SILVIO JOS‰ PEREIRA DE LIMA TRABALHO DE CONCLUSƒO .As colegas de classe que, durante esses anos,

  • View
    226

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of SILVIO JOS‰ PEREIRA DE LIMA TRABALHO DE CONCLUSƒO .As colegas de classe que, durante...

  • CENTRO UNIVERSITRIO PLNIO LEITE Coordenao do Curso de Servio Social

    Curso Servio Social

    SILVIO JOS PEREIRA DE LIMA

    TRABALHO DE CONCLUSO DO CURSO DE SERVIO SOCIAL

    Niteri

    2007

  • SILVIO JOS PEREIRA DE LIMA

    OS DIREITOS DOS PORTADORES DE DEFICINCIA: UM ESTUDO A PARTIR DA EXPERINCIA COM UMA CRIANA PORTADORA DE

    SNDROME DE WEST

    Trabalho de Concluso do Curso apresentado ao Curso de Servio Social da UNIPLI, como requisito para obteno parcial do grau de Assistente Social.

    Orientadora: Prof. Marciane da Silva Ornelas Conceio Mestre em Servio Social

    Niteri

    2007

  • SILVIO JOS PEREIRA DE LIMA

    OS DIREITOS DOS PORTADORES DE DEFICINCIA: UM ESTUDO A PARTIR DA EXPERINCIA COM UMA CRIANA PORTADORA DE

    SNDROME DE WEST

    Trabalho de Concluso do Curso apresentado ao Curso de Servio Social da UNIPLI, como requisito para obteno parcial do grau de Assistente Social.

    Aprovado em: 28 de junho de 2007

    BANCA EXAMINADORA

    ___________________________________________

    Prof. Marciane da Silva Ornelas Conceio

    Mestre em Servio Social

    ___________________________________________

    Prof. Maria Elisa Pimentel

    Mestre em Servio Social

    ___________________________________________

    Prof. Sindely Chahim de Avellar Alchorne

    Mestre em Servio Social

  • ...as pessoas portadoras de deficincia tm os mesmos direitos humanos e liberdades

    fundamentais que outras pessoas e que estes direitos, inclusive o de no serem

    submetidas discriminao com base na deficincia, emanam da dignidade e da

    igualdade que so inerentes a qualquer ser humano. Conveno da Guatemala.

  • Resumo

    DE LIMA, Silvio Jos Pereira. as vias de acesso aos direitos dos portadores de deficincia: um estudo a partir da experincia com uma criana portadora de sndrome de west: 2007. 53f. TCC Trabalho de Concluso de Curso. Coordenao de Servio Social - Centro Universitrio Plnio Leite.

    Esse trabalho relata as vias de acesso aos direitos das pessoas com necessidades especiais, a partir da experincia com uma criana portadora de sndrome de west.

    Palavras-chave: garantias de direitos. Portadores de deficincias

  • Agradecimentos

    Agradeo primeiramente a Deus pela fora que me foi dada para que

    enfrentasse mais esse desafio, mesmo que em alguns momentos tenha

    desmoronado, minha fora redobrava a cada recomeo.

    Meu amor, minha Si..., Obrigado pela compreenso dos dias em que,

    mesmo chegando do trabalho, assumiste o controle das tarefas da casa, das

    noites que no pudemos passar juntos, dos meus medos, das minhas

    reclamaes! Agradeo-te a pacincia pelo apoio nos momentos difceis e pelo

    encorajamento. Tambm, gostaria de agradecer por teres aparecido na minha vida

    e me dado meus dois anjos. s uma me e companheira maravilhosa. Te amo e

    acredito que chegamos l onde nossos sonhos esto.

    Ao meu querido filho Pedro que, apesar de pouca idade um verdadeiro

    guerreiro, que muito rpido passou daquele pequeno menino para um grande

    homem. Sei que sou muito duro contigo, mas saiba que tu s um filho

    maravilhoso. Confio muito em ti. Te amo!

    A minha linda filha Mariana, que fora e a razo para que eu tenha

    voltado a estudar. Como gosto de chegar em casa, tomar um banho rpido e te

    procurar para conversarmos. Sei que voc, da sua maneira, me compreende.

    Daqui para frente terei mais tempo para conversarmos e te encher de beijos.

    Mesmo na sua maneira de ser, tenho muito orgulho de ter-te como filha.. Obrigado

    pela alegria que teus lindos olhos me passam. Te amo a cada minuto!

    A minha me Zilma e s minhas irms Silvia, Sandra e Silvana apesar de

    muito longe, agradeo todo o apoio e a pacincia em tolerar a nossa ausncia

    neste perodo.

  • Ao pai, Silvio Lima, quanta saudade sinto de ti! Exemplo de homem:

    correto, bom, alegre, honesto e amigo de todos. Como eu queria que fssemos

    vizinhos para que tu brincasses e acompanhasses o crescimento do Pedro e da

    Mariana.

    Ao meu sogro Wilson e Regina. Falo com os amigos que adquiri um pai e

    no um sogro. Obrigado pelo apoio que recebemos durante essa trajetria...

    s minhas professoras agradeo a compreenso, ajuda, apoio,

    disponibilidade, e acima de tudo, o incentivo para que eu continuasse a acreditar

    que poderia vencer todos os obstculos... Obrigado por tudo.

