BOLETIM MENSAL DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL .BOLETIM MENSAL DA AUTORIDADE NACIONAL

Embed Size (px)

Text of BOLETIM MENSAL DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL .BOLETIM MENSAL DA AUTORIDADE NACIONAL

  • B O L E T I M M E N S A L DA AU T O R I DA D E N AC I O N A L D E P R O T E C O C I V I L / N . 3 0 / S E T E M B R O 2 010 / I S S N 16 4 6 95 42

    H O M E N AG E M PG . 2

    > Fora DECIF!> No desistiremos nunca...N O T C I A S PG . 3

    > Presidente da Repblica deslocou-se ANP C para se informar sobre situa-o dos incndios> Criada estrutura poltica de acompa-nhamento dos incndios florestais

    N O T C I A S D O S D I S T R I T O S PG . 4 > Porto: Aventura no Quartel IVD I V U LG A O PG . 5

    > Portugal viveu os dias mais quentes do anoT E M A PG S . 6 /7

    > O fogo contra o fogo: investigao ao servio da proteo florestalP R O J E T O S PG . 8

    > Emergncias no estrangeiro

    I N T E R N AC I O N A L PG . 9

    > Resposta Rpida da Unio Europeia a situaes de CatstrofeR E C U R S O S PG . 10

    > Declarao de retificao do Despa-cho n. 11535/2010, de 30 de junhoQ U E M Q U E M PG .11

    > Equipas GAUFAG E N DA PG .12

    30

    ND

    ICE

    Homenagem

    Iniciamos o ltimo ms da Fase Charlie com a amargura que o ms de agosto nos deixou: o pas perdeu trs Bombeiros, trs valorosos operacionais: a Josefa Santos, o Joo Pombo e o Carlos Santos, que morreram no cumprimento de uma misso qual se entregavam h vrios anos, com esforo e dedicao, abdicando, tantas vezes, da sua vida pessoal, profissional e familiar. A eles reitero a minha mais sentida homenagem; s suas famlias, a minha solidariedade.

    A todos os integrantes do Dispositivo, sua estrutura operacional no terreno e nas salas de operaes, atravs dos operadores, reafirmo toda a confiana e respeito pelo trabalho desenvolvido. Porque so de-masiado nobres os gestos abnegados de entrega ao cumprimento da misso que nos tem sido dado observar, tudo faremos para os honrar.

    Este vero tem sido um tempo de luta, de garra e de persistn-cia. O Dispositivo de Combate a Incndios Florestais permanece ativo no terreno, enfrentando sem desnimo as consequncias dos erros de uns e dos actos criminosos de outros, porque a floresta s arde se houver ignies, e quantas mais as ignies, mais difcil ser o combate.

    A Liga dos Bombeiros Portugueses celebrou em agosto 80 anos. Aos seus corpos dirigentes e a todos quantos representa, deixo aqui uma palavra de grande apreo. A sociedade portuguesa, mais do que nunca, reconhece o seu papel e a importncia do seu trabalho pelos Bombei-ros de Portugal.

    Arnaldo Cruz

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .E D I T O R I A L

    Distribuio gratuitaPara receber o boletim

    P RO C I V em formato digital inscreva-se em:

    setembro de 2010

    www.prociv.pt

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    .........................................

    Os artigos que constam neste Boletim foram

    redigidos ao abrigo do Acordo Ortogrfico da

    Lngua Portuguesa. Nomes prprios e designa-

    es de organismos mantm a grafia anterior.

  • H O M E N A G E M

    P. 2 . P R O C I VNmero 30, setembro de 2010

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    No desistiremos nunca...

    Apesar da tragdia, no desistiremos nunca da salvaguarda das pessoas, do seu patrimnio e de um bem estratgico do pas, que a nossa floresta.

    Os operacionais das vrias foras e entidades que no terreno, tm desenvolvido um trabalho difcil, rduo, fatigante, de grande empenho e competncia e de desmedida relevncia nacional, so merecedores do aplauso de todos os portugueses.

    Porque os Bombeiros tambm contam e tm nome, o Joo Pombo do CB de Alcobaa, o Carlos Santos do CB de Cabo Ruivo e a Josefa Santos do CB de Lourosa continuam presentes connosco, neste enorme desafio de combater e extinguir mais de 400 incndios com que diariamente alguns pretendem destruir as nossas florestas.

    Como possvel nos dias normais, fora das tragdias, no ouvirmos falar destes e de outros heris que so o que de melhor Portugal tem?

    Meus Caros, Joo, Carlos e JosefaVocs simbolizam a grandeza dos Bombeiros

    de Portugal. A vossa coragem e o sacrifcio supremo da ddiva da vida, devem ser exemplo e subsistir para sempre na nossa memria colectiva.

