1.1 - Pragas e doenas...........................................................................................12

    5.1.1.1 - Traa-dos-cachos da videira Cryptoblabes gnidiella.................................13

    5.1.1.2 - Mldio Plasmopara viticola......................................................................14

    5.1.1.3 - Podrido da uva madura Glomerella cingulata..........................................15

    5.1.1.4 - Podrido cida..........................................................................................16

    5.2 - Orientao de desfolha........................................................................................17

    5.3 - Programa Valore.................................................................................................18

    6 Concluso.................................................................................................................20

    7 - Analise Crtica.......................................................................................................21

    8 Referncias Bibliogrficas...................................................................................22

    9- Sites Consultados...................................................................................................24

    II

  • NDICE DE FIGURAS

    Figura 1. Mapa da localizao do municpio de Bento Gonalves no Rio Grande do Sul............2

    Figura 2. Localizao da Vinhos Salton.........................................................................................5

    Figura 3. Fachada da Vinhos Salton...............................................................................................6

    Figura 4. Imagem dos tanques da Vinhos Salton...........................................................................6

    Figura 5. Distribuio da precipitao pluviomtrica na safra 2010, em Bento Gonalves..........9

    Figura 6. Sistema de descarga rpida no recebimento da uva......................................................12

    Figura 7. Qualidade fitossanitria da variedade Teroldego..........................................................13

    Figura 8. Traa-dos-cachos, lagarta alojada no interior do cacho da uva merlot.........................14

    Figura 9. Mldio Plasmopara viticola..........................................................................................15

    Figura 10. Sintomas e sinais de Glomerella na uva merlot..........................................................16

    Figura 11. Podrido cida na uva Merlot....................................................................................17

    Figura 12. Desfolha no sistema de conduo latada, na variedade Moscato...............................18

    Figura 13. Desfolha na variedade Cabernet Sauvignon da Vinhos Salton...................................18

    III

  • 1

    1 - Introduo

    A vitivinicultura no Rio Grande do Sul teve a origem ligada fortemente a sua

    colonizao. Seu desenvolvimento, em especial na Serra Gaucha, est relacionada a

    identidade do imigrante italiano, que a partir 1875 deu incio colonizao agrcola do

    nordeste do estado, trazendo consigo as primeiras mudas de videira e o elemento

    tradicional de sua cultura, o vinho (Azevedo, 1979).

    Hoje, o setor vitivincola no Rio Grande do Sul apresenta grande importncia

    econmica e social e envolve um grande volume de negcios. A rea plantada com

    videira no Brasil, segundo os dados IBGE (2004), de 59.838 hectares, sendo que

    40.351 hectares esto localizados na Serra do Nordeste gacha. Vale ressaltar que o

    estado concentra 90% do volume total de vinhos finos produzidos no pas (Brasil,

    2000).

    O grande avano nos ltimos anos da indstria vincola, caracterizado por altos

    investimentos nessa rea, proporcionou o reconhecimento nacional e at mesmo

    internacional. Motivados tambm por um mercado interno com potencial para consumo

    de vinhos finos.

    A Vinhos Salton S/A Indstria e Comercio uma das principais vincolas do

    Brasil, contribuindo muito para o desenvolvimento e crescimento da vitivinicultura

    nacional. Localizada no distrito de Tuiuty, em Bento Gonalves, estado do Rio Grande

    do Sul, a empresa que apresenta o maior faturamento bruto no setor. Devido ao

    interesse por fruticultura e o objetivo de adquirir e aprimorar os conhecimentos,

    vivenciando a realidade de trabalho, o estagirio optou por realizar o estgio junto

    parte agrcola da Vinhos Salton.

    O estgio curricular obrigatrio foi realizado no perodo de 9 de janeiro de 2010

    a 4 de maro de 2010, totalizando 400 horas, onde pode-se acompanhar todo o

    andamento da safra 2010. Junto a equipe de Engenheiros Agrnomos e Tcnicos

    Agrcolas, foi possvel aprender e esclarecer de forma prtica as dvidas em todo o

    processo de produo, manejo e entrega, das diversas variedades de uvas para o

    processamento. Alm das questes tcnicas especficas para se produzir vinhos,

    espumantes e sucos de qualidade.

  • 2 Descrio do meio fsico do municpio de B

    A formao administrativa do municpio de Bento Gonalves

    Estadual n. 474, de 11 de outubro de

    que correspondia as colnias de Dona Isabel e Conde d'Eu. A sua instalao verificou

    se no dia 23 do mesmo ms

    (Paris, 2009).

    O nome dado representa a homen

    Silva, presidente da Repblica Rio

    de 1892, a instalao do primeiro conselho municipal, sendo que, pelo Decreto

    311, de 2 de maro de 1938, a sede municip

    2009).

    O municpio de Bento Gonalves est localizado na Encosta Superior da Serra

    do Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul entre as coordenadas 29 10'17 " de

    latitude Sul e 51 31'09" de longitude Oeste

    aproximadamente 125 Km de Porto Alegre, capital

    rea de 383 quilmetros quadrados com uma populao de aproximadamente 107 mil

    habitantes (IBGE 2007). Ao

    com Garibaldi e Farroupilha, ao leste com Farroupilha e Nova Roma do Sul e ao oeste

    com Cotipor, Monte Belo do Sul e Santa Tereza.

