Apostila IME - Planejamento de Transportes

  • View
    254

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of Apostila IME - Planejamento de Transportes

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    1

    PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES: CONCEITOS E MODELOS DE ANLISE

    Profa Vnia Barcellos Gouva campos

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    2

    Planejamento de transportes uma rea de estudo que visa adequar as necessidades de transporte de uma regio ao seu desenvolvimento de acordo com suas caractersticas estruturais. Isto significa implantar novos sistemas ou melhorar os existentes. Para se definir o que deve ser implantado ou melhorado (oferta de transporte), dentro do horizonte de projeto, faz-se necessrio quantificar a demanda por transporte e saber como a mesma vai se distribuir dentro da rea de estudo (linhas de desejo). A avaliao dessa demanda feita utilizando-se os modelos de planejamento. Atravs deste modelos procura-se modelar o comportamento da demanda e a partir da definir as alternativas que melhor se adaptem a realidade da regio. Deve-se ter em mente que o processo de planejamento deve na verdade deve estar includo num plano de desenvolvimento voltado para a regio de estudo, pois conforme se pode observar, a demanda por transporte depende do desenvolvimento atual da regio e da proposta de desenvolvimento futuro. 1. ASPECTOS GERAIS DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO Um plano pode ser de longo, mdio ou curto prazo, sua durao depende dos recursos disponveis e dos objetivos que se deseja alcanar e muitas vezes da urgncia do problema que se deseja resolver. De uma forma geral um plano de transporte compreende as seguintes etapas: 1- Definio dos objetivos e prazos 2- Diagnstico dos sistemas de transportes 3- Coleta de Dados 4- Escolha dos modelos a serem utilizados para avaliao da demanda futura. 5- Alternativas de Oferta de Transporte 6- Avaliao das alternativas (custos e impactos) 7- Escolha da alternativa

    PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    3

    8- Desenvolvimento do plano de transporte acompanhado de um programa de financiamento.

    9- Implementao das alternativas de acordo com um cronograma de desembolso de recursos.

    10- Atualizao dos procedimentos Figura 1- Fluxograma bsico de planejamento de transportes 1.1 Tipos de Planos

    Formulao do Problema

    Coleta de Dados

    Construo e Calibrao do Modelo Anlitico

    Gerao de Solues

    Predio de Variveis

    Validao do modelo e Simulao dos Impactos das Solues

    Avaliao das Solues e Escolha da Melhor

    Implementao da Soluo escolhida

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    4

    Os procedimentos de anlise e previso da demanda tm como objetivo subsidiar as tomadas de deciso quanto a mudanas que se fazem necessrias no sistema de Transporte. Essas mudanas podem estar relacionadas com aes imediatas que compreendem medidas operacionais que podem ser implementadas de forma rpida e com baixo custo, ou podem conter aes que necessitam de um prazo maior para serem implementadas. Estas ltimas esto inseridas em planos de mdio e curto prazo e, na maioria das vezes requerem maiores recursos. Assim, de acordo com a abrangncia do plano de ao no sistema de transporte existe a necessidade de coleta de informaes atravs de pesquisas na via, no sistema, com usurio ou com a comunidade. Esta coleta de informaes vai dar suporte aos modelos de previso de demanda segundo o objetivo dos mesmos e o prazo de execuo. De acordo com o nvel da deciso a ser tomada, o planejamento pode ser estratgico, ttico ou operacional ( Pereira 2005): a) Nvel Estratgico No nvel estratgico, o planejador est preocupado com as aes em longo prazo. Neste nvel est inserido o planejamento de transportes. O objetivo do planejamento de transportes desenvolver ordenadamente programas sob os quais um sistema integrado de transportes possa ser inteiramente desenvolvido e que tenha sua operao e seu gerenciamento otimizados. Isso inclui as redes virias e de transportes de massa, alm das infra-estruturas dos seus terminais. Tal planejamento deve considerar os usos de solo presentes e futuros e os requisitos resultantes de viagens para o movimento de pessoas e bens durante os prximos 20 a 25 anos em nveis de servio aceitveis e compatveis com os recursos financeiros da comunidade. O plano deve considerar as metas da regio e as polticas do estado e do pas (CARTER e HOMBURGER, 1978). De acordo com GERMANI et al. (1973), como ponto de partida necessrio conhecer os desejos de deslocamento da populao, e ento estabelecer

