GAO Normas de Auditoria Governamental - revisão 2003

  • View
    123

  • Download
    5

Embed Size (px)

Transcript

  • Pelo Controlador Geral dosEstados Unidos da Amrica

    Reviso 2003(Atualizada at setembro de 2005)

    Normas de AuditoriaGovernamental

    GAO

    Junho de 2003

    Escritrio de Accountability Governamental

    Tribunal de Contas do Estado da Bahia BrasiloSrie Tradues N 12

  • Junho de 2003 Normas de AuditoriaGovernamental

    Reviso 2003(Atualizada at setembro de 2005)

    Contendo:

    Emenda Tcnica s exigncias de EducaoProfissional Continuada dos auditores, de abrilde 2005.

    Orientao sobre o cumprimento das normasde auditoria governamental relativas aos padrespara o relatrio sobre o controle interno emauditorias de organizaes subordinadas sexigncias da Lei Sarbanes-Oxley, publicada emmaio de 2005.

    A presente reviso substitui a de 1994, sendo aplicvel s auditorias contbeisde perodos encerrados a partir de 1 de janeiro de 2004 e s auditoriasoperacionais iniciadas a partir daquela data. permitida a aplicao das presen-tes normas antes das mencionadas datas.

    GAOEscritrio de Accountability Governamental

    Pelo Controlador Geral dosEstados Unidos da Amrica

  • Traduo Pedro Humberto Teixeira Barretto ee Reviso: Jayme Baleeiro Neto

    Reviso Tcnica: Inaldo da Paixo Santos Arajo (inaldo@tce.ba.gov.br),Jayme Baleeiro Neto (baleeiro@tce.ba.gov.br) ePedro Humberto Teixeira Barretto (phtbarretto@tce.ba.gov.br)

    Normalizao: Denilze Alencar Sacramento (denilze@tce.ba.gov.br)

    Embora a obra original no esteja protegida pelo direito autoral, os tradutoresderam conhecimento deste trabalho ao Gerente do Projeto Yellow Book do USGAO, bem como aos gestores do Projecto Atlatl/USAID, no Mxico, os quais,aquiescendo, ressalvaram sua responsabilidade sobre o contedo da verso emportugus.

    O 33 Oficina de la Contralora General de los Estados Unidos - GAO

    Normas de Auditoria Governamental Reviso 2003./. Oficina de laContralora General de los Estados Unidos GAO; Traduo de Pedro HumbertoTeixeira Barretto. Reviso de Jayme Baleeiro Neto. Salvador: Tribunal de Contas doEstado da Bahia, 2005.

    254 p.

    Traduo de: Normas de Auditora Gubernamental Revisin 2003. ProyectoATLATL/USAID, Mxico

    Reviso de: Government Auditing Standards Revision 2003. United StatesGovernment Accountability Office GAO

    1. Auditoria - Normas. 2. Auditoria Governamental Normas. U.S.Government Accountability Office GAO. I. Ttulo

    CDU 657.6

  • Pg. 3 GAO-03-673G Normas de Auditoria Governamental

    Apresentao da edioem portugus

    Neste incio de sculo, os desafios com que se deparamos Tribunais de Contas brasileiros so imensos. Ao ex-tenso elenco de competncias que lhes foram conferidaspela Constituio de 1988, vemos somarem-se cons-tantemente novas atribuies mediante legislao infra-constitucional.

    Ao mesmo tempo que essa crescente demanda pelaao do controle externo, manifestada no considervelincremento de seu campo de atuao, representa o re-conhecimento da sociedade ao importante papel queos Tribunais de Contas tm desempenhado no Pas,implica, tambm, a necessidade de as Cortes de Contasestarem continuamente buscando o aperfeioamentode seus mtodos de trabalho com a finalidade de noapenas desempenharem suas diversas tarefas, mas de ofazerem com qualidade, de forma eficiente e efetiva.

    Nas ltimas dcadas, foram grandes as mudanas porque passou a Administrao Pblica. Novas formas degesto, de tecnologias e de relaes com o setor priva-do e com a sociedade civil surgiram, modificando seumodo de atuao. Todas essas mudanas repercutiramnas atividades do controle externo, que se tornou mui-to mais complexo.

    O controle evoluiu da tradicional verificao de legali-dade dos gastos pblicos para incorporar o exame daeconomicidade, eficincia e efetividade dos programasde governo, deslocando-se o foco da simples confor-midade com a lei para o desempenho e resultado dosservios pblicos.

    A realizao de fiscalizaes, em suas diversas modali-dades, tem se mostrado cada vez mais relevante tantopara a obteno de informaes fidedignas sobre a atu-

  • Pg. 4 GAO-03-673G Normas de Auditoria Governamental

    ao dos gestores, rgos e entidades pblicos, quantopara o combate a fraudes, corrupo e desvios.

    Para que esses trabalhos proporcionem resultados ain-da melhores, necessrio se faz que sejam permanentesas aes voltadas ao desenvolvimento da competnciaprofissional.

    Nesse sentido, vejo como extremamente oportuna apublicao em lngua portuguesa das normas de audi-toria governamental do GAO. Essas normas, de reco-nhecida qualidade, compreendem princpios e prticasde auditoria que certamente contribuiro para aperfei-oar os trabalhos de fiscalizao desenvolvidos pelasCortes de Contas.

