of 36 /36
ACÇÃO DE FORMAÇÃO SALVAMENTO EM MEIO AQUÁTICO CASO PRÁTICO: SURF NOVEMBRO 2010 (DOCUMENTO DE APOIO) DOCENTES: Henrique Frazão DISCENTES: Diogo Furão João Anunciação Maria Monteiro

SALVAMENTO EM MEIO AQUÁTICOfiles.salvaquaticosurf.webnode.pt/200000009-2c4f12d491/DOC_APOIO... · acÇÃo de formaÇÃo salvamento em meio aquÁtico caso prÁtico: surf novembro

  • Author
    hakhue

  • View
    219

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of SALVAMENTO EM MEIO AQUÁTICOfiles.salvaquaticosurf.webnode.pt/200000009-2c4f12d491/DOC_APOIO... ·...

  • ACO DE FORMAO

    SALVAMENTO EM MEIO AQUTICO

    CASO PRTICO: SURF

    NOVEMBRO 2010

    (DOCUMENTO DE APOIO)

    DOCENTES:

    Henrique Frazo

    DISCENTES:

    Diogo Furo

    Joo Anunciao

    Maria Monteiro

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    1

    ndice

    Histria do Surf ........................................................................................................................... 3

    Origem ...................................................................................................................................... 3

    Surf (verbo) .............................................................................................................................. 3

    Condies de Surf ...................................................................................................................... 3

    Correntes ................................................................................................................................... 3

    Segurana ...................................................................................................................................... 4

    Factores de Risco ....................................................................................................................... 4

    Condicionantes do meio ........................................................................................................ 5

    Condicionantes do equipamento .......................................................................................... 6

    Condicionantes do surfista .................................................................................................... 6

    Leses ............................................................................................................................................ 6

    Preveno ...................................................................................................................................... 9

    Salvamento no meio aqutico ................................................................................................ 11

    1. Princpios do salvamento ................................................................................................ 11

    1.1. Reconhecimento ..................................................................................................... 11

    1.2. Planeamento ........................................................................................................... 11

    1.3. Aco ....................................................................................................................... 11

    2. Categorias de nufragos .................................................................................................. 13

    2.1. Naufrago consciente cansado ................................................................................. 13

    2.2. Naufrago consciente em pnico .............................................................................. 13

    2.3. Nufrago aparentemente inconsciente: ................................................................. 14

    3. Componentes de resgate ................................................................................................ 15

    3.1. Meios e tcnicas de salvamento ............................................................................. 15

    4. Conceito de Afogamento ................................................................................................ 19

    5. Trauma ............................................................................................................................ 20

    5.1. Princpios de Abordagem a vtimas de trauma ....................................................... 21

    6. Reanimao e tcnicas de reanimao ........................................................................... 24

    6.1. Suporte Bsico de Vida (SBV) .................................................................................. 26

    6.2. Procedimentos do SBV ............................................................................................ 26

    6.3. Algoritmo para Adulto European Resuscitation Council (2005) - ERC .................... 26

    6.4. Posio lateral de segurana (PLS) .......................................................................... 29

    6.5. Suporte bsico de vida em crianas ........................................................................ 30

    6.6. Probabilidade de Sobrevivncia no SBV .................................................................. 30

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    2

    Anexo A ....................................................................................................................................... 33

    Bibliografia .................................................................................................................................. 34

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    3

    Histria do Surf

    Origem

    Segundo Warshaw (2003), o capito ingls James Cook, que deu inicio colonizao

    europeia das ilhas do Pacfico, chegou ao Havai em 1778 e viu um homem a apanhar

    uma onda, em cima de uma prancha, sendo o primeiro europeu a presenciar e a

    escrever sobre surf.

    Em Portugal, Pedro Martins de Lima teve a sua primeira tentativa de surf, com uma

    prancha comprada em Biarritz, em Carcavelos, em 1959, sendo considerada como o

    incio do surf em Portugal (Lima, 2008; Valente, 2000).

    Surf (verbo)

    To float on the crest of a wave toward shore. (Deslizar sobre as ondas)

    Condies de Surf

    As melhores condies para a prtica de surf ocorrem quando o vento sopra da terra

    para o mar (vento offshore). Quando o vento sopra do mar para a terra (vento

    onshore), ainda possvel praticar surf, mesmo que se trate de um vento ligeiro que

    apenas afecte a superfcie da gua. Se se tratar de um vento forte poder ser ainda

    possvel fazer surf, mas as ondas sero pesadas e tendero a quebrar de formas

    muito variveis. O principiante que comea as suas sesses dentro de gua dever

    tentar aprender rapidamente a compreender as condies ambientais. Por exemplo, a

    primeira coisa que notar que as ondas surgem em sries geralmente formadas por

    trs ondas com intervalos de guas calmas entre elas.

    Correntes

    Quando uma onda rebenta descarrega a sua energia e empurra a gua sobre a areia.

    Esta gua volta em seguida para trs. Podemos considerar aqui um exemplo. Se

    lanarmos um balde de gua sobre um plano uniformemente inclinado a 30 graus, a

    gua escorrer para trs. De forma regular. Se o plano inclinado tiver altos e baixos,

    ou montanhas e vales, a gua tender a escorrer para os pontos baixos ou canais

    existentes. exactamente isto que acontece na praia. Devido a uma tempestade ou

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    4

    aco das ondas a camada superior da areia encontra-se continuamente em

    movimento, formando altos e baixos superfcie. So os pontos altos que formam os

    bancos de areia que produzem a rebentao, deslocando a gua para os canais que

    os rodeiam. Nestes canais formam-se correntes de gua, e como so mais profundos

    do que os bancos de areia actuam como uma espcie de rios por onde a gua volta ao

    mar. Os surfistas experientes usam estes canais para passar a zona de rebentao.

    No entanto, no caso dos principiantes, estas correntes so perigosas porque

    regressam ao mar a uma velocidade superior quela a que o surfista consegue remar.

    necessrio identificar as correntes quando ainda se est na areia. fcil notar que

    as ondas que rebentam sobre os canais o fazem de uma forma mais suave.

    Numa praia patrulhada os nadadores-salvadores definem as reas de banhos longe

    destes canais por razes bvias. Por vezes, com o objectivo de ajudar os surfistas a

    entrar na gua ou por existir falta de espao na praia, a corrente pode ser contgua

    rea de surf. Um surfista inexperiente s deve entrar na gua a uma boa distncia da

    corrente, numa rea onde a rebentao seja constante. Se se vir na corrente no entre

    em pnico, nem tente remar contra ela porque gastar demasiada energia. Aponte a

    prancha para o mar e reme na diagonal, acompanhando a corrente mas orientando-se

    para a rea de espuma.

    Se entrar em pnico e perder a prancha, nadar contra a corrente ser ainda mais difcil

    do que remar sobre a prancha. Neste caso, deve deixar-se ir com a corrente, pois

    quando a corrente comea a encontrar gua mais profunda perde fora e assim tornar-

    se- mais fcil sair dela.

    Posto isto, os principiantes nunca devem entrar na gua nos pontos onde existam

    correntes direccionadas para o mar. Devem sim entrar sempre nos pontos onde ocorre

    rebentao.

    Segurana

    Factores de Risco

    Segundo Nathanson (2007) e Dixon (2001), o surf uma modalidade mais segura do

    que muitas outras mas, como os acidentes acontecem, fundamental conhecermos

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    5

    os aspectos que esto envolvidos na prtica desta actividade, como forma de prevenir

    e diminuir a gravidade das leses.