    Assistente Social Ana Paula, minha supervisora de campo, agradeo a

    pacincia e os ensinamentos passados durante os dois anos de estgio. Tenho

    muito a agradecer, pelas cobranas, apoio, profissionalismo e ensinamentos!

    Quando crescer, quero ser igual a ti!

    A minha orientadora Prof. Sany pelas crticas, sugestes, incentivo,

    simpatia e presteza no auxlio s atividades e discusses sobre o andamento e

    normatizao deste Trabalho de Concluso de Curso.

    As professoras Maria Elisa e Sindely pelas crticas e sugestes e por honrar

    com suas presenas em nossa banca examinadora.

    As colegas de classe que, durante esses anos, nos deram mostra de

    coragem, fora, determinao, espontaneidade e alegria na troca de informaes

    e materiais numa demonstrao de amizade, solidariedade e companheirismo.

    Em especial, Cssia Bello (KCIA) e ao Jairo, pelo incentivo, apoio e

    inspirao no amadurecimento dos meus conhecimentos e conceitos que me

    levaram a execuo e concluso deste trabalho.

    Ao meu grande, grande mesmo, colega de trabalho e amigo Paulo Csar

    (PC), que por vrias vezes cobriu nossa posio nos horrios de estgio,

    demonstrando companheirismo e amizade.

    Aqui deixamos muitas saudades e gratido por tudo aprendido, pelo

    exemplo recebido de dedicao e informao. Agradecimento todos pelo

    carinho, compreenso e ajuda.

    Muito Obrigado

  • Sumrio

    Introduo 11

    Capitulo I A Deficincia em Perspectiva Histrica. 12

    1.1 O Legado Histrico da Deficincia. 12

    1.2 Trabalho e Deficincia. 18

    Capitulo II Os Direitos dos Portadores de Deficincia. 22

    2.1 Estado Brasileiro enquanto instncia privilegiada de garantia dos direitos.

    22

    2.2 Dos Direitos das Pessoas Portadoras de Deficincia. 26

    2.2.1 Direito Educao. 27

    2.2.2 Direito Sade. 28

    2.2.3 Direito ao Trabalho e a Formao Profissional. 28

    2.2.4 Direitos Previdencirios. 29

    2.2.5 Direito ao Benefcio da Prestao Continuada BPC. 30

    2.2.6 Direito da Acessibilidade. 30

    2.2.7 Da Lei Orgnica da Assistncia Social LOAS. 32

    2.2.8 Responsabilidades do Ministrio Pblico. 33

    2.2.9 Declarao de Salamanca. 33

  • Capitulo III

    Servio Social e a questo da garantia do acesso aos direitos dos portadores de deficincia.

    35

    3.1 Contextualizao da profisso. 35

    3.2 Atributos Inerentes a Profisso. 43

    3.3 reas especficas de atuao do Servio Social com a populao portadora de deficincia.

    44

    3.3.1 Educao. 44

    3.3.2 Lei Orgnica da Assistncia Social LOAS. 45

    3.3.3 Sade. 47

    3.4 O Servio Social e a Interveno na Associao Fluminense de Reabilitao.

    48

    Concluso 51

    Referncias

    52

    Anexos Cdigo de tica Profissional dos Assistentes Sociais.

    Estatuto dos Portadores de Deficincia.

    Declarao de Salamanca.

    Sndrome de West e suas necessidades funcionais.

    Vivenciando a histria.

  • Introduo

    O presente estudo nos foi inspirado, apriore at mesmo antes do ingresso

    na Universidade. A escolha pelo curso de Servio social se deu a partir da nossa

    indignao do quadro que uma famlia enfrenta com uma criana portadora de

    necessidades especiais.

    Segundo a Organizao Mundial de Sade - OMS, as pessoas portadoras

    de deficincia correspondem a 10% de toda a populao do mundo. Estas

    pessoas possuem necessidades especiais devido s suas dificuldades e

    limitaes, mas necessitam tambm de ter sua identidade reconhecida e romper

    com a tradio de uma globalizao que as segrega, uma sociedade que as

    marginaliza e exclui.

    Este percentual est dividido da seguinte maneira, de acordo com as reas

    de Deficincia:

    NMERO DE PESSOAS PORTADORAS DE DEFICINCIA NO BRASIL

    REA DE DEFICINCIA POPULAO PORCENTAGEM Deficincia Mental (D.M.) 8.000.000 5% Deficincia Fsica (D. F.) 3.200.000 2% Deficincia Auditiva (D.A.) 2.400.000 1.5% Deficincia Mltipla 1.600.000 1% Deficincia Visual (D.V.) 800.000 0.5%

    Total 16.000.000 10% Fonte: CORDE, 1992 (considerando-se a populao brasileira com aproximadamente 160 milhes de habitantes, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia Estatstica IBGE)

    Nesse contexto, o reconhecimento das deficincias e das pessoas com

    deficincia representa hoje o grande desafio de todos, no sentido de propiciar

    uma equiparao de oportunidades.

    A luta para garantirmos estes espaos de igualdade para os cidados

    significa uma luta poltica, porque viver em sociedade representa ter deveres e

    direitos que devem ser obedecidos e respeitados no planejamento dos projetos

    pblicos.

  • Esta publicao composta de trs captulos e foi adotada com o propsito

    de informar aos usurios com interesse especfico no direito das pessoa