    Ministro Adylson Motta,Presidente do Tribunal de Contas da Unio

    Setembro de 2005

    Apresentao da edioem portugus

  • Pg. 5 GAO-03-673G Normas de Auditoria Governamental

    Em setembro de 1995, quando o Tribunal de Contasdo Estado da Bahia comemorava seus 80 anos de cri-ao, foram traduzidas para nosso idioma, pela primei-ra vez, por iniciativa de Auditores desta Casa, as Nor-mas de Auditoria Governamental, Reviso 1994, doUnited States Government Accountability Office GAO,mundialmente conhecidas como Yellow Book, pela coramarela de sua capa. A obra, publicada com o n 04 daSrie Tradues deste Tribunal de Contas, integrou oconjunto de aes institucionais estratgicas promovi-das pelo Programa de Desenvolvimento da Auditoria Escola de Auditoria Pblica, na gesto do binio 1994/1995.

    Agora, exatamente 10 anos depois, quando a institui-o comemora seu 90 aniversrio, Auditores deste Tri-bunal de Contas oferecem a verso em portugus doLivro Amarelo do US GAO, Reviso 2003 quealterou substancialmente a verso anterior de 1994. Estaobra est atualizada at setembro de 2005, com a EmendaTcnica s exigncias de Educao Profissional Continua-da dos auditores, de abril de 2005, e a Orientao sobreo cumprimento das normas de auditoria governamen-tal relativas aos padres para o relatrio sobre o con-trole interno em auditorias de organizaes subordina-das s exigncias da Lei Sarbanes-Oxley, publicada emmaio de 2005.

    Os trabalhos de traduo para o portugus foram rea-lizados pelo Auditor Pedro Humberto Teixeira Barretto, apartir da verso em espanhol do Libro Amarillo, produ-zida pelo Projecto Atlatl/USAID, Mxico, obtida naCorte de Contas da Repblica de El Salvador, durantea XV Assemblia Geral da OLACEFS, realizada na-quele pas no perodo de 6 a 10 de junho do correnteano. A reviso do texto foi realizada mediante confrontocom o original, em ingls, pelo Auditor Jayme Baleeiro Neto.

    Prefcio da edioem portugus

  • Pg. 6 GAO-03-673G Normas de Auditoria Governamental

    Tambm colaborou com os mencionados Auditores, nareviso tcnica deste trabalho, o Auditor Inaldo da PaixoSantos Arajo, principal responsvel pela primeira traduopara a nossa lngua do Yellow Book, em 1995. O texto ori-ginal destas Normas, em ingls, est disponvel no site ofi-cial do US GAO, endereo eletrnico .

    Reconhecendo a importncia e atualidade , do pon-to de vista conceitual e metodolgico, desta renomadapublicao tcnica para as atividades dos profissionaisde controle, assim como para os estudiosos e pesquisa-dores do tema, que o Tribunal de Contas do Estadoda Bahia torna disponvel aos integrantes do SistemaTribunais de Contas do Brasil e das instituies equiva-lentes dos pases de lngua oficial portuguesa, dos r-gos dos sistemas de controle interno, das administra-es das organizaes pblicas e privadas, bem comodo meio acadmico, a presente edio das Normas deAuditoria Governamental do United States GovernmentAccountability Office GAO. A partir do seu lanamento,tambm estar disponvel no site do TCE-BA, endere-o , a verso digital dapresente publicao.

    Conselheiro Manoel Castro,Presidente do Tribunal de Contas do Estado da Bahia

    Setembro de 2005

    Prefcio da edioem portugus

  • Pg. 7 GAO-03-673G Normas de Auditoria Governamental

    A emisso de normas profissionais de auditoria gover-namental constitui-se, sem dvida, no feito mais im-portante alcanado pelas Instituies Superiores deAuditoria (ISAs) do setor pblico, em nvel mundial,no sculo XX.

    Nas trs ltimas dcadas do Sculo XX, as Normas daControladoria Geral dos Estados Unidos da Amrica(GAO)1, que passaram a ser conhecidas como LivroAmarelo pela cor da sua capa, proporcionaram ori-entao profissional para todos os pases e ISAs (escri-trios de auditoria, controladorias gerais, rgos supe-riores de controle, tribunais de contas e instituies equi-valentes), que desenvolveram suas prprias normas,segundo suas necessidades e situaes especficas.

    As primeiras normas de auditoria governamental emingls foram desenvolvidas e editadas pelo GAO em1972, e sua primeira traduo para o espanhol foi feitanaquele mesmo ano pela Controladoria Geral da Re-pblica do Peru. Em datas posteriores, vrias ISAsemitiram normas baseadas nas Normas do GAO, cul-minando com as Normas de Auditoria da Organiza-o Internacional de Entidades Fiscalizadoras Superio-res (INTOSAI), editadas em 1992.

    A primeira verso das Normas de Auditoria Governa-mental dos Estados Unidos da Amrica foi publicadaem 1 de agosto de 1972 pelo Controlador Geral da-quele pas, Elmer B. Staats. Poucos dias antes daqueladata, no III Congresso Latino-americano de EntidadesFiscalizadoras Superiores (III CLADEFS), em Bogot,Colmbia, a Controladoria Geral da Repblica do Peru

    1 Nota dos tradutores: Desde 07 de julho de 2004, o GAO passou a denominar-se U.S.Government Accountability Office. (Cf. site oficial do GAO, endereo ,pesquisa realizada em 24.jul.2005).

    Apresentao da edioem espanhol

  • Pg. 8 GAO-03-673G Normas de Auditoria Governamental

    foi designada como sede do Instituto Latino-america-no e do Caribe de Cincias Fiscalizadoras (ILACIF)2para o perodo 1972-1975.

    Logo depois de receber as Normas do GA