Funda§£o Indireta

  • View
    15

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Descrevendo o que é fundação indireta

Text of Funda§£o Indireta

SUMRIO

1 INTRODUO32 ESTACAS DE MADEIRA32.1 CARACTERSTICAS GERAIS42.1.1 QUANTO A CRAVAO43 ESTACAS METLICAS53.1 ETAPAS EXECUTIVAS53.2 VANTAGENS53.3 DESVANTAGENS63.4 FLAMBAGEM E CAPACIDADE DE CARGAS63.5 ESCOLHA DO MTODO DE CRAVAO73.6 PROBLEMAS QUE PODEM OCORRER74 ESTACAS PR MOLDADAS DE CONCRETO84.1 DESVANTAGENS84.2 VANTAGENS84.3 EMENDAS DAS ESTACAS94.4 NEGA95 ESTACA TIPO STRAUSS105.1 DESVANTAGENS105.2 VANTAGENS105.3 EQUIPAMENTO115.4 PROCESSO EXECUTIVO115.4.1 CENTRALIZAO DA ESTACA115.4.2 INCIO DA PERFURAO115.4.3 PERFURAO115.4.4 CONCRETAGEM125.4.5 COLOCAO DOS FERROS126 ESTACA TIPO FRANKI136.1 DESVANTAGENS136.2 VANTAGENS136.3 ETAPAS CONSTRUTIVAS146.4 ESTACAS TRADO MANUAL156.5 DESVANTAGENS156.6 VANTAGENS157 ESTACAS TRADO MECNICO167.1 RECOMENDAES167.1.1 CAPACIDADE DE CARGA178 ESTACA RAIZ178.1 PERFURAO178.2 ARMAO188.3 INJEO198.4 CONSIDERAES199 ESTACA MEGA209.1 ESTACA MEGA METLICA2010 ESTACA HLICE CONTNUA2010.1 METODOLOGIA EXECUTIVA2110.1.1 PERFURAO2110.1.2 CONCRETAGEM2110.1.3 COLOCAO DA ARMAO2210.2 EQUIPAMENTOS2210.3 CONTROLE EXECUTIVO2211 ESTACA BARRETE2311.1 METODOLOGIA EXECUTIVA2311.1.1 ESCAVAO2311.1.2 COLOCAO DA ARMADURA2411.1.3 CONCRETAGEM2411.2 PAREDE DIAFRAGMA PR MOLDADA2511.3 PAREDE DIAFRAGMA PLSTICA2512 CONSIDERAES FINAIS2613 BIBLIOGRAFIA27

1

1 INTRODUO

fundaes so os elementos estruturais com funo de transmitir as cargas da estrutura ao terreno onde ela se apoia. assim, as fundaes devem ter resistncia adequada para suportar s tenses causadas pelos esforos solicitantes. Alm disso, o solo necessita de resistncia e rigidez apropriadas para no sofrer ruptura e no apresentar deformaes exageradas ou diferenciais. para se escolher a fundao mais adequada, deve-se conhecer os esforos atuantes sobre a edificao, as caractersticas do solo e dos elementos estruturais que formam as fundaes. assim, analisa-se a possibilidade de utilizar os vrios tipos de fundao, em ordem crescente de complexidade e custos. fundaes bem projetadas correspondem de 3% a 10% do custo total do edifcio; porm, se forem mal concebidas e mal projetadas, podem atingir 5 a 10 vezes o custo da fundao mais apropriada para o caso.As Fundaes Indiretas so iniciadas a partir de uma sondagem da superfcie para identificao do solo. A escolha das melhores Fundaes Indiretas a serem utilizadas feita a partir de um estudo da funo das cargas de edificao e da profundidade da camada resistente do solo, identificada atravs da sondagem. A partir da definido qual das Fundaes Indiretas atende todos os critrios tcnicos com o menor custo e a maior segurana para ser utilizada na construo.

2 ESTACAS DE MADEIRA

As estacas de madeira, empregadas desde os primrdios da histria da construo civil, nada mais so do que troncos de rvores, os mais retos possveis, cravados no macio de solo. No Brasil, a madeira mais empregada o eucalipto, principalmente como fundao de obras provisrias. Para obras definitivas tem-se usado as denominadas madeiras de lei, como por exemplo a peroba, a aroeira, a moaranduba, o ip e outras.As estacas de madeira, empregadas como fundao indireta, so de madeira dura e resistente ao do tempo. Devem ser tratadas antes de enterr-las no solo com imunizadores contra insetos e fungos.O enterramento das estacas feito com um equipamento chamado bate-estaca, que suspende um peso e o deixa cair sobre a cabea da estaca, enterrando a cada batida.Para a cravao desse tipo de estaca, tem diversos equipamentos bate-estacas com martelos de queda-livre (2 a 7 toneladas) submetidos a um rigoroso controle de manuteno preventiva.2.1 CARACTERSTICAS GERAIS

Madeira macia, seo uniforme, dimetro entre 15 e 45 cm, comprimento de at 12 m, curvatura de at 2%, anel de cravao na cabea e ponteira metlica, evitar em terrenos com mataco e cota de arrasamento abaixo do nvel dgua.