    Em nome de todos ns, em nome de todos os que direta ou indiretamente usufruram da vossa atuao, da vossa generosidade, das vossas capacidades, que vos acompanharam nas tarefas de combate aos incndios florestais, quero dizer-vos, companheiros, onde quer que estejam

    Obrigado!

    Paulo Gil Martins, Comandante Operacional Nacional

    Na ltima semana de julho e duas primeiras de agosto, o territrio continental foi assolado por uma vaga de incndios de grande intensidade. Muitos foram os homens e mulheres, dentro e fora do Dispositivo, que enfrentaram as chamas. Trs desses combatentes perderam a vida em prol de uma misso que abraavam abnegadamente.

    Carlos Santos, 2. Cmdt. B.V. Cabo Ruivo

    Fora DE C I F!

    Acredito que o pior momento j passou e desejo que assim seja. O final de julho e as duas primeiras semanas de agosto registaram as temperaturas mais altas das ltimas dcadas. Foi preciso enfrentar e dominar centenas de incndios todos os dias. O dispositivo respondeu com uma entrega total, sem regatear esforos, e mostrou a sua capacidade, o seu profissionalismo, a sua determinao.

    Infelizmente, temos a lamentar a terrvel e dolorosa perda do comandante Carlos Santos, do subchefe Joo Pombo e da bombeira Josefa Santos, para alm dos feridos graves para os quais desejamos pronta recuperao. Todos merecem a nossa homenagem e o nosso respeito.

    Durante algumas semanas mais, o risco de incndio continua elevado. No podemos desmobilizar! Sei que todos encontraro as energias necessrias para prosseguir o combate enquanto for necessrio. Sado essa determinao.

    Sado igualmente o empenhamento das foras de segurana e da Polcia Judiciria, que tem permitido a deteno de vrios criminosos que provocam incndios. No lhes podemos dar trguas.

    A todos os Bombeiros portugueses, aos Canarinhos, aos GI PS e demais militares da GN R empenhados no combate aos incndios, aos sapadores florestais e vigilantes da natureza, aos elementos do GAU F, s tripulaes das aeronaves, aos comandantes operacionais e outros quadros da A N PC, enfim, a todos quantos tm feito parte deste exrcito incansvel e destemido, uma palavra de reconhecimento e de alento para o que ainda poderemos ter que enfrentar.

    Vasco Franco, Secretrio de Estado da Proteco Civil

    Joo Pombo, Subchefe B.V. Alcobaa Josefa Santos, Bombeira 3. Classe B.V. Lourosa

  • N O T C I A S

    P R O C I V . P.3Nmero 30, setembro de 2010

    2.

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M A I durante o discurso

    no 80. aniversrio

    da L B P

    Marques Valentim-LBP

    1.

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    Criada estrutura poltica de acompanhamento dos incndios florestais

    Por iniciativa do Secretrio de Estado da Proteco Civil foi criada uma Estrutura Poltica de Acompanhamento dos Incndios Florestais no mbito dos Ministrios da Administrao Interna, da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e do Ambiente e Ordenamento do Territrio.

    A Estrutura Poltica constituda por repre-sentantes das Secretarias de Estado da Proteco Civil, das Florestas e do Desenvolvimento Rural e do Ambiente e assessorada por um grupo tcnico constitudo por elementos da A N PC, da GN R /SEPNA, da A F N e do ICN B.

    A sua misso a de acompanhar a nvel poltico a ao dos diferentes agentes de proteo civil, contribuindo para a identificao de eventuais dificuldades de articulao e propondo as solues normativas que se justificarem no sentido de otimizar o esforo de proteo da floresta.

    2.

    Presidente da Repblica,

    Primeiro Ministro

    e Ministro da Adminis-

    trao Interna no

    briefing operacional

    1.

    80. Aniversrio da Liga dos Bombeiros Portugueses

    A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) assinalou, no dia 18 de agosto, o seu 80. aniversrio, com uma cerimnia presidida pelo Ministro da Administrao Interna. A sesso contou ainda com a presena do Governador Civil de Lisboa, Antnio Galamba, da Diretora Nacional de Bombeiros, em representao da Autoridade Nacional de Proteco Civil, Susana Silva, do Comandante Operacional Nacional, Gil Martins, e do Vereador da Cmara Municipal de Cascais responsvel pela proteo civil, Pedro Mendona.

    A N P C recebe Deputados da Comisso de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas

    No mbito da Fase Charlie do Dispositivo Especial de Combate a Incndios Florestais 2010, os Deputados da Comisso de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas da Assembleia da Repblica participaram, no dia 3 de agosto, no briefing tcnico operacional do Comando Nacional de Operaes de Socorro, da Autoridade Nacional de Proteo Civil, para se inteirarem da evoluo dos incndios florestais no pas. O briefing foi presidido pelo Secretrio de Estado da Proteo Civil, Vasco Franco.

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .