Resumo de Administrativo

  • Published on
    16-Sep-2015

  • View
    5

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Resumo direito administrativo

Transcript

<p>DICA 1 TRT SP - PRINCPIOSIMPESSOALIDADE: dois aspectos: a) em relao aos administrados: busca da finalidade pblica. Exemplo de aplicao: concurso pblico e licitao.b) em relao prpria Administrao: quando um ato praticado por um agente pblico, na verdade, quem o faz a pessoa jurdica, qual pertence o rgo em que o servidor est lotado. Exemplo de aplicao: atos praticados por funcionrios de fato</p> <p>AUTOTUTELA X TUTELAAutotutela: dever da Administrao Pblica o controle de seus prprios atos, quanto legalidade e quanto ao mrito. Por isso, anula ou revoga os atos administrativos. Ver Smula 473 do STF.Tutela: a administrao direta controla, fiscaliza as atividades das entidades da administrao indireta</p> <p>SEGURANA JURDICADeve ocorrer a tentativa de preservao dos atos administrativos praticadosLei 9784/99 tem dois exemplos de aplicao:Art. 2, pargrafo nico, XIII: vedada a aplicao retroativa de nova interpretaoArt. 54: Administrao Pblica decair, aps cinco anos, do direito de anular os atos administrativos, quando seus efeitos forem benficos ao destinatrio e no tenha ocorrido m-f. </p> <p>DICA 2 TRT SP ADMINISTRAO PBLICA- CARACTERSTICAS dos rgos pblicos: a) criao e extino por lei; b) resultado da desconcentrao; c) despersonalizados; d) no possuem patrimnio prprio; e) no possuem capacidade processual; f) alguns rgos podem ser parte em processo para defesa de prerrogativa; g) podem celebrar contrato de gesto; h) rgos gestores de oramento devem ser inscritos no CNPJ.CUIDADO: TRT um rgo e no uma pessoa jurdica!!!! </p> <p>DICA 3 TRT SP - ADMINISTRAO INDIRETACARACTERSTICAS COMUNS A TODAS AS PESSOAS DA AMINISTRAO INDIRETA:- personalidade jurdica;- patrimnio prprio;- autonomia administrativa;- submete-se a controle da administrao direta;- necessidade de lei para criao</p> <p>CRITRIOS PARA DISTINO ENTRE AS PESSOAS DA ADMINISTRAO INDIRETA:- personalidade de direito pblico ou de direito privado?- lei cria diretamente ou lei autoriza a criao?- qual a atividade desempenhada? </p> <p>DICA 4 TRT SP ADMINISTRAO INDIRETAAUTARQUIA: lei cria; personalidade de direito pblico; atividade tpica do Estado (agncias reguladoras: esto sendo criadas como autarquia em regime especial; maior autonomia; deve ter personalidade de direito pblico).FUNDAO PBLICA: lei cria (personalidade de direito pblico) ou lei autoriza (personalidade de direito privado); atividade no exclusiva do Estado (interesse pblico).SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA e EMPRESA PBLICA: lei autoriza; personalidade de direito privado; prestao de servio pblico ou explorao de atividade econmica.AGNCIA EXECUTIVA: no uma nova pessoa; uma qualificao dada a uma autarquia ou a uma fundao pblica.CONSRCIO PBLICO: uma nova pessoa jurdica criada por mais de uma pessoa poltica. S as pessoas polticas podem criar consrcios pblicos. A sua criao depende: 1 protocolo de intenes; 2 ratificao por lei de cada ente participante; 3 contrato de consrcio. </p> <p>DICA 5 TRT SP AGENTES PBLICOS - REGIME PRPRIO DE PREVIDNCIADestinado aos servidores titulares de cargo efetivo. proibida a existncia de critrios diferentes para a concesso de aposentadoria. EXCEES (nos termos definidos em leis complementares): a) servidores portadores de deficincia; b) servidores que exeram atividades de risco; c) servidores cujas atividades sejam exercidas sob condies especiais que prejudiquem a sade ou a integridade fsica.