    Como tal, na prtica do surf devemos ter em considerao, como factores de risco, as

    condicionantes do contexto, nas quais inclumos as condicionantes do meio (mar,

    fundos, factores ambientais) e as condicionantes do equipamento (fatos e pranchas).

    Condicionantes do meio

    Quanto s condicionantes do meio, devemos considerar as componentes da onda,

    realando a altura e a intensidade da rebentao, e as condicionantes da onda,

    destacando-se o tipo de fundo, as correntes e as mars.

    Segundo Nathanson (2007), a altura e a intensidade da rebentao esto relacionadas

    com o nmero de quedas e o risco a elas associadas, j que, quanto maior for a onda,

    maior a altura da queda e, como tal, uma maior intensidade implica menos tempo

    para pensar na aco e uma maior velocidade de execuo, por parte do surfista.

    Contudo, as quedas apresentam maior risco de cortes quando o fundo de rocha ou

    de coral.

    As correntes para o mar permitem ao surfista deslocar-se em direco ao pico, logo

    so benficas. No entanto, em muitos casos existem correntes laterais que os afastam

    da zona de surf, implicando uma constante remada e um consequente desgaste, no

    qual os podem levar para longe, ou projectar contra a costa, o que ser perigoso

    quando esta rochosa.

    Relativamente s mars, necessrio considerar que, em algumas praias, h uma

    grande alterao das condies quando est preia-mar ou quando est baixa-mar,

    sendo fundamental conhecer o local para prever os acontecimentos.

    Ainda necessrio considerar os factores ambientais que podem sofrer alteraes

    abruptas, criando potenciais situaes de perigo. Referindo-nos aos ventos, que

    podem ser locais ou causados pela aproximao de uma tempestade qual tambm

    podem estar associados relmpagos, sendo razes mais do que suficientes para

    abandonar rapidamente a gua. Segundo Tostee (2005), se a gua boa condutora

    da corrente elctrica dos relmpagos, fora de gua tambm se est em perigo, visto a

    exposio ser maior devido ao menor nmero de edifcios ou pra-raios, no sendo

    indito um surfista ser atingido.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    6

    Condicionantes do equipamento

    Relativamente s condicionantes do equipamento, devemos considerar a estrutura da

    prancha, o leash e o tipo de fato utilizados.

    Segundo Taylor (2004), das pancadas na prancha, 82% so com a prpria, sendo as

    leses provocadas pelas quilhas ou pelo rail e 18% so com as de outros surfistas,

    surgindo as leses devido s quilhas ou ao nose da prancha. A percentagem de

    leses com as quilhas superior nos casos com short-board do que nos casos do

    longboard. Tambm maior o nmero de leses com as shortboard, associadas ao

    retorno da prancha, devido ao leash (Nathanson et al., 2002).

    Condicionantes do surfista

    Os acidentes podem estar relacionados com a falta de capacidade do surfista

    relativamente aos aspectos anteriores, pelo que temos de considerar o seu

    conhecimento da modalidade, o seu nvel tcnico e a sua condio fsica.

    A forma como praticada a actividade deve ser considerada, porque o facto de estar

    vrias vezes na gua, com perodos mximos de 1 hora, com intervalos iguais ou

    superiores, diferente comparativamente com uma sesso de 3 a 4 horas, em que os

    nveis de cansao so elevados e a capacidade de resposta reduzida, podendo

    proporcionar um maior nmero de leses.

    O conhecimento das regras do surf fundamental para minimizar os riscos,

    nomeadamente em relao movimentao na zona de surf para chegar ao pico, bem

    como prioridade no momento do arranque.

    Todos os surfistas devem ter presente o seu nvel relativamente tcnica de

    deslocamento, com prancha, considerando a existncia das correntes e a necessidade

    de passar a rebentao e, sem prancha, porque existe sempre a possibilidade de esta

    se inutilizar ou perder, sendo ento necessrio nadar.

    Leses

    Segundo Nathanson (2007), o surf de competio relativamente seguro

    comparativamente com outras modalidades, duplicando o risco quando as ondas so

    grandes e quando o fundo de coral ou rochas. Taylor (2004) diz-nos que mais de

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    7

    50% das leses so causadas no fundo do mar, enquanto as restantes esto

    associadas s quedas da prancha (wipe out).

    A maioria das leses traumticas so cortes e entorses (quando o movimento da

    articulao ultrapassa os seus limites, provocando rupturas no tecidos), embora

    surjam algumas luxaes (quando h alterao da posio relativa dos ossos de uma

    articulao) e fracturas (quando so provocadas rupturas no osso, podendo ser

    abertas, quando o osso penetra na pele, ficando visvel), com maior incidncia nos

    membros inferiores e na cabea.

    De acordo com Nathanson (2002), as leses crnicas a nvel muscular, por excesso

    de carga e de repetio, esto associadas ao ombro, s costas e ao pescoo,

    surgindo tambm problemas devido exostose no ouvido e inflamao dos olhos.

    O constante contacto do canal auditivo externo com a gua salgada, bem como a

    entrada e acumulao desta no canal, podem levar ao desenvolvimento da exostose,

    tambm denominada ouvido de surfista, segundo Nathanson (2002). De acordo com

    o autor Booth (1994), no caso dos olhos, a gua salgada, com areia em suspenso e

    outras partculas de zooplncton e fitoplancton, pode causar irritao ou inflamao.

    Ainda na prtica, podem surgir acidentes por submerso, isto , sem ventilao surge

    a hipoxia e posteriormente, pode surgir a paragem cardaca, dando origem ao

    afogamento, caso no seja prestada assistncia com recurso ao suporte bsico de

    vida, segundo Pereira (2001), que esto associadas a situaes traumticas, a

    situaes por priso, pela prancha ou pelo leash, ao fundo de rocha ou coral, e pelas

    componentes/condicionantes da onda.

    Das leses causadas pelo meio, destacamos a hipotermia, com a descida da

    temperatura corporal para valores inferiores a 35C e a hipertermia, provocada pelo

    excesso de calor.

    Estas leses so tambm referidas como leses provocadas pelo calor e pelo frio.

    Quando no diagnosticadas, estas situaes podem facilmente evoluir para situaes

    de risco de vida, caso no seja ministrada ajuda exterior atempada vtima.

    Muitas das situaes onde ocorre este tipo de emergncia so devidas exposio a

    factores de envolvimento (frio, calor, vento, humidade), associadas a factores do

    prprio organismo como o esforo fsico, condio fsica, alimentao e o

    vesturio/equipamento que utiliza. Portanto, tcnicos que estejam a orientar uma

    sesso de surf ou de outra actividade aqutica, devem ter isto em conta.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    8

    Hipotermia

    Vtimas de submerso podem desenvolver dois tipos de hipotermia (temperatura

    corporal inferior a 35%, designadamente primaria e secundria. O que muitas vezes

    acontece nas actividades aquticas (surf inclusive), que as vitimas aps sofrerem

    uma acidente, permanecem demasiado tempo em ambientes lquidos, o corpo

    arrefece, pois a perda de calor mais rpida, onde a gua tem muito maior

    capacidade (25 vezes mais) que o ar para aceitar calor, potenciada pela exposio do

    corpo ao ar (correntes de ar - vento).

    Primria se for devido a mau funcionamento do organismo e secundria se for

    provocada por um agente agressor (vento, frio, neve, etc). O que fazer: Na hipotermia

    primria - tentar localizar a causa do mau funcionamento e agir em consonncia.

    Na hipotermia secundria a vtima apresenta frio, tremores, cianose, palidez e at

    mesmo tonturas ou ficar inconsciente - Aquecer a vtima, utilizando roupa, mantas

    trmicas e sacos quentes protegidos. Caso apresente tonturas alm do j referido,

    colocar a vtima na horizontal, dar oxignio a 5L e activar 112.

