of 51 /51

Click here to load reader

Introd imuno biotec pdf

Embed Size (px)

Text of Introd imuno biotec pdf

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CINCIAS DA SADE DEPARTAMENTO DE BIOINTERAO ICSA 17 - IMUNOLOGIACONCEITOS BSICOS EM IMUNOLOGIA E HISTRICO DA IMUNOLOGIA

2. IMUNOLOGIA Cincia que estuda os mecanismos de defesa do organismo, bem como as molculas, clulas, tecidos e rgos envolvidos 3. DEFESA CONTRA QUEM?VrusProtozoriosBactriasHelmintosFungosEctoparasitas 4. SOMENTE CONTRA AGENTES INFECCIOSOS?TumoresTransplantesReaes Alrgicas 5. QueimadurasCicatrizaoTraumatismosNo h a necessidade do envolvimento de agentes infecciosos para que o Sistema Imunolgico entre em ao!!! 6. Em uma definio mais ampla, a Imunologia pode ser considerada como a cincia que estuda os mecanismos que mantm a homeostase celular e tecidual 7. Imunidade: conjunto de processos fisiolgicos que permite ao organismo reconhecer corpos estranhos e responder contra os mesmosImunidade vem do latim immunitas: proteo de processo legal oferecida aos senadores romanos durante os seus mandatosAssasinato de Jlio Csar Irina Gornostaeva 8. Sistema Imune: conjunto de molculas, clulas, tecidos e rgos que trabalham juntos para defender o organismo contra a ao de agentes estranhos ou situaes anormais em clulas e tecidosResposta imune: resposta coordenada e coletiva das clulas e molculas do sistema imune em resposta a determinado estmulo 9. Histrico da ImunologiaChina Antiga - crianas inoculadas com p feito das leses de pele de pacientes em recuperao de varola para se tornarem resistentes doena 10. Histrico da ImunologiaNicolas Poussin A praga em Ashdod Museu do Louvre - ParisGrcia Antiga observaes registradas aps epidemias 11. Histrico da Imunologia Aqueles que sentiam mais pena pelos doentes e pelos que morriam eram aqueles que haviam tido a praga eles prprios e no haviam morrido dela. ....eles se sentiam seguros, uma vez que ningum adquiriu a mesma doena duas vezes, ou, se adquiriu, o segundo ataque nunca foi fatal. Estas pessoas se sentiam afortunadas .................... e imaginavam que elas poderiam nunca morrer de nenhuma outra doena no futuro. Tucdides, A guerra do Peloponeso, 430 a.C. 12. Histrico da ImunologiaLady Mary Wortley Montagu1721Lady Montagu descrio de vacinao contra a Varola na Turquia 13. Histrico da ImunologiaEdward Jenner (1749-1823)Jenner observou que as vacas desenvolviam leses parecidas com a da varola, e que as mulheres que faziam ordenha desenvolviam varola branda. Ento inoculou uma criana com lquido das feridas das mulheres, o que protegeu contra a doena PRIMEIRA DESCRIO DE MANIPULAO DO SISTEMA IMUNOLGICO Vacina originrio da palavra vaccinus, vaca em latim 14. Histrico da ImunologiaRobert Koch (1843 1910)Robert Koch prova que as doenas so causadas por germes, em detrimento da teoria dos miasmas estudos com Antraz (Carbnculo) e com Clera 15. Histrico da ImunologiaLouis Pasteur (1822 1895) Louis Pasteur um dos grandes cientistas da histria, inventou o processo de pasteurizao, derrubou a teoria da Abiognese e , atravs do processo de atenuao, foi o responsvel pelo desenvolvimento de vrias vacinas, com destaque para a vacina da Raiva. 16. Histrico da Imunologia Importante conceito definido ento pelos trabalhos de Jenner e de Pasteur Manipulaes do Sistema Imune com o objetivo de mimetizar o contato do Sistema Imunolgico com determinado agente infeccioso, num panorama no patognico, com o objetivo de induzir reao que proteja contra os agentes infecciosos em um posterior contato no qual possa ser desenvolvida determinada patogenia IMUNIZAO ATIVA Tipo de manipulao do Sistema Imunolgico no qual o mesmo induzido ao estado de ativao, objetivando induo de Resposta Imunolgica que proteja contra a infeco/doena por determinado agente por um mximo tempo possvel. 