    Figura 1. Mapa da localizao de Bento Gonalves no Rio Grande do Sul. Fonte: Wikipdia

    Descrio do meio fsico do municpio de Bento Gonalves

    dministrativa do municpio de Bento Gonalves

    stadual n. 474, de 11 de outubro de 1890, desmembrada de So Joo de Montenegro,

    que correspondia as colnias de Dona Isabel e Conde d'Eu. A sua instalao verificou

    se no dia 23 do mesmo ms, com a sede municipal localizando-se em Dona Isabel

    O nome dado representa a homenagem ao chefe farroupilha Bento Gonalves da

    Silva, presidente da Repblica Rio grandense. A organizao data de 24 de novembro

    do primeiro conselho municipal, sendo que, pelo Decreto

    311, de 2 de maro de 1938, a sede municipal foi elevada a categoria de cidade

    O municpio de Bento Gonalves est localizado na Encosta Superior da Serra

    stado do Rio Grande do Sul entre as coordenadas 29 10'17 " de

    latitude Sul e 51 31'09" de longitude Oeste de Greenwich (Figura 1). A

    aproximadamente 125 Km de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul

    rea de 383 quilmetros quadrados com uma populao de aproximadamente 107 mil

    Ao norte, Bento Gonalves limita-se com Veranpolis, ao sul

    com Garibaldi e Farroupilha, ao leste com Farroupilha e Nova Roma do Sul e ao oeste

    com Cotipor, Monte Belo do Sul e Santa Tereza.

    Figura 1. Mapa da localizao de Bento Gonalves no Rio Grande do Sul. Fonte: Wikipdia

    2

    dministrativa do municpio de Bento Gonalves se d pelo Ato

    1890, desmembrada de So Joo de Montenegro,

    que correspondia as colnias de Dona Isabel e Conde d'Eu. A sua instalao verificou-

    se em Dona Isabel

    agem ao chefe farroupilha Bento Gonalves da

    randense. A organizao data de 24 de novembro

    do primeiro conselho municipal, sendo que, pelo Decreto-lei n.

    al foi elevada a categoria de cidade (Paris,

    O municpio de Bento Gonalves est localizado na Encosta Superior da Serra

    stado do Rio Grande do Sul entre as coordenadas 29 10'17 " de

    de Greenwich (Figura 1). A distncia de

    do Rio Grande do Sul. Possui uma

    rea de 383 quilmetros quadrados com uma populao de aproximadamente 107 mil

    se com Veranpolis, ao sul

    com Garibaldi e Farroupilha, ao leste com Farroupilha e Nova Roma do Sul e ao oeste

    Figura 1. Mapa da localizao de Bento Gonalves no Rio Grande do Sul. Fonte: Wikipdia, 2010.

  • 3

    2.1 - Clima

    O clima da regio da Serra do Nordeste gacha dita como Cfb, segundo a

    classificao de Koppen, apresentando temperaturas moderadas ao longo do ano com

    vero ameno e boa distribuio de chuvas. Esse tipo climtico apresenta precipitao

    total anual de 1.538mm (mdia do perodo 1961-1990), sendo a temperatura mdia nos

    meses mais quentes de janeiro e fevereiro inferior a 19,5 C e a dos meses mais frios,

    junho e julho, com temperaturas inferiores a 10,5 C.

    A partir dos dados meteorolgicos coletados na estao agroclimtica da

    Embrapa Uva e Vinho, o municpio de Bento Gonalves apresenta temperaturas

    mnimas e mximas de -4C e 36C, temperaturas mdias anuais que variam entre 15 e

    23 C. E a precipitao mdia anual de 1.500 mm.

    A rea urbana de Bento Gonalves est situada a 618 metros de altitude,

    enquanto em torno do municpio a rea rural, incluindo o vale dos vinhedos, tem a

    variao de altitude com predomnio na faixa de 500 a 700 metros (Falcade & Mandelli,

    1999). O efeito mais importante na altitude a temperatura, podendo compensar a

    latitude, j que 100 metros de elevao representam ao redor de 0,6 C na temperatura

    do ar.

    2.2 Solos e Relevo

    A geologia da rea de estudo faz parte da Formao Serra Geral sendo

    composta por basaltos, riolitos e ridacitos, formados por vulcanismo mesozico

    classificado como bimodal, representado por composio bsica e cida (Nardy et al.,

    2002). A combinao do clima, com o material de origem e o relevo, de acordo com a

    declividade, interferiu a velocidade do intemperismo transcorrido. Assim, se definiu a

    formao dos solos rasos ou profundos.

    O relevo local apresenta-se desde suave ondulado at montanhoso, a

    geomorfologia na forma de patamares intensamente dissecados e fragmentados com

    vales encaixados (Falcade & Mandelli, 1999).

    Segundo Spigolon (2002), no municpio ocorre o predomnio de Cambissolos e

    Neossolos Litlocos. Por estar na unidade de mapeamento corresponde a Farroupilha e

    Caxias (Streck et al., 2002), possuindo grande heterogeneidade topogrficas, geolgicas

  • 4

    e climticas citadas anteriormente, tambm ocorre Argissolos e Chernossolos, porm

    em menor poro.

    2.3 Aspectos scio-econmicos

    A identidade da Serra Gacha teve forte influncia a partir de 1875 com o

    processo de colonizao italiana. Nessa regio, construram um espao caracterizado

    pela policultura, principalmente com o cultivo de milho, feijo, trigo, batata, uva e

    criao de pequenos animais e gado de leite. Com o passar dos tempos, o excedente da

    produo passou a ser comercializado nos centros urbanos maiores.

    O imigrante italiano, afeioado viticultura por tradio e por vocao,

    obrigatoriamente viria a cultivar a videira em sua terra, como j o haviam feito os

    imigrantes que se estabeleceram em outras regies da Amrica e da sia. As

    primeiras mudas de videiras, para iniciar o cultivo, foram adquiridas ao descerem a

    serra em direo as cidades colonizadas por alemes de So Sebastio do Ca e

    Montenegro, para levar seus produtos e buscar suprimentos (Azevedo, 1979).