    Hipertermia

    Sinais e Sintomas:

    A vtima apresenta temperatura elevada, sede, mal-estar geral, tonturas ou

    inconscincia, queimaduras solares e/ou pele quente e seca, pulso rpido e

    fraco (circulao), comportamentos de resposta atrasados, perda de

    coordenao motora.

    Procedimentos:

    Retirar da exposio ao calor, movendo a vitima para um local fresco e

    arejado;

    Baixar a temperatura do corpo com toalhas molhadas, um banho de gua fria,

    dar gua fria a beber para provocar o arrefecimento;

    Activar 112;

    Vigiar a evoluo do estado da vtima, em relao s funes vitais, at

    chegada de ajuda mdica.

    Se estiver inconsciente, realizar SBV, dar oxignio (15 litros) e activar 112.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    9

    Estas so duas patologias tambm comuns no vero, especialmente nas praias, onde

    as pessoas cometem excessos.

    Preveno

    Consideramos como factores de risco, as condicionantes apresentadas e as leses

    mais frequentes e, como tal, deveras importante, como forma de preveno,

    conhecer os seus limites individuais, o local de prtica e alguns aspectos relacionados

    com os primeiros socorros.

    Quanto aos limites individuais de cada praticante, fundamental ter conscincia

    relativamente capacidade de resposta no momento, tendo em ateno as condies

    tcnicas e fsicas, considerando anteriores leses e o esforo j dispendido em

    anteriores sesses.

    Para prevenir, devemos:

    No surfar sozinho;

    Evitar o frio e o cansao;

    Adequar o nvel tcnico s condies de prtica;

    Saber nadar;

    Conhecer procedimentos de salvamento;

    Efectuar um reforo muscular, tendo em ateno gestos especficos (costas e

    ombros) e recuperao de leses.

    Para o caso de um surfista se encontrar numa corrente, o mesmo no a deve

    contrariar, mas sim flutuar at que esta perca intensidade, mudando ento de direco

    ou, caso seja mais premente a sada, para evitar zonas rochosas, a soluo ser

    remar ou nadar lateralmente e depois em direco costa.

    Quanto ao local de prtica, necessrio respeitar a Natureza e ter presente que esta

    actividade efectuada num confronto constante com o mar, nunca apresentando-se

    da mesma forma, podendo sofrer alteraes. Assim, necessria uma constante

    observao dos locais j conhecidos e uma investigao prvia, quando procuramos

    novos locais, atravs do contacto com surfistas ou indivduos da zona.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    10

    Para prevenir, devemos:

    Avaliar as condies do mar (ondas, correntes, mares, zona de entrada e

    sada);

    Conhecer o local com diferentes condies;

    Estar alerta s alteraes repentinas das condies climatricas e do mar.

    Para a prtica, imprescindvel a adequao do equipamento, um conhecimento e

    domnio das tcnicas a utilizar durante a viagem na onda e a finalizao da mesma,

    bem como das regras de conduta dentro de gua.

    Para prevenir, devemos:

    Colocar proteces na prancha (no nose da prancha e nas quilhas);

    Usar capacete quando o fundo de rocha ou de coral, e pouco profundo;

    Verificar as condies de desgaste e manuteno do equipamento (prancha,

    quilhas e leash);

    Dominar as tcnicas de deslocamento (mergulho de pato e mergulho sem

    prancha);

    Na aproximao ao pico, remar na direco da espuma, quando outro surfista

    est na onda;

    Dominar as sadas da onda (wipe-out, bail-out jump, bail-out dive);

    Aps uma queda ou salto, proteger a cabea com os braos, at chegar

    superfcie;

    Respeitar a regra da prioridade.

    Finalmente, importante ter uma mala de primeiros socorros, para poder dar resposta

    a eventuais leses, possibilitando uma primeira interveno, conhecendo de antemo

    qual o plano de evacuao, para que seja possvel uma rpida interveno dos

    profissionais de sade e uma eventual deslocao para instalaes de servios de

    emergncia.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    11

    Salvamento no meio aqutico

    1. Princpios do salvamento

    Em todos os salvamentos esto presentes 3 fases:

    1.1. Reconhecimento

    Alertar S.O.S- 1ajuda (dirigida a outros NS, Autoridade Martima etc.);

    Despir/Vestir rapidamente o uniforme/fato para facilitar o salvamento;

    Verificar o nmero de vtimas ou de nufragos;

    Localizar onde se encontram;

    Avaliar as condies do mar (embora as deva ter sempre presente).

    1.2. Planeamento

    Optar pelo mtodo de salvamento adequado situao aps o reconhecimento.

    a. Alcanar (vara de salvamento)

    b. Lanar (bia)

    c. Caminhar (entrar na agua com p)

    d. Remar (usar uma embarcao).

    e. Nadar (utilizar os meios de salvamento)

    f. Rebocar (resgate do naufrago).

    1.3. Aco

    Seleccionar o meio de salvamento de acordo com o mtodo definido no

    planeamento;

    Entre rapidamente na agua, aproximar-se do nufrago sem nunca o perder de

    vista;

    A aproximao ao nufrago deve ser feita em natao de salvamento e com

    grande precauo;

    Logo que o nufrago esteja a distncia audvel, falar com ele, transmitindo-lhe

    calma e confiana, a uma distncia de aproximadamente 3/4 metros (rea de

    segurana);

    Avaliao do estado do nufrago (estado de conscincia).

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    12

    Perante a situao de:

    Nufrago consciente, deve-se:

    Falar com serenidade e dar ordens precisas, incutir confiana, para facultar o meio

    de salvamento;

    Deslocar-se para uma posio segura face ao nufrago interpondo o meio auxiliar

    de flutuao;

    No nadar abaixo de gua para assumir uma posio posterior, poder causar

    pnico ao nufrago;

    No caso de o nufrago ser encontrado inconsciente, deve-se:

    Sinalizar gestualmente para a restante equipa (agitar o brao sobre a cabea) para

    que seja activada a 2 ajuda (chamar 112);

    Alcanar rapidamente o nufrago inconsciente. A celeridade vital, se o naufrago

    ainda no est em paragem respiratria isso no tardar a acontecer;

    Observar continuamente o nufrago na eventualidade de ele submergir;

    Agarrar o nufrago, traze-lo superfcie se estiver submerso, verificar as vias

    respiratrias e ministrar 5 insuflaes;

    Dar prioridade estabilizao do estado da vtima, e s depois ocupar-se com o

    resgate;

    Resgatar o nufrago de acordo com o mtodo/meio de salvamento utilizado;

    Sair da gua com transporte do nufrago para um local seguro.

    preciso frisar que das tcnicas baseadas em terra, a mais eficaz a obteno do

    alcance com um meio auxiliar rgido. Os Nadadores salvadores ou qualquer pessoa

    que esteja a auxiliar outra, apenas deve usar tcnicas que envolvam nadar quando as

    tcnicas baseadas em terra falharem ou no so apropriadas na ocasio.

    Deve ser relembrado que as condies podem alterar-se durante o salvamento, pois

    uma pessoa consciente, pode rapidamente passar a inconsciente, alterao do estado

    de mar, entre outras alteraes que podero ocorrer.

    Assim um plano de aco de um salvamento aqutico no dever nunca considerado

    final e pode ter de ser ajustado no decorrer da aco.

