Projeto maçã

Embed Size (px)

DESCRIPTION

projeto sobre a iconografia da maçã na história da Arte

Text of Projeto maçã

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTADESENHO II MAFrancisco Puga Rose Silva Prof: Joedy LucianaFAAC / ARTES 2009 1

2. Processo de Criao e Tema do trabalho / Francisco Puga Logo quando foi proposto o trabalho pela Joedy, de desenhar fora das formas convencionais, lembrei-me de um comercial de 15 que havia criado e produzido e com veiculao regional para uma produtora de televiso Macrozoom, h muito tempo e foi onde o objeto, a cor, a luz e o efeito especial tinha a capacidade de impactar o telespectador.Posterior a isso, a Rose Silva me convidou para trabalharmos juntos, e surpreendente por acaso do destino ela mesma sugeriu trabalhar com a ma como objeto, achei timo, pois j tinha produzido um vdeo televisivo e era mais uma oportunidade de fazer outras manipulaes de imagens.A minha pesquisa foi uma incurso e uma releitura do trabalho do ilustrador ngelo Shumam, que faz parte do Clube de Ilustradores do Brasil, na qual ele produziu vrias ilustraes com a ma como objeto manipulao e com a tcnica do aergrafo, tendo como suporte o papel.A produo de uma ilustrao de uma ma em aergrafo no tem uma durao mnima de 3horas, isso pesquisa realizada feita aqui em Bauru por profissionais e doutores no assunto. E em software 3D uma durao mnima de 6 horas devido renderiazao. Eis a questo? Vamos fazer com criatividade, manipular um objeto real e transform-lo em algo palpvel e dando uma iluso real ao invs de um fruto natural e tentar levar o olho observador acreditar ser um objeto de ao cromado.Melhor que um jogo, uma iluso ptica, que nem sempre aquilo que se parece de fato a manipulao de imagem faz mgica, mesmo sem o 2 3. famoso Photoshop e softwares de 3 dimenses mais atuais do mercado, a criatividade e o crebro humano ainda insupervel. A ma cone do pecado original, de Ado e Eva. A ma cone da criao de Isaac Newton na lei da gravidade. A ma envenenada da Branca de Neve nos contos de fada...Processo de produo:Primeiramente escolhi uma ma na qual tivesse uma forma bem definida do fruto e s consegui encontrar num fruto verde infelizmente, pois as nacionais estavam com as formas todas distorcidas, as argentinas muito argentinas e a verde que foi a que me convenceu na sua forma estereotipada vendida pela mdia e ainda no descobri se ela nacional ou importada e isso no vem ao caso agora. O importante que a forma dela convena no primeiro olhar.Como j havia definido pela releitura do trabalho de ngelo Shumam, na qual eu tenho um exemplar de srie limitada do VIII Anurio do Clube de Criao de So Paulo, PG14 e 275. Optei pela releitura da maa de ao e que isso fosse realmente convincente a olho nu.Em julho, estava visitando uma loja de construo que estava prestes a inaugurar e andando por l, vi muitas novidades em revestimento cermico e catlogos de produtos, em uma das gndolas me deparei com spray de pintura metlica e o que me chamou a ateno que este produto spray, prometia a iluso cromtica da superfcie. Comprei sem exatamente saber 3 4. o que eu iria fazer com aquilo, paguei dezoito reais se no me falha a memria, e deixei guardado.A deu qumica, Eureka, a ma, o spray cromado, o Ilustrador ngelo Shumam com as suas mas. Faltavam apenas os parafusos cromados e a aplicao do spray para ver se o objeto em primeira mo me convenceria.Tempo da execuo do trabalho cinco minutos comparando com as trs horas mnimas do ilustrador e as seis horas mnimas do vdeografista, consegui manipular objeto na qual poder ser explorado tanto em TV, Web e impressos grficos sem o uso de recursos onerosos ao bolso do artista seja ela fotgrafo, videografiscta e videomaker.Posteriormente a ma poder ser captada por diversos vrios equipamentos tanto celular, cmera fotogrfica e cmera de televiso. Podendo sofrer vrias interferncias em outras mdias e o que a criao artstica permitir.4 5. Processos de decodificao do signo Ma / Rose Decidida a temtica, visto que o Francisco Puga pesquisaria a incurso e uma releitura do trabalho do ilustrador ngelo Shumam as vrias possibilidades do desenho na ma, resolvi trilhar meu percurso numa outra vertente, analisar algumas das simbologias da ma nas artes, na sociedade e nos contos, e muito me surpreendeu o vasto leque de possibilidades para leitura da mesma, o que me alegrou muito porque casaria perfeitamente com a proposta do Francisco de represent-la das mais diversas formas, assim como vrias so as possibilidades do designer na ma, assim tambm so suas vrias leituras e ideologias . Apesar de outros frutos estarem associados ao pecado original, como o figo e a uva, a ma a partir do sculo XIII passou a ser a principal representao da transgresso de Ado e Eva no den. A ingesto do fruto proibido significou a possibilidade de atingir o conhecimento atravs do livre-arbtrio, mas tambm levou ao sofrimento (a expulso do local divino, a necessidade do trabalho e as dores no parto). Em outras culturas, como a germnica, para obter a sabedoria o deus Wotan abdicou da viso de um dos olhos e ficou nove dias pendurado na rvore Yggdrasil sem comer ou beber. A ma tambm est ligada ao simbolismo da rvore, eixo do mundo, associada cruz e a Cristo. Como se acreditava que o conhecimento vinha do alto, uma metfora era a arbor inversa, cujas razes esto no cu, sendo Cristo o mais belo fruto enviado pelocu(Deus)terra(Maria).Outro simbolismo da ma a de Insula Pomorum, reino do Outro Mundo repleto de abundncia e prazeres, descrito por Geoffrey de Monmouth no sculo XII como local onde ao invs de grama o solo coberto por mas. Na mitologia cltica, esta fruta simboliza a magia, a imortalidade e o conhecimento. Para os medievais era confortante o sentido da ma como Ilha dos bem-aventurados, possibilitando o acesso dos indivduos num 5 6. mundo semelhante ao paraso e que se localizava paralelamente ao mundo terreno. J segundo a Igreja, s depois da morte e da passagem pelo purgatrio, os indivduos purificados poderiam aspirar felicidade eterna.No quadro ao lado, aparece a tradicional viso da ma como smbolo do pecado original. Lucas Cranach, o Velho (14721553) nascido em Kronach, sul da Alemanha, adotou a mesma profisso do paiefoiumdosexpoentesdorenascimento alemo. Pintor da corte da Saxnia at 1550 e prefeito de Wittenberg em 1537, fez vrias pinturas de Ado e Eva no den, da criao de Eva Queda e expulsoNesta imagem, tambm pintada por Lucas Cranach, Cristo menino segura em suas mos po e ma. A ma simboliza o pecado original, j o po (corpo de Cristo),aredeno.AVirgemconsiderada a segunda Eva, redimindo o pecado da primeira. possvel ver nas duas pinturas, portanto, primeiro um sentido negativo da ma, o do pecado, e em seguida um sentido positivo, o da salvao. Meu objetivo neste artigo justamente mostrar o significado mltiplo desta fruta durante a Idade Mdia. A fruta possui um sentido ambguo durante a Idade Mdia. De um lado foi identificada como aquela que causou o pecado original. Porm, tambm 6 7. pode ter um significado positivo, pois desde o sculo XI a ma nas mos do menino Jesus e na de Maria significa uma referncia absolvio do pecado e vida eterna Lucas Cranach The Elder Adam and eveLucas Cranach TheElder Adam and eve II importante ressaltar que a ma proveniente de uma rvore, elemento simblico em vrias culturas. Devido ao fato de suas razes mergulharem no solo e seus galhos voltaram-se ao cu, considerada como representante das relaes entre a terra (o microcosmo) e o cu (macrocosmo). Tem o sentido de centro, e sua forma vertical faz a rvore 7 8. do mundo ter sinnimo de Eixo do Mundo (CHEVALIER & GHEERBRANT, 1995: 84), e est tambm relacionada cruz da redeno, que na iconografia crist representada como a rvore da vida (CIRLOT, 1984: 99).Sua verticalidade tambm concatena a idia de escada ou montanha. Vrios deuses da mitologia grega so associados a rvores: Jpiter (azinheira), Baco (videira), Apolo (louro). No Apocalipse, a rvore da vida frutifica doze vezes, dando um fruto a cada ms (A Bblia de Jerusalm, 1995, Ap 22,2: 2328), um smbolo de renovao cclica.Outro significado para o vegetal era a arbor inversa (rvore inversa) cujas razes estavam no cu e os ramos na terra, simbolizando a f e o conhecimento, e representando Cristo (GUREVITCH, 1990: 79). Como pensava-se que a vida era extrada do alto e depois penetrava na terra, Cristo era tido como o mais belo fruto feito pelo cu (Deus) na terra (Maria) (LURKER, 1997: 282). Na Bblia existe meno a duas rvores, a rvore da vida, que confere a imortalidade e a rvore do conhecimento ou do bem ou do mal.Para os germanos, a rvore da vida era o freixo Yggdrasil, com trs razes: no Asgard, viviam os deuses, em Jotunheim, os gigantes e em Nifheim, os mortos. Neste ltimo local um monstro se abastecia dos cadveres e mordia a prpria Yggdrasil. As razes do Asgard eram regadas pelas Norns, deusas do destino. Os primeiros humanos, Ask e Embla, tambm eram originrios de uma rvore (o freixo) segundo a mitologia germnica, tendo recebido a vida atravs dos deuses.8 9. A sabedoria representada pela rvore tambm provm do sofrimento. Deus disse a Ado que se comesse da rvore do conhecimento iria morrer (Gn 2, 16-17), o que significava que ao adquirirem a capacidade de discernimento, os humanos passariam a ter uma vida de atribulaes. Assim, Ado e Eva comeram do fruto proibido e adquiriram o livre-arbtrio por seus atos, mas perderam a imortalidade e foram expulsos do den, passando a enfrentar vrios tormentos, como a necessidade do trabalho para a obteno do seu sustento com o suor do rosto e as dores enfrentadas pela mulher no parto (Gn 3, 16-19).Na mitologia germnica, Wotan (ou Odin, deus dos mortos, da guerra, da magia rnica e da poesia) pagou com um dos seus olhos para beber a poo do conhecimento da fonte de Yggdrasil (LURKER, 1993: 154). Tambm ficou nove dias pendurado na rvore da vida sem comer ou beber para obter conhecimento e ao sair de l era capaz de curar os doentes, cegar a espada dos inimigos e pegar um flecha em pleno vo.Outro smbolo associado rvore e tambm ma o corao, rgo central do corpo humano e simboli