    Em 1967, Bento Gonalves passa por uma grande transformao, considerada

    um marco histrico. A colaborao de dinmicas lideranas e a ajuda de toda a

    comunidade, surge a I Fenavinho, a Festa Nacional do Vinho. O municpio foi visitado

    pela primeira vez por um Presidente da Repblica, o Marechal Humberto de Alencar

    Castelo Branco. O principal produto e a fora da economia de Bento Gonalves foram

    divulgados em todo o Brasil, tornando a cidade conhecida nacional e

    internacionalmente. O municpio descobre a sua vocao para o turismo de negcios

    (Paris, 2009).

    Hoje, o municpio de Bento Gonalves se caracteriza por ser um dos mais

    desenvolvidos economicamente do Estado do Rio grande do Sul, a economia est nas

    mais diversas atividades, como: setores metalrgicos, alimentcio, txtil, artefatos de

    couro e borracha, artes grficas e o setor de plsticos. Porm as indstrias de mveis e

    as empresas vincolas ainda so as principais responsveis pela base econmica. Bento

    Gonalves a capital Brasileira da Uva e do Vinho e o maior e mais expressivo plo

    moveleiro do Estado.

    A vitivinicultura representa a terceira maior economia, com 12,39% de

    participao no mercado (IDESE, 2002). Atualmente so 36 grandes vincolas

    instaladas no municpio que produzem mais de 127 mil toneladas de uva e 91 milhes

  • 5

    de litros de vinho. No municpio existem tambm 335 indstrias moveleiras registradas,

    que geram mais de 10 mil empregos diretos e indiretos.

    Segundo o IDESE de 2002, o stimo municpio com as melhores condies de

    vida no Estado. Sua populao rural em torno de 9%, no entanto, muito importante

    para economia do municpio, pois direto ou indiretamente est ligada a maioria das

    indstrias locais.

    3 Caracterizao da instituio da realizao do estagio

    Localizada na Serra Gacha, municpio de Bento Gonalves, a Vinhos Salton

    S/A foi formalmente fundada em 1910, quando os irmos Paulo, ngelo, Joo, Cezar,

    Luiz e Antnio Salton, deram cunho empresarial aos negcios do pai, o imigrante

    Antonio Domenico Salton, que vinificava informalmente, como a maioria dos

    imigrantes italianos. Os irmos passaram a se dedicar cultura de uvas e elaborao

    de vinhos, espumantes e vermutes, com a denominao Paulo Salton & Irmos, no

    Centro de Bento Gonalves.

    Quase um sculo depois, a Salton reconhecida como uma das principais

    vincolas do pas e, na extensa lista de conquistas nesses 100 anos de histria,

    comemorando o fato de ser familiar, e 100% brasileira. A matriz da Salton est

    localizada no distrito de Tuiuty, cerca de 12 Km do centro de Bento Gonalves, (Figura

    2) onde se produz anualmente aproximadamente de 8 milhes de litros de vinho, 5

    milhes de litros de espumante e 2 milhes de litros de suco (Figura 3). Na sua filial,

    localizada na cidade de So Paulo, produz um dos produtos principais da linha, o

    Conhaque Presidente, lder de vendas em vrios Estados, sendo vendidos em mdia 24

    milhes de garrafas por ano.

    Figura 2. Localizao da Vincola Salton. Fonte: Vinhos Salton

  • 6

    Figura 3. Fachada da Vinhos Salton. Fonte: Vinhos Salton

    Nos ltimos anos, foi investido o que existe de mais moderno em equipamentos

    enolgicos no mundo. A Salton apresenta um armazenamento total de aproximadamente

    20 milhes de litros de vinho em ao inox (Figura 4), mais certa de 500 mil litros em

    barricas de carvalho para suportar a entrada de todas as variedades de uvas at o final da

    safra. Conta com cerca de 600 fornecedores de uva parceiros, sendo que 35 localizam-se

    na regio da campanha. A empresa tambm tem vinhedos prprios na regio do Vale

    dos Vinhedos e Santana do livramento, totalizando 100 hectares.

    Figura 4. Imagem dos tanques da Vinhos Salton. (Bento Gonalves, 15/01/2010).

    O departamento agrcola, composto por 2 Engenheiros Agrnomos e 1 Tcnico

    Agrcola, sendo estes responsveis pela busca de qualidade nos vinhedos prprios e nos

    vinhedos dos produtores, alm de serem difusor de tecnologia para os produtores. Em

  • 7

    2000, iniciaram testes para o cultivo de mudas prprias, visando fornecer tambm aos

    produtores, em um viveiro de 10 hectares instalado em Nova Prata por questes

    fitossanitrias, sendo esta uma regio isolada de outros parreirais. Hoje a vincola faz

    parte da Agaprovitis ( Associao Gaucha de produtores de Mudas), produzindo mudas

    certificadas.

    A evoluo da empresa nos ltimos anos tambm se deve graas aos

    investimentos realizados, destacando-se entre as empresas que possuem a tecnologia

    mais avanada no setor, a qual permite a continuidade da qualidade dos seus produtos,

    que so conhecidos e consumidos nacionalmente. Assim, com muito trabalho e foco nos

    objetivos, nesses 100 anos de fundao, firmou-se como uma das maiores vincolas do

    pas.

    4 Reviso Bibliogrfica

    A Serra gaucha apresenta como a maior regio vitcola Brasileira responsvel

    por mais de 90% da produo nacional de vinhos e derivados, por esse motivo a real

    importncia da vitivinicultura no Estado do Rio Grande do Sul (Brasil, 2000). O clima,

    por meio de seus elementos, condiciona vrios aspectos na cultura da videira, seja para

    consumo in natura ou na produo de vinhos, sendo fator preponderante na durao

    do ciclo, na qualidade do produto, na fitossanidade e na produtividade da videira

    (Sentelhas, 1998).

