Coleção de Textos - Ivo Tonet - Final3

  • View
    281

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Coleção de Textos - Ivo Tonet - Final3

  • Coleo de Textos Ivo Tonet

    Salvador Macei 23/08/2012

  • x ndice de Textos Cincia/Categorias

    1. A Crise das Cincias Sociais

    2. Cidadania ou Emancipao Humana? 3. Cidado ou Homem Livre?

    4. Cincia: quando o Dilogo se Torna Impossvel 5. Do Conceito de Sociedade Civil 6. tica e Capitalismo

    7. Interdisciplinaridade, Formao e Emancipao Humana 8. Mercado e Liberdade 9. Modernidade, Ps-Modernidade e Razo 10. Para Alm dos Direitos Humanos

    11. Pluralismo Metodolgico: Falso Caminho

    Educao

    1. A Educao Numa Encruzilhada 2. Educao e Concepes de Sociedade

    3. Educao e Formao Humana 4. Educao e Revoluo 5. Educar para a Cidadania ou para a Liberdade 6. Um Novo Horizonte para a Educao

    7. Universidade Pblica o Sentido da Nossa Luta

    Esquerda/Marxismo/Atualidade

    1. As Tarefas dos Intelectuais, Hoje

    2. Crise Atual e Alternativa Socialista

    3. Descaminhos da Esquerda: da Centralidade do Trabalho Centralidade do Poltica (Com Adriano Nascimento)

    4. Eleies: Repensando Caminhos

    5. Esquerda Perplexa

    6. Expresses Scio-Culturais da Crise Capitalista na Atualidade

    7. Introduo a Filosofia de Marx (Com Srgio Lessa)

    8. Lukcs e as Esquerdas Brasileiras

    9. Marxismo e Democracia

    10. Marxismo e Educao

    11. Marxismo para o Sculo XXI

    12. O Batismo de Marx

    13. Para Alm das Eleies (Com Srgio Lessa e Belmira Magalhes)

    14. Qual Marxismo?

    15. Recomear com Marx

    16. Revoluo Francesa: de 1789 a 1989

    Prefcios/Introdues/Resenhas

    1. Introduo a Ideologia Alem Karl Marx 2. 3. Cristina Paniago 4. John Holloway 5. e a Herana Hegeliana. Lucio Colleti e o Debate Italiano (1945- ? ? ? ? Orlando Tambosi 6. Utopia Mal Armada

    Trabalho/Socialismo

    1. O grande Ausente

    2. Sobre o Socialismo

    3. Socialismo e Democracia

    4. Socialismo: Obstculos a uma Discusso 5. Trabalho Associado e Revoluo Proletria

    6. Trabalho, Educao e Luta de Classes (Prefcio)

  • Cincia e Categorias

  • !# !%%

    &(%)+ ,,% !(%

    ! +

    % % % + %.

    ((%%+ %%/ +

    %

    .

    (% !

    /%.%.+

    0

    1

    %% !2% !3 4 3 ! , +./+ ! /% 5#(

    .566 66

    4 !1.66 ! 7 ,

    %

    +.

    , 3+5,

    5/+(, !

    5

    5 +% % 66

    ,/%

    !

    ,

    !

    ,

    /(%3 %+

    18

    !!%%/9#

    9:

    ;:

  • .+(5% 5

    (% + ,

    / ( .%%

    %%/

    /7,%(%,%%/ %/

    >(%

    &.(%) %%

    % ,

    %

    (%+/+

    %,

    4%+

    +.

    1 ( . : + (% , %. !

    %8

    +

    !

    ,

    .

    %

    &

    % %%+

    ?

    %

    ?0;%.

    %

    %, ! % 1 % % %

    % 7

    +

    +

    %

    ,%(%

    %,

    9,4

    %).%

    8

    %

    %+

    % #%

    5#

    1/, /

    %

    ,595

    /% (%%%

    4/#///% !+. ,(% %

    %+

    %

  • (

    . . 5 7 =+/%/.

    ,,/+ (

    ( %, ,

    ,

    ,

    /

    (,

    %

    ,/+

    %=

    %%

    14

    %

    /%

    %,1 %%,!)( , !,; +%

    %%

    ! 4+ %%%/(

    9 !%%5,5.

    +

    %(%//7%,,

    7 %

    ,

    %

    %+

    3%

    =, ,

    /.

    /

    #

    5%5

    %

    +(

    , ! + % %

    ,

    1 ,

    %

    !

    %,

    !,/.

    , %%

    %.

    7

    /.

    %%

  • 53

    !/+

    %//.

    (+.+%4

    % %/%

    . % %%,+. +%7 !%

    !,%

    +%#

    ;(3

    + %, 1/, ! ,3

    %, %

    , / % %9,(%

    %&/%

    %

    %%(,%

    (/

    .%,. % 4

    + / ,/

    9+%,

    ,%.%+

    7

    % %% / 5 ,

    (5

    %

    %,%(+

    %

    + 11/00

    ,/ =, (

    +(5

    , 55,+%)(///

    %

    +

    5/

    /

    5%

    ,

    /%

    (()=(()((+% ,

    ((((

    ,

    %( % 9(3!%/.%,

    (%

    %(,/%%2%,=,0>

  • ,

    ,

    % +2

    ( ( . ! % %%(

    ?>;%.