17. Histrico da ImunologiaElie Ilya Metchnikoff (1845 - 1916) Metchnikoff observou o processo de fagocitose, e considerado como o criador do conceito de Imunologia, especialmente pela descrio dos leuccitos como importantes clulas no mecanismo de imunidade. PAPEL DAS CLULAS NA IMUNIDADE PAI DA IMUNIDADE CELULAR 18. Histrico da ImunologiaBehring (1854-1917) & Kitasato (1853-1931) Ao transferirem o soro de cobaios inoculados com agentes causadores de difteria e ttano para outros animais, Behring e Kitasato observaram que esse soro tinha componentes que protegiam os animais contra esses agentes infecciosos PAIS DA SOROTERAPIA IMPORTNCIA DA IMUNIDADE HUMORAL 19. Histrico da Imunologia Outro importante conceito ento definido pelos trabalhos de Behring e Kitasato: IMUNIZAO PASSIVA Sistema atravs do qual animais ou humanos so inoculados com mediadores da Resposta Imunolgica desenvolvidos em outro modelo animal, oferecendo uma proteo imediata ou emergencial contra determinada infeco ou contato com toxinas. 20. Exemplos de Imunizao Passiva 21. Histrico da ImunologiaPaul Ehrlich (1854-1915) Paul Ehrlich conduziu investigaes sobre a ao dos anticorpos (receptores) e sua importncia na imunidade Teoria da Cadeia Lateral 22. Histrico da Imunologia Teoria da Cadeia Lateral Ehrlich - 1898O microrganismo se ligava a receptores pr-formados em clulas, levando ento essa clula a produzir mais receptores (anticorpos) 23. Histrico da ImunologiaKarl Landsteiner (1868-1943) Descrio e classificao dos tipos sanguneos e descoberta do Fator RH Um dos proponentes do termo anticorpo 24. Histrico da Imunologia ANTICORPO glicoprotenas produzidas por clulas do Sistema Imunolgico (Linfcitos B) que so encontradas diludas em diversos lquidos do organismo (humores), tais como o plasma (parte lquida no-celular do sangue), lgrimas, saliva, lquido cfalo-raquidiano, humor vtreo, secrees de mucosas em geral... 25. Histrico da ImunologiaLinus Pauling (1901 1994) Teoria instrutiva 26. Histrico da Imunologia Teoria Instrutiva Linus PaulingNo existe especificidade prvia As molculas podem moldar os anticorpos no momento do contato Mas por que soro de pessoas nunca infectadas com determinado agente no reconhecem molculas desse agente ??? 27. Histrico da ImunologiaSir Frank MacFarlane Burnet (1868-1943) TEORIA DA SELEO CLONAL 28. Histrico da Imunologia TEORIA DA SELEO CLONAL- Linfcitos T e B de diferentes especificidades (clones) existem antes do contato com agente - Presena de receptores especficos - Cada linfcito apresenta receptor contra uma molcula em especfico - Aps ligao com essa molcula, o linfcito entra num processo de ativao - Linfcitos auto-reativos so eliminados 29. Histrico da ImunologiaDescreveram a estrutura qumica dos anticorpos e como esses se ligavam quimicamente a suas molculas-alvo 30. Histrico da Imunologia Molcula alvo ao qual o anticorpo se liga denominao de ANTGENO ANTGENO TODA E QUALQUER MOLCULA RECONHECIDA COMO ESTRANHA PELO SISTEMA IMUNOLGICO Em outras palavras.... ANTGENO TODA E QUALQUER MOLCULA PARA O QUAL EXISTEM RECEPTORES ESPECFICOS NO SISTEMA IMUNOLGICO O QUAL OS RECONHECEM Reconhecem significa que... O SISTEMA IMUNOLGICO CAPAZ DE IDENTIFICAR UMA DETERMINADA MOLCULA COMO PRPRIA (SELF) OU NO PRPRIA (NON-SELF) PRPRIA A molcula faz parte do conjunto normal de molculas que compes as clulas e tecidos do organismo NO PRPRIA A molcula no faz parte das clulas ou dos tecidos de determinado organismo 31. Histrico da ImunologiaRolf Zinkernagel (1944- ) Descreveu como o Sistema Imunolgico reconhece as clulas infectadas com vrus Descoberta do mecanismo de reconhecimento por Linfcitos T 32. Histrico da Imunologia A PARTIR DA TEMOS DUAS MOLCULAS IMPORTANTES NO RECONHECIMENTO ESPECFICO DE ANTGENOS NO ORGANISMO ANTICORPOS Presentes na membrana de Linfcitos B, e secretados quando este linfcito B reconhece determinado antgeno e posteriormente ativado. Podem reconhecer diversas molculas, com origem protica, acares, cidos nuclicos, lipdeos. TCRs Receptores de Clulas T Presentes nas membranas de Linfcitos T. NO so secretados. Reconhecem majoritariamente antgenos de origem protica, preferencialmente pequenos peptdeos. 