Exercicio redação oficial

Embed Size (px)

Text of Exercicio redação oficial

  • 1. EXERCCIOS DE REDAO OFICIAL Viviane Faria Lopes Nunesvivifariaprof@gmail.comQuesto 1 Assinale V ou F para as afirmativas abaixo. 1. Os possessivos seu, sua e as variaes pronominais o e lhe no devem ser empregados quando se usa as formas de tratamento altamente cerimoniosas de Excelncia e Eminncia. 2. Pode-se abreviar os tratamentos Vossa Excelncia e Sua Excelncia, quando aplicados ao Presidente da Repblica. 3. Os possessivos vosso(s) e vossa(s) so incompatveis com as formas de reverncia Vossa Excelncia e Vossa Senhoria. 4. O tratamento Vossa dado somente a funcionrio ou funcionrios de categoria no inferior de quem assina o ato administrativo.Questo 2 Observe as expresses abaixo a marque V ou F de acordo com a obedincia s exigncias da norma culta da escrita. 1. ... somos obrigado a enfatizar este ponto de vista, no presente parecer... 2. ... pedido j encaminhado ao Sr. Itamar Augusto Cautiero Franco, Embaixador do Brasil em Portugal... 3. ... e segundo determinou a Sua Excelncia, o Presidente da Repblica... 4. ... enviamos para exame de V. Exa., Sr. Diretor...Questo 3 Considerando o tratamento e o vocativo que se lhe segue, assinale o incorreto. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.Excelncia Excelentssimo Senhor Magnificncia Magnfico Reitor Reverendssima Reverendssimo Monsenhor Reverncia Reverendo Padre Senhoria Ilustrssimo Senhor Meritssimo Meritssimo Juiz Santidade Santssimo Padre Eminncia Eminentssimo Senhor CardealQuesto 4 Julgue as seguintes afirmaes em V ou F. 1. As expresses senhor e senhores devem ser escritas por extenso no corpo da redao oficial, acompanhados ou no por cargo ou nome. 2. O ttulo doutor pessoal e no pode referir-se a um cargo ou funo. 3. Vossa Excelncia Reverendssima usado em comunicaes dirigidas a arcebispos e bispos.