    Depois de uma abordagem abrangente do salvamento aqutico, onde foram

    apresentadas as 3 fases que constituem os salvamentos e o algoritmo de salvamento

    aqutico, deve estar assente num nadador salvador ou num tcnico qualificado para

    tal, que os nufragos podero ser encontrados em diferentes situaes.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    13

    2. Categorias de nufragos

    2.1. Naufrago consciente cansado

    1. Antes do salvamento:

    a. Pode utilizar os braos e pernas para se aguentar superfcie;

    b. Normalmente encontra-se virado para terra;

    c. Pode submergir periodicamente;

    d. Pode repelir alguma gua que entre na boca;

    e. Pode gritar e pedir por socorro;

    f. Aspecto cansado e assustado.

    2. Durante o salvamento:

    a. Verificar se cumpre as instrues do nadador salvador;

    b. Verificar se colabora com o nadador salvador no regresso a terra ajudando-o com

    movimentos propulsivos.

    3. Consideraes durante o salvamento:

    a) O nadador salvador deve evitar o contacto fsico com o nufrago;

    b) Deve sempre utilizar um meio de interposio e de salvamento.

    2.2. Naufrago consciente em pnico

    1. Antes do salvamento:

    a) O naufrago encontra-se agitado na maioria dos casos;

    b) Nesta situao no tem qualquer tipo de auto domnio.

    2. Durante o salvamento:

    a) No tem capacidade de compreenso das instrues que lhe so transmitidas.

    3. Consideraes durante o salvamento:

    a) O nadador salvador deve dar instrues precisas e curtas.

    b) Deve evitar contacto fsico com o nufrago mantendo uma distancia de 3 a 4

    metros.

    c) Deve interpor o meio de salvamento.

    d) Depois de o naufrago estar agarrado ao meio de salvamento dever o Nadador

    Salvador transmitir-lhe calma e confiana, efectuando o reboque sem contacto

    fsico.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    14

    2.3. Nufrago aparentemente inconsciente:

    1. Antes do salvamento:

    a) Pode estar entre a superfcie e o fundo.

    b) No reage, encontra-se sem energia e sem expresso facial.

    c) Pode encontrar-se com as vias respiratrias submersas.

    2. Durante o salvamento:

    a) O nufrago no responde a instrues e nem coopera com o Nadador Salvador

    tornando o salvamento mais difcil.

    importante tambm referir que no salvamento aqutico, podero surgir mais que um

    nufrago a precisar de auxlio, sendo o nmero de pessoas em dificuldade, uma

    questo a salientar e definir.

    O nmero e condies das pessoas em dificuldade devero ser estabelecidos por

    observao, inquirindo testemunhas ou eventuais testemunhas, ou pessoas em

    dificuldade. Quando mais de uma pessoa se encontra em dificuldade, h necessidade

    de considerar a ordem por que deve efectuar o salvamento (triagem).

    Em geral deve socorrer primeiro os nufragos conscientes e, destes, os no

    nadadores, porque esto em risco de perder a conscincia. Pode depois dirigir a sua

    ateno para os nufragos conscientes ou submersos. Obviamente que este tipo de

    triagem est largamente dependente da facilidade de acesso aos diferentes nufragos,

    bem como do estado do mar e meios de salvamento disponveis.

    Se a capacidade do Nadador Salvador no permitir socorrer todos os nufragos, tal

    facto no deve influir na sua capacidade de actuao e deciso, pelo que deve centrar

    os seus esforos em salvar os nufragos que se encontrem dentro das suas

    possibilidades. Salvo casos excepcionais, como a queda de um veculo a agua ou o

    naufrgio de uma embarcao, a situao mais vulgar a de salvar somente um

    naufrago.

    Outro assunto a destacar no salvamento aqutico, a Ajuda disponvel.

    As testemunhas podem de ser grande utilidade para o Nadador Salvador, podem ser

    utilizados para pedir ajuda a outros Nadador Salvadores, telefonar para o 112 ou

    autoridade martima. Podem ajudar nos procedimentos do salvamento ( Surfistas,

    ajuda com o carretel, etc.) devendo o Nadador Salvador certificar-se que as suas

    instrues so compreendidas.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    15

    3. Componentes de resgate

    Independentemente do mtodo e dos equipamentos utilizados, qualquer situao de

    resgate (remoo de um naufrago de um ambiente exposto a agentes perigosos) tem

    em comum algumas fases que se destina por componentes comuns do resgate

    aqutico.

    1. Aproximao ao nufrago em natao de salvamento (nadar em crawl com a

    cabea fora de agua):

    a) Esta fase reveste-se de particular importncia porque altura em que se contacta

    com o nufrago.

    b) sempre um momento de grande incerteza e ansiedade e tambm de algum

    perigo, sobretudo se deparar com nufragos em pnico, conscientes e combativas.

    c) Ao se aproximar o Nadador Salvador deve tentar estabelecer com o nufrago, logo

    que seja fisicamente possvel deve tentar acalma-lo, conforta-lo e declarar a sua

    inteno em ajudar, e tambm as formas como o naufrago poder cooperar para

    facilitar o resgate. Este momento inicial de avaliao da uma primeira impresso,

    extremamente valiosa.

    2. Crculo de segurana:

    a) Como princpio deve estabelecer um crculo imaginrio de 3/4 metros volta de

    nufrago, limitado pela possibilidade de ser alcanado subitamente pelo nufrago.

    Este crculo limita uma zona inicialmente interdita ao Nadador Salvador (distancia de

    segurana ou risco). a distncia qual o Nadador Salvador avalia, em segurana,

    o estado geral do nufrago, sinalizando outros intervenientes na manobra de socorro.

    3.1. Meios e tcnicas de salvamento

    Os meios de salvamento que existem e esto neste momento certificados pelo

    Instituto de Socorros a Nufragos, ao dispor do nadador salvador, para efectuar os

    salvamentos aquticos so compostos por a Vara de Salvamento, Bia Circular, Cinto

    de Salvamento, Bia Torpedo e a prancha de salvamento, assim como a possvel

    utilizao do carretel amovvel sempre acoplado de outro meio, neste caso o mais

    usado, o cinto de salvamento.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    16

    Estes meios de salvamento exigem de quem os usa, neste caso, por parte dos

    Nadadores Salvadores, um conhecimento extensivo tanto terico mas acima de tudo,

    da tcnica prtica adequada e mais eficaz para a utilizao deste.

    Indo de encontro ao nosso trabalho, e sabendo partida que estes meios tm uma

    utilizao de acordo o mtodo mais adequado situao. Assim, interessa-nos

    esmiuar a prancha de salvamento enquanto meio de salvamento, tendo em conta o

    nosso trabalho incidir no aspecto do salvamento aqutico e a sua relao com o surf.

    A prancha de salvamento ou outro tipo de prancha um meio til para fazer uma

    abordagem rpida a longa distancia (ex. banhistas que se afastam numa embarcao

    insuflvel de recreio) e sempre que se preveja a necessidade de utilizao de um

    ponto de apoio com elevada flutuabilidade propcio para estabilizar nufragos e

    aguardar ajuda complementar de terra ou de embarcao.

    Utiliza-se nas seguintes situaes:

    a. Cobrir distncias longas, sempre para alm da rebentao.

    b. Dar apoio a um ou mais nufragos ou um inconsciente.

    c. Permitir ao Nadador Salvador um maior apoio quando tem de se esperar por

    meios areos/martimos, ou at que as condies de forte rebentao

    melhorem.

    d. Como plano rgido improvisado no transporte do nufrago at ambulncia (na

    ausncia de plano rgido).

    Tcnica de entrada na gua:

    1. O transporte da prancha feito por arrastamento, agarrando-a pelos bordos

    laterais ou pela ala da frente mais prxima do Nadador Salvador, ou ainda

    pela ala central do lado oposto.

