SISTEMA NEUROMUSCULAR - Cloud Object Storage ?· SISTEMA NEUROMUSCULAR. ... A contração do músculo…

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • Prof. Ana Laura A. Dias

    SISTEMA NEUROMUSCULAR

  • Composio Qumica

    gua 75%

    Protena 20%

    Sais, fosfatos de alta energia, uria, lactato, minerais, aminocidos, gorduras e carboidratos 5%

    Tipos de protenas:

    Miosina

    Actina

    Tropomiosina

    Mioglobina fixadora de O2

  • Tecido Muscular

    Caractersticas1. Excitabilidade: capacidade de receber e

    responder a estmulos;

    2. Contratilidade: capacidade de encurtar-se eespessar-se;

    3. Extensibilidade: capacidade de distender-se;

    4. Elasticidade: capacidade de voltar posiooriginal aps a contrao/extenso.

  • Um clula muscular isolada conhecida como fibra muscular. Ela

    possui uma membrana celular e as mesmas organelas de outros tipos

    de clulas.

  • TIPOS DE FIBRAS

    TIPO I: 50% a 55%

    TIPO IIa: 30% a 35%

    TIPO IIb: 10% a 20%

  • Categoria atltica% de fibras

    rpidas% fibras

    vermelhas

    Corredores de maratona 18 82

    Nadadores 26 74

    Atleta masculino nvel mdio 55 45

    Halterofilistas 55 45

    *Corredores de velocidade e Saltadores 63 37

  • Tipos de fibra

    Caracterstica Tipo I Tipo IIa Tipo IIb

    Fibras por motoneurnio 300

  • A unidade motora composta pelo grupo de fibrasmusculares que so coordenadas por um nico neurnio motor.Este neurnio motor responsvel por transmitir a informaoao crebro de que o msculo precisa de contrair ou de relaxar.

    O que UNIDADE MOTORA (UM)?

  • Estrutura da Unidade Motora

  • Estrutura

    O nmero de fibras musculares pode variar de 5 at mais de 1000, dependendo do tipo de tarefa realizada pelo msculo.

    Poucas fibras Alta preciso;

    Muitas fibras Alta fora.

  • Por existirem diferentes tipos de fibras musculares, deve-setambm existir diferentes comandos para estas fibras, edesta forma, formam-se diferentes tipos de unidades motoras.

    Os tipos de UMs so diferenciados pelas fibras muscularesque inervam, formando assim UMs do tipo I (SO) e tipos IIa(FR) e IIb (FF)

    Tipos de UMs

  • Caractersticas funcionais dos diferentes tipos de UMs

    Tipo de UM Fora Resistncia

    SO(slow oxidative)

    Baixa Grande

    FR(Resistence fatigue)

    Mdia Mdia

    FF(fast fatigue)

    Alta Baixa

  • Resposta dos diferentes tipos de UMs para Fora e Resistncia

  • Funcionamento da UM

    A relao da intensidade doestmulo e a capacidade degerar fora das UMsrespondem a uma ordemhierrquica de ativao,denominada de princpiodo tamanho das UMs.

  • Baseado nos diferentes limiares de ativao dasUMs, as que possuem baixo limiar serorecrutadas primeiro. Isso acontece em tarefas queexigem pouca fora.

    A medida que aumenta a exigncia de fora da tarefa, aumenta-se a intensidade do impulsonervoso, ultrapassando o limiar de ativao das UMs de grande limiar.

    Ordem de Recrutamento das UMs

  • A ordem de recrutamento tambm seletivadentro da mesma UM, recrutando primeiroas UMs com menor capacidade de produzirfora.

    A capacidade de gerar fora da UMsrespondem ao nmero e tamanho dasfibras musculares que o nervo motorinerva.

    Ordem de Recrutamento das UMs

  • A contrao do msculo esqueltico envolve o recrutamento progressivo de Unidades motoras do tipo I e, em seguida, do tipo II dependendo das necessidades da atividade que est sendo realizada. Existe uma ordem de recrutamento

    da fibras musculares.

  • A contrao muscular

  • As Contraes musculares so produzidas porestimulaes de motoneurnios da medula espinhal(Sherrington Apud Noth, 1992).

    Conceituao Conjunto de fibras musculares inervadaspelo mesmo motoneurnio.

  • Os tipos de contrao

    Contrao Isotnica Tambm conhecida por contraodinmica, a contrao muscular que provoca um movimentoarticular. H alterao do comprimento do msculo sem alterarsua tenso mxima. Possui alto consumo calrico e geralmente de rpida durao. A contrao isotnica divide-se em doistipos: concntrica e Excntrica.

  • A contrao isomtrica ocorre quandoum msculo gera fora e tenta encurtar-se, porm no consegue superar aresistncia externa, mantendo-seesttico. Por exemplo, ao segurar umobjeto pesado em uma das mos, com ocotovelo flexionado em 90, haver umacontrao isomtrica do bceps.Segundo Mcardle, uma contraoisomtrica pode gerar uma quantidadeconsidervel de fora, apesar daausncia de alongamento ouencurtamento perceptivo dossarcmeros musculares e dosubsequente movimento articular.

  • Excntrica: ocorre quando ao realizar omovimento o msculo alonga-se, ouseja, as inseres se afastam, comaumento do comprimento dos seussarcmeros. Como exemplo temos omovimento do msculo bceps braquialao devolver um copo mesa depois debeber o seu contedo, no movimento deextenso do antebrao, provocandodesacelerao.

    Concntrica: ocorre quando ao realizarum movimento o msculo aproximasuas inseres, com encurtamento dosseus sarcmeros. Como exemplo temoso msculo bceps braquial quandolevamos um alimento boca, nomovimento de flexo do antebrao,provocando acelerao.

  • Por exemplo: Um indivduo tenta erguer um objeto muito pesado, tende a faz-lo lentamente,

    maximizando a fora que ele pode aplicar. Se ele agarra o objeto tentando levant-lo rapidamente,

    provvel que fracasse, ou mesmo se machuque.

    Velocidade da contrao

    A capacidade de desenvolver fora tambm depende da velocidade da

    contrao muscular. Durante as contraes concntricas (de encurtamento),

    o desenvolvimento da fora mxima diminui progressivamente em

    velocidades mais altas.

  • Organizao do Movimento

    Propriocepo Modalidade de sensibilidade que detecta a fora realizada por um msculo, seu comprimento e variaes.

    Sistemas receptores propriceptivos musculares:

    Fusos Neuromusculares: comprimento de um msculo e suas variaes no tempo

    rgos Tendneos de Golgi: fora de contrao realizada pelo msculo

  • Ia e II

    Ib

  • Organizao do Movimento

    Receptores Musculares

  • Tnus Basal

  • rgo Tendinoso de Golgi

  • Reflexos Simples e integrados na Medula. Os reflexos posturais sointegrados no Tronco Enceflico e contam com informao dos rgosvestibulares, da viso e dos prprios grupos musculares.

    Rtmicos Combinam reflexo e voluntrio. Basicamente tm o seu incio etrmino determinados pelo crtex (vontade), mas podem ser mantidos semsua participao (Tronco e Medula).

    Voluntrios Complexos, integrados no Crtex. Podem ser aprendidos,aperfeioados, e realizados subconscientemente.

    Tipos de Movimentos