2. 4. Vossa Reverendssima ou Vossa Senhoria Reverendssima usado em comunicaes dirigidas a cardeais. 5. Em comunicaes oficiais, est abolido o uso do tratamento dignssimo.Questo 5 Assinale a(s) opo(es) correta(s). 1. Usam-se as abreviaturas Sr., Srs. quando seguidas de nome ou cargo exercido pelo destinatrio. 2. No h qualificativos especficos antes de vocativos, nas expresses de tratamento. 3. Os pronomes de tratamento, em correspondncia dirigida aos Chefes de Poder, devem ser abreviados. 4. O tratamento nobre deve ser dado a funcionrios de alto escalo.Questo 6 Na redao de atos e comunicaes oficiais correto: 1. 2. 3. 4.repetir as mesmas palavras. utilizar palavras cognatas. usar a expresso Vossa Excelncia para Secretrio Nacional de Ministrio. utilizar expresses locais ou regionais.Questo 7 Julgue as afirmativas em V ou F: 1. Expressam-se os numerais por extenso quando constiturem uma nica palavra. 2. Escrevem-se os valores monetrios em algarismos, seguidos da indicao, por extenso, entre parnteses. 3. Escrevem-se as datas por extenso, com indicao do ano sem ponto ou espao entre a casa do milhar e da centena. 4. Expressam-se os valores monetrios por extenso, seguidos dos algarismos entre parnteses.Questo 8 O vocativo Excelentssimo Senhor empregado para todas as autoridades abaixo, exceto: 1. 2. 3. 4.Chefe do Poder Executivo Chefe do Poder Judicirio Chefe do Poder Legislativo Ministros de EstadoQuesto 9 Julgue os itens abaixo. 1. 2. 3. 4.O tratamento dignssimo foi abolido da redao oficial. O vocativo para Vossa Senhoria Senhor. O superlativo ilustrssimo no dado a quem recebe o tratamento Vossa Senhoria. Doutor uma forma de tratamento usual. 3. 5. As formas de cortesia utilizadas no fecho de uma correspondncia oficial so Respeitosamente ou Atenciosamente. 6. Expresso de tratamento o pronome ou locuo de que se serve uma pessoa para falar ou escrever a outra. 7. Quando se escreve, pela primeira vez, a uma autoridade deve-se encerrar a correspondncia com a expresso: Apresento a V. S., na oportunidade, os meus protestos de considerao e estima. 8. As abreviaturas Sr. e Srs. so usadas quando seguidas do nome ou cargo do destinatrio.Questo 10 Assinale a afirmao incorreta. 1. 2. 3. 4.O aviso a correspondncia dos Ministros de Estado com seus iguais ou subalternos. Os trs tipos de expedientes do chamado Padro Ofcio so: ofcio, aviso e memorando. A finalidade do edital anunciar ou tornar pblico fato que deve ser conhecido. Enquanto o memorando uma modalidade de comunicao entre unidades administrativas de um mesmo rgo, o ofcio pode ser entre rgos diferentes. 5. Num ofcio, o destinatrio nunca pode ser um cidado particular, mas somente um rgo pblico.Questo 11 Declarao legal, de fim comprobatrio, calcada em assentamentos, registros, documentos ou papis oficiais. A definio acima refere-se a: 1. 2. 3. 4. 5. 6.Aviso Ata Relatrio Certido Mensagem AtestadoQuesto 12 Na correspondncia oficial o resumo do que ser dito. Trata-se de: 1. 2. 3. 4. 5. 6.vocativo destinatrio assunto desfecho endereamento dataQuesto 13 Documento que contm dois pargrafos. No primeiro, normalmente constitudo de um s perodo, deve constar a identidade completa do peticionrio, inclusive a profisso, residncia e domiclio. No segundo, ocorre a forma terminal, em uma ou duas linhas. Ser redigido sempre na terceira pessoa. 4. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.memorando aviso carta correio eletrnico requerimento fax telegrama mensagemQuesto 14 Descrio circunstancial de fatos, acontecimentos ou atividades de carter tcnico-administrativo ou de carter cientfico. Envolve anlise a apresentao de sugestes, iniciativas ou normas de ao, de acordo com as concluses ou solues preconizadas como mais pertinentes. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.circular exposio de motivos relatrio ofcio decreto edital atestado abaixo-assinadoQuesto 15 Instrumento de comunicao interna, utilizado por dirigentes e chefes, numa empresa ou repartio pblica, atravs do qual so transmitidas informaes ou solicitaes de carter rotineiro. 1. 2. 3. 4. 5. 6.ata circular memorando relatrio edital correio eletrnicoQuesto 16 Documento destinado a registrar as ocorrncias de uma assemblia, sesso ou reunio. 1. 2. 3. 4. 5. 6.carta memorando relatrio fax ata telexQuesto 17 Instrumento de carter semi-oficial utilizado para responder a uma cortesia, fazer solicitao ou convite, externar agradecimentos ou transmitir informao. 5. 1. 2. 3. 4. 5. 6.correio eletrnico fax exposio de motivos carta requerimento telexQuesto 18 Modalidade de comunicao que, por sua velocidade e por ser, em princpio, menos oneroso, passou a ser adotado pelo Servio Pblico e substituiu, em muitos casos, outras formas de correspondncia. 1. 2. 3. 4. 5. 6.telex fax telegrama sedex carta circularQuesto 19 Instrumento de correspondncia oficial de que se utilizam os Ministros de Estado ou titulares de rgos pblicos diretamente subordinados ao Presidente da Repblica, para a ele se dirigirem, justificando proposies de alada dessas autoridades. 1. 2. 3. 4. 5. 6.exposio de motivos ofcio mensagem aviso memorando editalQuesto 20 (CESPE/UnB/Bilogo do Ministrio da Agricultura/2000) Assinale a opo em que o fragmento de ofcio apresenta inadequaes quanto ao padro exigido em correspondncia oficial. 1. Vimos informar que o Ministrio da Agricultura e do Abastecimento publicou portaria, assinada em 28/12/1999, declarando como zona livre de febre aftosa parte do Circuito Pecurio Centro-Oeste, formado pelo Distrito Federal e regies do Mato Grosso, Minas Gerais, So Paulo, Gois e Paran. 2. Esclarecemos, na oportunidade, que as regras estabelecidas para erradicar a aftosa no Centro-Oeste foram aprovadas pelos governos estaduais da regio, pelo governo federal e pela cadeia produtiva. Tais regras esto em conformidade com aquelas determinadas pelo Escritrio Internacional de Epizootia. 3. Como do conhecimento de Vossa Excelncia, o Ministrio da Agricultura e do Abastecimento encaminhou relatrio ao Escritrio internacional de Epizootia, pedindo o reconhecimento do Circuito Pecurio do Centro-Oeste como zona livre de aftosa. 4. Lembramos que, em 1992, tcnicos do Ministrio da Agricultura e das secretarias estaduais de agricultura modificaram as estratgias de combate febre aftosa, visando erradicao dessa doena. As aes foram regionalizadas, tendo por base os Circuitos Pecurios, e foi incorporada, como elemento principal, a participao da comunidade interessada em todas as fases do programa. 6. 5. importante esclarecer vocs que as aes de campo daquele Programa Nacional de Erradicao de Febre Aftosa, que eu j falei, so executadas diretamente pelas secretarias estaduais de agricultura ou rgos a elas vinculado. So 2.332 escritrios locais distribudos em todo pas para as aes de vigilncia epidemiolgica.Questo 21 (CESPE/UnB/Agente da PF/2000) A subchefia de assuntos jurdicos desse ministrio submeteu ao magnfico procurador-geral da repblica, Dr. Aristteles Scrates Plato, consulta sobre sua opinio pessoal a respeito de matria controversa que versa sobre os limites entre os direitos dos cidades e a esfera do poder pblico, no sentido de tornar clara, explcita e incontroversa a questo levantada pela prestigiosa comisso que investiga o recebimento de um excelente automvel zero quilmetro da marca Mercedez Benz pelo senhor chefe dos servios gerais do nosso ministrio para que seje investigado a fundo se o episdio pode ser considerado inflao do cdigo de tica recentemente promulgado pelo poder executivo. De acordo com o Manual de Redao da Presidncia da Repblica, a redao oficial deve caracterizar-se por impessoalidade, uso de padro culto da linguagem, clareza, conciso, formalidade e uniformidade. Em face dessa caracterizao e do fragmento de texto oficial acima, julgue os itens que se seguem. 1. Exceto pelo emprego de perodos sintticos longos, o fragmento respeita as normas de conciso e objetividade recomendadas pelo Manual de Redao da Presidncia da Repblica. 2. No fragmento, para que a caracterstica de clareza seja observada, deve no apenas ser reformulado o nvel sinttico como tambm deve haver mais preciso na organizao das idias. 3. Embora os nveis grfico e lexical estejam corretos, o texto desrespeita as regras do padro culto da linguagem no nvel