TRF 4 - PROVA

Embed Size (px)

Text of TRF 4 - PROVA

  • Portugus

    Conhecimentos Especficos

    RedaoP R O V A

    INSTRUES

    VOCDEVE

    ATENO

    - Verifique se este caderno:

    - corresponde a sua opo de cargo.

    - contm 60 questes, numeradas de 1 a 60.

    - contm a proposta e o espao para o rascunho da redao.

    Caso contrrio, reclame ao fiscal da sala um outro caderno.

    No sero aceitas reclamaes posteriores.

    - Para cada questo existe apenas UMAresposta certa.

    - Voc deve ler cuidadosamente cada uma das questes e escolher a resposta certa.

    - Essa resposta deve ser marcada na FOLHADE RESPOSTAS que voc recebeu.

    - Procurar, na FOLHADE RESPOSTAS, o nmero da questo que voc est respondendo.

    - Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que voc escolheu.

    - Marcar essa letra na FOLHADE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

    - Ler o que se pede na Prova de Redao e utilizar, se necessrio, o espao para rascunho.

    - Marque as respostas primeiro a lpis e depois cubra com caneta esferogrfica de tinta preta.

    - Marque apenas uma letra para cada questo, mais de uma letra assinalada implicar anulao dessa questo.

    - Responda a todas as questes.

    - No ser permitida qualquer espcie de consulta, nem o uso de mquina calculadora.

    - Voc dever transcrever a redao, a tinta, na folha apropriada. Os rascunhos no sero considerados em

    nenhuma hiptese.

    - Voc ter 4 horas e 30 minutos para responder a todas as questes, preencher a Folha de Respostas e fazer a

    Prova de Redao (rascunho e transcrio).

    - Ao trmino da prova devolva este caderno de prova ao aplicador, juntamente com sua Folha de Respostas e a folha

    de transcrio da Prova de Redao.

    - Proibida a divulgao ou impresso parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

    N do CadernooN de Inscrioo

    ASSINATURA DO CANDIDATON do Documentoo

    Nome do Candidato

    Abril/2010

    Analista Judiciriorea Judiciria

    Concurso Pblico para provimento de cargos de

    TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4 REGIOa

    A C D E

    Caderno de Prova M, Tipo 003 MODELO

    0000000000000000

    MODELO1

    0000100010001

  • 2 TRF4R-Portugus1

    PORTUGUS

    Ateno: As questes de nmeros 1 a 10 referem-se ao texto seguinte.

    Discrdia em Copenhague

    Frustrou-se redondamente quem esperava, na 15a Conferncia sobre Mudana Climtica (COP-15), em Copenhague, um acordo capaz de orquestrar compromissos de pases pobres, emergentes e ricos contra os efeitos do aumento da temperatura no planeta. Aps duas semanas de muitos debates e negociaes, o encontro convocado pelas Naes Unidas teve um final dramtico no dia 18 de dezembro de 2009, com chefes de estado tentando, em vo, aparar arestas mesmo depois do encerramento oficial da conferncia. O resultado final foi um documento poltico genrico, firmado s pelos Estados Unidos, China, Brasil e frica do Sul, que prev metas para cortes de emisso de gases estufa apenas para 2050, mesmo assim sem estabelecer compromissos obrigatrios capazes de impedir a elevao da temperatura em mais do que 2 graus Celsius, meta que Copenhague buscava atingir.

    Tambm foi proposta uma ajuda de US$ 30 bilhes aos pases pobres, no prximos trs anos, embora sem estabelecer parmetros sobre quem estar apto a receber o dinheiro e quais instrumentos sero usados para distribu-lo. Faltou-lhe aval dos delegados de pases como Sudo, Cuba, Nicargua, Bolvia e Venezuela, inconformados por terem sido escanteados nas conversas finais. O que temos de alcanar no Mxico tudo o que deveramos ter alcanado aqui, disse Yvo de Ber, secretrio-executivo da conferncia, remetendo as esperanas para a COP-16, que vai acontecer em 2010, na Cidade do Mxico.

    O impasse principal girou em torno de um jogo de empurra sobre as responsabilidades dos pases ricos e pobres. As naes desenvolvidas queriam que os pases emergentes tivessem metas obrigatrias, o que no foi aceito pela China, pas que mais emite carbono na atmosfera, atualmente. Os Estados Unidos, vivendo a maior crise econmica desde 1929, no se dispunham a cumprir sequer metas modestas. Outra questo fundamental na conferncia foi o financiamento para polticas de mitigao das emisses para os pases pobres. Os pases desenvolvidos exigiam que os emergentes ajudassem a financiar os menos desenvolvidos. A tese foi rechaada pelos emergentes, que esperavam obter ajuda externa para suas polticas de combate ao aquecimento global.

    (Adaptado de Fabrcio Marques, Revista Pesquisa Fapesp, no 167)

    1. Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um segmento em:

    (A) A tese foi rechaada (3o pargrafo) = obliterou-se a hiptese.

    (B) capaz de orquestrar compromissos (1o pargrafo) = hbil na ressonncia compromissada.

    (C) sem estabelecer parmetros (2o pargrafo) = revelia da proposio de metas.