    A videira pode ser cultivada em quase todas as partes do mundo, salvo em locais

    que as condies heliotrmicas e hdricas no permitem que ela vegete e possa

    amadurecer as uvas. As condies meteorolgicas exercem grande influncia sobre o

    comportamento da videira e interferem diretamente na produo e qualidade da uva.

    Estabelecer o comportamento da cultura frente as condies do ambiente , em especial o

    clima, so necessrios para o planejamento do cultivo (Westphalen, 1977).

    Existem cinco regies consideradas aptas pelo zoneamento agroclimtico para a

    produo de uvas para vinhos finos no Brasil (Tonietto e Falcade, 1994). Trs so no

    Rio Grande do Sul - Serra Gaucha, Campanha e Serra do Sudeste - uma em Santa

    Catarina , na regio de So Joaquim, e outra entre a Bahia e Pernambuco, no vale

    submdio do So Francisco. Assim compreende a vasta latitude, desde 8 graus at 32

    graus. O zoneamento da videira europia para o Rio Grande do Sul considera como

    regio preferencial, regies que apresentam mais de 500 horas de frio abaixo de 7 C ,

  • 8

    soma de calor efetivo menor que 2.300 graus-dia e ndice hidrotrmico menor do que

    50. J para videiras americanas, foram consideradas como regies preferenciais as que

    apresentam mais de 100 horas de frio e ndice heliopluviomtrico maior que 2 (Rio

    Grande do Sul, 1975). As condies climticas podem apresentar grande influncia

    numa safra, mas tratando-se da qualidade das uvas e dos vinhos fundamental levar em

    considerao tambm, as condies de solo, manejo e produo dos vinhedos e

    tecnologia de vinificao.

    O Estado do Rio Grande do Sul foi identificado como tendo o melhor conjunto

    de condies climticas para a produo de vinhos finos a partir de variedades Vitis

    vinifera. A regio oeste fronteiria com o Uruguai demonstra ser a regio mais propcia

    para produo de vinhos finos, por apresentar, durante o vero, umidade relativa inferior

    a 73%, temperatura mdia do ms mais quente inferior a 24 C e um nmero satisfatrio

    de horas de frio abaixo de 7 C. De acordo com Westphalen (1977), o Rio Grande do

    Sul contribui como a mais de 80% da produo nacional e , deste total, 80%

    corresponde a produo de variedades americanas e 20% de Vitis vinifera.

    O excesso de chuvas e a elevada umidade do ar influenciam negativamente o

    teor de acar da uva e contribuem para o aumento da incidncia de molstias,

    impedindo a maturao uniforme dos frutos (Westphalen, 1977). Segundo Rizzon &

    Tonietto (1982) os mostos das uvas produzidas, nessas condies na Serra Gacha,

    so pouco equilibrados, com baixos teores de acar e acidez elevada.

    Mandelli (1984), ao analisar alguns ndices bioclimticos para a regio de Bento

    Gonalves, RS, referentes ao perodo de 1965/78, afirmou que as condies trmicas e

    de insolao foram adequadas para a videira e que ocorreu, na maioria dos anos,

    excesso de precipitao, em comparao com outros pases tradicionais produtores.

    Na mdia dos anos, a concentrao dos maiores perodos de chuva coincide com

    o momento de dormncia e com o incio do desenvolvimento vegetativo da parreira.

    Porm, a boa distribuio das chuvas ao longo do ano acaba sendo uma das maiores

    limitaes ao desenvolvimento da cultura na regio, por implicar em problemas

    fitossanitrios, como ocorrido na safra de 2010 em comparao com a safra 2005 e a

    normal climatolgica (Dados mdios do perodo de 1961 a 1990) (Figura 5). A safra

    2005 foi caracterizada pela baixa quantidade de chuvas nos meses de Dezembro,

    Janeiro, Fevereiro e Maro sendo considerada muito boa pelos produtores e vincolas,

    devido a qualidade de uvas produzidas. Representando a precipitao, o fator na safra

  • 9

    2010, que mais contribui nos gastos de manuteno dos parreirais, atravs do uso de

    produtos fitossanitrios, alm da enorme perda de qualidade da produo.

    Figura 5. Distribuio da precipitao pluviomtrica (mm) nos anos de 2005 e 2010 nos meses de

    novembro, dezembro, janeiro, fevereiro e maro em Bento Gonalves, RS. Fonte: Estao Agroclimtica

    da Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonalves 2010.

    A uvas destinadas produo de vinhos so colhidas segundo diferentes

    critrios. Na Serra Gacha e na maioria dos pases, o critrio mais utilizado o Grau

    Glucomtrico (teor de acar) devido a facilidade e qualidade do mtodo. Isto porque o

    teor de lcool no vinho advm dos acares da uva pelo processo de fermentao, alm

    do lcool, outros compostos secundrios so produzidos. O aumento no teor de acar

    tambm est relacionado com caractersticas no vinho como os compostos aromticos e

    os compostos fenlicos (Ribichaud & Noble, 1990).

    A medio do teor de acar na uva uma das ferramentas para saber a provvel

    qualidade do vinho aps sua elaborao. O grau glucomtrico da uva medido em

    escala de graus BABO, que representa a quantidade de acar, em peso, existente em

    100 gramas de mosto (caldo da uva), ou em escala de graus Brix, que representa o teor

    de slidos solveis totais na amostra (%/ volume de mosto), 90% dos quais so

    acares. Esta medida pode ser feita diretamente no vinhedo, com ajuda de um

    equipamento chamado refratmetro.

    Existem outros critrios para a medida da maturao da uva, e seu potencial de

    produzir vinhos de qualidade. Entre eles pode-se citar os teores de cidos, taninos e

    antocianinas. Estes critrios tambm so adotados pelas vincolas, porm em menor

    escala, pois requerem mais tempo e somente so feitos em laboratrio.

