3.Experiencia Desenvolvimenista

  • View
    4

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 3.Experiencia Desenvolvimenista

  • 75

    3 EXPERINCIA DESENVOLVIMENTISTA NO SCULO XX EM PASES SELECIONADOS

    Este captulo tem por objetivo analisar os resultados da experincia desenvolvimentista em pases selecionados durante a segunda metade do Sculo XX a fim de identificar os fatores

    impulsionadores de seu desenvolvimento econmico. Para efeito da anlise de suas experincias desenvolvimentistas, foram selecionados o Japo, a Itlia e a Coria do Sul, pases que experimentaram extraordinrio desenvolvimento econmico da dcada de 1930 at a de 1980, quando os dois primeiros saram da condio de pases semiperifricos para galgarem a de

    integrantes do ncleo orgnico da economia capitalista mundial e o ltimo deixou a condio de pas perifrico para alcanar a de pas semiperifrico da economia capitalista mundial.

    Alm desses pases, foram analisadas, tambm, as experincias desenvolvimentistas de Taiwan e da Repblica Popular da China, que vm apresentando crescimento extraordinrio no perodo recente. Foram analisados, tambm, as experincias de desenvolvimento endgeno implementadas no Brasil e no exterior e o conceito de desenvolvimento sustentvel, alm de serem apresentadas concluses sobre o processo de desenvolvimento econmico e social. O Mapa 11 mostra a localizao do Pacfico Asitico onde ocorreu o maior crescimento

    econmico mundial na segunda metade do Sculo XX.

    MAPA 11

    PACFICO ASITICO

    O CE AN O ATLNTIC O

    O CE AN O N DIC O

    O CE AN O PAC FICO

    O CE AN O PAC FICO

    C or ia do N or te

    C or ia do S u l

    Taiw an (Form osa)

    C hina

    Cingapura

    Hong-Kong

    M a l s i a

    Jap o

    ndia

    0o

    0o

    Base: Atlas, 2002. Adaptao do autor

  • 76

    3.1 EXPERINCIA DESENVOLVIMENTISTA NO JAPO10

    3.1.1 O processo de desenvolvimento do Japo

    O processo de crescimento econmico, transformao tecnolgica e desenvolvimento social alcanado pelo Japo na ltima metade do sculo, ressurgindo das cinzas de suas ambies imperialistas destrudas, um fenmeno extraordinrio. Essas realizaes, sem dvida,

    exigiram tremendo esforo de toda a sociedade japonesa, com seus trabalhadores dedicando-se a muito mais horas de trabalho que os colegas norte-americanos e europeus, consumindo

    muito menos e economizando/investindo muito mais por um longo perodo de tempo.

    O Japo foi ajudado pelas reformas impostas pela ocupao norte-americana, dentre as quais, as mais importantes, a reforma agrria, a legislao trabalhista, a proibio de monoplios econmicos que levou ao desmantelamento dos zaibatsu e a nova legislao eleitoral que conferiu s mulheres o direito ao voto. O impressionante processo de desenvolvimento do Japo tem como base um projeto de afirmao de identidade nacional em continuidade Revoluo Meiji de 1868 que foi realizada para capacitar o pas a enfrentar o desafio ocidental.

    Aps o fracasso da jornada democrtica para a modernizao durante o perodo Taisho (191226) como do projeto militarista ultranacionalista do perodo 193545, o nacionalismo japons ressurgiu sob a forma de projeto de desenvolvimento econmico promovido pelo Estado e voltado para a concorrncia pacfica na economia internacional. O Japo promoveu uma mobilizao coletiva: primeiro sobreviver, depois competir e, por fim, afirmar-se via produo industrial, gesto econmica e inovao tecnolgica.

    O ponto inicial de qualquer anlise do desenvolvimento japons deve ser a busca da independncia e do poder nacional, por intermdio de meios (econmicos) pacficos, segundo a Constituio de 1947 que renunciou guerra e s foras armadas de forma definitiva. O cerne do processo de desenvolvimento japons desde a dcada de 50 o projeto nacionalista do Estado desenvolvimentista, implementado pela burocracia estatal em nome da nao. Os burocratas do Estado tm orientado e coordenado as empresas japonesas organizadas em redes (keiretsu e kygio shudan), ajudando-as com polticas de comrcio, tecnologia e crdito para competirem com sucesso na economia mundial.

    10 Anlise baseada nas obras de CASTELLS, 1999; PORTER, 1993; DOBBSHIGGINSON, 1998; SATOSHI, 1985; JOMO,

    2001.

  • 77

    O supervit comercial reciclado como supervit financeiro, aliado alta taxa de poupana interna, permitiu uma expanso no-inflacionria, possibilitando, ao mesmo tempo, altas taxas

    de investimento e aumento rpido dos salrios reais. ndices elevados de investimento em P&D e enfoque em indstria avanada capacitaram o Japo a assumir uma posio de

    liderana nos setores de tecnologia da informao em uma poca em que seus produtos e processos se tornaram essenciais na economia global.

