taxas agencias

  • View
    7

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of taxas agencias

  • 1

    AS TAXAS E CIDES ARRECADADAS PELAS AGNCIAS REGULADORAS E SEU PAPEL NA INDEPENDNCIA FUNCIONAL DESTAS: O CASO ESPECFICO DA ANCINE.

    VINICIUS ALVES PORTELA MARTINS1 Resumo

    O artigo tem por objetivo discutir a necessidade de unificao das espcies tributrias arrecadadas pelas agncias reguladoras federais (a luz da criao de um regime jurdico nico), com o intuito de que estas receitas custeiem as despesas destes rgos e evitando o surgimento de figuras tributrias como a Contribuio para o Desenvolvimento da Indstria Cinematogrfica Nacional - CONDECINE. Para isso, o artigo define as espcies tributrias arrecadadas por estas agncias, a luz do direito tributrio brasileiro e especifica o caso da CONDECINE, tributo arrecadado, em parte, pela Agncia Nacional de Cinema ANCINE. Por ltimo o artigo, a partir das descries acima efetuadas, discute as conseqncias e a necessidade da criao de um marco legal nico das agncias, sugerindo a criao de um regime jurdico nico com a consequente unificao das espcies tributrias e da destinao destas (compondo receita destes rgos) o que fundamental para independncia funcional destas Autarquias Especiais. Palavras-chave: CIDES, Taxas, Ancine, Agncias reguladoras, regime jurdico nico, direito tributrio, cinema.

    TAXES RAISED BY THE BRAZILIAN FEDERAL AGENCIES AND THE IMPORTANCE FOR THEIR FUNCTIONAL INDEPENDECE: THE SPECIFIC CASE OF ANCINE

    This article has the objective to discuss the necessity of unifying the tributes raised by Federal Agencies in Brazil (which is part of another discussion the creation of a single juridical regime for all these agencies) so that this unique revenue will be enough to afford the maintenance costs of these agencies. This paper aims to show the importance of this regime and this unification so as to avoid figures like the CONDECINE (the tribute raised by ANCINE). In order to do that, the article defines all types of tributes raised by the Brazilian federal agencies (two types), considering the Brazilian tax law, and describes specifically the CONDECINE tribute. Finally, the paper debates the need and the possible consequences of a single legal standard and suggests a single juridical regime and a unique type of tribute (taxes) for all the federal agencies. Furthermore, we suggest that the revenue raised by these agencies should be enough to pay their maintenance costs. The financial independence of these agencies is extremely important in order to guarantee their functional independence. Key word: CIDES, Taxes, Ancine, Federal agencies, Tax law, cinema.

    rea temtica direito tributrio, direito administrativo,

    1 Vincius Alves Portela Martins Especialista em regulao da ANCINE, psgraduado em economia da regulao da atividade cinematogrfica e audiovisual pela UFRJ-IE e ps graduando em Direito Pblico e tributrio pela Universidade Candido Mendes. autor do livro Fundamentos da atividade cinematogrfica e audiovisual da editora Campus-Elselvier, 2009. Endereo eletrnico veportela@yahoo.com.br e vinicius.martins@ancine.gov.br.

  • 2

    1) Introduo

    Este trabalho tem por objetivo descrever, a luz do direito tributrio brasileiro, as

    espcies tributrias denominadas contribuies e taxas, as quais so cobradas pelas

    agncias reguladoras brasileiras e que, ao menos em parte, compe as receitas destas

    autarquias especiais, tratando especificamente do caso da Agncia Nacional de Cinema

    - ANCINE. Alm disso, esse trabalho demonstrar importncia destes tributos no que

    diz respeito a independncia funcional das agncias, demonstrando a necessidade de

    uniformizao das espcies tributrias cobradas por estas e da destinao das receitas

    advindas destes tributos.

    Um dos primados para a criao de agncias reguladoras o fato de estas serem

    independentes o suficiente para atuarem de forma neutra na resoluo de conflitos entre

    os agentes de um determinado mercado. Mais que rgos de governo, as Agncias

    Reguladoras so rgos para a concretizao de suas polticas de Estado, que

    ultrapassam as Polticas de Governo em termos de definitividade e estabilidade2. Foi

    assim que as agncias surgiram em sua origem, com a criao das primeiras agncias

    reguladoras estaduais nos EUA.

    Um dos requisitos que caracteriza a independncia destes rgos o fato destes

    gozarem de independncia financeira funcional e oramentria. Para isto ocorrer de

    fato, presume-se na literatura especializada3 que as agncias reguladoras devam ter

    receitas prprias para a manuteno de suas despesas e direcionamento dos recursos

    para suas atividades de regulao e fiscalizao.