  • 10

    Assim, o acompanhamento da maturao tecnolgica (acares e acidez) da

    maturao fenlica (extratibilidade e teor de antocianinas e taninos), complementando

    por avaliaes sensoriais constantes da uva, fornece informaes suficientemente

    precisas sobre o estgio de maturao e permite escolher a data de colheita, visando a

    maior qualidade possvel.

    5 - Atividades Realizadas

    No dia 11 de Janeiro de 2010, a Vincola Salton abriu as portas para o incio da

    safra, com a expectativa de receber 18 milhes de quilos de uvas, incremento de 20%

    sobre a safra 2009. Com um ano de dificuldades climticas, especialmente em funo

    do excesso de chuvas a partir de novembro, constituiu-se num grande empecilho na

    qualidade das uvas.

    Um perodo crtico, e muito importante na qualidade da uva, a formao do

    fruto at o ponto de colheita, ou seja, todo o processo de maturao da uva. Com o

    estgio abrangendo este perodo, pde-se acompanhar os problemas fitossanitrios

    acarretados neste ano de clima propcio. Tambm teve-se a oportunidade de

    acompanhar o incio do Valore, que um programa de sustentabilidade realizado pela

    Vinhos Salton junto aos produtores.

    5.1 - Visitas Tcnicas aos Fornecedores de uvas e avaliao da qualidade

    Os produtores recebem acompanhamento de um Engenheiro Agrnomo

    principalmente nos perodos de poda, adubao e colheita, sendo orientados a contatar a

    equipe tcnica da empresa caso tenham qualquer dvida ou necessidade de orientao

    durante todo o ano. No perodo em que se aproxima o ponto de colheita da uva, o

    produtor da Salton orientado a ligar para empresa e agendar uma visita do Engenheiro

    Agrnomo. Assim sendo, se analisa toda a condio fitossanitria do vinhedo e a

    quantidade de grau brix propcia para se conseguir atingir a meta imposta pela vincola.

    Dependendo da situao do vinhedo, opta-se por antecipar, atrasar ou at mesmo colher

    em partes para se conseguir melhores resultados finais.

    Durante o estgio a principal atividade realizada foi o acompanhando os

    Engenheiros Agrnomos ou Tcnicos Agrcolas na assistncia tcnica aos produtores de

    uvas. Pode-se vivenciar os principais manejos adotados nos parreirais para atingir um

  • 11

    programa de qualidade proposto pela vincola. Caso o produtor no atenda os requisitos

    impostos pelo Engenheiro Agrnomo, para se obter uvas de qualidade durante todo o

    ciclo de produo, a vincola poder no receber a uva do produtor na poca da colheita.

    Se o produtor acatar as ordens do Engenheiro Agrnomo ter sempre sua uva recebida

    pela vincola, mesmo se as condies climticas no forem propcias para se ter uvas de

    qualidade.

    No momento da colheita levado em considerao o tempo da colheita e a

    condio climtica do momento. Busca-se colher em perodos secos, visando qualidade

    fitossanitria e maiores quantidades de acar nas bagas. Os produtores so orientados

    sempre a entregar a uva mais fresca possvel, sendo assim, se colhidas pela manh,

    tarde devem estar na vincola. A maioria dos produtores tem suas prprias caixas,

    porm a Salton tem cerca de 26.000 caixas para emprestar aos produtores que

    necessitam, facilitando a rapidez da colheita. As caixas so vazadas para no acumular

    gua ou mosto, alm do mais os produtores so orientados colocar no mximo 18 Kg

    por caixa para que no ocorram problemas de ps-colheita, comprometendo a qualidade

    da uva. Toda a uva colhida e transportada nestas caixas para sua entrega, pois se

    adaptam ao sistema de descarga rpida (Figura 6).

    Figura 6. Sistema de descarga rpida no recebimento da uva (Bento Gonalves, 16/01/2010).

    Todas as uvas, antes de entrar na cantina, passam por outra autorizao de

    controle de qualidade sendo analisadas e classificadas de acordo com aspectos visuais,

    como presena de partes vegetativas da videira e outras impurezas, presena de cachos

    com podrides, e verdes. A Vinhos Salton faz o pagamento com base na tabela de

    preos mnimos da Conab, porm reajusta a mais em forma de prmio aos fornecedores

  • 12

    que produzem com qualidade, sendo assim um estmulo aos produtores. Consideram-se

    as melhores uvas, aquelas que apresentam qualidade fitossanitria, no apresentam

    folhas junto aos cachos ou qualquer outro resduo, assim como atingirem grau

    glucomtrico acima da mdia.

    Passando por essa etapa, a carga era autorizada para realizar a pesagem e

    posterior descarga. O descarregamento obedece a ordem de chegada, para a partir da

    ser separada de acordo com seu destino dentro da empresa.

    As primeiras uvas a desembarcar na vincola, em Bento Gonalves, foram as

    variedades Concord , BRS Violeta e Bordo, destinadas a elaborao de suco de uva.

    Onde receberam cerca de 2,5 milhes de quilos destas frutas, incremento superior a 35

    % sobre a safra anterior, isso devido grande demanda dos produtos neste ano.

    As variedades brancas entre elas as principais Chardonnay e Pinot noir

    destinadas a espumantes somaram em mdia oito milhes de quilos, o que vai ao

    encontro da estratgia da empresa de se manter como a maior produtora de espumantes

    do pas e lder em sua comercializao nacional. Destacados tambm,as variedades

    Moscato Giallo e Moscato Branco, que somaram 2,7 milhes de quilos, um a mais que

    2009. Entre as tintas vinferas, a quantidade recebida foi de cerca de 3,5 milhes de

    quilos. As principais variedades, Cabernet Sauvignon, Merlot, Tannat, Shiraz e

    Teroldego.

    5.1.1 - Pragas e doenas

    A quantidade excessiva de chuvas no perodo da safra 2010 fez com que vrios

    produtores perdessem parte das uvas. Em geral, nas visitas a campo, constatou-se cerca

    de 20% menos quantidade de uva em relao ao ano de 2009. Os produtores que

    buscaram ajuda tcnica e cuidaram bem de seus vinhedos, fazendo tratamento quando

    necessrio, conseguiram uvas de excelente qualidade fitossanitria apesar do clima no

    ser favorvel. Como exemplo de qualidade, pode-se citar a variedade Teroldego colhida

    nos vinhedos da vincola localizados em Nova Prata (Figura 7), sendo esta uma

    variedade para elaborao de vinhos finos.

    Dentre as pragas e doenas que ocorreram nos vinhedos dos produtores da

    Vinhos Salton na Serra Gaucha, no perodo do estgio, em funo da severidade e

    freqncia de ocorrncia, destacaram-se a traa-dos-cachos da videira (Cryptoblabes

  • 13

    gnidiella), mldio (Plasmopara viticola), podrides de cachos (Glomerella cingulata) e

    podrido cida.

    Figura 7. Qualidade fitossanitria da variedade Teroldego. (Nova Prata 10/02/2010)

    5.1.1.1 - Traa-dos-cachos da videira Cryptoblabes gnidiella

    A traa-dos-cachos um microlepidptero cujas mariposas tm

    aproximadamente 10 mm de comprimento e 22mm de envergadura, com colorao

    predominantemente cinza. As lagartas tm colorao escura e, quando completamente

    desenvolvidas, atingem cerca de 10mm de comprimento.

    As lagartas alojam-se no interior dos cachos onde comem a casca do engao e

    das bagas, causando o murchamento e conseqente queda das uvas (Figura 8). Os danos

    causados por insetos praga que atacam os frutos resultam no extravasamento do suco

    sobre o qual proliferavam bactrias causadoras da podrido cida, reduzindo a qualidade

    dos vinhos. O controle foi realizado na forma qumica atravs do uso de sumithion e

    dipterex.

  • 14

    Figura 8. Traa-dos-cachos, lagarta alojada no interior do cacho da uva Merlot.

    (Bento Gonalves, 20/02/2010)

    5.1.1.2 Mldio Plasmopara viticola

    Mldio, tambm conhecido como mofo ou mufa, causado pelo pseudofungo

    Plasmopara viticola (Berk & Curtis) Berl. & de Toni e pode causar perdas de at 100%

    na produo. No perodo do estgio foram observados poucos casos de incidncia desta

    doena, porm os produtores que no tiveram devidos cuidados principalmente com a

    no aplicao de controle qumico preventivo, perderam boa parte da produo.

    As condies climticas ideais para o desenvolvimento da doena so

    temperaturas entre 18C e 25C e umidade relativa do ar acima de 60%. Essas

    condies foram atendidas durante um longo perodo do estgio, sendo um fator

    fundamental no estabelecimento da doena.

    O patgeno afeta todas as partes verdes da planta. Nas folhas, inicialmente

    aparecem manchas amareladas, translcidas contra o sol, denominadas de mancha de

    leo. Em condies de alta umidade relativa, na face inferior da folha, sob a mancha de

    leo, observa-se um mofo branco que a frutificao do pseudofungo (Figura 9). Em

    seguida, o tecido foliar afetado necrosa e, quando o ataque muito intenso, ocorre a

    desfolha precoce da planta. Os cachos so atacados desde antes da florao at o incio

    da maturao.

  • 15

    Figura 9. Mldio Plasmopara viticola. (Bento Gonalves, 18/01/2010)

    5.1.1.3 - Podrido da Uva Madura Glomerella cingulata

    A podrido da uva madura causada por Glomerella foi uma das doenas que teve

    incidncia durante o perodo de estgio, as condies favorveis ao seu

    desenvolvimento so temperaturas entre 25C a 30C e alta umidade, ou seja,

    condies climticas propiciadas no ano de 2010. Epidemias desta doena comearam a

    partir de mudanas por melhores padres de qualidade do vinho, o que resultou em uvas

    com melhor maturao (maior Brix), associadas a presena de condies climticas

    altamente favorveis a infeco pelo patgeno e a suscetibilidade neste estgio

    fenolgico doena.

    A podrido da uva madura da videira causada pelo fungo Glomerella cingulata

    (Stonemam) Spauld & Schrenk, fase perfeita ou sexual de Colletotrichum

    gloeosporioides (Penz.) Penz. & Sacc., a fase imperfeita ou assexual.

    Os sintomas iniciam-se quando pequenas manchas se espalham sobre a baga,

    com o desenvolvimento de zonas concntricas. A baga apodrecida torna-se densamente

    coberta com numerosas pstulas cinza-escuras das quais, com tempo mido, massas

    rosadas de esporos so produzidas. Mais tarde, a massa de esporos torna-se escura

    (marrom-avermelhada). (Figura 10).

  • 16

    Figura 10. Sintomas e sinais de Glomerella na uva Merlot. (Bento Gonalves 15/02/2010)

    5.1.1.4 - Podrido cida

    A podrido cida foi a doena com maior incidncia na realizao do estgio,

    provocando muitas perdas na qualidade como na quantidade da uva produzida.

    Ferimentos nos frutos, chuvas em excesso prximo ao perodo de colheita e adubao

    nitrogenada em excesso favoreceram o estabelecimento dos patgenos. As uvas com

    podrido cida comprometem muito a qualidade do vinho, por isso a vincola orienta os

    produtores a colher somente as uvas que no apresentam podrido.

    A polpa se decompe, o suco comea escorrer pelo ferimento (Figura 11) no

    qual iniciou a podrido e contamina as bagas vizinhas. Aps o escorrimento do suco, as

    bagas secam e escurecem, permanecendo aderidas ao pednculo. Nos cachos doentes,

    observa-se a presena da mosca Drosophila, responsvel pela disseminao dos

    microorganismos. Uma das caractersticas da podrido cida o odor de vinagre

    proveniente do cido actico produzido pelas bactrias. Perodos quentes e chuvosos

    quando as uvas esto na fase de maturao, com teor de acar acima de 8%, favorecem

    a ocorrncia da podrido cida.

  • 17

    Figura 11. Podrido cida na variedade Merlot (Bento Gonalves 25/02/2010).

    5.2 - Orientao de desfolha

    Esta atividade bem difundida pelos tcnicos da empresa junto aos produtores, e

    tem como principais objetivos: aumentar a temperatura, a insolao e a aerao na

    regio dos cachos ; melhorar a maturao e colorao das bagas; reduzir a incidncia de

    podrides e favorecer o controle qumico com a penetrao dos fungicidas nos cachos

    das uvas.

    A desfolha realizada no perodo da maturao e recomenda-se que seja feita no

    lado leste, caso as fileiras se encontram no sentido Norte-Sul, tendo em vista que o sol

    pode danificar os frutos se atingir nas horas mais quentes. Importante salientar que

    deve-se ter cuidado, pois se for inadequada pode comprometer a atividade fotossinttica

    da planta.

    Em vinhedos no sistema de conduo latada (Figura 12) a desfolha feita em

    torno do cacho e juntamente com a poda verde tem sentido de proporcionar a entrada do

    sol e um melhor arejamento. No sistema em espaldeira (Figura 13) a desfolha tambm

    realizada somente na regio dos cachos.

  • 18

    Figura 12. Desfolha no sistema de conduo latada, na variedade Moscato (Bento Gonalves 17/01/2010).

    Figura 13. Desfolha na variedade Cabernet Sauvignon da Vinhos salton (Bento Gonalves 27/02/2010).

    5.3 - Programa Valore

    Durante o perodo de estgio, tambm foi possvel acompanhar o incio de um

    Programa de Certificao Internacional promovido entre a Vinhos Salton e a empresa

    Bayer CropScience. Foram selecionados 50 fornecedores de uva para fazer parte do

    programa.

    O programa Valore parte do princpio de sustentabilidade dos viticultores com o

    cumprimento de princpios bsicos como adoo de boas prticas agrcolas,

    preocupao com o meio ambiente, e a segurana dos trabalhadores. Seguindo o

    produtor, viabiliza a conquista dos selos de Globalgap, certificao de segurana

    alimentar e comrcio justo.

  • 19

    A certificao Valore garante que a produo segura, obedece a legislao

    vigente, segue boas prticas agrcolas, respeita o meio ambiente e a sociedade. O

    objetivo do programa agregar valor a cadeia produtiva fazendo com que os

    agricultores produzam de forma sustentvel.

  • 20

    6 - Concluso

    Este estgio foi muito importante para se adquirir experincia tcnica e

    presenciar o ambiente de trabalho de uma grande empresa, conseguindo entender

    melhor como funciona o setor vitivincola.

    O estudante teve a oportunidade de experimentar a extenso agrcola e ter o

    contato com a realidade de trabalho diariamente, permitindo entender a relao entre a

    empresa

    Vinhos Salton com seus fornecedores de matria prima. O estgio tambm permitiu

    entender as dificuldades do trabalho de extenso e a forma com que o profissional deve

    interagir com os produtores.

    Em relao a cultura da videira pode-se refletir sobre o clima , o solo e a cultura,

    levando em considerao uma regio tradicional em viticultura, havendo um grande

    enriquecimento dos conhecimentos. Alm de estar com profissionais bem capacitados, o

    estagirio conseguiu acompanhar criteriosamente a melhor forma de se produzir uvas de

    qualidade.

    importante tambm citar, e se pode comprovar, que o trabalho em equipe

    proposto pelo departamento agrcola, quando em pleno funcionamento e bem articulado,

    gera resultados muito satisfatrios, estimulando ainda mais o estudante de agronomia a

    seguir nessa rea.

  • 21

    7 - Analise Crtica

    Durante o perodo de estgio fui muito bem recebido por todos na vincola,

    tendo todo o suporte necessrio quanto as condies de trabalho. Os tcnicos do

    departamento agrcola da empresa foram muito receptivos, sempre buscando orientar o

    estagirio, esclarecendo possveis dvidas ou questionamentos. O estagirio teve a

    oportunidade de fazer muitas sadas a campo, conseguindo visualizar na prtica o

    trabalho do Engenheiro Agrnomo.

    Em geral, observou-se nas sadas a campo que os fornecedores mais antigos da

    Vinhos Salton, que obtm a maior renda da viticultura, apresentam excelente qualidade

    de vida e boas condies econmicas, demonstrando na prtica que a empresa valoriza

    o produtor. evidente o envolvimento da vincola em projetos de sustentabilidade,

    sendo que os Agrnomos da empresa visivelmente esto condicionados a ajudar,

    notando-se que o produtor tem um papel fundamental no sucesso da empresa.

    Outro fator relevante que a empresa se preocupa muito com a questo

    ambiental, possui um tratamento de efluentes, e toda gua dentro da empresa

    reutilizada, quando no possvel, a gua descartada em condies apropriadas, no

    poluindo o meio ambiente.

    Foi possvel observar que o Departamento Agrcola da empresa no conseguiu

    suprir a demanda de trabalho no perodo mximo da safra, ou seja, perodo em que os

    produtores buscaram mais ajuda tcnica, demonstrando que necessria a contratao

    de mais mo-de-obra tcnica, pelo menos no perodo que maior demanda de trabalho.

  • 22

    8 Referncias Bibliogrficas

    AZEVEDO, T. de. 1979. Pesquisa sobre a imigrao italiana. In: T. de AZEVEDO,

    Imigrao italiana: estudos. Porto Alegre,EST/Caxias do Sul, UCS, 279 p.

