Blue bloods 04 the van alen legacy

  • View
    228

  • Download
    8

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Blue bloods 04 the van alen legacy

  • 1

  • 2

    The Van Alen Legacy

    Melissa de La Cruz

  • 3

    Sinopse

    Com a assombrosa revelao que cerca a verdadeira identidade de

    Bliss surge a crescente ameaa dos sinistros Silver Bloods. Uma vez que deixaram de viver suas vidas glamurosas em Nova Iorque, os Blue

    Bloods agora se encontram em uma batalha pica por sobrevivncia.

    No se preocupe, o amor ainda est no ar para os jovens vampiros do Upper East Side. Ou no est? Jack e Schuyler terminaram. Oliver est

    de corao partido. E somente a stuta Mimi perece estar feliz e

    comprometida.

    Jovens, predatrios, e fabulosos, os vampiros de Melissa de la Cruz se unem neste aguardado quarto livro da srie Blue Bloods...

  • 4

    Agradecimentos

    Para minha me, Ching de La Cruz, que sempre disse que Blue

    Bloods seria o nmero um. E para Mike e Mattie, sempre.

    O assassinado assombra seus assassinos.

    Emily Bronte, O Morro dos Ventos Uivantes

    Parece que estive dormindo por milhares de anos, preciso abrir meus olhos para tudo...

    Evanescence, Bring Me to Life

  • 5

    Uma conversa

    Diz-se que a filha de Allegra ir derrotar os Silver Bloods. Eu acredito que Schuyler ir nos trazer a salvao que buscamos. Ela

    quase to poderosa quanto sua me. E um dia ela ser ainda mais poderosa.

    Schuyler Van Alen... A half-blood1. Voc tem certeza de que ela a escolhida? Charles perguntou.

    Lawrence concordou com um aceno de cabea.

    Porque Allegra possui duas filhas, Charles disse, em um luminoso, quase em um tom de brincadeira. Certamente voc no se esqueceu disso.

    A voz do ancio dos Van Alen tornou-se fria. Claro que no. Mas jogo sujo de sua parte tocar em um assunto to srio quanto primeira filha de Allegra.

    Charles desfez a censura de Lawrence com um tremor. Minhas desculpas. Eu quis dizer sem ofensas morta.

    O sangue dela est em nossas mos, Lawrence suspirou. Os eventos do dia o estavam deixando cansado assim como as lembranas

    do passado. Apenas, eu me pergunto...

    Sim?

    Como eu vim perguntando todos esses anos, Charles, se isso poderia algum dia ser destrudo verdadeiramente.

    1 Half Blood: Meio Sangue

  • 6

    The New York Times

    Obiturio

    Lawrence Van Alen, 105 anos, Filantropo e

    Filsofo, morreu.

    Lawrence Winslow Van Alen, um professor

    de Histria e Lingustica da Universidade de

    Veneza, morreu na noite passada em Riverside

    Drive, em Manhattan. Ele tinha 105 anos. Sua

    morte foi confirmada pela Dra. Patricia

    Hazard, sua mdica assistente. A causa da

    morte foi constatada como idade avanada. O

    professor Van Alen era um descendente de

    Henry Van Alen, conhecido como Comodoro, um

    cone americano e um dos homens mais ricos

    dos Anos Dourados, cuja riqueza veio de

    navios a vapor, ferrovias, investimento

    privado e empresas de corretagem2. Os Van

    Alen fundaram a Linha Ferroviria Central de

    Nova York, o que agora a Grand Central

    Terminal. O fundo de caridade da famlia, a

    Fundao Van Alen, foi um marco para o

    desenvolvimento do Museu Metropolitano de

    Arte, a pera Metropolitana o Ballet New York

    City e o Banco de Sangue New York. Lawrence

    Van Alen deixa uma filha, Allegra Van Alen

    Chase, que est em coma desde 1992, e uma

    neta, Schuyler Van Alen.

    2 Empresa de Corretagem: Empresa de corretores, como de seguro ou de imveis.

  • 7

    Captulo Um

    Schuyler

    Houve pouco tempo para lamentos. Ao voltar para Nova York

    depois do assassinato de Lawrence no Rio (coberto pelo Comit com um

    obiturio apropriado no Times), Schuyler Van Alen tinha estado em uma correria. Sem descanso. Sem pausa. Um ano de constante

    movimento, apenas um passo frente dos Venators que a caavam. Um

    voo para Buenos Aires, seguido de outro para Dubai. Uma noite sem dormir em um albergue da juventude de Amsterdam, seguida por outra

    em um beliche de um auditrio de Bruges.

    Ela havia passado seu dcimo sexto aniversrio a bordo do Trans-Siberian Railway, celebrando com uma xcara de Nescaf aguado, caf,

    ch e alguns biscoitos russos comuns. De alguma forma, seu melhor

    amigo, Oliver Hazard-Perry, tinha encontrado uma vela em um dos suharkies4. Ele levava seu trabalho de humano familiar muito a srio.

    Fora graas contabilidade cuidadosa de Oliver que eles haviam sido

    capazes de esticar o dinheiro to at agora. O Conclave tinha congelado

    seu acesso s bens generosas contas Hazard-Perry assim que eles deixaram Nova York.

