Redes sociais - Teoria e Prática - Fundamentos

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Os fundamentos e conceitos essenciais para o entendimento das redes sociais, sua origem, uma breve introdução aos fundamentos da teoria dos grafos, comunidades virtuais e teorias correlacionadas ao tema.

Text of Redes sociais - Teoria e Prática - Fundamentos

  • 1. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer REDES SOCIAIS Teoria e Prtica Fundamentos R. Murer
  • 2. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Ricardo Murer Graduado em Cincias da Computao (ICMC / USP) e mestre em Comunicao (ECA / USP). Especialista em estratgia digital e novas tecnologias, atuou como gerente e/ou diretor da rea digital nas empresas: Natura, SKY, iG, SOFTV (Anhanguera Educacional e Estcio de S) e Agncia Click Isobar. Atualmente Head de Operaes da Agnitio e Professor na ESPM para disciplina Redes Sociais. Follow me: @rdmurer Info Exame Eu virtual http://info.abril.com.br/noticias/rede/eu-virtual/
  • 3. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer A coisa mais importante sobre a tecnologia como ela muda as pessoas. Jaron Lanier
  • 4. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Tpicos principais Introduo Teoria dos Grafos Comunidades Virtuais Redes Sociais Teorias Fundamentais Mdias Sociais Bibliograa Referncias Adicionais Seis graus de separao Laos fortes
  • 5. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Introduo Redes sociais podem ser consideradas o clmax da Web 2.0, a internet participativa, horizontal, onde todos so consumidores e produtores de contedos. Estudar redes sociais complexo pois o tema abrange reas distintas tais como sociologia, tecnologia, mdia e negcios, entrelaados no cotidiano de atividades humanas que sustentam este universo virtual. Nesta breve introduo ao tema, procuro estabelecer os fundamentos da disciplina. Um trabalho em constante construo, nunca acabado, exatamente como as redes sociais em que vivemos.
  • 6. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos O primeiro problema cuja soluo envolveu conceitos bsicos daquilo que seria chamado de "teoria dos grafos", foi o "problema das pontes de Knigsberg", resolvido pelo matemtio Leonhard Euler em 1736. Tal problema consistia em percorrer todas as pontes passando uma nica vez em cada uma delas.
  • 7. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos Euler usou um raciocnio muito simples. Transformou os caminhos em retas e suas interseces em pontos, criando possivelmente o primeiro grafo da histria. FONTE: Wikipedia
  • 8. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos A Teoria dos Grafos comea a fazer sentido para rea de redes sociais a partir de suas formulaes tericas bsicas. GRAFOS Um grafo um par G = ( V, A) de conjuntos tal que os elementos de Vso seus vrtices ou ns e Asuas arestas. Uma aresta um par no-ordenado (vi,vj), onde vi e vj so elementos de V.
  • 9. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos GRAFOS Se um vrtice existe entre { a, b } podemos ento dizer que os ns "a" e "b" esto relacionados; As arestas podem ser - um par no ordenado de ns - um grafo dirigido (dgrafo) um par ordenado den s onde cada aresta possui um sentido - Arco: uma aresta que possui indicao de sentido (uma seta). Grafos so geralmente no reexivos, isto um n no se relaciona consigo mesmo Ordem o nmero de ns e tamanho o nmero de arestas
  • 10. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos Numa rede social, podemos assumir que: Vrtices ou ns so as pessoas, os usurios das redes sociais que criaram seus pers. Enquanto que suas relaes, isto , suas conexes ou links com outras pessoas, so as arestas. Podemos ainda estender o conceito de arestas para determinadas aes que as pessoas realizam dentro das redes sociais, tais como comentrios, compartilhamentos, publicaes de fotos, etc.
  • 11. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos
  • 12. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos Matriz de Adjacncias Uma matriz de adjacncia uma das formas de se representar um grafo. Dado um grafo G = (V, A), a matriz de adjacncias M uma matriz de ordem |V|x|V|, tal que: |V| = nmero de vrtices M[i,j] = 1, se existir aresta de i a j M[i,j] = 0, se NO existir aresta de i a j
  • 13. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos Joo Maria Cristina Antonio Paulo Beth Exemplo de rede
  • 14. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos Matriz de Adjacncias 0 1 1 0 00 1 0 0 1 01 1 0 0 0 10 0 1 0 0 10 0 1 0 0 10 0 0 1 1 01 Joo Joo Cristina Cristina Maria Maria Antonio Antonio Beth Beth Paulo Paulo
  • 15. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Teoria dos Grafos Assim possvel fazer uso da teoria dos grafos no somente para dissecar as relaes entre os membros de uma rede social, mas tambm para "analisar" redes sociais em diferentes aspectos tais como: "poder ou inuncia" de um determinada pessoa ou sua capacidade de distribuir informaes.
  • 16. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Comunidades Virtuais Denio Comunidades so redes de laos interpessoais que proporcionam sociabilidade, apoio, informao, um senso de integrao e identidade social. WELLMAN, B. - The Community Question. American Journal of Sociology. 1979. O signicado de comunidade giraria em torno de dois sentidos mais comuns. O primeiro refere-se ao lugar fsico, geogrco, como a vizinhana, a cidade, o bairro. Assim, as pessoas que vivem em um determinado lugar geralmente estabelecem relaes entre si, devido proximidade fsica, e vivem sob convenes comuns. O segundo signicado refere-se ao grupo social, de qualquer tamanho, que divide interesses comuns, sejam religiosos, sociais, prossionais, etc. BEAMISH, A. Commuties on-line: A Study of Community - Based Computer Networks. 1975
  • 17. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Comunidades Virtuais A idia de comunidade moderna comeou a se distinguir de seu prottipo antigo, apoiando-se em diferentes princpios de coeso entre os seus elementos constituintes, como o contraste entre parentesco e territrio, sentimentos e interesses, etc. O conceito de comunidade foi identicado com diversos aspectos, como a coeso social, a base territorial, o conito e a colaborao para um m comum, e no mais a idia de uma relao familiar, como na Gemeinschaft tnesiana. Palacios (1998, online ) enumera os elementos que caracterizariam essa comunidade: o sentimento de pertencimento, a territorialidade, a permanncia, a ligao entre o sentimento de comunidade, carter corporativo e emergncia de um projeto comum, e a existncia de formas prprias de comunicao. O sentimento de pertencimento, ou "pertena", seria a noo de que o indivduo parte do todo, coopera para uma nalidade comum com os demais membros (carter corporativo, sentimento de comunidade e projeto comum); a territorialidade, o locus da comunidade; a permanncia, condio essencial para o estabelecimento das relaes sociais. FONTE: RECUERO, R. C., Comunidades Virtuais Uma Abordagem Terica. http://www.bocc.ubi.pt/pag/recuero-raquel- comunidades-virtuais.html
  • 18. Redes Sociais Teoria e Prtica Fundamentos Prof. R. Murer Comunidades Virtuais Comunidades baseavam-se no compartilhamento de valores e organizao social. As redes so montadas pelas escolhas e estratgias de atores sociais, sejam indivduos, famlias ou grupos sociais. A grande transformao da "sociabilidade" em sociedades complexas ocorreu com a substituio de comunidades espaciais por redes como formas fundamentais de sociabilidade. FONTE: CAS