Click here to load reader

Curso de Auriculoterapia - iees.com.br · PDF fileCurso de Auriculoterapia MÓDULO II Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este

  • View
    234

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of Curso de Auriculoterapia - iees.com.br · PDF fileCurso de Auriculoterapia MÓDULO II...

  • Curso de Auriculoterapia

    MDULO II

    Ateno: O material deste mdulo est disponvel apenas como parmetro de estudos para este Programa de Educao Continuada, proibida qualquer forma de comercializao do mesmo. Os crditos do contedo aqui contido so dados aos seus respectivos autores descritos na Bibliografia Consultada.

  • MDULO II

    2. HISTRICO DA AURICULOTERAPIA

    Dentro dos microssistemas da Acupuntura, a Auriculoterapia nos dias

    atuais, um dos mais populares, isso no somente na China e no Oriente, mas

    tambm em todo Ocidente. O mtodo sobre-saio s outras tcnicas pelos seus

    resultados obtidos e por ser geralmente pouco invasivo, o que agrada os pacientes.

    A Auriculoterapia Chinesa tem sofrido algumas limitaes no Ocidente,

    principalmente pela dificuldade na traduo de textos escritos no idioma chins

    sobre a temtica, o qual limita em grande parte o intercmbio de informao entre a

    China e o resto do mundo e tambm a incredulidade dos setores mdicos ocidentais

    sobre a Medicina Tradicional Chinesa e claro, sobre a auriculoterapia.

    Grado passo, e de extrema importncia para o fortalecimento da

    Auriculoterapia, foi dado pelo professor Nogier da Frana, que dedicou muitos anos

    de sua vida ao estudo do mtodo, publicando livros e artigos.

    O nome mais recente que merece destaque dentro da Auriculoterapia a

    professora Huang Li Chun, pela sua experincia acumulada em investigaes

    ininterrupta em busca de resultados nessa rea.

    A Auriculoterapia uma tcnica da Acupuntura, que usa o pavilho auricular

    para efetuar tratamentos teraputicos, usando do reflexo que a aurcula exerce

    sobre o sistema nervoso central.

    O uso desta tcnica como objetivo teraputico vem desde a antiguidade, no

    Oriente e na Europa Antiga. Existem relatos de que as mulheres do antigo Egito

    usavam pontos auriculares como forma de anticoncepcionais, isto no sculo 2500 a.

    C. Outros relatos, como os escritos por Hipcrates, e traduzidos em 1851 por Litfre,

    dizem que as incises efetuadas no pavilho auricular do homem produziam

    ejaculao escassa, inativa e infecunda. Ainda, escreveu que existia uma regio do

    dorso da orelha, que ao ser picada curava a impotncia masculina.

    16 Este material deve ser utilizado apenas como parmetro de estudo deste Programa. Os crditos deste contedo so dados a seus respectivos autores

  • O mesmo Hipcrates ao escrever o O Livro das Epidemias, indicava a

    puno com estiletes nos vasos auriculares para o tratamento de processos

    inflamatrios.

    A principal obra da acupuntura, o livro Hung Ti Nei Ching, escrito h mais

    de 5000 anos, traz relatos de que o pavilho auricular um rgo isolado que

    mantm relaes com os demais rgos e regies do corpo atravs do reflexo

    cerebral.

    A localizao e a nomenclatura dos pontos foram sendo introduzidas

    conforme eram intensificados os estudos e as observaes aurcula-orgo, aurcula-

    funo orgnica, aurculas-posio anatmicas.

    Houve uma poca em que o Dr. Paul Nogier, introduziu alteraes na

    localizao e no nmero de pontos. Passou a ser conhecida como a Auriculoterapia

    Francesa, mas existem os que duvidem e no trabalham com essa nova

    nomenclatura, pois, o sistema clssico chins fruto de observaes milenares.

    Fig. 01. Relao do pavilho auricular com o ser humano.

    17 Este material deve ser utilizado apenas como parmetro de estudo deste Programa. Os crditos deste contedo so dados a seus respectivos autores

  • 2.1 DESENVOLVIMENTO ATUAL

    Depois da fundao da nova China, houve um amplo, forte e rpido

    desenvolvimento de toda a medicina local, o que ajudou que no final dos anos 80

    fosse a Auriculoterapia intitulada como uma especializao dentro da acupuntura.

    Na dcada de 50, o desenvolvimento da Auriculoterapia muito fraco e

    pobre, mesmo que ainda chama-se bastante a ateno na poca. Por volta de

    dezembro de 1958, Ye Xiao Wu publicou numa revista de Shangai alguns estudos

    realizados pelo mdico francs Dr. Paul Nogier, sobre a relao de certas zonas do

    pavilho auricular com os rgos internos. Foi Nogier o primeiro a representar a

    orelha como um feto em posio pr-natal. Foi o surgimento deste mapa que

    impulsionou os mdicos chineses a comear um estudo profundo sobre a

    auriculoterapia.