    2. Antes de entrar a gua, o nadador salvador ou o tcnico qualificado para

    tal, dever fazer uma rpida leitura das condies do mar.

    3. Por vezes necessrio esperar alguns momentos, at que as ondas mais

    fortes passem (Set) e se criem assim as condies mais favorveis para

    uma rpida entrada (Sota).

    4. O Nadador Salvador s devera colocar-se em cima da prancha quando a

    progresso comear a ser dificultada pelo nvel da gua ou pela

    rebentao.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    17

    5. Quando o Nadador Salvador surpreendido pela rebentao, deve utilizar

    a tcnica da rotao, para evitar o arrastamento.

    Tcnica da rotao:

    Segurando as alas dianteiras e utilizando o corpo, efectuando-se uma rotao

    completa de modo a passar a onda, se ela for inultrapassvel sem ter que abandonar

    a posio sobre a prancha, devendo ter especial cuidado em:

    1. Estar sempre aproado rebentao.

    2. Segurar a prancha o mais frente possvel e sempre pelas pegas, por ser a

    forma mais segura de no a perder.

    3. Utilizar o corpo para facilitar a rotao.

    4. Se necessrio, efectuar o afundamento da proa chegando-se frente, com

    o objectivo de furar a onda.

    Tcnica com nufrago consciente:

    1. Aps aproar a prancha praia, o nadador salvador d um bordo ao

    nufrago, de modo a que este fique sempre entre a prancha e a praia, o

    naufrago deve segurar uma das pegas da frente;

    2. O nadador salvador fixa a mo no bordo oposto, e sem sair da prancha, d

    ordens precisas ao nufrago, para que ele suba o mais rpido possvel. O

    nadador salvador deve estar colocado na parte traseira da prancha e

    dever ajudar o nufrago a subir para a mesma;

    3. Uma vez que o nufrago se encontre sobre a prancha, o Nadador Salvador

    desliza (o seu queixo fica sobre o cccix do naufrago) de forma a controlar

    o nufrago para evitar que este caia da prancha.

    Tcnica com nufrago inconsciente:

    1. O nadador salvador coloca o nufrago de costas, com a zona cervical (caso

    no haja suspeita de leses na coluna vertebral) encostada ao bordo lateral

    da prancha, colocando o seu brao sob a axila do nufrago, coloca-lhe a

    cabea numa posio de extenso de forma a verificar as vias respiratrias,

    continuando a segurar-lhe o queixo para evitar que a cabea caia para a

    frente (na zona do maxilar inferior).

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    18

    2. Aps ter aplicado 5 insuflaes ao nufrago, o Nadador Salvador f-lo

    deslizar para a gua sem perder o contacto com a mo sobre o bordo da

    prancha, inicia uma rotao de modo a que o nufrago fique atravessado

    sobre a prancha.

    3. O nadador salvador agarra o nufrago pelo pulso, evitando abandonar a

    prancha, segura-lhe a mo mais prxima, efectua uma rotao da prancha

    e coloca a axila do nufrago no bordo da prancha.

    4. De regresso praia o nadador salvador coloca-se nas costas do nufrago,

    agarrando com uma das mos na regio do peito, de modo a poder

    control-lo e manter-lhe as vias respiratrias fora de gua.

    5. O nadador salvador efectua o transporte mais aconselhvel para uma zona

    segura, de modo a iniciar o SBV, caso necessrio.

    6. Corrigindo a posio do nufrago sobre a prancha para transporte, ajusta a

    posio dos ombros, bacia e pernas, conforme o estado do mar e as

    necessidades de equilbrio.

    7. Sempre que for necessrio ficar junto ao nufrago para estabilizar o seu

    estado, a prancha adequa-se a esta finalidade por proporcionar uma boa

    flutuabilidade, alguma proteco trmica e melhor visibilidade no caso de

    busca area.

    Naufrago consciente - sada da gua:

    1. Ao chegar praia, o Nadador Salvador deve controlar a prancha pela popa

    (retaguarda) colocando a prancha entre as suas pernas e segurando as

    pernas do nufrago (consciente).

    2. Segurar o nufrago em ambos os lados da prancha.

    3. O nadador salvador deve passar os seus braos sob as axilas do nufrago,

    efectua uma rotao, puxa-o e afasta-o da prancha .

    4. Esta aco deve ser efectuada o mais rpido possvel para evitar leses

    provocadas pelo desconforto da prancha.

    5. Evitar sempre a passagem da zona de rebentao com o naufrago em

    prancha e somente utilizar esta manobra com nufragos inconscientes,

    sendo esta uma tcnica de ultimo recurso.

    6. Se o nadador salvador constatar que vai ser apanhado pela rebentao,

    deve passar os braos sob as axilas do nufrago, tendo a preocupao de

    segurar ao mesmo tempo as alas dianteiras da prancha de forma a

    bloquear o nufrago entre si e a prancha.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    19

    7. Se a rebentao dificultar o regresso, o Nadador Salvador deve procurar os

    pontos fracos da rebentao (Sota) para tentar sair.

    4. Conceito de Afogamento

    A organizao mundial de sade (OMS) refere que ocorrem aproximadamente

    450.000 mortos por Afogamento em todo o mundo. O Afogamento uma das

    principais causas de morte acidental na Europa e no mundo.

    Em Portugal morrem dezenas de pessoas por afogamento todos os anos. Os dados

    estatsticos fornecidos pelos servios do ISN indicam que as vitimas so

    maioritariamente adultos do sexo masculino, resultantes de acidentes na orla

    martima.

    O Afogamento o processo que resulta na dificuldade respiratria, por

    submerso/imerso num meio lquido.

    Fica implcito que est presente na entrada das vias areas, um liquido que dificulta a

    troca gasosa.

    A vtima pode sobreviver ou morrer neste processo, mas qualquer que seja o resultado

    final, ele ou ela esteve envolvido num incidente de afogamento. Imerso significa que

    parte do corpo est coberto de gua ou outro fluido. Para ocorrer afogamento,

    normalmente basta a face e as vias areas estarem imersas ou sofrerem exposio a

    lquidos. Submerso implica que todo o corpo, incluindo a via area, esteja debaixo de

    gua ou outro fluido.

    Evidncias de Afogamento: tosse, ou secreo (espuma) nas vias areas, ou

    auscultao pulmonar alterada, ou alterao na ventilao ou oxigenao aps histria

    de imerso ou submerso.

    Mas no que se refere ao nosso tema, casos prticos no surf, o que poder ocorrer

    sero a incidncia de traumatismos. Nestes casos a imobilizao da coluna difcil de

    executar na gua e atrasa a remoo do nufrago, assim como o inicio do SBV. Os

    colares cervicais, quando colocados de forma incorrecta, podem causar a obstruo

    das vias area em nufragos inconscientes. Assim, nestes casos o nufrago/surfistas

    que sejam encontrados nesta situao, em que no do sinais de ventilao e sem

    pulso, deve ser retirado o mais rapidamente possvel da gua.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    20

    5. Trauma

    O trauma a principal causa de morte na faixa etria de 1 a 44 anos. Em cada dez

    anos morrem por trauma mais pessoas que no conjunto de todos os conflitos militares.

    Alem disso, em cada ano, 11milhoes de pessoas ficam incapacitadas temporariamente

    e 450mil ficam com incapacidade permanente.

    Durante a prestao de cuidados de emergncia s vtimas de trauma devemos

    proporcionar-lhe as melhores condies de socorro, assegurando que os

    equipamentos que usamos esto nas melhores condies, que foram previamente

    verificados e ainda que estamos na posse de conhecimentos actualizados e dispomos

    de tcnicas altamente treinadas.