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    5

    relaes entre o nmero de viagens realizadas pela populao e outras grandezas que possam explic-las, de modo que, quando projetadas para o ano de projeto, permitam inferir os desejos de deslocamentos no futuro. Neste nvel de planejamento so necessrias pesquisas como: levantamentos de uso do solo, tempos de viagem, populao, fatores econmicos, facilidades de transporte, legislao e recursos financeiros. Tambm necessrio realizar pesquisas de origem e destino (O-D). Em complementao a este tipo de pesquisa, so realizadas contagens de trfego em pontos estratgicos da rea estudada. Utilizam-se ento tcnicas de simulao, por meio de modelos matemticos, que procuram exprimir as inter-relaes entre os dados scio-econmicos e as viagens realizadas pelos habitantes de determinadas regies (GERMANI et al.,1973) b) Nvel Ttico No nvel ttico (ou nvel de projeto), normalmente so realizadas anlises de mdio a longo prazo. Neste nvel de anlise, so exemplos de tarefas: projeto geomtrico das vias (determinao de largura de faixas, declividade da via, dimensionamento de reas para pedestres e largura de caladas e de passeios, etc.), elaborao de projetos de sinalizao e de controle eletrnico do trfego, dentre outros. Estas tarefas podem ser conseqncia das diretrizes do planejamento estratgico ou podem ser oriundas de decises baseadas em problemas operacionais. c) Nvel Operacional O foco deste nvel de deciso est principalmente nas aes de curto prazo e dentre as anlises normalmente realizadas esto: configurao do uso das faixas de trfego, aplicao de dispositivos de controle de trfego, programao de semforos, espaamento e localizao de paradas de nibus, freqncia de um servio de nibus, adio de faixa para veculos com ocupao interna alta, fornecimento de informaes aos usurios em tempo real, deteco de

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    6

    incidentes, dentre outras. Devido ao seu foco de curto-prazo, importante que haja dados detalhados sobre o objeto de estudo. A definio das atividades pertinentes a cada nvel de planejamento uma questo que gera discordncias entre pesquisadores e operadores dos sistemas de trfego. 1.2 Caractersticas da Demanda por transportes A demanda de transporte tem como caracterstica ser: altamente diferenciada. Ela pode variar com a hora do dia, com o dia da

    semana, propsito da viagem, tipo de carga, com o tipo de transporte oferecido.

    derivada, isto , as pessoas viajam para satisfazer uma necessidade em seu destino.

    concentrada em poucas horas do dia nas reas urbanas, particularmente nas horas de pico.

    Algumas tcnicas de gerenciamento da demanda existem para tentar

    espalhar o perodo de pico e a concentrao da demanda, fazendo-se: horas de trabalho flexveis; escalonamento das horas de trabalho, ou seja , diferentes horrios de

    entrada e sada para os diversos setores de trabalho numa rea central.

    Criando tarifas reduzidas para viagens fora do pico A demanda por transporte pode ser determinada de duas formas: agregada - modela-se o mercado sem passar pelo comportamento individual. desagregada - modela a demanda com base em comportamentos individuais.

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    7

    Nos modelos agregados, a estimao se faz com base em dados cujas observaes foram agregadas ( renda nacional, consumo global, exportao total ...) Nos modelos desagregados, a estimao feita com base em dados cujas observaes se referem a um indivduo ou grupos de indivduos com caractersticas semelhantes. 2- PREVISO DE DEMANDA A demanda por transporte totalmente dependente das caractersticas fsicas e scio-econmicas da regio de estudo. Qualquer modificao no uso e ocupao do solo tem efeito sobre a movimentao dos indivduos . Assim, como no transporte regional de carga, a demanda depende tanto do desenvolvimento da regio de produo como dos mercados consumidores. A anlise e projeo da demanda pode ser realizada com o intuito de investigar novas estratgias gerenciais, tais como mudanas no preo, ou de planejar grandes investimentos que requerem previses de longo prazo.

    Para avaliar novas estratgias gerenciais ou operacionais pode-se utilizar: curvas de demanda e conceito de elasticidade - demanda (modelos diretos)

    Para avaliao grandes investimentos em toda uma regio: Modelos Seqenciais

    2.1 - Modelos diretos Neste tipo de anlise, para definio de uma curva de demanda pode-se considerar duas formas:

    Previso incondicional no vinculada a outras variveis ( sries histricas)

  • Prof. Vnia B. G. Campos

    8

    Previso condicionada - vinculada a outras variveis ( por exemplo: tarifa, renda , populao , produo etc)

    Previso incondicional Para este tipo de previso podem ser considerados trs tipos de formulao: Linear, Geomtrica e da Curva Logstica.

    Projeo linear Admite que a demanda cresce segundo uma progresso aritmtica, em que o primeiro termo a demanda inicial e a razo a taxa estimada de crescimento por ano.

    Vn = V0 (1+ na) onde: Vn = demanda no ano n Vo = demanda no ano base a = taxa de crescimento anual n = nmero de anos decorridos aps o ano base Normalmente este mtodo usado para perodos inferiores a cinco anos.

    Projeo Geomtrica ou Exponencial Admite que a demanda cresce segundo uma progresso geomtrica, em que o primeiro