33. Histrico da ImunologiaSusumu Tonegawa (1939 - ) Descreveu o mecanismo gentico atravs do qual pode ser gerada uma grande Diversidade de anticorpos 34. Histrico da Imunologia Tonegawa Diversidade Gentica dos Anticorpos Somos capazes de produzir anticorpos que reconhecem bilhes de antgenos diferentes, sendo que cada anticorpo reconhece somente um antgeno. O mecanismo de recombinao gnica garante essa diversidade 35. Histrico da ImunologiaCesar Milstein & George Khler Desenvolveram tecnologia capaz de produzir uma grande quantidade de anticorpos, sendo que todos os anticorpos presentes em uma determinada soluo tero a mesma especificidade (reconhecero a mesma molcula) ANTICORPOS MONOCLONAIS 36. Histrico da Imunologia Milstein & Khler ANTICORPOS MONOCLONAIS 37. Histrico da ImunologiaE POR QUE SABER TODA ESSA HISTRIA? PORQUE DESSA HISTRIA TODA PODEREMOS TIRAR ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES UTILIZADOS ROTINEIRAMENTE EM IMUNOLOGIA, TAIS COMO... 38. RESPOSTA IMUNE INATA Linha de defesa inicial contra os microorganismos Mecanismos celulares e bioqumicos j pr-existentes antes do contato com um determinado agente Padro de resposta igual mesmo em infeces sucessivas Os receptores das clulas do Sistema Imune Inato so codificados por genes que no sofreram recombinao Os receptores reconhecem estruturas moleculares que so comuns a diversas molculas de diversos microorganismos Uma mesma clula possui vrios receptores para vrios padres moleculares associados a microorganismos (PAMPs) 39. RESPOSTA IMUNE INATA Compem o Sistema Imune Inato: Barreiras fsicas e qumicas epitlios, substncias antibacterianas encontradas em epitlios (criptidinas, lactoferrina, um-defensina) Clulas com poder fagoctico, tais como neutrfilos, macrfagos, clulas dendrticas e clulas Natural Killer (NK) Protenas do Sistema do Complemento (C1, C2, C3, C4, C5...C9) Protenas da fase aguda (haptoglobina, protena C reativa, fibrinognio) Enzimas: lisozima (suor saliva, lgrima); pepsina (intestino) 40. RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA (ADAPTATIVA) Resposta Imune que desenvolve seus mecanismos celulares e bioqumicos APS a exposio a determinado agente Suas clulas possuem receptores que so codificados aps um processo de RECOMBINAO GNICA Esses receptores so capazes de identificar especificamente determinada molcula, e nenhuma outra mais (ESPECIFICIDADE) Cada clula possui um determinado receptor que identifica determinada molcula, e nenhum outro especfico para outra molcula (ESTRUTURA CLONAL) capaz de reagir de forma mais rpida e mais eficaz num segundo, terceiro, quarto... Contato com o agente infeccioso (MEMRIA) 41. RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA (ADAPTATIVA) So componentes da Resposta Imune Adquirida: Linfcitos T clulas produzidas de forma imatura na medula ssea, e que completa seu amadurecimento no timo. Possuem em sua membrana um receptor especfico chamado TCR (Receptor de Clulas T)Linfcito B clulas produzidas de forma imatura na medula ssea, e que completa seu amadurecimento na prpria medula. Possuem em sua membrana um receptor especfico chamado Imunoglobulina de membrana (anticorpo), a qual secretam quando so ativadas Essas clulas, aps completarem seu processo de maturao, migram para os rgos aonde iro realizar suas funes de defesa (linfonodos, baos, Sistema Imune de Mucosas, pele...) 42. INTEGRAO INATA x ADQUIRIDAA diviso Imunidade Inata / Adquirida uma diviso mais didtica, pois nos Hospedeiros o que acontece que as duas agem de forma integrada para Auxiliar nos mecanismos de combate e defesa contra agentes invasores 43. RESPOSTA IMUNE INATA x ADQUIRIDA 44. RESPOSTA IMUNE INATA x ADQUIRIDA 45. CARACTERSTICAS IMPORTANTES DA RESPOSTA IMUNE INATA ADQUIRIDA 46. TIPOS DE RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA Resposta Imune Adquirida Humoral Aquela que mediada principalmente por anticorpos (diludos nos lquidos humores corporais Reconhecimento do Antgeno pelos AnticorposResposta Imune Adquirida Celular Aquela que mediada diretamente pela ao de clulas do Sistema Imune, tais como os Linfcitos T Reconhecimento do Antgeno pelos TCRs 47. TIPOS DE RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA 48. FASES DA RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA 49. Funes Efetoras das Clulas do Sistema Imunolgico 50. Resposta Imune Primria x Secundria 51. BIBLIOGRAFIA Recomendo: O primeiro captulo do livro Imunologia Celular e Molecular (ABBAS , LICHTMAN) PROPRIEDADES GERAIS DAS RESPOSTAS IMUNOLGICASPrimeiro Captulo do Tizard (Imunologia Veterinria) A Defesa do Organismo