</p> <p>VALOR DOS PROVENTOS: Mdia das remuneraes utilizadas como base de clculo para incidncia das contribuies previdencirias, tanto ao regime geral quanto ao regime prprio. NO H INTEGRALIDADE NEM PARIDADE (estabelecido o valor dos proventos, este no acompanhar os reajustes concedidos ao pessoal da ativa; ser reajustado para manter o valor real, na forma da lei).LIMITE: Pode ser adotado o limite do regime geral de previdncia para o valor das aposentadorias e penses do regime prprio, desde que instituam, por lei de iniciativa do respectivo Poder Executivo, regime de previdncia complementar, por intermdio de entidades fechadas de previdncia complementar, de natureza pblica, que oferecero aos respectivos participantes planos de benefcios somente na modalidade de contribuio definida (art. 40, 14 e 15). Limite somente ser obrigatrio para o servidor que ingressar no servio pblico aps a data de publicao do ato instituidor desse regime. Para os que ingressaram antes, opcional (art. 40, 16). </p> <p>DICA 6 TRT SP LEI 8.112/90REMOO (art. 36): deslocamento do servidor, a pedido ou de ofcio, no mbito do mesmo quadro, com ou sem mudana de sede.Pode ocorrer DE OFCIO ou A PEDIDO do servidor. Hipteses em que a ADMINISTRAO NO PODE RECUSAR O PEDIDO DE REMOO DO SERVIDOR (art. 36, III):a) para acompanhar cnjuge ou companheiro, tambm servidor pblico civil ou militar, de qualquer dos Poderes da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios, que foi deslocado no interesse da Administrao; b) por motivo de sade do servidor, cnjuge, companheiro ou dependente que viva s suas expensas e conste do seu assentamento funcional, condicionada comprovao por junta mdica oficial; c) em virtude de processo seletivo promovido, na hiptese em que o nmero de interessados for superior ao nmero de vagas, de acordo com normas preestabelecidas pelo rgo ou entidade em que aqueles estejam lotados. </p> <p>DICA 7 TRT SP LEI 8.112/90 - PRESCRIO DA AO DISCIPLINARAo disciplinar prescreve: a) se a infrao administrativa tambm for crime, no prazo previsto na lei penal; b) se a infrao administrativa no for crime: em 5 anos, para as infraes punveis com demisso, cassao de aposentadoria ou disponibilidade e destituio de cargo em comisso; em 2 anos, para os casos de suspenso; em 180 dias para a advertncia. STJ: quando o servidor pblico comete infrao disciplinar tambm tipificada como crime, somente se aplicar o prazo prescricional da legislao penal se os fatos tambm forem apurados em ao penal, conforme MS 15.462/DF (14/03/2011). </p> <p>DICA 8 TRT SP PODERES ADMINISTRATIVOSPODERES ADMINISTRATIVOS: prerrogativas disposio da Administrao destinadas viabilizao do interesse pblico. Poder discricionrio, poder vinculado, poder hierrquico, poder disciplinar, poder regulamentar, poder de polcia.- PODER HIERRQUICO: o de que dispe o Executivo para distribuir e escalonar as funes de seus rgos, ordenar e rever a atuao de seus agentes, estabelecendo a relao de subordinao entre os servidores do seu quadro de pessoal (Hely Lopes Meirelles). tpico da funo administrativa, mas no exclusivo do Executivo e faz parte dos Poderes Legislativo e Judicirio, na funo atpica de administrar. com base na hierarquia que se pode avocar, delegar, ordenar, controlar, corrigir e aplicar sanes.- PODER DISCIPLINAR: a prerrogativa pela qual a Administrao apura as infraes e aplica as penalidades ao infrator, que pode ser um servidor pblico ou particular sujeito disciplina administrativa, como um estudante de escola pblica (Di Pietro).- PODER REGULAMENTAR: Para Maria Sylvia Zanella Di Pietro, espcie do poder normativo da Administrao Pblica, ou seja, um tipo, uma das formas pela qual se expressa a funo normativa da Administrao Pblica, e o poder regulamentar, assim entendido, privativo do Chefe do Executivo e se materializa por meio de decreto, mas h outras formas de expresso do poder normativo como as resolues, as portarias, as instrues, os regimentos, mas esses atos possuem alcance restrito aos limites de atuao do rgo e no tm a mesma natureza dos regulamentos expedidos pelo Chefes do Executivo.