705 COMPOSI‡ƒO E CONFIGURA‡ƒO DA PAISAGEM DA .COMPOSI‡ƒO E CONFIGURA‡ƒO DA PAISAGEM DA SUB-BACIA

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 705 COMPOSI‡ƒO E CONFIGURA‡ƒO DA PAISAGEM DA .COMPOSI‡ƒO E...

  • 705Composio e configurao da paisagem da sub-bacia

    R. rvor e, Viosa-MG, v.33, n.4, p.705-711, 2009

    COMPOSIO E CONFIGURAO DA PAISAGEM DA SUB-BACIA DOARROIO JACAR, VALE DO TAQUARI, RS, COM NFASE NAS REAS DE

    FLORESTAS1

    Gisele Cemin2, Eduardo Perico3 e Claudete Rempel3

    1 Recebido em 23.08.2007 e aceito para publicao em 29.05.2009.2 Instituto de Saneamento Ambiental da Universidade de Caxias do Sul (UCS). E-mail: .3 Programa de Ps-Graduao em Ambiente e Desenvolvimento da UNIVATES. E-mail: .

    RESUMO A converso de reas com cobertura florestal contnua por fragmentos florestais vem contribuindopara a diminuio da diversidade biolgica, em funo da perda de micro-habitats nicos, mudanas nos padresde disperso e migrao, isolamento de habitats e eroso do solo. A soluo desses problemas est intimamentevinculada ao planejamento e manuteno de bacias hidrogrficas. A sub-bacia do Arroio Jacar, localizada noVale do Taquari, RS, compreende uma rea de 538,98 km, onde esto parcial ou totalmente inseridos novemunicpios. Essa bacia se encontra em uma regio de ectono entre as formaes vegetais do tipo FlorestaEstacional Decidual (FED) e Floresta Ombrfila Mista Mata de Araucria (FOM). Foram elaboradas e analisadasinformaes relacionadas s caractersticas estruturais das classes de mata na regio (FED, FOM e vegetaosecundria), utilizando-se imagem do satlite Landsat 7 ETM+, referente passagem 04/02/2002 e softwarede Sistemas de Informaes Geogrficas (SIG) Idrisi, 3.2, software de Ecologia de Paisagem Fragstats 3.3.Os resultados indicaram que a regio apresenta aproximadamente 50% de suas matas nativas conservadasou em estgio de regenerao, porm de forma altamente fragmentada, com 87,82% dos fragmentos menoresque 1 ha. Considerando um efeito de borda de 50 m, em torno de 40% dos fragmentos ainda apresentamrea nuclear.

    Palavras-chave: Uso e cobertura do solo, Sistemas de Informao Geogrfica (SIG) e ndices de ecologia de paisagem.

    LANDSCAPE COMPOSITION AND CONFIGURATION OF JACAR STREAMSUB-BASIN, TAQUARI VALLEY, RS, WITH EMPHASIS ON THE FOREST

    AREAS

    ABSTRACT The conversion of continuous forest coverage areas into forest fragments has contributed tothe decrease of the biological diversity due to the micro-habitat loss, changes in dispersion and migrationpatterns, habitats isolation and soil erosion. The solution for those problems is intimately linked to the planningand maintenance of hydrographic basins. Jacars stream sub-basin is located in Taquari Valley, RS, withan area of 538,98 km, where nine municipal districts are partially or totally inserted. This basin is in anecotone area among the plant formations Deciduous Seasonal Forest (DSF) and Mixed Ombrophila Forest Araucaria Forest (MOF). Information related to the structural characteristics of the existent forest classesin the area (DSF, MOF and secondary growth vegetation) was elaborated and analyzed using images fromthe satellite Landsat 7 ETM+, passage 04/02/2002 and Geographical Information Systems (GIS) Idrisi 3.2and Landscape Ecology Fragstats 3.3 software systems. The results indicate that the area presents approximately52% of native forests that are preserved or in regeneration process, but in a highly fragmented way, with87,82% of the fragments smaller than 1ha. Considering a border effect of 50m, around 40% of the fragmentsstill present a nuclear area.

    Keywords: Soil use and coverage, Geographical Information Systems (GIS) and landscape ecology index.

  • 706 CEMIN, G. et al.

    R. rvor e, Viosa-MG, v.33, n.4, p.705-711, 2009

    1. INTRODUO

    A converso de reas florestadas, resultado daao humana, para cultivo de terras, construo deestradas e criao e expanso dos centros urbanostem ocasionado acentuada modificao na paisagemnatural, atingindo, muitas vezes, reas de grandesensibilidade ambiental.

    Devido s dificuldades de anlise e planejamentoda paisagem antes da ocupao, o manejo de reasmodificadas deve ser realizado de forma a manter asfunes ecolgicas bsicas de um ecossistema(FORMAN e COLLINGE, 1997). Pequenos cuidadospodem ajudar na proteo do solo, na reduo dotransporte de sedimentos e assoreamento dos recursoshdricos e na preservao de fragmentos com tamanhoe forma adequados para manuteno de espciessilvestres, reduzindo a perda da biodiversidade.

    Uma paisagem pode ser definida como uma porodo espao resultante da combinao dinmica doselementos fsicos, biolgicos e antrpicos, os quais,interagindo entre si, formam um conjunto nico emconstante evoluo (BERTRAND, 1968). Para Zonneveld(1979), a paisagem parte da superfcie terrestreabrangendo um complexo de sistemas caracterizadospela atividade geolgica, dos agentes fsicos e dosorganismos que compem o ambiente.

    A ecologia de paisagem o estudo da estrutura,funo e dinmica de reas heterogneas compostaspor ecossistemas interativos (FORMAN e GODRON,1986), sendo, na atualidade, uma cincia bsica parao desenvolvimento, manejo, conservao e planejamentoda paisagem. Ela possibilita que a paisagem seja avaliadasob diversos aspectos, permitindo o estudo de seusprocessos ecolgicos em diferentes escalas temporaise espaciais (TURNER, 1987).

