ANO IV - Nآ؛ 028 - RESENDE 06 DE JULHO DE ANO IV - Nآ؛ 028 - RESENDE 06 DE JULHO DE 2012 PREFEITURA

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ANO IV - Nآ؛ 028 - RESENDE 06 DE JULHO DE ANO IV - Nآ؛ 028 - RESENDE 06 DE JULHO DE 2012...

  • ANO IV - Nº 028 - RESENDE 06 DE JULHO DE 2012

    PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE Estado do Rio de Janeiro

    Gabinete do Prefeito

    LEI N.º 2939, DE 29 DE JUNHO DE 2012. EMENTA: DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DO COMÉRCIO DE RESENDE- CONCRES.

    O PREFEITO MUNICIPAL DE RESENDE Faz saber que a Câmara Municipal de Resende, no Estado do Rio de Janeiro, APROVOU, e no uso de suas atribuições legais e constitucionais, sanciona a seguinte Lei: Art. 1º. Fica criado no âmbito da Administração Municipal de Resende o Conselho do Comércio de Resende – CONCRES, órgão colegiado de assessoramento, sem fins lucrativos, com- posto por representantes do Governo Municipal, de instituições representativas dos diversos setores que compõem o segmento do comércio, integrando-se estruturalmente a Secretaria Muni- cipal de Turismo e Comércio. Art. 2º - O CONCRES terá por finalidade assessorar a SMTURC na formulação e aplicação da Política Municipal de Comércio nos planos, programas, projetos e atividades relacionadas ao comércio no âmbito municipal. Art. 3º - O CONCRES será composto pelos seguintes órgãos representativos: I – Representantes da Secretaria Municipal de Turismo e Comér- cio; II – Representantes, indicados por seus pares e pelas seguintes instituições: a) três representantes do comércio do Bairro Campos Elíseos; b) dois representantes do comércio do Bairro Comercial; c) três representantes do comércio do Centro; d) dois representantes do comércio do Bairro Manejo; e) um representante do comércio do Bairro Cidade Alegria; f) um representante do comércio do Bairro Paraíso; g) um representante do comércio do Distrito de Engenheiro Passos; h) Presidente ou Diretor do Sindicato do Comércio Varejista de Resende; i) Presidente ou Diretor do Sindicato dos Comerciários de Resende; j) Presidente ou Diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas de Resende; k) Presidente ou Diretor da Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Resende; l) um representante do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas. Parágrafo Único - Para cada representante será indicado um suplente para substituição do titular em casos de faltas e impedi- mentos. Art. 4º - O Presidente e o Vice Presidente serão eleitos pelos membros efetivos do CONCRES, em votação com quorum de maioria absoluta. Art. 5º - O CONCRES terá 30 (trinta) dia para elaboração do Regimento Interno que deverá ser objeto de Decreto a ser expedido pelo Executivo Municipal. Art. 6º - A atividade do Conselho é considerada serviço público relevante, não fazendo, seus representantes, jus a pagamento de

    qualquer quantia a qualquer título. Art. 7º. Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação Art. 8º. Revogam-se as disposições em contrário.

    José Rechuan Junior Prefeito Municipal

    LEI N.º 2940 DE 29 DE JUNHO DE 2012. O PREFEITO MUNICIPAL DE RESENDE:

    Faz saber que a Câmara Municipal de Resende, no Estado do Rio de Janeiro, APROVOU, e no uso de suas atribuições legais e constitucionais, sanciona a seguinte Lei: Art. 1º – Fica denominado de “Rua Miguel Máximo Balieiro”, o logradouro público, onde se encontra situada a nova sede da Escola Municipal Hetelvina Carneiro, localizado na Vargem Grande – zona urbana do Distrito de Pedra Selada – 5º Distrito de Resende. Art. 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º - Revogadas as disposições em contrário.

    José Rechuan Junior Prefeito Municipal

    LEI N.º 2941 DE 29 DE JUNHO DE 2012. O PREFEITO MUNICIPAL DE RESENDE:

    Faz saber que a Câmara Municipal de Resende, no Estado do Rio de Janeiro, APROVOU, e no uso de suas atribuições legais e constitucionais, sanciona a seguinte Lei: Art. 1º – Fica denominado de “Rua Santa de Souza Anjos”, o logradouro público, designado de Rua Projetada (Rua do SOS 4 Patas), localizado no Bairro Toyota/Primavera – zona urbana do 1º Distrito de Resende. Art. 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º - Revogadas as disposições em contrário.

    José Rechuan Junior Prefeito Municipal

    LEI N.º 2942 DE 03 DE JULHO DE 2012. O PREFEITO MUNICIPAL DE RESENDE:

    Faz saber que a Câmara Municipal de Resende, no Estado do Rio de Janeiro, APROVOU, e no uso de suas atribuições legais e constitucionais, sanciona a seguinte Lei: Art. 1º – Fica denominado de “Rua Pedro Jozino da Silva”, o logradouro público, designado de Rua 23, situado no Bairro Morada da Barra – zona urbana do 2º Distrito de Resende. Art. 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º - Revogadas as disposições em contrário.

