D.civil - Bem de Família

Embed Size (px)

DESCRIPTION

resumo sobre bem de família

Text of D.civil - Bem de Família

DIREITO CIVIL II

DIREITO CIVIL IIProf. Carlos Eduardo Nicoletti Camillo

Bem de Famlia 02/08/2012

BEM DE FAMLIA

1. Relembrando a definio de BENS do Cdigo Civil:

Segundo Clovis Bevilqua bens significa: valores materiais ou imateriais que servem de objeto na relao jurdica.

BEM DE FAMLIA

2. Do Bem de Famlia

Uma poro de bens definidos que a lei ampara e resguarda em benefcio da famlia e da permanncia do lar, estabelecendo a seu respeito a impenhorabilidade limitada e uma inalienabilidade relativa.

BEM DE FAMLIA3. Origem do Bem de Famlia

A origem do instituto do bem de famlia remonta ao advento do Homstead Exemption Act, de 26.01.1839, na Repblica do Texas, quando ainda fazia parte do Mxico e a sua finalidade primitiva era a de incentivar a fixao do texano sua terra, com vista formao de uma grande civilizao. A finalidade do instituto destinava-se proteo especial sobre as propriedades agrcolas, ao terreno na cidade e, bem assim, os elementos que faziam parte desses bens, tais como benfeitorias, moblias, entre outros, livrando-os de qualquer execuo judicial de modo a evitar a runa da famlia.

BEM DE FAMLIAPela Lei do Homestead, no seria possvel aos credores,principalmente aos bancos, penhorar e leiloar os imveis, as residncias, para que eles se sentissem incentivados a comear de novo.

Quer dizer, eles j no ficariam ao relento e isso talvez os motivassem a recomear as suas vidas. A ideia era fixar o colono no Texas, evitando que ele voltasse aos seus locais de origem. E foi exatamente o que ocorreu.

BEM DE FAMLIANo Brasil, o instituto do bem de famlia voluntrio foi introduzido por ocasio do Cdigo Civil por CLVIS BEVILACQUA, dado o carter social do instituto.

No final dos anos 80, foi crescente a jurisprudncia ampliando-se a abrangncia do instituto, sobretudo para proteger a famlia que no havia erigido o bem de famlia voluntrio.

No incio dos anos 90 editada a Lei 8.009/90, dispondo sobre o bem de famlia legal.

BEM DE FAMLIAAtualmente, o CC em vigor dispe do bem de famlia voluntrio nos artigos 1.711 a 1.722, convivendo-se harmoniosamente com o bem de famlia legal, previsto na Lei 8.009/90.

BEM DE FAMLIA3. Fundamentos do Bem de Famlia

Alm da garantia constitucional do direito moradia, o bem de famlia protege, apropriadamente, o ncleo familiar, preservando um patrimnio mnimo que garanta a sua dignidade.

Art. 226, caput, da CF: A famlia, base da sociedade, tem especial proteo do Estado.

Aplicao para construo de uma sociedade mais justa e mais igualitria.

BEM DE FAMLIA4. Espcies

(A) Voluntrio fruto da vontade, livre e consciente, dos entes que compem a entidade familiar. Previso: CC, arts. 1.711 a 1.722

(B) Legal proteo que decorre diretamente do Estado, na forma da Lei 8.009/91, independentemente da vontade das pessoas que compem a entidade familiar.

BEM DE FAMLIA5. Bem de Famlia Voluntrio

5.1. Como institudo manifestao da vontade, formalizada mediante escritura pblica ou testamento, que dever ser objeto de registro perante o Registro de Imveis (arts. 1.711 / 1.714, CC)

Nota Devero ser observados os requisitos procedimentais previstos nos arts. 260 a 265 da Lei de Registros Pblicos (Lei 6.015/73), com nfase para a publicao mediante edital.

5.2. Quem pode institu-lo cnjuges ou entidade familiar (art. 1711, caput e terceiros, 1.711, pargrafo nico).

BEM DE FAMLIA

A famlia pelo Direito Civil brasileiro considera a unio matrimonial (art. 226, 1 da CF), casamento civil (por documento), unio estvel (art. 226, 1 da CF), monoparental (pais separados), e o STF j reconheceu a famlia homoafetiva, por meio da interpretao conforme a Constituio (ADPF 132/RJ, Rel. Min. Ayres Britto, j. 05/05/2011).