- PODER DE POLCIA: faculdade de que dispe a administrao pblica para condicionar e restringir o uso e gozo de bens, atividades e direitos individuais, em benefcio da coletividade ou do prprio Estado (Hely Lopes Meirelles; definio clssica).</p> <p>DICA 9 TRT SP - ATO ADMINISTRATIVOELEMENTOS1) COMPETNCIA ou Sujeito: Quem? Conjunto de atribuies administrativas do servidor.2) FINALIDADE: Para qu? Resultado mediato almejado com a prtica do ato.3) FORMA: Como? Exteriorizao do ato. Maneira pela qual o ato se apresenta.4) MOTIVO ou Causa: Por qu? Pressuposto de fato e de direito cuja ocorrncia autoriza ou determina a prtica do ato. Motivao a exteriorizao do motivo.5) OBJETO ou Contedo: O qu? Resultado imediato pretendido com a prtica do ato</p> <p>ATRIBUTOS do ato administrativo (PIA)1) PRESUNO DE LEGITIMIDADE: presuno de que todo ato administrativo praticado est de acordo com a lei; pode ser praticado imediatamente; produz efeitos at que seja anulado2) IMPERATIVIDADE: ato administrativo imposto ao destinatrio; no est presente em todos os atos administrativos3) AUTOEXECUTORIEDADE: Administrao executa o ato por seus prprios meios; no existe em todos os atos administrativos: s em casos de urgncia ou se previsto em lei </p> <p>DICA 10 TRT SP ATO ADMINISTRATIVO - TEORIA DOS MOTIVOS DETERMINANTESO administrador fica vinculado aos motivos declarados para a prtica do ato. Quer dizer, mesmo que se trate de situao em que no havia obrigao de motivar, uma vez feita a motivao ou o motivo declarado, existiu e verdadeiro ou o ato nulo.EXEMPLO CLSSICO NAS PROVAS: exonerao ad nutum. A autoridade no precisa expor o motivo da exonerao do ocupante de cargo em comisso. Mas, por exemplo, se justificar o ato pela ausncia de verba e, em seguida, nomear outro servidor, o ato invlido porque o motivo alegado (falta de verba) falso.EXCEO DE APLICAO DA TEORIA:Desapropriao. O motivo declinado pela Administrao Pblica, ao declarar um imvel como de utilidade pblica ou necessidade pblica para fins de desapropriao, pode, posteriormente, ser alterado, desde que seu uso continue sendo de interesse pblico. </p> <p>DICA 11 TRT SP PROCESSO ADMINISTRATIVO FEDERAL (LEI 9.784/99)DIREITOS DOS ADMINISTRADOS (art. 3)I - ser tratado com respeito pelas autoridades e servidores, que devero facilitar o exerccio de seus direitos e o cumprimento de suas obrigaes;II - ter cincia da tramitao dos processos administrativos em que tenha a condio de interessado, ter vista dos autos, obter cpias de documentos neles contidos e conhecer as decises proferidas;III - formular alegaes e apresentar documentos antes da deciso, os quais sero objeto de considerao pelo rgo competente;IV - fazer-se assistir, facultativamente, por advogado, salvo quando obrigatria a representao, por fora de lei. </p> <p>ATENO: a FCC, com frequncia, tenta pegar o candidato colocando que a assistncia de advogado sempre obrigatria. No esquecer da SMULA VINCULANTE 5: A FALTA DE DEFESA TCNICA POR ADVOGADO NO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NO OFENDE A CONSTITUIO.</p> <p>DEVERES DOS ADMINISTRADOS (art. 4)CUIDADO: so deveres, SEM PREJUZO de outros previstos em ato normativo:I - expor os fatos conforme a verdade;II - proceder com lealdade, urbanidade e boa-f;III - no agir de modo temerrio;IV - prestar as informaes que lhe forem solicitadas e colaborar para o esclarecimento dos fatos. </p> <p>DICA 12 TRT SP PROCESSO ADMINISTRATIVO FEDERAL (LEI 9.784/99)RECURSOCABIMENTO: em face da deciso tomada no processo administrativo, em razo de legalidade e mrito (art. 56)LEGITIMIDADE:a) titulares de direitos e interesses que forem parte no processo;b) aqueles cujos direitos ou interesses forem indiretamente afetados pela deciso recorrida;c) as organizaes e associaes representativas, no tocante a direitos e interesses coletivos;d) os cidados ou associaes, quanto a direitos ou interesses difusos.