    José Rechuan Junior Prefeito Municipal

    LEI Nº 2943 DE 03 DE JULHO DE 2012. EMENTA: DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE RESENDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

    O PREFEITO MUNICIPAL DE RESENDE: Faz saber que a Câmara Municipal de Resende, no Estado do Rio de Janeiro, APROVOU, e no uso de suas atribuições legais e constitucionais, sanciona a seguinte Lei: Art. 1º. Fica instituído o Programa Família Acolhedora, vincu- lado a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, através do Centro de Referência especializado da Assistência Social (CREAS), órgão responsável e gerente do

    Programa Família Acolhedora. Art. 2º. O Programa Família Acolhedora atenderá às prerroga- tivas da Política Nacional de Assistência Social, sendo classifi- cado como serviço de proteção social especial de alta comple- xidade, em que fica garantida a proteção integral às famílias e/ou indivíduos que se encontram em situação de ameaça, necessi- tando ser retirados do seu núcleo de convivência familiar e/ou comunitária. Art. 3º. A família acolhedora caracteriza-se como uma alternativa de proteção às crianças e aos adolescentes que precisam, tem- porariamente, ser retirados de sua família de origem, mediante a concessão judicial temporária de guarda e responsabilidade. Art. 4º. O Programa Família Acolhedora tem como princípios norteadores: I – investimento na família de origem, natural ou extensa, visando à preservação dos vínculos familiares e promoção da reintegra- ção familiar; II – a integração em família substituta, quando esgotados os recursos de manutenção na família natural ou extensa; III - o atendimento personalizado e em pequenos grupos; IV – o desenvolvimento de atividades em regime de co-educa- ção; V – o não-desmembramento de grupos de irmãos; VI - a integração e a participação da criança ou adolescente na vida da comunidade local; VII - preparação gradativa para o desligamento; VIII - participação de pessoas da comunidade no processo educativo; IX – excepcionalidade e provisoriedade do acolhimento. Art. 5º. O programa Família Acolhedora tem como objetivos: I – promover a guarda familiar provisória de crianças e adoles- centes que são afastados de suas famílias, por se encontrarem em situação de risco pessoal e/ou social, com prognóstico de retorno, priorizando ações para a reinserção à família de origem ou, na impossibilidade do retorno, à família substituta; II - oferecer apoio e suporte psicossocial às famílias de origem, facilitando sua reorganização e o retorno de seus filhos, deven- do para tanto incluí-los em programas sociais diversos, inclusive nos de transferência de renda; III - interromper o ciclo da violência e da violação de direitos em famílias socialmente vulneráveis; IV - tornar-se uma alternativa ao abrigamento e à institucionalização, garantindo a convivência familiar e comu- nitária de crianças e adolescentes e; V – oferecer apoio psicossocial às famílias acolhedoras para execução da função de acolhimento; VI - oferecer uma resposta mais personalizada de atendimento ao grupo infanto-juvenil que, temporariamente, precisa ser afas- tado de sua família de origem; VII - Propiciar às crianças e aos adolescentes o atendimento de suas necessidades individuais de uma forma mais particularizada, procurando minimizar os prejuízos físicos e emocionais ocasi- onados pelo afastamento temporário de sua família de origem. Art. 6º. O programa atenderá crianças e adolescentes do Muni- cípio de Resende, de 0 (zero) a 18 (dezoito) anos incompletos, inclusive aqueles com necessidades especiais, sendo tal servi- ço particularmente adequado ao atendimento dos casos em que haja possibilidade de retorno à família de origem, ampliada ou extensa, salvo casos emergenciais, nos quais inexistam alterna- tivas de acolhimento e proteção. Art. 7º. Ao advogado que integra o programa família acolhedora

  • ANO IV - Nº 028 - RESENDE, 06 DE JULHO DE 20122

    JOSÉ RECHUAN JUNIOR Prefeito Municipal

    NOEL DE OLIVEIRA Vice-Prefeito Municipal

    JAIME CORRÊA DE MATTOS JÚNIOR Secretário Municipal de Governo - INTERINO

    CARLOS ANTÔNIO TEIXEIRA SERRA Procurador Geral do Município

    RICARDO SIQUEIRA DE PAIVA E SILVA Assessor de Comunicação

    LUDEMAR PEREIRA Controlador-Geral do Município

    ANTÔNIO AUGUSTO LEÃO CHAGAS Ouvidor-Geral do Município

    ALFREDO JOSÉ DE OLIVEIRA Secretário Municipal de Planejamento

    RENATO DE MORAES VIEGAS Secretário Municipal de Fazenda

    FERNANDO HENRIQUE SOARES Secretário Municipal de Administração

    REYNALDO LOMBARDI RAELI Secretário Municipal de Turismo e Comércio

    RUBENS CÉSAR MOREIRA ALMADA Secretário Municipal de Obras

    PAULO ROBERTO DIONÍSIO Secretário Municipal de Habitação e Regularização Fundiária

    MIGUEL GILBERTO DIAS Secretário Municipal de Agricultura e Pecuária

    MARLY CECCOLINE CORTONA Secretária Municipal de Assistência Social e Direi