BEM DE FAMLIAINTERPRETAO DO ART. 1.723 DO CDIGO CIVIL EM CONFORMIDADE COM A CONSTITUIO FEDERAL (TCNICA DA INTERPRETAO CONFORME). RECONHECIMENTO DA UNIO HOMOAFETIVA COMO FAMLIA. PROCEDNCIA DAS AES. Ante a possibilidade de interpretao em sentido preconceituoso ou discriminatrio do art. 1.723 do Cdigo Civil, no resolvel luz dele prprio, faz-se necessria a utilizao da tcnica de interpretao conforme Constituio. Isso para excluir do dispositivo em causa qualquer significado que impea o reconhecimento da unio contnua, pblica e duradoura entre pessoas do mesmo sexo como famlia. Reconhecimento que de ser feito segundo as mesmas regras e com as mesmas consequncias da unio estvel heteroafetiva.

BEM DE FAMLIA5.3. Objeto do bem de famlia consistir em prdio residencial urbano ou rural, com suas pertenas e acessrios, destinando-se, em ambos os casos a domiclio familiar, e poder abranger valores mobilirios, cuja renda ser aplicada na conservao do imvel e no sustento da famlia (1.712)

5.4. Limitaes No poder ultrapassar um tero do patrimnio lquido existente ao tempo da instituio. (1.711)

E os bens de famlia no podero ter destinao diversa daquela prevista no art. 1.712 (prdio residencial urbano ou rural, que se destina ao domiclio familiar).

BEM DE FAMLIA5.5. Eficcia do bem de famlia

Iseno de execuo por dvidas posteriores sua instituio, salvo as que provierem de tributos relativos ao prdio ou de despesas de condomnio. (art. 1.715 e 1.716).

5.6. Administrao compete a ambos os cnjuges, salvo ato de disposio em sentido contrrio por ocasio da sua instituio. Com o falecimento de ambos os cnjuges, a administrao passar ao filho mais velho (se capaz) Art. 1.720, CC.

BEM DE FAMLIA5.7. Extino

(A) Por deciso judicial, na hiptese de impossibilidade de sua manuteno nas condies em que foi institudo (art. 1.719) e

(B) Com a morte de ambos os cnjuges e a maioridade dos filhos, desde que no sujeitos curatela (art. 1.722)

[A dissoluo do matrimnio no extingue o bem de famlia art. 1.721]

BEM DE FAMLIA6. Bem de Famlia Legal: Decorre da LEI e no da vontade das partes.

6.1. Objeto de proteo: Imvel residencial prprio do casal ou da entidade familiar, bem como as plantaes, benfeitorias de qualquer natureza e todos os equipamentos, inclusive os de uso profissional, ou mveis que guarnecem a casa (art. 1, Lei 8.009/90).

6.2. Excluso da proteo: os veculos de transporte, obras de arte, adornos suntuosos e outros imveis pertencentes ao casal ou entidade familiar (art. 5, hiptese em que a impenhorabilidade recair sobre o imvel de menor valor).

BEM DE FAMLIA6.3. Eficcia

Impenhorabilidade, oponvel em qualquer processo de execuo civil, fiscal, previdenciria, trabalhista ou de outra natureza, salvo se movido:

BEM DE FAMLIAI - em razo dos crditos de trabalhadores da prpria residncia e das respectivas contribuies previdencirias;II - pelo titular do crdito decorrente do financiamento destinado construo ou aquisio do imvel, no limite dos crditos e acrscimos constitudos em funo do respectivo contrato;III -- pelo credor de penso alimentcia;IV - para cobrana de impostos, predial ou territorial, taxas e contribuies devidas em funo do imvel familiar;V - para execuo de hipoteca sobre o imvel oferecido como garantia real pelo casal ou pela entidade familiar;VI - por ter sido adquirido com produto de crime ou para execuo de sentena penal condenatria a ressarcimento, indenizao ou perdimento de bens.VII - por obrigao decorrente de fiana concedida em contrato de locao.

BEM DE FAMLIAOutras hipteses de excluso:

Art. 4 No se beneficiar do disposto nesta lei aquele que, sabendo-se insolvente, adquire de m-f imvel mais valioso para transferir a residncia familiar, desfazendo-se ou no da moradia antiga. 1 Neste caso, poder o juiz, na respectiva ao do credor, transferir a impenhorabilidade para a moradia familiar anterior, ou anular-lhe a venda, liberando a mais valiosa para execuo ou concurso, conforme a hiptese. 2 Quando a residncia familiar constituir-se em imvel rural, a impenhorabilidade restringir-se- sede de moradia, com os respectivos bens mveis, e, nos casos do art. 5, inciso XXVI, da Constituio, rea limitada como pequena propriedade rural.