    Agora era agosto em Paris, e quente. Eles encontraram a maior

    parte das cidades vazias, cidades fantasmas: padarias, butiques e bistrs fechados, enquanto seus proprietrios se refugiavam em frias

    de trs semanas no norte.

    As nicas pessoas eram turistas americanos e japoneses, que se agrupavam em cada galeria de museu, cada jardim em cada praa

    pblica, inevitveis e onipresentes em suas sapatilhas brancas e bons

    de baseball. Mas Schuyler agradecia a presena. Ela esperava que as lentas multides tornassem mais fcil para ela e Oliver confundirem

    seus perseguidores Venators.

    Schuyler vinha sendo capaz de se disfarar mudando suas

    caractersticas fsicas, mas realizar a mutao estava exigindo demais dela. Ela no disse nada a Oliver, mas ultimamente ela no conseguia

    fazer muito mais do que mudar a cor dos olhos.

  • 8

    E agora depois de quase um ano se escondendo, eles estavam vindo tona. Era um risco, mas eles estavam desesperados. Vivendo

    sem a proteo e a sabedoria da sociedade secreta dos vampiros e seus

    humanos de confiana estava exigindo demais, e nenhum deles iria admitir, mas eles estavam cansados de fugir.

    Ento, por agora, Schuyler estava sentada no fundo de um nibus,

    usando uma camiseta apertada e fechada at o pescoo com calas pretas apertadas e sapatos achatados com sola de borracha. Seu cabelo

    escuro estava preso em um rabo de cavalo, e exceto por um toque de

    brilho labial, ela no estava usando maquiagem. Ela pretendia se misturar com o resto do pessoal da restaurao que tinha sido

    contratado para a noite.

    Mas certamente algum iria notar. Certamente algum ia ouvir

    quo alto seu corao estava batendo, iria reparar em como sua respirao estava superficial e rpida. Ela tinha que se acalmar. Ela

    tinha que limpar a mente e se tornar a fornecedora de contrato blas

    que ela fingia ser. Por muitos anos, Schuyler foi excelente em ser invisvel. Dessa vez, sua vida dependia disso.

    O nibus os estava levando sobre uma ponte para o Hotel Lambert

    no Le Saint-Louis, uma pequena ilha no rio Sena. O Lambert era a casa mais bonita na cidade mais bonita do mundo. Pelo menos, ela sempre

    pensou assim. Apesar de que casa fosse suavizar. Castelo era mais apropriado, algo tirado de um conto de fadas, as grandes paredes nas margens do rio e telhado cinza de mansarda5 saindo da nvoa

    circundante. Quando criana, ela brincava de esconde-esconde nos

    jardins cerimoniosos, onde as rvores esculpidas em cones lembravam

    figuras de um tabuleiro de xadrez. Ela se lembrou de encenar produes imaginrias dentro do grande ptio e atirar po para os

    gansos no terrao com vista para o Sena. Como ela gostaria de ter

    aproveitado mais aquela vida! Essa noite ela no entraria no exclusivo hotel, tomando posse exatamente como uma hspede convidada, mas

    sim como uma humilde serva. Como um rato rastejando para um

    buraco. Schuyler era ansiosa por natureza, e ela precisava de quase todo seu autocontrole para se manter.

    Ela temia que fosse gritar a qualquer momento, ela j estava to

    nervosa que no conseguia fazer suas mos pararem de tremer. Elas vibravam, esvoaantes em seu colo como pssaros presos.

    Prximo a ela, Oliver estava bonito no uniforme de barman, um

    smoking com uma gravata preta de seda e uma camisa prateada

    apertada. Mas ele estava plido sob o colarinho borboleta, seus ombros estavam tensos sob uma jaqueta que era um pouco grande demais.

    Seus olhos hanzel claro foram nublando, parecendo mais cinzas do

    que verde. O rosto de Oliver no apresentava o mesmo olhar em branco

  • 9

    entediado como os outros. Ele estava alerta, pronto para uma luta ou uma fuga. Qualquer pessoa que olhasse para ele tempo o suficiente

    poderia perceber.

    No devamos estar aqui, Schuyler pensou. O que estvamos pensando? O risco muito grande. Eles vo nos encontrar e nos

    separar... E em seguida... Bem, o resto horrvel demais para

    contemplar.

    Ela estava suando debaixo da camiseta apertada. O ar

    condicionado no estava funcionando e o nibus estava lotado. Ela

    apoiou a cabea contra a vidraa. Lawrence j tinha sido morto a mais de um ano agora. Quatrocentos e quarenta e cinco dias. Schuyler

    continuava contando, pensando que talvez um dia ela fosse chegar a

    um nmero mgico, e a dor iria parar.

    Isso no era um jogo, embora, s vezes, parecia uma verso horrvel e surrealista de gato e rato. Oliver colocou uma mo sobre as

    dela para acabar com a tremedeira. Os tremores haviam comeado

    alguns meses antes, apenas uma ligeira contrao, mas logo ela percebeu que precisava se concentrar toda vez que fazia algo simples

    como segurar um garfo ou abrir um envelope.

    Ela sabia o que era, e no havia nada que pudesse ser feito sobre isso. A Dra. Pat havia dito na primeira vez que ela visitou o consultrio:

    el