Click here to load reader

A CARIDADE DA DIVULGAÇÃO DA VERDADE a missão do Caridade da Divulgacao da Verdade - A Missao do... · PDF fileMarlene Nobre no jornal ... esquecermos de Alberto Santos Dumont,

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A CARIDADE DA DIVULGAÇÃO DA VERDADE a missão do Caridade da Divulgacao da...

  • 1

    A CARIDADE

    DA DIVULGAO

    DA VERDADE

    a misso do Brasil

    Juscelino Kubitschek Luiz Guilherme Marques

    (mdium)

  • 2

    Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertar.

    (Jesus Cristo)

    Divulgar a Verdade, a que se referiu Jesus, uma das mais

    importantes formas de Caridade.

    (annimos)

    A verdade mais necessria para o atual momento histrico da

    humanidade da Terra o desenvolvimento do poder mental no

    Bem.

    (annimos)

    E a vida continua!

    (Juscelino Kubitschek)

  • 3

    NDICE

    Esclarecimento sobre a imagem da Capa

    Introduo

    Captulo I Virtudes do povo brasileiro

    1 Humildade

    2 Simplicidade

    3 E o desapego?

    Captulo II Misso

    1 Testemunhar a vida aps a morte

    2 Exemplificar a mediunidade com Jesus

    Captulo III Itens a serem aprimorados

    1 Respeito ao Direito

    2 Amor Cincia

    3 Amor Filosofia

    4 Amor Arte erudita

    5 Amor ao trabalho

    6 Amor Educao

    7 Amor Histria

    8 Amor Cultura

    9 Respeito ao dever

    10 Respeito disciplina

    11 Respeito honra

    12 Respeito aos ancios

    13 Respeito s tradies milenares

    Concluso

    Nota do livro Brasil, Corao do Mundo, Ptria do

    Evangelho, de Humberto de Campos

    Nota do livro A Caminho da Luz, de Emmanuel

  • 4

    ESCLARECIMENTO SOBRE A IMAGEM DA CAPA

    Trata-se do Mapa Mundi desenhado por Andrea

    Bianco, datado de 1448, onde ele procura retratar, inclusive,

    as Ilhas Brasil.

  • 5

    INTRODUO

    Quando Jesus afirmou: Meu Reino no deste mundo

    no estava querendo dizer que no considerava importantes

    as realizaes materiais, mas sim que as criaturas devem se

    espiritualizar, pois que so Espritos e no corpos e, mesmo

    assim, a preferncia pela materialidade ainda continua sendo

    o objetivo da maior parte da humanidade terrestre.

    Todavia, viemos, em Nome do Divino Pastor da

    humanidade da Terra, dar nosso testemunho da sobrevivncia

    do Esprito morte do corpo, bem como destacar a misso do

    Brasil no concerto das naes, mostrando, com base em

    afirmaes de Francisco Cndido Xavier, suas virtudes e

    aqueles pontos que ainda devem merecer ateno, a fim de

    tornar-se o Brasil um pas modelo para os outros povos, sem,

    com isso, querermos dizer que seja melhor do que as outras

    naes, mas a verdade que tem uma tarefa especfica na

    rea da espiritualizao da humanidade, precisando, todavia,

    aperfeioar-se, principalmente, na sua organizao material,

    para melhor cumprir seu mandato, pois importante que se

    conjuguem os fatores espirituais e os materiais para que um

    povo seja til aos outros, mas seja bom para consigo prprio,

    o que exige uma certa organizao interna.

    Pretendemos abordar as questes constantes do ndice

    acima, como dito, todas versadas pelo grande missionrio de

    Jesus, assim contribuindo para com os nossos irmos

    brasileiros no cumprimento da misso desta nacionalidade.

    Extramos essas questes da entrevista de Francisco

    Cndido Xavier a Geraldo Lemos Neto, divulgada por

    Marlene Nobre no jornal Folha Esprita, no. 439, de maio

    de 2011:

    Vejamos, por exemplo: os norte-americanos podem nos

    ensinar o respeito s leis, o amor ao direito, cincia e ao

    trabalho. Os europeus, de uma forma geral, podero nos

    trazer o amor filosofia, msica erudita, educao,

    histria e cultura. Os asiticos podero incorporar

    nossa gente suas mais altas noes de respeito ao dever,

  • 6

    disciplina, honra, aos ancios e s tradies milenares.

    E, ento, por fim, ns brasileiros, ofertaremos a eles,

    nossos irmos na carne, os mais altos valores de

    espiritualidade que, merc de Deus, entesouramos no

    corao fraterno e amigo de nossa gente simples e

    humilde, essa gente boa que reencarnou na grande nao

    brasileira para dar cumprimento aos desgnios de Deus e

    demonstrar a todos os povos do planeta a f na Vida

    Superior, testemunhando a continuidade da vida alm-

    tmulo e o exerccio sereno e nobre da mediunidade com

    Jesus.

    Pedimos a bno de Deus para o nosso trabalho e o

    povo brasileiro, bem como manifestamos a Jesus nossa

    gratido por estarmos trabalhando entre Seus ministros,

    utilizada esta palavra no sentido de servidores em prol do

    bem comum.