    ,%.%%

    / (%%.!3%

    %

    ,3 .%, 9%+,/%%%% % % %% %%

    , =, %(

    =,

    / (%/%

    4%%%2%%//, ! ,

    %

    %

    ,=,

    /%

    //

    . %%%%=,

    %=,%%,%/(.%(,/%. ,.=,%+(=, . 8

    !

    %

    %

    %%.3%1 ! %

    %(% !

    % % %%

    % , (

    ,5 , 5 %

    , /.

    2%,

    %2

    ,(.%+9%

    /%%/

    /0 3

    %

  • =

    !%)2

    .)9/

    .%,,

    %9(

    .

    (%

    . . %(%%

    /, .%/ % , %%+%%2 /%

    .

    ..

    /

    ,

    /+

    ( ,%

    ,)2. %,

    .

    %

    (

    , % %

    %+

    %%(% %

    / %

  • % %

    /2 / % ! +%

    5/%%53 !+

    !(

    % %

    3

    .

    (%

    +

    %

    %.+( % .

    +

    ,+( % 3 4 .(

    1

    % % 5 (

    5

    %

    3

    ;,

    /.

    %

    ,

    ,

    4%%%

    /

    %

    +%

    !/ 9

    , ( /%/

  • CIDADANIA OU EMANCIPAO HUMANA?

    Introduo Fala-se muito, hoje, em cidadania como se esse termo fosse sinnimo de liberdade tout

    court. Supe-se que lutar por um mundo cidado equivaleria a lutar por uma sociedade efetivamente livre e humana. Supe-se, tambm, que com a cidadania, que certamente inseparvel da democracia, se haveria descoberto a forma mais aperfeioada possvel da sociabilidade.No porque ela fosse perfeita, mas porque estaria indefinidamente aberta a novos aperfeioamentos.

    Ao contrrio, parece-nos equivocado pensar que a cidadania expressa a forma superior da liberdade humana. Por suas origens e sua funo na reproduo do ser social, ela representa uma forma de liberdade, certamente muito importante, mas essencialmente limitada. Ao nosso ver, a efetiva emancipao humana , por seus fundamentos e sua funo social, algo radicalmente distinto e superior cidadania, que parte integrante da emancipao poltica. da mxima importncia esclarecer, hoje, essa distino se queremos que a luta social esteja orientada no sentido da superao dessa forma desumanizadora de sociabilidade, cujas razes se encontram no capital. Por sua vez, esse esclarecimento supe a busca da natureza mais ntima da cidadania e da emancipao humana. o que nos propomos fazer brevemente nesse texto.

    1. O ponto de partida O caminho mais comum, quando se pretende entender a questo da cidadania, tentar

    refazer a sua trajetria histrica. No cremos que esse seja, de fato, o melhor caminho. Sem dvida, o conhecimento da histria muito importante. No entanto, o processo histrico algo muito complexo e variado. Como evitar que nos percamos em meio a essa complexidade e variedade de aspectos? Precisamos de um fio condutor que nos permita compreender a lgica do processo histrico. Esse fio, ao nosso ver, so as determinaes gerais que caracterizam o processo de autoconstruo humana. Ou seja, a primeira pergunta no pode ser a respeito do que a cidadania, mas a respeito do que o homem, do que so essas determinaes fundamentais que demarcam o processo de tornar-se homem do homem. Esse o caminho que nos parece mais adequado para compreender todo e qualquer fenmeno social.

    Na perspectiva marxiana, esse fio tem como ponto de partida o ato que, para Marx, o ato originrio do ser social, vale dizer, o ato do trabalho. Segundo ele, se queremos respeitar o processo real temos que partir no de especulaes ou fantasias, mas de fatos reais, empiricamente verificveis, ou seja, dos indivduos concretos, o que fazem, as relaes que estabelecem entre si e suas condies reais de existncia. E o primeiro ato dos homens

  • exatamente o ato de trabalhar. Somente desse modo, seremos capazes de capturar as determinaes fundamentais que caracterizam o ser social e seu processo de reproduo. O exame rigoroso do ato de trabalho permite a Marx perceber que este se compe de dois momentos: a teleologia e a causalidade. Dois momentos, ressalte-se, de igual estatuto ontolgico. Ou seja, de um ponto de vista ontolgico, a conscincia to importante como a realidade objetiva. Trabalhar , portanto, conceber antecipadamente o fim que se pretende alcanar e atuar sobre a natureza para transform-la segundo esse objetivo. Por outro lado, ao transformar a natureza, o homem cria, ao mesmo tempo, o seu prprio ser. Tanto Marx, como Lukcs insistem em que por

    intermdio do ato do trabalho que se realiza o salto ontolgico do ser natural para o ser social. A partir dessa anlise mais rigorosa da estrutura ontolgica do trabalho, pode-se perceber

    que o ser social um ser radicalmente histrico e social. Isso quer dizer que nada existe, no ser social, que seja imutvel; que a totalidade deste ser sempre o resultado dos atos humanos. Como conseqncia, nenhum tipo de ordem social pode afirmar a sua insuperabi