TCC- Odilon Lima -2015

Embed Size (px)

Text of TCC- Odilon Lima -2015

  • AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM AEB

    FACULDADE DO BELO JARDIM FBJ

    JOSENILDO ODILON DE LIMA

    PROCESSOS EROSIVOS NO LEITO ROCHOSO:

    O CASO DOS CALDEIRES ROCHOSOS NORIACHO DOCE

    NO MUNICPIO DE LAJEDO PE

    BELO JARDIM PE

    NOVEMBRO - 2015

  • 2

    JOSENILDO ODILON DE LIMA

    PROCESSOS EROSIVOS NO LEITO ROCHOSO:

    O CASO DOS CALDEIRES ROCHOSOS NO RIACHO DOCE

    NO MUNICPIO DE LAJEDO PE

    Trabalho de concluso do curso de

    Licenciatura Plena em Geografia da Faculdade

    do Belo Jardim, FBJ em cumprimento aos

    requisitos avaliativos para obteno da

    graduao em Geografia

    Orientador: Prof Dr. Natalcio de Melo

    Rodrigues

    BELO JARDIM PE

    NOVEMBRO - 2015

  • 3

    AUTARQUIA EDUCACIONAL DO BELO JARDIM AEB

    FACULDADE DO BELO JARDIM FBJ

    JOSENILDO ODILON DE LIMA

    PROCESSOS EROSIVOS NO LEITO ROCHOSO:

    O CASO DOS CALDEIRES ROCHOSOS NO RIACHO DOCE

    NO MUNICPIO DE LAJEDO PE

    BANCA EXAMINADORA:

    Defendida e aprovada em ____/____/_____

    ______________________________________________________________

    Orientador: Prof. Dr. Natalcio de Melo Rodrigues

    ______________________________________________________________

    1 Examinadora: Prof. Ms. Lindhiane Costa de Farias

    ______________________________________________________________

    2 Examinadora: Prof. Esp. Luzia Maria Cordeiro Silva Chaves

  • 4

    Aos meus pais, Odilon Felix e Maria J. Dantas a

    minha esposa, Lucrecia Delgado, a minha filha,

    Libna Delgado Dantas de Lima, e a todos os

    meus irmos (es) e demais parentes e amigos e

    a toda sociedade a que devo contribuir com a

    minha formao acadmica.

    Dedico

  • 5

    AGRADECIMENTOS

    A Deus o criador do universo e todas a coisas, a minha famlia e a todos que

    de alguma forma ajudaram-me.

    Aos professores que me conduziram, nesta jornada acadmica, de maneira

    especial ao orientador da pesquisa o Prof. Dr. Natalcio de Melo Rodrigues. As

    Professoras, Ms. Lindhiane Costa de Farias, Prof. Esp. Luzia Maria Cordeiro Silva

    Chaves, e aos demais professores da faculdade que contriburam para minha

    formao de licenciado.

    Aos amigos (as) de sala de aula do curso de Geografia que durante os quatro

    anos de convivncia nesta instituio, e tambm aos demais alunos, ex- colegas de

    turma que por motivos diversos no concluram este curso, e pr fim a todos os

    funcionrios que fazem parte desta Faculdade que de alguma forma direta ou indireta

    tambm contriburam.

  • 6

    A sabedoria no depende da razo e da

    memria, mas da maturidade, da pureza e da

    perfeio da personalidade de cada um.

    (Franz Bardon)

  • 7

    LISTA DE FIGURAS

    Figura 01 Eroso no Rio Jaguari Bragana Paulista 2015 .......................... 17

    Figura 02 Eroso elica deserto de Chang giHui. China ................................ 18

    Figura 03 Eroso glacial Noruega na geleira de Briksdal- 2015 ..................... 19

    Figura 04 Eroso marinha,no litoral Norfolk na Inglaterra.-2015 .................... 20

    Figura 05 Eroso pluvial, encosta na Zona da Mata- Pernambuco- 2015 ...... 21

    Figura 06 Eroso fluvial Rio Colorado nos Estados Unidos- 2015 ................. 22

    Figura 07 Eroso e Transporte fluvial, Guarapuava-SP- 2015 ....................... 23

    Figura 08 Padres de canais, Nacional parque Rio Yukon Canad-2015 ...... 24

    Figura 09 Controle erosivo e de nvel de base por uma soleira rochosa ........ 25

    Figura 10 Soleira rochosa interferindo, controle erosivo Cambuquira-MG ..... 25

    Figura 11 Grfico de nvel; superior, mdio e Inferior- 2015 ........................... 27

    Figura 12 Vila Santo Incio dos Lajeiros data de 1900 ................................... 29

    Figura 13 Matriz da Igreja Catlica de Santo Antnio- 2015 .......................... 29

    Figura 14 Leito rochoso do Riacho Doce no perodo de chuvas- 2015 .......... 30

    Figura 15 Mapa da Microrregio de Garanhuns-PE- 2015 ............................. 31

    Figura 16 Rocha de granito no leito rochoso dos caldeires em Lajedo- PE . 32

    Figura 17 Vista area do Municpio de Lajedo- PE- 2015 .............................. 33

    Figura 18 Mapa de localizao da bacia hidrogrfica do Rio Una- 2015 ........ 35

    Figura 19 Rochas gneas, intrusivas e extrusivas- 2015 ................................ 37

    Figura 20 Os principais tipos de rochas metamrficas- 2015 ......................... 38

    Figura 21 Grfico de dureza das rochas em uma escala de 1 a 10- 2015 ..... 39

    Figura 22 Rochas fraturadas por dilatao e variao das temperaturas ...... 40

    Figura 23 Formas de intemperismo qumico, litoral do Rio Grande do Norte . 41

    Figura 24 Formas de intemperismo biolgico 2015 ..................................... 42

    Figura 25 Colonizao de liquens sobre granito Altinho- PE, 2012 ................ 42

    Figura 26 Escala de Taxon dos fenmenos erosivos. Ross (1996) ................ 44

    Figura 27 Perfil longitudinal da Bacia do Riacho Doce, Lajedo- PE, 2015 ..... 45

    Figura 28 Terraos do Riacho Doce, Lajedo- PE, 2015 ................................. 46

    Figura 29 Solo rochoso Bairro Caldeires no Municpio Lajedo- PE, 2015 .... 47

    Figura 30 Curso do Riacho Doce, com gua corrente- 2015 .......................... 48

    Figura 31 Curso do riacho Doce no perodo de estiagem- 2013 .................... 48

  • 8

    Figura 32 Amostra do feldspato (domnio amarelo) sobre rocha cristalina ..... 49

    Figura 33 Oriangas sedimentadas formas de intemperismo biolgico ......... 51

    Figura 34 Orianga no solo rochoso do Riacho Doce nos Caldeires ........... 52

    Figura 35 Oriana no solo rochoso da Cachoeira Grande Altinho-PE .......... 53

    Figura 36 Marmitas de forma rasa superficial do Riacho Doce nos Caldeires 53

    Figura 37 Marmita fluvial no solo rochoso do Riacho Doce nos Caldeires.... 54

    Figura 38 Caldeires e suas formas estruturais no leito do Riacho Doce ...... 55

    Figura 39 Aspecto morfolgico dos Caldeires de superfcie alargada........... 56

    Figura 40 Caldeires imagens do tipo de intemperismo fsico ....................... 57

    Figura 41 Formas do agente de intemperismo qumico nos Caldeires ......... 58

    Figura 42 Agentes do intemperismo do tipo Biolgico nos Caldeires ........... 59

    Figura 43 Formao de liquens na rocha grantica no leito rochoso .............. 60

    Figura 44 Colnia de liquens no leito rochoso dos Caldeires ....................... 60

    Figura 45 Comparao de oriangas, formao e ao do intemperismo ..... 61

    Figura 46 Marmita evoluda de orianga, e marmita sob ao biolgica ........ 62

    Figura 47 Comparao caldeiro com gua e caldeiro com sedimentao . 62

  • 9

    LISTA DE TABELAS

    Tabela 1 Precipitaes Mdias do Municpio de Lajedo e cidades vizinhas 36

  • 10

    RESUMO Linha de pesquisa inovadora no mbito da Geomorfologia e Geologia. Expe-se as condies geolgicas, geomorfolgicas, climticas que atua na formao das Oriangas, marmitas e os caldeires existentes no Riacho Doce afluente do Rio Una em Lajedo no agreste meridional de Pernambuco, tendo como base terica o Ciclo do Relevo de William Morris Davis. Com um discurso inovador elucida-os como um fenmeno complementares, os conceitos de intemperismo, os fenmenos geolgicos sabe que as falhas e intruses magmticas, como condicionadores dos processos erosivos associado a formao e desenvolvimentos do ciclo que inicialmente se dar com o desenvolvimento das formas no regulares das Oriangas, consequentemente as marmitas e evoluindo e dando origem aos Caldeires, que em outro momento passa por sedimentao e o consequente intemperismo biolgico. Por sua inovao e fenmeno nico regional estudado a pesquisa em apreo vem preenchendo assim uma lacuna na literatura de TCC no Departamento de Geografia, uma vez que identifica e mostra imagens do local e a evoluo das formas de relevo erosiva pluvial e fluvial que em conjunto atuam no leito rochoso denominado caldeires de Lajedo. A pesquisa mostrou que os conceitos de intemperismo, intruses magmticas e falhas, bem como, a teoria do ciclo do relevo que foram utilizados como hiptese a ser testada na rea selecionada para estudos foram positivo. Em campo observou-se que de fato os processos intemperismo como o caso dos liquens, e do desenvolvimento de vegetao na superfcie do leito rochoso, tem como condicionadores as falhas, as intruses,e esses fenmenos funcionam como receptores de sedimentos em escala local. Os fenmenos climticos tambm importantes nos processos, uma vez condicionam as precipitaes pluviomtricas, e os fatores fluviomtricos, sempre considerando a variao de temperatura ou amplitude trmica, a dureza das rochas do leito, entre outros como citados no texto que compe o tpico resultados do Trabalho Concluso de Curso. A pesquisa faz uma breve citao da contribuio dos caldeires para o uso e ocupao por fazenda e povoados, que mais tarde junto a outros fatores influenciaram na expanso mxima com a cidade. Hoje o local denominado caldeiro do leito rochoso de Lajedo encontra-se circundada por ruas, estradas, residncias, e construes comerciais e como consequncia sob impactos ambientais embora no tenha sido estudado nesse trabalho porque no constitui referencial terico do tema, mas fica aberto para outros pesquisadores. Palavras- chave: Processos erosivos; Caldeires rochosos; Lajedo.

  • 11

    ABSTRACT

    Innovative line of research within the geomorphology and geology. Exposes the geological, geomorphological, climatic engaged in