</p> <p>PRAZO: 10 dias, contado a partir da cincia ou divulgao oficial da deciso recorrida, SALVO DISPOSIO LEGAL especfica (art. 59).EFEITOS: no tem efeito suspensivo, em regra. Excees: se houver previso legal em contrrio; a autoridade recorrida ou imediatamente superior pode conceder efeito suspensivo, de ofcio ou a pedido, se houver justo receio de prejuzo de difcil ou incerta reparao decorrente da execuo (art. 61) </p> <p>DICA 13 TRT SP LICITAO - PRINCPIOSLei: art. 3:a) legalidade;b) impessoalidade;c) moralidade;d) publicidade;e) igualdade;f) probidade administrativa;g) vinculao ao instrumento convocatrio;h) julgamento objetivo. </p> <p>Doutrina:COMPETITIVIDADE: vedada qualquer medida que restrinja o carter competitivo da licitao.VINCULAO AO INSTRUMENTO CONVOCATRIO: Administrao e administrados devem cumprir as disposies do edital (lei interna da licitao)PROCEDIMENTO FORMAL: desenvolvimento da licitao deve ocorrer nos termos estabelecidos na leiPUBLICIDADE DOS ATOS DA LICITAO: a licitao deve ser transparente e seus atos devem ser acessveis ao pblico.SIGILO DAS PROPOSTAS: o envelope contendo as propostas dos licitantes somente pode ser aberto em sesso pblicaIGUALDADE ENTRE OS LICITANTES: a Administrao na conduo da licitao deve atuar de forma impessoal, sem privilegiar ou prejudicar nenhum dos licitantes. Isonomia no processo licitatrio.JULGAMENTO OBJETIVO: a escolha do vencedor da licitao deve ser feita com base em julgamento apoiado em critrios objetivos.ADJUDICAO COMPULSRIA: a Administrao deve atribuir o objeto da licitao ao vencedor. </p> <p>DICA 14 TRT SP - LICITAODISPENSA uma opo legal, pois os interessados poderiam competir. As hipteses de dispensa so taxativas. - Licitao dispensada: a lei determina a no realizao da licitao (art. 17, I e II); - Licitao dispensvel: a lei faculta ao administrador realizar ou no a licitao. LER OS INCISOS DO ART. 24. SEMPRE CAI.INEXIGIBILIDADE: a competio invivel. As hipteses previstas no art. 25, da Lei n 8.666/93, so exemplificativas.CUIDADO: s vezes o examinador enumera casos para que sejam identificadas quais hipteses so de licitao dispensvel e quais so de licitao dispensada (a dica que dispensada usada para os casos de alienao). Entretanto, na maioria das vezes, o examinador no quer saber a diferena entre elas, mas sim se determinada situao caso de dispensa ou de inexigibilidade).ATENO: noticirio frequente sobre falta de gua. Caso de dispensa previsto no art. 24, XXX (includo pela Lei 12.873/2013): contratao de entidades privadas sem fins lucrativos, para a implementao de cisternas ou outras tecnologias sociais de acesso gua para consumo humano e produo de alimentos, para beneficiar as famlias rurais de baixa renda atingidas pela seca ou falta regular de gua </p> <p>DICA 15 TRT SP CONTRATO ADMINISTRATIVOALTERAO UNILATERAL do contrato administrativo (art. 65, I): a) quando houver modificao do projeto ou das especificaes, para melhor adequao tcnica aos seus objetivos (modificao qualitativa);b) quando necessria a modificao do valor contratual em decorrncia de acrscimo ou diminuio quantitativa de seu objeto, nos seguintes limites (modificao quantitativa): at 25% do valor inicial atualizado do contrato para acrscimos e supresses feitas nas obras, servios ou compras; at 50% do valor inicial atualizado do contrato para acrscimos no caso de reforma de edifcio ou equipamento (se for supresso, o limite de 25%). CUIDADO: - Por acordo entre as partes, possvel a reduo do valor contratual alm do limite de 25%, mas no possvel o acrscimo.- No possvel a alterao de nenhuma clusula econmico-financeira e monetria do contrato sem a concordncia do contratado (art. 58, 1), e, toda vez, que a Administrao alterar unilateralmente o contrato dever haver a reviso d...</p>