    Assim sendo, o nadador salvador ou tcnico qualificado que preste auxilio nestes

    casos, deve dar uma resposta pronta e eficaz num curto espao de tempo.

    Na prtica desta que modalidade que o Surf, podemos reconhecer traumatismos

    graves (Vrtebro-medular), a nvel da cabea, pescoo e coluna, fruto da profundidade

    da agua (rochas; recifes), entre outros acidentes comuns nesta modalidade.

    Assim, sempre que a vtima for encontrada inconsciente, estiver envolvida num

    acidente em prancha, tenha cado em altura ou tenha sofrido um impacto com a

    cabea e pescoo, suspeitamos uma possvel leso deste tipo.

    As vtimas deste tipo requerem cuidados especiais, dai a necessidade de atendermos

    aos sinais destas leses traumticas.

    Os sinais que podero apresentar so:

    1. Dor no local da leso.

    2. Perda de movimento nas extremidades.

    3. Perda de movimento abaixo do local de leso.

    4. Sensao de formigueiro ou perda de sensao nas extremidades.

    5. Desorientao.

    6. Deformidades no pescoo ou nas costas.

    7. Pisaduras sobre uma poro da coluna vertebral.

    8. Dificuldade respiratria (dispneia).

    9. Leses na cabea (crnio enceflicas).

    10. Aparecimento de sangue ou fluidos nos ouvidos e/ou nariz.

    11. Inconscincia.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    21

    5.1. Princpios de Abordagem a vtimas de trauma

    O tratamento do politraumatizado requer a identificao e tratamento prioritrio

    daquelas leses que pem em risco a vida da vtima. Os ambientes onde se

    encontram as vtimas de trauma so em regra extremamente perigosos. Por isso,

    fulcral garantir as condies de segurana para posterior avaliao.

    Uma vez obtidas as condies de segurana, dever-se- analisar todas as

    informaes disponveis para tentar perceber o que se passou (cinemtica).

    Reconstruindo mentalmente o sucedido e recorrendo da observao inicial da vitima

    (leses evidentes, presena de sangue, etc.) determina-se o mecanismo de leso. Por

    exemplo, num caso pratico de surf, em que a vitima que caiu da prancha de surf,

    consciente, foi atingida no brao direito pela quilha de outra prancha, situao comum

    nesta modalidade. Elaborado mentalmente o mecanismo de leso, confirma-se as

    suspeitas e aborda-se a vtima.

    Esta primeira avaliao, a avaliao primria, se feita correctamente, dever identificar

    tais leses como:

    Obstruo da via area

    Leses torcicas com dificuldade respiratria

    Hemorragia severa interna ou externa

    Leses abdominais

    A avaliao ABCDE (Via area, Respirao, Circulao, Disfuno neurolgica e

    Exposio) efectuada. Esta avaliao primria no deve demorar mais que 2-5

    minutos. O tratamento simultneo das leses pode ocorrer quando existem mais do

    que uma leso potencialmente mortal. Isto inclui:

    Via area/imobilizao da coluna cervical

    Avaliar a via area. O doente pode falar ou respirar livremente? Se obstrudo, os

    passos a considerar so:

    Imobilizao da coluna cervical (em gua utilizar colar cervical na vtima se

    possvel).

    Elevao do queixo/subluxao da mandbula (a lngua est agarrada

    mandbula).

    Aspirao (se disponvel).

    Tubo orofarngeo/nasofarngeo.

    Intubao (manter o pescoo imobilizado em posio neutra).

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    22

    fulcral, referir que em todos estes passos a hiperextenso ou hiperflexo do

    pescoo est contra-indicada neste tipo de vitimas.

    Respirao (ventilao)

    A respirao avaliada quando a patncia da via area e adequabilidade da

    respirao so reavaliadas. Se inadequada, os passos a considerar so:

    Descompresso e drenagem de pneumotrax/hemotrax sob tenso.

    Encerramento de ferida aberta do trax.

    Ventilao artificial.

    Circulao/Controlo de hemorragias

    Avaliar a circulao, quando a administrao de oxignio, a patncia da via area e a

    adequabilidade da respirao foram avaliadas. Se inadequadas, os passos a

    considerar so os seguintes:

    Parar a hemorragia externa (identificar hemorragias visveis e proceder ao seu

    controlo, atravs da compresso manual directa sobre a zona sangrante, e

    despistar a existncia de hemorragias internas atravs de identificao de

    sinais e sintomas de hemorragias grave, tais como, o aumento da frequncia

    cardaca, palidez,etc.).

    Estabelecer 2 linhas venosas (cnulas 14-16G) se possvel.

    Administrar fluidos se disponveis.

    Disfuno neurolgica

    Exame neurolgico rpido (o doente est consciente, responde vocalmente dor ou

    est Inconsciente). No h tempo para fazer a escala de coma de Glasgow, por isso:

    A- Acordado/Alerta

    V- Resposta verbal (se responde a estmulos verbais).

    P- Resposta dor (se responde a estmulos dolorosos).

    U - No responde

    Exposio/Controlo da temperatura

    O principal objectivo desta fase, expor toda a rea corporal para uma melhor

    identificao das leses traumticas.

    Despir (retirar ou cortar as roupas) a vtima e procurar as leses.

    Se h suspeita de leso cervical ou da coluna, importante fazer a mobilizao

    em alinhamento.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    23

    Manuteno da temperatura corporal como forma de combate hipotermia,

    utilizando lenis e cobertores trmicos para isolar do sol, vento e da chuva.

    Utilizar paralelamente sacos de frio e calor.

    Quanto aos procedimentos tcnicos para remover os nufragos da gua, estes

    devem assegurar sempre a integridade da coluna vertebral.

    Assegurar a permeabilidade da via area e a ventilao, seguindo a avaliao

    primria, em suma o algoritmo de SBV tem sempre prioridade face a qualquer

    procedimento.

    Se o naufrago no ventilar, comear as manobras de SBV de ventilao

    externa e remover ou resgatar o nufrago da gua, o mais rapidamente

    possvel.

    Se o naufrago ventilar:

    1. Fazer deslizar o Plano rgido flutuante sob a vtima, em caso de este no

    existir utilizar uma prancha.

    2. Fixar o nufrago o estritamente necessrio para que ao ser extrada da

    gua no caia, manter a imobilizao manual da cabea.

    3. A imobilizao deve ser iniciada na zona do tronco do nufrago, zona de

    maior peso do corpo.

    4. No havendo perigo, consoante as condies e as circunstncias

    presentes, tente remover o nufrago da gua o mais breve possvel

    (utilizando um grupo coordenado para um transporte seguro e eficaz).

    5. Em zona seca poder prestar um auxlio de muito melhor qualidade,

    avaliando melhor e controlando a temperatura de forma muito mais eficaz.

    6. Avalie de novo o nufrago, usando a metodologia referida para abordar

    inicialmente a vtima.

    7. Se houver suspeita de Traumatismo Vrtebro-Medular, aps a avaliao

    primria, e havendo condies de deciso para a imobilizao, execute-a.

    8. Manter a imobilizao manual da coluna cervical.

    9. Avaliar e seleccionar o tamanho do colar cervical e aplicar.

    10. Fixar o corpo do nufrago com fitas de fixao ao plano rgido, comeando

    pelo dorso, cabea e pescoo, seguido dos membros inferiores e

    superiores.

    11. Coordenar as aces de transporte na equipa, dando indicaes das

    aces a realizar de forma clara e segura.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    24

    12. Colocar os fixadores laterais da cabea, s agora poder retirar a

    imobilizao manual da coluna cervical.

    13. Preencher com toalhas todos os espaos que ficaram vazios entre o

    nufrago e as fitas de fixao ou entre extremidades do corpo entre si.