    Em 1960, o mdico chins Xu Zuo Lin, publicou um trabalho realizado com

    255 pacientes, mostrando que conseguiu descobrir 15 pontos na aurcula e mostrar

    seus excelentes resultados na experincia clinica.

    18 Este material deve ser utilizado apenas como parmetro de estudo deste Programa. Os crditos deste contedo so dados a seus respectivos autores

  • Fig. 02. Mapa de Xu Zuo Lin.

    Fonte: GARCIA, 1999.

    Na dcada de 60 at o final da dcada de 70, o estudo sobre a

    Auriculoterapia foi aprofundado em busca da afirmao da localizao dos pontos.

    Em 1970, foi editado um mapa de acupuntura juntamente com um mapa de

    auriculoterapia que continha 107 pontos. Em 1971, o Instituto Cientfico de

    Investigaes Biolgicas da China, editou um livro que continha um mapa de

    19 Este material deve ser utilizado apenas como parmetro de estudo deste Programa. Os crditos deste contedo so dados a seus respectivos autores

  • auriculoterapia com 112 pontos. Em 1972, o Dr. Wang Zhong Tang escreve um livro

    em que demonstra 131 pontos. E isso foi sendo alterado constantemente nesta

    poca, isso, devido quantidade de experincias que eram realizadas na poca.

    Eram estudos minuciosos das diferentes reaes do pavilho auricular. Esta grande

    variedade de estudos teve tambm seu lado negativo, onde surgiam discusses e

    controvrsias na localizao e na funo de alguns pontos. Mas por outro lado,

    possibilitou a criao de um Esquema padro dos pontos auriculares.

    As dcadas de 60 e 70 foram extremamente importantes no

    desenvolvimento da auriculoterapia, no somente no que se diz respeito

    localizao dos pontos, mas tambm na descrio das funes dos pontos. Motivo

    esse, que levou a validar em torno de 150 patologias como tratveis pela

    auriculoterapia.

    Na dcada de 80 foram dados novos passos nas investigaes sobre o

    mtodo. Surgiram os estudos dos mecanismos fisiolgicos, anatomia, do sistema

    nervoso, dos fluidos corporais, entre outros.

    Em 1982 surgiu na China o Grupo Nacional de Trabalho em Auriculoterapia,

    em 1984, em Kun Ming Shao, realizou-se a Assemblia Nacional para o estudo da

    Auriculoterapia e Craniopuntura. Em 1987, com a criao do Grupo Nacional para a

    Investigao em Auriculoterapia que surgiu um mapa padro dos pontos

    auriculares.

    3. MECANISMOS DE AO DA AURICULOTERAPIA

    Na prtica clnica tem se verificado que ao estimular um ponto auricular,

    podemos nos deparar com diferentes manifestaes sentidas pelo paciente, como,

    sensao de corrente de energia que percorre o corpo, calor que reflete em algumas

    partes do corpo entre outras.

    No h dvida que a rica inervao do pavilho auricular tem grande peso

    na obteno de resultados teraputicos atravs do uso dos pontos auriculares. O

    pavilho auricular est inervado principalmente por nervos espinhais do plexo

    20 Este material deve ser utilizado apenas como parmetro de estudo deste Programa. Os crditos deste contedo so dados a seus respectivos autores

  • cervical como o auricular maior e o occipital menor e por nervos cerebrais como o

    auriculotemporal, facial, glossofarngeo, ramos do vago e simptico.

    Esses nervos descritos acima se ramificam e distribuem-se por todo

    pavilho auricular, conectando assim ao sistema nervoso central:

    O nervo auriculotemporal parte do ramo inferior do trigmeo,

    apresentando relao com os movimentos de deglutio e sensibilidade da face e da

    cabea, como tambm se relaciona a medula espinhal;

    O nervo facial controla o movimento dos msculos superficiais da face e

    da regio das adenides;

    Do bulbo raquidiano partem o nervo Vago e o Glossofarngeo, que

    controlam o centro respiratrio, o centro cardaco, o centro vasomotor e o centro das

    secrees salivares;

    O nervo auricular maior e o occipital menor comandam as atividades do

    tronco e os quatro membros, os movimentos msculos-esquelticos e os

    movimentos dos rgos e vsceras;

    Assim fica claro como podemos influenciar todo o restante do corpo.

    O pavilho auricular, em suas faces anterior e posterior sulcado por

    inmeros filetes nervosos e por uma circulao sangunea constituda por extensa

    malha de vasos capilares. Estes so mais numerosos na superfcie da aurcula,

    enquanto que os filetes nervosos so mais profundos.

    21 Este material deve ser utilizado apenas como parmetro de estudo deste Programa. Os crditos deste contedo so dados a seus respectivos autores

  • Fig. 03. Mecanismo de ao da auriculoterapia;

    22 Este material deve ser utilizado apenas como parmetro de estudo deste Programa. Os crditos deste contedo so dados a seus respectivos autores

  • Segundo Lowe (1973), cita que a orelha possui inervao abundante e

    signific

Search related