    BRASIL. Ministrio da Agricultura e do abastecimento. Cadastro Vitcola do Rio

    Grande do Sul. SDR- DENACOOP/EMBRAPA-CNPUV/SAA-EMATER-

    RS/FECOVINHO. Porto Alegre, RS, 2000.

    EMBRAPA UVA E VINHO. Uva para processamento: produo. Srie Frutas do

    Brasil, Embrapa Informao tecnolgica. Braslia, 2003, v.34. 134p.

    FALCADE, I. & MANDELLI, F. Vale dos Vinhedos. Caracterizao Geogrfica da

    Regio. Caxias do Sul, EDUCS, 1999. 144p.

    MANDELLI, F. Comportamento fenolgico das principais cultivares de Vitis vinfera.

    L. para a regio de Bento Goalves, RS. Piracibaca, 1984, 152p.

    NARDY, A. J. R. et al. Geologia e Estratigrafia da Formao Serra Geral. Geocincias,

    So Paulo, v.21, n.1/2, 2002. 15-32p.

    PARIS, A. Memrias: Bento Gonalves. Bento Gonalves: Arquivo Pblico e Histrico

    Municipal/Prefeitura Municipal de Bento Gonalves, 2009. 1. ed. 288 p.

    RIBICHAUD, J.L.; NOBLE, A.C. Astringency and bitterness of selected phenolic in

    wines.Journal of the Science of Food and Agriculture, v.53,1990. 343-353p.

    RIO GRANDE DO SUL. Programa de investimentos integrados para o setor

    agropecurio. Zoneamento Agrcola. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1975. 303p.

    RIZZON, L.A.; MIELLE, A. Avaliao do cv. Cabernet Sauvignon para a elaborao de

    vinho tinto. Cincia e Tecnologia de Alimentos, v.22, 2002. 192-198p.

  • 23

    RIZZON, L. A.; TONIETTO, J. Os fatores climticos e a qualidade da safra vitcola de

    1982- Vinicultura de Caxias do Sul. Bento Gonalves: UEPAE/BG 1982. 9p.

    SENTELHAS, P.C. Estimativa diria da evapotranspirao de referncia com

    dados de estao meteorolgicas convencional e automtica Piracicaba. 1998. 97.

    Tese (Doutorado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de

    So Paulo.

    SPIGOLON, P. Solos sob Viticultura no Vale dos Vinhedos (RS) e sua relao com

    resveratrol em vinhos, UFRGS, Porto Alegre, RS, 2002. 52p.

    STRECK, E. V.; KAMPF, N.; DALMOLIN, R. S. D.; KLAMT, E.; NASCIMENTO, P. C.;

    SCHNEIDER, P. Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, EMATER-RS / UFRGS,

    2002. 126 p.

    TONIETTO, J. e FALCADE, I. Identificao e delimitao das regies vitivincolas

    brasileiras. In: Congreso Latinoamericano de Viticultura y Enologia. Asociacion

    Nacional de Ingenieros Agronomos Enologos de Chile e Pontificia Universidad Catolica de

    Chile, Santiago de Chile, 1994, p. 63-64.

    WESTPHALEN, S. L. Bases ecolgicas para a determinao de regies de maior

    aptido vitcola no Rio Grande do Sul. In: SIMPOSIO LATINO AMERICANO DE LA

    UVA Y DEL VINO, 1977, Montevideo. Anales... Montevideo: Ministerio e Industria y

    Energia: Laboratorio Tecnologico del Uruguay, 1977. p. 89-101.

  • 24

    9- Sites Consultados

    EMBRAPA UVA E VINHO. Dados meteorolgicos mensais da Estao Agroclimtica

    da Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonalves RS. Disponvel em:

    http://www.cnpuv.embrapa.br/prodserv/meteorologia/bento-mensais.html. Acesso em:

    15 set. 2010.

    EMBRAPA UVA E VINHO. Caracterizao do Clima de Bento Gonalves RS e

    pragas e doenas de variedades europias. Disponvel em:

    http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br. Acesso em: 15. Set. 2010.

    INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATSTICA (IBGE).

    Caracterizao econmica e dada do Municpio de Bento Gonalves RS (Economia e

    dados municipais). Disponvel em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1.

    Acesso em: 15. Set. 2010.

    NDICE DE DESENVOLVIMENTO SCIO ECONMICO (IDESE). Dados scio

    econmicos do municpio de Bento Gonalves- RS. Disponvel em:

    http://www.fee.tche.br/sitefee/pt/content/estatisticas. Acesso em: 15. set. 2010.

    PREFEITURA DE BENTO GONALVES. Caractersticas e importncia do

    agronegcio para Bento Gonalves RS. Disponvel em:

    http://www.bentogoncalves.rs.gov.br/. Acesso em: 15. set. 2010.

    VINHOS SALTON. Caracterizao da instituio da realizao do estgio e mapa de

    localizao da empresa. Disponvel em: http://www.salton.com.br. Acesso em: 15. set.

    2010.

    WIKIPDIA. Mapa de localizao do Municpio de Bento Gonalves RS. Disponvel

    em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bento_Gon%C3%A7alves_(Rio_Grande_do_Sul).

    Acesso em: 15. Set. 2010.

    http://www.cnpuv.embrapa.br/prodserv/meteorologia/bento-mensais.htmlhttp://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Uva/UvasViniferasRegioesClimaTemperado/index.htmhttp://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1http://www.fee.tche.br/sitefee/pt/content/estatisticashttp://www.bentogoncalves.rs.gov.br/http://www.salton.com.br/http://pt.wikipedia.org/wiki/Bento_Gon%C3%A7alves_%28Rio_Grande_do_Sul%29

  • 25