    14. Reavaliar o naufrago, falar com a vitima se possvel. Conforta-la, avaliar as

    extremidades, quanto a circulao e cor, sensibilidade e capacidade de

    movimentos

    15. Controlar a temperatura do corpo do nufrago utilizando mantas ou lenis

    trmicos.

    16. Se estiver disponvel aplicar oxignio.

    A imobilizao da coluna cervical no est indicada a no ser que sejam evidentes

    sinais de trauma grave. Quando nos deparamos com vtimas decorrentes da

    modalidade de surf, a possibilidade de ocorrer um trauma comum, mas apesar de

    possvel traumatismo, se o naufrago estiver sem pulso e apnica, fulcral antes de

    mais, retirar a vitima da agua o mais rpido possvel, mesmo se nenhum plano rgido

    ou qualquer outro equipamento de imobilizao estiver disponvel, tentando limitar os

    movimentos de pescoo e do resto da coluna.

    Em caso de existir esta suspeita, quem prestar auxilio e no tiver recurso a qualquer

    plano rgido, deve utilizar:

    1. As mos para fixar o pescoo do nufrago em posio neutra (sem extenso

    ou flexo).

    2. Seguidamente colocar o nufrago a flutuar, em posio deitada.

    3. Esperar por ajuda, ou em caso de o resgate ser exequvel, efectuar este o

    mais rpido possvel para assegurar a administrao de SBV, se necessrio.

    6. Reanimao e tcnicas de reanimao

    Segundo dados da Associao de Salvamento Aqutico dos Estados Unidos (USLA,

    Brewster, 2003), das vrias funes prioritrias desempenhas pelos Nadadores

    Salvadores, estima-se em 5,45% o tempo despendido da prestao de cuidados

    mdicos a vitimas (ou seja a segunda actividade mais importante a seguir ao

    desempenho de funes preventivas 91.10%) e em 2.44% o tempo dispendido nos

    salvamentos aquticos.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    25

    Respirao celular:

    Pulmes ventilam ar atmosfrico, captam O2 para alvolos, difundem e fixam-no no

    sangue.

    Sistema cardiovascular corao e vasos sanguneos geram presso para por a

    circular e distribuir o dbito sanguneo do corao irriga todas as clulas sobretudo

    as + activas e as vitais como corao e crebro.

    Aps o fornecimento de O2 s clulas o sangue retorna ao corao trazendo CO2 e

    O2 na pequena circulao indo novamente para os pulmes onde se inicia o ciclo

    novamente.

    Este o ciclo que assegura a vida humana, mas existindo um acidente, ocorre uma

    alterao de comportamento. A obstruo da via area interrompe o acesso do ar aos

    pulmes sem ar no h oxignio logo energia que levar ao corte do trabalho

    ventilatrio pulmonar consequentemente para o trabalho cardaco.

    Quando falta o sangue entra-se em estado de choque, pelo que se o ciclo for

    interrompido necessrio agir, se nada for feito perde-se a vida.

    Paragem crdio-respiratria (PCR) Morrem milhares de pessoas em todo o mundo

    devido a PCR. Uma resposta rpida e eficaz pode impedir uma PCR. O inicio imediato

    do SBV perante uma PCR duplica ou triplica as hipteses de sobrevivncia de uma

    vtima de fibrilhao ventricular.

    As vtimas de PCR necessitam imediatamente do incio do SBV, uma vez que este

    promove uma menor mas suficiente circulao para o corao e o crebro e aumenta

    a probabilidade da reanimao atravs do SAV seja mais eficiente. As compresses

    torcicas externas so de extrema importncia, principalmente se a desfibrilhao

    automtica externa no for possvel num perodo de 4 a 5 minutos aps o colapso.

    Cada minuto de atraso do SBV diminui em 7-10% as hipteses de sobrevivncia.

    (MNS)

    Cadeia de sobrevivncia

    * Disfibrilhao automtica externa.

    ** Suporte avanado de vida.

    112 SBV DAE* SAV*

    *

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    26

    6.1. Suporte Bsico de Vida (SBV)

    A primeira testemunha da vtima constitui um papel de extrema importncia na cadeia

    de sobrevivncia da vtima. Os seus procedimentos esto acessveis a todo e qualquer

    cidado:

    1. Reconhecimento e identificao do problema.

    2. Pedido de ajuda.

    3. Rpido incio das manobras de SBV.

    O SBV permite, em caso de disfuno, fornecer oxignio e manter a circulao, de

    forma menor, mas suficiente, para prolongar a vida das clulas e dos rgos vitais do

    nosso organismo, at chegada de ajuda qualificada. Como tal, tem como principal

    objectivo manter a ventilao e a circulao suficientes at conseguir meios para

    reverter a causa da paragem, sendo, por isto, uma situao de suporte. No entanto,

    em certas ocasies pode reverter a causa e permitir a recuperao total.

    6.2. Procedimentos do SBV

    O SBV inclui os seguintes elementos:

    1. Avaliao inicial

    2. Pedidos de ajuda e alerta do SIEM (112)

    3. Permeabilizao e manuteno da via area.

    4. Ventilao com ar expirado

    5. Compresso do trax

    A utilizao dos procedimentos acima descritos designa-se de Reanimao Crdio-

    Pulmunar (RCP).

    6.3. Algoritmo para Adulto European Resuscitation Council (2005) - ERC

    Segundo o ERC, o SBV consiste na sequncia das seguintes manobras:

    1. Assegure a sua segurana e a da vtima.

    2. Verifique se a vtima responde.

    3. Abane suavemente os ombros da vtima e pergunte em voz alta: Est bem?

    4. Se responder:

    A. Deixe a vtima na posio em que est e se necessrio procure auxilio.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    27

    B. Reavalie a vtima regularmente.

    Se no responder:

    A. Pea ajuda.

    B. Posicione a vtima de costas e abra a via area* atravs da manobra de

    extenso da cabea e elevao do queixo.

    C. Mantendo a via area desimpedida, veja, oua e sinta (VOS), se existe

    uma ventilao normal. Este processo no deve demorar mais de 10

    segundos.

    D. Veja se h movimentos no peito.

    E. Oua prximo da boca da vtima se h sons provocados pela

    ventilao.

    F. Sinta na sua face se h passagem de ar

    G. Se a vtima estiver a respirar normalmente, rode e posicione a vtima

    em posio lateral de segurana (PLS), procure auxilio e avalie

    regularmente se a ventilao se mantm constante.

    H. Se no estiver a ventilar correctamente:

    a) Pea auxlio (112).

    b) Ajoelhe-se ao lado da vtima.

    c) Coloque o calcanhar da mo no centro do peito da vtima.

    d) Coloque o calcanhar da outra mo sobre a primeira mo e

    entrelace os dedos. Assegure-se que a presso no feita nas

    costelas da vtima.

    e) Posicione-se verticalmente e com os braos em extenso sobre

    o peito da vtima. Pressione o externo para baixo cerca de 4-5

    cm (adulto)

    f) Aps cada compresso**, abrande a presso sobre o peito.

    Repita a um ritmo de cerca 100 compresses por minuto.

    I. Combine compresses torcicas externas com ventilao externa.

    a) Aps 30 compresses permeabilize a via area.

    b) Primas narinas com uma mo.

    c) Inspire normalmente e coloque os seus lbios volta da boca da

    vtima, assegurando uma boa selagem.

    d) Sopre continuamente para a boca, medida que observa o peito

    a mexer, durante aproximadamente 1 segundo, como uma

    inspirao normal. Realize duas insuflaes externas eficazes.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    28

    e) Repita o processo intercalando 30 compresses com 2

    insuflaes.