    Esse desempenho econmico contou com a estabilidade social e a alta produtividade da fora de trabalho por meio da cooperao entre a gerncia e os trabalhadores, possibilitada pela

    estabilidade no emprego e pela promoo da fora de trabalho permanente com base no tempo de servio. A estabilidade social baseava-se em trs fatores principais: a) comprometimento do povo para reconstruir a nao; b) acesso ao consumo e melhoria substancial dos padres de vida; c) famlia patriarcal forte e estvel que reproduzia os valores tradicionais, induzia tica do trabalho e proporcionava segurana pessoal a seus membros, custa da manuteno da submisso feminina.

    Os mecanismos indutores do crescimento econmico, elaborados e implementados por essa mquina estatal nacionalista, tm sido expostos em uma srie de monografias sobre o

    milagre japons: incansvel d irecionamento para exportaes com base em alta competitividade, possibilitada por aumentos substanciais da produtividade, pela qualidade do trabalho e pelo protecionismo dos mercados internos; abundncia de capital resultante do alto

    ndice de poupana e crdito de curto prazo para os bancos das keiretsu pelo Banco do Japo, a baixas taxas de juros; esforo sustentado para o desenvolvimento tecnolgico com programas para aquisio de tecnologia e inovao tecnolgica patrocinados pelo governo; nfase na indstria; poltica industrial, mudando dos setores de baixa tecnologia para os de tecnologia mdia e, depois, para os de alta tecnologia, acompanhando a evoluo da tecnologia, da demanda mundial e da capacidade produtiva das indstrias japonesas.

    As indstrias japonesas conseguiram passar, com velocidade notvel, de produtos e processos de baixo valor agregado para produtos e processos de alto valor agregado, superando primeiro

    a Europa e depois os Estados Unidos em muitos setores importantes, de automveis a semicondutores. Essa situao persistiu at que a contra-ofensiva tecnolgica/ gerencial das empresas norte-americanas, na dcada de 90, colocou-as frente da concorrncia japonesa na esfera mais alta dos microcomputadores, softwares, microeletrnica, telecomunicaes e biotecnologia. No entanto, as empresas japonesas continuam predominando na fabricao de

  • 78

    produtos eletrnicos para consumo, chips de memria e equipamentos de semicondutores e ainda so fortes concorrentes em toda a gama de setores da indstria avanada, com a

    importante exceo de produtos dos ramos farmacutico e qumico. A eficcia da orientao administrativa teve a ajuda decisiva da estrutura em rede, comum s empresas japonesas.

    O grande crescimento do Japo baseou-se em um sistema financeiro bancado pelo governo, destinado a garantir segurana tanto aos poupadores quanto aos bancos e a oferecer crdito fcil com juros baixos s empresas. Por longo tempo, as instituies financeiras japonesas operaram relativamente isoladas dos fluxos de capital internacional e sob regulamentao e diretrizes de

    polticas elaboradas e interpretadas pelo Ministrio da Fazenda. O mercado acionrio no era fonte importante de financiamento e no representava investimento atraente para poupana.

    Enquanto o sistema funcionou, baseado em competitividade no exterior, altos ganhos com exportaes, altas taxas de poupana e valores inflacionados no pas, o prprio sistema financeiro foi alimentando sua expanso. Em 1990, oito dos dez maiores bancos do mundo, em volume de depsitos, eram japoneses. O modelo japons representa uma experincia crucial que demonstra como a interveno estatal estratgica e seletiva pode tornar uma economia de mercado mais produtiva e mais competitiva, contestando, dessa forma, afirmaes ideolgicas sobre a eficincia superior inerente economia do laissez-faire.

    3.1.2 Bases do desenvolvimento do Japo

    O Japo tem grande reserva de recursos humanos alfabetizados, educados e cada vez mais habilitados. Os japoneses so disciplinados, trabalham com afinco e esto dispostos a cooperar com o grupo. O Japo beneficiou-se de uma grande reserva de engenheiros. As universidades japonesas formam muitos mais engenheiros per capita do que as universidades dos Estados Unidos.

    A base cientfica do Japo no se rivalizou com a dos Estados Unidos ou Alemanha, mas se tornou significativa em vrios campos. O que excepcional em relao ao sistema educacional ps-secundrio do Japo a educao e o treinamento proporcionado nas companhias, tanto aos trabalhadores quanto aos diretores.

    As companhias japonesas so o principal motor de pesquisa e desenvolvimento no Japo. A pesquisa universitria limitada e o intercmbio entre as companhias e universidades modesto, se comparado a outros pases. As companhias japonesas tambm tiveram habilidade excepcional para conseguir tecnologias no exterior.

  • 79

    O hbito de poupar era, em parte, cultural, e em parte, reflexo das polticas do governo. A ausncia de recursos naturais no Japo traduziu-se em inovao em muitas indstrias

    japonesas. O mercado interno, no os mercados externos, levou ao desenvolvimento a maioria das indstrias japonesas. S mais tarde, as exportaes se tornariam significativas. O papel das indstrias correlatas e de apoio na vantagem competitiva nacional um dos aspectos mais notveis da economia japonesa.