VantagensDesvantagens

Baixo custoDeteriorao

Emenda fcilVariao do nvel dgua gera uma vida til de 5 anos

Facilidade de obtenoRecomenda-se madeira tratada

Fonte renovvelLimitao de tamanho

Vrios tamanhosReduzida carga estrutural

Flexibilidade

Resilincia

Conicidade natural

Adequa-se a solos cidos

2.1.1 QUANTO A CRAVAO

Analisar a vizinhanaAnalisar o solo a ser penetradoAnalisar as dimenses da estacaVibraoPrensagemPercusso Mais utilizadoUtiliza-se de bate-estacaRelao do martelo e peso da estaca maior possvelDeve-se medir a nega

3 ESTACAS METLICAS

As estacas metlicas enquadram-se na categoria das estacas de deslocamento, caracterizadas por sua introduo no terreno atravs de processo que no promova a retirada de solo. Produzidas industrialmente, so constitudas por peas de ao laminado ou soldado tais como perfis de seo I e H, chapas dobradas de seo circular (tubos), quadrada e retangular, bem como os trilhos, estes geralmente reaproveitados aps sua remoo de linhas frreas, quando perdem sua utilizao por desgaste. Tanto os perfis quanto os trilhos podem ser empregados como estacas em sua forma simples ou como composio paralela de vrios elementos.

3.1 ETAPAS EXECUTIVAS

- Locao sobre o terreno;-Cravao com bate-estacas de queda livre ou martelo hidrulicos;- Emenda/Solda. Concluda a cravao de um perfil, caso seja necessrio, ser emendado at que seja encontrada a cota adequada. Esta emenda ser feita por solda de topo e de 04 (quatro) talas dos perfis em relao s almas com o cuidado necessrio para que a resistncia da emenda seja, pelo menos, igual ao da seo da estaca;- Concluso da cravao pelo comprimento definido, ou critrio deparalizao (nega) ambos definidos em projeto.

3.2 VANTAGENS

- Fcil cravao, alta resistncia, adequao ao formato das paredes de conteno.- Integrao facilitada com a superestrutura da obra.- Elementos metlicos leves com comprimento padro facilitando sua estocagem na obra.- Permite as mais diversas composies, j que a flexibilidade na soldagem das peas adequando-se a diversos comprimentos, satisfaz uma variabilidade de tipos de solo.- Alto grau de eficincia em solos de difcil penetrao.- Facilidade no transporte e manuseio.- Cravao com martelos de queda livre, diesel, vibratrio, pneumtico e hidrulico.- Possibilidade de cravao sob altas tenses compressivas de choque.

3.3 DESVANTAGENS

Alto custo quando comparada s estacas pr-moldadas, estacas Franki e estacas Strauss; Atacvel por guas agressivas e solos corrosivos (pntanos, pontos alcalinos, solos contaminados);Para fabricao exige maquinrio especfico, a distncia entre fabricao e destino pode acarretar custos altos;

3.4 FLAMBAGEM E CAPACIDADE DE CARGAS

A NBR 6122/96 exige que seja verificada a flambagem apenas quando as estacas estiverem sua cota de arrasamento acima do nvel do terreno (levada em conta a eventual corroso) ou quando atravessarem solos moles. Normalmente no h flambagem em estacas comprimidas que permanecem totalmente enterradas.A capacidade de carga de uma estaca metlica varia de acordo com a sua seo/permetro e comprimento. A Capacidade de Carga Geotcnica a soma da parcela de carga por atrito lateral ao longo do fuste da estaca com a parcela de carga devido ponta da estaca.

3.5 ESCOLHA DO MTODO DE CRAVAO

As estacas metlicas podem ser cravadas com a utilizao de martelos de queda livre, martelos hidrulicos, martelos a diesel, martelos pneumticos e martelos vibratrios. A escolha de um ou outro martelo depende, principalmente, das caractersticas do solo, do comprimento da estaca e do nvel de barulho e vibrao. Da boa escolha do martelo resultar um melhor desempenho do processo de cravao, em particular quanto s vibraes e ao barulho que, hoje em dia em centros urbanos, acabam sendo a condicionante para a escolha do tipo de estaca e, quando cravada, do tipo de martelo.Qualquer que seja o martelo empregado, o controle da cravao feito, tradicionalmente pela nega1 , pelo repique e, em obras mais importantes, pelo ensaio de carregamento dinmico.

3.6 PROBLEMAS QUE PODEM OCORRER

Problemas de soldagem entre elementos, como uso de eletrodo inapropriado, cordo sem o comprimento necessrio ou tcnica de soldagem inadequada, provocando a quebra na cravao ou problema de transmisso de cargas estaca abaixo da solda.Emenda de estacas cravadas com problemas de dimensionamento, resultando resistncia insuficiente para cravao ou solicitaes de projeto, especialmente trao ou momento.Elementos muito esbeltos podem desviar da verticalidade durante a cravao, resultando em comprimentos surpreendentes, muito maiores do que os previstos, em algumas situaes no atingindo a nega especificada.Elementos esbeltos em solos moles, que apresentam problemas de estabilidade e flambam em casos especiais.Presena de obstrues e/ou excesso de energia de cravao, ou problemas de excentricidade do choque do martelo na estaca, provocando danos estruturais no elemento de fundao sendo executado. Tal situao pode induzir falsa nega, quebra no constatada da estaca ou limitao inadequada de comprimento, casos em que a carga transmitida pela estaca inferior de projeto.

4 ESTACAS PR MOLDADAS DE CONCRETO

As estacas pr-moldadas podem ser de concreto armado ou protendido, vibrado ou centrifugado, e concretadas em formas horizontais ou verticais. Devem ser executadas com concreto adequado e submetidas cura necessria para que possua resistncia compatvel com os esforos decorrentes do transporte, manuseio e da instalao, bem como resistncia a eventuais solos agressivos, atendendo s normas NBR 6118 e NBR 9062.

4.1 DESVANTAGENS

Dificuldades de transporte. Limitadas em seo e comprimento, devido ao peso prprio. Dificuldade de cravao em solos compactos, principalmente em areais compactas. Danos na cabea quando encontra obstruo. Cortes e emendas de difcil execuo. Exige determinao precisa de comprimento.

4.2 VANTAGENS

Durao ilimitada quando abaixo do N.A. Boa resistncia aos esforos de flexo e cisalh