    J. Continue a reanimao at chegar pessoal especializado que tome

    conta da situao ou a vtima comear a ventilar normalmente.

    K. Ateno que facilmente o socorrista fica exausto ao realizar a

    reanimao.

    *Abertura da via area A abertura da via area deve ser realizada utilizando a

    manobra de extenso da cabea e elevao do maxilar quer se esteja ou no perante

    um caso de vtimas de trauma.

    **Compresses Torcicas Externas (CTE) - As CTE geram um pequeno fluxo de

    sangue para o crebro e corao pelo que aumentam a probabilidade de sucesso de

    desfibrilhao. As compresses so particularmente importantes se na desfibrilhao

    o primeiro choque elctrico no ocorrer durante os 5 minutos iniciais aps o colapso.

    De acordo com as concluses da Conferncia de Consenso 2005, realizada

    anualmente no mbito da elaborao das directivas agora em vigor, reforaram-se as

    seguintes ideias:

    1. Cada vez que as CTE so iniciadas, as mos devem ser rapidamente

    posicionadas no centro do peito;

    2. O peito deve ser comprimido a uma taxa de 100 compresses por minuto;

    3. A profundidade de compresso deve ser de 4-5 cm (para um adulto);

    4. O peito tem de retornar sua posio inicial aps cada compresso;

    5. O tempo de compresso deve ser aproximadamente igual ao tempo de

    durao da descompresso;

    6. As interrupes entre as compresses torcicas devem ser minimizadas;

    7. Palpao da artria cartida (pulso central) ou femoral (na artria do membro

    inferior) manobra a utilizar para determinar a presena de um fluxo

    sanguneo eficaz.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    29

    6.4. Posio lateral de segurana (PLS)

    A realizao desta tcnica em vtimas inconscientes com circulao normal de

    extrema importncia na sua estabilizao. Objectivos com a realizao da PLS:

    1. Manter a permeabilidade da via area, atravs da extenso da cabea,

    impedindo a queda da lngua devido ao estado de conscincia.

    2. Facilitar a drenagem das secrees da boca.

    3. Impedir o risco de aspirar o vmito do contedo gstrico, ao ventilar.

    4. Drenar ou remover facilmente o vmito.

    Procedimento para realizar a PLS:

    1. Ajoelhar-se ao lado da vtima.

    2. Estender pernas e braos da vtima.

    3. Colocar o brao da vtima que fica prximo do socorrista em ngulo recto

    com o corpo, ao nvel do ombro.

    4. Apoiar o brao oposto da vtima na bochecha, do lado do socorrista,

    cruzando-o sobre o peito, controlando o movimento da cabea sem ferir.

    5. Flectir a perna da vtima do lado oposto, segurando-a por de baixo do

    joelho e com a outra mo apoiando a cabea, puxar rodando o corpo para o

    lado do socorrista.

    6. Confirmar a PLS, verificando se a vtima respira bem, sem fazer rudos por

    obstruo da via area ou se necessita de ajuda.

    Em casos de afogamento recomenda-se a realizao do PLS para o lado direito uma

    vez que o brnquio fronte direito mais vertical, recebendo mais gua durante o

    afogamento. Assim ao colocarmos a vtima em PLS para o lado direito sacrificamos os

    pulmo mais encharcado de gua(direito), poupando o esquerdo, para que se possa

    ministrar oxignio.

    Caso o estado da vtima obrigue a RCP o socorrista deve desfazer a PLS, fazendo o

    corpo da vtima rodar para cima dos seus joelhos de forma controlada.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    30

    6.5. Suporte bsico de vida em crianas

    Para a realizao do SBV em crianas necessrio ter especial ateno ao facto do

    adulto suportar maior carga que a criana.

    O processo de SBV realizado nos adultos mantm-se no SBV realizado em crianas

    at realizao das compresses torcicas externas.

    Para as crianas recomendam-se 5 ventilaes iniciais seguidas de 1 minuto de SBV

    (30:2), at que o socorrista active o 112. Estas 5 ventilaes iniciais devem-se ao facto

    de ser muito raro que a criana seja vtima de paragem crdio-respiratria por doena,

    pelo que o socorrista ganha tempo ao realizar as 5 insuflaes iniciais.

    Compresses torcicas externas (CTE)

    Nas crianas, comprima o tero inferior do esterno.

    1. Comprima o esterno , de modo a deprimir cerca de 1/3 da profundidade da

    caixa torcica.

    2. Liberte a presso e repita a uma velocidade de 100 compresses por

    minuto.

    3. Aps 30 compresses, realize 2 insuflaes, realizando a manobra de

    abertura da via area.

    4. Continue as compresses e insuflaes numa razo de 30:2.

    6.6. Probabilidade de Sobrevivncia no SBV

    Segundo os padres normais a probabilidade de uma vtima de paragem

    cardiorespiratria recuperar desce numa mdia de 7% a 10% por minuto, sendo lgico

    esperar que at 14 minutos exista ainda possibilidade de a recuperar:

    Fig. 1 - Probabilidade de Sobrevivncia no SBV - Desfibrilhao

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    31

    Com administrao de Suporte Bsico de Vida e Desfibrilhao Automtica Externa, a

    probabilidade de recuperao desce numa mdia de 5% por minuto, aumentando-se

    assim o tempo de recuperao para 20 minutos.

    From:

    Defibrillators - A Shock in Time, RLSS, Dr Anthony J Handley, Chief Medical Adviser

    RLSS UK, Chairman

    BLS/AED Subcommittee Resuscitation Council UK, Chairman BLS Task Force ILCOR

    Fig. 2 - Probabilidade de Sobrevivncia no SBV CPR + Desfibrilhao

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    32

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    33

    Anexo A

    Esquema do SBV

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    34

    Bibliografia

    Autores:

    Booth, G. (1994). Health risks and injury prevention. In B. Lowdon (Ed.), Competitive

    Surfing. A Dedicated Approach, (pp. 231-255). Victoria: Mouvement Publications.

    Dixon, P. (2001). The complete guide to surfing. Guilford: The Lyons Press.

    Lima, P. (2008). Carcavelos e os dez mandamentos do surfista. FreeSurf Magazine, 3,

    6.

    Nathanson, A., Bird, S., Dao, L., & Tam-Sing, K. (2007). Competitive Surfing Injuries: A

    Prospective Study of Surfing-Related Injuries Among Contest Surfers. The American

    Journal of Sports Medicine, 35, 1, 113-117.

    Nathanson, A., Haynes, P., & Galanis, D. (2002). Surfing Injuries. American Journal of

    Emergency Medicine, 20, 3, 115-160.

    Taylor, D., Bennett, D., Carter, M., Garewal, D., & Finch, C. (2004). Acute injury and

    chronic disability resulting from surfboard riding. Journal Science Medicine Sport, 7, 4,

    429-437.

    Tostee, P. (2005). Wish you werent here. Toast. Surfing Magazine, 41, 3, 87.

    Valente, J. (2000). Surf em Portugal. De onde veio, onde est e para onde vai.

    Programa Figueira Pro 2000 Mundial de Surf. Figueira da Foz: Joo Lagos

    Sports/Gesto de Eventos SA.

    Warshaw, M. (2003). The encyclopedia of surfing. Orlando: Hartcourt, Inc.

    Livros:

    Instituto de Socorros a Nufragos. (2008). Manual de Nadador Salvador (Instituto de

    Socorros a Nufragos ed.). Caxias: Tipografia Lobo.

  • UNIDADE CURRICULAR DE DNIII NOVEMBRO 2010

    35

    Sites:

    Http:\\www.alexandretadeia.com