    Entretanto, o regime jurdico que compe as Agncias Reguladoras brasileiras

    fragmentado em leis esparsas. Cada agncia possui uma lei definindo suas

    competncias, atividades, receitas prprias, etc. Isso faz com que as espcies tributrias

    que compe as receitas destas agncias sejam diferentes e com destinaes e formas de

    cobranas diferentes entre si. Assim, encontramos taxas de fiscalizao e Contribuies

    de Interveno no Domnio Econmico - CIDE como as principais espcies tributrias

    arrecadadas pelas agncias reguladoras brasileiras. Porm, dentre as Agncias

    Reguladoras que compe o regime jurdico brasileiro, a ANCINE uma das poucas que

    no possui uma taxa ou CIDE que constitua receita prpria, o que seria uma afronta aos

    3 PECI, Alketa. NOVO MARCO REGULATRIO PARA O BRASIL DA PS-PRIVATIZAO: O PAPEL DAS AGNCIAS REGULADORAS EM QUESTO, www.anpad.com.br1999/dwn/enanpad1999-ap-13.pdf, 1999

  • 3

    princpios econmicos que versam sobre agncias reguladoras e a necessidade de

    independncia destes rgos.

    Partindo deste ponto, aps descrever com maiores detalhes as espcies

    tributrias das agncias reguladoras atuais, aprofundaremos o estudo da Contribuio

    para o Desenvolvimento da Indstria Cinematogrfica Nacional CONDECINE para

    demonstrar o efeito negativo da mudana da destinao desta (com a alterao efetuada

    pela lei 11.437/06, a CONDECINE passa, em sua totalidade, a compor receita do Fundo

    Setorial do Audiovisual), e, conseqentemente, de no haver um regime jurdico nico

    das agncias que leve a uma unificao das espcies tributrias cobradas por estas. Essa

    falta de uniformizao (tanto por parte da falta de um regime jurdico nico, como a

    falta de unicidade das espcies tributrias e respectiva destinao destas), levou a

    drstica4 conseqncia do desvio das receitas da CONDECINE para o fundo setorial do

    audiovisual, criado pela lei 11.437/2006, o que tira a uma fonte de receita prpria da

    ANCINE, tendo conseqncias na sua atuao independente.

    Concluindo, refletiremos sobre as conseqncias relativas ausncia de um

    regime jurdico nico para as agncias reguladoras do Brasil, do qual a diversidade de

    espcies tributrias arrecadadas por estas (e a destinao de suas receitas) apenas parte

    deste problema. Tem-se por finalidade do presente trabalho sugerir, a criao de um

    regime jurdico nico para as agncias e a unificao das espcies tributrias (tipo de

    tributo e respectiva destinao, etc.) por parte das mesmas, tomando como base os

    problemas relacionados ao caso da Agncia Nacional de Cinema.

    2) Metodologia

    A metodologia a ser utilizada neste trabalho ser:

    2.1) Definir as Contribuies e as taxas dentro do regime jurdico tributrio brasileiro,

    citando as principais caractersticas;

    2.2) Descrever as diferentes espcies tributrias utilizadas pelas agncias reguladoras

    brasileiras, citando as destinaes.

    2.3) Aprofundar o caso da contribuio cobrada pela ANCINE (CONDECINE) no que

    diz respeito a: descrio de suas caractersticas, semelhanas e diferenas deste tributo

    com as taxas cobradas pelas outras agncias.

    2.4) Discorrer sobre as possibilidades de unificao das espcies tributrias e da

    destinao das receitas das agncias reguladoras como um primeiro passo para adoo

    4 Essa referncia com este adjetivo diz respeito, exclusivamente, ao problema da agncia no possuir receita prpria para custear suas atividades, mas do que a transferncia, em si, para o FSA.

  • 4

    de um regime jurdico nico das agncias (e tambm para independncia e autonomia

    funcional destas).

    3) Fundamento jurdico das espcies tributrias fiscalizadas pelas agncias

    reguladoras brasileiras: breve anlise a partir do direito tributrio brasileiro.

    Um dos primados para efetiva independncia5 das agncias reguladoras o fato

    destas terem tributos que constituam receita prpria para o custeio de suas atividades6.

    No Brasil, as espcies tributrias escolhidas para compor parte das receitas das agncias

    foram a contribuio de interveno no domnio econmico - CIDE e as taxas.

    Adentraremos agora um pouco mais no que significam estas espcies tributrias:

    3.1) Taxas

    Taxas so tributos cujo fato gerador configurado por uma atuao estatal

    especfica, refervel ao contribuinte, que pode consistir:

    a) no exerccio do poder de polcia

    b) na prestao ao contribuinte, ou a colocao disposio deste, de servio

    pblico especfico e divisvel. Assim, vemos que as taxas no dependem de um fato do

    o indivduo, mas sim de um fato de Estado. Na medida em que o Estado exerce uma

    determinada atividade, cobra a taxa de quem tira proveito daquela determinada

    atividade.

    Na taxa de servio veremos que, mesmo em casos em que o servio no frudo,

    essa poder ser cobrada pelo simples fato de esta