    A escolha de uma bacia hidrogrfica como rea deestudo est baseada nos pressupostos das CinciasAmbientais, os quais colocam as bacias hidrogrficascomo as unidades da paisagem mais adequadas para estudosambientais, basicamente devido ao seu conceito deintegrao de fatores ecolgicos, socioeconmicos eculturais. A soluo de muitos problemas ambientaisest intimamente vinculada com as preocupaes queobjetivam a manuteno das bacias hidrogrficas(OSULLIVAN, 1981).

    A reduo de reas de florestas, quando orientadapor um estudo de paisagem, pode diminuirsignificativamente os efeitos danosos sobre o ambiente.Segundo Ferraz e Vettorazzi (2003), o manejo de reasflorestais utilizando metodologias de ecologia dapaisagem tem como proposta o gerenciamento integradodos aspectos econmicos, sociais e ambientais daatividade produtiva, envolvendo tomada de decisesque podem ser auxiliadas por tcnicas degeoprocessamento.

    Um total de nove municpios (Anta Gorda, Capito,Coqueiro Baixo, Doutor Ricardo, Encantado, Ilpolis,Nova Brscia, Putinga e Relvado) apresenta ao menosparte de seu territrio inserido na sub-bacia hidrogrficado Arroio Jacar. Em trabalho anterior foi verificadoque esses municpios possuem 46,2 km (8,57% do totalda sub-bacia) inseridos em reas de PreservaoPermanente (APPs) de recursos hdricos, e, desse total,61,22% encontram-se com a forma de uso do solo adequadaao Cdigo Florestal Brasileiro (Lei n 4.771/65) e 38,78%no adequada (PRICO et al., 2005).

    A manuteno dessas reas adequadas e a possvelampliao delas tm sido objeto de estudos enegociaes com as prefeituras da regio, visto queo uso do solo para as culturas de fumo e, principalmente,erva-mate tende a aumentar.

    Nesse contexto, o objetivo deste trabalho foi avaliara composio e configurao da paisagem da sub-baciado Arroio Jacar, com nfase nas reas de floresta,atravs da integrao de dados de sensoriamento remoto,sistemas de informaes geogrficas (SIGs) e ndicesde ecologia de paisagem.

    2. MATERIAL E MTODOS

    2.1. rea de estudo

    A sub-bacia do Arroio Jacar est inserida entreas coordenadas 285508, 291614 de latitude sule 515222 e 521146 de longitude oeste de Greenwich,compreendendo uma rea de aproximadamente 540 km(Figura 1). Essa bacia encontra-se em uma regio deectono entre as formaes vegetais do tipo FlorestaEstacional Decidual e Floresta Ombrfila Mista Matade Araucria, apresentando seu relevo fortementeondulado nas regies norte e nordeste da bacia, nasnascentes do Arroio Jacar e Arroio Putinga.

  • 707Composio e configurao da paisagem da sub-bacia

    R. rvor e, Viosa-MG, v.33, n.4, p.705-711, 2009

    2.2. Material

    Foram utilizadas as cartas topogrficas elaboradaspela Diretoria de Servio Geogrfico do ExrcitoBrasileiro (BRASIL Ministrio do Exrcito DSG,1979), em escala 1:50.000, referente s folhas SH.22-V-B-IV-4 (MI-2934/4) de Arvorezinha e SH. 22-V-D-II-1 (MI-2952/1) de Encantado, SH. 22-V-D-II-3(MI-2952/3) de Lajeado, SH. 22-V-D-I-4 (MI-2951/4)de Marques de Souza e SH. 22-V-D-I-2 (MI-2951/2)de Nova Brscia, imagem do satlite Landsat 7 ETM+,bandas 3 (vermelho), 4 (infravermelho prximo) e 5(infravermelho mdio), da rbita-ponto 222-080,referente passagem 04/02/2002, software de Sistemasde Informaes Geogrficas (SIG) Idrisi 3.2(EASTMAN, 1998), software de Ecologia de PaisagemFragstats 3.3 (MCGARIGAL et al., 2002) e receptorde dados cartogrficos GPS-Garmin 12 (GlobalPositioning System).

    2.3. Mtodos

    O permetro da bacia foi delimitado com basenos divisores de gua e topos de morro contidosnas cartas topogrficas do exrcito. Inicialmente,as cartas foram escaneadas e georreferenciadas paraque fosse possvel a visualizao da rede de drenagemdivergente e a digitalizao em tela de um ponto noslocais de ocorrncia de topos de morro.

    Para elaborao do mapa temtico de uso eocupao da terra, foi realizado o registro da imagemde orbital, sendo selecionados 16 pontos de controleao longo da imagem, o que gerou um erro mdioquadrado (RMS) de 1,03 pixels. Esse processo consistiuna transformao geomtrica que relaciona ascoordenadas de imagem (linha e coluna) comcoordenadas de um sistema de referncia, sendo nesteestudo utilizado o sistema de projeo UniversalTransversa de Mercator (UTM), por ser o mais usuale fornecer valores de distncia em unidades mtricas,Datum Crrego Alegre, fuso 22 Sul.

    A partir da interpretao visual de forma, texturae comportamento espectral das unidades que compema paisagem na imagem orbital e com base em sadasa campo, foi possvel a distino de oito classes deuso e cobertura do solo: Floresta Estacional Decidual(FED), Floresta Ombrfila Mista-Mata de Araucria(FOM), vegetao secundria, floresta extica, lavoura,rea urbana, pastagem e gua. A classificao da imagemorbital procedeu-se atravs da combinao dos