    (D) Faltou-lhe aval (2o pargrafo) = Urgiu o beneplcito.

    (E) polticas de mitigao (3o pargrafo) = estratgias de arrefecimento.

    _________________________________________________________

    2. A discrdia na Conferncia de Copenhague ocorreu, fundamentalmente, por conta

    (A) da insatisfao de delegados dos pases que se sentiram prejudicados em suas cotas no subsdio de US$ 30 bilhes.

    (B) de desastrosas iniciativas dos chefes de estado que em vo tentaram aparar as arestas da conferncia.

    (C) de um documento poltico firmado por poucos pases, no qual se previam cortes de emisso de gases estufa.

    (D) da exigncia de metas obrigatrias, feita aos pases emergentes pelas naes desenvolvidas.

    (E) da posio dos pases emergentes, que queriam incluir os pases pobres num plano de cumprimento de metas.

    _________________________________________________________

    3. Atente para as seguintes afirmaes:

    I. No 1o pargrafo, informa-se que o nmero modesto de signatrios do documento final de Copenhague contrastava com a alta ambio das metas preten-didas.

    II. No 2o pargrafo, a declarao de Yvo de Ber, com uma ponta de otimismo, no expressa qualquer sentimento de frustrao com os resultados da COP-15.

    III. No 3o pargrafo, depreende-se que a crise econ-mica que os Estados Unidos atravessam teve peso na deciso de no se disporem a cumprir sequer as metas mais modestas.

    Em relao ao texto, est correto o que se afirma em

    (A) III, apenas. (B) I, II e III. (C) I e II, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I e III, apenas.

    Caderno de Prova M, Tipo 003

  • TRF4R-Portugus1 3

    4. "O que temos de alcanar no Mxico tudo o que deve-ramos ter alcanado aqui."

    Transpondo-se a frase acima para a voz passiva, as formas sublinhadas devem ser substitudas, na ordem dada, por:

    (A) teremos alcanado - devia ser alcanado

    (B) tem de ser alcanado - deveria ter sido alcanado

    (C) ser alcanado - devia ser alcanado

    (D) tinha de ser alcanado - deveria ser alcanado

    (E) tem de alcanar-se - dever alcanar-se _________________________________________________________

    5. No primeiro pargrafo, dois segmentos que remetem a causas da frustrao de quem esperava muito da COP-15 so:

    (A) sem estabelecer compromissos obrigatrios // impedir a elevao da temperatura.

    (B) capaz de orquestrar compromissos // um documento poltico genrico.

    (C) cortes de emisso de gases estufa apenas para 2050 // sem estabelecer compromissos obrigatrios.

    (D) contra os efeitos do aumento da temperatura // encontro convocado pelas Naes Unidas.

    (E) capaz de orquestrar compromissos // cortes de emisso de gases estufa apenas para 2050.

    _________________________________________________________

    6. A informao negativa do segmento chefes de estado tentando, em vo, aparar arestas deve-se, sobretudo, ao elemento sublinhado. O mesmo ocorre em:

    (A) A tese foi rechaada pelos emergentes, que esperavam obter ajuda (...)

    (B) (...) no se dispunham a cumprir sequer metas modestas.

    (C) (...) mesmo assim sem estabelecer compromissos obrigatrios (...)

    (D) (...) inconformados por terem sido escanteados nas conversas finais.

    (E) O resultado final foi um documento poltico genrico (...)

    _________________________________________________________

    7. Ao se reconstruir uma frase do texto, houve deslize quanto concordncia verbal em:

    (A) Sequer foi possvel, na COP-15, estabelecer um fi-nanciamento para os pases pobres a quem coubes-se adotar polticas de mitigao das emisses.

    (B) Se todos espervamos um bom acordo na COP-15, frustrou-nos o que dela acabou resultando.

    (C) Acabou culminando num final dramtico, naquele 18 de dezembro de 2009, o perodo de duas semanas de acaloradas discusses.

    (D) s naes pobres props-se uma ajuda de US$ 30 bilhes, medida a que no deu aval nenhum dos pases insatisfeitos com as conversas finais.

    (E) Deveram-se s manobras de desconversas, na definio das tarefas dos pases, o impasse final das negociaes entabuladas em Copenhague.

    8. Houve muitas discusses sobre medidas para se minimi-zar o aquecimento global, j que todos consideram o aquecimento global uma questo crucial para a huma-nidade, embora poucos tomem medidas concretas para reduzir o aquecimento global, no havendo sequer con-senso quanto s verbas necessrias para mitigar os efeitos do aquecimento global.

    Evitam-se as viciosas repeties do perodo acima substi-tuindo-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por:

    (A) consideram-lhe - o reduzir - mitigar-lhe seus efeitos

    (B) lhe consideram - reduzi-lo - mitig-los aos efeitos

    (C) o consideram - reduzi-lo - mitigar-lhe os efeitos

    (D) consideram-no - reduzir-lhe - mitigar-lhes os efeitos

    (E) o consideram - reduzir-lhe - mitigar-lhe os efeitos _________________________________________________________

    9. Est plenamente adequada a co