  • 7

    CAPTULO I VIRTUDES DO POVO BRASILEIRO

    Quem teve a oportunidade de ler os livros A Caminho

    da Luz, de Emmanuel, e Brasil, Corao do Mundo, Ptria

    do Evangelho, de Humberto de Campos, pode verificar que

    cada povo, como cada individualidade espiritual, tem sua

    tarefa definida no conjunto dos seres criados por Deus.

    O Brasil recebeu de Jesus, Sublime Governador da

    Terra, na pessoa do Guia Espiritual Ismael, a misso de ser o

    celeiro espiritual da Mensagem do Evangelho, que deve ser

    difundida por toda a humanidade terrestre.

    Para isso, transplantou-se a rvore Luminosa, que dar

    frutos cada vez mais saborosos e nutrientes das verdades

    espirituais, para as terras do Cruzeiro do Sul.

    Missionrios das antigas lides do Cristianismo

    reencarnaram no solo brasileiro, como Bezerra de Menezes,

    Joanna de ngelis, Francisco Cndido Xavier, Eurpedes

    Barsanulfo e muitos outros.

    Todavia, se h muitos missionrios que deram seu

    sangue espiritual em favor da propagao do Evangelho no

    Brasil, com vistas a divulgar-se pelo mundo todo, necessrio

    que outros trabalhadores deem sua cota de contribuio, pois

    uma andorinha s no faz vero e o trabalho em equipe e

    no apenas dos elevados Espritos encarregados de tarefas

    macroscpicas.

    Temos de contribuir, mesmo que nossa expresso no

    conjunto seja aparentemente diminuta, pois a soma de cada

    elo da corrente que a faz quilomtrica e circunde toda a

    Terra.

    Ningum se julgue diminuto, pois Jesus no dispensou o

    auxlio do cireneu, para carregar Sua cruz de sofrimentos,

    tanto quanto no considera dispensvel o trabalhador que

    colabora no servio mais humilde.

    Demos as mos uns aos outros, pois cada um contribui

    com aquilo que pode, mas o que vale colocar o corao nas

    mos e o no pensamento e trabalhar para o cumprimento da

    tarefa que o povo humilde e simples do Brasil tem de

  • 8

    desempenhar, na exemplificao para o mundo, que precisa

    de paz e desvinculao dos valores puramente materiais,

    enxergando em Jesus o Sol Planetrio no sentido espiritual,

    pois que o Caminho, a Verdade e a Vida.

  • 9

    1 HUMILDADE

    Enquanto que h povos imperialistas, sequiosos de

    domnio sobre outras nacionalidades, seja econmica, seja

    poltica ou militarmente, o Brasil apenas litigou militarmente

    contra outros povos em ocasies raras, como durante o

    Segundo Imprio e as duas Grandes Guerras de 1914 e 1939,

    e, quanto Economia e Poltica, nunca se imps ilicitamente

    aos outros pases, pois que vem respeitando o princpio da

    auto determinao dos povos, defendido com firmeza pelo

    grande missionrio do Direito Rui Barbosa, principalmente

    na Conferncia de Haia, na qual clarinou a igualdade

    absoluta entre os povos, sejam eles prsperos ou sofridos em

    termos de oportunidades materiais.

    A humildade do povo brasileiro percebida por todas as

    outras nacionalidades, tanto que os estrangeiros aqui so

    recebidos de braos abertos, se comparada sua situao com a

    de outros pases, em que no conseguem um tratamento

    humanitrio, apesar das mltiplas promessas de Direitos

    Humanos registradas em leis e regulamentos.

    H, sim, pases em que os estrangeiros so maltratados,

    quando no estigmatizados e perseguidos, ao contrrio da

    nao do Cruzeiro do Sul, que, debaixo da bno da Cruz

    Estelar de Jesus, acolhe todos os irmos de outras plagas,

    integrando-os ao seu nmero de cidados, como se aqui

    tivessem visto a luz pela primeira vez.

    Essa a virtude mxima dos brasileiros, que acabaram

    sendo uma mistura sagrada das raas branca, negra, amarela

    e vermelha, formando, inclusive, um tipo biolgico

    diferenciado, com negros de olhos verdes, brancos de cabelos

    encarapinhados, vermelhos claros e amarelos com olhos

    menos amendoados.

    Santa humildade, que permite, sem traumas, essa

    miscigenao no igualada em nenhum outro ponto do

    planeta.

    Uma ou outra atitude racista ou discriminatria morre

    no abrao de amizade de milhes de irmos que olham com

  • 10

    olhos de carinho e amor todos os que aqui nasceram ou

    vieram depois de viver em outras terras.

    Continuemos a exemplificar para o mundo a grande

    lio da humildade, que o nico antdoto com a morbidade

    do orgulho racial ou de nacionalidade.

    Continuemos miscigenando-nos e acolhendo os

    estrangeiros de todas as cores, idiomas, culturas e formemos

    uma nao cada vez mais caracterizada pela hibridez, porque

    isso o Amor Universal, que Jesus ensinou pessoalmente e

    vem enviando novos e mais numerosos emissrios para

    ensin-lo.

  • 11

    2 SIMPLICIDADE

    A simplicidade o estado de esprito daqueles que no

    pretendem deixar marcas da sua trajetria na Histria do

    mundo, mas naturalmente vivem o dia a dia de trabalho,

    realizaes e cr